Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 25 de outubro de 2008

Press Release: Berg v. Obama dismissed - Berg appealing to U. S. Supreme Court

E-mailPrintPDF

Philip J. Berg is Appealing to the U.S. Supreme Court as Obama is "NOT" qualified to be President of the United States Lawsuit Against Obama Dismissed from Philadelphia Federal Court

For Immediate Release: - 10/25/08 - Contact Info at end.

UPDATE: Ruling attached at end. It's a really poor copy, but it is all we have for the moment. Willl put up a better copy when we get one. 

(Lafayette Hill, Pennsylvania – 10/25/08) - Philip J. Berg, Esquire, the Attorney who filed suit against Barack H. Obama challenging Senator Obama’s lack of “qualifications” to serve as President of the United States, announced today that he is immediately appealing the dismissal of his case to the United States Supreme Court. The case is Berg v. Obama, No. 08-cv-04083.

Berg said, "I am totally disappointed by Judge Surrick's decision and, for all citizens of the United States, I am immediately appealing to the U.S. Supreme Court.

This is a question of who has standing to uphold our Constitution. If I don't have standing, if you don't have standing, if your neighbor doesn't have standing to question the eligibility of an individual to be President of the United States - the Commander-in-Chief, the most powerful person in the world - then who does?

So, anyone can just claim to be eligible for congress or the presidency without having their legal status, age or citizenship questioned.

According to Judge Surrick, we the people have no right to police the eligibility requirements under the U.S. Constitution.

What happened to ‘...Government of the people, by the people, for the people,...’ Abraham Lincoln in his Gettysburg Address 1863.

We must legally prevent Obama, the unqualified candidate, from taking the Office of the Presidency of the United States,” Berg said.

Our website obamacrimes.com now has 71.8 + million hits. We are urging all to spread the word of our website – and forward to your local newspapers and radio and TV stations.

Berg again stressed his position regarding the urgency of this case as, “we” the people, are heading to a “Constitutional Crisis” if this case is not resolved forthwith. 

* * For copies of all Court Pleadings, go to obamacrimes.com

# # #

Philip J. Berg, Esquire
555 Andorra Glen Court, Suite 12
Lafayette Hill, PA 19444-2531
Cell (610) 662-3005
(610) 825-3134
(800) 993-PHIL [7445]
Fax (610) 834-7659
philjberg@obamacrimes.com

 POST COMMENTS

 

Last Updated ( Saturday, 25 October 2008 18:09 )

Fora da lei

Diário do Comércio (editorial), 23 de outubro de 2008

Venceu dois dias atrás o prazo para Barack Obama contestar a lista de declarações apresentada a um tribunal da Pensilvânia pelo advogado democrata Philip J. Berg. 

De acordo com o artigo 36 do Código de Processo Civil americano, a falta de resposta equivale a uma admissão de que as declarações são verdadeiras. Legalmente, portanto, Obama confessou que nasceu no Quênia, que não é cidadão americano nato e que não tem o direito de se candidatar à presidência.

O Comitê Nacional Democrata, acionado no mesmo processo e sujeito ao mesmo prazo, também admitiu, por omissão, que escolheu Obama sem verificar sua nacionalidade e que a candidatura dele é inválida.

Verifiquem em www.obamacrimes.com, o site de Philip J. Berg.

Só falta agora o juiz R. Barclay Surrick emitir a sentença declaratória confirmando o vencimento do prazo e as conseqüências judiciais disso para a candidatura Obama. Philip Berg ingressou na corte hoje, quarta, com um pedido de julgamento sumário para esse fim.

A candidatura Obama parece portanto estar fora da lei há dois dias, e nem uma palavra a respeito saiu nos maiores jornais e canais de TV. É uma barragem idêntica à que protegeu Luís Inácio Lula da Silva contra a revelação de seus compromissos com o Foro de São Paulo – com quatro diferenças: (1) As conseqüências, em escala mundial, da farsa midiática nos EUA são de gravidade incomparavelmente maior que a do ocorrido no Brasil. (2) No Brasil não houve ninguém com a dose de testosterona de Philip J. Berg para furar o bloqueio na Justiça; (3) No Brasil o bloqueio de notícias sobre o Foro de São Paulo foi total, só rompido por mim na minha coluna de O Globo – logo suprimida pela nomenklatura, é claro –, enquanto nos EUA o processo movido por Berg teve alguma divulgação no rádio, em jornais regionais e na internet, isto é, nas parcelas da mídia não dominadas pelo establishment esquerdista. (4) O apoio do eleitorado americano a Obama nem de longe se compara à quase unanimidade da devoção nacional a Lula: embora dispondo de recursos financeiros esmagadoramente superiores aos do adversário, embora imunizado contra a revelação dos fatos pela grande mídia, e embora use de todos os meios lícitos e ilícitos para impor sua invencibilidade absoluta – incluindo intimidação e agressões físicas, chantagem racial e farta distribuição de títulos de eleitor falsos –, Obama está, na média das últimas semanas, com apenas quatro ou cinco pontos percentuais acima de McCain.

No dia em que venceu o prazo de contestação no processo Berg versus Obama, o jornalista Andy Martin abriu na Suprema Corte do Havaí um processo pedindo que seja divulgada pela Justiça a certidão original de nascimento de Barack Obama. Instantaneamente, Obama suspendeu sua campanha eleitoral e viajou às pressas para o Havaí, alegando urgência de visitar sua avó doente. O curioso, no caso, é que a avó já tinha saído do hospital uma semana antes, sem que durante o período de sua internação Obama mostrasse a menor pressa de visitá-la. Martin é um tipo folclórico, com fama de litigante compulsivo, mas isso não torna menos temível para Obama a eventualidade de ter de exibir no Havaí o documento que ele se esquivou de mostrar ao tribunal da Pensilvânia (v. meu artigo em http://laiglesforum.com/2008/09/28/322/). Uma cópia da petição de Martin pode ser lida em http://citizenwells.wordpress.com/.


