Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Meu país? Sim, meu, seu, nosso. E somos culpados por isto.

Pessoal, antes de tudo não se assustem com a imagem do vídeo abaixo, ok? Não é desfile de escola de samba. É um vídeo com uma música do Zé Ramalho. Assistam, vale a pena. E reflitam sobre o texto logo abaixo.



Algumas considerações sobre a letra da música cantada pelo GRANDE Zé Ramalho

Eu entendo que SIM, este É O NOSSO PAÍS e o SEU PAÍS também, grande Zé Ramalho que eu admiro e sou fã. Penso que precisamos parar de nos colocarmos como VÍTIMAS, a realidade é exatamente o contrário: 

SOMOS CULPADOS POR TUDO QUE ESTÁ ACONTECENDO, TODO E QUALQUER BRASILEIRO. 

Pois vejamos:

OS POLÍTICOS QUE CHEGAM AO PODER CONSEGUEM ISTO DE QUE MANEIRA? QUEM OS ELEGE? QUEM DELES DEPOIS NÃO COBRA A HONESTIDADE, A HONRADEZ E A SINCERIDADE, por exemplo?

E, mais importante: 

DE ONDE SAEM OS POLÍTICOS SENÃO DO MEIO DE NÓS, DA SOCIEDADE EM QUE VIVEMOS? 

QUE EU SAIBA OS MAUS POLÍTICOS NÃO SÃO ALIENÍGENAS MALVADOS QUE VIERAM PARA A TERRA PARA NOS CAUSAR MALEFÍCIOS.

Esta AUTO-VITIMIZAÇÃO, esta coisa de dizer que os políticos, os empresários, a Igreja, nossos vizinhos, os americanos ou a batata-frita do Bob's é que são os culpados É FUGA DA REALIDADE.

ESTE É NOSSO PAÍS! PARA MUDÁ-LO TEMOS QUE FAZER POR ONDE! SOMOS OS CULPADOS!

Raposa tomando conta das galinhas

Recebi e-mail muito bem intencionado que entre outras coisas dizia o seguinte:

"A REVISTA "ISTO É"  DE 25 DE MARÇO DE 2009, Nº 2054, À FLS. 32, PUBLICOU NOTA DIZENDO QUE O DEPUTADO FLÁVIO DINO (PCdoB-MA) ASSUMIU A RELATORIA DO PROJETO 1349/08, DE AUTORIA DO FALECIDO DEPUTADO CLODOVIL HERNANDES, QUE PROPÕE PLEBISCITO NACIONAL PARA SABER SE A POPULAÇÃO APROVA A REDUÇÃO EM 50% DO NÚMERO DE DEPUTADOS. O PROJETO ESTÁ NA CCJ DA CÂMARA."

Ora, COMUNISTA quer ESTADO. ESTADO COMUNISTA significa, entre outras coisas, UMA MONTANHA DE POLÍTICOS. Tomara que eu esteja errado mas acho que colocaram a raposa para tomar conta do galinheiro mais uma vez. Duvido muito que aconteça este plebiscito se temos COMUNAS "por perto".

Para mim está morta a idéia de nosso querido Clô que, infelizmente, não está mais entre nós mas com certeza está nos braços de Deus.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Olbermann: The New Edward Murrow?

INFORMATIONLIBERATION

Analysis posted Oct 25 2006, 11:30 PM

By Steve Watson

"Every act that denies or limits the freedom of the individual in this country costs us the. . . confidence of men and women who aspire to that freedom and independence of which we speak and for which our ancestors fought." 

Edward Murrow - 1954

It is no coincidence that Edward Murrow is the number one idol of Keith Olbermann. In these times of great upheaval there is really only one voice in the mainstream media that is speaking the truth and telling it the way it is.

The modern US media is owned and has always been owned by the corporations and big businesses that run America. So it is extremely rare when a figure of honesty and integrity in delivering the news rises to the top over corporate interests and censorship. One such figure was Edward Murrow, who always told it as it was and is most famed for his reports that helped lead to the censure of Senator Joseph McCarthy.

Whilst the Neocon lapdog apologists take pride in the fact that they take their orders directly from the White House, Olbermann, who tips his hat to Murrow by using his trademark "Good Night and Good Luck" tag line, continues to hit the ball out of the park with every special comment he makes.

While Olbermann is busy decrying the destruction of the Bill Of Rights and The Constitution, Bill O'Reilly is busyequating with terrorists those who question the President, then himself saying he would like to blow up bloggers with hand grenades. Hannity is busy telling Democrat voters to stay at home on election day then whining about how the media is conspiring to suppress Republican votes. And Limbaugh is spinning his own spin and calling us "Democrat kooks".

 

Keith Olbermann is a voice of reason, a shining beacon in a filthy media sea of corporate bootlickers. While the bootlickers without any consideration, and calling themselves "fair and balanced", associate any disagreement with the Neoconservative crime junta as being un-American, or somehow in league with "the terrorists", Keith Olbermann reports with refreshing integrity and speaks purely as a concerned American citizen, accountable to no political party or ideology.

Commenting on Olbermann's powerful special comment on the death of Habeas Corpus, Fox News exposers News Hounds commented:

"No, Olbermann was not speaking as a closet Democrat, as a Fox News commentator would speak as a closet Bush backer while claiming to be fair and balanced. Olbermann was not speaking as someone who coddles terrorists and wants them to "win." Olbermann was speaking as an American who values the freedoms and protections guaranteed by the Constitution and respected -- for the most part -- by previous presidents. And he did it with passion."

As Edward Murrow himself once said, it is a grave mistake to confuse dissent with disloyalty or deny the right of the individual to be wrong, unpopular, eccentric or unorthodox. The media has forgotten what it's role in society is supposed to be, or rather it's role has been irreversibly alerted by corporate acquisition and biased political interests.

Olbermann, appearing on C-SPAN, recently said: "There are people I know in the hierarchy of NBC, the company, and GE, the company, who do not like to see the current presidential administration criticized at all. ... There are people who I work for who would prefer, who would sleep much easier at night if this never happened. On the other hand, if they look at my ratings and my ratings are improved and there is criticism of the president of the United States, they're happy."

The cost of Olbermann's integrity and honesty has been personal attacks, both verbally and physically. Olbermann was recently sent hate letters packed with white powder. He called 911, and then went to the hospital so Doctors could confirm his health was not in danger.

The corporate controlled media proceeded to ATTACK Olbermann and laugh at him for reporting the incident and being concerned for his own well being. Imagine if this had happened to Bill O'Reilly, it would have been front page news for weeks, used endlessly as an excuse for the paranoid fueled rantings of Fox, which have recently included hyping up the deranged scribblings of two jokers in a chat room as huge terror threats.

Who is to blame for the collapse?


Human Events
Below please find a special message from one of our advertisers, Basic Books. From time to time, we receive opportunities we believe you as a valued customer may want to know about. Please note that the following message does not necessarily reflect the editorial positions of Human Events.


The Housing Boom and BustWho is to blame for the collapse?
Thomas Sowell's new book explains the who, what, and why of the crisis that brought the economy to its knees. From Hoover to Obama, The Housing Boom and Bust is the one book you need to understand where we've been and where we're going.

This is a plain-English explanation of how we got into the current economic disaster that developed out of the economics and politics of the housing boom and bust. The "creative" financing of home mortgages and the even more "creative" marketing of financial securities based on American mortgages to countries around the world, are part of the story of how a financial house of cards was built up-and then suddenly collapsed.

Click here for more information

Ed Murrow, Katie Couric, and the Decline of Television News

THE LARGEST MINORITY

By evmonk
Published Monday, July 16th, 2007, 10:08 am
Filed under: Videos: NewsEntertainmentUS Politics

Update: Go to the bottom of this post for a shining, just-released example of modern political discourse: “Debate ‘08: Obama Girl vs. Giuliani Girl” — with a special guest appearance from Kucinich Girl!

