Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Talibãs decapitam 17 civis afegãos que faziam festa mista e com música

 

O GLOBO

Vítimas cantavam e dançavam em evento

COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Publicado: 27/08/12 - 4h43

Atualizado: 27/08/12 - 8h20

KANDAHAR, Afeganistão - Insurgentes talibãs decapitaram 17 civis afegãos por fazer uma festa mista (com homens e mulheres) e com música até tarde da noite de domingo. Os corpos de 15 homens e duas mulheres foram encontrados perto do distrito de Musa Qala, a 75 quilômetros da capital da província de Helmand, um dos bastiões do Talibã. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque até agora.

- As vítimas participavam de uma festa com música e dança até tarde da noite quando os talibãs atacaram - afirmou uma autoridade local.

O ministério do Interior disse ainda que foram usadas armas de fogo e todas as vítimas tiveram a cabeça cortada. Os corpos foram encontrados nesta segunda-feira.

Durante os cinco anos em que estiveram no poder, antes da intervenção da Otan liderada pelos EUA, em 2001, o Talibã proibiu que mulheres votassem, trabalhassem e saíssem de casa sem estar acompanhada de um parente homem. Demonstrações de afeto e reuniões mistas costumam ser condenadas duramente pelos extremistas. Em junho, talibãs invadiram um hotel por ser palco de “festas selvagens” e mataram 20 pessoas, contaram fontes. Apesar das melhorias, o Afeganistão continua sendo um dos piores países do mundo para mulheres.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/talibas-decapitam-17-civis-afegaos-que-faziam-festa-mista-com-musica-5902761#ixzz24n0d5vEf
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".