***


Mensagem que recebi de um amigo americano:

“Até a metade de 2006, com seis anos de gestão Bush na presidência, a confiança dos consumidores no mercado era alta, a gasolina custava US$ 2,19 o galão, a taxa de desemprego não passava de 4,5 por cento e a Dow Jones atingiu um recorde de 14 mil pontos positivos. Então o eleitorado quis ‘mudança’ e deu aos democratas a maioria nas duas casas do Congresso. Passado um ano e meio, a confiança no mercado caiu, a gasolina subiu para quase cinco dólares o galão, os lucros de ações caíram em doze trilhões de dólares, o desemprego subiu para 5,5 por cento e por toda parte há famílias sendo postas para fora de suas casas por falta de pagamento. Os americanos quiseram ‘mudança’, e certamente a obtiveram. Quanto mais ‘mudança’ será que eles agüentam?”

Lésbicas estupradoras

Mais um da sessão "homossexuais não são santos"... Filme "She Stole my Voice".

Dá na DePUTADA, Bolsonaro!!! Nominho da (CLARO!!!) petista: MARIA DO ROSÁRIO



É o método esquerdista tradicional: criar a situação e depois bancar de vítima indignada. É uma técnica VELHA, não se pode cair nisto. Ela atribuiu um crime ao Deputado Bolsonaro, ele a ofendeu EM RESPOSTA. A ofensa em resposta à atribuição de um crime não tem NADA de errado, nem mesmo na Justiça. Não sabemos (eu pelo menos não sei) se ela é ou não vagabunda mas sei de uma coisa: este vexame, esta indignação da PETISTA é farsa, é teatro para a televisão e contra o Bolsonaro. Tomara que ele saiba disto tudo que escrevi (nota: não que eu seja lá algum especialista ou inteligente ou gênio, não estou dizendo isto de mim. Estou fazendo uma observação óbvia mas que foge de quase todos (entre as exceções estão meus internautas)). Quem fica ofendido com mentiras mostra que a ofensa pode ter lá seu eco no real... E se assim for...

Mas vamos fazer o seguinte agora. Vamos ver quem é a PETISTA. 

Maria do Rosário e seus amigos:




O candidato do medo

OLAVO DE CARVALHO
Diário do Comércio, 24 de outubro de 2008

Chamado de “Messias” pelo líder radical muçulmano Louis Farrakhan e de “Meu Jesus” pela editora-chefe de um jornal universitário, Barack HUSSEIN Obama informa: “Contrariamente ao que diz a opinião popular, não nasci numa manjedoura.” Já pensaram se ele não avisasse?

Qualquer que seja o caso, pelo menos um milagre confirmado ele já fez: é o primeiro candidato presidencial que obtém o aplauso de todos os inimigos dos EUA sem que isto desperte contra ele a menor desconfiança do establishment americano. Entre seus entusiastas, contam-se o Hamas, o presidente iraniano Ahmadinejad, Muammar Khadafi, Fidel Castro, Hugo Chávez e o canal de TV Al-Jazeera. Imagino o que aconteceria à candidatura de Franklin D. Roosevelt em 1932 se ele recebesse o apoio ostensivo de Josef Stalin, Adolf Hitler e Benito Mussolini.

É verdade que Obama promete 

desmantelar o sistema de defesa espacial dos EUA, desacelerar unilateralmente o programa americano de pesquisas nucleares, transformar em derrota a vitória no Iraque, vetar a abertura de poços de petróleo e oferecer carteiras de motorista e assistência médica gratuita aos imigrantes ilegais, aquele povinho patriota que quer transformar o Texas e a Califórnia em Estados mexicanos.

Mas, se você insinua que qualquer dessas coisas é um bom motivo para os comunistas e radicais islâmicos gostarem dele, a mídia em peso diz que você “passou dos limites” e é virtualmente culpado de “crime de ódio”. Ahmadinejad declarou que a vitória do candidato democrata nas eleições dará o sinal verde para a islamização do mundo, Khadafi proclamou que Obama é um muçulmano fiel apoiado por milionários islamitas e Louis Farrakhan, aproveitando a onda de entusiasmo obamista, anunciou que a “Nation of Islam”, a sociedade secreta de radicais islâmicos que ele preside, há décadas funcionando em marcha lenta, está tendo “um novo começo” e logo estará operando de novo com força total. O sentido desses fatos é claro, mas notar isso é imoral: todo cidadão de respeito tem de jurar que o apoio vindo dos inimigos da América é apenas um equívoco da parte deles, já que Obama não lhes deu – oh, não! – o menor pretexto para que simpatizassem com ele. Insinuar qualquer convergência de interesses é imputar a Obama “culpa por associação” – uma perfídia carregada, evidentemente, de “subtons racistas”.

Qualquer palavra mais dura contra o candidato negro é aliás apontada como prova de racismo, e a mínima sugestão de que haja nisso alguma chantagem racial é prova dupla. O próprio John McCain faz questão de manter o debate na esfera “das idéias”, frisando que o oponente é “um homem decente, do qual não há nada a temer.”

Essa declaração é involuntariamente irônica. A coisa que todo americano mais teme, hoje em dia, é alguém suspeitar que ele pensa mal de Barack Hussein Obama. Seguindo o exemplo do líder, a militância republicana capricha nas exibições de respeito e veneração à pessoa do adversário. Um funcionário do escritório da campanha de McCain em Pompano Beach, CA, que colocou atrás de sua mesa um cartaz associando Obama a Marx e Hitler foi instantaneamente demitido. Um cidadão do Estado de Ohio, que fez umas perguntas mais duras ao candidato democrata sobre seu projeto de reforma fiscal, pagou caro pelo atrevimento. Teve sua vida particular vasculhada pelos repórteres e foi severamente criticado pelos crimes hediondos de trabalhar como encanador sem licença e de não ter pago uma multa de trânsito que recebeu no Arizona oito anos atrás. Isso dá uma idéia do zelo exasperado com que a grande mídia protege a imagem de Barack Obama. Samuel Wurzelbacher, ou “Joe Encanador” – o apelido pelo qual veio a ser nacionalmente conhecido –, tira da sua experiência a conclusão incontornável: “Quando você já não pode mais fazer perguntas a seus líderes, é uma coisa temível.”

