Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Obama's Fraudulent Filings

 

Human Events
 
Below please find a special message from one of our advertisers, United States Justice Foundation. From time to time, we receive opportunities we believe you as a valued customer may want to know about. Please note that the following message does not necessarily reflect the editorial positions of Human Events.

URGENT CONFIDENTIAL LEGAL UPDATE

Obama's Fraudulent Filings

Tell All 50 State Attorneys General To Investigate NOW The Compelling Evidence That Barack Obama Was Born In Africa!


Dear Concerned Friend,

I dared bring Barack Obama into court to force him to produce his birth certificate and put an end to the controversy over his status as a "natural born" citizenship once and for all. And now he's coming after me and the United States Justice Foundation (USJF) -- the public-interest legal group that I founded over 30 years ago -- with a vengeance! Merely because we dare to seek the truth!

And they must have something to hide, because Mr. Obama's attorneys have threatened to spend, and then sanction, USJF out of existence.

USJF has started efforts to convince State Attorneys General, all across the country, to investigate whether Barack Obama has committed perjury by knowingly filing false nomination papers ... claiming to be constitutionally eligible to run for, and serve as, President of the United States. As you know, the available evidence shows that he was born in Africa. A FAX to all 50 State Attorneys General is available for you to send right now.

You see, even though it's past January 20, 2009 -- inauguration day -- Barack Obama can still be stopped from becoming an illegal "squatter" in the White House.

FAX All 50 State Attorneys General To Investigate Obama's Fraud


Frankly, the evidence that Barack Hussein Obama was born in Africa -- not Hawaii as he claims - and, therefore, cannot serve as the President of the United States, is compelling.
  • First, Mr. Obama's refusal to release his birth certificate. If he has nothing to hide, what does he gain by refusing to allow the press to see the birth certificate?
  • Second, the contention by Barack Obama's half-sister, Maya Soetoro-Ng, that Mr. Obama was born in a particular Hawaiian hospital, only to claim that it was in a different hospital several years later.
  • Third, the erecting of a wall around Barack Obama's grandmother, the late Madelyn Dunham, by Mr. Obama, thus cutting off access to the one person then alive who would have been present if he was actually born in Hawaii.
  • Fourth, the posting of law enforcement personnel at the two hospitals in Honolulu mentioned by Ms. Soetoro-Ng in an effort to block the press from discovering the truth about the birth certificate.
  • Fifth, a taped phone conversation with Mr. Obama's step-grandmother in Kenya, who claims that she was present at his birth ... in what is now called Kenya!
  • Sixth, the "birth certificate" posted on the Obama campaign website and other liberal websites. Since Barack Obama was born in 1961, long before laser printers and office computers, his original birth certificate would be typewritten ... unlike the laser printed "copy" purported to be genuine.
The evidence demands that Barack Obama answer why he has been hiding the truth from the American people about his eligibility to run for, and serve as, President!

That's right. Not only does Mr. Obama continue to categorically refuse to produce the decisive evidence proving whether he is a "natural born" citizen, his high-priced LA-based "dream team" of attorneys has USJF squarely in its crosshairs! And they're loading both barrels!

So, unless you help me and my team here at USJF to stand our ground in court, Mr. Obama's hired guns could blow a financial hole in USJF's ability to be the proverbial thorn in Mr. Obama's side!

Barack Obama continues to battle any attempt to see his real birth certificate - producing only a phony one posted on his website -- as well as fighting us tooth and nail as we seek access to his college records... records which we believe may prove that he was foreign born!

USJF served a subpoena upon Occidental College to gain access to Mr. Obama's college records and we are fighting to get at the truth on many other fronts, as well, including:
  1. Appealing a case filed by USJF in California, all the way up to the United States Supreme Court, if necessary, on behalf of 2008 Presidential candidate Alan Keyes, calling into question Mr. Obama's status as a "natural born" citizen;
  2. Funding, and assisting local attorneys and Plaintiffs, in similar lawsuits, in Ohio, Hawaii, and Mississippi, AND we're considering filing more lawsuits in other states; and
  3. We have initiated a campaign demanding that your State Attorney General take action now, which I'll tell you about momentarily...
Click Here Donate & Demand Mr. Obama Show Us the Truth!

You see, when Barack Obama officially entered the office of President, he became, in essence, a "pretender to the throne." According to the Constitution, only a "natural born citizen" can occupy the presidency.

Even though he was sworn in on January 20, 2009, Barack Obama is not legally the President of the United States, unless he can prove that he is a "natural born citizen."

What's more, every action taken by him while he occupies the White House may be invalid. If he cannot legally be President, every law passed by Congress will be null and void because the Constitution clearly requires that all laws be signed by the President ... and, without a legally elected and sworn in President in office, that becomes an impossibility.

Quite frankly, this crisis must be ended! And it must be ended now!

And that's just what we're fighting to do. The United States Justice Foundation is spearheading a campaign to protect the United States Constitution ... and your liberty.

Click Here Donate & Demand Mr. Obama Show Us the Truth!


We have to press our case to stop Barack Obama from, apparently, illegally holding the Presidency, despite the ongoing threats against us. We are speaking of filing additional lawsuits and administrative actions, over and above the dozens already filed, if you will help us today.

I need your help right now in order to win this battle. We must raise the needed funds to continue our legal research, pay court costs and lawyer fees, and to contact all 50 State Attorneys General. Helping USJF with this campaign is your best shot, and, possibly your only chance, at finding out whether Barack Obama is legally holding the Presidency of our great nation, or whether he is a fraud, a usurper!

My friend, please take action immediately. Please FAX all 50 State Attorneys General and please send to me your best possible gift to help USJF stop Barack Obama from continuing his apparent theft of the Presidency!

FAX All 50 State Attorneys General To Investigate Obama's Fraud


Are you willing to see the Constitution shredded by the Left? Will you sit back and do nothing while a foreign-born person may be illegally occupying the White House as President of the United States?

We will not be intimidated. But we MUST have your help immediately if USJF is to survive this fight to the finish -- and if the U.S. Constitution is to weather this crisis intact!

Our country is on the fast track to disaster ... but you can help us keep the situation from getting worse. I pray that I'll hear from you today.


In His Name,

Gary Kreep, Executive Director
United States Justice Foundation


P.S. America has never before faced such a threat. Everything we hold dear is at risk with Barack Obama sitting as President without him releasing his actual birth certificate. Please, send in your best possible gift today!

P.P.S. And don't forget to check out our website for more information about this case and other critical issues affecting our nation.

Click Here Donate & Demand Mr. Obama Show Us the Truth!


Or Send Checks to:
United States Justice Foundation
Dept Code 2276
P.O. Box 131637
Houston, TX 77219-1637 

quinta-feira, 16 de abril de 2009

O imbecil juvenil - dos covardes mirins tornados idiotas úteis


O imbecil juvenil
Jornal da Tarde, São Paulo, 3 abr. 1998


Já acreditei em muitas mentiras, mas há uma à qual sempre fui imune: aquela que celebra a juventude como uma época de rebeldia, de independência, de amor à liberdade. Não dei crédito a essa patacoada nem mesmo quando, jovem eu próprio, ela me lisonjeava. Bem ao contrário, desde cedo me impressionaram muito fundo, na conduta de meus companheiros de geração, o espírito de rebanho, o temor do isolamento, a subserviência à voz corrente, a ânsia de sentir-se iguais e aceitos pela maioria cínica e autoritária, a disposição de tudo ceder, de tudo prostituir em troca de uma vaguinha de neófito no grupo dos sujeitos bacanas.

O jovem, é verdade, rebela-se muitas vezes contra pais e professores, mas é porque sabe que no fundo estão do seu lado e jamais revidarão suas agressões com força total. A luta contra os pais é um teatrinho, um jogo de cartas marcadas no qual um dos contendores luta para vencer e o outro para ajudá-lo a vencer.

