Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 26 de junho de 2010

José Carlos GRATZ voltando. Entrevista na TV SUL no dia 24 de junho de 2010.

Abaixo uma longa entrevista, dividida em 4 partes, com José Carlos GRATZ.

Pré-candidato ao Senado, GRATZ é INIMIGO do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung/PMDB. Só isto já basta para receber, no mínimo, do minimo, do mínimo, meu apreço e voto. O PMDB capixaba se esfrega no PT e lambe as botas de Brasília, então...

Depois de oito anos fora da mídia GRATZ está de volta.

Veja a entrevista de 1 hora e meia feita pela TV SUL, de Cachoeiro do Itapemirim/ES.



Link para baixar o vídeo, assistir no 4Shared e/ou pegar o código para inserir nos sites (embed) aqui.



Link para baixar o vídeo, assistir no 4Shared e/ou pegar o código para inserir nos sites (embed) aqui.



Link para baixar o vídeo, assistir no 4Shared e/ou pegar o código para inserir nos sites (embed) aqui.



Link para baixar o vídeo, assistir no 4Shared e/ou pegar o código para inserir nos sites (embed) aqui.


***

Quem não o conhece fique sabendo: ele é de DIREITA, é um homem que LÊ LIVROS e que entende muito bem o que está acontecendo no BRASIL.

Quero mostrar também um outro vídeo que está no canal de videos do próprio entrevistado, confiram aqui. Na época, este senhor era o Prefeito de Vila Velha.

Eis alguns trechos onde o ex-prefeito confessa que sabia que, se existia algo errado, ele tinha conhecimento e nada fez para impedir (teria se aproveitado politicamente do asfaltamento de mais de 80 ruas? Não sei...):

"...NÃO EMBARGUEI as obras porque querendo ou não TIROU A POPULAÇÃO DA LAMA...".

"... (as obras 
teriam sido feitas) sem licitação, sem concorrência, de qualquer jeito...".

"...eu DEIXEI AS OBRAS SEGUIREM mas representei contra o seu mandato junto ao Ministério Público Eleitoral...Ministério Público Eleitoral Federal...".
"

Em Vila Velha, portanto, na época deste prefeito, as pessoas podiam ir lá e fazer OBRAS, embaixo das barbas do prefeito? Como ele explicaria a sua gestão enquanto obras, pelo menos?



maxmaurofilho | 1 de junho de 2009 | 4:21
Continuação da Entrevista com Max Filho para o programa Rede Cidades da Emissora RedeTV. Nessa parte da entrevista Max Filho fala sobre "A Queda da Era Gratz".

Os documentos sobre este "ASFALTAMENTO" e outros estarão disponíveis em breve. GRATZ lançara seu site daqui a pouco tempo. Daí poderemos ter uma visão DOCUMENTADA do que lhe aconteceu.

NOTALATINA - Olavo e Graça na Colômbia



sexta-feira, 25 de junho de 2010

Olá, amigos,

Nesta edição do Notaltina apresento uma nota publicada por UnoAmérica, sobre minha visita e de Olavo à Colômbia, uma carta que recebi do Coronel Alfonso Plazas Vega e ainda, um vídeo exclusivo da palestra que Olavo proferiu na Escola de Cadetes da Polícia General Santander, e um áudio da entrevista que ele ofereceu a Fernando Londoño em seu programa radial "La Hora de la Verdad".

Não deixem de ver e se gostarem divulguem, mas não esqueçam de dar os créditos ao Notalatina.

Fiquem com Deus e até a próxima!

G. Salgueiro

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Produtores de alimentos vs. ambientalistas radicais

MÍDIA SEM MÁSCARA

Como obrigar os produtores a cumprir as leis ambientais de hoje, sem garantias de que amanhã eles poderão estar novamente fora-da-lei e correndo o risco de receber mais penalidades, como vem acontecendo?
"Há provas abundantes de que as vegetações cultivadas produzem saldo positivo superior ao das vegetações nativas, na relação de oxigênio (O2) sobre gás carbônico (CO2) e metano (CH4), os temidos 'gases do efeito estufa'", escreveram Nelson Ramos Barretto e Paulo Henrique Chaves, autores de diversos livros sobre a problemática do agronegócio e da reforma agrária.
"Já se provou igualmente que as áreas desmatadas e plantadas da mata atlântica não tiveram influência sobre o clima, por exemplo, no regime de chuvas.

"As terras não viraram desertos, tornaram-se antes uma das maiores áreas produtoras do mundo. Nessa perspectiva, os desmatadores em novas regiões do País podem ter errado, mas muitos deles sem a intenção de fazê-lo, como por exemplo nos casos decorrentes da terceirização dos serviços de desmates, sem contar inúmeros outros induzidos por leis injustas.
"Exemplo característico foi a Medida Provisória que se tornou lei em 2001, ampliando as áreas de reservas na Amazônia de 50% para 80%, e de 20% para 35% nas áreas de cerrado, o que obrigou à recuperação de grandes áreas desmatadas em todo o País.

"A grande maioria dos desmatamentos fora feita de acordo com as leis da época, e agora tais áreas produzem alimentos ou são florestas plantadas.
Produzir alimentos é crime?"Como obrigar os produtores a cumprir as leis ambientais de hoje, sem garantias de que amanhã eles poderão estar novamente fora-da-lei e correndo o risco de receber mais penalidades, como vem acontecendo?

