Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 3 de janeiro de 2009

O negócio é ler o Pravda

Por e-mail (sic)


Para ler a íntegra da matéria do Pravda, clique aqui

http://edu.guim.blog.uol.com.br/index.html

Voltaire, Vol et taire

TRADUÇÕES GRATUITAS
DOMINGO, NOVEMBRO 25, 2007

“O plágio, a cópia”
In: Pequena Fábrica de Literatura


O plágio é a reprodução pura e simples de um texto ou um fragmento de texto. Plagiar, diz o dicionário Robert, é copiar de um autor, atribuindo a si indevidamente as passagens da obra.


François Maynard (1582-1646)


Os humores teus são governo de estado;
Teu capricho faz calma e tempestade
E tu ris quando vês-me confinado
Em minha vila, longe da majestade.


Cléomedom, tudo sai-me a contento:
É tão belo o deserto em sua guarita,
Reconheço e me rendo a este tempo,
Fujo ao mundo e me torno eremita.


Sou feliz de enrugar sem ter prestia,
De me esconder, viver qual se queria,
Fazer troça do medo e da esperança.


Caso o Céu, que tão bem me recebeu,
Se apiede, de tu e desta França,
O teu gozo seria igual ao meu.


Voltaire (1694-1778)


É teu humor governo de estado;
Tua vontade faz calma e tempestade;
Mas tu ris quando vês-me confinado
Em minha vila, longe da majestade.
Que mal há, enrugar sem ter prestia
Não ter zelos, viver qual se queria?
Ah! Se o Céu, que tão bem me recebeu,
Se apieda, de tu e desta França,
O teu gozo seria igual ao meu.


Vejamos como Voltaire se justificava do procedimento, nas suasCartas Filosóficas:


“Quase tudo é imitação. O Boiardo imitou o Pulci, e o Ariosto o Boiardo. Os espíritos mais originais emprestam um dos outros. Metastásio compôs a maioria de suas óperas a partir das tragédias francesas. Diversos autores ingleses nos copiaram e calaram isso. Livros são como o fogo das lareiras: toma-se o fogo no vizinho e acende-se em casa, passa-se adiante e ei-lo pertencente a todos.”


Cavaleiro do Templo: em uma palavra? CANALHA!!!!

Intelligence and Terrorism Information Center - ISRAEL



Intelligence and Terrorism Information Center
Intelligence and Terrorism Information Center 
at the Israel Intelligence Heritage & Commemoration Center (IICC)
December 28, 2008
 
 
Operation Cast Lead – Update No. 1 1
 

Photo: Yehuda Peretz, courtesy of The Israel Project, December 27 The Israeli Air Force attacks in Gaza City

The Israeli Air Force attacks near the border security fence (Photo: Yehuda Peretz, courtesy of The Israel Project, December 27).

 

The Israeli Air Force attacks in Gaza City (Al-Jazeera TV, December 28, 2008).

Edi Israel for the Israeli Foreign Ministry, December 27
Rocket fired from within a densely populated area, Gaza City 
(Edi Israel for the Israeli Foreign Ministry, December 27).


Overview


1. At 11:30 on December 27 Israeli Air Force planes struck a number of targets of Hamas and the other Palestinian terrorist organizations in an operation dubbed “Cast Lead.” The attack came in response to a long period of rocket and mortar shell fire targeting populated areas in the western Negev , causing casualties and property damage, and seriously disrupting the daily lives of the residents. Hamas and the other organizations responded to the Israeli attack with rocket and mortar shell fire into Israel . The IAF strikes and the terrorist organization attacks continued into December 28 and 29.


Objectives


2. The objective of Operation Cast Lead is to protect the quarter of a million Israelis living in the western Negev from the continual rocket and mortar shell fire and other terrorist attacks carried out by Hamas and the other Palestinian terrorist organizations operating in the Gaza Strip. The operation intends to strike a severe blow to the terrorist networks of the various organizations and make it difficult for them to carry out rocket and mortar shells attacks, abductions and other types of lethal attacks originating in the Gaza Strip.


3. Israeli Prime Minister Ehud Olmert said that the action was intended primarily to improve the security of the residents of southern Israel , although it was liable to take time and patience would be required to complete the mission (announcement by the prime minister to foreign and local correspondents, December 27). On December 27 Defense Minister Ehud Barak said that Israel would strike a strong blow against Hamas to make fundamental changes in the security situation and ensure that no more rockets were fired from the Gaza Strip and that no other attacks were carried out. He said it would not be easy and the operation would not be short, but as deep and broad as required (Haaretz, December 28).


Background


4. Since 2001 the residents of the western Negev have lived under the threat of rocket fire, which gradually became one of the central means of attack employed by the Palestinian terrorist organizations. Since 2001,3984 rockets and 3,943 mortar shells have been launched at Israel , 2 seriously disrupting the daily lives of hundreds of thousands of western Negev residents, and causing personal injury and property damage. 3


5. The Egyptian-brokered lull arrangement which went into effect on June 19, 2008 , was supposed to bring quiet to the residents of the western Negev and the Gaza Strip. However, in reality, using a variety of excuses, from its inception the terrorist organizations violated the arrangement . During the six months of the lull, the terrorist organizations fired 223 rockets and 139 mortar shells , most of them during the six weeks between November 4 and December 19. 4


6. In addition, Hamas and the other terrorist organizations exploited the lull to build up their military capabilities, including smuggling vast amounts of weapons into the Gaza Strip through tunnels dug under the border with Egypt (including rockets with a range long enough to reach the outskirts of the city of Beersheba). They ramped up their military training, prepared an extensive underground network of tunnels and developed weapons of their own (See the Appendix for a list of Intelligence and Terrorism Information Center Bulletins dealing, among other things, with the terrorist organizations' military buildup).


7. The lull arrangement, which was continually subjected to gross violations, finally expired on December 19, when Hamas and the other terrorist organizations formally announced it had ended. Once it was over, the terrorist organizations began attacking Israel with rocket and mortar shell fire. The attacks peaked on December 24, when at least 60 rockets and mortar shells were fired, most of them by Hamas, at the cities of Ashqelon , Netivot and Sderot, and at the populated areas close to the Gaza Strip. Hamas spokesmen also threatened to widen the range of the missile fire and to initiate suicide bombing attacks in an attempt to limit Israel 's freedom of action and ability to respond, and to force it to open the Gaza Strip crossings even as rocket and mortar shell fire continued.


8. To realize its terrorist policy, Hamas repeatedly demonstrated it was ready to sacrifice the basic interests of the Gaza Strip Palestinians . That was manifested on December 24, when the Kerem Shalom and Erez crossings were shelled, the former vital for delivering supplies from Israel into the Gaza Strip and the latter for the passage into Israel of Palestinians with humanitarian needs. In recent years the crossings, which are lifelines for the Gazans, have been attacked, contributing to the difficulties in managing them and leading to the shortages and hardships in the Gaza Strip.