O temor não é somente psicológico. Vários militantes republicanos já foram surrados por obamistas, escritórios da campanha McCain em vários Estados foram invadidos e destruídos, e só a ação da polícia impediu, a tempo, que centenas de agitadores obamistas bem treinados, armados de coquetéis Molotov, queimassem os ônibus que se dirigiam à Convenção Republicana em St. Paul (mesmo assim os remanescentes conseguiram fazer um belo estrago). Quando um candidato usa de métodos terroristas e ao mesmo tempo o establishment decreta que chamá-lo de terrorista é o suprassumo da demência, está claro que esse candidato tem direitos ilimitados. Ele pode receber 63 milhões de dólares em contribuições ilegais do exterior, e nada de mau lhe acontecerá por isso. Uma ONG que o apadrinha pode fazer uma derrama de títulos de eleitor falsos em treze Estados, e ai de quem sugira que ele tem alguma culpa no caso. Em compensação, McCain foi acusado de violência verbal criminosa pelo simples fato de mencionar a ligação arquicomprovada de Obama com William Ayers. Uma passeata em favor de McCain-Palin, em Nova York, foi recebida com toda sorte de xingamentos e ameaças. Como, em contrapartida, nenhuma violência se observasse contra os militantes obamistas, foi preciso inventar que, num comício de Sarah Palin, alguém gritou “Kill him!” ao ouvir o nome de Obama. A polícia examinou cuidadosamente as gravações do encontro e concluiu que ninguém gritou nada disso.

Outro fator intimidante é a superioridade econômica. A campanha de Obama recolheu nada menos de 605 milhões de dólares em contribuições. Para cada anúncio de McCain, saem quatro de Obama. Mais avassaladora ainda é a propaganda gratuita fornecida ao candidato democrata pela grande mídia.

Até o momento, o único jornal de certa importância que noticiou o processo movido pelo advogado democrata Philip Berg contra Obama foi o Washington Times – nominalmente republicano –, que no entanto classifica as dúvidas quanto à nacionalidade de Obama como meros “rumores da internet” e, aludindo ao processo só nas linhas finais, como se fosse apenas um rumor a mais, se omite de informar que Obama, em vez de apresentar sua certidão de nascimento como solicitado pelo queixoso, preferiu lançar mão de uma complexa argumentação jurídica para se esquivar de fazê-lo. O segundo processo no mesmo sentido, aberto no Estado de Washington, não é nem mencionado.

As maiores empresas de jornais e canais de TV protegem o candidato democrata não somente contra seus adversários, mas contra ele próprio. Atos ou declarações dele que possam mostrá-lo a uma luz desfavorável são cuidadosamente omitidos. Em toda a grande mídia americana não se encontrará uma só palavra sobre a longa carreira de Obama como militante abortista, muito menos sobre a única atividade importante desenvolvida por ele no plano internacional: a campanha montada, com dinheiro público, para elevar ao poder no Quênia o agitador anti-americano e pró-terrorista Raila Odinga, culpado de ordenar o assassinato de mais de mil de seus opositores políticos e de conspirar com líderes muçulmanos para impingir a religião islâmica a uma nação de maioria cristã. Obama não somente ajudou Odinga com dinheiro dos contribuintes americanos e abriu contatos para ele no Senado, mas fez comícios em favor dele no Quênia. Se algo mostra a verdadeira natureza dos compromissos internacionais do candidato democrata, é esse episódio – mas até a FoxNews se omite de tocar no assunto.

Por aqui, todo mundo diz que a vitória de Obama é certa. A mim me parece que, mesmo se perdesse as eleições, Obama seria um vencedor. O partido de seus adversários já estava de joelhos no momento em que, em vez de um conservador autêntico, escolheu como candidato um típico “liberal republican”, promessa garantida, caso eleito, de um governo fraco, subserviente aos críticos, exatamente como o foi o de George W. Bush. A esse primeiro desatino seguiu-se outro pior: a partir do instante em que os republicanos, em vez de abrir mil processos como o de Philip Berg, aceitaram como adversário eleitoral legítimo e decente um candidato sem nacionalidade comprovada, com uma biografia nebulosa e repleta de mentiras flagrantes, ajudado e subsidiado pelos mais odientos inimigos do país, ficou claro que haviam abdicado de todo sentimento de honra e consentido em legitimar uma farsa. Se perderem as eleições, eles merecerão tantas lágrimas quanto aqueles que preferiram antes deixar Lula conquistar a presidência do Brasil do que contar o que sabiam sobre o Foro de São Paulo.

Quanto à campanha de Obama, seu perfil é claro. O amálgama de promessas utópicas, propaganda avassaladora, beatificação psicótica do líder, apelo racial, controle da mídia e intimidação sistemática do eleitorado é idêntico nos mínimos detalhes à estratégia eleitoral de Hitler em 1933, mas para dizer isso em público – ou mesmo conscientizá-lo em voz baixa – é preciso mais coragem do que se pode esperar do eleitor médio hoje em dia.

Sites milionários - Governo federal

RADAR DA MÍDIA
QUINTA-FEIRA, 23 DE OUTUBRO DE 2008

A verdadeira farra com o dinheiro público é algo que não tem limites no governo petista.

Acabo de ler, na coluna Direto da Fonte, da jornalista Sonia Racy, em O Estado de S. Paulo (23.out.2008), uma informação de estarrecer. A Presidência da República vai gastar R$ 11 milhões para refazer seus sites na internet.

Sabem o que isto significa? Uma soma astronômica, injustificável. Leiam:

  • "Visual Virtual

    Por R$ 11 milhões, a Presidência da República vai repaginar seus endereços na internet. O objetivo principal, segundo o edital, é obter... investimentos estrangeiros."
Onde está a oposição para coibir este e muitos outros abusos? Não está...

