Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Queda-de-braço

 

OLAVO DE CARVALHO

Diário do Comércio, 26 de janeiro de 2012

Hoje, quinta-feira, 26 de janeiro de 2012, é a data marcada para Barack Hussein Obama comparecer ao Tribunal Administrativo da Geórgia e apresentar documentos que comprovem ser ele um cidadão nativo dos EUA, admissível portanto na lista de candidatos presidenciais naquele Estado.

É a segunda vez na história americana que um presidente da República é intimado a comparecer em juízo. A primeira foi em 1974, quando Richard Nixon teve de depor como testemunha no processo contra seu assessor John Erlichman e acabou ele mesmo se dando muito mal.

Os advogados de Obama tentaram livrá-lo do vexame alegando que os Estados não têm jurisdição sobre as eleições federais, o que é verdadeiro em tese, mas falso no caso concreto, porque admitir ou rejeitar candidatos nas listas eleitorais é de atribuição exclusivamente estadual. Argumentaram também que comparecer à audiência iria tomar o tempo precioso de um presidente ocupadíssimo, o que chega a ser cômico, pois, entre todos os presidentes americanos, Obama tem sido o recordista absoluto de férias, viagens de turismo pagas com dinheiro público, festas milionárias e longas temporadas de golfe, tendo merecido os apelidos de “Turista-em-chefe” e “Golfista-em-chefe”.

Qualquer que seja o caso, o juiz Michael Malihi rejeitou o pedido de dispensa e intimou Obama a comparecer de qualquer modo.

Muito provavelmente Obama não irá. Não irá, pelos seguintes motivos:

1) Ele não tem nenhuma prova de que é cidadão nativo, condiçãosine qua non para ser admitido como candidato presidencial segundo a Constituição Americana. Pelo menos desde uma sentença de 1875 a Suprema Côrte define como “cidadão nativo” o indivíduo nascido de pais (no plural) americanos, em território americano. A definição foi confirmada por uma decisão unânime do Senado, subscrita pelo próprio Obama em 2008. Segundo a certidão de nascimento divulgada pela Casa Branca, o pai de Obama nasceu no Quênia, sendo portanto súdito britânico. A única prova que o presidente pode alegar, a famosa certidão de nascimento, mesmo se admitida como autêntica, demonstra exatamente que ele não é cidadão nativo de maneira alguma. Tanto é assim que ele só tem conseguido se livrar dos processos de inelegibilidade, desde antes das eleições de 2008, mediante o apelo a tecnicismos jurídicos que se esquivam de entrar no mérito da questão.

2) Se a certidão de nascimento prova exatamente o contrário do que Obama desejaria provar, ela também não pode ser alegada em juízo por uma segunda razão: praticamente todos os peritos que a examinaram asseguram que ela é falsa. Os indícios de forjicação são tantos e tão patentes, que tudo o que os acusadores de Obama mais desejam no mundo é que ele apresente esse documento no tribunal, transformando um processo administrativo de inelegibilidade num processo-crime por fraude documental (forgery), que será certamente o maior escândalo político da história americana.

3) Não comparecendo, Obama pode ganhar tempo, esperando que o juiz Malihi repasse o processo a uma instância superior e esticando a embromação até as eleições de novembro. Mas há algum risco de que o próprio tribunal da Geórgia, tendo em vista a ausência de provas de elegibilidade, suprima o nome de Obama da lista de candidatos, tirando-lhe milhões de votos e dando um exemplo que poderá ser seguido em outros Estados.

Até agora, a disputa da elegibilidade tem sido uma queda-de-braço entre a letra da lei e a dificuldade política (alguns diriam: impossibilidade absoluta) de aplicá-la contra a força maciça de um presidente que tem a seu favor a totalidade da grande mídia, o aparato repressivo do Estado e uma vasta militância alimentada por financiamento bilionário, incomparavelmente superior ao de seus adversários. Nada me tira da cabeça que Obama foi posto na presidência por pessoas perfeitamente cientes da sua inelegibilidade, com o propósito específico de minar o sistema constitucional americano. Posso estar errado, mas a hipótese de que ninguém tenha reparado nas conseqüências legais da nacionalidade estrangeira de Obama pai é demasiado louca para ser verdade. Tanta inocência assim não existe no planeta Terra.

Qualquer que seja o resultado de hoje, a dupla questão da elegibilidade e da falsidade documental continuará sendo investigada na comissão nomeada pelo xerife do condado de Maricopa (Arizona), Joe Arpaio, a pedido de eleitores da região. O próprio Arpaio foi intimado a depor no tribunal da Geórgia, mas já anunciou que não tem nada a dizer antes do término das investigações, marcado para fevereiro. Tão logo noticiado o início dos trabalhos da comissão, o governo federal reagiu ameaçando abrir um inquérito contra Arpaio por suposta “discriminação contra hispânicos”, mas, solicitado a apresentar provas, recusou-se a fazê-lo e depois começou a amolecer, buscando um “diálogo” com o xerife.

Posso votar no PT? (uma questão moral)

 

FRATRES IN UNUM

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz – Pró-Vida de Anápolis

1. Existe algum partido da Igreja Católica?

A Igreja, justamente por ser católica, isto é, universal, não pode estar confinada a um partido político. Ela “não se confunde de modo algum com a comunidade política”[1] e admite que os cidadãos tenham “opiniões legítimas, mas discordantes entre si, sobre a organização da realidade temporal”[2].

2. Então os fiéis católicos podem-se filiar a qualquer partido?

Não. Há partidos que abusam da pluralidade de opinião para defender atentados contra a lei moral, como o aborto e o casamento de pessoas do mesmo sexo. “Faz parte da missão da Igreja emitir juízo moral também sobre as realidades que dizem respeito à ordem política, quando o exijam os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas”[3].

3. O Partido dos Trabalhadores (PT) defende algum atentado contra a lei moral?

Sim. No 3º Congresso do PT, ocorrido entre agosto e setembro de 2007, foi aprovada a resolução “Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais”, que inclui a “defesa da autodeterminação das mulheres, dadescriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público[4].

4. Todo político filiado ao PT é obrigado a acatar essa resolução?

Sim. Para ser candidato pelo PT é obrigatória a assinatura do Compromisso do Candidato Petista, que “indicará que o candidato está previamente de acordo com as normas e resoluções do Partido, em relação tanto à campanha como ao exercício do mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §1º[5]).