The Israeli Air Force Attack on the First Day of Operation Cast Lead


9. At around 11:30 on December 27, the Israeli Air Force attacked many targets of Hamas and the other terrorist organizations operating in the Gaza Strip. The targets had been marked by intelligence collected during the months preceding the attack. Fighter planes and attack helicopters carried out approximately 180 sorties, targeting Hamas headquarters, command posts, training camps and weapons stores. During the day launching squads on their way to fire rockets and mortar shells were also attacked, as were rocket launching sites (IDF Spokesman, December 27). According to the Palestinian media, on December 27, 250Palestinians were killed and more than 750 injured . Information about some of the targets follows:


Headquarters and Bases


10. On December 27 headquarters, bases, training camps and weapons stores belonging to Hamas's military-terrorist wing and its security services were attacked:


i) Izz al-Din al-Qassam Brigades and Executive Force headquarters in the northern Gaza Strip : Hamas commandeered the compound after it took control of the Gaza Strip in June 2007. It served to store weapons and equipment, as well as housing Russian BRDM armored patrol cars (confiscated from the Palestinian security services operating in the Gaza Strip before the Hamas takeover). Hamas used two of the vehicles in the attack on the Kerem Shalom crossing on April 19, 2008, during which seven IDF soldiers were wounded. The headquarters also served as Hamas's main interrogation facility and a holding place for Fatah prisoners. In addition, it was a base from which terrorist attacks were dispatched (IDF Spokesman, December 27).

Izz al-Din al-Qassam Brigades and Executive Force headquarters in the northern Gaza Strip


ii) Headquarters and weapons store of the Izz al-Din al-Qassam Brigades at Tel Zaatar, in the Jabaliya area : Hamas took control of the compound during internal confrontations, and used it for military training (IDF Spokesman, December 27).

Headquarters and weapons store of the Izz al-Din al-Qassam Brigades at Tel Zaatar, in the Jabaliya area


iii) Hamas's Al-Islam post in the northern Gaza Strip : In the past it served the Palestinian Preventive Intelligence. Hamas commandeered the building when it took over the Gaza Strip, and it serves as a base for the Executive Force (which was integrated into the police). It also served as a post for senior members of Hamas shore patrol and a facility for detaining and interrogating Fatah activists and individuals suspected of collaborating with Israel (IDF Spokesman, December 27).

Hamas's Al-Islam post in the northern Gaza Strip


iv) Hamas's main headquarters compound in Gaza City : In the past it was Yasser Arafat's office in Gaza , and is currently Hamas's Gaza City headquarters. The office of Ismail Haniya, head of the Hamas administration, is located in the compound. The headquarters also served as a point for Executive Force patrols to gather before they went out into the city. In addition, there were police cars and armored patrol cars confiscated by Hamas when it took over the Gaza Strip.

Hamas's main headquarters compound in Gaza City


v) Hamas post and training camp in the central Gaza Strip : The building was used to store weapons (IDF Spokesman, December 27).

Hamas post and training camp in the central Gaza Strip


vi) Hamas training camp : The camp also served as a central post for Hamas's auxiliary force in the southern Gaza Strip, and included a prison facility and weapons store (IDF Spokesman, December 27).

Hamas training camp 


vii) Headquarters and weapons store belonging to the Izz al-Din al-Qassam Brigades and the Special Force : In the past it was called the “ Palestinian Prisoner Tower ” at Tel al-Hawa, south of Gaza City , and was used as living quarters for Fatah prisoners who had been released. After Hamas took over the Gaza Strip it served as headquarters for its security services, housing a weapons store and offices. No ordinary civilians currently live there. During fighting snipers were positioned in the building and rocket launchers were located on the roof (IDF Spokesman's website, December 27).

Headquarters and weapons store belonging to the Izz al-Din al-Qassam Brigades and the Special Force


Rocket Launching Sites and Squads 


11. On December 27 a number of squads on their way to launch rockets were attacked. An underground rocket launching site located in a residential area was also hit.

Rocket Launching Sites and Squads 

Left: Underground pit from which rockets were launched, located near residential buildings. 
Right: The attack exploded a rocket in the pit (Photos: Israeli Air Force, December 27).


Weapons Manufacturing Facilities


12. The Israeli Air Force attacked facilities used for the manufacture and storage of weapons , including lathes for producing rockets. The Palestinian media reported that a lathe belonging to the Barke family in Khan Yunis and two others, one in Gaza City and one in Rafah, were attacked on the night of December 27.


Communications


13. Hamas's Al-Aqsa TV : Before dawn on December 28, Al-Aqsa TV station was attacked, Hamas's main propaganda tool . According to reports in the Palestinian media, no one was injured and only the building suffered damage. Broadcasting stopped for a short time and was later resumed. The station's CEO appeared in a broadcast to say that the station had moved to another location (Al-Aqsa TV, December 28). Al-Aqsa TV broadcasts propaganda and incitement against Israel and is often used by the terrorist organizations to claim responsibility for attacks against Israel .


Palestinian Casualties


14. According to the Palestinian media, on December 27 more than 250 Palestinians were killed in IAF air strikes and more than 750 were wounded . Most of those killed belonged to Hamas, its internal security services and to other terrorist organizations. A number of senior figures were also killed:


i) Tawfiq Jabber , chief of the Hamas police in Gaza City . In the past a trusted colleague of Arafat, during the past two years he was often attacked by Fatah for making it possible to suppress Fatah activists in the Gaza Strip.

i) Tawfiq Jabber 
Tawfiq Jabber (December 27, PALDF)


ii) Ismail al-Ja'abari , responsibility for Hamas's security and police defense services in Gaza . His role consisted mainly of providing protection for senior Hamas figures. He held the rank of Lieutenant Colonel and was appointed to his post by his brother, Ahmed al-Ja'abari, commander of the Izz al-Din al-Qassam Brigades in Gaza , in June 2007 (Hamas's PALDF Forum, Al-Zeituna and Al-Jazeera TV forum website, December 28).

Ismail al-Ja'abari
Ismail al-Ja'abari (Al-Jazeera TV forum website, December 28).


iii) Ten Popular Resistance Committees operatives, among them Muhammad al- Adgham,commander of the artillery unit . On December 28 the PRC website reported that he died in the Sheikh Radwan neighborhood of Gaza City .


iv) Police officers' course cadets.


v) Ahmed ‘Ashur , governor of the Central Gazan District.


15. Most of the casualties either wore Hamas uniforms and carried its weapons or worked for it. According to Palestinian media reports, a small number of civilian were also injured because Hamas headquarters and bases were located in populated areas. UNRWA's commissioner general for the Palestinian Authority, Karen Abu Ziyyad, announced the death of one of the organization's employees, who was in a police station in Gaza at the time. She made it clear that the organization was no connection between UNRWA and Hamas. When asked by CNN on December 27 why the civilian population had been harmed, she said that many civilians had been killed because of the density of the population and the fact that civilian buildings were close to strategic targets .