Sei que há gente inconforme com fatos deste naipe, mas que acaba por atribuir tudo à "corrupção". Ela existe e é grave. Mas no PT a corrupção é ideológica!

É bom não esquecer que atualmente o Supremo Tribunal Federal está em curso um processo contra uma organização criminosa, que visava implantar um projeto de poder. Organização essa composta por altas figuras do governo do Presidente Lula e do seu partido, o PT.

Entretanto, o Presidente ainda cometeu o acinte de afirmar, nesta campanha eleitoral: "Em 2005, veio a guerra contra o PT. Vocês sabem o que nós passamos, vocês sabem as infâmias, as leviandades. Vocês sabem quantos companheiros nossos foram crucificados antecipadamente"(cfr. Lula lembra mensalão e ataca rivaisO Estado de S. Paulo, 1.set.2008).

E contrapôs as "infâmias e leviandades" à "popularidade" de seu governo. Sabem, na ética petista, popularidade, ainda que seja de pesquisa, releva crimes! (leia abaixo Eleições 2008: dogma virtual).

Mais uma vez: onde está a oposição? Não está...

Voltarei a este tema.

Homossexual é condenado à prisão perpétua por tortura, assassinato e canibalismo

JÚLIO SEVERO

De acordo com o jornal G1, da Globo, um “cozinheiro” matou o amante. Por incrível que pareça, o império global omitiu totalmente aspectos importantes dessa notícia. Se fosse o caso de um heterossexual matando e canibalizando um homossexual, a mídia liberal gritaria por medidas urgentes contra a “homofobia assassina e insana”.

O que o oposto deveria trazer? Medidas urgentes contra o homossexualismo assassino e insano.

A notícia abaixo é de um site homossexual.

Gay acusado de canibalismo é julgado culpado

Depois de três horas de duração, o júri deu a sentença para o ex-Mr.Gay do Reino Unido, acusado de cortar e cozinhar partes do ex-namoradoem Leeds, Inglaterra.

Anthony Morley (à esquerda), 36, cortou a garganta de Damian Oldfield (à direita) depois de várias facadas na vítima em abril deste ano.

Morley, que é “chef”, foi preso em um mercado próximo a sua casa, com a roupa suja de sangue. Ele alegou que tinha matado um homem que havia tentado violá-lo.

Morley sustentou que matou a vítima em legítima defesa e encontrava-se inseguro sobre a sua homossexualidade.

No dia do crime, Oldfield, que trabalhava na publicidade de uma revista gay, disse que não queria mais continuar o namoro.

Eles beberam e dormiram juntos na casa de Morley. Pela manhã, o ex-Mr Gay de 1993, disse que acordou com Oldfield fazendo sexo oral nele.

O acusado declarou à Corte que ficou aterrorizado com a idéia de que Oldfield fosse estuprá-lo, alegando um trauma de infância.

Ele contou que não sabe como matou o ex-namorado e não se lembra do que ocorreu após o ataque.

Ele também disse que não se recordava de ter cozinhado partes da vítima, mas poderia tê-lo feito imaginando que estava preparando uma carne no restaurante em que trabalha.

A polícia encontrou na casa seis pedaços de carne humana cozida, temperos, óleo e a faca usada no crime.

Fonte: Gay1

Onde estão os espancadores e assassinos homossexuais?

Policial gay acusado de abusar sexualmente de menino

Organizador de parada gay pego em operação policial contra abuso sexual de menores

Homossexualismo, pedofilia, animais e meninos: o que tem mais valor?

Obama 'admits' Kenyan birth? - Campaign doesn't respond to claims in lawsuit over birth certificate

Posted: October 21, 2008
9:22 pm Eastern

By Drew Zahn
© 2008 WorldNetDaily


Philip J. Berg

Pennsylvania Democrat Philip J. Berg, who filed a lawsuit demanding Sen. Barack Obama present proof of his American citizenship, now says that by failing to respond Obama has legally "admitted" to the lawsuit's accusations, including the charge that the Democratic candidate was born in Mombosa, Kenya.

As WND reported, Berg filed suit in U.S. District Court in August, alleging Obama is not a natural-born citizen and is thus ineligible to serve as president of the United States. Though Obama has posted an image of a Hawaii birth certificate online, Berg demands that the court verify the original document, which the Obama campaign has not provided.

Now Berg cites Rule 36 of the Federal Rules of Civil Procedure, which states that unless the accused party provides written answer or objection to charges within 30 days, the accused legally admits the matter.

Since Obama has only filed motions to dismiss and has not actually answered the charges in the lawsuit, Berg claims, according to Rule 36, Obama has legally admitted he is not a natural-born citizen.

Now Berg is asking the court for a formal declaration of Obama's admission and asking the Democratic National Committee for another presidential candidate.

In a statement released today, Berg argues that he filed Requests for Admissions on Sept. 15, meaning Obama had until Oct. 15 to answer or face the consequences of Rule 36.

"Obama and the DNC 'admitted,' by way of failure to timely respond to Requests for Admissions, all of the numerous specific requests in the Federal lawsuit," Berg's statement reads. "Obama is 'not qualified' to be president and therefore Obama must immediately withdraw his candidacy for president and the DNC shall substitute a qualified candidate."

Berg's original lawsuit leveled several charges at both Obama and the DNC – accusing the former of lying about his place of birth, faking his birth certificate and fraudulently running for office; and accusing the latter of not properly vetting its candidate.

Though it hasn't given Berg the evidence he seeks, the Obama campaign has publicly answered allegations that the candidate was born in Kenya and faked his Hawaii birth certificate.

"Smears claiming Barack Obama doesn't have a birth certificate aren't actually about that piece of paper," says the "Fight the Smears" section of Obama's website, "they're about manipulating people into thinking Barack is not an American citizen.