"Em décadas passadas, o governo federal dava incentivo a agricultores e pecuaristas para desmatar florestas, áreas de cerrado e várzeas, para a produção de alimentos, com a intenção de transformar o Brasil num dos celeiros do mundo, como já o é. Poderá ocorrer num futuro próximo, com o aumento populacional brasileiro e mundial, que a situação se reverta e se dê novamente preferência à produção de alimentos. Se isso ocorrer, os "vigaristas" e "criminosos" de hoje (os agricultores) seriam reabilitados e enaltecidos, e os atuais defensores radicais do meio ambiente tornar-se-iam réus, responsabilizados e cobrados pelos excessos do passado.
Autos de infração aplicados indevidamente"Devemos ainda considerar que muitos autos de infração ambientais são aplicados indevidamente. Eis alguns exemplos:

"1 - Em entrevista ao "Financial Times", Daniel Nepstad, do Centro de pesquisas Woods Hole dos Estados Unidos, afirma que a utilização das imagens de satélite produzidas pelo INPE para medir o nível de desmatamento da floresta pode provocar uma "nova onda de anarquia". Nepstad declarou que as imagens são imprecisas, e só deveriam servir como base para a verificação in loco do desmatamento em si: "Definir medidas do governo com base em dados incertos é simplesmente um erro".

"2 - Duplicidades de autos de infração feitas por fiscais diferentes para a mesma infração.

"3 - Multas com valores absurdos e de épocas diferentes, e mesmo impagáveis, enquanto outras são lavradas com base em fotos não só de satélites, mas feitas até de avião.

"4 - Multas lavradas com vistorias feitas anteriormente, ou mesmo contestadas, mostrando o agricultor que naquela propriedade não houve queimada, mas sim na propriedade vizinha.

"5 - Multas pela falta de reserva legal, embora tal reserva exista em outra área da propriedade.
Multas e mais multas"Com efeito, torna-se impossível para o produtor rural continuar se defendendo de tantas penalidades diante de certos órgãos estatais, que medem a produtividade de seus fiscais pelo número de multas aplicadas.

"São multas que não acabam mais! A continuar esse sistema, será estabelecido o caos em nossos campos, já duramente conturbados.

"Além de fazer justiça aos agropecuaristas - eles prestam grande serviço ao País - seria coerente colocar os possíveis infratores ambientais (possíveis, pois ainda não foram julgados) novamente dentro da lei, e para isso há três caminhos:

• "Acelerar o julgamento dos processos administrativos, que são julgados pelos próprios órgãos estatais aplicadores das penalidades.

• "Acelerar a obtenção da LAU (Licença Ambiental Única) emitida pelas secretarias dos estados da federação.
• "E por fim, acelerar os processos jurídicos.
A malícia das penalidades
"Como esses processos demoram anos ou até décadas para serem julgados, os produtores rurais suspeitos de se encontrarem em situação irregular continuarão penalizados durante todo o período de espera, como no caso das multas e dos embargos de propriedades, respondendo a processos e impossibilitados de obter financiamento.

"Cumpre ressaltar que tais penalidades são registradas e identificadas pelo CPF do proprietário, e portanto não atingem somente a área dentro da propriedade que teria sofrido danos ambientais, mas sim todas as outras eventuais propriedades e empresas que o autuado possua no território nacional.

"Devido à longa demora nos julgamentos, ele deixará de produzir, pois continuará a ser tratado como fora-da-lei. Todos esses suspeitos de culpabilidade querem ser reintegrados. Além do mais, é obrigação do Estado lhes conceder este direito, principalmente tendo-se em vista que quase todas as penalidades lhes foram impostas antes mesmo de eles serem julgados.

"Parece até que as autoridades estão mais preocupadas - e com pressa desmesurada - em colocar na desgraça os produtores rurais do que em corrigir possíveis danos ambientais", concluem Nelson Barretto e Paulo Henrique Chaves.

Fonte:Revista Catolicismo, edição de junho de 2010.
Divulgado por Luis Dufaur, editor do blog Verde, A Nova Cor do Comunismo - http://www.ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/

“Saúde sexual”: o que se esconde por trás deste conceito?

INSTITUTO PLINIO CORREA DE OLIVEIRA

24, junho, 2010


Atilio Faoro

O lançamento da “Caderneta da Saúde” ocorreu na Escola Municipal Professor Carlinhos, em Resende (RJ) no dia 19 de junho.
Há poucos dias, um despacho da Agência Brasil (13/06/2010) informava que “jovens de sete países debatem em Brasília saúde sexual”. Através da mesma notícia, se ficava informados da finalidade do evento. “Queremos criar lideranças na juventude para atuar com outros jovens, orientando sobre práticas sexuais seguras, principalmente dentro das escolas”, declarou Cristina Albuquerque, representante do Unicef no Brasilpara o programa.
Segundo a agência governamental, no fim do encontro “os jovens irão elaborar a Carta de Brasília, documento com recomendações para que o mundo esteja mais preparado para lidar com a saúde sexual da juventude”.
Causa perplexidade e preocupação o uso do conceito “saúde sexual” para transmitir “recomendações” sobre “práticas sexuais seguras”.  Estaremos diante de uma campanha governamental de propaganda da libertinagem sexual camuflada de saúde sexual?
Esta pergunta parece respondida pela afirmativa quando confrontamos a notícia da Agência Brasil com outra, desta vez distribuída pelo “Diário do Vale de Resende” (23/6/2010), de que “1.500 jovens, na faixa etária de 10 a 16 anos, começaram a receber, neste mês de junho, a Caderneta da Saúde do Adolescente do Ministério da Saúde, que reúne informações sobre como evitar doenças, além de orientações a respeito da saúde sexual, saúde reprodutiva, saúde bucal e alimentação”.
Segundo o coordenador de Ciências Biológicas da Secretaria Municipal de Educação de Resende, Marco Túlio Heringer de Oliveira, “sete professores e 16 Agentes Comunitários de Saúde foram capacitados para trabalhar com os adolescentes, durante todo o ano letivo de 2010, nos seguintes temas: Sexualidade, Saúde Sexual e Reprodutiva; Crescimento e Desenvolvimento; e Comportamental (violência)”.
Está se generalizando em nosso País o uso de conceitos politicamente corretos para encobrir planos que visam destruir os valores familiares e morais que fazem parte de nosso patrimônio cristão.
Para justificar o aborto, temos os planos de “saúde pública”. Para encobrir a perseguição religiosa, temos as leis de “liberdade religiosa”. E agora, para incentivar a promiscuidade e a libertinagem sexual, temos as cadernetas de “saúde sexual”. E, albergando todos estes planos demolidores, o guarda-chuva do “Plano Nacional dos Direitos Humanos”.