Muito diferente é a situação do jovem ante os da sua geração, que não têm para com ele as complacências do paternalismo. Longe de protegê-lo, essa massa barulhenta e cínica recebe o novato com desprezo e hostilidade que lhe mostram, desde logo, a necessidade de obedecer para não sucumbir. É dos companheiros de geração que ele obtém a primeira experiência de um confronto com o poder, sem a mediação daquela diferença de idade que dá direito a descontos e atenuações. É o reino dos mais fortes, dos mais descarados, que se afirma com toda a sua crueza sobre a fragilidade do recém-chegado, impondo-lhe provações e exigências antes de aceitá-lo como membro da horda. A quantos ritos, a quantos protocolos, a quantas humilhações não se submete o postulante, para escapar à perspectiva aterrorizante da rejeição, do isolamento. Para não ser devolvido, impotente e humilhado, aos braços da mãe, ele tem de ser aprovado num exame que lhe exige menos coragem do que flexibilidade, capacidade de amoldar-se aos caprichos da maioria - a supressão, em suma, da personalidade.

É verdade que ele se submete a isso com prazer, com ânsia de apaixonado que tudo fará em troca de um sorriso condescendente. A massa de companheiros de geração representa, afinal, o mundo, o mundo grande no qual o adolescente, emergindo do pequeno mundo doméstico, pede ingresso. E o ingresso custa caro. O candidato deve, desde logo, aprender todo um vocabulário de palavras, de gestos, de olhares, todo um código de senhas e símbolos: a mínima falha expõe ao ridículo, e a regra do jogo é em geral implícita, devendo ser adivinhada antes de conhecida, macaqueada antes de adivinhada. O modo de aprendizado é sempre a imitação - literal, servil e sem questionamentos. O ingresso no mundo juvenil dispara a toda velocidade o motor de todos os desvarios humanos: o desejo mimético de que fala René Girard, onde o objeto não atrai por suas qualidades intrínsecas, mas por ser simultaneamente desejado por um outro, que Girard denomina o mediador.

Não é de espantar que o rito de ingresso no grupo, custando tão alto investimento psicológico, termine por levar o jovem à completa exasperação impedindo-o, simultaneamente, de despejar seu ressentimento de volta sobre o grupo mesmo, objeto de amor que se sonega e por isto tem o dom de transfigurar cada impulso de rancor em novo investimento amoroso. Para onde, então, se voltará o rancor, senão para a direção menos perigosa? A família surge como o bode expiatório providencial de todos os fracassos do jovem no seu rito de passagem. Se ele não logra ser aceito no grupo, a última coisa que lhe há de ocorrer será atribuir a culpa de sua situação à fatuidade e ao cinismo dos que o rejeitam. Numa cruel inversão, a culpa de suas humilhações não será atribuída àqueles que se recusam a aceitá-lo como homem, mas àqueles que o aceitam como criança. A família, que tudo lhe deu, pagará pelas maldades da horda que tudo lhe exige.

Eis a que se resume a famosa rebeldia do adolescente: amor ao mais forte que o despreza, desprezo pelo mais fraco que o ama.

Todas as mutações se dão na penumbra, na zona indistinta entre o ser e o não-ser: o jovem, em trânsito entre o que já não é e o que não é ainda, é, por fatalidade, inconsciente de si, de sua situação, das autorias e das culpas de quanto se passa dentro e em torno dele. Seus julgamentos são quase sempre a inversão completa da realidade. Eis o motivo pelo qual a juventude, desde que a covardia dos adultos lhe deu autoridade para mandar e desmandar, esteve sempre na vanguarda de todos os erros e perversidade do século: nazismo, fascismo, comunismo, seitas pseudo-religiosas, consumo de drogas. São sempre os jovens que estão um passo à frente na direção do pior.

Um mundo que confia seu futuro ao discernimento dos jovens é um mundo velho e cansado, que já não tem futuro algum.

A técnica da insurreição e do golpe de Estado

MÍDIA SEM MÁSCARA
CARLOS AZAMBUJA | 09 ABRIL 2009 

Trotsky, tranqüilo, sorri: “A insurreição não é uma arte. É uma máquina. Para colocá-la em movimento são precisos técnicos, e só técnicos a poderiam, eventualmente, parar”.

"Sou da linha trotskysta: revolução permanente".
(Declaração do presidente Hugo Chávez em janeiro de 2007).


Na polêmica que se seguiu ao golpe de Estado ocorrido na Rússia em outubro de 1917, Lenin foi considerado o estrategista, o ideólogo, e Trotsky o criador da técnica do golpe de Estado.

Segundo diversos analistas, o perigo de que os governos devem defender-se não advém da estratégia de Lenin, mas da tática de Trotsky.

A estratégia de Lenin não pode ser dissociada da situação concreta da Rússia de 1917. O próprio Lenin, em seu livro Esquerdismo, Doença Infantil do Comunismo, observou que a originalidade da situação política na Rússia em 1917 provavelmente nunca iria repetir-se em qualquer país do mundo. Sua estratégia não constitui, pois, um perigo imediato para os governos. A tática de Trotsky, sim. Constitui.

Para a estratégia de Lenin há necessidade da existência de um Kerensky (um governo fraco). A tática de Trotsky, ao contrário, independe desse detalhe e sua existência ou não, em nada a influencia. Há os que afirmam que mesmo que Lenin tivesse ficado na Suíça e não tivesse desempenhado papel algum em outubro de 1917, Trotsky teria tomado o poder.

O que é importante, na realidade, é a tática insurrecional, a técnica do golpe de Estado. Na revolução comunista a estratégia de Lenin não conduz, por si só, à tomada do poder, pois a febre da insurreição, a epidemia de greves, a paralisia da vida política e econômica, a ocupação de fábricas pelos operários, a desorganização das Forças Armadas, a política da burocracia, a leniência da magistratura, a resignação da burguesia e a impotência do governo não são o bastante para a tomada do poder. Essa situação revolucionária prepara, não há dúvida, o ataque decisivo, mas há, no entanto, necessidade de alguém que saiba “usá-la” e conduzir o ataque.

Para a tática de Trotsky as chamadas condições objetivas e subjetivas são apenas um detalhe.

Na Rússia, em 1917, Lenin pensava em obter maioria na Duma, sublevar as massas contra o governo de Kerensky, submergir o país sob a maré proletária, dar o sinal de insurreição a todo o povo, proclamar a necessidade da queda de Kerensky e da ditadura do proletariado.

A seguir, um diálogo imaginário:

“Concordo”, diz Trotsky, “mas antes de mais nada é preciso ter o controle da cidade e ocupar seus pontos estratégicos. Para tal, a insurreição tem que ser organizada e conduzida por uma tropa de choque com um punhado de pessoas. Para isso não necessitamos recorrer às massas. Um pequeno grupo nos é suficiente”.

Mas Lenin não queria que a revolução bolchevique viesse a ser classificada de “blanquista” (ou seja, acusada de ter sido feita por um punhado de conspiradores e não por meio da luta de classes do proletariado, conduzida por seu estado-maior, o partido, conforme a ortodoxia do marxismo).

“Muito bem”, responde Trotsky, “mas todo o povo é demasiado para a insurreição. Devemos contar é com um pequeno grupo, implacável e agressivo, treinado na tática insurrecional”.

“É conveniente”, admite Lenin, “concentrar os nossos esforços nas fábricas e nos quartéis. A revolução será feita aí e é aí que fica o seu nó vital. É aí que, em discursos inflamados, devemos explicar e ampliar o nosso programa, pondo a questão nos seguintes termos: ou a aceitação integral de nosso programa ou a insurreição”.

“Muito bem”, diz Trotsky, “mas quando as massas tiverem concordado com o nosso programa, teremos que organizar a insurreição. Para tal, devemos escolher, nas fábricas e nos quartéis, elementos de confiança e prontos para o que der e vier. Do que temos necessidade não é da massa de operários, é de uma tropa de choque”, insiste Trotsky.