"The truth is, Barack Obama was born in the state of Hawaii in 1961, a native citizen of the United States of America," the campaign website states. It also includes images of a Hawaii birth certificate bearing the name Barack Hussein Obama II.

Berg has also taken the controversy public through his website and through repeated public offers to revoke the lawsuit if Obama will produce legal documents that establish his citizenship.

Without those documents, Berg has chosen to file two additional motions in district court in Philadelphia. The first asks the court to notify Obama and the DNC of what Berg understands they have now legally "admitted," and the second asks for an expedited ruling, given the quickly upcoming Nov. 4 election.

"It all comes down to the fact that there's nothing from the other side," Berg told Jeff Schreiber for his blog, America's Right. "The admissions are there. By not filing the answers or objections, the defense has admitted everything. He admits he was born in Kenya. He admits he was adopted in Indonesia. He admits that the documentation posted online is a phony. And he admits that he is constitutionally ineligible to serve as president of the United States."

Vitória de pirro

MOVIMENTO ORDEM VIGÍLIA CONTRA A CORRUPÇÃO - MOVCC

Reflexão de Luiz Alexandre, meu amigo e leitor do blog, sobre a avaliação feita por alguns comentaristas políticos, de que o PT e Lula foram os grandes vencedores na eleição municipal.

“A maior cidade do Brasil, São Paulo, terceiro maior orçamento do país, vai eleger de lavada, coisa de 20 pontos de vantagem, um prefeito do DEM, oposição puro sangue, contra uma liderança histórica do PT, ex-prefeita e ministra de estado, com direito a comercial de TV com o Lula o dia inteiro passando em todos os canais daqui.

A segunda maior, Rio de Janeiro, ou elege uma coligação de clara oposição ao governo federal ou um governista envergonhado, do PMDB.

A terceira maior, Salvador, deve eleger João Henrique, do PMDB, atropelando um candidato do PT (Walter Pinheiro).

A quarta, Brasília, não tem prefeito. Pula.

A quinta, Fortaleza, deverá reeleger uma petista contra o próprio PT e toda a máquina governista. Luizianne Lins não foi apoiada pelo PT nacional nem na sua primeira eleição, o que é público e notório, é quase uma dissidência interna, uma Heloísa Helena que ainda não foi expulsa.

A sexta, Belo Horizonte, tem uma disputa apertadíssima entre um ilustre desconhecido, Quintão, que aparentemente jogou fora uma dianteira folgada por erros de campanha, contra toda a máquina da atual prefeitura e do governo do estado.

A sétima, Curitiba, elegeu Beto Richa (PSDB) de goleada, no primeiro turno, contra a mulher de Paulo Bernardo e toda a máquina lulista, incluindo a presença do Lula e o empenho pessoal da Dilma na campanha.

A oitava, Manaus, nem tem petistas no segundo turno. O líder das pesquisas, Amazonino Mendes, é do PTB e ex-prefeito, ex-governador etc etc, ou seja, uma liderança local há décadas, nada a ver com o lulismo ou com o petismo.

A nona, a Recife, elegeu um petista prefeito. São Paulo tem um orçamento 25 vezes maior do que Recife. A curiosidade: o prefeito eleito do PT, João da Costa Bezerra Filho, é herdeiro político do seu pai, João da Costa Bezerra, que fez toda sua carreira na Arena.

A décima, Porto Alegre, vai eleger um político do PMDB contra uma candidata do PT.

Peraí! Das 10 maiores cidades do país, só uma elegeu um petista apoiado pelo governo federal e, mesmo assim, herdeiro político de um coronel da Arena?

Em quase todas, o capital político do PT é mais ou menos o mesmo, aqueles 30 a 40% desde sempre, um patamar histórico do partido, mesmo quando estava na oposição e, portanto, sem qualquer ligação com 6 anos de mandato presidencial do Lula? Queria entender onde está a tal onda vermelha, Lula como o primeiro-eleitor do país, o dono de uma popularidade histórica e tal? O que eu perdi? Podem me explicar?”– Do Nonsense -
Luiz Antonio Ryff -



IBOPE – EM SP, REJEIÇÃO AO PT É DE ESTRATOSFÉRICOS 40%, SÓ MARTA É MAIS REJEITADA: 50%
Dos eleitores qu
e prometem votar no candidato Gilberto Kassab (DEM), 93% afirmam que não vão mudar o seu voto até chegar às urnas. Como o atual prefeito detém a preferência de 60% do eleitorado (em votos válidos, contagem que exclui os votos em branco e nulos), isso significa que ele tem consolidados 55,8% dos votos válidos, porcentual mais que suficiente para vencer a 
eleição de domingo, revelou pesquisa Ibope contratada pelo Estado e pela TV Globo. Dos que pretendem votar em Marta Suplicy (PT), 89% dizem que a escolha é definitiva. Como a petista tem 40% (votos
 válidos), isso significa que ela tem garantidos, até aqui, 35,6%. Para vencer o segundo turno um candidato deve ter 50% dos votos válidos mais 1 voto. Da mesma forma, 60% dos que prometem votar em branco ou nulo adiantam que sua decisão é definitiva; 25% deles admitem que podem mudar de opinião até domingo. Como os que pretendem votar em branco ou nulo somam 8%, apenas 2% desses votos podem ser revertidos para um dos candidatos. A pesquisa Ibope revelou que 40% dos eleitores paulistanos rejeitam o PT e afirmam não votar nele de jeito nenhum. A rejeição dos paulistanos ao PT só é superada pela rejeição a sua candidata Marta Suplicy - 50% dos entrevistados afirmam que não votam nela de jeito nenhum. Por Carlos Marchi, no Estadão.

Dona Marta é um verdadeiro atentado contra São Paulo

MOVIMENTO ORDEM VIGÍLIA CONTRA A CORRUPÇÃO - MOVCC

Marta disse nesta quarta-feira, que a classe média tem “raiva” porque paga caro para seus filhos estudarem em colégios particulares que não têm a mesma qualidade e estrutura dos CÉUs, uma das principais marcas de sua passagem pela prefeitura entre 2001 e 2004.