Katie Couric is having second thoughts about her new job as the anchor of the CBS Evening News, and CBS is losing faith in her as the cover girl of their once-preeminent news division. That’s the conclusion of an attention-grabbing cover story in last week’sNew York Magazine. While I don’t have any particular problem with Katie Couric as a person, this seemed like an opportune time to take a deeper look at the precipitous decline of television news of which she has so visibly become a symbol. After all, neither the NYMag piece nor the critical commentary on it offered much historical (or moral) context.

A clip of David Strathairn brilliantly channeling the ghost of Ed Murrow, the face of CBS throughout the 1950s, will help set the stage. The three minutes you spend watching this will be worth a year of network news, so check it out. If you can, imagine Couric delivering such a speech today.

Yes, Murrow said those exact words, and many more, back in 1958*. People on TV used to talk like that.

For comparison, I watched about 30 of the “Katie Couric’s Notebook” 1-minute segments on YouTube, and the most profound statement on the media I could find from her was in a brief discussion of Al Gore’s latest book. Hit the jump for the Couric video and more.

Couric’s commentary on the media is neither as substantive nor self-reflective as Murrow’s (who described it as his “duty” to inform Americans of the intricacies of media ownership). She may be just as informed, but it’s hard to tell when CBS has reportedly denied her requested trips to Iraq and Afghanistan and surrounded her with producers who water down the news and keep the commentary innocuous. So while Couric appears to have shirked her responsibilities, CBS deserves the bulk of the blame.

I’ve always been confounded by the network’s decision to fill such a symbolically important position with someone who had for over a decade been contractually required to be superficial and palatable on the Today Show. (Say what you will about the aging audience and declining viewership of the network newscasts, their ratings still crush even the giants of cable news.) If CBS was going to make the job a joke, why not go all the way and hire Jon Stewart? He’d make the evening news far more entertaining and informative, and almost undoubtedly double CBS’s last-place ratings. If Les Moonves is such a business genius, then why can we all come up with better ideas?

I understand CBS’s unending quest for ratings, which they incorrectly assumed Couric’s big name and personality would boost. But was there any substantive rationale behind the decision to hire her? The U.S. is in the midst of a humanitarian and political crisis in Iraq, the principles of our democracy are under an unprecedented attack from within, and the quality of the news media in America is consistently pinpointed as the reason for our deteriorating public discourse. The media failed us on Iraq, they’re failing us on health careand terrorism, and they’ll fail us again on our counter-productive policy toward Iran unless one of the few corporations controlling the news business takes a stand. CBS understands that the future of this nation and the long-term survival of humanity could hang in the balance, so they hire Katie Couric to set things right? Right…

The little-heard suggestion that DemocracyNow!’s Amy Goodman - or a more recognizable personality like CNN’s Christiane Amanpour - would have been a smarter and more responsible choice than Couric is usually met with derision. But I think (and hope) that such dismissals underestimate the public’s appetite for honest news. And they surely misjudge the extraordinary influence that a handful of major corporations exert on the media.

Imagine if CBS, or any major network, hired an anchor who was deeply informed and who cared more about the kind of world that future generations would inhabit than they did about their own career. Then imagine that network backed their passionate but open-minded anchor with a stellar production team and a large measure of independence. Finally, imagine the network rolled out a compelling marketing strategy that exposed the utter inadequacy of what passes for news today and promised a renaissance of truth-telling in the vein of Murrow and Cronkite. There’s no guarantee that the approach would immediately catch-on with the public, but the network would have single-handedly shifted the status quo of the nightly newscast in a more positive, informative, and even transformative direction. Of course there would be a risk to shareholders in the short-term; but if Goodman, Amanpour, or Stewart didn’t work out, they could just hire someone new and start over. And wasn’t the hiring of Couric also a risk?

The CBS Evening News costs an estimated $35 million to produce. This might seem like a lot until you realize that Couric’s salary accounts for about half of the total, and the overall operating expenses for CBS’s television operations exceeded $6.2 billion in 2006.

Investing in real, “hard-hitting” news, whether it comes from Jon Stewart or a modern-day Murrow, isn’t just the right thing to do, it’s also good business.

Update: Despite my somber tone, I believe in thinking creatively about how to attract people to politics (and yes, entertain them) so that they may change it. Because “the elaborate structure of networks, advertising agencies, and sponsors will not be shaken or altered” anytime soon, we might as well take a little time to enjoy the fruits of our decadent, insulated and escapist society. The video for “Debate ‘08: Obama Girl vs. Giuliani Girl,” released today, has some genuinely funny lyrics and is surprisingly entertaining. (Kucinich Girl makes a special guest appearance at 2:16!)

*EDWARD R. MURROW

http://www.turnoffyourtv.com/commentary/hiddenagenda/murrow.html

RTNDA Convention
Chicago
October 15, 1958

This just might do nobody any good. At the end of this discourse a few people may accuse this reporter of fouling his own comfortable nest, and your organization may be accused of having given hospitality to heretical and even dangerous thoughts. But the elaborate structure of networks, advertising agencies and sponsors will not be shaken or altered. It is my desire, if not my duty, to try to talk to you journeymen with some candor about what is happening to radio and television.

I have no technical advice or counsel to offer those of you who labor in this vineyard that produces words and pictures. You will forgive me for not telling you that instruments with which you work are miraculous, that your responsibility is unprecedented or that your aspirations are frequently frustrated. It is not necessary to remind you that the fact that your voice is amplified to the degree where it reaches from one end of the country to the other does not confer upon you greater wisdom or understanding than you possessed when your voice reached only from one end of the bar to the other. All of these things you know.

You should also know at the outset that, in the manner of witnesses before Congressional committees, I appear here voluntarily-by invitation-that I am an employee of the Columbia Broadcasting System, that I am neither an officer nor a director of that corporation and that these remarks are of a "do-it-yourself" nature. If what I have to say is responsible, then I alone am responsible for the saying of it. Seeking neither approbation from my employers, nor new sponsors, nor acclaim from the critics of radio and television, I cannot well be disappointed. Believing that potentially the commercial system of broadcasting as practiced in this country is the best and freest yet devised, I have decided to express my concern about what I believe to be happening to radio and television. These instruments have been good to me beyond my due. There exists in mind no reasonable grounds for personal complaint. I have no feud, either with my employers, any sponsors, or with the professional critics of radio and television. But I am seized with an abiding fear regarding what these two instruments are doing to our society, our culture and our heritage.

Our history will be what we make it. And if there are any historians about fifty or a hundred years from now, and there should be preserved the kinescopes for one week of all three networks, they will there find recorded in black and white, or color, evidence of decadence, escapism and insulation from the realities of the world in which we live. I invite your attention to the television schedules of all networks between the hours of 8 and 11 p.m., Eastern Time. Here you will find only fleeting and spasmodic reference to the fact that this nation is in mortal danger. There are, it is true, occasional informative programs presented in that intellectual ghetto on Sunday afternoons. But during the daily peak viewing periods, television in the main insulates us from the realities of the world in which we live. If this state of affairs continues, we may alter an advertising slogan to read: LOOK NOW, PAY LATER.

For surely we shall pay for using this most powerful instrument of communication to insulate the citizenry from the hard and demanding realities which must be faced if we are to survive. I mean the word survive literally. If there were to be a competition in indifference, or perhaps in insulation from reality, then Nero and his fiddle, Chamberlain and his umbrella, could not find a place on an early afternoon sustaining show. If Hollywood were to run out of Indians, the program schedules would be mangled beyond all recognition. Then some courageous soul with a small budget might be able to do a documentary telling what, in fact, we have done--and are still doing--to the Indians in this country. But that would be unpleasant. And we must at all costs shield the sensitive citizens from anything that is unpleasant.

I am entirely persuaded that the American public is more reasonable, restrained and more mature than most of our industry's program planners believe. Their fear of controversy is not warranted by the evidence. I have reason to know, as do many of you, that when the evidence on a controversial subject is fairly and calmly presented, the public recognizes it for what it is--an effort to illuminate rather than to agitate.

