Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Conspiracy Theory - Global Warming

Mais um documentário que expõe a farsa do aquecimento global.

Se o aquecimento global é real ou não, acredita-se que algumas pessoas estão usando a questão para fazer bilhões de dólares, iniciar um governo mundial e controle de nossas vidas, desde os carros que conduzimos para os alimentos que comemos. Jesse Ventura começa com Al Gore e vai muito além do que ele descobre a evidência que leva a um homem pensou estar por trás da conspiração aquecimento global.

Alan Keyes, Olavo de Carvalho and Alejandro Peña Esclusa



Amb. Alan Keyes, Professor Olavo de Carvalho and Venezuelan oppositionist leader Alejandro Peña Esclusa met in 03.03.09 in a DC hotel room for an informal and friendly talk.

This is the recording of the conversation, where three of the most prominent conservative voices in their countries discuss the leftist takeover in the US and Latin America, the recent assaults on the US Constitution, and the activities of the Sao Paulo Forum — the radical left-wing organization, founded by the current Brazilian president Lula da Silva in 1990, which is behind Hugo Chavez, the FARC, and dozens of other Latin American political parties, national governments, and criminal organizations.

To know more, read

UM DESAFIO INTERNACIONAL

Fonte: ViVerdeNovo
SÁBADO, 16 DE JANEIRO DE 2010


Tradução, Arlindo Montenegro


Fala-se muito em fome, analfabetismo, pobreza absoluta. No Haiti, uma ex colônia dos civilizados franceses, ainda quase um protetorado, a pobreza e a fome são resultantes de continuadas e sangrentas ditaduras, de corrupção desenfreada o que levou a ONU a intervir. Lá morreram muitos brasileiros, nos tiroteios e agora vitimados pela tragédia que deixou desabrigada a quase totalidade da população. Soldados das nossas Forças Armadas em missão de solidariedade!

Muitos bilhões de dólares salvaram de imediato o sistema financeiro internacional. Os bancos e banqueiros ficaram felizes. Agora uma voz se levanta desafiando as nações do mundo a dar um exemplo, mobilizar forças que de fato reconstruam solidariamente o Haiti, fornecendo aos nacionais as ferramentas para a vida digna que a maioria desconhece.

Desviam-se imensuráveis recursos em corrupção, propaganda enganosa, superfaturamento de obras e os políticos enchem a boca com discursos sobre direitos humanos, antes de cumprir com seus deveres diante da cidadania. Vez por outra uma voz se ergue, com um discurso coerente, humano, afirmativo.

A voz da vez é de Alejandro Peña Esclusa, presidente da União de Organizações Democráticas da América – UnoAmérica, que propõe “a realização de um esforço multinacional para a reconstrução massiva do Haiti, destroçado pelo terremoto recente.”

O comunicado oficial diz:

“Segundo UnoAmérica, enviar ajuda humanitária e reparar os danos causados pelo sismo não é suficiente. É necessário tirar proveito do triste evento para lançar um projeto mais ambicioso, que afaste os haitianos da probreza em que estão metidos durante tanto tempo.”

“O terremoto se soma às condições de miséria terrível na vida dos haitianos. Trata-se de uma tragédia humana que clama aos céus e que exige a solidariedade de todo o hemisfério ocidental. A humanidade está cada vez mais desorientada, em boa parte porque muitos já não são capazes de se comover com a dor dos congêneres.”

“UnoAmérica propõe um projeto semelhante ao Plano Marshall, lançado pelos EUA em 1947 para a reconstrução da Europa, após a II Guerra Mundial, contemplando não somente a reconstrução das casas, ma também de portos, aeroportos, estradas, pontes, represas, zonas industriais, obras elétricas e hidroelétricas, aquedutos, canalização, irrigação, entre outras obras.”

“UnoAmérica sugere a criação de uma força tarefa, integrada por profissionais e técnicos de toda a América, para elaborar as plantas do projeto; e que a construção seja financiada por doações públicas e privadas provenientes de todo o hemisfério.”

“Que esta iniciativa seja um “projeto piloto” para ser replicado em outras nações latino-americanas onde existem bolsões de miséria. Não é preciso esperar por desastres naturais para resolver o problema da pobreza na região.”

“UnoAmérica é uma plataforma de Organizações não Governamentais com sede na Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Honduras, Peru, Uruguai e na Venezuela. Em sua declaração de princípios, UnoAmérica afirma como um dos seus objetivos “elaborar e oferecer um programa de desenvolvimento e industrialização para que os povos da América possam resolver seus problemas subjacentes, particularmente a pobreza.”

A página de UnoAmérica na rede, está no endereço: http://www.unoamerica.org/

España: RESPONSABILIDAD PENAL DE LA MINISTRA DE SANIDAD

Fonte: SHIANDALUS
VIERNES 15 DE ENERO DE 2010
Este artigo foi enviado como comentário, encontrei a fonte e publico na íntegra. Obrigado ao internauta do referido comentário.



La Subcomisión de Salud del Consejo de Europa, presidida por el doctor Wolfgang Wodarg, ha aprobado por unanimidad una propuesta de resolución contraria a la vacunación masiva de la gripe A/H1N1, en la cual denuncia haberse "expuesto innecesariamente a millones de personas sanas al riesgo de vacunas con ensayos insuficientes y efectos secundarios desconocidos", e insta la creación inmediata de una comisión de encuesta.


Los Estados Parte del Estatuto de la Corte Penal Internacional, expresaron su voluntad inequívoca de combatir la impunidad de los crímenes más graves y prevenirlos, inclusive el de lesa humanidad por comisión múltiple, generalizada y sistemática de actos que atenten gravemente a la integridad física o la salud de una población civil, de conformidad con la política de un Estado o de una organización, o para promover esa política, y con conocimiento de dichos actos. Es deber de todo Estado ejercer la jurisdicción penal contra los responsables de crímenes internacionales, recuerda el Estatuto.


En Francia, el escándalo de la vacunación antigripe ha llevado a ciudadanos y entidades a requerir judicialmente a la Ministra de Sanidad Roselyne Bachelot ponerle término, al tiempo que presentan cargos por los delitos de intento de administración de substancias perjudiciales para la salud capaces de producir la muerte, y mantener en peligro a la persona. No otras razones aconsejan que Trinidad Jiménez García-Herrera —cabeza del Consejo sectorial de la Unión durante la presidencia española—, finalice la campaña vacunal en curso, asuma la responsabilidad política y, por el bien de todos, dimita.