5. Que ocorre se o político contrariar uma resolução do Partido como essa, que apoia o aborto?

Em tal caso, ele “será passível de punição, que poderá ir da simples advertência até o desligamento do Partido com renúncia obrigatória ao mandato” (Estatuto do PT, art. 128, §2º). Em 17 de setembro de 2009, dois deputados foram punidos pelo Diretório Nacional. O motivo alegado é que eles “infringiram a ética-partidária ao ‘militarem’ contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a respeito da descriminalização do aborto[6].

6. O PT agiu mal ao punir esses dois deputados?

Agiu mal, mas agiu coerentemente. Sendo um partido abortista, o PT é coerente ao não tolerar defensores da vida em seu meio. A mesma coerência devem ter os cristãos não votando no PT.

7. Mas eu conheço abortistas que pertencem a outros partidos, como o PSDB, o PMDB, o DEM…

Os políticos que pertencem a esses partidos podem ser abortistas por opção própria, mas não por obrigação partidária. Ao contrário, todo político filiado ao PT está comprometido com o aborto.

8. Talvez haja algum político que se tenha filiado ao PT sem prestar atenção ao compromisso pró-aborto que estava assinando…

Nesse caso, é dever do político pró-vida desfiliar-se do PT, após ter verificado o engano cometido.

9. Houve políticos que deixaram o PT e se filiaram ao Partido Verde (PV). Os cristãos podem votar neles?

Infelizmente não. Ao deixarem o PT e se filiarem ao PV, eles trocaram o seis pela meia dúzia. O PV é outro partido que exige de seus filiados a adesão à causa abortista. Seu estatuto diz: “São deveres dos filiados ao PV: obedecer ao Programa e ao Estatuto” (art. 12, a )[7]. E o Programa do PV, ao qual todo filiado deve obedecer, defende a “legalização da interrupção voluntária da gravidez[8].

10. Que falta comete um cristão que vota em um candidato de um partido abortista, como o PT?

Se o cristão vota no PT consciente de tudo quanto foi dito acima, comete pecado grave, porque coopera conscientemente com um pecado grave. O Catecismo da Igreja Católica (n. 1868) ensina sobre a cooperação com o pecado de outra pessoa: O pecado é um ato pessoal. Além disso, temos responsabilidade nos pecados cometidos por outros, quando neles cooperamos: participando neles direta e voluntariamente; mandando, aconselhando, louvando ou aprovando esses pecados; não os revelando ou não os impedindo, quando a isso somos obrigados; protegendo os que fazem o mal.” Ora, quem vota no PT, de fato aprova, ou seja, contribui com seu voto para que possa ser praticado o que constitui um pecado grave.


PT: Partido ou Religião?

Quando um cidadão encontra o Partido dos Trabalhadores, encontra um tesouro. Vale a pena vender tudo para comprar o campo onde o tesouro está enterrado. O PT não é o melhor dos partidos políticos. É o único partido verdadeiro. Os outros são simulacros de partido.

A alegria de ter encontrado a verdade, faz com que o cidadão, para filiar-se ao PT, renuncie a tudo. Uma vez filiado, ele não terá mais direito de escolher seus candidatos. Seu dever será “votar nos candidatos indicados” pelo Partido. (Estatuto do Partido dos Trabalhadores, aprovado em 05/10/2007, art. 14, inciso VI). Se for candidato a um mandato parlamentar, deverá reconhecer expressamente que o mandato não é seu, mas que “pertence ao partido” (art. 69, inciso I). A obediência ao Partido é sagrada. Está acima de tudo: de suas opiniões pessoais, de suas convicções, das reivindicações dos eleitores. Só em casos extremamente excepcionais, o parlamentar poderá ser dispensado de cumprir as ordens do alto, para seguir sua consciência ou o clamor dos que nele votaram (art. 67 § 2º).

Com alegria o filiado pagará anualmente uma contribuição proporcional ao seu rendimento (art. 170). Se ocupar um cargo executivo ou legislativo, a contribuição não será anual, mas mensal, obedecendo a uma tabela progressiva (art. 171 e 173). Mas a alegria de ser filho do verdadeiro Partido faz com que todas essas imposições pareçam leves.

Dentro do Partido, zela-se não só pela unidade (“que todos sejam um”), mas pela uniformidade. Frações, públicas ou internas ao Partido, são expressamente proibidas (art. 233 §4º). No entanto, os filiados podem organizar-se em “tendências” (art. 233). Estas, porém, estão submissas às decisões partidárias e ao encaminhamento prático do Partido (art. 238). Nenhum filiado poderia, por exemplo, organizar uma tendência para combater o “casamento” de homossexuais ou a legalização do aborto, que são bandeiras do Partido. As tendências não podem ter sedes próprias (art. 235 “caput”), não podem reunir-se com não-filiados (art. 235 §3º) e não podem difundir suas posições fora do Partido (art. 236 §1º). Mesmo que uma tendência deseje publicar documentos seus contendo posições oficiais do Partido, está proibida de fazê-lo (art. 236 §2º). O petista submete-se a todo este mecanismo de controle, ciente de que o Partido sabe o que faz.

Se sou vereador e o Partido me proíbe de propor um projeto de lei pró-vida, não tenho motivo para reclamar. O Partido deve ter suas razões. Se sou senador e cabe a mim a tarefa de emitir um relatório sobre um projeto de aborto, eu, por fidelidade ao PT, não posso manifestar-me contra a proposta. Devo agradecer ao Partido por ele, benignamente, permitir que eu passe o encargo de relator a um colega abortista. Se sou deputado federal e o Partido manda que eu me ausente de uma sessão deliberativa, onde meu voto, contrário ao aborto, atrapalhará a aprovação de um projeto, a resignação será minha melhor atitude.

Tudo isso e muito mais vale a pena. Pois todos os outros partidos são comprometidos com as oligarquias, com o neoliberalismo, com a classe dos opressores, e não dão importância aos pobres, aos excluídos, aos marginalizados, aos explorados, aos sem voz e sem vez. Pertencer ao PT é uma glória tão grande que justifica qualquer custo.

Se sou petista, pouco me importa que Lula e Fidel Castro tenham fundado em 1990 o Foro de São Paulo para fortalecer a ditadura cubana, após a queda da União Soviética.

Se sou petista, não quero saber por que durante anos nenhum parlamentar petista, desde a mais humilde Câmara Municipal até o Senado Federal, ousou propor um projeto de lei antiabortista. Nem me interessa questionar a punição de dois deputados que ousaram apresentar propostas legislativas pró-vida.