Several years ago, when we undertook to do a program on Egypt and Israel, well-meaning, experienced and intelligent friends shook their heads and said, "This you cannot do--you will be handed your head. It is an emotion-packed controversy, and there is no room for reason in it." We did the program. Zionists, anti-Zionists, the friends of the Middle East, Egyptian and Israeli officials said, with a faint tone of surprise, "It was a fair count. The information was there. We have no complaints."

Our experience was similar with two half-hour programs dealing with cigarette smoking and lung cancer. Both the medical profession and the tobacco industry cooperated in a rather wary fashion. But in the end of the day they were both reasonably content. The subject of radioactive fall-out and the banning of nuclear tests was, and is, highly controversial. But according to what little evidence there is, viewers were prepared to listen to both sides with reason and restraint. This is not said to claim any special or unusual competence in the presentation of controversial subjects, but rather to indicate that timidity in these areas is not warranted by the evidence.

Recently, network spokesmen have been disposed to complain that the professional critics of television have been "rather beastly." There have been hints that somehow competition for the advertising dollar has caused the critics of print to gang up on television and radio. This reporter has no desire to defend the critics. They have space in which to do that on their own behalf. But it remains a fact that the newspapers and magazines are the only instruments of mass communication which remain free from sustained and regular critical comment. If the network spokesmen are so anguished about what appears in print, let them come forth and engage in a little sustained and regular comment regarding newspapers and magazines. It is an ancient and sad fact that most people in network television, and radio, have an exaggerated regard for what appears in print. And there have been cases where executives have refused to make even private comment or on a program for which they were responsible until they heard'd the reviews in print. This is hardly an exhibition confidence.

The oldest excuse of the networks for their timidity is their youth. Their spokesmen say, "We are young; we have not developed the traditions nor acquired the experience of the older media." If they but knew it, they are building those traditions, creating those precedents everyday. Each time they yield to a voice from Washington or any political pressure, each time they eliminate something that might offend some section of the community, they are creating their own body of precedent and tradition. They are, in fact, not content to be "half safe."

Nowhere is this better illustrated than by the fact that the chairman of the Federal Communications Commission publicly prods broadcasters to engage in their legal right to editorialize. Of course, to undertake an editorial policy, overt and clearly labeled, and obviously unsponsored, requires a station or a network to be responsible. Most stations today probably do not have the manpower to assume this responsibility, but the manpower could be recruited. Editorials would not be profitable; if they had a cutting edge, they might even offend. It is much easier, much less troublesome, to use the money-making machine of television and radio merely as a conduit through which to channel anything that is not libelous, obscene or defamatory. In that way one has the illusion of power without responsibility.

So far as radio--that most satisfying and rewarding instrument--is concerned, the diagnosis of its difficulties is rather easy. And obviously I speak only of news and information. In order to progress, it need only go backward. To the time when singing commercials were not allowed on news reports, when there was no middle commercial in a 15-minute news report, when radio was rather proud, alert and fast. I recently asked a network official, "Why this great rash of five-minute news reports (including three commercials) on weekends?" He replied, "Because that seems to be the only thing we can sell."

In this kind of complex and confusing world, you can't tell very much about the why of the news in broadcasts where only three minutes is available for news. The only man who could do that was Elmer Davis, and his kind aren't about any more. If radio news is to be regarded as a commodity, only acceptable when saleable, then I don't care what you call it--I say it isn't news.

My memory also goes back to the time when the fear of a slight reduction in business did not result in an immediate cutback in bodies in the news and public affairs department, at a time when network profits had just reached an all-time high. We would all agree, I think, that whether on a station or a network, the stapling machine is a poor substitute for a newsroom typewriter.

One of the minor tragedies of television news and information is that the networks will not even defend their vital interests. When my employer, CBS, through a combination of enterprise and good luck, did an interview with Nikita Khrushchev, the President uttered a few ill-chosen, uninformed words on the subject, and the network practically apologized. This produced a rarity. Many newspapers defended the CBS right to produce the program and commended it for initiative. But the other networks remained silent.

Likewise, when John Foster Dulles, by personal decree, banned American journalists from going to Communist China, and subsequently offered contradictory explanations, for his fiat the networks entered only a mild protest. Then they apparently forgot the unpleasantness. Can it be that this national industry is content to serve the public interest only with the trickle of news that comes out of Hong Kong, to leave its viewers in ignorance of the cataclysmic changes that are occurring in a nation of six hundred million people? I have no illusions about the difficulties reporting from a dictatorship, but our British and French allies have been better served--in their public interest--with some very useful information from their reporters in Communist China.

One of the basic troubles with radio and television news is that both instruments have grown up as an incompatible combination of show business, advertising and news. Each of the three is a rather bizarre and demanding profession. And when you get all three under one roof, the dust never settles. The top management of the networks with a few notable exceptions, has been trained in advertising, research, sales or show business. But by the nature of the coporate structure, they also make the final and crucial decisions having to do with news and public affairs. Frequently they have neither the time nor the competence to do this. It is not easy for the same small group of men to decide whether to buy a new station for millions of dollars, build a new building, alter the rate card, buy a new Western, sell a soap opera, decide what defensive line to take in connection with the latest Congressional inquiry, how much money to spend on promoting a new program, what additions or deletions should be made in the existing covey or clutch of vice-presidents, and at the same time-- frequently on the same long day--to give mature, thoughtful consideration to the manifold problems that confront those who are charged with the responsibility for news and public affairs.

Sometimes there is a clash between the public interest and the corporate interest. A telephone call or a letter from the proper quarter in Washington is treated rather more seriously than a communication from an irate but not politically potent viewer. It is tempting enough to give away a little air time for frequently irresponsible and unwarranted utterances in an effort to temper the wind of criticism.

Upon occasion, economics and editorial judgment are in conflict. And there is no law which says that dollars will be defeated by duty. Not so long ago the President of the United States delivered a television address to the nation. He was discoursing on the possibility or probability of war between this nation and the Soviet Union and Communist China--a reasonably compelling subject. Two networks CBS and NBC, delayed that broadcast for an hour and fifteen minutes. If this decision was dictated by anything other than financial reasons, the networks didn't deign to explain those reasons. That hour-and-fifteen-minute delay, by the way, is about twice the time required for an ICBM to travel from the Soviet Union to major targets in the United States. It is difficult to believe that this decision was made by men who love, respect and understand news.

So far, I have been dealing largely with the deficit side of the ledger, and the items could be expanded. But I have said, and I believe, that potentially we have in this country a free enterprise system of radio and television which is superior to any other. But to achieve its promise, it must be both free and enterprising. There is no suggestion here that networks or individual stations should operate as philanthropies. But I can find nothing in the Bill of Rights or the Communications Act which says that they must increase their net profits each year, lest the Republic collapse. I do not suggest that news and information should be subsidized by foundations or private subscriptions. I am aware that the networks have expended, and are expending, very considerable sums of money on public affairs programs from which they cannot hope to receive any financial reward. I have had the privilege at CBS of presiding over a considerable number of such programs. I testify, and am able to stand here and say, that I have never had a program turned down by my superiors because of the money it would cost.

But we all know that you cannot reach the potential maximum audience in marginal time with a sustaining program. This is so because so many stations on the network--any network--will decline to carry it. Every licensee who applies for a grant to operate in the public interest, convenience and necessity makes certain promises as to what he will do in terms of program content. Many recipients of licenses have, in blunt language, welshed on those promises. The money-making machine somehow blunts their memories. The only remedy for this is closer inspection and punitive action by the F.C.C. But in the view of many this would come perilously close to supervision of program content by a federal agency.

So it seems that we cannot rely on philanthropic support or foundation subsidies; we cannot follow the "sustaining route"--the networks cannot pay all the freight--and the F.C.C. cannot or will not discipline those who abuse the facilities that belong to the public. What, then, is the answer? Do we merely stay in our comfortable nests, concluding that the obligation of these instruments has been discharged when we work at the job of informing the public for a minimum of time? Or do we believe that the preservation of the Republic is a seven-day-a-week job, demanding more awareness, better skills and more perseverance than we have yet contemplated.