“Para que a insurreição seja de inspiração marxista, isto é, encarada como uma arte”, concorda Lenin, “devemos simultaneamente e sem perda de tempo, organizar o Estado-Maior das tropas insurrecionais, repartir as nossas forças, lançar os regimentos fiéis nos pontos nevrálgicos da cidade, cercar o teatro Alexandra, ocupar o Forte Pedro e Paulo, prender o Estado-Maior Geral e enviar contra os oficiais-alunos e os cossacos, destacamentos dispostos a sacrificarem, se necessário, até o último homem a fim de impedir que o inimigo atinja o centro da cidade. Devemos mobilizar os operários armados, chamá-los ao combate, ocupar as centrais telefônicas e telegráficas, instalar aí o nosso Estado-Maior, pô-lo em contato com todas as fábricas, todos os regimentos e todos os pontos onde se desenvolver a luta armada”. 

“Muito bem”, diz Trotsky, “mas...”.

“Tudo o que afirmei é um pouco vago”, reconhece Lenin, “mas com isto eu quero provar que, no estado em que nos encontramos, só poderemos ser fiéis ao marxismo e à revolução se encararmos a insurreição como uma arte. Você conhece as principais regras com que Marx regulou esta arte. Pois bem, aplicadas à atual situação da Rússia estas regras significam: ofensiva simultânea, tão inesperada e rápida quanto possível sobre Petrogrado, concentração de forças superior aos 20 mil homens que o governo dispõe. Articulação entre as nossas três principais forças – a Marinha, os operários e as unidades militares – de modo a ocupar e defender as centrais telefônicas, o telégrafo, as estações de trens e as pontes. Selecionar, dentre os elementos de nossos grupos de ataque, os operários e marinheiros mais resolutos, formar destacamentos para ocupar todos os pontos importantes e participar em todas as operações decisivas. Por último, constituir grupos de operários armados com espingardas e granadas, que marcharão sobre as posições inimigas (escolas de oficiais, centrais telefônicas e telegráficas). O triunfo da revolução russa e, ao mesmo tempo, da revolução mundial, depende de dois ou três dias de luta”.

“Tudo isso é muito correto”, explica Trotsky, “mas demasiadamente complicado. É um plano vastíssimo, uma estratégia que abrange demasiado território e muitas pessoas. Não é uma insurreição. É uma guerra. Para ocupar Petrogrado não há nenhuma necessidade de tomar o trem na Finlândia. Quando se parte de muito longe fica-se, muitas vezes, no meio do caminho. Desencadear uma ofensiva de 20 mil homens desde Kronstadt para ocupar o teatro Alexandra é ‘um pouco’ demasiado para um golpe de mão. Em estratégia, o próprio Marx seria vencido por Korniloff. Urge fixarmo-nos na tática, agir com um punhado de homens e num terreno limitado, concentrar esforços nos objetivos prioritários, bater forte e feio. Não creio que seja muito complicado: as coisas perigosas são sempre extremamente simples. Para atingir o nosso objetivo não devemos recear os fatores que nos são adversos nem fiarmo-nos nos que são favoráveis. É preciso agir sem alarido, silenciosa e calmamente. A insurreição é uma máquina silenciosa. A sua estratégia exige uma série de circunstâncias favoráveis. A insurreição não precisa de nada. Basta-se a ela própria”.

As palavras acima, atribuídas a Lenin e Trotsky não são uma ficção. São extratos de cartas enviadas ao Comitê Central do Partido Bolchevique, em outubro de 1917, por ambos.

Os que conhecem todos os escritos de Lenin, em particular os que se referem à técnica insurrecional das jornadas de dezembro, em Moscou, durante a revolução de 1905, devem mostrar-se bastante surpreendidos com a ingenuidade da sua concepção de tática e estratégia insurrecionais, nas vésperas da Revolução de Outubro. Todavia, devemos reconhecer que após o revés da tentativa de revolução, em julho de 1917, foi ele o único – à exceção de Trotsky - que não perdeu de vista o objetivo principal da estratégia revolucionária: o golpe de Estado.

Após algumas hesitações (em julho, o Partido Bolchevique tinha um único objetivo e de natureza parlamentar: a conquista de maioria nos Sovietes) o germe da insurreição tornara-se para Lenin, “o motor de toda a sua atividade”. Durante sua estada na Finlândia – onde se refugiara após as jornadas de julho, para não ser preso por Kerensky – toda a sua atividade se resumia à preparação teórica da insurreição. De outra forma não se explicaria a ingenuidade do seu projeto de uma ofensiva militar sobre Petrogrado, apoiada, no interior da cidade, pela ação dos guardas vermelhos. Tal ofensiva teria redundado em um desastre.

Na sua carta de 17 de outubro de 1917, Lenin defendia a tática de Trotsky: “Não se trata de blanquismo. Efetivamente um golpe militar será blanquista quando não for organizado pelo partido de uma classe determinada; quando os seus organizadores não atenderem ao movimento político, em geral, e à situação nacional, em particular. Entre um golpe militar, condenável sob todos os pontos de vista, e a arte da insurreição armada, há uma grande diferença”.

Mas Trotsky, tranqüilo, sorri: “A insurreição não é uma arte. É uma máquina. Para colocá-la em movimento são precisos técnicos, e só técnicos a poderiam, eventualmente, parar”.

Essa tática de ação insurrecional de Trotsky passou a fazer parte da estratégia revolucionária da III Internacional e, por conseguinte, do Movimento Comunista Internacional.

Um elemento indispensável à insurreição é a greve geral, que tornaria a insurreição semelhante a um murro dado em um aleijado, pois para que ela tenha êxito, é necessário que a vida das cidades esteja paralisada pela greve geral.

Finalmente, é inexato que o governo provisório de Kerensky não tenha adotado as medidas necessárias para a defesa do Estado. Todavia, o método defensivo de Kerensky consistia em aplicar as medidas de segurança e de polícia tradicionais, em que até hoje confiam os governos liberais. Não se pode acusar Kerensky de imprevidência. Ocorre que o método de aplicar somente a repressão, ao invés de medidas políticas, administrativas e econômicas, a fim de assegurar a defesa do Estado contra a técnica insurrecional moderna, é uma ação ineficaz.

Os governos, quase sempre, à tática revolucionária, revelando ignorância dos princípios elementares de defesa do poder, opõem uma tática defensiva baseada em medidas policiais, esquecendo que essas medidas, de conformidade com qualquer manual de contra-insurreição, devem ser 90% políticas, econômicas e administrativas e apenas 10% repressivas.

Veja outros artigos deste autor

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Algum esquerdopata me responde, se puder?

Mais uma vez os membros da Dinastia Castro admitem a farsa por trás dos motivos da Revolução que tinha, como todas as outras, o objetivo de impedir que os cidadãos (cubanos neste caso) continuassem senhores de si mesmos e torná-los escravos da "Casa Real Castrista", com direito a muros e balas de chumbo para quem tentasse/tentar escapar da senzala.

A desculpa para a tomada do Poder Total foi, como manda a cartilha escrita pelo satanista chamado Karl Marx, impedir que o poder exercido pelo capital comandasse o país. Como a cartilha também reza, este poder vem do acúmulo do capital por vias excusas e na ilha-senzala o inimigo escolhido não poderia deixar de ter sido os mais ricos, os Estados Unidos. Segundo a dinastia ainda em projeto naquela época os Estados Unidos queriam enganar os coitados dos cubanos e de noite, sem ninguém ver, roubar absolutamente todas as riquezas do país. A sociopatia chamada Socialismo/Comunismo ensina para seus idiotas úteis que é assim que se fica rico.

Para as dinastias e os reinados socialistas/comunistas o capital deve, portanto, ficar bem longe dos cidadãos. O risco seria o de corrompê-los irremediavelmente com suas benesses. O capital precisa ser banido, embargado, sumir de perto do povão. Só os "sinhô", as "sinhá" e os "sinhozinho" possuem sabedoria e poder para ter bastante capital no bolso sem serem corrompidos pelo mesmo. Assim fez a Dinastia Castro em Cuba, além de também matar mais de cem mil pessoas em tempos de paz, não devemos esquecer deste pequeno detalhe.