Se sou petista, pouco me importa que Dilma Rousseff defenda a legalização do aborto como “questão de saúde pública”[9]. Muito menos que Dilma e Lula tenham assinado em dezembro de 2009, o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, que defende a descriminalização do aborto, o reconhecimento da prostituição como uma profissão, a união civil de pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por duplas homossexuais[10].

Aliás, o bom petista jamais chegaria até esta linha do artigo. Muito antes já teria parado a leitura por considerá-la perigosa à fé que ele tem no Partido.

Agora, uma pergunta final, com vistas às eleições de outubro: pode um cristão votar no PT? Só há um jeito: trocar sua Certidão de Batismo pela Certidão de Petismo. Duas religiões antagônicas não podem coexistir num mesmo fiel.

Um cristão não pode apoiar com seu voto um candidato comprometido com o aborto:

– ou pela pertença a um partido que obriga o candidato a esse compromisso (é o caso do PT)

– ou por opção pessoal.

Anápolis, 12 de julho de 2010.

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.


[1] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 76.

[2] Concílio Vaticano II, Constituição Pastoral “Gaudium et Spes”, n. 75.

[3] Catecismo da Igreja Católica, n. 2246, citando “Gaudium et Spes, n. 76.

[4] Resoluções do 3º Congresso do PT, p. 80. in: http://old.pt.org.br/portalpt/images/stories/arquivos/livro%20de%20resolucoes%20final.pdf

[5] Estatuto do Partido dos Trabalhadores, Versão II, aprovada pelo Diretório Nacional em 5 out. 2007, in: http://www.pt.org.br/portalpt/dados/bancoimg/c091003181315estatutopt.pdf

[6] DN suspende direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso. Notícias. 17 set. 2009, in: http://www.pt.org.br/portalpt/documentos/dn-suspende-direitos-partidarios-de-luiz-bassuma-e-henrique-afonso-254.html

[7] http://www.pv.org.br/download/estatuto_web.pdf

[8] Programa: 7 – Reprodução Humana e Cidadania Feminina, in: http://www.pv.org.br/download/programa_web.pdf.

[9] Dilma Rousseff defende legalização do aborto. 28 mar. 2009, Diário do Nordeste, in: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=626312

[10] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7037.htm

A menina, o banheiro e o marmanjo gay

JULIO SEVERO
28 de janeiro de 2012


Julio Severo
Uma menina de dez anos entra no banheiro feminino de uma pizzaria e se assusta. Ela volta para sua mãe e cochicha: “Tem um homem lá dentro do banheiro! Ele tá vestido de mulher!”
A mãe não tem dúvida: numa reação natural que qualquer outra mãe teria, reclama para o dono da pizzaria.
O dono, em atenção à mãe e à segurança dela e sua filha, pediu, quase que implorando, para que o homem vestido de mulher não voltasse mais ao banheiro feminino.
Toda a humilhação e imploração do dono de nada valeram. O caso chegou à Secretaria da Justiça do Estado de São Paulo, que telefonou — não para a mãe e sua filha —, mas para o homossexual, de nome Laerte Coutinho, dizendo que a pizzaria violou a lei estadual 10.948/2001, sobre discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero. A pizzaria será multada e ameaçada por forças governamentais a serviço e seviciadas pelo movimento gay. Laerte está determinado a exigir essa truculência estatal contra a pizzaria, como lição para todas as meninas do Brasil que encontrarem um gay no banheiro das mulheres.

Homossexual Laerte Coutinho exige “direito” de estar em banheiros femininos com meninas de 10 anos

A Secretaria da Justiça não se incomodou em telefonar para a menina de 10 anos, nem para sua mãe, talvez porque o marmanjo gay seja funcionário do notório jornal esquerdista Folha de S. Paulo, que já foi denunciado por defender descaradamente o assassinato de crianças em gestação.
O caso expõe nitidamente a hipocrisia do governo e da imprensa esquerdista. Na polêmica lei da palmada, os dois atacaram os pais e sua autoridade, alegando que os interesses das crianças devem estar acima de tudo. Mas quando um homossexual entra no cenário, o holofote fica só para ele, e a pobre criança é atirada para um cantinho escuro.
Se a menina tivesse ligado para a Secretaria de Justiça denunciando que sua mãe lhe deu umas palmadas, a resposta governamental teria vindo imediatamente para punir a mãe.
Mas se a menina tivesse denunciado, “Tem um homem vestido de mulher no banheiro!”, a resposta governamental nunca viria para punir o sem-vergonha. Viria, isso sim, para ameaçar o dono do estabelecimento, a mãe da criança (por ter ensinado “homofobia” para a menina) e para dar uma bronca na menina por deixar sua mãe lhe ensinar “preconceito, discriminação e ódio”.
O governo e a mídia incitam crianças a denunciar os pais, que são os maiores protetores de seus filhos.
Mas o governo e a mídia nunca incitam crianças a denunciar predadores homossexuais. Tudo indica que, na visão governamental e midiática, pais são muito mais perigosos do que esses predadores.
Folha de S. Paulo, que está gritando histericamente em favor de seu funcionário homossexual, calou-se para o fato de que uma menina estava envolvida. Nenhum jornalista nem autoridade governamental e muito menos um membro do Conselho Tutelar apareceu para dizer: “Ei, temos de colocar a menina antes do homossexual!” É uma vergonha colossal que o Estado de São Paulo sob o PSDB e a Folha de S. Pauloestejam colocando o homossexual na frente da menina.
Poderia haver perigo com a presença de um homossexual num banheiro feminino com uma menina por perto? Homens homossexuais também ameaçam meninas. Apesar de seu padrão politicamente correto, até mesmo a Globo não deixou de noticiar o caso de dois pais-de-santo homossexuais que estupraram uma menina de 9 anos.
Qualquer caso de uma menina na presença de um homem no banheiro feminino é suficiente para despertar justa indignação em qualquer pessoa normal, especialmente nos pais. Tal indignação só aumenta diante da injustiça de uma imprensa e até governo que tratam com descaso uma menina e sua mãe a fim de prestigiar um marmanjo homossexual.
Casos como esse só tendem a inflamar e incitar a violência contra os homossexuais, porque embora a imprensa e até o governo coloquem homossexuais na frente de uma menina e sua mãe, as pessoas normais sempre defenderão uma menina ameaçada pela presença de marmanjos em banheiros femininos.
Se até nos banheiros masculinos os homens estão enfrentando problemas provocados por homossexuais, por que estender agora essa insegurança aos banheiros das mulheres?
Cada vez mais, de forma descarada, shopping centers e outros lugares estão sendo usados como pontos de prostituição gay — bem nos banheiros masculinos. E, talvez por temor da obsessão anti-“homofobia, os homens olhem e ignorem. Já presenciei homossexuais que, dentro do banheiro do shopping, ficam ali como canibais do sexo anal, olhando cada homem que entra, esperando uma oportunidade de sexo.
A lei 10.948/2001, que está sendo usada para garantir que o marmanjo gay tenha acesso aos banheiros femininos, é uma insanidade do PSDB. Embora o PLC 122 não tenha sido aprovado como lei federal, o governo estadual do PSDB aprovou uma lei anti-“homofobia” no Estado de São Paulo em 2001. A lei foi criada em resposta à reivindicação de dois homossexuais que estavam se beijando em público e se queixaram de pessoas próximas que se sentiram ofendidas. A lei do PSDB foi criada especificamente para proteger o erotismo homossexual em público.
Como resultado direto dessa lei:
Homossexuais dançaram de calcinha na Assembleia Legislativa de São Paulo em 2007, sem nenhum impedimento.
* Um pastor foi preso no centro de São Paulo, após pregar contra as práticas homossexuais.
* O Estado de São Paulo lidera o ranking de incitação de denúncias por “homofobia”.
* Um bêbado foi multado em quase 15 mil reais por chamar um homossexual de “veado”.
* Uma  igreja evangélica teve seus outodoors com versículos bíblicos violentamente removidos pela “justiça” de São Paulo.
Todas essas consequências vieram de uma lei específica para beneficiar dois gays que queriam a liberdade de se beijar em público, na frente de adultos e crianças.
Que tipo de lei farão agora para atender ao marmanjo gay que exige estar com meninas e suas mães nos banheiros femininos?
Enquanto isso, o que uma mãe deverá dizer à sua filha de 10 anos que testemunhar um marmanjo gay no banheiro feminino? Ficar em silêncio para não ofender o marmanjo?
Folha de S. Paulo defende assassinato de crianças em gestação