I am frightened by the imbalance, the constant striving to reach the largest possible audience for everything; by the absence of a sustained study of the state of the nation. Heywood Broun once said, "No body politic is healthy until it begins to itch." I would like television to produce some itching pills rather than this endless outpouring of tranquilizers. It can be done. Maybe it won't be, but it could. Let us not shoot the wrong piano player. Do not be deluded into believing that the titular heads of the networks control what appears on their networks. They all have better taste. All are responsible to stockholders, and in my experience all are honorable men. But they must schedule what they can sell in the public market.

And this brings us to the nub of the question. In one sense it rather revolves around the phrase heard frequently along Madison Avenue: The Corporate Image. I am not precisely sure what this phrase means, but I would imagine that it reflects a desire on the part of the corporations who pay the advertising bills to have the public image, or believe that they are not merely bodies with no souls, panting in pursuit of elusive dollars. They would like us to believe that they can distinguish between the public good and the private or corporate gain. So the question is this: Are the big corporations who pay the freight for radio and television programs wise to use that time exclusively for the sale of goods and services? Is it in their own interest and that of the stockholders so to do? The sponsor of an hour's television program is not buying merely the six minutes devoted to commercial message. He is determining, within broad limits, the sum total of the impact of the entire hour. If he always, invariably, reaches for the largest possible audience, then this process of insulation, of escape from reality, will continue to be massively financed, and its apologist will continue to make winsome speeches about giving the public what it wants, or "letting the public decide."

I refuse to believe that the presidents and chairmen of the boards of these big corporations want their corporate image to consist exclusively of a solemn voice in an echo chamber, or a pretty girl opening the door of a refrigerator, or a horse that talks. They want something better, and on occasion some of them have demonstrated it. But most of the men whose legal and moral responsibility it is to spend the stockholders' money for advertising are removed from the realities of the mass media by five, six, or a dozen contraceptive layers of vice-presidents, public relations counsel and advertising agencies. Their business is to sell goods, and the competition is pretty tough.

But this nation is now in competition with malignant forces of evil who are using every instrument at their command to empty the minds of their subjects and fill those minds with slogans, determination and faith in the future. If we go on as we are, we are protecting the mind of the American public from any real contact with the menacing world that squeezes in upon us. We are engaged in a great experiment to discover whether a free public opinion can devise and direct methods of managing the affairs of the nation. We may fail. But we are handicapping ourselves needlessly.

Let us have a little competition. Not only in selling soap, cigarettes and automobiles, but in informing a troubled, apprehensive but receptive public. Why should not each of the 20 or 30 big corporations which dominate radio and television decide that they will give up one or two of their regularly scheduled programs each year, turn the time over to the networks and say in effect: "This is a tiny tithe, just a little bit of our profits. On this particular night we aren't going to try to sell cigarettes or automobiles; this is merely a gesture to indicate our belief in the importance of ideas." The networks should, and I think would, pay for the cost of producing the program. The advertiser, the sponsor, would get name credit but would have nothing to do with the content of the program. Would this blemish the corporate image? Would the stockholders object? I think not. For if the premise upon which our pluralistic society rests, which as I understand it is that if the people are given sufficient undiluted information, they will then somehow, even after long, sober second thoughts, reach the right decision--if that premise is wrong, then not only the corporate image but the corporations are done for.

There used to be an old phrase in this country, employed when someone talked too much. It was: "Go hire a hall." Under this proposal the sponsor would have hired the hall; he has bought the time; the local station operator, no matter how indifferent, is going to carry the program-he has to. Then it's up to the networks to fill the hall. I am not here talking about editorializing but about straightaway exposition as direct, unadorned and impartial as falliable human beings can make it. Just once in a while let us exalt the importance of ideas and information. Let us dream to the extent of saying that on a given Sunday night the time normally occupied by Ed Sullivan is given over to a clinical survey of the state of American education, and a week or two later the time normally used by Steve Allen is devoted to a thoroughgoing study of American policy in the Middle East. Would the corporate image of their respective sponsors be damaged? Would the stockholders rise up in their wrath and complain? Would anything happen other than that a few million people would have received a little illumination on subjects that may well determine the future of this country, and therefore the future of the corporations? This method would also provide real competition between the networks as to which could outdo the others in the palatable presentation of information. It would provide an outlet for the young men of skill, and there are some even of dedication, who would like to do something other than devise methods of insulating while selling.

There may be other and simpler methods of utilizing these instruments of radio and television in the interests of a free society. But I know of none that could be so easily accomplished inside the framework of the existing commercial system. I don't know how you would measure the success or failure of a given program. And it would be hard to prove the magnitude of the benefit accruing to the corporation which gave up one night of a variety or quiz show in order that the network might marshal its skills to do a thorough-going job on the present status of NATO, or plans for controlling nuclear tests. But I would reckon that the president, and indeed the majority of shareholders of the corporation who sponsored such a venture, would feel just a little bit better about the corporation and the country.

It may be that the present system, with no modifications and no experiments, can survive. Perhaps the money-making machine has some kind of built-in perpetual motion, but I do not think so. To a very considerable extent the media of mass communications in a given country reflect the political, economic and social climate in which they flourish. That is the reason ours differ from the British and French, or the Russian and Chinese. We are currently wealthy, fat, comfortable and complacent. We have currently a built-in allergy to unpleasant or disturbing information. Our mass media reflect this. But unless we get up off our fat surpluses and recognize that television in the main is being used to distract, delude, amuse and insulate us, then television and those who finance it, those who look at it and those who work at it, may see a totally different picture too late.

I do not advocate that we turn television into a 27-inch wailing wall, where longhairs constantly moan about the state of our culture and our defense. But I would just like to see it reflect occasionally the hard, unyielding realities of the world in which we live. I would like to see it done inside the existing framework, and I would like to see the doing of it redound to the credit of those who finance and program it. Measure the results by Nielsen, Trendex or Silex-it doesn't matter. The main thing is to try. The responsibility can be easily placed, in spite of all the mouthings about giving the public what it wants. It rests on big business, and on big television, and it rests at the top. Responsibility is not something that can be assigned or delegated. And it promises its own reward: good business and good television.

Perhaps no one will do anything about it. I have ventured to outline it against a background of criticism that may have been too harsh only because I could think of nothing better. Someone once said--I think it was Max Eastman--that "that publisher serves his advertiser best who best serves his readers." I cannot believe that radio and television, or the corporation that finance the programs, are serving well or truly their viewers or listeners, or themselves.

I began by saying that our history will be what we make it. If we go on as we are, then history will take its revenge, and retribution will not limp in catching up with us.

We are to a large extent an imitative society. If one or two or three corporations would undertake to devote just a small traction of their advertising appropriation along the lines that I have suggested, the procedure would grow by contagion; the economic burden would be bearable, and there might ensue a most exciting adventure--exposure to ideas and the bringing of reality into the homes of the nation.

To those who say people wouldn't look; they wouldn't be interested; they're too complacent, indifferent and insulated, I can only reply: There is, in one reporter's opinion, considerable evidence against that contention. But even if they are right, what have they got to lose? Because if they are right, and this instrument is good for nothing but to entertain, amuse and insulate, then the tube is flickering now and we will soon see that the whole struggle is lost.

This instrument can teach, it can illuminate; yes, and it can even inspire. But it can do so only to the extent that humans are determined to use it to those ends. Otherwise it is merely wires and lights in a box. There is a great and perhaps decisive battle to be fought against ignorance, intolerance and indifference. This weapon of television could be useful.

Stonewall Jackson, who knew something about the use of weapons, is reported to have said, "When war comes, you must draw the sword and throw away the scabbard." The trouble with television is that it is rusting in the scabbard during a battle for survival.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Brasil-Mentira completo (5 partes)

OLAVO DE CARVALHO


Falso amor à justiça: Brasil-Mentira I
http://www.olavodecarvalho.org/semana/090409dc.html

Este é o primeiro de uma série de cinco artigos com o tema Brasil-Mentira.