Questionada pelo presidente do grupo, Roberto Civita, sobre os motivos que a levam a fazer propostas apenas para as classes menos favorecidas, deixando de lado os outros 75% da população do município, Marta respondeu:

“Para você ficar vivo”.

A ex-ministra do turismo sugeriu que, sem políticas sociais, os pobres poderiam fazer uma revolução.

Você sabe do que estou falando. Não ficariam nem as paredes, disse ela a Civita.

Questionada por jornalistas do grupo Abril sobre o fato de ter demitido funcionários de carreira para empregar sindicalistas e políticos na Secretária da Educação, Marta saiu em defesa do aparelhamento do Estado:

"É o aparelhamento que o governo Lula fez e que funciona tão bem. - Por Ricardo Galhardo - Leia mais no 
O Globo

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

3 PEDIDOS PARA O PT

Por e-mail

Talvez possamos nos aliviar, lendo o texto abaixo. Embora seja de autor desconhecido,
acho importante ler e repassar, dando meus aplausos ao autor, seja quem for.

Três Pedidos para o PT

O primeiro pedido é que vocês fiquem com tudo.
Peguem o dinheiro, o avião.
As agendas de todas as secretárias,
os revólveres dos ex-delegados,
os laranjas analfabetos, os laranjas pós-graduados,
as cuecas sujas do dinheiro que sai
dos ralos de onde vocês vieram.

Não esqueçam de levar nada.

As explicações estranhas, as notas oficiais,
o eterno não sei de nada,
o absurdo nunca ouvi falar disso e,
por falar nisso, o mensalão.

Peguem sem vergonha, saquem sem vergonha,
ajudem-se, juntem-se em torno das fogueiras
onde queimam notas fiscais e consciências,
bebam, brindem, riam da minha cara.

Eu desejo que vocês aproveitem as Land Rovers,
façam churrasco ao som de Chitãozinho & Chororó
e brinquem de quadrilha em todos os meses do ano,
na presença do operário bebum que desonra a si mesmo, aos operários e aos bêbados.

Não liguem para críticas.

Aliás, não liguem pra ninguém: alguém da polícia federal,
um desses otários que ganham R$700,00 líquidos
por mês pode estar escutando e a voz de vocês em rede nacional fica distorcida.

Prefiro a do Fernandinho Beira-Mar,
que se confessando bandido, traficante,
ladrão e assassino tem pelo menos uma vantagem
sobre vocês: nunca disse que não era tudo isso,
nunca me enganou a seu respeito, jamais negou
sua maldade.
Muito menos recebeu 55 milhões
de votos cheios de esperança.

Meu segundo desejo é que vocês vivam muito em
suas ilhas fiscais, em seus condomínios fechados,
em suas coberturas de 10 mil metros quadrados
pagas com salário de 1.500,00 reais.
Existam pra assistir a morte de crianças
sem ter o que comer, de jovens sem futuro
e de velhos que cospem no passado que
cada um de vocês representa.

Sejam eternos
como é interminável a fila do INSS,
dos pais de família sem emprego,
das jovens que fazem sexo pago a partir dos 12 anos
sem que possam ser recriminadas por vocês,
que as iniciaram ao mostrar-lhes como se faz isso
com um país inteiro.

Agora que vocês são ricos e perpétuos.

Meu último desejo é que vocês nunca mais saibam
se têm ou não um amigo.

Que ao verem um por-de-sol lembrem-se apenas
de voltar para casa, onde dormir seja um sonho impossível.

Permaneçam dia após dia acordados, desconfiados,
ansiosos, insones, num morre-não morre sem fim.

Que a única coisa que possam escrever sejam versões,
já que perderam a noção da verdade e dos fatos.

Que a única coisa que saia da boca de cada um de vocês
seja um repetitivo "não lembro, Sr. Deputado".
Não quero nenhum de vocês julgados ou castigados.
Apenas que passem a vida dizendo
"não lembro, senhor deputado".

Que ao chegar na cozinha, encontrem a CPI dos salmões.
Na sala, a CPI Home Theater. 
No quarto, a CPI da falta de sexo.
Na vida, a CPI do desaparecimento da glória de servir ao povo.

Um dia, meu filho vai estuda-los.
Que eles e seus colegas percam nota se não
souberem os nomes de vocês.
Mas não se abatam por isso,
como não se abalaram com os tiros que mataram
Celso Daniel.
Não se preocupem com o meu desprezo,
como não se incomodaram em decretar a pena de morte à esperança que os ajudou a vencer nosso medo.
Não se arrependam de nada.

Apenas vivam pra nos ver construir o novo,
o alegre e o lindo.
Sejam o nosso norte, mostrem onde vocês
estiveram e no que se transformaram.
A partir disso,
bastará seguirmos em direção contrária.


(Autor desconhecido)

Pedro Cardoso diz que atores são obrigados a fazer pornografia

TERRA CINEMA

Pedro Cardoso fez um discurso exaltado e polêmico no lançamento do longa-metragem Todo Mundo Tem Problemas Sexuais, de Domingos de Oliveira, na noite desta quarta-feira no Festival do Rio. O ator, que também produz o filme, acusou alguns diretores brasileiros de promoverem a pornografia na televisão e no cinema, obrigando a classe artística a participar de tais cenas.

'A pornografia tornou-se agora um modo de atrair o público. Temos visto cenas de nudez ou quase nudez em basicamente toda a programação dos programas de televisão', disparou.

'A constância com que isso aparece tem colocado em exposição a nudez dos atores. É raro um trabalho, seja flme, novela ou programa de humor que não inclua cenas deste tipo.'

'A minha tese é de que a nudez impede a comédia e mesmo o próprio ato de representar. Quando estou nu, sou sempre eu a estar nu, nunca o personagem. Ao despir-se do figurino, o ator despe-se também do personagem', afirmou, ressaltando que Todo Mundo tem Problemas Sexuais, apesar do tema, não traz nenhum momento de nudez.