Investigar aquellos hechos prima facie constitutivos de delito en que aparezca implicada la Ministra, corresponde a la Sala Segunda del Tribunal Supremo, máxima instancia penal entre cuyos ilustres Magistrados se contó su padre, José Jiménez Villarejo. Por contra, si el Reino de España no estuviera dispuesto a actuar, entraría en juego la competencia de la Corte Penal Internacional.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Direitos desumanos

Fonte: JULIO SEVERO
13 de janeiro de 2010



Desumano decreto presidencial engana o povo com medidas opressivas e ditatoriais


Julio Severo

Bem ao estilo soviético, Lula mostrou todas as suas unhas vermelhas, dos pés e das mãos.

Seu decreto presidencial de “direitos humanos” (Decreto 7037, de 21/12/2009, 3º Plano Nacional de Direitos Humanos), pretensamente feito com a aprovação e consenso do povo, viola os mais importantes direitos dos cidadãos brasileiros, dando para o mal a capa de “direitos humanos” e despindo a maior parte da população de seus legítimos direitos.

Para quem não sabe, na União Soviética, o maior modelo prático de socialismo do mundo, tudo era feito “no nome do povo”. Os tribunais, que condenavam inocentes e protegiam os criminosos do partido único, eram os tribunais “do povo”. Reagir contra essa “justiça” era considerado crime contra o próprio povo. O povo inocente era condenado em seu próprio nome!

É óbvio que toda essa conversa “do povo” e “para o povo” era na verdade apenas a dissimulação da própria arbitrariedade estatal. O Estado podia livremente violar direitos sob a desculpa de estar agindo “nos melhores interesses do povo”.

Não muito diferente, o governo socialista do Brasil alega sempre estar agindo “nos melhores interesses” dos pobres, ou dos oprimidos, ou dos deficientes, ou das mulheres, ou dos negros e agora dos gays — na mais avançada e modernizada malícia marxista.

Os comunistas soviéticos cometeram horrendos genocídios — tudo em nome dos melhores interesses do povo. Hoje, a sede de sangue e de aniquilação moral e ética vira, no decreto de Lula, defesa dos “direitos humanos”: aprovar o aborto, legitimar a prostituição, legitimar como “casamento” a conjunção carnal de dois homens moralmente pervertidos, legitimar como “cultura” a imposição das religiões afro-brasileiras nas escolas, deslegitimar e condenar os símbolos cristãos em estabelecimentos federais, canonizar terroristas comunistas, etc.

Em meu artigo Presente das Trevas, publicado no dia 22 de dezembro de 2009, alertei o Brasil que enquanto todos estavam descansando e curtindo a família e o feriado, Lula e seus camaradas estavam armando sua desumana bomba de “direitos humanos”. A bomba, entregue como decreto presidencial em 21 de dezembro de 2009, terá efeito devastadoramente letal se a população não se manifestar com força e coragem.

Se o decreto vermelho e moralmente invertido de Lula prevalecer, todos terão “direitos humanos” no Brasil, até “ratazanas”. Todos, menos os inocentes. Seu decreto na verdade decreta a extinção da moral, da ética, da propriedade privada, da liberdade de expressão e, com a aprovação do “casamento” gay, da liberdade religiosa.

O decreto de Lula estabelece várias medidas recheadas de malícia ideológica no mais elegante estilo soviético de distorção das palavras e da realidade, apresentando como “direitos humanos” as seguintes aberrações:

* A profissionalização da prostituição.
* O controle da imprensa e da internet.
* O banimento de símbolos cristãos nos estabelecimentos públicos.
* A promoção das religiões afro-brasileiras como “cultura” dos descendentes dos escravos trazidos da África.
* A descriminalização do aborto.
* A legitimação do “casamento” gay e de adoção de crianças por esses “casais”.

Nada disso se parece, nem de longe, com direitos humanos para uma mente minimamente normal. Mas quando os anormais estão no poder, o que se pode esperar?

É claro que, mesmo sem esse decreto, Lula e seu governo já estavam lutando para avançar cada uma dessas metas. O propósito do decreto é simplesmente passar por cima de toda a resistência do povo e fazê-lo engolir de uma vez tudo o que já foi decidido, selado e aprovado pelos “tribunais do povo”.

Li hoje que, na classificação da Missão Portas Abertas, o país que mais persegue e mata cristãos no mundo é a Coréia do Norte. Em segundo lugar está o Irã — o mesmo Irã cujo presidente odiador de Israel mantém amizade com Lula.

Lula se lembrou alguma vez de mencionar para Mahmoud Ahmadinejad que matar cristãos é violar direitos humanos? Lula se lembrou de fazer um justo decreto presidencial condenando Ahmadinejad e seu governo por crimes e abusos de legítimos direitos humanos contra os cristãos do Irã?

Essa é a essência da ética de Lula e seu governo, que usam e abusam do termo “direitos humanos” para defender e homenagear até terroristas comunistas, inclusive roubando dinheiro do povo brasileiro para escandalosas e injustíssimas indenizações. E o decreto presidencial dele ordena a transformação desses criminosos em heróis. E adivinhe quem vai ser rebaixado e humilhado para a categoria de criminoso e “violador de direitos humanos”? Não, não vai ser Ahmadinejad.

Para Ahmadinejad, Lula e seu desgoverno demonstram carinho, respeito, consideração, etc. Para os inimigos da arbitrariedade estatal travestida de “direitos humanos”, o peso da “justiça” dos tribunais “do povo” ou dos “direitos humanos” — tanto faz. Os iminentes tribunais anti-“homofobia” darão amplas demonstrações dessa arbitrariedade.

Lula já decidiu: os cadáveres mutilados e estuprados dos cristãos torturados e massacrados no Irã não têm valor nenhum para a sua ambiciosa agenda ideológica. Não haverá pois nenhum decreto presidencial em defesa dessas ou outras reais vítimas de violações de direitos humanos.

A esquerda malvada continuará aplaudindo e apoiando Lula com Ahmadinejad, Fidel Castro, Hugo Chavez e outros autênticos violadores de direitos humanos. E continuará aplaudindo seu decreto presidencial, que garantiu um Natal vermelho — uma vermelhidão tenebrosa que, se não houver resistência e luta, estenderá suas nefastas conseqüências por muito tempo. O feriado do Natal passou, mas ainda estamos engasgados e passando mal com o decreto do mais puro e imoral néctar soviético.