VOTEM NO CANAL CASANDOOVERBO: Preciso da sua ajuda




Enviado por  em 26/01/2012

A verdade por trás das sacolas plásticas

 

UCHO.INFO

26/01/2012 | Escrito por admin

(*) Thaís Teisen, do CicloVivo –

As leis aplicadas em diversas cidades brasileiras contra o uso das sacolas plásticas levantaram uma série de questionamentos por parte dos consumidores e abriram caminho para o mercado publicitário.

Os usuários, que há muitos anos reaproveitavam as sacolas plásticas distribuídas gratuitamente nos supermercados como sacos de lixo, se perguntam quais são as alternativas plausíveis para o descarte de resíduos, diante das constantes proibições.

Parte da indústria se aproveitou dessa dúvida para vender a ideia de que as sacolas oxibiodegradáveis ou biodegradáveis são opções mais ecológicas para substituir as sacolas plásticas tradicionais. No entanto, especialistas alertam que nem sempre a imagem vendida condiz com a realidade.

Sacolas Oxibiodegradáveis

As oxibiodegradáveis, por exemplo, ainda são alvos de estudos, pois sua eficiência é considerada “obscura”. Essa falta de comprovações motivou o ex-governador de São Paulo José Serra a vetar um projeto de lei que tornava o uso desse produto obrigatório, para substituir os modelos tradicionais. Além disso, diversos especialistas se mostram contra a utilização das sacolas oxibiodegradáveis.

No projeto “Fotodegradação e fotoestabilização de blendas e compostos poliméricos”, do professor Guilherme José Macedo Fechine (Universidade Mackenzie), mostra que apesar de se decompor em micropartículas, este tipo de plástico não é consumido por fungos, bactérias ou protozoários, uma das características essenciais para garantir que os resíduos realmente serão eliminados do ambiente.

A mesma opinião é compartilhada pelo especialista norte-americano Joseph Greene, que realizou o estudo responsável por impedir que a Califórnia adotasse o plástico oxibiodegradável. A pesquisa mostra que esses resíduos não se desintegram, apenas se tornam invisíveis aos olhos.

Segundo Fechine, a única diferença entre o polímero oxibiodegradável e o comum é o tempo de fragmentação, menor no primeiro caso. Mas, em termos ambientais não existe benefício algum.

Sacolas Biodegradáveis

A palavra biodegradável também tem se tornado marca registrada nos carimbos das sacolas plásticas. Na maioria dos casos, ela exerce apenas uma função publicitária, para vender a imagem de que o item é ecológico.

Segundo o Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos (Plastivida), os materiais realmente biodegradáveis são aqueles provenientes de fontes naturais, capazes de ser totalmente consumidos por microorganismos e que se degradam em até 180 dias.

O Instituto alerta também para os perigos dessas propagandas, que distorcem o impacto real dos materiais no meio ambiente e que dessa forma incentivam o consumidor a não buscar alternativas para os resíduos que produz.

Soluções

O uso das sacolas plásticas deve ser motivo de constante preocupação entre os consumidores, que precisam ser incentivados a criar essa consciência ecológica. As novas legislações, que seguem modelos já aplicados em outros países, são uma das maneiras de fazer o consumidor refletir, mesmo que forçadamente, sobre os impactos das sacolas plásticas no meio ambiente.

As duas alternativas apresentadas, oxibiodegradáveis e biodegradáveis, já foram cogitadas como possíveis soluções, mas hoje se sabe que resolver esse problema não é uma tarefa simples.

Por isso, a melhor solução que pode existir é dizer não às sacolas plásticas. Nos casos em que o uso for inevitável e extremamente necessário, elas podem ser reutilizadas para originar outros produtos, através de técnicas artesanais, ou então, devem ser encaminhadas à reciclagem. Mesmo assim, é preciso lembrar que a reciclagem dos sacos plásticos ainda é pouco atraente para o mercado devido aos altos custos do processo. Uma das alternativas é optar pelos saquinhos feitos de jornal para o lixo seco e utilizar composteiras caseiras no caso do lixo orgânico. Lembre sempre dos 3Rs: reduzir, reutilizar e reciclar.

Vídeo-resposta: Jayson Rosa e todos, sou signatário

Sem guerras, disputas, ofensas e ameaças: fim da confusão, aceito todos os pedidos feitos




Enviado por  em 28/01/2012
Obrigado aos dois canais.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

SOU SIGNATÁRIO: Paz no youtube - Seja signatário desta proposta.