AO FUNDAMENTALISMO ATEU SE OPÕE A RADICALIDADE CRISTÃ

INSTITUTO PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA

25, junho, 2010


Aguinaldo Ramos
O fortalecimento do Estado em detrimento da economia privada vem obtendo resultados desastrosos. Os resultados apresentados neste site sobre astoneladas de alimentos que se perderam na Venezuela se somam à intenção do governo venezuelano de condenar os latifúndios, mesmo os produtivos.
No Brasil o fortalecimento do Estado contempla inclusive o enfraquecimento da classe média via impostos escorchantes. Os governantes de mentalidade marxista só aparentam recuo diante de sólida resistência da opinião pública.
O aparente recuo na re-elaboração do PNDH-3 constitui estratégia velha e conhecida da conquista do poder comunista. A “tática do salame”, levada a efeito por  Matías Rákosi, Secretário Geral do Partido Comunista, no governo da Hungria, em 1953, alegando querer fazer algumas reformas superficiais para evitar uma crise geral, preconizava a destruição do adversário por “fatias” sucessivas.
Com a firme convicção de que a ingestão dessas fatias não causaria nunca problemas de digestão… Ninguém consegue engolir um salame inteiro. Esta técnica é descrita com maestria pelo Prof. Plínio Correa de Oliveira na “Folha de S. Paulo” em 14 de fevereiro de 1971 no artigo “Farsa, salame e herói”.
Entretanto, o PNDH-3 mantém sua radicalidade pois  visa “garantir os direitos trabalhistas e previdenciários de profissionais do sexo por meio da regulamentação de sua profissão”. Por Lei, a prostituição deixa de ser um vício moral e se eleva a condição  de profissão. O mesmo PNDH-3 visa “apoiar projeto de lei que disponha sobre a união civil entre pessoas do mesmo sexo”, e  estabelece “configurações familiares constituídas por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), com base na desconstrução da heteronormatividade”.
Ou seja, a união heterossexual entre homem e mulher, deixa de ser norma única de configuração da unidade familiar. Qualquer estratégia de recuo cosmético nestas propostas constitui a divisão do salame em fatias para ser comido lentamente.
A desconstrução  de valores cristãos na vida social proposto pelo PNDH-3 reflete a posição de um Estado fundamentalista-ateu e impõe ao católico um posicionamento coerente com o ensino dos Papas para a vida do leigo em sociedade. Neste sentido, o Papa Pio XII em célebre Alocução aos participantes do II Congresso Mundial para o Apostolado dos Leigos, em 5 de outubro de 1957 diz: “As relações entre a Igreja e o mundo exigem a intervenção dos apóstolos leigos”.
A ‘consecratio mundi’ [sacralização do mundo] é, no essencial, obra dos próprios leigos, de homens que estão intimamente entremeados à vida econômica e social, que participam do governo e das assembléias legislativas” (Alocução aos participantes do II Congresso Mundial para o Apostolado dos Leigos, Documentos pontifícios, no. 127, Vozes, Petrópolis, 1960, 2ª ed., p.18).
No mesmo sentido fala o Concílio Vaticano II: “A obra de redenção de Cristo, enquanto tende por si a salvar os homens, propõe-se também à restauração de toda a ordem temporal. Por isso, a missão da Igreja não é apenas anunciar a mensagem de Cristo e sua graça aos homens, mas também impregnar e aperfeiçoar toda a ordem temporal com o espírito evangélico.
Em conseqüência, os leigos, ao realizarem essa missão, exercem seu apostolado tanto no mundo como na Igreja, tanto na ordem espiritual como na temporal. … O leigo, que é ao mesmo tempo fiel e cidadão, deve sempre conduzir-se, em ambas as ordens, com a mesma consciência cristã.
É preciso que os leigos tomem a restauração da ordem temporal como sua função própria, e que, conduzidos nisso pela luz do Evangelho e pela mente da Igreja, e movidos pela caridade cristã, atuem diretamente e de forma concreta; que os cidadãos cooperem uns com os outros, com sua competência específica e com sua responsabilidade própria; e que em todas as partes e em tudo busquem a justiça do reino de Deus.
A ordem temporal deve ser restaurada de tal forma que, observadas integralmente suas próprias leis, esteja conforme aos mais altos princípios da vida cristã, adaptada às várias circunstâncias de lugares, tempos e povos” (Apostolicam Actuositatem no.s 5 e 7). *
* cfr. Plínio Correa de Oliveira, Guerreiros da Virgem, a Réplica da Autenticidade. Ed. Vera cruz, São Paulo, 1985, p 112.