'Eu fiz algumas cenas de nudez muito parcial e me senti sempre muito mal. Esse absurdo causa grande desconforto ao ator e a atriz porque nos obriga a mentir', citou, recebendo aplausos. 'A nudez produz uma sensação erótica. Neste filme, os atores estão vestidos para que os personagens possam estar desnudos.'

'A pornografia está tão dissimulada em nossa cultura que não a reconhecemos como tal. Hoje qualquer diretor, medíocre ou não, se acha no direito de determinar que uma atriz possa ficar pelada numa cena ou parcialmente despida', disse, ressaltando, indiretamente, que os diretores da TV Globo também apelam para a 'pornografia' televisiva.


'É frequente que cineastas de primeiro filme exibam para seus amigos em sessão privê as cenas privadas que conseguiu de uma determinada atriz', acusa. 'Quando os atores se recusam a fazer nudez, os diretores ficam bravos e fazem malcriações, como crianças mimadas, porque se consideram no direito a ela'.

O protesto de Cardoso abriu espaço para a discussão, especialmente entre os atores. Em tom revoltado, ele pediu que os artistas não se submetam a cenas de nudez.

'Até quando nós atores ficaremos atendendo ao voyeurismo e a disfunção sexual de diretores, roteiristas e produtores?', questiona. 'Eu penso num dia que não teremos medo do You Tube ou das sessões nostalgia do Canal Brasil. O dia que não teremos medo que nossos filhos tenham que responder perguntas constrangedoras dos colegas na escola.'

'Um diretor não deveria pedir que faça algo que ele não pediria a uma filha sua. Se essa gente quer nudez, que fiquem nus eles mesmos.'

'Atores e atrizes podem dizer não às cenas que se sintam desconfortáveis. Não temos uma obrigação de tirar a roupa, que esta não é uma exigência do ofício de ator e sim da indústria pornográfica. E a conclusão de sempre: o programa popular tem que ter calcinha e sutiã, como se a gente brasileira fosse assim medíocre', ressalta.

O discurso levou Cardoso a tocar no assunto da vida pessoal. Namorado da atriz Graziella Moretto, no ar na TV Globo com a novela Três Irmãs, insinuou que ela sempre é contrariada nos bastidores da produção televisiva.

'No ar, na novela das 19h, ou mesmo das 18h, criam-se cenas de estupro, de banho, exibicionismo e adultério. Tudo apenas para proporcionar as cenas de nudez e influenciar o tesão alheio.'

'E para que não digam que estou transtornado com esse assunto só porque agora estou namorando com uma atriz: de fato, dói mais a dor que dói em nós mesmos.'

'Agora ver a mulher que eu amo tendo que diariamente se defender no trabalho contra a pornografia tornou esse assunto a primeira ordem do meu dia. Se antes era apenas responsabilidade profissional me opor à pornografia, agora é também por amor', finaliza. (Cavaleiro do Templo: é engraçado isto... Vão me dizer que antes não era assim? Eu conheço pessoas do meio artístico e sempre coisas ipores do que esta, se chamava "teste do sofá". Para "aparecer" na telinha, na revista, em qualquer lugar que fosse o(a) artista tinha que se submeter sexualmente a alguém. Mas tudo bem, vale como denúncia de um famoso.)

Tomada pelos aplausos, Claudia Abreu, que também está no elenco do filme, deu seu depoimento. 'Já passei por uma situação como essas recentemente e ele está completamente certo. É exatamente isso que acontece', disse. Vale ressaltar que a atriz aparece completamente nua no filme Os Desafinados, de Walter Lima Jr., em cartaz em alguns cinemas do País.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Mais do OBAMA

JUSTIADOCS.COM

Sobre o caso OBAMA - começam os comentários na mídia conservadora americana

LAIGLE'S FORUM - tradução (não muito boa) aqui
October 23rd, 2008 LAIGLESFORUM

By Donald Hank

People all around the world are concerned about the lawsuit brought by Hillary supporter Phillip Berg, charging Barack Obama and the DNC with improprieties centered around Obama’s apparent inability to prove he is a US citizen, and in fact his having presented patently false documents, making him constitutionally ineligible to become the next president of the United States. The latest development is that the failure of Obama and the DNC is, legally, an admission of guilt, making him ineligible for the presidency. It’s all over the internet.

But the silence in the media is deafening. None of the talk hosts will touch the story. Neither will Fox News.

Just this morning I received emails from two different Brazilian friends, including philosopher Olavo de Carvalho, whose columns we proudly present at Laigle’s Forum from time to time.

One email says:

Dear Don

Please clarify this: “Press Release: Obama & DNC admit all allegations in Berg v. Obama”? http://obamacrimes.com/index.php/component/content/article/1-main/38-press-release-obama-a-dnc-admit-all-allegations-in-berg-v-obama 

Is this a hoax? If correct, why nobody says anything about it? The ‘official’ great media I can understand but why don’t conservatives like you say anything?

All the best and thanks for any help,

[name of prominent Brazilian activist]

 

Mr. de Carvalho’s, which the author graciously agreed to share with you, says:

Dear Don,

I just posted this message at Philip Berg’s Forum. Maybe it will interest you.

Best,

Olavo

 

Hans Kelsen taught that effectiveness is a condition of the validity of laws. If there is absolutely no means to enforce the article of the Constitution that forbids a foreigner to be a presidential candidate, then such an article becomes null and void. It has no more validity at all. If Obama cannot be forced to show his vault birth certificate, then there will be no impediment to any other foreigner to be the president of the United States, provided he simply states that he is an American citizen, for nobody will be able to give any legal proof to the contrary. This will be a death blow to the Constitution, and, for the left, a far greater victory than just electing a leftist president. I guess this result was in the calculations of the builders of the Obama myth since the beginning.