Eu queria um dia perguntar para os sociopatistas (sociopatas socialistas/comunistas):

Porque diabos Fidel fica chorando pelo fim do embargo econômico americano se a cartilha manda escolher um pseudo-inimigo e acabar com ele ou, no mínimo, ficar longe do mesmo? E não é o maldito poder do capital que a cartilha dos sociopatistas ensina-os a combater? Porque quer a Dinastia Castro negociar com os malditos capitalistas burgueses imperialistas ladrões das riquezas alheias? Acabaram-se os escravos, Fidel, ou o "sinhô tá querendo comprá uns presente americano prá sua sinhá"?

É muito evidente que os pedidos castristas para o fim do embargo provam de que são um bando de canalhas mentirosos que usaram as desculpas de sempre para sentar no trono. Estes pedidos assim como as novas China e Rússia são a prova de que a Revolução Socialista/Comunista é pura balela, pura conversa, é armadilha de pegar passarinho que acha que vai ter comida fácil quando na verdade se nela entrar (armadilha) vai viver engaiolado para sempre.

Legislar em favor de uma classe social, qualquer que seja

Esta mensagem foi enviada por Rose FL. Para ver o perfil (ORKUT) de Rose, clique aqui.

"Não é possível legislar em prol da liberdade dos pobres, legislando de forma a cortar a liberdade dos ricos. Tudo que uma pessoa recebe, sem que tenha trabalhado, virá necessariamente do trabalho de alguém que não receberá por isso. Um governo não pode dar algo a quem quer que seja, que este mesmo governo não tenha tirado antes de outra pessoa. Quando metade da população de um país entende que não precisa trabalhar, porque a outra metade da população cuidará e proverá por ela, a metade que se vê obrigada a prover a outra entenderá que não adianta trabalhar, porque o fruto de seu labor não será seu. E esse, meu amigo, é o fim de qualquer nação. Não há como multiplicar a riqueza pela subtração".

Dr. Adrian Rogers, 1931 - 2005

Cavaleiro do Templo: também não se pode fazer o contrário, legislar em favor da liberdade dos ricos cortando a liberdade dos pobres. Olhem o que acontece/aconteceu nos países "comunistas". Os ricos da NOMENKLATURA ficam com tudo e a população é tornada escrava desses que entopem-se de dinheiro com o trabalho forçado desses pobres escravos infelizes. Ou você acha que os empresários chineses e russos são assim tão empreendedores a ponto de tornarem-se podres de ricos nestes pouquíssimos anos de capitalismo por aquelas bandas? Ou legisla-se para o bem comum ou a nação acaba!!!

Uma família exemplar - Dilma

VIVERDENOVO
Por Arlindo Montenegro | Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

Um advogado, viúvo, membro do Partido Comunista da Bulgária, chegou ao Brasil em 1930. 
Para um comunista de nível superior abandonar a Europa, em plena efervescência revolucionária, pode-se inferir que cumpria uma “tarefa” do Partido da Internacional Comunista.

O Partido Comunista no Brasil era jovem, recém filiado ao organismo Internacional, que enviou para os trópicos inúmeros “agentes”, com a missão de informar Moscou sobre o cumprimento das rígidas, pétreas condições de atuação dos novos militantes comunistas crioulos.

Dentre as diretrizes impostas para ser um comunista internacionalista, estava escrito: defender sem reservas “todas as repúblicas soviéticas”, posicionar-se claramente contra “reformas políticas burguesas” pois a legalidade burguesa não merecia confiança. Outras normas indicavam o trabalho “sistemático e perseverante” entre as tropas (militares), a necessária agitação “racional” entre os camponeses, nos sindicatos, cooperativas e outras organizações das massas operárias.

Uma das 21 recomendações exigidas se destaca: “criar, em toda parte, um organismo clandestino paralelo à organização legal”. E outra: renunciar e denunciar o patriotismo e o pacifismo, considerados hipocrisia e falsidade. Hoje é fácil entender o PT legal e o Foro de São Paulo (clandestino) escondido da opinião publicada. A parte obscura comanda, a parte que aparenta legalidade executa as “palavras de ordem”.

Os sindicatos, cooperativas, organizações de massa, grupos confusos como o MST e outras “ongs” atuam como “vanguardas” políticas e militares mantendo a “agitação racional”. Tudo para cumprir os objetivos táticos da estratégia do comunismo internacional. Por ser internacional, sem pátria, desprezando os anseios pacifistas, justificam-se os passos de destruição sistemática das instituições (Constituição, Poder Legislativo, Poder Executivo, Forças Armadas) adotados pelo Partido que comanda o Poder Executivo.

O Brasil está sob o comando do mais cruel, do mais guerreiro e assassino movimento político internacional, globalizado, sem bandeira, que sempre contou com recursos financeiros ilimitados, espalhando guerras civis, esmagando culturas nacionais e concentrando cada dia mais o produto do trabalho e riqueza das nações nas mãos de uns poucos potentados globais.

Voltando à vaca fria, aquele Advogado que veio da Bulgária, casou com uma mineira. 
Trabalhou para a Mannesman, construiu casas, gostava de jogar, fumava muito e apreciava as mesas fartas. Sua filha, foi bem educada para ser uma boa comunista, no lar ateu. Como secundarista já estudava marxismo. Casou somente no civil com um companheiro também comunista.

Aderiu à luta armada. Teve aulas sobre “armamentos, tiro ao alvo, explosivos e enfrentamentos com a polícia” e dedicou a vida à organização dos “focos de guerrilha” para implantar a guerra civil e facilitar a tomada do poder pelos comunistas no Brasil. Guardava embaixo da cama um monte de armas e bombas. Militou nos mais agressivos e sanguinários grupos terroristas combatidos durante cinco anos pelos governos militares. A moça formou-se como notável dirigente comunista. Esteve presa, sofreu torturas e entregou alguns “companheiros”. Foi solta pelos “ditadores” e entrou para o PT. 

Dona Dilma, apareceu lendo uma epístola numa missa católica oficiada por um padre estelar. 
Para uma militante comunista com sua formação é mangação com a fé cristã! É genuína hipocrisia! É passar diploma de jegue, besta de carga, pra todos os que prezam a fé cristã. 

Agora estão dizendo que a ministra Dilma vai aproximar-se dos “movimentos sociais” camponeses, liderados pelo MST (legalmente inexistente) que recebe dinheiro dos cofres públicos através de ongs legalizadas mas que não prestam contas. É querer tapar o sol com a peneira dizer que existe conflito entre a ministra e os que espalham o terrorismo no campo. 
Afinal é centenária a orientação do comunismo internacional: a agitação “racional”, isto é controlada, entre os camponeses.

A história mascarada do Brasil, omite as origens da desordem fabricada para facilitar a “socialização” (termo light para implantação do comunismo totalitário de um só partido) que se alastra pela América Latina. Os “caras” dos ministérios e a companheira Dilma, estão cumprindo direitinho as ordens dos financiadores e estrategistas construtores da globalização capimunista. 

Os recursos produzidos pelo trabalho humano em todos os quadrantes da terra, estão agora mais centralizados do que nunca. Implantam-se as bases do governo total mundial, onde a segurança e bem estar será privilégio dos que forem acolhidos como legisladores, juízes e executivos do poder central global. O resto que fique à mercê dos narcotraficantes, sem tempo de protestar, agir ou organizar-se contra a bandidagem governante.

Assim se prenuncia a negação da pátria, dos costumes, das tradições, das culturas nacionais, da soberania sobre o território. Se prenuncia a eliminação da família, das religiões, da propriedade privada. Bem no roteiro da escravidão desejada pelo programa do Comunismo Internacional há mais de um século.

Dona Dilma está no comando. Acompanham-na os mesmos estudantes, operários, militares que foram enrolados nas guerrilhas. Acompanham-na os mesmos desinformados, desesperados, inocentes úteis que recebem diariamente a ração da droga do marxismo a que servem como nova religião. Uma religião de fanáticos que desprezam o saber, que desprezam a nação, que desprezam a si mesmos.