SOU SIGNATÁRIO
MEU CANAL É O VIDEOSCANALVERDADES




Enviado por  em 27/01/2012
http://nextup.votigo.com/contests/showentry/1010195 (LINK DIRETO PARA VOTAÇÃO)

https://twitter.com/JaysonRosa
http://www.facebook.com/CasandoOVerbo

TRATADO DE PAZ E UNIÃO NO YOUTUBE BRASIL

O presente tratado é firmado a fim de formar uma união no espaço virtual, mais perfeita, estabelecer a Justiça, assegurar a tranqüilidade interna, prover a defesa comum, promover o bem-estar geral, e garantir para nós e para os nossos descendentes os benefícios da Liberdade também no território virtual, evitando ao máximo a interferência dos poderes já estabelecidos fora do mundo virtual.
1 -- Todo aquele que se comprometer a honrar este tratado, será daqui por diante considerado um signatário do mesmo, tendo a obrigação de por honra, palavra, respeito para com os demais e para com a própria consciência de em todo vídeo gravado, buscar o cumprimento dos objetivos deste tratado.
2 -- Todo signatário tem por objetivo a pacificação do youtube Brasil, de forma que a liberdade de expressão seja aplicada dentro da lei nacional brasileira com especial respeito à honra, à imagem, ao nome e aos sentimentos das pessoas.
3 -- Todo signatário deste tratado se obriga a respeitar os demais signatários, se comprometendo a não se atacarem mutuamente especialmente para que não haja a pratica dos crimes de calúnia, injúria e difamação.
4 -- A liberdade de expressão é direito inviolável dentro deste canal de comunicação, porém todo signatário, em nome da paz, se compromete a tratar a religião, a filosofia de vida, a crença, a descrença ou o pensamento alheio com o respeito devido e nos termos da lei, especialmente sem o uso de ataques pessoais, para que o debate se dê apenas no campo das idéias e nunca no campo pessoal.
5 -- O signatário não poderá utilizar imagem, som ou criação de outro signatário sem que este expressamente o autorize.
6 -- Todo signatário se compromete buscar diligentemente que todas as pessoas que convivem neste espaço virtual, venham a ser signatários deste tratado e exigir que os já signatários cumpram com aquilo que está aqui estipulado.
7 -- Eventuais divergências na interpretação deste tratado, serão resolvidas por um tribunal composto por 5 (cinco) membros eleitos anualmente entre os signatários.
YoutubeBrasil, 27 de Janeiro de 2012.

Informo que o pedido está aceito: RESPOSTA AO CANAL @VIDEOSVERDADES



Enviado por Theandersonlouis2 em 27/01/2012
MEU PEDIDO AO ALEX BRUM! A TODOS QUE ASSISTEM,EVITEM COMENTÁRIOS MALDOSOS! RETIREI OS COMENNTS PORQUE JA ESTAVA VIRANDO BAGUNÇA DE NOVO!

PRIMÁRIAS DA GEORGIA

 

HEITOR DE PAOLA

LEIAM O ARTIGO QUEBRA DE BRAÇO DE OLAVO DE CARVALHO NO MÍDIA SEM MÁSCARA

DESDOBRAMENTOS:

OBAMA SOLICITOU ONTEM O CANCELAMENTO DA AUDIÊNCIA, POR MEIO DE SEU ADVOGADO MICHAEL JABLONSKI

O PEDIDO FOI NEGADO PELO SECRETÁRIO DE ESTADO DA GEORGIA, BRIAN P. KEMP

ASSISTAM AOS VÍDEOS DO DR. HERB TITUS SOBRE O TEMA

 

O Panóptico Revolucionário e a Saga Obamista

 

STATO FERINO

Posted by Stato Ferino on janeiro 26, 2012

Publicado em: Política. Marcado: Barack Obama, Cidadão Nato, Controle Midiático, Diário do Comércio,Elegibilidade, Geórgia, Grande Mídia, Kênia, Mahili, Marxismo, Mentalidade Revolucionária, Michael Jablonski,olavo de carvalho, Partido dos Trabalhadores, Tribunal Administrativo da Geórgia. Deixe um comentário

Noticiamos ontem, dia 25, a intimação do presidente Barack Obama pelo Tribunal Administrativo da Geórgia, requerendo sua presença em audiência marcada para a data de hoje, dia 26. Entretanto, ao contrário do que afirmou o professor Eric Segall [vide entrevista no artigo anterior], as manchas da farsa obamista já começaram a transparecer.

A audiência de hoje, evidentemente sem a presença do presidente, entrou para a história. Pela primeira vez um tribunal aceitou os argumentos sobre o mérito da controvérsia sobre o status de Obama, dentro dessa perspectiva de “cidadão nato”, requisito não preenchido porque seu pai era cidadão keniano.

O cheiro da mentira, como esperado, está ficando cada vez mais forte. Dessa vez o detetive particular Susan Daniels, apresentou provas de que o número da seguridade social que Obama está usando é fraudulento.

Como se isso não bastasse, o especialista em verificação de documentos, Doug Vogt, relatou que o documento apresentado pela Casa Branca em abril [vide artigo anterior], certificando o nascimento do digníssimo presidente, é falso. A mesma Secretaria de Estado que emitiu esse documento, na pessoa de Brian Kemp, enviou email ontem ao juiz Michael Jablonski, solicitando a suspensão da audiência de hoje, pedido que, felizmente, não foi atendido.

Pelo que se vê, caríssimos, é que o negócio está ficando sério pro lado de Obama.

Mas ante esse mastodôntico problema, como será que tem se comportado a grande mídia? Como esperado, de forma completamente omissa. Os principais jornais norte-americanos estão calados. Aqui, não se tem nenhuma notícia sobre tais acontecimentos em toda a mídia nacional, exceto pelo Stato Ferino, que foi o primeiro meio a noticiar o ocorrido, e, hoje, o Diário do Comércio, na assinatura de Olavo de Carvalho (aqui), o que não representa qualquer relevância no cenário midiático.