Como sempre, o povo espera, de mãos estendidas, presentes e favores do governo, com a ilusão de que o governo é a fonte de todas as soluções. Mas o governo brasileiro não é papai-noel. E mesmo que fosse, seria também ficção, não realidade. A única realidade inegável é que os imensos problemas éticos e morais que o Brasil está enfrentando têm como maior causa o próprio governo. O decreto de Lula é a prova mais viva do que um mau governo pode fazer contra seu próprio povo, em nome do próprio povo!

Contudo, há esperança: o povo que elegeu essa vermelhidão tem sempre o direito democrático de derrubá-la.

Versão em inglês deste artigo: Inhumane rights
Versão em espanhol deste artigo: Derechos inhumanos


Leia mais:

Alerta geral

Fonte: DIÁRIO DO COMÉRCIO
14/1/2010 - 18h21


Evandro Mesquita


O chamado Programa Nacional de Direitos Humanos, contido em Decreto Federal de 21/12/09, no seu radicalismo, é revelador dos extremos de audácia a que chegaram seus formuladores.

A alegação de que o texto foi debatido pela sociedade é descabida, pois nessa discussão pontificaram grupos e ONGs absolutamente minoritários e constituídos de beneficiários interessados no recebimento de maior volume de verbas e benesses do poder público, financiadas por todo o povo brasileiro.

Dizer, por exemplo, que pequenos grupos de mulheres militantes de esquerda Representam as mulheres do Brasil constitui uma absoluta deformação da verdade. Depois da distribuição, a alegados perseguidos políticos, de generosas indenizações que já superam a casa dos R$ 3 bilhões, onerando a folha de encargos do INSS, pretendem agora os ideólogos da Secretaria Especial de Direitos Humanos, conquanto saciados financeiramente, mas ainda assim inspirados em inesgotável ressentimento, a revanche final com a humilhação de um dos lados, quando a Lei da Anistia for instituída para evitá-la para ambos os lados.

O programa não distingue o sentido da autoridade, que não se confunde com autoritarismo, nem a preservação dos costumes, incompatível com licenciosidade, sem os quais nenhuma sociedade resiste à própria desintegração. Mas a ética subjacente ao texto conduz, em última instância, ao desmanche do País, promovendo a cizânia interna, agredindo a coesão nacional pelo fracionamento do todo em segmentos minoritários, interminavelmente reivindicantes, barulhentos, prostrando a Nação à mercê de interesses antagônicos que rondam o Mundo.

No cenário politico, o quadro também não é alvissareiro. A indicação preferida pelo Planalto de Henrique Meirelles para a vice-presidência de Dilma Rousseff, contrapondo o passado guerrilheiro da candidata oficial , pode significar a blindagem do grande capital financeiro – mas o Brasil não é só isso.

Na oposição, o candidato majoritário se mantém inteiramente mudo e, com isso, convalida distorções como as que agora se explicitam, gestadas lá trás, no seio do governo de Fernando Henrique Cardoso. De qualquer forma, o texto de 75 páginas esclarece a que patamar pretendem chegar seus promotores, sem prejuízo de novos "avanços sociais" futuros. O Brasil, por sua espinha dorsal, deve reagir. As forças produtivas – empregados e patrões – da agricultura, indústria, comércio e serviços, classes médias, cristãos e democratas, todos os que acreditam no capitalismo liberal, devem estar concientizados de que a ameaça preexistente foi agora inteiramente exposta, à luz do dia, e deve ser enfrentada, a começar por uma articulação consistente que as congreguem em rumo determinado, com metas e objetivos.

Considerando que neste ano ocorrerá a renovação do Congresso Nacional, uma primeira iniciativa poderia ser exigir, dos atuais mandatários e dos novos candidatos, manifestações expressas sobre esses temas.


Evandro Mesquita é diretor da Fundação Ulysses Guimarães de São Paulo

O BRASIL A CAMINHO DA CUBANIZAÇÃO

Fonte: HEITOR DE PAOLA


O Brasil a caminho da cubanização


Luiz José Mendonça



Os psicopatas ideológicos do PT, pertencentes ao governo, vão fatalmente conseguir cubanizar nossa nação, se não houver uma violenta reação armada por parte dos militares brasileiros, apoiados pela sociedade e pelos homens honrados e de coragem, que embora em extrema minoria, ainda existem neste país.


A continuarmos dominados como estamos, em razão do prestígio de Lula da Silva por sua vergonhosa popularidade comprada, mais o apoio que lhe prestam grandes empresas de comunicação, como a Globo, dando respaldo à sua política mentirosa, falsa, comunista, fazendo com que o povão ignorante nele acredite, seremos em breve, “escravos”.


Que presidente é esse que não percebe que vem sendo usado por todos?


Pelos patrões da oligarquia transnacional que o mantém e pelos malucos ideológicos que ele colocou em nossas instituições como nos ministérios, secretarias de 1º escalão e judiciário? Estão fazendo a festa da “cumpanherada”, com uma carga tributária de quase 40% do PIB, arrancada do nosso couro para suas mordomias e roubalheiras generalizadas.


Repito, se nossos militares não reagirem, todos seremos por eles dominados e escravizados. Tudo foi cuidadosamente preparado. Foram muito bem orientados por seu grande amigo comunista do Caribe, ao qual tanto admiram. Iniciaram o desarmamento da população ordeira. Em seguida incrementaram a proliferação do MST em todo o território nacional. Contam agora com cem mil guerrilheiros tupiniquins na moita, armados e treinados em guerrilha no exterior. Estão com quase duas mil escolas em todo o país, ensinando e pregando o marxismo revolucionário. O MST tornou-se uma verdadeira força paramilitar, a serviço do presidente Lula, sempre indiretamente financiado por seu governo.


Finalmente deram o grande e sonhado golpe com o tal decreto dos direitos humanos, onde incluíram a revogação da anistia para punir apenas os militares os terroristas que assaltaram, roubaram, seqüestraram, mataram e hoje estão nos ministérios desse governo, esses não podem ser “desanistiados” de jeito nenhum. Está ainda embutido neste criminoso decreto, a taxação das grandes fortunas, o fim do direito à propriedade privada, o fim da liberdade de imprensa e tudo mais que o comunismo cubano pratica. A partir de sua aprovação pelo “Senado da República”, as propriedades invadidas, não serão mais reintegradas.