E nós, os idealistas, românticos, democratas, cristãos tradicionais, conservadores, piedosos, caridosos, perdoadores, amantes da verdade e da liberdade..."tamos ferrados" e designados para o eito mais duro, ou a morte numa prisão política!

(Quem desejar mais detalhes sobre a trajetória de dona Dilma, é recomendada a leitura da Revista Piauí, edição 31, de 9 de Abril/09)

Stalin, o Mito - legendado

Existe uma característica existentes em todos os comandantes de revolucão além das conhecidas (assassinos em massa, mitômanos, doentes mentais, mentirosos, usurpadores, etc.) que talvez poucos percebem:

A COVARDIA INDIVIDUAL.

Vejam que belo exemplo DE COVARDE era Stalin. Merecia um prêmio, assim como Che que suplica pela vida quando encurralado. Percebam neste filme todo o MITO que foi Stalin e quantas vezes ele "corria do pau" quando a coisa engrossava. 

Que nojo, que tipo de gente mais imunda!!!
 

Andrzej Wajda renova seu embate com o stalinismo

ESTADÃO
Crítica Luiz Zanin Oricchio | Quarta-Feira, 08 de Abril de 2009

Diretor polonês faz um drama de guerra sóbrio, com cenas impressionantes e amparado em inserções documentais

Katyn é um drama de guerra sólido, embora um tanto careta do ponto de vista da linguagem cinematográfica. Lógico que essa passa a ser uma questão secundária, dado o interesse daquilo que o veterano diretor polonês tem a dizer. Por uma vez, temos um episódio da 2ª Guerra que não envolve diretamente o Holocausto. Mas temos um genocídio, o dos oficiais poloneses, ora atribuído aos nazistas ora ao exército soviético. 

Sempre é muito difícil escapar dessas dicotomias em filmes do gênero, mesmo nos melhores, sobretudo porque as situações de guerra em geral ficam pouco claras para os participantes. Carl von Clausewitz chamava a esse fenômeno de "a névoa da guerra", expressão aliás usada como título de um filme que tem o secretario de Estado americano durante a Guerra Fria, Robert McNamara, como protagonista. O que não quer dizer que não se possam identificar heróis ou vilões mesmo em meio a esse fog sinistro. Mas as nuances parecem, nesses casos, mais presentes que contornos nítidos. Desse modo, a tendência do cinema é simplificar, para que não caibam dúvidas. E há aqui outro ponto: se é difícil distinguir com clareza heroísmos e vilanias dos oponentes, há uma vítima clara da guerra, e esta é facilmente identificável: a população civil. 

Esse mesmo Clausewitz a que nos referimos é autor do clássico Da Guerra e autor da frase famosa sobre a guerra como continuação da política por outros meios. Uma visão fria, porém racional. Se quisermos entender as guerras temos de compreendê-las como atos da política, isto é, de busca pelo poder. Se quisermos nos compadecer das vítimas, podemos dispensar esse esforço, pois os horrores da guerra são bem claros. 

A opção de Wajda é muito clara. Ele deseja levantar o véu de uma ignomínia e dirige seu filme dessa forma. As cores são sóbrias e discretas. A música de Penderecki empresta tom solene e angustiante ao relato. A brutalidade da morte aparece com nitidez na sequência mais forte do filme, o das execuções em série, como num matadouro de gado. Por fim, as inserções documentais - filmes de época, com as imagens da vala comum de Katyn - emprestam a credibilidade ao relato. É a força adicional que recebem os filmes históricos quando são, como este, "baseados em fatos reais". Convidam o espectador a nunca esquecer que, se o filme é uma encenação, ele o é de algo que realmente aconteceu, ainda que alguns personagens sejam fictícios e, outros, sínteses de pessoas reais com imaginárias. 

A questão trabalhada por Wajda é, no fundo, muito simples. Não se trata mais de atacar o nazismo em obras sobre a 2ª Guerra, pois Hitler e sequazes são cachorros mortos da História. É preciso ver, em especial do ponto de vista polonês, a outra praga, stalinista, que se abateu sobre a Polônia com a vitória aliada. Essa a tragédia da Polônia, espremida entre potências. Por isso, uma personagem diz, em alto e bom som, que o país jamais seria livre.

Sr. Política volta com dedo acusador

ESTADÃO
Luiz Carlos Merten | Quarta-Feira, 08 de Abril de 2009

Em Katyn, em cartaz a partir de amanhã, Wajda reconstitui o massacre perpetrado pelos soviéticos e atribuído aos nazistas

No ano passado, Andrzej Wajda mostrou fora de concurso, no Festival de Berlim, um dos trabalhos mais ambiciosos da fase recente de sua carreira, Katyn. Este ano, o mestre polonês voltou à Berlinale participando da competição, e ganhou um prêmio por Tatarak, um relato intimista (e metalinguístico) adaptado do romance de Jaroslaw Iwaszkiewicz. Grande Wajda - ao longo de sua carreira de mais de 50 anos, o nome do diretor virou sinônimo de cinema político e foi isso mesmo que Jane Fonda disse ao lhe entregar o Oscar honorário que ele ganhou da Academia de Hollywood, em 2000. A Passionária de Hollywood, a grande contestadora dos anos 70, curvou-se diante de Wajda e o chamou de Sr. Política (Mr. Politics). A política realmente dá o tom das obras de Wajda que marcaram o cinema polonês e mundial - Kanal, Cinzas e Diamantes, Terra Prometida, O Homem de Mármore, Sem Anestesia, O Maestro, O Homem de Ferro. A provocação volta com Katyn.

link Assista ao trailer do filme Katyn trailer 

Em Berlim, Andrzej Wajda contou como foi obcecado, durante anos, por contar essa história sinistra sobre como um massacre de oficiais do Exército polonês foi atribuído aos nazistas, durante a 2ª Guerra Mundial, mas na realidade o crime foi cometido pelos comunistas que já estavam preparando o caminho para a tomada do poder, após a guerra. Há um totalitarismo do partido (comunista) contra o qual Wajda se insurge em seus filmes. O Maestro, O Homem de Mármore tratam disso. Em O Homem de Ferro, o cineasta tomou o partido de Lech Walesa e do sindicato Solidariedade (e o filme foi recompensado com a Palma de Ouro em Cannes). Katyn retira seu título da floresta da Rússia em que o crime foi perpetrado, em 1940. (Leia texto no quadro.) Durante décadas, o assunto foi tabu na Polônia. Somente depois de 1990, quando Mikhail Gorbachev se desculpou oficialmente, os poloneses puderam questionar abertamente o que havia ocorrido com suas lideranças.

Wajda explicou em Berlim, a um grupo de jornalistas, porque queria contar tanto essa história. "Perdi meu pai em Katyn, quando ainda era garoto (NR - o cineasta nasceu em 1926) e essa história terrível era um segredo de família que nos devastava." A ausência do pai foi fundamental em sua vida e se reflete na obra, habitada por mulheres marcantes como a mãe que lhe serviu como farol. Apesar do envolvimento pessoal, Wajda tentou fazer o filme com objetividade - com isenção, seria impossível. "Nunca pensei nessa história como uma ?memoir? de meu pai. Para mim, deveria ser um thriller político, para atingir o maior número possível de espectadores." Ele explicou que as restrições da censura oficial não foram o único empecilho à realização do filme. "O formato que eu queria não facilitou as coisas. Queria contextualizar o massacre num quadro amplo, contando a história desses oficiais e suas famílias e também tentando situar o que ocorria na Europa, na época. O roteiro foi escrito a partir de cenas selecionadas e diálogos extraídos de diários e da correspondência trocada entre os oficiais e suas famílias. Quis ser o mais exato possível, quase documentário, embora o que me interesse seja a ficção."