Nação nenhuma tem o monopólio da imoralidade, mas algumas foram dotadas com uma quota extra que as torna exemplos de escolha numa investigação de filosofia moral. Ao incluir o Brasil entre elas, não tenho em vista as famosas taxas nominais de corrupção, onde, ao contrário, as comparações com outros países têm até um efeito consolador sobre as almas dos nossos compatriotas. Refiro-me a fenômenos de outra ordem, mais difíceis embora não impossíveis de quantificar. Já observei mais de uma vez que a nossa literatura de ficção, escassa em personagens de grandeza excepcional, santos, heróis ou monstros, é rica em figuras de minúsculos farsantes, mentirosos, fingidores compulsivos e semiloucos de vários matizes, que se abrigam numa esfera de irrealidade, fugindo da própria consciência. Com uma ou duas exceções, os personagens do maior e mais significativo dos nossos romancistas são todos assim. Também o são os de Lima Barreto, Raul Pompéia, Marques Rebelo, Annibal M. Machado e tantos outros, sendo até covardia lembrar a figura de Macunaíma, na qual os brasileiros se reconhecem tão facilmente, e cuja veracidade sociológica é atestada por um milhão de piadas populares que mostram os nossos conterrâneos em traços bem parecidos com os dele.

Uma vaga consciência de que há algo de errado com os padrões de moralidade da nossa gente perpassa as conversas familiares, as crônicas de jornal, os espetáculos de cinema e teatro, as novelas de TV, etc., e alimenta algumas discussões de mais alto nível, como aquelas que aparecem em livros de Paulo Prado, Mário Vieira de Melo, J. O. de Meira Penna, Roberto da Matta, Ângelo Monteiro. O que aí se destaca não é a propensão à criminalidade propriamente dita, mas uma tendência quase incoercível a preferir antes o fingimento do que a sinceridade, antes a aparência artificialmente construída do que a realidade conhecida. É como se o brasileiro não acertasse jamais falar com a sua própria voz, sentindo-se antes compelido, por um intenso desejo de aprovação – também ele camuflado –, a imitar o tom das conveniências momentâneas.

Desde os tempos de Lima Barreto, não se atenuou nem um pouco o vício nacional de sacrificar a ambições mesquinhas, se não à busca obsessiva de segurança contra perigos imaginários, os impulsos mais altos do espírito humano, condenando-os, não raro, como tentações pecaminosas, provas de vaidade, cobiça, pedantismo ou desprezo pelos semelhantes. As vocações intelectuais e artísticas são aí especialmente sacrificadas, não só quando se vêem esmagadas pela pressão e pela chacota do ambiente, mas até mesmo quando se realizam, porque o fazem num sentido oportunístico e farsesco, o único possível nessas condições, que as transforma em caricaturas de si mesmas.

Nas últimas décadas, porém, essa deformidade moral crônica foi se acentuando de tal modo que começa a assumir as feições de uma sociopatia alarmante, disseminada sobretudo entre as classes cultas com mais acesso aos meios de difusão. As opiniões dessa gente vão se afastando dia a dia de todo padrão universal de veracidade e moralidade, ao ponto de constituirem já um sistema ético peculiar, válido só no território nacional, fechado e hostil às exigências da consciência humana em geral, inacessível a toda cobrança superior de idoneidade e racionalidade.

O mais característico desse novo sistema é que seus criadores e representantes não têm a mais mínima idéia de quanto suas falas, atitudes e julgamentos são imorais, maliciosos e alheios àquele mínimo de franqueza que uma alma deve ter ao falar consigo mesma para que, quando fala com os outros, se reconheça nela a voz de uma “consciência”, um espírito alerta, uma presença viva. Falar numa linguagem de estereótipos, com um automatismo sufocante, parece que se tornou obrigatório.

O fator que mais contribuiu para isso foi decerto a tomada dos meios de comunicação, do sistema educacional, das instituições de cultura e dos altos postos da política por uma geração marcada pelo sentimento de vitimização, acompanhado, inevitavelmente, da crença na sua bondade intrínseca e na recusa completa, radical, absoluta, de encarar seus supostos inimigos como sujeitos humanos portadores de uma consciência moral, capazes de dar razão de seus atos e merecedores de um confronto justo. O sentimento de impecância essencial, que está hoje disseminado em todas as classes falantes deste país, predispõe a um discurso de acusação indignada que encobre os mais óbvios pecados próprios sob a impressão – artificiosamente reiterada ao ponto de tornar-se uma carapaça invulnerável – de estar sempre discursando em nome de valores sublimes sufocados pelo mundo mau, quando, na verdade, o que torna o mundo mau é acima de tudo o número excessivo de pessoas imbuídas desse mesmo sentimento.

Um dos sintomas mais alarmantes dessa patologia é a fúria justiceira com que as autoridades e seus acólitos, os “formadores de opinião”, investem contra delitos menores, sobretudo de ordem financeira, ao mesmo tempo que toleram, como detalhe irrisório, a taxa anual de 50 mil homicídios que faz do Brasil a nação mais cruel e assassina do mundo. Quando um magistrado exclama que 94 anos de cadeia são punição branda para a sonegação fiscal e delitos correlatos, ao mesmo tempo que assassinos em série, seqüestradores e traficantes de drogas são protegidos pela leniência das leis e ainda celebrados como vítimas da sociedade má, está claro que uma nova classe falante subiu ao primeiro plano da cena pública, intoxicada de uma tal dose de rancor invejoso contra a “burguesia”, que não hesita em conceber traficantes multibilionários como pobres vítimas do capitalismo, fazendo deles aliados na epopéia revolucionária da “justiça social” que pretende implantar.

Inversão retórica e realidade invertida: Brasil-Mentira II
http://www.olavodecarvalho.org/semana/090415dc.html

Enxergar nos criminosos a sombra da sociedade, portanto a projeção ampliada dos males latentes no próprio coração da maioria honesta, é tendência bem antiga da cultura ocidental. Quando François Villon, o poeta-assassino, vislumbra o seu próprio corpo de enforcado balançando no ar, não como testemunho de seus crimes, mas como um apelo à bondade das gerações futuras, sem lembrar-se de dizer uma palavra sequer em favor de suas vítimas, ele inaugura uma das inversões retóricas mais poderosas da modernidade: a relação de caridade estabelece-se agora como um vínculo direto entre a comunidade e o criminoso, fazendo-se abstração das vítimas. Estas não têm direito à caridade, nem do seu algoz, nem do futuro. Passando por cima dos assassinados, a Deusa História absolve os assassinos.

As Confissões de Jean-Jacques Rousseau, um dos livros mais populares de todos os tempos, consolidam a inversão, quando, da revelação de seus defeitos e pecados, o autor, em vez de inferir que não presta, tira a conclusão de que ninguém é melhor que ele. Pais e mães que sacrificaram vida e saúde por seus filhos são rebaixados ante a vaidade do ambicioso carreirista que preferiu remeter os seus cinco a um orfanato, para ter tempo de brilhar nos salões e ser paparicado por todos aqueles que depois ele acusaria de oprimi-lo. Rousseau gaba-se mesmo de ser o melhor homem da Europa, o mais humano, o mais bondoso, o mais sensível, incompreendido pela multidão de filisteus.