Um presidente da República que assina um decreto desta natureza traindo a própria Pátria, entregando-a ao comunismo e, depois, alega que assinou sem ler, devia ser afastado do cargo imediatamente e ser preso sem apelação, sem fiança, sem nada. Trata-se de um criminoso irresponsável, que não pode em hipótese alguma continuar exercendo o cargo de Presidente da Nação. Tem que ser afastado imediatamente. Ele não respeita a carta Magna. Pensa que manda em tudo e em todos. Julga-se o rei todo poderoso.


Como já disse, se nossos militares, não reagirem imediatamente, o povo brasileiro será escravo da oligarquia criminosa, comunista desse governo. Todos perderão suas propriedades rurais e urbanas. Ninguém será dono de mais nada. Vão acabar com as grandes fortunas. Calar a imprensa em todos os níveis. Sei que ninguém acredita. Mas dou no máximo dois anos, para que tudo isto aconteça. Podem aguardar. Quando vocês acreditarem será tarde. Muito tarde.


Nas mãos deles a nação deixará de produzir alimentos e bens de consumo em geral. Só para dar um exemplo: Cuba, antes do comunismo de Fidel Castro, produzia 12 milhões de toneladas de açúcar, a cada safra. Hoje, 50 anos mais tarde, produz apenas dois milhões de toneladas. Imaginem como ficará o Brasil comunista na mão desses bandidos inúteis.


A anarquia será generalizada e, nós, nossas famílias, seremos as vitimas de mais um grande genocídio praticado por estes traidores da Nação. Preparem-se para passar fome pelo resto da vida, até serem por eles assassinados e, os que sobreviverem sentirão vergonha de serem brasileiros.


Nossa Amazônia, eles já a negociaram com os estrangeiros. Retiraram todos os não índios que viviam na terra indígena Raposa/Serra do Sol, em Roraima, entregando para estrangeiros suas terras documentadas, suas residências, onde sempre viveram e constituíram famílias há décadas. Foram vergonhosamente enxotados por ordem do STF – Supremo Tribunal Federal, por todos os ministros indicados e apadrinhados por Lula da Silva, com honrosa exceção do Ministro Marco Aurélio de Mello.


Muito em breve o desastre brasileiro ocorrerá. É inevitável.

DIREITOS HUMANOS X DIREITOS DOS MANOS

Fonte: ViVerdeNovo
SEXTA-FEIRA, 15 DE JANEIRO DE 2010

Aviso: a primeira vez que vi "direito dos manos" foi neste artigo escrito pelo Arlindo Montenegro. Tomei emprestada a expressão em alguns artigos anteriores como já devem ter notado.


Por Arlindo Montenegro


Há uma diferença abissal entre o texto da Declaração Universal dos Direitos Humanos e a interpretação distorcida dos que, no governo e militância socialista, dizem representar a vontade nacional. Serão esses “leitores mentais” capazes de saber o que aflige a mente de duzentos milhões de pessoas, saber o que é melhor para cada brasileiro?

A Declaração Universal dos Direitos Humanos começa dizendo que todas as pessoas “nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade”. Os governantes socialistas, interpretam os Direitos Humanos isolando grupos. Primam por classificar direitos e liberdades diferenciadas em classes, raça, cor, religião, atividade profissional, modismos, preferência sexual, riqueza, pobreza e até nascimento.

O Artigo III enuncia que “toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal”. Os luminares interpretes dos Direitos Humanos no Brasil dos socialistas no poder, incutem a luta de classes desde a escola básica. Limitam a segurança de qualquer cidadão, prestigiando narcotraficantes armados. Os bandidos presos recebem um salário mensal maior que o salário mínimo pago aos trabalhadores.

“Escravidão... art. IV” - é o estado a que são submetidos todos os que vivem sob regimes totalitários . E o socialismo se caracteriza pela centralização do poder, da economia e das regras de convivência social, nas mãos de um grupo minoritário do Partido, que nem: Dirceu, Tarso, Vanucchi, Dilma, Franklin, Marco Antonio e Lula, que decidem e controlam os 3 Poderes, a imprensa, a educação, a saúde... submetendo a nação à tortura da perplexidade e impotência diante prepotência brutal e da corrupção ilimitada.

“Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei... Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.” Aí eles mudam a Lei da Anistia, da Propriedade, da Liberdade religiosa... A lei que vale é oportuna, a Constituição é chutável, como uma pedra no caminho.

Artigo XII “Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques”. Este é um direito humano que o estado, a Polícia Federal, a Abin, a Rede Globo, ignoram olimpicamente!

Artigo XVII “1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros. 2.Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.” Na interpretação dos esquerdos manos e do MST financiado pelos governantes, este direito humano é ignorado em relação aos arrozeiros e proprietários rurais em relação a indios e quilombolas. O agro negócio na lavoura, pesquisa e pecuária que o digam!

Artigo XVIII “Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.” Os esquerdos dos manos acham que os símbolos religiosos devem ser banidos da vida nacional. “Religião é o ópio (ou maconha, ou cocaína) do povo”.

Artigo XXI “Toda pessoa tem o direito de tomar parte no governo de sue país, diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos. (...) A vontade do povo será a base da autoridade do governo; esta vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas (...)” Mesmo com maquininhas viciadas? Mesmo para eleger bandidos?

Artigo XXV “Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.” As políticas dos manos nos distanciam cada vez mais desta possibilidade utópica.

Artigo XXVI “Toda pessoa tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais.” Exceto no ambiente de doutrinação dogmática marxista!

Artigo XXX “Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.” Os direitos dos manos são outros. Desprezam todos os valores da civilização. Ignoram toda a experiência universal. Perseguem o poder total, custe o que custar, doa a quem doer!

Honduras no tiene Alba

Fonte: RNW
Publicado el : 16 Diciembre 2009


En la interminable saga hondureña, el gobierno de facto de Roberto Micheletti anuncia la salida de Honduras del ALBA, la Alianza Bolivariana para las Américas.


Una vez más, Roberto Micheletti apuesta por una medida de efecto al desmantelar a pasos acelerados la estructura por la que Manuel Zelaya apostó: el ALBA funcionaba como una de las principales fuentes externas de financiamiento para un país inmerso en una de las más profundas miserias del hemisferio.