O filme começa com o Pacto Molotov-Ribbentrop, entre alemães e russos, que na guerra viriam a se tornar adversários. O jovem oficial Andrzej não atende aos pedidos da mulher e, no caos reinante - os poloneses ficam imprensados numa ponte, acossados pelos alemães numa ponta e pelos soviéticos na outra -, permanece ao lado dos companheiros de Exército, classificados como prisioneiros de guerra. Alguns personagens são reais - a mulher do general Smorawinski, o professor da Universidade de Cracóvia e sua esposa, mas a maioria é formada por uma combinação de figuras reais e fictícias, como o major russo Popov, cujo nome e passado são autênticos, mas sua participação na trama é uma especulação." Stalinistas de carteirinha poderão reclamar do formato tradicional, que transforma Katyn num filme de guerra em que o holocausto é redirecionado - os alemães são substituídos por comunistas e os judeus, por católicos poloneses.

Se a montagem do roteiro foi complicada, a financeira foi mais complicada ainda. "Foi difícil conseguir parceiros internacionais. Mesmo a França foi reticente. Natural, pois estava implicada." Para enfatizar a estrutura ?clássica? do seu relato, Wajda reserva para o desfecho a reconstituição do massacre dos 14 mil poloneses prisioneiros de guerra, entre oficiais e civis, executados pela NKVD, a polícia política soviética. É brutal. Existem ecos de Cinzas e Diamantes, o clássico de 1961 em que Zbigniew Cybulski faz um mercenário contratado pela direita polonesa para matar um líder comunista. Aqui, o caminho é de certa forma inverso, mas o retrato de época expõe a realidade de um país dividido, como era a Polônia da 2ª Guerra. O desfecho, como diria Shakespeare, é puro silêncio. Wajda, pintor, homem de teatro e cinema, queria terminar Katyn sob o signo dessa gravidade. "É o filme sobre a morte de uma nação, ou pelo menos dos sonhos de toda uma geração, que repercutiu pelas gerações seguintes." Sabendo que seu material era pura dinamite, o cineasta estava cauteloso no ano passado. Haviam políticos russos interessados em vincular o lançamento à data de aniversário de Josef Stalin, para criticá-lo. Wajda não concordou - "O filme é verdadeiro e necessário, mas também conta uma experiência muito íntima. Não quero servir como massa de manobra." Neste ano, em Berlim, ele admitiu que Katyn não obteve metade da repercussão política - nem na Polônia - que ele esperava. Sinal dos tempos. "As pessoas e o próprio cinema atual temem a política, infelizmente." 


A história real

Durante décadas, entre 1940 e 90, o assunto era tabu, tratado como segredo de Estado. Em plena 2.ª Guerra, 14 mil poloneses prisioneiros de guerra, entre oficiais do Exército e lideranças civis, incluindo políticos e intelectuais, foram mortos pela polícia secreta soviética, a NKVD, na floresta de Katyn, onde os corpos foram enterrados em valas comuns.

Durante anos, famílias inteiras esperaram pelo retorno de seus familiares. Quando o massacre foi descoberto, em 1943, as autoridades o atribuíram aos nazistas e o jornal Pravda chegou a sugerir que era uma limpeza de arquivo - os mortos seriam poloneses que colaboravam com o Exército invasor de Adolf Hitler. Em 1952, uma comissão do Congresso dos Estados Unidos investigou o assunto e apontou para a responsabilidade da URSS. Moscou reagiu acusando os norte-americanos e dizendo que era manobra da Guerra Fria.

Nos quase 40 anos seguintes, as tentativas de estabelecer os fatos esbarravam na censura oficial e até na repressão. Em 1990, Mikhail Gorbachev admitiu o crime e pediu, oficialmente, desculpas ao povo polonês.

Discurso do assassino Che

Para quem ainda não sabia que o maldito assassino não teve nenhum receio em assumir na ONU sua doença mental.


segunda-feira, 13 de abril de 2009

MAS O QUE É ESSA TAL DEMOCRACIA?

MOVIMENTO ENDIREITAR
Escrito por Reinaldo Azevedo | Quarta, 08 de Abril de 2009 11:10

Cristovam, pegue o boné e vá pra casa. "Abaixo o povo, viva a elite!"
 
Um "texto de formação" para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), que, coitado!, ainda não entendeu o regime democrático. Segundo afirmou, se o povo decidisse, em plebiscito, fechar o Congresso, isso não seria golpe. Se ele não entendeu a democracia até agora, esqueçam. Não dá mais tempo. O texto de formação fica só para leitores.

Leia também:

Suponho que esteja tentando ser, a um só tempo, irônico com as críticas generalizadas ao Congresso e também crítico aos desmandos do Legislativo. Nos termos em que se expressa, no entanto, consegue se mostrar, no máximo, tolo. Seu discurso, aliás, é uma evidência da assustadora mediocridade do Parlamento. Mas nem assim se justificaria o seu fechamento. Uma democracia é obrigada a conviver até com bobagens.

A ironia e argumentação ab absurdo são recursos retóricos válidos num discurso ou numa porfia. O diabo é que essas coisas se desfazem quando o senador afirma que, se o povo votasse pelo fechamento do Parlamento, “isso não seria golpe”.

Errou, senador! Errou feio!


Seria golpe, sim. O senhor tire o bloquinho do bolso e anote aí o que Tio Rei vai dizer — Tio Rei não se importa de aprender com os moços ou de ensinar aos velhos: nem o povo tem legitimidade para fraudar a essência da democracia. Pense, senador, por exemplo, nas cláusulas pétreas da Constituição. Não podem ser mudadas, como o senhor deve saber, por emenda constitucional ou por qualquer outro instrumento. Só uma Constituinte poderia alterá-la. E uma Constituinte requer rompimento da ordem.


Ademais, caro senhor: se fosse dado ao povo votar em tal plebiscito, quem lhe teria facultado tal possibilidade senão um golpista?

Não, não, senador! O Parlamento tem de continuar aberto, operando com todas as suas prerrogativas. E tem de ser decente. Ainda que o senhor, pelo visto, não considere isso possível. Sendo assim, em vez de dizer tolices, tem de pegar o boné e ir pra casa.

Nem o povo tem o direito de, usando os instrumentos da democracia, solapar a democracia. É por isso, senador, que um linchamento, segundo os valores que aprendemos a cultivar, será sempre uma barbárie, independentemente dos motivos, das motivações e do crime cometido por aquele que se quer esfolar. Porque a civilização democrática aprendeu que os julgamentos devem ser feitos em tribunais, garantindo-se o direito de defesa. Ainda que o povo queira o direito de linchar, nós não lho daremos. O senhor me entende? Quer que eu desenhe?

“Nós, quem?”, o senhor poderia perguntar. Respondo sem susto — e quem sabe o senhor fique um tanto arrepiado: “nós, as elites”, os que formos distinguidos, por um conjunto de razões, para zelar por valores que a todos protegem, embora nem todos possam estar dispostos a protegê-los.

O seu destempero retórico pode nascer do desencanto — tenho até certa simpatia pelos desencantados e pelos pessimistas —, mas se deixa tocar pelo populismo mais rasteiro quando supõe que a única fonte de legitimidade da democracia é a maioria. O senhor está errado. Não existe democracia sem a proteção às minorias. Aliás, senador, nem é preciso regime democrático para fazer o que a maioria quer, como o fascismo deixou claro.

Na democracia, senador, a gente tem de ser tão diligente, mas tão diligente, que, se for preciso, a gente ajuda o povo a se proteger de si mesmo...

E de alguns senadores, é claro!
 
***
 
TEXTOS DE FORMAÇÃO – MAS O QUE É ESSA TAL DEMOCRACIA? 
 
Epa, epa, epa! Devagar com o andor!