Enquanto isso, há a distribuição de Bolsa Família e o enxerto de Big Brother na mente do povo. Alguma semelhança com a velha política do “pão e circo”? Eis o panóptico revolucionário.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

True Outspeak - 25 de janeiro de 2012

MÍDIA SEM MÁSCARA
ESCRITO POR EDITORIA MSM | 26 JANEIRO 2012
TRUE OUTSPEAK




Notícias comentadas no programa
"Queda-de-braço", artigo de Olavo de Carvalho
Elegibilidade de Obama é desafiada em dois novos estados
Obama recorre contra intimação à audiência sobre elegibilidade
Agentes da operação Fast and Furious direcionam acusações contra o xerife Arpaio
Ex-assessor de Obama foi preso por falsificação de documento oficial
Juan Manuel Santos quer negociar com as Farc
Nova lei permite visita íntima para adolescentes presos
Obama doa apenas 1% de sua renda à caridade
René Guénon e monsenhor Lefebvre
Cesare Battisti vai ao encontro de Tarso Genro
As feministas da Fox News
Obama discursa no Congresso e diz criou milhões de empregos
Professor criacionista está preso há 5 anos

Notícias não comentadas no programa
Soros: Occupy ficará violenta
Obama ordena a católicos que ajam contra a própria fé
Caso Carpeaux: Procuradoria da República do DF recebe denúncia contra assessor de Sarney
Arcebispo chama Obama de violador habitual da Constituição
Sanções contra o Irã: países passarão a comprar petróleo com ouro
Destruindo a América negando acesso à energia
Decisão de Obama a rejeitar construção de oleoduto pode levar canadenses a especialistas chineses
A nova missão do FBI: monitorar cristãos
Príncipe herdeiro do Kwait se converte ao cristianismo: “a Bíblia me levou para o caminho certo”
Embaixador brasileiro apoia Ahmadinejad
MST treina ‘exército’ para a luta no Pinheirinho, em São José dos Campos
O tiro do Papa em Obama
A Fraternidade São Pio X e os Esotéricos
Projeto regulamenta profissão de filósofo
Michael Dummett (1925-2011)
Economist critica “capitalismo de Estado” do Brasil e de outros emergentes
A ascendência do capitalismo estatal
Michael Dummett (1925-2011)

EXTERMINADORES DO FUTURO IV 3ª PARTE: LA NUOVA SCUOLA FASCISTA: OS ANOS ENTRE GENTILE E BOTTAI

 

HEITOR DE PAOLA

22/01/2012

Como já vimos anteriormente a reforma fascista do ensino passou por duas fases: a Reforma Gentile, iniciada em 1923, e a Carta della Scuola de Giuseppe Bottai, de 1939. Resta saber como foram administradas as escolas fascistas durante este intervalo em que se sucederam oito Ministros da Educação. Sem analisar a escola fascista é impossível estudar as organizações juvenis como a Opera Nazionale Balilla.

Da mesma forma que Trotsky foi retirado das fotos após a morte de Lenin e a posse de Stalin, várias são as falsificações do Ministério da Verdade esquerdista com o sentido de refazer a história a seu bel prazer, ocultando seus erros e, como no caso abordado a seguir, fatos históricos que os constrangeriam muito se descobertos. É o caso do sumiço de doze anos da biografia de Maria Montessori. Por ser seu método de ensino o queridinho das esquerdas, qualquer relação com o fascismo precisa ser sonegada. A esquerda tem um enorme interesse em transformá-la numa heroína cujo método de ensino deve ser aceito como válido modernamente. Portanto, o que se sabe de sua biografia? Muito, exceto a respeito dos anos 1922 a 1934. Tudo o que as principais biografias dizem é que Montessori criou as Case dei Bambini na Itália em 1907, foi recebida com honras nos EUA em 1913 e foi para Barcelona em 1916, dizem alguns para evitar que seu marido fosse convocado para a I Guerra Mundial. As únicas referências mais explícitas mencionam que ela retornou à Itália em 1922, foi nomeada inspetora geral das escolas fascistas e saiu em 1934 por ser pacifista e “reconhecer que os métodos de Mussolini eram brutais” [i]. Isto é apenas a ponta visível do iceberg.

Em 1920 saiu a III Edição de seu Il Metodo della Pedagogia Scientifica e Maria começa a retomar contatos com sua terra natal. A verdade é que voltou para seu país exatamente por apoiar Mussolini no exato ano em que ele era nomeado Presidente do Conselho do Reino. Inicialmente proferiu uma série de conferências em Nápoles a convite do então Ministro Antonio Anile. Um ano após Giovanni Gentile é nomeado Ministro e, influenciado pela Rainha-Mãe, Margherita de Saboia, demonstra interesse em colaborar com Montessori e disseminar seu método pedagógico por todo o país. Mussolini se interessou muitíssimo pelo método pedagógico considerado muito promissor para ser incorporado ao sistema escolástico da Reforma Gentile [ii].

Em abril de 1924 a Societá Amici del Método se torna a Opera Nazionale Montessori, fundação criada por decreto real, presidida por Gentile com Maria Montessori como Presidente de Honra. A fundação penetrou até mesmo nos colégios religiosos como o Suore Francescane Missionarie di Maria in via Giusti [iii]. Mussolini autorizou Gentile a estruturar um curso montessoriano para professores em Milão. Cento e cinqüenta alunos assistiram às aulas de Montessori, 60 por ordem direta de Gentile. Mussolini era o Presidente de Honra do curso.

Em 1926 Mussolini é escolhido Presidente da Opera e Gentile passa a Diretor dos escritórios de Roma. O Duce provê com fundos estatais as escolas que seguissem o método, contribuindo com L 10.000 de seu próprio bolso. Já em 1925, ano em que Maria se tornou membro honorário do Partido Fascista, Mussolini dizia que “pessoas que objetassem ao método montessoriano eram todos ignorantes” [iv] e “recomendou o método a outros ditadores” [v]. No mesmo ano foi estabelecida em Roma uma escola montessoriana de preparação de professores, a Scuola Magistrale Montessori, e o Ministro Gentile anunciou que este era o próprio método fascista de ensino. Neste ano (1926) foi fundada a Opera Nazionale Balilla, responsável pela educação política e física das crianças em curso primário. Estudaremos adiante estas organizações juvenis, basta aqui ressaltar a “coincidência” com a institucionalização do método montessoriano.

Em 1927 outras escolas foram estabelecidas e a partir de 1929 Montessori passou a controlar todo o sistema de ensino fascista [vi]. Neste mesmo ano foi realizado o chamado “plebiscito” (24/03/1929) em que o povo deveria votar a favor ou contra a lista de 400 nomes apresentada pelo PNF. O comparecimento foi maciço: 89,63% dos eleitores. O sim obteve 8.519.559 votos e o não 135.761 e 8.092 nulos [vii]. O poder fascista tornava-se total!