A literatura dos séculos XIX e XX esforçou-se tanto para humanizar a imagem do criminoso, que acabou por desumanizar o restante da espécie humana. A partir dos anos 60 do século XX, a superioridade ontológica dos criminosos sobre a sociedade normal havia se consolidado tão profundamente na imaginação das classes falantes, que foi possível fazer, daquilo que nascera como um mito literário, uma estratégia de ação política e o princípio de uma reforma cultural e moral de dimensões universais. A geração de universitários que hoje ocupa todas as posições de poder e influência no Brasil foi inteiramente formada nessa mentalidade, e já não pode distinguir entre uma figura de linguagem e a realidade da vida social. O que essa figura de linguagem expressa não é de todo irreal. Cada delinqüente, por definição, dá expressão física e manifesta às tendências malignas latentes na alma dos seres humanos em geral, inclusive os melhores deles. Nenhuma vítima de homicídio pode proclamar que o desejo de matar está totalmente ausente no seu coração. A diferença entre ela e o assassino não é de natureza, mas de proporção. É por isso que o assassino pode simbolizar o pecado oculto na alma do assassinado. Basta, porém, uma pequena ênfase retórica para que a diferença de proporções desapareça sob uma impressão contundente de que todos são culpados pelo homicídio, exceto o homicida. As figuras de linguagem servem precisamente para realçar certos aspectos da realidade, que o senso de proporcionalidade da experiência comum encobre. Mas quando o poder sugestivo de uma figura de linguagem começa, retroativamente, a encobrir a experiência comum, ela deixa de ser uma figura de linguagem, passa a ser uma afirmação literal, uma fé e até um dogma. Já não é nem mesmo uma ideologia política. É um valor pessoal, uma crença espontânea: não é que o sujeito “ache” que os criminosos são superiores, ele age como se eles o fossem, porque jamais lhe ocorreu que pudessem ser outra coisa. A ideologia, aí, incorporou-se à psique e já não é reconhecida como tal: é um sentimento pessoal e mesmo um reflexo incoercível. Quando na era Brizola as damas da sociedade começaram a achar lindo namorar com traficantes do morro, já não se podia dizer que faziam isso por ideologia: a ideologia se transformara em compulsão emotiva. Foi isso o que aconteceu na linguagem das classes falantes do Brasil nos últimos quarenta anos. Elas já não acreditam somente que o assassino “pode”, imaginariamente, refletir o mal latente no coração do inocente, mas enxergam realmente, literalmente, os inocentes como culpados. Fazer justiça, no seu entender, é libertar da prisão todos os assassinos, estupradores, seqüestradores e narcotraficantes, colocando em seu lugar aqueles que até ontem personificavam a sociedade “normal”. A busca de pretextos para justificar essa inversão consolida, por sua vez, uma lógica jurídica invertida. Ao mais mínimo sinal de que um cidadão conceituado não tenha uma conduta irrepreensível, santa, impecável, isto surge aos olhos desse novo modelo de justiceiro como a prova cabal de que tinha razão: os bons, se não são perfeitos, são maus; os maus, sendo um reflexo da maldade deles, são bons no fundo. Daí a inversão da pena: para os crimes de morte, mesmo em série, mesmo cometidos por motivos torpes, brandura e leniência. Para os delitos financeiros e administrativos das pessoas famosas, vingança implacável – exceto, é claro, se essas pessoas famosas forem por sua vez adeptas da nova justiça: aí seus crimes se tornam sacrifícios meritórios pelo bem da sociedade futura.

Até um certo ponto, a inversão retórica é tolerável. Ela serve como um atenuante relativista da confiança que toda sociedade tem na sua própria bondade. Quando, porém, o atenuante da norma se transforma ele próprio em norma, é evidente que todo o senso das proporções se perdeu por completo, sendo substituído pela proclamação despótica da inocência dos culpados e da culpabilidade de todos os demais (exceto, naturalmente, o próprio autor da inversão e seus similares). Que isso se faça em nome da “justiça” é claramente uma ironia macabra, de vez que a justiça humana, não podendo jamais alcançar a perfeição absoluta do seu modelo divino (real ou imaginário), consiste precisamente, e exclusivamente, no senso das proporções. Suum cuique tribuere, “atribuir a cada um o que lhe cabe”, é a definição mesma da justiça. Daí deriva o princípio essencial do Direito moderno, que é a proporcionalidade dos delitos e das penas. Um código penal – qualquer código penal – não é outra coisa se não um sistema de proporcionalidades. Quando esta noção desaparece do horizonte de consciência não só dos fazedores de justiça, mas também daqueles que lhes dão suporte cultural na mídia e no sistema educacional, toda possibilidade de discussão racional da gravidade relativa dos crimes, e portanto das penas que lhes competem, está eliminada do panorama social. Em lugar dela, entra a vontade arbitrária dos novos agentes, inteiramente fundada no ódio e na inveja, disposta a aplicar, conforme suas conveniências grupais, a uns os rigores de um purismo inflexível, a outros os mais confortáveis atenuantes do relativismo cultural.

A proibição de comparar: Brasil-Mentira III
http://www.olavodecarvalho.org/semana/090417dc.html

Exemplos recentes da radical abolição do senso das proporções nas discussões públicas neste país, e da sua substituição por proclamações absolutistas rancorosas e pueris até à demência, aparecem em dois artigos do Observatório da Imprensa, publicação que, sublinhando o grotesco da situação, se autodefine não como um agente entre outros no jornalismo brasileiro, mas como um tribunal para o julgamento da idoneidade dos demais agentes.

Discutindo a celeuma causada pelo uso do termo “ditabranda” na Folha de S. Paulo para qualificar o regime militar brasileiro, o Sr. Alberto Dines, fundador, diretor, e guru máximo do Observatório, proclama:

O debate sobre a ‘ditabranda’ estava errado desde o início porque fixou-se numa classificação de ditaduras, quando o certo seria discutir a inflexibilidade do processo democrático. Há um certo momento pareceu que as partes estavam querendo inventar um medidor de ditaduras, ou ditadurômetro, por meio do qual as diferentes relativizações, devidamente equacionadas, estabeleceriam um kafkiano ranking de autoritarismo, do suportável ao insuportável... A ‘Guerra Suja’ argentina matou 30 mil, a nossa matou 300 ou 3 mil. A quantificação é desumana, armadilha brutalizante...

Vamos por partes. O Sr. Dines afirma que toda comparação de autoritarismos é indecente. Só vale a democracia absoluta. “O pacifismo é incondicional ou é hipócrita. A democracia é integral ou é uma farsa.” Não vou apelar ao expediente, até covarde nas presentes circunstâncias, de mostrar que nenhuma democracia no mundo jamais foi integral. Os meros fatos não alcançam as alturas do rigorismo platônico exigido pelo Sr. Dines. Em compensação, conceitos puros são o domínio da lógica e não podem furtar-se ao dever de definir-se a si mesmos. Ora, a “democracia integral” é indefinível, porque é autocontraditória.

Todo principiante no estudo da teoria política tem de saber, desde logo, que a democracia não é uma substância, uma coisa, mas uma qualidade que se tenta impor a uma substância preexistente, isto é, à sociedade tal como estava antes do advento da democracia. Tem de saber também, em conseqüência, que a democracia não é uma quantidade fixa, mas uma proporção – e que, por isso mesmo, não pode ser “integral”. A democracia constitui-se essencialmente de uma limitação mútua entre os poderes, o que subentende que esses poderes existam e que cada um deles não seja integralmente capaz de limitar-se a si mesmo. Todos os teóricos da democracia, mesmo os mais entusiastas, sempre ressaltaram que ela é um estado de equilíbrio instável, incapaz de fixar-se na perfeição do equilíbrio puro subentendido na palavra “integral”. A democracia não é um princípio universal, mas um arranjo pragmático. Princípios universais podem ser aplicados ad infinitum sem levar jamais a contradições. Por exemplo, o próprio suum cuique tribuere, ou a noção de que a responsabilidade de um ato incumbe a quem o cometeu e não a outra pessoa. Você pode aplicar indefinidamente esses princípios a todos os casos possíveis e imagináveis, nunca eles levarão a situações paradoxais e sem saída.

Bem diferentes são os arranjos pragmáticos, cuja aplicação é limitada por definição e que, estendidos para além do seu campo próprio de aplicação, se autodestroem ou se convertem nos seus contrários. A democracia é um dos exemplos mais óbvios dessa distinção, e isso é mesmo uma das primeiras coisas que o estudante de teoria política tem de aprender. Em toda democracia há, por definição, uma infinidade de abusos antidemocráticos. Suprimi-los por completo, como subentendido na noção de “democracia integral”, exigiria a instalação do controle social perfeito, portanto a eliminação da própria democracia. A democracia reside precisamente na busca permanente da compensação mútua entre fatores que, em si, não são democráticos. Isso quer dizer que enormes coeficientes de autoritarismo subsistem necessariamente dentro de qualquer democracia e que sem eles o próprio conceito de democracia não faria sentido. A “democracia integral” coincidiria em gênero, número e grau com a ditadura.