 

Another from a friend who is a truly conservative Republican Party leader in a southern state, asks about this same issue. Others have been asking on more-or-less a regular basis.

They all wonder, legitimately, why no one is disseminating the story of Phillip Berg’s lawsuit in the press.

Here is my response:

Those of you who beg my advice fear the outcome of this lawsuit against Barack Obama will be the end of our constitutional form of government.

I’ve got bad new and good news for you.

First the bad news: Our constitutional form of government ended a long time ago, as I will explain later on.

The problem is: most pundits and activists are funded by one or the other party, so now we are dancing to the drums of the powerful and ignoring evil, including the lack of US nationality for Mr. Obama.

Note that Berg is a Hillary supporter and suddenly the Hillary camp is sounding like they want the Constitution restored. Can you see anything wrong with this picture? The lady who made off with the White House silverware? The president who made a brothel of the White House and then perjured himself? The couple who rudely fired the kitchen help on trumped up charges as soon as they entered the White House, and whom Judicial Watch has been trying for years to indict for a wide assortment of suspected felonies?

How about the Republicans who have stood behind “their man” when he invited millions of aliens to enter our country illegally and would never raise a finger to stop illegal activity at the border unless it was a border guard with an itchy trigger finger? Or when he laid the heavy hand of the feds on education? Or intoned that these trying times justify government wiretapping? Or invented faith-based everything to transfer your wealth to any group calling itself a church-including Reverend Wright’s church or the Wiccans, or, well, you name it? Or who signed a bailout bill that virtually abolishes private enterprise?

Can they piously lay claim to constitutional protection? Can you or I?

Didn’t the majority of us support either Bush or the Clintons at one time or another?

Does America deserve the Constitution that we have sought to impound and use for our own personal interests but withhold from those who weren’t in our parochial interest group?

None in America is worthy of the great document we have inherited from our founders.

You see, the Bible says all have sinned and come short of the glory of God. None of us deserve the goodness that was bestowed on our founders because America has a collective original sin, and that sin is compromise.

The first manifestation of that sin was when otherwise godly men sat in a Constitutional convention and allowed themselves to be manipulated by a Southern interest group (the ideological forebears of the Democrats) into denying rights for black Americans. Thus the first version of the constitution was in fact a shameful document.

Ever hear or read another commentator mentioning this? I don’t think so. Most are tied to interest groups or write and publish for money. Hence, they traffic in flattery.

The Democrats can hardly mention it because it was the Republicans who ultimately ended slavery.

The Republicans can hardly mention it because many of their adherents worship the Constitution and the Founders as though they were deities.

The Constitution Party can’t mention it because it would besmirch their chosen name.

So even now Americans compromise their integrity to deny to themselves what we all know perfectly well to be true.

But the greatest compromise, of which we are almost all guilty, was the compromise to keep our nation together by accepting the terms of the most unconstitutional and diabolical court decision in our entire history: Roe vs Wade.

Thus we have been living under a curse since 1973.

I have a confession to make: I, in my depraved condition, accepted that decision with glee at the time. I thought it meant freedom. In fact, it meant slavery to lust and depravity.

What standing does America have after standing idly by as the Constitution was rudely shoved aside in the Roe-Wade mock trial ending in a death sentence for the unborn? Not even the great Ronald Reagan seemed to understand the long-term threat to the national soul of nominating leftist judges to the Supreme Court who helped underpin this terrible mockery of the Constitution and of human decency and morality.

We have made our collective bed and are tossing and turning looking for someone to blame. All we need is a mirror.

Now for the good news: This is when God steps in. But only if we let Him.

America can survive this last horrendous onslaught against our way of life if we are willing to use the ultimate weapon:  a true Holy Ghost spiritual revival with bitter tears of repentance and shame.

And she can hold her head up high once more if she bows to God’s will and learns obedience.

After 40 years of atheism, of being tossed to and fro by all the waves of fashion, I have found, amazingly, that it is really quite easy to obey. It is in fact a delicious, exhilarating experience.

And here is why: I did not have to change one single bit. I am still an in-your-face rebel and maverick. The only thing that has changed is the target of my rebellion and, thank God, my heart.  Whereas once I rebelled against God, I now rebel against evil and ignorance-my own and that of others. But this time, my rebellion is not born of hatred, but of the sincerest and tenderest love for my fellow Americans and friends all over the globe, all of whom are suffering just as my family and I are suffering at this dire time of uncertainty.

Let me tell you something: Never before has America faced such danger of losing our way of life forever.

Yet this dire threat is in fact a precious opportunity. It is a road-to-Damascus experience for America at large and for each and every one of us.

It is an opportunity to reach out in faith and call out to God for mercy. Think about it: In all His divine patience, He has been waiting and waiting for you to do just that.

Try it, my friend! Try responding to God’s call. What have you got to lose? Try saying in all sincerity and with hope and faith:

Lord, I know I am a sinner and don’t deserve any better than what you have allotted me in life. And I know that America is getting its just reward for our disobedience, not just the disobedience of the Democrats or the Republicans or the Libertarians or the Constitution Party, but our collective disobedience. I know that I deserve hell, but I reach out now in faith to accept your Son’s blood as atonement for my sins. Oh, how I thank you for salvation through the shed blood of Jesus Christ! Thank you for giving your all for me. I promise to give my life and my all to You in return for this gift of salvation and to obey your commandments and your commands to the very best of my ability. And Lord I know that you can heal this nation if we will only humble ourselves and turn away from evil. I thank you in advance for doing just that. In Jesus’ precious name I pray, amen.

Then watch yourself suddenly lifted up and away, out of the mire and muck in which you have been stuck all these many years. But don’t stop. Keep praying to God every chance you get, commune with God in every waking hour, asking for his help, to give you strength, wisdom and faith, and thanking him often for his blessings. Yes, you will fall again. Never mind. Let God lift you up each time you do.

Watch yourself become a new creature.

And watch America suddenly become a new place.

You’ll like the change you can believe in!

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".