Muita gente revoltada com as críticas que fiz a Cristovam Buarque. É? Pois acho que ainda fui condescendente. E não me venham com a história de que não entendi a ironia. Leiam direito o meu texto, ora essa! Eu mesmo abordei a hipótese de que ele estava sendo irônico e argumentando ab absurdo — sim, eu lhe dispensei até um pouco de latim... Ocorre que ele disse, com todas as letras, que, se o povo votasse a favor do fechamento do Congresso num plebiscito (que plebiscito???), isso não seria golpe. E aí eu afirmei: "Seria, sim!" Nem o povo tem direito de golpear a democracia. Ao fazer aquela afirmação, Cristovam estava dizendo que toda vontade popular é legítima. E eu digo: “NÃO É”.

Alguns relativistas vieram, então, com suas bizarrices: “Oh, mas os governos são construções históricas, não caem do céu!” Ora, não me digam! Ou então: “Mas o que é a verdadeira democracia?” — estes acreditam que ou a verdade cai do céu, ou tudo é falso. Eu chuto o traseiro de relativistas. Eu não deixo minha carteira dando sopa perto de relativistas. Eu não compraria um carro usado de relativistas. E a razão é simples: eles podem roubar o meu dinheiro ou me vender uma lata imprestável. Afinal, sabem como é, eles têm seus próprios valores...

É claro que a democracia representativa é uma construção histórica. Ela não se assenta apenas na observância das leis (estado de direito), posto que é possível haver “ditaduras de direito” — ou seja: elas só esmagam o cidadão segundo o código discricionário e transformam em leis as proibições as mais estúpidas. A democracia também não se assenta apenas na vontade da maioria, posto que é possível haver regimes violentos que contam com apoio popular, embora suas práticas sejam condenáveis(voltaremos a essa palavra; não se esqueçam dela): os fascismos europeus da década de 40 do século passado são clássicos no gênero; é possível que o Taleban, no Afeganistão, tivesse o apoio da maioria.

Então vejam: o estado de direito não basta para fazer uma democracia. O estado de direito mais a vontade da maioria não bastam para fazer uma democracia. Alguém pode indagar: “E se acrescentarmos aí, Reinaldo, a divisão e independência entre os Poderes? O conjunto basta para fazer uma democracia?” Melhora muito, meus caros. Mas ainda não basta. Digamos — não é o caso, mas digamos! — que o Legislativo e o Executivo na Venezuela, hoje, fossem independentes. Se os três Poderes continuassem irmanados na defesa das mesmas teses ditas “bolivarianas”, esmagando a divergência, não se teria democracia. Mas lhes dou um exemplo ainda mais óbvio.

As teocracias islâmicas, por exemplo, não podem ser democracias. Na maioria delas, há estado de direito, com respeito à vontade da maioria, e os Poderes até são independentes — dentro da independência possível. Ocorre que a religião se torna um redutor de todas as demandas, e seu valordeita sua sombra sobre a sociedade.

Escrevi a palavra-chave: VALOR. Uma democracia tem de estar assentada no estado de direito, na vontade da maioria, na separação e independência entre os Poderes e nos VALORES. Pergunto: é democrático que a maioria decida que nem todos são iguais perante a lei? É democrático que a maioria ache normal que a lei seja posta a serviço do grupo governante da hora? É democrático, para ficar nos termos do senador Cristovam, que o povo decida que não quer mais um Parlamento? Pode haver democracia islâmica, por exemplo, dado que as mulheres, sob o Islã (ou, se quiserem, sob os vários “Islãs”), não têm os mesmos direitos dos homens? "Ah, não se trata de uma questão de direitos, mas de cultura..." Pois é! Eu fico com os direitos...

A tese de que a vontade da maioria é a verdadeira força da democracia é autoritária e filoditatorial. Eu realmente acredito que alguns valores sociais e morais são patrimônios incorporados à evolução da civilização, como as vacinas por exemplo — e, a exemplo delas, nos fazem viver melhor. Eu realmente acredito que alguns valores da chamada cultura ocidental — como tolerância, respeito a minorias, igualdade perante a lei, liberdade religiosa — a fazem superior a outras realidades culturais.

Como diria Barack Hussein Obama, eu não estou em guerra com o Islã — nem com ninguém. Eu sou, isto sim, é um defensor radical, intransigente mesmo, desses valores. E, com efeito, acredito que os homens de toda a terra viveriam melhor sob o seu abrigo.

Sob este ponto de vista, reconheço meu lado quase jesuítico. Acho que os valores da democracia têm de ser espalhados pelos quatro cantos da terra. E creio que devem ser devidamente contidos aqueles que, mesmo estando entre nós, pretendem sabotá-los. Porque o regime de liberdades pode tolerar quase tudo — só não pode tolerar os intolerantes.

Houvesse um símbolo ou emblema para o regime democrático, como há para o cristianismo, por exemplo, eu não teria dúvida de nele inscrever a frase "In hoc signo vinces".
 
Publicado originalmente no Blog do Reinaldo Azevedo 

Não perca: deputado inglês esculhamba o primeiro-ministro

A dica veio do MÍDIA SEM MÁSCARA, fui até o YouTube e encontrei uma versão com legendas em inglês e com a transcrição do discurso logo abaixo do vídeo, também em inglês.

Texto do MSM: "Daniel Hannan, representante do Sudeste da Inglaterra no Parlamento Europeu, fez em dez minutos um dos mais brilhantes discursos políticos dos últimos tempos, mostrando como as políticas estatizantes estão destruindo a economia do seu país. Elegante, mas simples e direto, Hannan conquistou seu lugar na tradição dos grandes oradores britânicos, de Edmund Burke a Winston Churchill. Não deixe de ver: "



Discurso: "Prime Minister, I see youve already mastered the essential craft of the European politician, namely the ability to say one thing in this chamber and a very different thing to your home electorate. Youve spoken here about free trade, and amen to that. Who would have guessed, listening to you just now, that you were the author of the phrase British jobs for British workers and that you have subsidised, where you have not nationalised outright, swathes of our economy, including the car industry and many of the banks? Perhaps you would have more moral authority in this house if your actions matched your words? Perhaps you would have more legitimacy in the councils of the world if the United Kingdom were not going into this recession in the worst condition of any G20 country?

The truth, Prime Minister, is that you have run out of our money. The country as a whole is now in negative equity. Every British child is born owing around £20,000. Servicing the interest on that debt is going to cost more than educating the child. Now, once again today you try to spread the blame around; you spoke about an international recession, international crisis. Well, it is true that we are all sailing together into the squalls. But not every vessel in the convoy is in the same dilapidated condition. Other ships used the good years to caulk their hulls and clear their rigging; in other words to pay off debt. But you used the good years to raise borrowing yet further. As a consequence, under your captaincy, our hull is pressed deep into the water line under the accumulated weight of your debt We are now running a deficit that touches 10% of GDP, an almost unbelievable figure. More than Pakistan, more than Hungary; countries where the IMF have already been called in. Now, its not that youre not apologising; like everyone else I have long accepted that youre pathologically incapable of accepting responsibility for these things. Its that youre carrying on, wilfully worsening our situation, wantonly spending what little we have left. Last year - in the last twelve months a hundred thousand private sector jobs have been lost and yet you created thirty thousand public sector jobs.

Prime Minister, you cannot carry on for ever squeezing the productive bit of the economy in order to fund an unprecedented engorgement of the unproductive bit. You cannot spend your way out of recession or borrow your way out of debt. And when you repeat, in that wooden and perfunctory way, that our situation is better than others, that were well-placed to weather the storm, I have to tell you that you sound like a Brezhnev-era apparatchik giving the party line. You know, and we know, and you know that we know that its nonsense! Everyone knows that Britain is worse off than any other country as we go into these hard times. The IMF has said so; the European Commission has said so; the markets have said so which is why our currency has devalued by thirty percent. And soon the voters too will get their chance to say so. They can see what the markets have already seen: that you are the devalued Prime Minister of a devalued government."