Massive Rocket Fire into Israel


16. Hamas responded to the IDF attack with intensive rocket fire , most of it long-range, and mortar shells. On December 27, 61 rocket hits were identified in Israeli territory and 33 mortar shells were fired 5Dozens of rockets hit the cities of Sderot, Ashqelon and Netivot, as well as villages near them. One Israeli civilian was killed, 11 were wounded and 11 went into shock :


i) Netivot : Bebert Vaknin, 58, was killed when his house suffered a direct rocket hit. Four civilians were wounded, two critically and two seriously.


ii) The village of Mivtahim in the southern Gaza strip : Two rockets hit the village of Mivtahim in the northern Gaza Strip, one of them directly striking the synagogue. One civilian was seriously injured, and an 80-year old man was slightly wounded.


17. Hamas claimed responsibility for most of the rocket fire and threatened to continue it.


The Gaza Strip Crossings into Israel and Egypt


18. Despite the massive attacks against Israel before and during Operation Cast Lead, the Israel government authorized the delivery of humanitarian aid to the Gaza Strip on the eve of the operation. On December 26, Defense Minister Ehud Barak authorized the passage of trucks carrying medical equipment, fuel and cooking gas, as well as a wide variety of other goods, through the Kerem Shalom, Nahal Oz and Karni crossings. A spokesman for the UN secretary general told a press conference that more than 100 trucks had passed through the crossings, including 40 for relief agencies operating in the Gaza Strip (website of the French Embassy in the United States , December 27).


19. On December 28, the second day of Operation Cast Lead, additional trucks carrying humanitarian aid were permitted to enter the Gaza Strip through the Kerem Shalom crossing. On December 28, 23 trucks passed through (IDF Spokesman, December 28).


20. Egypt , which had recently criticized Hamas, said it would open the Rafah crossing to allow wounded Palestinians from the Gaza Strip to receive medical treatment in Egypt , and that it would send ambulances, equipment and drugs to the Gaza Strip (Palestinian media, December 27).


Public Disturbances in Judea and Samaria , and among Israeli Arabs


21. Operation Cast Lead led to public disturbances in Judea and Samaria and in East Jerusalem to protest the IDF action in the Gaza Strip. Dozens of Palestinians demonstrated on Salah Al-Din street in East Jerusalem , setting fire to dumpsters and confronting police. In one incident a Palestinian tried to run over a policeman, who was not seriously injured; the attacker was detained. Near the village of Beitar Illit a child was injured when Palestinians threw stones.


22. Israeli Arabs also protested the IDF action in the Gaza Strip, marching in protest in a number of cities with mixed Jewish-Arab populations (Acre, Nazareth , Jaffa ). In some instances stones were thrown at cars.


First Reactions to Operation Cast Lead


Hamas


23. Khaled Mashal , head of Hamas's political bureau in Damascus , said that Hamas would not surrender or let Israel enforce a lull arrangement on Israeli terms. He said the Palestinians would not compromise on two basic demands: an immediate stop to the attacks in the Gaza Strip, and the lifting of the “siege” forever. He called on Egypt and Saudi Arabia to meet their commitments to the Palestinians. He claimed Hamas was not a threat to Egypt , and praised its efforts to open the crossings and deliver aid to the Gaza Strip (Al-Jazeera TV, December 28). ( Note : as opposed to other Hamas spokesmen, who continue attacking Egypt ).


24. Khaled Mashal also called on the residents of the West Bank to rise up against Israel in solidarity with the Palestinians in the Gaza Strip, despite the fact that he was aware they were “exhausted.” He exhorted them to go out into the streets and ignite a military intifada against Israel , waging a jihad and carrying out suicide bombing attacks (Al-Quds TV and Al-Jazeera TV, December 28).


25. Other senior Hamas figures said the following on December 27:


i) Ismail Haniya, head of Hamas administration , said that between 250 and 300 Palestinians had been killed in the Israel attack and more than 750 wounded. He said Hamas was determined to continue its path to victory or death for the sake of Allah, calling for the unity of the Palestinian people. He called on the Arab countries to do something to end the “siege” and open the Rafah crossing, and to stop their “crime” of collaborating with Israel (“the enemy”) (Al-Aqsa TV, December 27).


ii) Taher al-Nunu, Hamas administration spokesman , said that the IAF strikes had damaged all the headquarters of the security services. He claimed that Israel had attacked mosques and other places which had no relation to the “resistance” [i.e., the terrorist organizations]. He repeatedly stated that Hamas had no intention of renewing the lull arrangement or surrendering to the Israel attack (Al-Quds TV, December 27).


iii) Fawzi Barhoum, Hamas spokesman , claimed that Israel had received a green light for its attack from various elements around the world and the Middle East, including Egypt , mentioning the meeting of the Israeli foreign minister and Egyptian President Hosni Mubarak. He called on the Izz al-Din al-Qassam Brigades (and the other military-terrorist wings) to launch rockets “wherever they could reach, and as many as possible,” at to carry out every sort of terrorist attack against Israel (Al-Aqsa TV, December 27).


iv) Musa Abu Marzuq , deputy head of Hamas's political bureau, claimed that the real objective of the Israel attack was to end the Hamas rule in the Gaza Strip. He added that the “resistance” [the terrorist organizations] would carry out suicide bombing attacks and launch rockets, saying that the “resistance” in the West Bank was standing firm, as it was in the Gaza Strip (Al-Arabiya TV, December 27).


v) Talal Nasser, Hamas spokesman , called for suicide bombing attacks and rockets falling on Ashqelon , Beersheba and every other place (Al-Alam TV, December 27).


26. Although the IDF attack was precise, and those killed were mainly terrorist organization military and security operatives, Hamas, as usual, initiated a deceptive propaganda campaign intended to vilify Israel and represent it as attacking civilians. The attacks were described using the Arabic terms for “slaughter,” “holocaust” and “genocide.” The campaign was echoed by the popular TV station Al-Jazeera, which, as usual, acted as a mouthpiece for Hamas, showing pictures of parts of dead bodies and the wounded, and using the term “holocaust.”


The Palestinian Authority


27. On December 27 Palestinian chairman Mahmoud Abbas was in Saudi Arabia , and on December 28 in Egypt . He met with the Saudi Arabian king Abdallah and with Egypt President Hosni Mubarak to discuss the Israeli attack on the Gaza Strip. Palestinian presidential spokesman Nabil Abu Rudeina criticized the Israeli “aggression” and demanded that the international community put an end to it (Wafa News Agency, December 27). Mahmoud Abbas called for stabilizing a new lull, saying that Egypt would renew its efforts to effect one (Al-Sharq Al-Awsat, December 28). The Salam Fayyad government announced an emergency medical service situation and three official days of mourning.