La enorme injusticia contra 27 oficiales y suboficiales

LA HORA DE LA VERDAD
publicado ayer, 08:26 am
DSC02894.JPG
El 29 de octubre del año 2008 se produjo uno de los hechos más graves en la historia militar del país. Y es que fueron destituidos 27 oficiales y suboficiales, casi todos ellos oficiales empezando por tres generales de la república, por su participación activa o pasiva en ejecuciones extrajudiciales lo que se llamó o se llama popularmente los Falsos Positivos. Así se presentaron, así se hizo la rueda de prensa, así se manifestó el señor ministro de defensa y así se manifestó el señor presidente de la república en alocuciones que ahí están, grabadas, cuyos textos hemos repetido en muchas ocasiones.

Vamos ver se tem mesmo lógica?

Um internauta escreveu isto:

Everardo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "AS MASSAS E O ESTADO":

Mas, eu vejo essa lógica nos programas sociais do governo do Presidente Lula, quando o Estado arrecada de quem mais tem capacidade de produzir (inclusive face ao acesso a recursos públicos de incentivo à produção) e distribui entre aqueles que foram colocados à margem da sociedade, do consumo, do acesso à educação de qualidade por governos elitistas, concentradores e "darwinistas". Foram governos desumanos, racistas, cruéis que entregaram milhões de família à tragédia da fome, com discursos moralistas de que devem apenas trabalhar. Mas, essa ação de natureza social tem reflexos positivos também na própria economia. Veja que foi criado um mercado interno de 12 milhões de consumidores, quase o tamanho do mercado da Argentina, sem endividamento externo, sem corrupção. Esse fator foi preponderante para que tivéssemos estabilidade interna e externa durante essa crise que se abate sobre os países ricos. O reconhecimento disso está no elevado conceito do Brasil lá fora e na extraordinária aceitação do governo por todas as classes sociais. Eu acredito nisso, e posso demonstrar com números, sem a força das emoções e do preconceito. Não se pode deixar de perceber QUEM está alinhado no pensamento contrário. Não o incluo, Sr. Cavaleiro, mas observe que os golpistas, que mancharam o nome do nosso Exército, com tirturas, e os corruptos, estão posicionados na linha de resistência contra o nosso desenvolvimento.

Eu escrevi isto (ajeitei o texto e corrigi meus erros de português do comentário original):

Cavaleiro do Templo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "AS MASSAS E O ESTADO":

Bom, vamos ver se você entende mesmo esta lógica. Você utiliza um computador para ler meu site, tem gente que não tem um. Quando você vai começar a eliminar esta "injustiça social" e liberar seu micro para o uso por quem não tem? Deve também ter mais de uma cueca, tem gente que não tem nenhuma. Esta "injustiça social" deve ser resolvida dando todas as suas outras cuecas para os descuecados. Quando isto vai acontecer? Deve também ter mais dinheiro na conta que a imensa maioria. Quando vamos ver a sua "justiça social" agindo sobre si mesmo, em benefício dos necessitados?

E quando a "justiça social" abater-se-á sobre o lulinha, filho do presidente da república, que você vê ter muita lógica?
Pimenta nos olhos dos outros é refreco.

Para finalizar, olhem que definição maravilhosa dos países socialistas/comunistas adorados por este presidente, definição esta do Everardo que, como bom defensor das sociopatias esquerdistas, atribue a desgraça que causam aos outros:

"Foram governos desumanos, racistas, cruéis que entregaram milhões de família à tragédia da fome, com discursos moralistas de que devem apenas trabalhar."

Tem com explicar Cuba, China e Coréia do Norte, entre outros, melhor?

ESPÍRITO SANTO - Gratz reaparece em debate e promete denunciar corrupção no governo

SÉCULO DIÁRIO

24/6/2010

Cavaleiro do Templo: este homem peitou sozinho em 2002 o PMDB do governador PAULO HARTUNG, amigão aqui no Espírito Santo do PT, do PSB, do PPS, enfim, da turma do FORO DE SÃO PAULO e outros. Já li alguns dos processos contra ele, é para rir. Em breve estarão no site que ele vai lançar.

Nerter Samora 
Foto capa: Arquivo SD 


Depois de longo período de ostracismo, o ex-presidente da Assembleia Legislativa José Carlos Gratz (PSL) participa de um debate na noite desta quinta-feira (24), na TV Sul, de Cachoeiro de Itapemirim (sul do Estado). A novidade é que o ex-deputado, pré-candidato nas eleições deste ano, promete fazer denúncias de atos de corrupção durante o governo Paulo Hartung. Gratz responde atualmente a mais de uma centena de processos na Justiça comum.

Nos meios políticos, a escolha de Gratz para participar do debate na rede de televisão de Cachoeiro se deu pela repercussão do assunto na região, além da falta de espaço enfrentada por ele na mídia local, em especial, na Grande Vitória. O debate também será transmitido pela Internet, a partir das 21h, pelo site www.viaes.com.br

Antes de confirmar a participação no debate, o ex-presidente da Assembleia fez circulst um panfleto em importantes pontos da Capital no qual denunciou uma reunião entre inimigos políticos de Cachoeiro sob coordenação do governador. “Para manter o poder a qualquer preço, o PH destrói a ética na política, impondo sua vontade a qualquer custo, tudo isto em nome do ‘Novo Espírito Santo’”, narra um dos trechos do impresso que traz a assinatura do ex-deputado no verso.
Fenômeno

O polêmico ex-deputado José Carlos Gratz foi um fenômeno político que saiu da banca de jogo do bicho para se tornar deputado estadual e, logo depois, chegar à presidência do Legislativo estadual. O ex-deputado está afastado de cargos políticos desde a cassação do registro da candidatura nas eleições de 2002.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça, Gratz responde a 136 processos judiciais – 75 ações de improbidade administrativa, 52 ações penais e nove ações civis públicas. Apesar dos problemas na Justiça, o ex-deputado mantém a popularidade junto à classe de baixa renda que o saúda na rua.