Salir del ALBA se traduce en un golpe duro en el alma del pensamiento político de Zelaya y su administración. Al mismo tiempo, es un revés para el proyecto bolivariano encabezado por Hugo Chávez, y constituye el punto final del nuevo rumbo que el gobierno de facto ha logrado dar a Honduras.

Micheletti lo anuncia pese a que entregará el poder el próximo 27 de enero al conservador Porfirio Lobo, quien ganó las elecciones el pasado 29 de noviembre. Su decisión se deja escuchar recién finaliza la cumbre del ALBA que tuvo lugar en La Habana, Cuba, festejando cinco años de existencia.

El general Raúl Castro fue quien clausuró la cumbre de la Alianza Bolivariana para las Américas, afirmando que ese bloque de nueve países apuesta por un "mundo mejor y se compromete con sociedades racionales, eficientes y justas".

"Ser parte del ALBA implica el propósito de construir sociedades racionales, eficientes, que vivan en armonía con la naturaleza y procuren justicia social", indicó Castro. Agregó el general que ello "exige un espíritu revolucionario" y que un mundo mejor es posible".

Criticó de nuevo al Gobierno de Estados Unidos y sostuvo que el golpe militar de junio pasado en Honduras es un ejemplo de que el "supuesto compromiso de Washington y sus aliados con la democracia no es más que pura demagogia y oportunismo".

El mandatario elogió los que considera "incuestionables" éxitos de la ALBA desde que fue creada en 2004 por el presidente venezolano, Hugo Chávez, y su hermano mayor y antecesor, Fidel Castro.

A la cita en La Habana llegó la canciller constitucional de Honduras, Patricia Rodas, quien destacó "el gran impacto que para el desarrollo de Honduras ha tenido dicho mecanismo de integración regional".

"Hoy Honduras amanece con el Alba", dijo la canciller Rodas el pasado lunes. Pero hoy miércoles "Honduras dejó el Alba", le responde el de facto Roberto Micheletti.

De acuerdo con Rodas, el Alba ha logrado en Honduras "controlar el negocio especulativo de los banqueros, con el objeto de evitar estafas a los ciudadanos y bajar el nivel de los intereses financieros hasta hacerlos accesibles a todos los sectores de la sociedad".

También resalta los avances en el control de los precios de la energía eléctrica, actividad que en el país dominan pequeños grupos de familias, "que además controlan todos los negocios vitales del desarrollo".

Asimismo, se refiere a los planes para llevar educación gratuita, salud y vivienda, mediante convenios y proyectos de solidaridad con países como Cuba y Venezuela, así como la implementación de programas para la producción de alimentos y la recuperación de empresas públicas que estaban en manos de particulares.

La presencia del ALBA en Honduras y la proximidad política de Manuel Zelaya con los presidentes de Venezuela y Bolivia fueron uno de los principales detonantes que catapultaron el golpe de Estado de junio pasado.

De acuerdo al sector que representa Micheletti y su gabinete, el ALBA subordina a Honduras a los intereses geopolíticos de Caracas, en contraposición a la soberanía hondureña.

Salve a pátria - mate os patos comunistas


Jogo online muito legal e gratuito. Para diversão da família brasileira!

COMANDANTE MILITAR CHAMA DILMA DE "TERRORISTA" E ACIONA PATRULHA PETISTA

Fonte: MONTEDO.COM
5 de janeiro de 2010



O tenente coronel Carlos Henrique Guedes, comandante do 24º Batalhão de Caçadores (São Luís-MA), arranjou sarna para se coçar.


Em um programa exibido na TV São Luís, o militar teria chamado Dilma Roussef de terrorista e defendido o movimento de 1964. Pra quê? Os blogueiros petralhas da terra do impoluto Sarney se ouriçaram todos e trataram de fazer a caveira do oficial.

Luis Nassif, este arauto da democracia, agilmente reproduziu o comentário original em seu portal.

Confira o que foi publicado nestes links:


Patrulha da braba!

Imagine se um general de quatro estrelas resolver abrir a boca.

Vamos Assistir O Big Brother Brasil?

Fonte: AJUDANDO A RESTAURAR O SEU LAR
QUINTA-FEIRA, 14 DE JANEIRO DE 2010


Por Anderson e Anelidia (Anne) Araújo


Assista o BBB e aprenda que a vida é um jogo e uma guerra; e que as pessoas com quem convivemos não passam de nossos inimigos e adversários.

Assista o BBB e aprenda que 1 milhão de reais vale mais do que um bom relacionamento com as pessoas. Se a vida é uma competição e o prêmio é muito dinheiro, então se apresse para aprender a arte da guerra contra o próximo no BBB. Assim, o próximo é considerado apenas um trampolim utilitário para se ganhar muito dinheiro.

Assista o BBB e, inconscientemente, você sairá da sua casa e da sua vida real para entrar e morar na casa mais famosa do Brasil. Você perceberá que perderá o caráter para ter vida dupla, duas caras, duas máscaras em frente às câmeras da reputação social. Essa é a diferença entre assistir filme e BBB: Há filmes que você não passa de telespectador passivo. Já no BBB, como há interatividade, você é mais um na casa. E este é o grande perigo.

Assista o BBB e será despertado ódio por pessoas que você nunca teve um relacionamento pessoal. Então, você vai perceber que estará avaliando a pessoa, não pela transparência do caráter, mas pela aparência da imagem da reputação de um “reality show” de falsidade. Já percebeu os critérios que você usa para julgar e colocar as pessoas no paredão e excluí-las da sua vida?

Assista o BBB e perceba como você gasta muito dinheiro com ligações para participar diretamente da casa e excluir quem você não gosta. Por que você não usa esse dinheiro para ajudar alguém e/ou consagrar para a obra de Deus? Você já percebeu que a ligação é para expulsar alguém da casa? Percebeu que a ligação é uma arma de guerra contra quem você quer matar? Percebeu que o BBB te torna, no coração, um homicida virtual e midiático? Percebeu que você aprenderá a colocar as pessoas no paredão de execução quando você não gostar mais delas?(Des)ligue-se de alguém para matá-lo. Esse é o lema do BBB. Quer aprender? Ligue.(Des)ligue alguém para matá-lo. Esse é o lema do BBB. Quer aprender? Então ligue. E assim faça um chacina no paredão de execuções.

Assista o BBB e perceba que a tua torcida sempre dá mais audiência para quem é mais safado, vingativo, traidor, malandro, dissimulador, mesquinho, egoísta, bêbado, erótico-sensual.