28. The Palestinian media reported that there were strikes and protest demonstrations in cities in Judea and Samaria . In Ramallah there were a number of demonstrations, and at one of them, in the northern part of the city, demonstrators confronted IDF soldiers. In Nablus there were three protest marches attended by hundreds; in Bethlehem there was a demonstration attended by a few dozen people; in Tulkarm there was a widely-attended protest march; in Hebron there was a protest march of hundreds of people. Hatem Abd al-Qader , chairman of the Fatah Jerusalem committee, announced a general strike of all the Palestinian workers in Jerusalem .


Lebanon


29. Senior Hezbollah figures condemned the IDF attacks, claiming that it was the result of an American decision and an Arab “conspiracy.” Hezbollah spokesmen encouraged the Gazans to adhere to their positions and to refuse all concessions, and called on the Arab world, the UN and the Security Council to stop the “crimes” being carried out in the Gaza Strip. Omar al-Musawi , a member of Hezbollah's political bureau, accused Egypt and the Palestinian Authority of colluding with Israel , and said they were responsible for the events in the Gaza Strip (Al-Jazeera TV, December 27).


30. In the southern (Shi'ite) suburb of Beirut there was a protest demonstration attended by hundreds of Lebanese in front of the Egyptian embassy. In the Ein al-Hilweh, Nahr al-Bared and Al-Badawi refugee camps Palestinians held protest demonstrations. At the demonstration at Ein al-Hilweh the demonstrators yelled “Hosni Mubarak, agent, traitor to the [Arab] nation.”


31. On December 25, two days before the Operation Cast Lead began, the Lebanese army dismantled eight rockets , with delay mechanisms, aimed at Israel . They were north of the town of Nakura in the western sector; their location was reported by a local resident. Four of the of them were 122mm Grad rockets, and four 107mm rockets.

Reuters, December 25
One of the rockets aimed at Israel , dismantled by the Lebanese army 
on December 25 (Reuters, December 25).


32. So far it is unclear which terrorist organization tried to attack Israel with rockets and violate the quiet in place along the Lebanese border since the end of second Lebanon war. The Hezbollah headquarters in south Lebanon said that the organization did not customarily place “anonymous rockets” and that “when [Hezbollah] wants to shell places in the enemy country it will make an announcement taking responsibility” (Al-Sharq Al-Awsat, December 27). The Lebanese media suggested that Fatah al-Islam , a radical Sunni Islamist group affiliated with Al-Qaeda, was responsible (Al-Safir, December 27), or possibly a “well-organized”Palestinian network (Al-Hayat, December 27).


Responses from the Arab-Muslim World


Egypt


33. Egyptian Foreign Minister Abu al-Ghait attacked Hamas at a press conference broadcast by Egyptian television ( December 27, 1300 hours). He said that Egypt had repeatedly warned Hamas about “the situation,” and that if [Hamas] did not listen it would have to bear responsibility, and could not blame others. He added that Israel had publicly warned Hamas that if the rocket fire continued, Israel would employ a military response. He angrily noted that before Israeli Foreign Minister Tzipi Livni came to Egypt on Thursday, 60 rockets had been fired into Israeli territory, an attempt to sabotage the Egyptian efforts to reach a lull and a reconciliation between Hamas and Fatah.


34. Other Egyptian spokesmen criticized the IDF action but some of them pointed the finger of guilt at the Palestinians. For example, a presidential announcement stated that Egypt had warned against military escalation and the effect it would have on the humanitarian situation in the Gaza Strip and the stability of the Middle East . The Israelis and Palestinians, according to the announcement, had not cooperated with Egyptian efforts, but nevertheless Egypt would continue pressing for a new lull arrangement (Middle East News Agency, December 27). Abu al-Ghait said that Egypt still called for all the organizations to come to Cairo to deliberate, and for the Palestinians to close ranks (Middle East News Agency, December 27).


35. The Egyptian media also reported on Egyptian activity through various diplomatic channels : Egypt protested the IDF action to Israeli foreign minister and the Egyptian foreign minister sent urgent messages to the UN Secretary General, the Quartet and the members of the Security Council to stop the IDF action. An “Egyptian source” said that Egypt had informed Hamas in the Gaza Strip that it was willing to accept Gazans wounded in the Israeli attack and would send convoys of medical aid to the Gaza Strip (Middle East News Agency, December 27). An Egyptian security source said that the Egyptian security forces had deployed additional men along the Gaza Strip border lest the Palestinians try to break through (Agence France Presse, December 26).


Syria


36. Syrian President Bashar Assad held telephone conversations with Arab leaders and called for an exceptional Arab summit to discuss the situation in the Gaza Strip and ways of stopping the “Israeli aggression” (Syrian News Agency, December 27). Syrian presidential aide Butheina Shaaban called the events in the Gaza Strip “slaughter and merciless murder.” She criticized the international silence and said that Hamas was the legitimate government and leadership of the Palestinian people (Al-Jazeera TV, December 27).


37. A protest march was held in Al-Yarmouk refugee camp near Damascus , attended by supporters of Hamas, the Palestinian Islamic Jihad and other terrorist organizations. There were also protest marches inAleppo and a mass march was expected to be held in Damascus on December 28.


38. During the days the preceded the Israeli attack the Syrian media supported Hamas's decision to end the lull arrangement, as well as the escalation in rocket and mortar shell fire initiated by Hamas and the other terrorist organizations. Their support was part of a vicious anti-Israeli propaganda campaign, accompanied by anti-Semitic references, waged by Syria against Israel . 6


Iran


39. Hassan Qashqawi , a speaker for the Iranian foreign ministry, and other Iranian spokesmen, harshly criticized the Israel attack and demanded that the international community and the Security Council intervene to prevent Israel from continuing its “crimes” and “terrorism” in the Gaza Strip. In Tehran and Qom students held protest demonstrations (December 27 and 28).


40. There were also reports that an Iranian aid ship was supposed to leave the port of Bandar Abbas in Iran and set sail for the Gaza Strip on December 27 with a cargo of 2,000 tons of medical equipment and food. A team of Red Crescent workers and a number of correspondents are also on board. The trip is supposed to take two weeks (Al-Alam TV, December 25). The Iranian foreign minister Mottaki said that Iran had received authorization from Egypt to transfer the aid to Gaza (Islamic Republic News Agency, December 27).


Jordan


41. King Abdallah of Jordan appealed to the international community to exert pressure on Israel to stop its attack on the Gaza Strip immediately. He also contacted other Arab leaders to promote an Arab effort which would end the Israeli action and bring about a return to the negotiating table (Jordanian News Agency, December 27).


42. On December 27 a solidarity rally attended by thousands was held in Amman ; it turned into a march. A number of Islamic Movement activists gave speeches criticizing the Arab world for its position vis-à-vis the events. The crowd shouted “Death to Israel .” Jordanian security forces prevented the march from reaching the Egyptian embassy. There were other rallies throughout Jordan in support of the Palestinian people.


Appendix


Intelligence and Terrorism Information Center Bulletins about Hamas, 2008 


1. December 21: Intensive rocket fire attacks against western Negev population centers and the Ashqelon region after Hamas announces the end of the lull arrangement, at http://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/hamas_e018.htm .