Filiado ao Partido Social Liberal (PSL), o ex-deputado anunciou sua pré-candidatura nas eleições de outubro. Gratz se declara candidato a senador, porém, há possibilidade de disputar até mesmo o governo do Estado. Já sua mulher, Rita, deverá ser candidata a deputada estadual, conforme divulgação do partido.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

O BRASILEIRO DE DIREITA - OU: TORTURE OS NÚMEROS ATÉ QUE CONFESSEM!

REINALDO AZEVEDO
domingo, 30 de maio de 2010 | 9:01

O Datafolha quis saber como o brasileiro se define ideologicamente. Vejam o resultado. Há também um cruzamento da declaração com preferências partidárias e intenção de voto.
ideologia-datafolha1

Viram só? Nada menos de 37% das pessoas se dizem entre a centro-direita e a extrema direita. E só 20% entre a centro-esquerda e a extrema esquerda. No centro propriamente, estão apenas 17%. E, por incrível que possa parecer, somos a única grande democracia do mundo sem um candidato de direita — coisa que o tucano José Serra ou a verde Marina Silva, adversários da petista Dilma Rousseff, do PT, não são.

Fernando Rodrigues escreveu um texto na Folha a respeito desses números. Num dado momento, afirma:

A soma dos que se dizem de centro, centro-direita e centro-esquerda é de 38%. O percentual é maior do que os daqueles que se dizem mais à esquerda (12%) ou mais à direita (24%).

As somas são essas. Mas por que ele juntou “centro-esquerda”, “centro” e “centro-direita”? O esforço evidente é para caracterizar o país com uma maioria relativa de centristas.

Tá… Então é esse o seu critério? Não! A cada hora, ele usa um.

O título do texto é este: “Maioria dos eleitores do PSDB diz ser de direita”. E o jornalista escreve logo de cara:

“A maioria (51%) dos simpatizantes do PSDB no Brasil se diz de direita, segundo pesquisa Datafolha realizada em 20 e 21 de maio, com 2.660 pessoas em todo o país. Entre os petistas, a taxa dos que se declaram de direita é de 35%.”

Como ele chegou aos 51%? Somou os eleitores tucanos que se dizem de “centro-direita” (20%), de “direita” (14%) e de “extrema direita” (17%). OU SEJA: quando se trata de caracterizar uma maioria de direitistas no PSDB, o jornalista chama a “centro-direita” de “direita”; quando se trata de caracterizar o Brasil como um país de centristas, aí a “centro-direita” vira… centro!

Usando o mesmo critério de “centro” com que ele definiu o Brasil, o seu título e seu lead vão para o vinagre. Por quê?

- Soma de centristas do Brasil - 38%
- Soma de centristas do PSDB - 49%

- Soma de centristas do PT - 41%
- Soma de centristas do eleitorado de Serra e do eleitorado de Dilma - 40%

Com um critério, ele cria o “Brasil de centro”; com outro, o “PSDB da direita”. Como se nota, uma tabela não é uma tabela. Dá para torturá-la até que ela confesse o que se quer buscar nela.

Que importância tem isso?

O eleitorado não identifica “direita” ou “direitista” com coisa ruim — ao contrário até, ou o resultado seria outro. Mas é muito diferente na imprensa, majoritariamente de esquerda. Nessa área, tais palavras soam como verdadeiros palavrões. Ninguém vai pegar no pé do “povo” porque a maioria se diz “de direita”. Mas já fica mais fácil pegar no pé dos tucanos…

OBSERVATORIO BRASILEÑO - Coronel Plazas, ¡Dios está contigo!



Hola, amigos,

Siguiendo con el especial sobre el Coronel Plazas Vega, Observatorio brasileño publica hoy una carta que el Coronel me envió en agradecimiento por mi labor, mi contestación a él y la carta que su esposa Thania le escribió a la juez María Stella Jara. Esa no tiene desperdicio.

Miren el coraje y cuanta dignidad - a pesar del sufrimiento - de esa señora y nos espejemos en su ejemplo de no temer a nadie sino a Dios.

Les pido que, se les gusta, den amplia difusión.

Que Dios nos bendiga y hasta la proxima!

G. Salgueiro

Urgente para os católicos

Por e-mail:

Estimados amigos católicos

Preciso da ajuda de vocês. O professor Leonardo Sakamoto, que dá aulas na pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, está defendendo descaradamente o aborto. Vejam aqui e salvem o artigo dele neste link: http://blogdosakamoto.com.br/2010/06/22/aborto-carnificina-desigualdade-e-as-eleicoes/.

Se eu fosse o reitor da PUC, colocaria esse Sakamoto bem no olho da rua.

Alguém pode ajudar a remover esse delinquente abortista da PUC?

Por favor, façam alguma coisa, amigos católicos, pois ele está ensinando numa grande instituição católica.

J.

NOSSOS GOVERNANTES

MOVIMENTO ORDEM VIGÍLIA CONTRA CORRUPÇÃO





Opinião do JB Online – Por Olavo de Carvalho

Desafio o governo Lula e seus 60 intelectuaizinhos de estimação, os partidos de esquerda, o dr. Baltasar Garzón e todos os camelôs de direitos humanos a provar que qualquer das afirmações seguintes não corresponde aos fatos:

1. Todos os militantes de esquerda mortos pela repressão à guerrilha eram pessoas envolvidas de algum modo na luta armada. Entre as vítimas do terrorismo, ao contrário, houve civis inocentes, que nada tinham a ver com a encrenca.