Assista o BBB e perceba que todos os jogos fabricam um ambiente de partidarismo, panelinha, fofoca, traição, guerrilha, armadilha, manipulação, bajulação, ciúmes, ira, ambição egoísta, discórdia, inimizade, rivalidades, inveja, glutonaria, orgias; enfim, um ambiente perfeito para as obras da carne (Gl 5:19 – 21).

Assista o BBB e você não vai encontrar amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, amabilidade e domínio próprio (Gl 5:22 – 26); pois o fruto do Espírito de Jesus não dá pontos no Ibope. Você acha que Jesus participaria e/ou assistiria todos os dias o BBB?

Assista o BBB todos os dias e pergunte a si mesmo: Porque o BBB me atrai tanto? Porque priorizo na minha agenda assistir o BBB e não reservo o mesmo tanto de tempo para orar e ler a Bíblia? Porque dou mais audiência a brigas, discórdias, vingança e barracos no BBB do que uma boa conversar de amor, perdão e comunhão com a família e amigos? Porque prefiro escutar as mensagens de intrigas, traição, bajulação e vingança do que cultuar a Deus na igreja com meus irmãos? Acredito que o BBB revela a natureza pecaminosa do ser humano. E além de revelar, o BBB desperta, incentiva e aprova o pecado.

Assista o BBB e, inconscientemente, transfira tudo o que você aprendeu para sua casa, trabalho e igreja. E desse jeito você fará uma grande guerra. É assim que você quer conviver com as pessoas?

Enfim: Assista o BBB e transforme sua televisão no vaso sanitário da Globo que descarrega toda diarréia do Diabo na sua casa, mente e nos seus relacionamentos.

Pense nisso!

PS. Vale salientar que essa opinião independe de religião, e sim de cultura e prioridade para sua vida.

Falsos segredos

Falsos segredos

Olavo de Carvalho
Diário do Comércio, 14 de janeiro de 2010
http://www.olavodecarvalho.org/semana/100114dc.html


Não há, no jornalismo ou nos debates em geral, atitude mais indigna, mais abjeta e, no fundo, mais ridícula, do que tentar impugnar uma denúncia sob o pretexto de que ela é "teoria da conspiração". Numa era em que as polícias secretas, os serviços de inteligência e as organizações clandestinas de toda sorte cresceram até alcançar dimensões planetárias e agiram mais intensamente do que em qualquer outra época da História, a presunção de tudo explicar só pelos fatos mais visíveis e notórios é, francamente, de uma estupidez sem limites. Não estranha que essa recusa dogmática de encarar o óbvio tenha instalado suas trincheiras precisamente na mídia e nas instituições de ensino -- os dois pilares em que se assenta o trono da ignorância contemporânea. Quando entidades tão vastamente poderosas como o Grupo Bilderberg (ou em escala local, o Foro de São Paulo) são tratadas como inexistentes ou irrelevantes, ao mesmo tempo que os formadores de opinião tentam impingir a si próprios e ao mundo a mentira tola de que não existe poder fora das entidades oficiais e dos interesses financeiros mais patentes, está claro que o debate público se tornou apenas uma modalidade coletiva de defesa psicótica contra a realidade.


Porém, como toda crença imbecil que se arraiga na alma das multidões, essa também é uma profecia auto-realizável. A proibição de discutir seriamente um assunto importante faz com que dele se apossem charlatães, malucos e gozadores que, por impulso próprio ou mesmo a serviço de entidades interessadas em camuflar seu segredo sob densas camadas de lendas e mentiras, dejetam no mercado uma inesgotável subliteratura com presunções de "história secreta", alimentando no público as fantasias mais extraordinárias e atravancando de detritos o caminho do estudioso sério que busque se orientar nessa selva selvaggia. É a profusão desses fenômenos que infunde na expressão "teoria da conspiração" uma carga pejorativa que o termo, por si, não comporta, fazendo dela uma vacina quase infalível contra a percepção de fatos genuínos e bem comprovados.


Boa parte desse lixo editorial pode ser identificado à primeira vista por um traço comum: organiza montanhas de informações, linearmente coerentes -- mas protegidas de qualquer confronto com as informações adversas --, para provar que todo o mal do mundo provém de uma determinada fonte em particular, que em si mesma nada tem de secreta. Os culpados de plantão full time são os judeus, a Maçonaria, a Igreja Católica, o Império Britânico e a CIA (a KGB é misteriosamente poupada: os livros contra ela acusam-na quase sempre de algum delito específico e até minimizam a dimensão do seu poder geral). O remédio mais eficaz contra esse tipo de intoxicações é ler vários desses livros de uma vez, misturados, de modo a que a profusão de suspeitos dissolva as acusações pendentes contra cada um em particular e, ao fim da leitura, você se veja obrigado a admitir que está de volta ao ponto em que estava antes de começá-la: você não tem a menor idéia de quem é o culpado dos males do mundo. Isso é tudo o que você pode aprender com esse gênero de livros. Nesse sentido, eles são até úteis: a confissão de ignorância é o começo da ciência.


O segundo passo é admitir algo que deveria ser auto-evidente desde o início: não é possível que todos os empreendimentos secretos sejam obra de entidades publicamente conhecidas. Pelo menos algumas organizações secretas devem ser realmente secretas, o que significa que nem mesmo se parecem com organizações. Por exemplo, os acordos discretos entre famílias arquipoderosas, os pactos informais entre mega-empresários, o juramento de obediência de um fiel islâmico a um sheikh que ninguém de fora conhece, as seções mais interiores dos serviços de inteligência (ignorados até pela massa de seus servidores oficiais), as esferas mais altas e reservadas de algumas sociedades ocultistas, as conexões discretas entre organizações criminosas e entidades legalmente constituídas: nada disso tem sequer um nome, nada disso é propriamente uma "organização" ou "entidade", mas um pouco de estudo basta para mostrar que aí estão as fontes invisíveis de muitas decisões históricas, freqüentemente catastróficas, que proliferam em efeitos horrivelmente visíveis quando já ninguém tem condições de averiguar de onde vieram. Não tendo um nome pelo qual identificá-las, designamos essas redes de conexões, em geral, pelas denominações das entidades mais ostensivas que lhes servem de canal, de ocasião ou de camuflagem. Dizemos que tal ou qual medida foi imposta pelo Grupo Bilderberg, ou pelo Council on Foreign Relations, quando na verdade veio de meia dúzia de membros dessas entidades, unidos sem rótulo ou bandeira, freqüentemente pelas costas dos demais. Dizemos que tal ou qual desgraça foi tramada pelo Foro de São Paulo, mas queremos nos referir a conversações discretas entre tipos como Fidel Castro, Raul Reyes ou Lula, travadas longe das assembléias e grupos de trabalho daquele órgão. Esse uso dos nomes de entidades -- praticamente o único à disposição de quem deseje falar desses assuntos -- é indireto, metonímico. Não designa o sujeito real da ação, mas uma de suas aparências. Aí torna-se fácil, para o guardião do segredo, absolver o culpado mediante a simples artimanha verbal de inocentar as aparências. Praticamente tudo o que se escreve na mídia sobre o Foro de São Paulo, sobre os Bilderberg, sobre o CFR, sobre governo mundial e assuntos correlatos vem contaminado por esses equívocos propositais.