2. December 18: Escalation in attacks from the Gaza Strip as Hamas announces the end of the lull arrangement, at http://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/hamas_e016.htm .


3. November 16: Significant erosion of the lull arrangement in the Gaza Strip


4. November 6: Escalation in the Gaza Strip – Update, November 6 .


5. November 5: Escalation in the Gaza Strip: the IDF operated inside the Gaza Strip near the security fence to prevent the abduction of soldiers.


6. November 4: Society and politics in the Gaza Strip


7. October 28: Hamas has lately regulated the flourishing tunnel industry in the Gaza Strip, athttp://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/ct_e009.htm .


8. September 7: As part of the Gaza Strip military buildup, women are trained for combat and for suicide bombing attacks.


9 . August 18: Hamas and the other Palestinian terrorist organizations are taking advantage of the lull in the fighting to promote their military buildup, at http://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/hamas_e003.htm .


10. July 27: One month into the lull in the fighting: an interim report (as at July 23) .


11. June 22: Using civilians as human shields, at http://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/gaza_120608e.htm .


12. May 5: The Egyptian initiative for a lull in the fighting .


13. April 22: On Passover Eve IDF forces prevented a combined mass-casualty attack at the Kerem Shalom Crossing, at http://www.terrorism-info.org.il/malam_multimedia/English/eng_n/html/ct_210408e.htm .


14. March 3: Five days of escalation in the Gaza Strip .


15. February 10: Renewed escalation of Hamas rocket fire at western Negev towns and villages (Summary of events, February 5-7) .


16. February 3: Suicide bombing attack in the Dimona commercial center kills one city resident and wounds many .


17. January 29: With the border fence between the Gaza Strip and Egypt breached, Hamas and other terrorist organizations can freely smuggle operatives and weapons into the Gaza Strip and dispatch terrorists to Israel through Sinai.


18. January 23: Crowds of Gazans streamed into Egypt after the border fence was breached .


19. January 22: Closing the crossings into the Gaza Strip and renewing the fuel supply – the situation on the ground as of noon, January 22, 2008.


20. January 16: Two days of hard fighting in the south: Israeli counterterrorist activities and Hamas rocket attacks (January 15-16) .



Until further notice, updates on Operation Cast Lead and its implications will replace the weekly Wednesday bulletins.


The data are updated to December 27 and afternoon hours of the first day of Operation Cast Lead. On the morning before the operation began, one rocket and two mortar shells were fired.


For further information see our December 14, 2007 Bulletin entitled “ Rocket threat from the Gaza Strip, 2000-2007 ,” and our May 25, 2008 Bulletin entitled “ Anti-Israeli Terrorism in 2007 and its Trends in 2008 .”


The Intelligence and Terrorism Information Center Bulletin “The Anatomy of Six Months of the Lull Arrangement “ is available on the Hebrew website and will be shortly translated into English..


As of 1600 hours, December 28, 12 rocket hits were identified in Israeli territory and 10 mortar shells were fired. This Bulletin does not include attacks carried out on December 28.


Ghazi al-Dada wrote an anti-Semitic column for the Syrian newspaper Tishrin, saying that “the Israeli appetite for Palestinian blood is never satisfied…That is because [bloodthirstiness] is a basic component of Zionist ideology, which believes that Palestinian blood is necessary for making Zion matzot (a political use of the ancient blood libel against the Jews). Anyone who reads history closely knows that…”(Tishrin, December 23). The Syrian media occasionally inserts anti-Semitic motifs into its attacks on Israel .

650 cientistas escrevem sobre a farsa do Aquecimento Global

Fonte: Orkut
Data: 13/12/2008

Nesta semana foi lançado estudo encomendado por comite do Senado dos EUA sobre o Aquecimento Global e a suposta mudança climatica, que reuniu nada menos do que 650 cientistas de varias partes do mundo.

O trabalho é intitulado - U.S. Senate Minority Report 2008 (leia em inglês este outro artigo).

Ninguém no Brasil vai ouvir falar sobre essas pesquisas e nem desse trabalho em jornal nenhum, nem na Rede Globo e nem em nenhuma outra TV ou revista, simplesmente porque ele reune a opinião de 650 cientistas que NÃO concordam da visão catastrofica da ONU e do All Gore sobre o Aquecimento Global.


Exemplos de declarações contidas nele:

Emissões de CO2 não fazem absolutamente nenhuma diferença de uma forma ou de outra.... Todo cientista sabe disso, mas não são pagos para dizer então.... Aquecimento Global, como veiculo político mantem os europeus no banco do motorista e as nações em desenvolvimento de pés descalços” – Dr. Takeda Kunihiko, vice diretos do Instituto de Ciência e Pesquisa Tecnológica de Universidade de Chubu – Japão.

“Eu sou cético.... O aquecimento global virou uma religião” – Premio Nobel de Física – Ivar Giaever

“Já que não sou filiada a nenhuma organização nem recebo recurso algum posso falar francamente.... Como cientista continuo cética” Cientista Atmosférica Dr. Joanne Simpson – a primeira mulher no mundo a receber PhD em meteorologia formadora da NASA que assinou mais de 190 estudos e ficou conhecida como “uma das mais proeminentes cientistas dos últimos 100 anos”.

Medo do aquecimento é “o pior escândalo na historia.... Quando o publico vier a saber a verdade, eles se sentirão enganados pela ciência e pelos cientistas” – Cientista japonês do IPCC – ONU DR. Kiminori Itoh, premiado PhD em Química Fisica Ambiental.

Quem tiver interesse no assunto e quiser baixar o trabalho em pdf é só pegar o link na comunidade abaixo. Futuramente pretendo aos poucos, traduzir e inserir topicos na mesma comunidade sobre seu conteudo.

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=32491724

A Mídia, Gaza e Israel

Por e-mail (sic)

Autor: Luis Milman, jornalista e doutor em Filosofia, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, preocupado e abismado com as reações de governos e da mídia internacional a partir da ação desenvolvida por Israel na Faixa de Gaza, território controlado pela organização terrorista Hamas, desde o ano passado, escreve o artigo a seguir para esclarecer aspectos importantes da questão, que não são considerados.

Antes do artigo, leia as dicas sobre o artigo feitas pelo Jornalista Políbio Braga:

CLIQUE no endereço a seguir para examinar cenas dos ataques aéreos israelenses sobre a Faixa de Gaza: youtube.com/user/idfnadesk.