2. Mesmo depois de subir na vida e tomar o governo, tornando-se poderosos e não raro milionários, os terroristas jamais esboçaram um pedido de perdão aos familiares dessas vítimas, muito menos tentaram lhes dar alguma compensação moral ou material. Nada, absolutamente nada, sugere que algum dia tenham sequer pensado nessas pessoas como seres humanos; no máximo, como detalhes irrisórios da grande epopéia revolucionária. Em contrapartida, querem que a opinião pública se comova até às lágrimas com o mal sobrevindo a eles próprios em retaliação pelos seus crimes, como se a violência sofrida em resposta à violência fosse coisa mais absurda e chocante do que a morte vinda do nada, sem motivo nem razão.

3. Bradam diariamente contra o crime de tortura, como se não soubessem que aprisionar à força um não-combatente e mantê-lo em cárcere privado sob constante ameaça de morte é um ato de tortura, ainda mais grave, pelo terror inesperado com que surpreende a vítima, do que cobrir de pancadas um combatente preso que ao menos sabe por que está apanhando. Contrariando a lógica, o senso comum, os Dez Mandamentos e toda a jurisprudência universal, acham que explodir pessoas a esmo é menos criminoso do que maltratar quem as explodiu.

4. Mesmo sabendo que mataram dezenas de inocentes, jamais se arrependeram de seus crimes. O máximo de nobreza que alcançam é admitir que a época não está propícia para cometê-los de novo – e esperam que esta confissão de oportunismo tático seja aceita como prova de seus sentimentos pacíficos e humanitários.

5. Consideram-se heróis, mas nunca explicaram o que pode haver de especialmente heróico em ocultar uma bomba-relógio sob um banco de aeroporto, em aterrorizar funcionárias de banco esfregando-lhes uma metralhadora na cara, em armar tocaia para matar um homem desarmado diante da mulher e do filho ou em esmigalhar a coronhadas a cabeça de um prisioneiro amarrado – sendo estes somente alguns dos seus feitos presumidamente gloriosos.

6. Dizem que lutavam pela democracia, mas nunca explicaram como poderiam criá-la com a ajuda da ditadura mais sangrenta do continente, nem por que essa ditadura estaria tão ansiosa em dar aos habitantes de uma terra estrangeira a liberdade que ela negava tão completamente aos cidadãos do seu próprio país.

7. Sabem perfeitamente que, para cada um dos seus que morria nas mãos da polícia brasileira, pelo menos 300 eram mortos no mesmo instante pela ditadura que armava e financiava a sua maldita guerrilha. Mas nunca mostraram uma só gota de sentimento de culpa ante o preço que sua pretensa luta pela liberdade custou aos prisioneiros políticos cubanos.

Desses sete fatos decorrem algumas conclusões incontornáveis. Esses homens têm uma idéia errada, tanto dos seus próprios méritos quanto da insignificância alheia. Acham que surrar assassinos é crime hediondo, mas matar transeuntes é inócuo acidente de percurso (e recusam-se, é claro, a aplicar o mesmo atenuante às mortes de civis em tempo de guerra, se as bombas são americanas). São hipersensíveis às suas próprias dores, mesmo quando desejaram o risco de sofrê-las, e indiferentes à dor de quem jamais a procurou nem mereceu. Procedem, em suma, como se tivessem o monopólio não só da dignidade humana, mas do direito à compaixão. Qualquer tratado de psiquiatria forense lhes mostrará que esse modo de sentir é característico de criminosos sociopatas, ególatras e sem consciência moral. Não tenham ilusões. É esse tipo de gente que governa o Brasil de hoje.

Dica do professor Olavo de Carvalho - SOROS/PETROBRAS/CRIME, INC. por GLENN BECK

Obama se autodestruindo?

BLOG DO MR. X

terça-feira, 22 de junho de 2010

O que nem os Republicanos nem os "tea parties" conseguiram, o desastre petrolífero no Golfo do México pode conseguir. A imagem de Obama está degringolando a olhos vistos. Sua resposta ao acidente foi tão atrapalhada e confusa, que até seus maiores aliados estão reclamando. Há já vários figurões do alto escalão que repentinamente começam a fazer outros planos para 2012. 

Um blogueiro americano especulou as possíveis razões para a resposta de Obama ao desastre:

1) O desastre não é tão ruim como se pensa, e o governo Obama sabe disso.
Obama apenas utiliza o evento e até o exagera para continuar com sua agenda de mudanças radicais, como acabar com as perfurações ou quem sabe até nacionalizar as companhias petrolíferas.

2) O desastre é tão ruim quanto se pensa, mas o governo Obama não se dá conta da magnitude. 
Obama e sua equipe são incompetentes e estão mais perdidos que deficiente visual em confronto balístico.   

3) O desastre é tão grande quanto se pensa, e o governo Obama sabe disso. 
Já que é um desastre sem solução, Obama e amigos querem apenas manter as aparências enquanto tentam tirar proveito da situação o máximo que podem ante das eleições de novembro.

4) O desastre não é tão grande quanto se pensa, mas o governo Obama não sabe disso. 
Melhor o governo Obama não fazer nada, ou só vai piorar a situação.

E isso sem contar os outros problemas de Obama, como o desemprego, contra o qual o governo Obama decidiu fazer frente através da luta pelos direitos dos trabalhadores ilegais. É isso mesmo, assistam. 