E uma entrevista sobre a repercussão do discurso:



As bases que fundamentam o Nazismo

MOVIMENTO ENDIREITAR
Escrito por Murilo Medeiros  |  Ter, 07 de Abril de 2009 09:50

Muitos historiadores tentaram explicar o surgimento do nazismo de diferentes formas. O enfoque do economista Mises, no entanto, é bastante peculiar, pois mostra como o nazismo foi um filhote da mentalidade estatizante que dominou o mundo na época, e a Alemanha em particular. O prisma econômico de Mises permite uma abordagem transparente, que desfaz uma das maiores inversões já criadas na história: a ideia de que o nazismo é de “direita” e, portanto, oposto ao socialismo e mais próximo do capitalismo. Socialismo, afinal, trata de um sistema econômico de organização da sociedade, defendendo meios públicos de produção, contra o pilar do capitalismo, que é a propriedade privada. Analisando por este ângulo, fica evidente a proximidade entre nazismo e socialismo, ambos totalmente opostos ao capitalismo de livre mercado. 

Leia também

Quando se fala em nazismo, o anti-semitismo é uma das primeiras características que vem à mente. Mises mostra, no entanto, que esse ódio racial foi apenas um pretexto utilizado pelos nazistas, transformando os judeus em bodes expiatórios. Era impossível diferenciar antropologicamente alemães judeus dos não-judeus. Não existem características raciais exclusivamente judaicas, e o “arianismo” não passava de uma ilusão. As leis nazistas de discriminação contra os judeus não tinham ligação com considerações da raça em si. Eles se uniram aos italianos e japoneses, sem ligação alguma com a “supremacia racial nórdica”, enquanto desprezavam os nórdicos que não simpatizavam com seus planos de domínio mundial. Tantas contradições não incomodavam os “arianos”, pois o racismo não era a causa do movimento, e sim um meio político para seus fins. 

Tudo aquilo que representava um empecilho no caminho do poder total era considerado “judeu” pelos nazistas. Apesar de os nacionalistas alemães considerarem o bolchevismo uma criação judaica, isso não os impediu de cooperar com os comunistas alemães contra a República de Weimar, ou de treinar seus guardas de elite nos campos de artilharia e aviação russos entre 1923 e 1933. Também não os impediu de costurar um acordo de cumplicidade política e militar com a União Soviética entre 1939 e 1941. Mesmo assim, a opinião pública defende que o nazismo e o bolchevismo são filosofias implacavelmente opostas. O simples fato de que os dois grupos lutaram um contra o outro não prova que suas filosofias e princípios sejam diferentes. Sempre existiram guerras entre pessoas do mesmo credo ou filosofia. Se a meta for a mesma – o poder – então será natural uma colisão entre ambos. O rei Charles V disse uma vez que estava em pleno acordo com seu primo, o rei da França, pois ambos lutavam contra o outro pelo mesmo objetivo: Milão. Hitler e Stalin miravam no mesmo alvo. Ambos desejavam governar a Polônia, a Ucrânia e os estados bálticos. Além disso, disputavam o mesmo tipo de mentalidade, aqueles desesperados que estão dispostos a sacrificar a liberdade em prol de alguma promessa de segurança. Nada mais normal do que um bater de frente com o outro, quando sustentar o acordo mútuo ficou complicado demais. Não devemos esquecer que os socialistas de diferentes credos sempre lutaram uns contra os outros, e isso não os torna menos socialistas. Stalin não virou menos socialista porque brigou com Trotsky. 

Os bolcheviques partiram na frente em termos de conquista de poder, e o sucesso militar de Lênin encorajou tanto Mussolini como Hitler. O fascismo italiano e o nazismo alemão adotaram os métodos políticos da União Soviética. Eles importaram da Rússia o sistema de partido único, a posição privilegiada da polícia secreta, a organização de partidos aliados no exterior para lutar contra seus governos locais e praticar sabotagem e espionagem, a execução e prisão os adversários políticos, os campos de concentração, a punição aos familiares de exilados e os métodos de propaganda. Como Mises disse, a questão não é em quais aspectos ambos os sistemas são parecidos, mas sim em quais eles diferem. O nazismo não rejeita o marxismo porque sua meta é o socialismo, e sim porque ele advoga o internacionalismo. Ambos são anticapitalistas e antiliberais, delegando todo o poder ao governo centralizado e planejador. No nazismo, a propriedade privada não foi abolida de jure, mas foi de facto, e os empresários eram nada mais do que “gerentes administrativos”, obedecendo a ordens do governo, que decidia sobre tudo, incluindo alocação de capital e preços exercidos. 

É verdade que Hitler conseguiu subsídios das grandes empresas na primeira fase de sua carreira política. Mas ele tomou esse dinheiro como um rei toma o tributo de seus súditos. Se os empresários negassem o que era demandado, Hitler teria os sabotado ou mesmo usado violência. Os empresários preferiram ser reduzidos ao papel de gerentes administrativos sob o nazismo a ser liquidados pelo comunismo no estilo soviético. Não havia uma terceira opção naquele contexto. Tanto a força como o dinheiro eram impotentes contra as ideias, e estas apontavam na direção da estatização da economia. O próprio Hitler concluiu que não era necessário socializar os meios de produção oficialmente. Ele havia socializado os homens! Os empresários alemães contribuíram com parte do avanço nazista, assim como várias outras camadas da nação, incluindo as igrejas, tanto a católica como a protestante (*). O lamentável fato é que a maioria do povo alemão abraçou o nacional-socialismo. 

O cenário catastrófico da economia foi crucial para criar um terreno fértil ao nazismo. Mas o fato de existir uma doença não explica, por si só, a busca por um determinado remédio. Esse remédio é procurado porque o doente acredita que ele pode curá-lo. Logo, o caos econômico na Alemanha só levou ao nazismo porque muitos passaram a acreditar que este era o caminho da salvação. E isso foi uma consequência das ideias estatizantes, mercantilistas, que espalharam a falácia de que mais espaço físico e recursos naturais deveriam ser conquistados pelos alemães para garantir o suprimento doméstico e a retomada do crescimento. A inflação que devastou a economia não era vista como resultado das políticas do governo, mas sim como um problema do capitalismo internacional. A mentalidade de guerra, que encara o comércio entre nações como um jogo de perde e ganha, foi fundamental para o crescimento nazista. Poucos compreendiam as vantagens do livre comércio, da divisão internacional de trabalho. Para os males causados pelo intervencionismo estatal, mais estado foi proposto como solução. A ignorância econômica da grande maioria dos alemães foi o que permitiu o avanço do nacionalismo-socialista radical. 

Os aspectos fundamentais da ideologia nazista não diferem daqueles geralmente aceitos pelas demais ideologias estatizantes. O controle da economia deve ser estatal. O lucro é visto com enorme desdém. O planejamento centralizado é uma panaceia para os males econômicos. As importações são encaradas como uma invasão estrangeira negativa. O individualismo deve ser duramente combatido em prol do coletivismo. Eis o arcabouço ideológico que possibilitou a conquista do poder pelos nazistas, que derrubaram os concorrentes estatizantes porque estavam dispostos a defender até as últimas consequências esta mentalidade. Os pilares do nazismo foram erguidos sobre a mentalidade estatizante da época. A idolatria ao estado e a desconfiança em relação ao livre comércio sustentaram os dogmas nazistas. Mises afirma que somente através da destruição total do nazismo o mundo poderá retomar suas conquistas e melhorar a organização social, construindo uma boa sociedade. Infelizmente, os pilares de sua ideologia permanecem conquistando muitos adeptos, ainda que sob diferentes rótulos. São estes pilares que devem ser atacados para a garantia do progresso da civilização.


Nota do M.E.:


* Para mais detalhes sobre a problemática das Igrejas e o nazismo conferir os capítulos "Descida ao abismo eclesiástico: A Igreja Evangélica" e "Descida ao abismo eclesiástico: a Igreja Católica" do livroHitler e os Alemães (Voegelin, Eric; E Realizações, 2008):  Voegelin afirma que houve um problema de desordem e corrupção intelectual e espiritual em toda a sociedade a Alemã, inclusive nas Igrejas. Explica que os funcionários eclesiáticos não passavam de fucionários do estado; a "Igreja" era um componente das operações do estado que eram levadas a efeito pelo Partido Nacional-Socialista.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".