Se você clicar no link abaixo, vai abrir um documentário feito dos EUA em 2003 sobre os palestinos e o problema da paz para Israel. Talvez seja o melhor documento para o público entender com quem Israel lida. Não se trata do Hamas, mas da cultura dos palestinos. O documentário é imperdível e (tem cerca de uma hora). É claro que este documentário jamais circulou o Brasil
http://video.google.com/videoplay?docid=-2533702461706761547&q=relentless&hl=


Leia agora o artigo de Luis Milmam:

“Desde o início da ofensiva de Israel contra o Hamas, na Faixa de Gaza, no último sábado, dia 27 de dezembro, a mídia ocidental vem relatando as operações israelenses com base em pressupostos flagrantemente aparvalhados. Coincidentemente, estes pressupostos são os mesmos que pautaram as primeiras manifestações oficiais de condenação moderada lançadas contra Israel, por governos de nações importantes, logo no primeiro dia ofensiva, quando pouca ou quase nenhuma informação sobre a real dimensão das operações israelenses eram conhecidas. As manifestações da França, Rússia, Japão e China, exortavam Israel a interromper suas ações em Gaza. Ao invés de condenarem os ataques do Hamas, que iniciaram ainda em novembro e quebraram o cessar-fogo, a retórica destes países partia de duas premissas equivocadas: Israel estava respondendo aos ataques de forma desproporcional e, por isso, elevando o número de vítimas civis. Assim, a linguagem protocolar criava o mantra da desproporcionalidade, adotado também pelo Secretário Geral da ONU, o senhor Ban Ki-moon, na última segunda-feira, dia 29. Ki-moon convocou a imprensa mundial para expressar seu repúdio ao uso da “força excessiva” por parte de Israel em seus ataques à Faixa de Gaza. O secretário-geral da ONU foi mais longe: ele apelou “às partes” para que interrompessem as hostilidades e reiniciassem negociações para um novo cessar-fogo. O coro foi reforçado pelo primeiro-ministro inglês Gordon Brown, também no dia 29. “Estou horrorizado (ênfase aqui) com a violência dos bombardeios”, disse. “Reiteramos nosso apelo a Israel e ao Hamas (ênfase aqui) para que declarem o imediato cessar-fogo e previnam a perda de mais vidas inocentes. Não há uma solução militar para esta situação. É preciso redobrar os esforços internacionais para assegurar que tanto Israel quanto a Palestina tenham terra, direitos e segurança para viverem em paz”, finalizou Brown. 

Ao mesmo tempo, seguiram-se manifestações de repúdio previsivelmente mais radicais, vindas de países muçulmanos e grupos extremistas, como o Hezbollah, que passaram a percorrer o planeta: massacre, genocídio, holocausto, crimes de guerra, crimes contra a humanidade. Enfim, surradas acusações disputavam espaço na mídia internacional com cenas de passeatas e aglomerações de rua pipocando na Europa e no mundo islâmico, em protesto contra a nova “barbárie” cometida por Israel. Enquanto isto, a quantidade de vítimas dos bombardeios parecia dar a impressão de amparar a fórmula da desproporcionalidade: já passam de 150 mortos, muitos deles civis, já ultrapassam os duzentos, entre eles mulheres e crianças; agora são mais de 300, entre os quais inúmeros inocentes. Agora, quando escrevo (terça-feira, 30 de dezembro), os mortos chegavam a 360. Horrível. 

A mídia apropriou-se do mantra protocolar, tomando-o como axioma para sua cobertura. E, por mídia, não estou nomeando nenhuma abstração. 

Refiro-me à CNN, à BBC, à Sky News, à France 24, para não mencionar a Al-Jazirah em Inglês e os diários New York Times, The Guardian e Le Figaro, que podem ser todos acessados on-line. Também não estou me referindo aos analistas de prontidão, sempre rápidos no gatilho quando se trata de comparar o “desproporcional” confronto entre a potência militar israelense e a pobre capacidade de resistência dos palestinos. Restrinjo-me ao que se chama de “noticiário”, aquele texto informativo que, recomenda-se, deve ser feito com imparcialidade e um mínimo de cautela e caldo de galinha. Pois é nele que constato a desproposital incursão, em nome do imediatismo, no domínio da estupidez e da má fé. Ora, o que se espera de um noticiário é que ele informe e não desinforme ou deforme os fatos. E quais são os fatos? 

Um: no primeiro dia da ofensiva, Israel apenas reiterou publicamente uma decisão que vinha sendo anunciada desde o final do frágil cessar-fogo de seis meses, mediado pelos egípcios, que entrara em vigor em junho último e se encerrara em 19 de dezembro. Por que frágil? Porque o Hamas, há oito anos, vinha despejando diariamente seus foguetes contra Israel. Os ataques diários haviam matado nove pessoas, ferido outras tantas, danificado prédios e vinham configurando uma situação de permanente insegurança nas cidades que se encontram num raio de 20 quilometro da fronteira com Gaza. 

Durante oito anos, Israel tentou tratar do problema de modo restrito: incursões rápidas de comandos no norte de Gaza para destruir bases de lançamentos de foguetes, bloqueio marítimo para evitar a entrada de armamento enviado pelo Irã e pela Síria ao Hamas e Jihad Islâmica; bloqueio terrestre, para impedir a infiltração de terroristas suicidas nas grandes cidades israelenses; cortes esporádicos no suprimento de energia elétrica para a Faixa de Gaza (70% desta energia é fornecida por Israel até hoje) com a finalidade de retardar a fabricação dos tais foguetes “caseiros” (na verdade, são foguetes produzidos em fábricas erguidas em meio a bairros densamente povoados da Cidade de Gaza, Dayir al Balah, Khan Yunis e Rafah). 

De qualquer modo, findo o cessar-fogo - e diante das saraivadas diárias dos foguetes contra o sul de Israel-, o governo israelense anunciou que terminaria definitivamente com os ataques que ameaçavam seus cidadãos. Esta decisão foi, inclusive, comunicada, no dia 23 de dezembro, pela ministra do exterior israelense, Tzipi Livni, no Cairo, após um encontro com o presidente Hosni Mubarak. Livni, ainda no Cairo, não deixou dúvidas: Israel desencadearia a operação militar necessária para destruir a capacidade do Hamas de atingir Israel. 

Nos últimos dez anos, o Hamas construiu, com o apoio logístico e financeiro do Hesbollah, da Irmandade Muçulmana (baseada no Egito), da Síria e, sobretudo do Irã, uma estrutura policial e militar na Faixa de Gaza, a tal ponto organizada, que lhe permitiu, no primeiro semestre de 2007, dizimar completamente as forças do Fatah (o braço armado da Autoridade Palestina) que ainda restavam no território palestino. Com isso, ele consolidou suas instalações militares, estocagem de armas e munição, seus campos de treinamento e suas bases de ataque contra Israel em toda a Faixa de Gaza. Hoje, o Hamas (que é sunita) conta com 15 mil homens no seu “exército regular”, e ainda com cinco mil membros armados da milícia xiita Jihad Islâmica. Esse pequeno exército dispõe, além de armamento pessoal pesado, de mísseis antiaéreos, mísseis antitanques, mísseis de médio alcance do tipo Katiusha e minas espalhadas por toda a fronteira com Israel. Tudo isto é do conhecimento dos chefes de governo que emitiram o mantra protocolar da desproporcionalidade. Os senhores Gordon Brown e Nicholas Sarkozy sabem disto, certamente. Mas a mídia faz de conta que não sabe. 