Em 1931 o Gran Consiglio Del Fascismo instituiu a obrigatoriedade de todos os professores jurarem lealdade ao Fascismo e ao Duce. Vários professores que aberta ou reservadamente criticaram o regime, ou mesmo frente a meras suspeitas ou denúncias anônimas, foram expulsos do magistério. Logo depois foi criado um juramento adicional, o de “viver e morrer pelo Duce”. O ensino não mais poderia ser neutro, mas fascista em seu cerne, justificando a nova “ética” de violência, obediência e uniformidade intelectual. Os que não aceitaram foram demitidos. Como a grande maioria, Maria Montessori manteve seu emprego. Acredita-se, portanto, que tenha aceitado os juramentos.

Em 1934 a obrigatoriedade do ensino fascista atingiu os jardins de infância para, desde a mais tenra idade, começar a formação do “novo homem fascista”. Foi então que aparentemente Maria começou a desconfiar das iniciativas do Duce. (Depois de doze anos é que percebeu isto?!). Sua idéia inicial sempre fora uma “educação para a paz”, o que conflitava diretamente com a visão de Mussolini, de quanto poderia fazer uso do método para fabricar fanáticos. Maria admitiu que “as implicações de sua teoria iam longe demais. Era através da atuação sobre as crianças que os governos totalitários conseguiam produzir enormes reservas de jovens fanáticos, totalmente devotados ao seu líder e tomados de espírito guerreiro” [viii]. Era exatamente isto que o Duce queria e soube se aproveitar muito bem de um método baseado em falsas premissas psicológicas! Montessori saiu da Itália, mas não mudou seu método, hoje grandemente difundido pelo mundo.

APRESENTAÇÃO SUMÁRIA DO MÉTODO

Nos países livres a formação das crianças é deixada para os pais, a escola deve ser informativa, embora participe minimamente da formação pelo contato com um meio externo, suas regras e disciplina, que nem sempre correspondem às de casa. Há um momento, ao redor dos 5-6 anos de idade, em que a criança precisa aprender a conviver num mundo mais amplo e já desenvolveu as condições mentais, até de amadurecimento do Sistema Nervoso Central, para tanto. Gentile, conforme suas inclinações totalitárias, afirmava que a escola – de preferência estatal - deveria ser formativa, e não informativa. O método construtivista montessoriano é o mais adequado para isto.

No Sistema Montessoriano o educando é “educador de si mesmo”, tendo a possibilidade de escolher o seu trabalho, de se mover por conta própria, de se tornar “responsável pelo seu progresso e crescimento”. Pelo método o educando caminha para a independência e liberdade numa atitude auto-dirigida. A integração da criança com o ambiente, com o material montessoriano e com o professor, resulta na aprendizagem significativa e individualizada. A cada fase do desenvolvimento vivenciada pelo educando, ele está auto-construindo, internalizando conceitos e valores sociais, de forma segura e de acordo com o momento histórico atual.

Nas palavras de Maria Montessori: “educação não é o que o professor dá, mas um processo natural espontâneo levado a efeito pelo indivíduo, não através de escutar palavras, mas de experiências no ambiente. (...) A tarefa do professor é preparar uma série de motivos culturais num ambiente especialmente preparado (...). Os professores humanos só podem ajudar o grande trabalho que está sendo feito, como servos ajudam seu senhor (...). Assim poderão testemunhar o desvelar da alma humana e o surgimento de um Novo Homem (...)”. O Programa de Educação Infantil baseado no construtivismo estrutura-se no conceito de educação integral (cuidar e educar), visando o desenvolvimento da criança na sua totalidade: cognitivo, psicomotor, físico, social, intelectual, afetivo. A psicologia escolar tem como objetivo assessorar o trabalho pedagógico. Na escola montessoriana, a criança encontra um ambiente preparado para o seu aprendizado, o que permite a autoconstrução de seu desenvolvimento cognitivo e psicomotor. Quando isso não acontece, o professor funciona como um investigador para saber o que há de errado, tendo o acompanhamento do psicólogo na busca de “soluções.

Os princípios básicos fundamentais da Pedagogia de Montessori são: a liberdade, a atividade e a individualidade. Outros aspectos abordados nesta metodologia são: a ordem, a concentração, o respeito pelos outros e por si mesmo, a autonomia, a independência, a iniciativa, a capacidade de escolher, o desenvolvimento da vontade e a autodisciplina [ix].

O método Montessori está inspirado no humanismo integral, que postula a formação dos seres humanos como pessoas únicas e plenamente capacitadas para atuar com liberdade, inteligência e dignidade.

CRÍTICA AO MÉTODO

Comecemos pelo fim: o humanismo integral. O que significa humanismo? De acordo com oHumanist Manifesto I [x], “a base do humanismo é de que não existe um Deus Todo Poderoso, Criador e Sustentáculo da vida, os humanistas acreditam que o homem é seu próprio deus. Acreditam que os valores morais são relativos, inventados de acordo com as necessidades de um povo específico, e que a ética também é situacional. Os Humanistas rejeitam a moral e a ética Judaico-Cristã, tais como as contidas nos Dez Mandamentos, tidos como “dogmáticos”, “fora de moda”, “autoritários” e um atraso ao progresso da humanidade. No humanismo a auto-realização, a felicidade, o amor e a justiça são encontrados por cada homem individualmente, sem referência a nenhuma fonte divina. Dentro da ética Judaico-Cristã não existe e não pode existir auto-realização, felicidade, amor ou justiça na Terra, que não seja, em última análise, relacionada com um Deus Todo Poderoso, Criador e Provedor” [xi]. Quando vejo um Cristão ou Judeu estufar o peito de orgulho para revelar-se humanista fico pasmo de ver a que ponto vai a burrice, a ignorância e/ou a má fé dos seres humanos!

A declaração de que o construtivismo se baseia no humanismo integral já mostra a que veio o tal método: fazer uma lavagem cerebral, eliminando da mente das crianças tudo aquilo que ela traz de casa como crenças e princípios universais, porque a negação de um Deus Criador e Provedor é a destruição de quaisquer valores universalmente válidos.