Em segundo lugar, democracias não existem no ar, mas em unidades políticas soberanas que coexistem com outras unidades políticas soberanas. Um regime de um país só pode ser democrático para dentro. Não pode conceder aos cidadãos e governos de outros países os mesmos direitos e garantias que dá aos nacionais. Isso implicaria a sua dissolução imediata. Uma “democracia integral” pressuporia a inexistência de fronteiras, mas parece difícil explicar isso a uma mente como a do Sr. Dines. Tratados internacionais podem, por sua vez, retroagir sobre as leis internas, diminuindo o coeficiente de direitos desfrutados pelo cidadão da democracia. Por outro lado, o governo mundial, necessário à implantação da “democracia integral”, seria também contraditório com a noção de democracia, por ser inatingível à fiscalização direta de todos os eleitorados locais – a não ser na hipótese de uma humanidade ilimitadamente poliglótica. Uma expressão como “democracia integral” só pode ser usada por um leviano opinador que não examinou o problema por um só minuto e que se limita a manifestar desejos arbitrários como uma criancinha que esbraveja e chora quando contrariada.

A existência mesma de um poder legislativo, que é um componente essencial da democracia, prova que ela não pode ser integral. Se você tem de estar continuamente produzindo novas leis, é porque as anteriores não produziram a “democracia integral”. Se a produzirem, a subseqüente supressão do legislativo a transformaria ipso facto em ditadura. Basta isso para mostrar como as idéias de pureza e democracia são radicalmente incompatíveis, não apenas no baixo mundo dos fatos, mas na própria esfera dos conceitos absolutos. Como é possível que um sujeito que ignora uma coisa tão elementar da teoria política tenha os meios de sair por aí dando lições de democracia?

Umas ditaduras são mais iguais que as outras: Brasil-Mentira IV
http://www.olavodecarvalho.org/semana/090427dc.html

O Sr. Dines não é burro, pessoalmente. Já provou isso em escritos excelentes. Ele encontra-se emburrecido e cego pelo apoio dos seus pares, que, quando o que ele diz coincide com os desejos deles, tratam de aceitá-lo imediatamente, reprimindo em si próprios e nos outros a mais elementar exigência analítica. Confirmado retroativamente pelo apoio deles, o Sr. Dines está autorizado a jamais perceber a enormidade do que disse. Ser “formador de opinião”, no Brasil de hoje, é isso. É expressar amores e repulsas com a irracionalidade de um cão que late, reforçado pelos ecos inumeráveis de uma orquestra canina.

A idéia de que não haja comparação possível entre autoritarismos iguala, na base, os campos para prisioneiros japoneses nos Estados Unidos durante a II Guerra e os campos de concentração nazistas. Iguala as medidas defensivas, tomadas por uma nação em perigo, à construção da máquina totalitária que cresce justamente na medida em que as oposições desaparecem e em que se torna necessário inventar mais e mais oposições imaginárias para justificá-la. O Brasil teve, ao longo de vinte anos, aproximadamente dois mil prisioneiros políticos, nenhum deles totalmente isento de ligações diretas ou indiretas com a guerrilha e com a ditadura cubana. Cuba, com uma população doze vezes menor, chegou a ter cem mil ao mesmo tempo – a quase totalidade sem processo legal, e levada ao cárcere por crimes hediondos como fazer uma piada, recusar-se a usar um crachá patriótico ou, nos casos mais graves, possuir uma casa. Se não há nenhuma diferença entre uma coisa e outra, também não há diferença entre matar seis milhões de judeus e dar um discreto pontapé no traseiro do sr. Alberto Dines, ou entre jogar milhões de padres no Gulag, por serem padres, e, como se fez na Grã-Bretanha durante a II Guerra, prender sem processo uns quantos colaboradores do inimigo. Abolir as diferenças equivale a neutralizar o próprio conceito de democracia, que só é democracia, precisamente por basear-se no senso das proporções, que essa abolição impugna.

A prova de que proibir toda gradação entre autoritarismos é inviável na teoria e na prática nos é dada pelo próprio Sr. Dines quando, ao referir-se a Fulgêncio Batista, o rotula de “tirano” e, no mesmo parágrafo, falando de Cuba, atenua a linguagem dizendo apenas que “está longe de ser uma democracia”, como se Cuba não tivesse feito outra coisa ao longo destes últimos quarenta anos senão esforçar-se para ser uma democracia. Se isso não é uma gradação, eu sou o Alberto Dines em pessoa.

Graduando mais ainda, ele faz questão de frisar que, se Cuba “ainda” (depois de breves quatro décadas) não se transformou em democracia, isso ocorreu ‘a despeito das magníficas intenções dos rebeldes”. Ora, os militares brasileiros, em 1964, derrubaram o governo que acobertava uma guerrilha financiada por Cuba, e prometeram em lugar dele, o quê? Uma democracia, ora bolas! Uma democracia com eleições plenas em seis meses. Não seriam, essas também, “magníficas intenções”, embora falhadas? Falar em “magníficas intenções”, neste caso, não seria ainda mais legítimo do que no tocante aos guerrilheiros cubanos que instantaneamente implantaram um regime de terror da ilha e não cederam um milímetro até hoje, enquanto os nossos militares acabaram se afastando do poder por obediência à pressão popular? Em vão o Sr. Dines afirma que todas as ditaduras são iguais, pouco importando as intenções. O que ele acaba dizendo, no fim das contas, é que todas são iguais, mas algumas são mais iguais que as outras. Ele jura “abominar as gradações”, mas ele próprio gradua, só que em sentido inverso: odeia o mal menor e ama decididamente o pior dos piores.

Na edição subseqüente do seu Observatório, ele mesmo deu a maior prova disso, ao falar da rebelião chefiada em 1936 por Francisco Franco contra a república pró-comunista espanhola. Ele rotula as forças rebeldes como “ditatoriais” e “fascistas” e o outro lado como “forças legalistas”. Tentando camuflar a escolha, ele apela ao seu usual artifício de fingir equanimidade, nivelando “as violências contra sacerdotes e freiras” e “a participação do clero na repressão fascista”, como se fossem ambas episódios da guerra civil, quando de fato as primeiras antecederam a guerra e foram a causa direta da rebelião franquista. Matanças em tempo de guerra podem ser debitadas na conta da violência geral, mas matanças em tempo de paz, promovidas por forças governistas contra a própria população local, caracterizam não somente uma ditadura, mas uma ditadura totalitária e genocida. É absolutamente imoral chamar de “legalista” ou “democrático” um regime que promoveu a matança sistemática de padres e freiras simplesmente por serem padres e freiras e que incendiou centenas de igrejas católicas nos territórios sob o seu domínio, fechando todas as restantes e tornando virtualmente ilegal a religião majoritária do país. A república espanhola foi obviamente uma ditadura, e entre ela e a ditadura franquista que a sucedeu Alberto Dines, desmentindo seu fingido horror a comparações dessa ordem, não hesita em estabelecer uma gradação de preferências, com o agravante de que, nessa gradação, não se limita a cotejar a extensão de dois males, mas eleva um deles ao estatuto de um bem, ao afirmar que os “libertários do mundo inteiro” – assim ele qualifica os membros das Brigadas Internacionais – lutavam pelos “conceitos de República, democracia e solidariedade”. Ora, as Brigadas Internacionais foram à Espanha obedecendo a uma convocação de Stálin, e, se delas participou a inevitável quota de idiotas úteis que não sabiam estar servindo à ditadura soviética – os depoimentos de John dos Passos e de George Orwell a respeito são bastante significativos –, o fato é que as Brigadas foram sempre um instrumento a serviço do comunismo, e não da liberdade. Chamar comunistas de “libertários” é mais do que mera impropriedade vocabular, é trapaça pura e simples, de vez que o segundo termo designa um movimento político existente, notoriamente hostil ao comunismo e atuante na política até hoje, inclusive no Brasil.