Ora, o panorama é bem nítido: Israel desencadeou a ofensiva para defender a integridade de seus habitantes, ameaçados constantemente pelo movimento fundamentalista militarmente organizado que controla toda a Faixa de Gaza desde junho de 2007. Mais ainda, o Hamas e seus associados menores, como a Jihad Islâmica e outros grupelhos, não representam a Autoridade Nacional Palestina (AP). Eles são terroristas, não aceitam a existência do Estado de Israel e estão comprometidos explicitamente com a sua extinção total. Como então podem os líderes da Inglaterra e da França, ou o Secretário-geral da ONU, apelarem para que “as partes” retornem a um cessar fogo. Que partes? Israel, um estado nacional soberano e membro da ONU, por um lado, e o Hamas, um movimento terrorista que usurpou à força, da Autoridade Palestina, o controle sobre a Faixa de Gaza, por outro? Se a China não conversa sequer com o Dalai Lama, líder político e espiritual do Tibet ocupado (exilado, obviamente), por que Israel deve dialogar com o Hamas? Pelo que se sabe, o Dalai Lama defende apenas uma autonomia para o Tibet e jamais pregou a extinção da China. Por que Israel deveria “dialogar” com um movimento que objetiva abertamente a sua destruição? Ou por que o senhor Ban Ki-moon não apela para que a Espanha dialogue com o ETA, a Colômbia dialogue com as FARC, a Turquia dialogue com o PKK curdo, que quer criar um estado independente no Curdistão? Ou para que os Estados Unidos da América deixem o Afeganistão e dialoguem com o Talibã? Ou para que os senhores muçulmanos da guerra que governam o Sudão interrompam imediatamente a carnificina que já matou 300 mil cristãos e animistas e deslocou quase três milhões de refugiados para a zona de Darfour? Onde estão as passeatas na Europa contra esse massacre? Ou os protestos contra a tirania assassina de Ruanda? Onde estão os apelos para o diálogo entre as trezentas tribos que se entredevoram na muçulmana Somália? O termo médio de comparação é suficiente, para quem possui mais de dois neurônios. Talvez, dois neurônios e meio. Por isso paro por aqui. 

Dois: Israel não está, como apregoa aos berros Hassan Nasrallah (em vídeo e de seu bunker em Beirute), cometendo um “genocídio” em Gaza. Ao contrário, é o líder do Hesbollah (Partido de Deus, em português), hoje quase um segundo exército dentro do Líbano, abastecido e financiado pelo Irã, que repete incansavelmente o objetivo político de seu partido: destruir Israel, sem deixar pedra sobre pedra. A voz de Nasrallah é amplificada nas ruas de todo mundo árabe e encontra acolhida em alguns analistas ocidentais procurados pela mídia para que “possamos (nós, o público) entender o trágico cenário da Faixa de Gaza”. 

Pensemos: se desejasse destruir a população de Gaza (isto é um despropósito descomunal naturalmente, mas só assim teríamos base para falarmos em genocídio) - e estou admitindo essa possibilidade apenas (ênfase aqui) para argumentar-, Israel o teria feito durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, (lembram, ela ocorreu!), ou durante a Guerra do Yom Kypur, em 1973 (lembram, ela também ocorreu), ou durante a ocupação israelense de Gaza, que se estendeu de 1967 a 2000, ano em que unilateralmente (ou seja, sem qualquer pré-condição) Israel deixou a Faixa de Gaza na sua totalidade. 

O que é fato: a ofensiva israelense tem objetivos militares e políticos definidos. Os militares estão sendo plenamente atingidos, até agora. E com um baixíssimo custo em termos de vidas humanas. É isso mesmo. Baixíssimo! Afinal, depois de quatro dias de centenas de incursões aéreas e marítimas, depois de ter despejado sobre Gaza mais de 500 toneladas de explosivos, apenas, repito, apenas, 360 pessoas morreram! E destas, cerca de 60, segundo as informações do próprio Hamas e da ONU, são civis. Ora, isto quer dizer que o restante fazia parte do exército terrorista, logo um alvo militar. 

A operação israelense impressiona, mas não pelas razões do senhor Nasrallah ou dos desavisados apedeutas de boa fé (admitamos), que usam a palavra “genocídio” sem saber o que ela significa. O conceito se aplica quando um governo deliberadamente promove o extermínio de povos ou populações inteiras, encontrem-se elas em seu próprio país ou em outros. Os turcos foram genocidas com relação aos armênios; os nazistas, com relação aos judeus; os comunistas stalinistas com relação aos russos; os maoístas com relação aos chineses; os japoneses com relação aos chineses e, hoje, os sudaneses muçulmanos com relação aos sudaneses não muçulmanos. Nem os cubanos castristas, que nos primeiros cinco anos após a revolução de 59, exterminaram 95 mil pessoas, praticaram um genocídio. Eles cometeram assassinatos em massa, uma ação sem dúvida abjeta e execrável, um crime contra a humanidade. Mas, não cometeram genocídio. E atentarmos para as diferenças ainda é fundamental. 

Por que a operação israelense impressiona? Por duas constatações que saltam aos olhos. A primeira: a ofensiva está se processando na área mais densamente povoada do planeta (1,5 milhão de habitantes em 360 quilômetros quadrados); a segunda: o Hamas ergueu intencionalmente toda a sua infra-estrutura policial e militar nos centros urbanos, justamente os locais mais densamente povoados deste território já muito densamente povoado (a hipérbole é proposital). Ora, se é para destruir alvos militares, é preciso atingi-los onde se encontram. E Israel está fazendo isto, de forma quase milimétrica, cirúrgica, mesmo correndo o risco, inevitável nesta situação, de atingir civis. Repito: e o faz de forma impressionante, pois as baixas civis, nesse contexto, são aquém de mínimas. 

Como a aviação e a marinha israelenses conseguem fazer isto? Empregando altíssima tecnologia, mísseis inteligentes e alvos previamente selecionados. Caso contrário, estaríamos diante de um massacre. E é necessário que se reafirme: não estamos sequer a milhões de milhas próximos disto. O Secretário-geral da ONU, que jamais reuniu uma conferência de imprensa para falar sobre a situação no Sudão, deveria saber disto. Ele, desta forma, ficaria calado. Obviamente, eu não esperaria que o senhor Ki-moon aplaudisse a operação de Israel. O Secretário-geral da ONU deve, por princípio, lamentar todas as guerras. Mas ele deveria, também por obrigação, calar-se, porque esta é uma guerra legítima, sobretudo defensiva, com objetivos militares e políticos claros, de um país soberano contra um grupo terrorista que prega o seu aniquilamento e contra os governos que apóiam este grupo. 