O curioso é que Obama está sendo criticado tanto à direita quanto à esquerda, obtendo uma unanimidade rara no país.  



 Um presidente bem trapalhão.

CLIQUE E ASSINE - A defesa da vida nascitura não conhece fronteiras!

SOS VITA



A sorrelfa o Parlamento do Luxemburgo planeja levar a cabo uma ampla liberalização do aborto.

A introdução de uma assim chamada “indicação social” nada mais é que um Aborto a Pedido, deixando assim as crianças nascituras inteiramente desprotegidas.

Os políticos afirmam desejar deste modo uma redução do número de abortos.

Contudo apenas uma proibição – e não uma liberalização – dos abortos é que poderá diminuir o derramamento do sangue de crianças inocentes.

É necessário que empreendamos uma reação enérgica, e especialmente importante:




Quero agir agora em prol da defesa dos nascituros!


Juntamente com a introdução da Indicação Social está planejada também a aprovação de um aconselhamento obrigatório.  Este aconselhamento obrigatório não impedirá a matança de crianças nascituras e não passa de um mero disfarce.

Todos devemos protestar contra esta planejada liberalização do aborto.

Por isso exigimos:
    Inicialmente: Nenhuma espécie de indicação para abortos!
    E a meio prazo: Total proibição dos abortos!
Os deputados têm a livre escolha de se tornarem defensores dos nascituros ou seus carrascos.

Participe desta importante iniciativa e torne-se uma voz dos nascituros. Devemos isso a nossos filhos!
Leia por favor o que acontecerá, se você não reagir ou protestar agora.




Quero agir agora e participar desta campanha de  protesto mundial.

Os políticos de Luxemburgo decidiram já em 2008 apoiar a expansão da cultura da morte, quando introduziram eutanásia com toda forca e contra a vontade do Grão-Duque Henri.


Esta expansão deve ser agora levada adiante. E só se deterá quando tiver alcançado tudo.

Isso nao pode acontecer. Reaja agora e envie seu protesto aos deputados do Parlamento luxemburguês.

Não saia desta pagina enquanto não tiver levantado sua voz em defesa da vida.

Meu engajamento em prol da vida das crianças nascituras.

Uma sociedade oposta ao PNDH-3 é possível

INSTITUTO PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA

23, junho, 2010



Perguntar se a ordem temporal tem algum papel para a salvação equivale a perguntar se toda aquela obra que Deus fez em sete dias interessa à salvação!
Nilo Fujimoto
Há na Europa museus de arte popular tradicional. Apresentam objetos de artesanato interessantes, pitorescos, magníficos, que o povo inventa e que depois se imobilizam como uma tradição porque o povo encontrou a própria expressão de sua alma naquilo que produziu e passa séculos utilizando tais objetos.
Exprime esta tendência o que em alemão se diria drang nach oben – pressão, esforço para cima. Esta seria uma tendência da sociedade inteira.
E enquanto no castelo se estariam fazendo móveis cada vez melhores e vivendo uma vida cada vez mais bonita, a casa do trabalhador manual seria cada vez mais curiosa, mais interessante, mais artística.
O drang nach oben é o contrário do miserabilismo e representa precisamente esta tendência de subir, subir, subir. Se as almas sobem, secundariamente também os estômagos ficam mais normais, mais saudáveis, e as pessoas comem mais, bebem mais, falam mais, nasce a canção popular, nasce a dança popular tão pura, tão casta, nasce toda uma vida que é toda ela concebida e nascida do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo e dos ensinamentos da Igreja.
Trata-se do contrário da sociedade miserabilista. Também não é a sociedade de consumo1. Essa sociedade não-de-consumo é um fenômeno de alma e se poderia chamar sociedade de ideal, sociedade de fé, ou – melhor ainda – Cristandade.

* * *

Em seu “Auto-retrato filosófico” Plinio Corrêa de Oliveira afirmou: “Não pretendo ser apenas um defensor do passado, mas um colaborador – com outras forças vivas – para influir no presente e preparar o futuro. Estou certo de que os princípios a que consagrei minha vida são hoje mais atuais do que nunca e apontam o caminho que o mundo seguirá nos próximos séculos.”2
É preciso sacralizar a ordem temporal3
Perguntar se a ordem temporal tem algum papel para a salvação equivale a perguntar se toda aquela obra que Deus fez em sete dias interessa à salvação!
A ordem temporal é uma criatura de Deus e tem de dar mais glória a Deus que a lua e as estrelas.

Por certo, à Igreja pertencem os meios próprios para promover a salvação das almas. Mas a sociedade e o Estado têm meios instrumentais para o mesmo fim, isto é, meios que, movidos por um agente mais alto, produzem efeito superior a si mesmos.
Tudo isso é o oposto da sociedade que o PNDH-3 quer modelar.
***********************************************
Notas
1 Por miserabilismo se entende aqui a concepção errônea em moda em certos meios, segundo a qual a miséria é um bem, convém viver em condições paupérrimas e toda forma de progresso é um mal
2 Numa versão inicial em 1976, a pedido do Pe. Stanislas Ladusäns S.J. Tal documento foi elaborado para ser incluído na Enciclopédia do Pensamento Filosófico Brasileiro, em vários volumes, que esse sacerdote jesuíta pretendia publicar. Em 1989, o mesmo Pe. Ladusäns solicitou a Plinio Corrêa de Oliveira atualizar seu “auto-retrato filosófico”.
3 É o que Pio XII denominava “consecratio mundi”, isto é, a sacralização do mundo (cfr. Alocução aos participantes do II Congresso Mundial para o apostolado dos Leigos, 5-10-1957, Documentos Pontifícios, no. 127, Vozes, Petrópolis, p. 18 – discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, Tipografia Poliglotta Vaticana, vol. XIX, p. 459). Ver, a respeito, de Plínio Corrêa de Oliveira, “A Réplica da Autenticidade”, Ed. Vera Cruz, São Paulo, 1985, p. 218.