Ocultistas devotos professam a crença de que "o segredo se protege a si mesmo". Crença falsa. O que protege o segredo são os falsos segredos.

Mitre comenta postura de políticos em relação a Direitos Humanos

PSDB e PT são a mesma coisa segundo este bate-papo animado entre FHC e o na época petista Cristovam Buarque. Mais uma prova disto está aqui no que nos fala o repórter.

NEM FHC NEM SERRA COMENTAM O DECRETO DOS DIREITO "DOS MANOS"

Que coisa, não? Mas, como estamos na ditadura da esquerdopatia, está muito certo. Se Serra ganhar, vai deitar e rolar com as vantagens para "os manos" do decreto.

E claro, ninguém do Governo quer falar sobre o decreto.

O Parque de Dona Lindu... E "nóis" tomando no... bolso. De novo, como sempre...

Fonte: BLOG DO CARLOS CALDAS
31/05/2009 - 21:51


ADVERTÊNCIA: A MUSIQUINHA ESTÁ CHEIA DE PALAVRÕES.


Carnaval fora de época – Dona Lindu Fest

Para não ser incoerente com outras postagens sobre o carnaval…mea-culpa. Não é de todo ruim. O vídeo abaixo é uma montagem a partir da paródia feita pelo grupo carnavalesco Quanta Ladeira que ano a ano vem trazendo temáticas diferentes para a festa de Momo sempre ligadas ao momento político.

Contextualizando…O Parque Dona Lindu está sendo construído na Av. Beira Mar de Boa Viagem, região mais nobre do Recife, para quem não conhece. A comunidade (Dona Zelite) não aceitou a quantidade de concreto aparente numa área hostil pela própria discrepância social. O Projeto é de uma babação explícita e vontade pessoal do ex-prefeito do Recife João Paulo que agora, em troca, humilhantemente passa dias e dias a espera de um auxilio do presidente. Puxa-saquismo não é uma boa estratégia, o ex-prefeito não conseguiu nada com o presidente dos pobres e desvalidos que gosta também dos monumentos milionários em benefício dele próprio. Evo e Chávez são fichinhas…

O Parque já foi inaugurado várias vezes pelo filodadonalindu e continua inacabado. É uma obra estranha do arquiteto comunista mais rico que conheço, aliás, como são todos os comunistas que conheço. Um poema concreto à desfaçatez política e ética.

Decreto de Direitos Humanos é criticado pela sociedade - Ives Gandra Martins fala

A lei estabelece censura aos meios de comunicação, atenta contra o direito de propriedade e a liberdade religiosa. Especialistas consideram o projeto o primeiro passo para um regime ditatorial. Ives Gandra Martins é um dos mais respeitados juristas do mundo. Nesta entrevista ele diz que este decreto, o do direito "dos manos", é uma das maiores SANDICES que ele já viu em toda a carreira, que tem algumas décadas.

Afirma ainda com todas as letras:


O DECRETO É PREPARATÓRIO PARA UMA DITADURA


Programa de Direitos Humanos propõe controle da Comunicação

Olhem que grave: o que não foi aprovado na CONFECOM "apareceu" no decreto de direitos "dos manos".

EPICURO OU PLATÃO?



EPICURO OU PLATÃO?

14 de janeiro de 2010

A rejeição contemporânea do direito natural conduz ao niilismo – mais, é idêntica ao niilismo”.

Leo Strauss

Foi preciso que viessem as grandes catástrofes políticas do século XX para a humanidade se debruçar sobre a gênese do totalitarismo. Vimos em artigo anterior que a construção do totalitarismo tem raízes na Antiguidade e se confunde com o surgimento dos sofistas, na Grécia clássica. Vimos também que finca raízes na decadência da filosofia cristã, sobretudo com o ramo nominalista. No século XX os principais filósofos tentaram explicar o fenômeno. Como Hitler foi possível? E as Grandes Guerras?


Entender suas respostas pode nos dar a chave para entender o que se passa no mundo de hoje e no Brasil. Estamos vendo a crise econômica se desenrolar, a decadência do dólar e da economia norte-americana, a emergência da China como centro de poder e, no Brasil, o aprofundamento da experiência socialista do PT. A edição do III Plano Nacional dos Direito Humanos e os perigos que emergem da ameaça totalitária no Brasil exigem uma reflexão sobre o que está acontecendo. Vimos que compreender a declaração sistemática de direitos humanos como tem sido feito em todo o mundo, pelos Estados nacionais e pelas instâncias coletivas, como a ONU e a OEA, é a chave de todo o processo.


À primeira vista direitos humanos parecem uma obviedade e não precisaria haver diploma legal algum específico para a sua vigência, uma vez que estes direitos estão disseminados em toda ordem jurídica. Ocorre que aquilo que se proclama como “direito humano” nada tem a ver com sua definição intuitiva, mas sim, com uma nova filosofia política que emergiu na Europa a partir do século XVI. Essa nova filosofia é materialista e atéia e emergiu dos tempos do Renascimento precisamente para enfrentar a tradição greco-judaico-cristã. Esta dizia que há uma metafísica, uma teleologia na natureza, que Deus é o criador e que o direito e a moral foram instituídos por algo além do homem, Deus ele mesmo, cabendo à humanidade descobrir a lei natural e às autoridades estatais transformá-la no direito positivo.