Para piorar as coisas, Dines nivela dois fenômenos radicalmente diferentes: a participação soviética ao lado dos republicanos e a ajuda nazifascista às tropas de Franco. É notório que o general rebelde obteve ajuda técnica e militar da Itália e da Alemanha, mas sem nada ceder a esses incômodos fornecedores (os únicos de que dispunha), defendendo a soberania do seu país com obstinada teimosia, timbrando em manter a neutralidade espanhola durante a II Guerra contra todas as pressões de Hitler e Mussolini e ainda concedendo abrigo a judeus foragidos, no mínimo como agradecimento à comunidade judaica de Valencia que ajudara a financiar sua rebelião. Em contrapartida, o governo dito “republicano” colocou-se sob as ordens de Stalin da maneira mais servil, chegando a ser controlado diretamente pelos russos nas etapas finais da guerra e a transferir para Moscou, sob a grotesca desculpa de “segurança”, todas as reservas estatais de ouro espanhol, um óbvio crime de alta traição que os russos festejaram com risos de escárnio, sabendo que os espanhóis jamais veriam aquele tesouro de volta, como de fato não viram.

Inventando certezas: Brasil-Mentira V
http://www.olavodecarvalho.org/semana/090430dc.html

No mesmo Observatório, Luciano Martins Costa pontifica: “Ditaduras são ditaduras... Fazer a conta da ditadura pelo número de mortos nas masmorras oficiais é vilipendiar a história. É coisa de alienados.” Contestando as comparações usuais que contrastam as trezentas e poucas vítimas da polícia política brasileira com as cem mil da ditadura cubana, o Sr. Costa lança à conta do nosso regime militar dois delitos extras que, segundo ele, deveriam entrar no cálculo. De um lado, “a corrupção que se consolidou durante os vinte e poucos anos da ditadura militar”. De outro, “a violência policial não diretamente política” porque, diz ele, “a polícia brasileira, em todos os estados, foi transformada durante a ditadura militar num perverso e incontrolável instrumento de controle social, que foi treinado para ‘identificar’ e punir preventivamente os supostos objetores do regime e acabou produzindo uma lógica toda especial segundo a qual todo jovem de pele relativamente escura é um inimigo potencial da ordem pública”.

Textos como esse ou os dois de Alberto Dines já citados são até difíceis de analisar, tal a mixórdia psicótica de erros, confusões e impropriedades lógicas que neles se compacta. Normalmente serviriam apenas de amostras de como o fanatismo enlouquece. O significativo é que nenhum de seus autores é conhecido publicamente como um fanático. Ambos passam como profissionais equilibrados, idôneos, capacitados a julgar a qualidade do jornalismo alheio. E é justamente isso a prova de que não se trata de distúrbios pessoais, mas de um mal endêmico nas classes falantes do Brasil: a absoluta incapacidade ou recusa de julgar as coisas com um mínimo de equanimidade, o radicalismo cego de um parti pris que ao inflamar-se masturbatoriamente e apelar aos subterfúgios mais unilaterais e artificiosos, acredita piamente, tranquilamente, fazer justiça.

O Sr. Costa, indignado de que a truculência das ditaduras só se calcule pela violência política direta, pergunta: “Quem estabeleceu os critérios desse ranking? O departamento de infográficos da Folha?” Ele não pergunta se quem estabeleceu a diferença entre a proporção de negros e mulatos mortos antes e durante a ditadura foi o seu próprio departamento de infográficos mentais. Nenhuma pesquisa histórica ou estatística prova que antes de 1964 a polícia, composta ela própria de maciços contingentes de negros e mulatos, fosse mais bondosa para com os chamados afrodescendentes. Louco de ódio, ele inventa sem a mais mínima prova um racismo crescente, e julga baseado nisso.

Quanto à alegada corrupção da ditadura, é falso, em primeiro lugar, que ela não fosse denunciada na época. Na mesma medida em que reprimiam certo tipo de notícias políticas, os militares aceitavam e apreciavam denúncias de corrupção, que os ajudavam, segundo eles, a manter sob controle uma classe política viciada. Eu mesmo trabalhava num dos jornais mais visados pela censura – o Jornal da Tarde – e posso garantir que, se várias matérias minhas viraram receitas de bolo, o mesmo não aconteceu com nenhuma acusação feita a políticos corruptos. Que os próprios militares no alto comando da nação fossem ladrões, é algo de que o Sr. Costa não cita nem poderia citar um único exemplo, visto que nenhum desses homens, na presidência ou em ministérios, prosperou tanto quanto o Sr. Lula ou o Sr. José Dirceu, nem muito menos – para dar um exemplo característico do regime deposto em 1964 – tanto quanto o Sr. Tião Maia, o amigo do presidente Goulart, que saiu do Brasil com dinheiro suficiente para comprar a vigésima parte do território australiano e, interrogado sobre como conseguiu isso, respondeu singelamente: “O Banco do Brasil foi uma mãe para mim”.

Houve sim, casos de corrupção no governo militar. Nenhum deles maior que o das “polonetas”, o empréstimo ilícito feito ao governo comunista da Polônia pelos esquerdistas que então infestavam o Ministério de Relações Exteriores de Geisel, contra os quais nem o Sr. Costa nem qualquer de seus congêneres diz a mais mínima palavra. E, entre os feitos de violência do regime, nenhum se compara à ajuda fornecida pelo mesmo governo Geisel para a ditadura cubana invadir Angola e aí matar, em poucos meses, pelo menos quinze mil pessoas. Também disso o Sr. Costa não diz nada.

Não há sinal de que, na ditadura Vargas, a violência social da polícia fosse menor do que se tornou depois ou de que fosse menos racialmente orientada. Simplesmente não é possível estudar o fator racial na conduta da polícia sem estudá-lo simultaneamente no próprio fenômeno da criminalidade. Até hoje ninguém provou que o número de “afrodescendentes” oprimidos ou assassinados pela polícia seja maior, proporcionalmente, do que o número deles no contingente de criminosos ou, mais ainda, na própria composição racial das tropas policiais. Sem essa prova, falar em racismo policial é calúnia pura e simples. Abolir metade do fenômeno para usar a outra metade como prova de racismo e, sem o mais mínimo fundamento comparativo, proclamar que esse racismo aumentou durante a ditadura militar (como se a própria noção de “aumentar” não fosse comparativa) é simplesmente expelir ódio por meio de mentiras.

Mas o Sr. Costa, repito, não tem fama de fanático odiento. Se tivesse, estaria tudo normal. Ninguém diz que o Sr. Costa é um agitador de extrema-esquerda. Ao contrário, a linguagem dos agitadores de extrema-esquerda tornou-se normativa, obrigatória e mainstream na mídia brasileira e nas classes falantes em geral – de tal modo que basta você resmungar um pouquinho contra ela e você é que é instantaneamente apontado como um perigoso extremista de direita, sem precisar para isso ter advogado jamais qualquer medida extrema contra quem quer que fosse.

Mais ainda, o Sr. Costa, na mesma medida em que abomina comparações e as faz no mesmo instante, ressaltando unilateralmente o horror da ditadura brasileira para fazê-la parecer ainda pior do que a argentina ou a cubana, nos sonega, novamente, um dos termos da comparação. Quantos entre os prisioneiros políticos de Cuba eram e são negros e mulatos? Quantos no Brasil? Quantos o eram entre os 17 mil fuzilados do regime cubano? Quantos entre os trezentos terroristas mortos pela nossa ditadura? Condenar comparações e em seguida fazê-las da maneira mais parcial, sectária e deformada é coisa de uma vigarice tão flagrante que em outras épocas qualquer esquerdista normal se recusaria a uma trapaça desse calibre. Mas o Sr. Costa não é um esquerdista normal. Ele é um esquerdista do ano 2009 no Brasil. E isso é muito diferente de sê-lo em qualquer outra parte do mundo e em qualquer outra época. No mínimo, essa condição basta para apagar, na mente do sujeito, esta obviedade gritante: se não é lícito dizer que uma ditadura foi pior que outra, também não pode sê-lo dizer que ela foi pior que ela mesma.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".