DESPERTA BRASIL!

VI VERDE NOVO

QUINTA-FEIRA, 24 DE JUNHO DE 2010


Polan Lacki

Quando os remédios não têm suficiente eficácia para curar as enfermidades é necessário curar os remédios, para que curem o enfermo (Padre Vieira - Sermão de Santo Antonio)”.

Agora já não temos outra alternativa que não seja a de ouvir o conselho do Padre Vieira. Os remédios convencionais para curar os males do subdesenvolvimento não podem continuar sendo aplicados pelo elementar motivo de que os governos não os possuem. A ilusão de que o Estado paternalista solucionaria todos os nossos problemas se acabou.

No Brasil, os governos – nacional, estaduais e municipais – estão debilitados e fortemente endividados. Os recursos que arrecadam apenas permitem pagar dívidas, juros de empréstimos, salários e aposentadorias. O pouco que sobra é destinado a manter, apenas com vida vegetativa, um aparelho burocrático superdimensionado e quase improdutivo.

Os sucessivos governos não solucionam os crescentes problemas da educação, da saúde, da agricultura, da infra-estrutura, do saneamento básico, do transporte urbano, da pobreza, das assistências aos deficientes, do combate à delinqüência, etc. Os governantes estão virtualmente paralisados, assistindo passivamente e aceitando como se fosse aceitável a seguinte realidade que já está incorporada ao nosso cotidiano:

a) Os desempregados buscam desesperadamente, mas não conseguem um emprego;
b) Os doentes esperam vários dias por uma consulta médica, semanas por um exame de laboratório, meses ou anos por uma cirurgia; muitos morrem nos corredores dos hospitais antes de preencher a odiosa "ficha de admissão";

c) Crescentes quantidades de pobres "residem" e recolhem papéis nas ruas enquanto os seus filhos estão sendo "educados" no mundo do vício e da delinqüência;

d) Nos aterros sanitários (lixões) os mais famintos estão disputando os restos de comida com ratos e urubus;

e) Os narcotraficantes têm mais poder e melhor armamento que os serviços policiais;

f) Dentro das penitenciárias muitos delinqüentes continuam comandando o crime organizado e promovendo freqüentes rebeliões para reivindicar – e conseguir – que os transfiram para presídios "mais democráticos".

Os governantes, o pouco que fazem – e recém depois de ser fortemente pressionados por denúncias da imprensa ou pelos sindicatos mais agressivos – é "apagar os incêndios mais ruidosos"; porém depois que os ruídos diminuem cessam as ações governamentais, até que ocorra a próxima emergência. Isto está acontecendo porque as crescentes necessidades e aspirações dos cidadãos ultrapassam as decrescentes possibilidades dos debilitados governos em satisfazê-las.

Para piorar ainda mais este quadro de "paralisia" dos serviços públicos, os governos já não podem reforçar os seus orçamentos, através da via, cômoda e simplista, de aumentar o endividamento público e a carga tributária; porque o primeiro já é insuportável para os próprios governos e a segunda já é insuportável para os contribuintes. Em resumo, a capacidade dos governos de resolver os problemas dos cidadãos, através de medidas paternalistas, está esgotada. Esta é uma realidade que não podemos continuar fingindo que não existe ou que não a conhecemos, pois ela, além de evidente é crescente; para confirmá-la basta sair à rua, ver as longas filas nos colapsados serviços públicos ou assistir os noticiários da televisão.

Nos resta o caminho realista de abandonar as medidas populistas/demagógicas e fazer algo radicalmente diferente, como por exemplo: reduzir drasticamente a frondosa e improdutiva burocracia estatal, eliminar os órgãos reconhecidamente inoperantes e prescindíveis, abolir privilégios ilegítimos disfarçados de "direitos adquiridos", endurecer no combate à corrupção, reduzir a quantidade de parlamentares, militares e burocratas improdutivos. Em resumo, "enxugar" a máquina governamental para dispor dos recursos que são necessários para solucionar os problemas do Brasil e dos brasileiros; e não para alimentar interesses ilegítimos do corporativismo estatal ou para financiar atos de corrupção.

Com os recursos poupados neste "enxugamento" deveremos fazer um investimento, sério e absolutamente prioritário, no desenvolvimento das capacidades e competências da nossa população. Os próprios cidadãos – os que estão causando os problemas e os que estão sendo afetados por eles – terão que ser convocados, formados e capacitados para assumir, individualmente e/ou através de grupos organizados, uma crescente parcela de responsabilidade na correção dos erros que eles involuntariamente estão cometendo e na solução dos seus próprios problemas.

Com este objetivo em mente, o obsoleto Estado perpetuador de dependências deverá transformar-se em um Estado educador, "empoderador" dos cidadãos e emancipador das dependências que eles atualmente têm dos governos. Nas atuais circunstâncias de "paralisia" e impotência dos serviços públicos, compartilhar responsabilidades entre o Estado e os cidadãos é uma proposta que vale a pena discutir e construir.

Críticas e contribuições a esta proposta serão bem-vindas através dos e-mails:
Polan.Lacki@uol.com.br
Polan.Lacki@onda.com.br

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".