Essa visão de mundo baseava-se no direito natural, proposta que nasceu com Platão e foi aprofundada por Aristóteles, autores que moldaram o direito romano e o tempo medieval. A cristandade abraçou sem reservas a idéia de direito natural, que praticamente foi seguida no Ocidente até o Renascimento. Outra idéia substantiva baseada nos filósofos clássicos é a organização social em termos aristocráticos, havendo uma hierarquia natural que começa no princípio de que Deus é a medida de todas as coisas e o homem está a ele subordinado. Da mesma forma, o estudo da ciência política iniciava-se na observação das sociedades, dos regimes políticos. O homem, no dizer de Aristóteles, era, por natureza, social. Esse conceito de regimes políticos foi substituído por Hobbes, o filósofo maior da modernidade em matéria de política, pelo desoberania, ou soberania popular. Hobbes fará coro com Maquiavel e descartará as virtudes da honra e da justiça como o parâmetro norteador da ação do governante, pondo em seu lugar a negação da virtude dada pelo medo da morte.


A virtude do governante passou a ser tão somente a capacidade de conquistar e manter o poder, valendo para isso todos os meios disponíveis, sem nenhuma restrição moral.


Esse medo da morte irá fundar a idéia do contrato social, estranha a toda tradição até então, idéia que havia morrido com os sofistas, desacreditados que foram pela filosofia clássica. A nobreza governante nunca se moveu por medo de morrer, ao contrário, era próprio do nobre enfrentar a morte certa se isso fosse necessário para o bem estar da coletividade. Nobreza equivalia a sacrifícios. Com a dupla Maquiavel/Hobbes a ciência política abre as portas aos aventureiros, os novos príncipes, os revolucionários que irão destronar a realeza e, mais que ela, implantar as repúblicas “populares” e “democráticas” como as conhecemos. Os tempos da guilhotina foram o prelúdio do que viria no século XX. O tempo presidido pelo medo da morte será o tempo dos genocídios.


O medo de morrer instituirá, para Hobbes, a proclamação do direito à vida, a obrigação fundamental do governante que supostamente recebe o poder delegado pelo contrato social com o povo. A antropologia fundadora dessa visão é aquela proposta pelos sofistas, de que o homem natural vive sozinho e que a cidade só será fundada depois de instituído o contrato social. Em sua obra, Michel Villey aponta que isso é um paralogismo necessário para se construir a falsa ciência política praticada nos tempos modernos. Do direito à vida serão derivados todos os demais direitos humanos, pois afinal todos eles supostamente contribuiriam para que o primeiro direito fundamental pudesse vigorar.


Não teria havido a tragédia do século XX sem que essa loucura toda tivesse sido imaginada como substituta do verdadeiro saber. Hobbes é o fundador do historicismo, ele que traduziu a obra de Tucídides e o colocou no lugar de pensador maior, em substituição a Aristóteles. De Hobbes duas tradições foram formadas, uma da linhagem de Locke, que moldou as instituições da democracia representativa e outra, da linhagem de Rousseau e Hegel (e Marx) que desaguou no jacobinismo esquerdista. O liberalismo clássico tentou circunscrever os direitos humanos a três fundamentais, à vida, à propriedade e à liberdade. Já o jacobinismo fará a multiplicação desses direitos e derrotará politicamente seu adversário liberal. O século XX assiste à completa derrota política do liberalismo clássico e vê emergir, primeiro, os Estado totalitários e, logo a seguir, o agigantado Estado de bem estar social, ele mesmo uma mera variação do totalitarismo.


O Estado de bem estar social derroga a idéia de direito à propriedade, pela via da elevação sistemática da tributação. E derroga também a liberdade, na media em que regula todos os recantos da vida privada. A diferença essencial entre o totalitarismo da primeira metade do século XX e o Estado agigantado de bem estar social é que este não usa de violência que não aquela prevista em lei, porém até mesmo o ideal racista é resgatado, como vimos nas ações afirmativas em todo o mundo. A produção de leis em escala industrial, por seu turno, permitirá que o Estado pratique todo tipo de violência contra seus súditos, na medida em que tudo passa a ser criminalizado e para todo crime tipificado há uma polícia. Por conta disso, a população encarcerada tem crescido exponencialmente e nos EUA já temos mais de 2% da população masculina adulta prisioneira.


Quais as explicações teóricas para esse estado de coisas, para o totalitarismo do século XX? A primeira obra que procurou dar uma resposta veio da vertente liberal, em livro publicado por Karl Popper, A SOCIEDADE ABERTA E SEUS INIMIGOS. Diagnosticando corretamente que a raiz do problema estava no historicismo, Popper erroneamente vai apontar Platão como o filósofo que deu origem ao totalitarismo. Ora, Platão é o fundador da tradição do direito natural e o descobridor da idéia de lei natural, que encontrará paralelo na verdade revelada da tradição judaico-cristã. Talvez Popper não tenha compreendido suficientemente o platonismo e não tivesse pesquisado com rigor a profunda mudança ocorrida na filosofia política ao tempo do Renascimento.


Essa visão popperiana foi popularizada e contribuiu para que a verdadeira causa do totalitarismo, a saber, as idéias sofistas e sobretudo as de Epicuro, fossem ocultadas do grande público. Quem corrigirá o erro inicialmente é a dupla de filósofos germânicos radicados nos Estados Unidos, Leo Strauss e Eric Voegilin, posteriormente complementados pela notável obra de Michel Villey. Strauss, no magnífico livro DIREITO NATURAL E HISTÓRIA, mostrará em páginas memoráveis que está em Epicuro a gênese totalitária, com seu ateísmo, seu materialismo, seu hedonismo, os elementos que de fato contribuíram para a construção de um sistema de poder em que o homem é a medida de todas as coisas. Epicuro é o pai do niilismo político.


Agora os tempos exigem a nova ciência da política, aquela fundada pelos três últimos autores Strauss, Villeye Voegelin. A proliferação dos direitos humanos, a ameaça representada pela unidade das soberanias, o império mundial que se forma, a hipertrofia estatal que dá todo o poder à burocracia para dispor da vida de todas as pessoas, tudo isso é uma ameça sem precedentes para a raça humana. O abandono do padrão invariável de justiça fundado na transcendência, pondo-se no seu lugar o positivismo jurídico mais primário, que unicamente representa a vontade do governante, é o meio pelo qual essa ameaça tem afetado o dia a dia de toda gente.


O único antídoto para a loucura que está posta ameaçando a vida, a liberdade, a propriedade e a sanidade da humanidade é a restauração do direito natural clássico, com tudo que implica, inclusive com os elementos metafísicos inerentes.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".