A “auto-construção” através da internalização de conceitos e valores sociais, de forma segura e de acordo com o momento histórico atual” significa a impregnação da mente infantil das crenças professadas pela onipotente casta professoral aliada a gerações de pais inseguros de suas próprias crenças. Lembremos a firmação de Mussolini: “O fascismo é um método, não uma finalidade, uma autocracia por sobre a via democrática. “Permitimo-nos ser aristocráticos e democráticos, conservadores e progressistas, reacionários e revolucionários, legalistas e contra a lei, segundo as circunstâncias de tempo, lugar ou ambiente”. O “desvelar da alma humana e o surgimento de um Novo Homemé o sonho de todos os ditadores, de um dos quais Montessori foi serva obediente durante doze anos.

O construtivismo não passa de uma falácia. Tenha ou não sido esta a intenção de sua criadora, foi e continua sendo um meio fértil para a introdução das ideologias coletivistas, ambientalistas e a preparação, entre outras coisas, de um mundo de pensamento uniformizado, um mundo de crianças robotizadas a serviço de qualquer totalitarismo. Pois o tal ambiente preparado pode ser preparado para qualquer coisa e utiliza-se a noção de auto-construção para esvaziar a mente dos alunos dos valores que traz de casa e “construir os seus”. Ora, isto é uma impossibilidade, a criança aprende inicialmente imitando, só posteriormente irá fazendo suas próprias opções e criando outras. O que ocorre é uma verdadeira lavagem cerebral, bem ao gosto dos sistemas totalitários. Pode-se, então, introduzir qualquer coisa como se fosse “construção” ou “criação” da própria criança, aumentando falsamente o sentimento de onipotência. Nada mais eficaz do que o doutrinado acreditar que inventou a doutrina. Foi aí que o Duce encontrou a verdadeira utilização do método montessoriano!

Quando se diz que o professor funciona como um investigador para saber o que há de errado,tendo o acompanhamento do psicólogo na busca de “soluções", a escola se transforma em agente terapêutico! Instaura-se o mundo maquiavélico da “psicopedagogia”, o pior dos mundos para crianças e famílias!

A FALHA BÁSICA DO MÉTODO “CONSTRUCIONISTA”

Este método aparentemente se baseia numa teoria psicológica falsa: a de que a criança chega à escola com a mente como uma tela em branco. Nem mesmo ao nascer isto é verdade: a herança genética é fato comprovado. O fato é que Maria Montessori e seus seguidores sabem muito bem dist.

A primeira a observar crianças muito pequenas e tentar entender suas mentes foi Melanie Klein [xii], já em 1919 no Instituto Psicanalítico de Budapest. Depois de ir para Londres tornou-se mundialmente conhecida como analista de crianças. Seus trabalhos sobre a vida mental infantil [xiii] são ainda hoje considerados fundamentais. Contrariando Freud, que jamais a contestou, mostrou que a vida mental da criança já tem a enorme complexidade da do adulto desde o nascimento. Suas observações sobre o primeiro ano de vida viriam a ser complementadas por Esther Bick [xiv].

Já mesmo a vida intra-uterina é extremamente complexa como foi comprovado por Alessandra Piontelli [xv], pediatra e psicanalista milanesa, com grande experiência em obstetrícia. Usando técnicas modernas de ultrassonografia demonstrou que o feto já é um ser humano completo, ri, chora, brinca com o cordão umbilical – seu primeiro brinquedinho – sonha, reage a estímulos externos e internos. As reações físicas e psicológicas da mãe e dos familiares são sentidas e a elas reagem. Os “chutes” na barriga, tão dolorosos como prazerosos para as gestantes, não são movimentos meramente reflexológicos de “arcos reflexos” pavlovianos, mas expressões às vezes de sonhos ou reações a estímulos externos, ou de sentimentos de raiva.

O método montessoriano não é, portanto construtivista, mas desconstrutivista: é preciso “desconstruir” tudo que já está na mente infantil, para deixar a criança inerme nas mãos de professores quem ao invés da admitir que ensinam o que bem entendem, fingem que a criança está auto-construindo seu conhecimento. Com isto eliminam-se todos os valores universais, estimula-se a onipotência da criança para torná-la uma humanista que acredita que não existem conhecimentos universais, mas todos são suas criações.

Voltarei a isto no final desta série com falar da doutrinação ambientalista como a religião da Nova Era.


[i] Uma explicação totalmente descabida de tão ingênua é a de Barbara Thayer-Bacon: Montessori was not alone in being blind to Mussolini’s brutality, like many others she was hopeful that her presence and activity might make a difference. She truly believed that her system of education properly carried out under her own supervision would accomplish good results for individual children and in the long run for all of society. She declared herself apolitical, not existing to any political party, and did not openly oppose the Fascist regimeuntil it began to interfere with her own activities as a teacher, and those of her teachers. InMaria Montessori: Education for Peace (minha ênfase).

[ii] Erica Moretti, Brown University, Recasting Il Metodo: Maria Montessori and Early Childhood Education in Italy (1909-1926), inhttp://www.cromohs.unifi.it/16_2011/moretti_montessori.html

[iii] Corso per educare fanciulli col Metodo Montessori, in Vita femminile italiana», a. IV, n. 1910, pp. 348-349. Citado por Moretti.

[iv] Muitas informações sobre a relação de Montessori com Mussolini foi retirada da obra de Rita Kramer, Maria Montessori: A Biography, Radcliffe Biography Series

[v] Bruce Walker, Maria Montessoris Hidden Decade, in American Daily

[vi] Bruc Walker, Maria Montessori and the Memory Hole, in Canada Free Press.

[vii] Seis meses antes, em 08/12/1928, Mussolini declarou à Câmara: “Vamos ao plebiscito, que ocorrerá em absoluta tranqüilidade (...) o povo votará perfeitamente livre. Quero apenas recordar, todavia, que uma revolução pode ser consagrada num plebiscito, jamais revertida!(De Felice, op, cit., PP 437-438).

[viii] Ver em Google Books

[ix] Ver em http://www.abec.ch/Portugues/subsidios-educadores/biografias/Montessori.pdf

[x]http://www.americanhumanist.org/Who_We_Are/About_Humanism/Humanist_Manifesto_I. Sugiro sua leitura atenta assim como dos Manifestos II e III.

[xi] Deve ser esclarecido que este manifesto veio à luz em 1933, o mesmo ano em que Hitler foi nomeado Chanceler do Reich.

[xii] http://psicanalisekleiniana.vilabol.uol.com.br/biografia.html

[xiii] The Complete Works of Melanie Klein, Hogarth Press, London

[xiv] http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652006000200007

[xv] http://www.livrariaresposta.com.br/v2/produto.php?id=888,http://www.wook.pt/ficha/development-of-normal-fetal-movements/a/id/3431463

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".