Três: Falei que a guerra possui objetivos políticos claros. Ei-los: Israel quer expulsar o Irã da Faixa de Gaza. O Irã? Isso mesmo, o Irã. O Hamas e a Jihad Islâmica nada mais são do que uma extensão do governo de Teerã e de seu potencial bélico virtualmente no interior de Israel. E todos sabem o quê mais almejam os aiatolás iranianos: destruir o que eles chamam de entidade sionista. Assim, ao eliminar a capacidade do Hamas de atacar seu território, Israel, além de retomar o controle sobre sua segurança imediata, desfere também um golpe mortal nas pretensões iranianas de penetrar em sua fronteira sul. Com isso ainda pretende isolar política e militarmente o Irã, travestido de Hezbollah, na sua fronteira norte. Ao mesmo tempo, forja uma situação mais favorável para negociar com a Síria, também enfraquecida com a derrota do Hamas, um tratado de paz entre os dois paises. Esta é uma meta de médio prazo. 

Por essa razão o senhor Nasrallah esbraveja contra o Egito de Mubarak e a Autoridade Palestina, de Machmud Abas, chamando-os de traidores do Islã. Nasrallah sabe que, sem o Hamas e a Jihad Islâmica em Gaza, o Hezbollah, ou seja, o Irã, se enfraquece, enquanto o Egito, a Autoridade Palestina e a Jordânia se fortalecem e, pior (para o Irã), Israel recupera a posição geopolítica decisiva para sua existência na região. 

A ofensiva ainda torna explicita a disposição de Israel de não tolerar que o iranianos consigam obter armamento nuclear. Ou seja, Israel está preparando o terreno para uma intervenção direta no Irã. Como Barak Obama assume a presidência dos Estados Unidos em janeiro, Israel envia uma mensagem inequívoca para Washington: não há diálogo com o Hamas, nem com Teerã. Os Estados Unidos devem se preparar para apoiar irrestritamente a ação militar direta de Israel contra os iranianos. E essa ação não deve tardar, pelo que se depreende do palco desenhado por Jerusalém. Quer dizer: trata-se de uma ação já planejada e montada pela inteligência militar israelense, que deve ser deflagrada em breve. Pergunta oportuna: o que é “breve”? Resposta: Israel certamente sabe. E, creio agora, Barak Obama também. No fim das contas, Israel não está fazendo mais do que colocar seu destino em suas próprias mãos. E isto ele sempre fez, sob o preço de simplesmente deixar de existir. Dúvidas? Consultem a História. 

Finalizando: e a mídia com relação a esse quadro? Nada informa, nada analisa, nada investiga. Pelo contrário, submete-se ao superficialismo, mistifica, embrulha-se toda no mantra da desproporcionalidade e mergulha de cabeça no noticiarismo demagógico e pretensamente humanitário. É um crime contra a lucidez e a razão. Mas, que diabos, isso lá importa?”

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

A arma da pseudociência

Diário do Comércio, 29 de dezembro de 2008

A quase totalidade das pessoas que conheço nas classes opinantes jamais dedicou um só minuto a examinar os meios e critérios da busca da verdade – seja no sentido mais geral e filosófico da coisa, seja no que se refere à veracidade dos meros fatos que se alegam, na mídia e nas conversas do dia a dia, como provas disto ou daquilo.


Mesmo estudantes de filosofia, quando a obrigação curricular os força a um contato epidérmico com o assunto, não absorvem dele senão as crenças da moda – marxista, desconstrucionista, neopragmatista –, não as usando jamais como pontos de partida para uma investigação moralmente responsável, mas como travesseiros fofos onde podem acomodar-se, sem nenhum problema de consciência, nas reconfortantes certezas usuais do seu meio social.


Não por coincidência, são esses mesmos os que com maior freqüência apelam ao chavão da incerteza geral e da inexistência da verdade, não porque tenham algum dia buscado essa verdade sem encontrá-la, mas precisamente para dispensar-se de buscá-la.


Outro dia, em debate num blog, uma senhorita formada nessa mentalidade despejava sobre os interlocutores seu olímpico desprezo pelas “teorias conspiratórias que buscam um verniz de ‘cientificidade’, ao mesmo tempo que não se submetem às regras do discurso científico, como peer-reviewing.”


Peer-reviewing, “revisão pelos colegas”, é uma regra da publicação de trabalhos científicos em revistas especializadas, não uma regra do próprio discurso científico. Pode ser uma condição sociológica do progresso da ciência, não um componente interno da lógica científica. Milhares de peer-reviews não garantem a cientificidade de um discurso, nem a impugna a completa falta deles, porque aquilo que se entende por “científico” é um certo nexo lógico entre premissas factuais, processos de demonstração, critérios de verificação e resultados obtidos – algo que tem de ser dado na própria estrutura do raciocínio proposto e não pode ser-lhe acrescentado de fora. A revisão por especialistas pode confirmar ou impugnar a presença desses elementos num trabalho científico, mas, a partir do momento em que ela própria se transmuta em “regra do discurso científico”, a noção mesma de discurso científico perde toda substância própria e se dissolve na mera aprovação coletiva de um grupo social. A confusão entre o discurso científico e as condições sociológicas da sua aceitação por esta ou aquela comunidade acadêmica reflete uma visão infantil, concretista, místicóide, fetichista do que seja a ciência. Essa visão é a base sobre a qual se erigem não só alguns dos mitos mais queridos do ativismo acadêmico contemporâneo, como o aquecimento global, o holismo ecológico, as teorias da “exclusão social”, a superpulação ou as eternas causas econômicas da criminalidade, como também o simulacro de autoridade com que os grupos interessados impõem, sob a alegação desses mitos, as políticas que bem lhes interessam. Essas políticas podem ter os resultados sociais mais variados – quase invariavelmente nefastos –, mas pelo menos um desses resultados é constante e infalível: o acréscimo do poder social da classe acadêmica.


Como a opinião da mídia, formada nas mesmas fontes, segue de perto a da comunidade acadêmica, a conjugação de poderes dá a esses dois pilares da ortodoxia contemporânea uma autoridade controladora, inibidora e repressora incomparavelmente mais vasta que a do alto clero católico na Idade Média, com o agravante de que seu exercício não é tolhido por nenhuma consciência de culpa ante um Deus transcendente e invisível. Se acompanharmos a história da formação da doutrina cristã ao longo da sucessão dos concílios, veremos que é uma história marcada por polêmicas apaixonadas, violentas até, que se estendiam por décadas e por séculos antes que uma decisão papal lhes pusesse fim. Nada de semelhante existe na universidade atual, onde a condenação das heresias não vem ao término de um longo processo de discussão, como na Igreja, mas já vem pronta desde o começo, proibindo e impossibilitando a discussão e expelindo do meio social os discordes e recalcitrantes. E a repressão totalitária não se exerce só sobre teorias científicas, mas até sobre meras opiniões políticas. Experimente negar abertamente o evolucionismo, o aquecimento global, a superioridade moral do socialismo ou as virtudes salvíficas de Barack Hussein Obama – e veja quantos minutos transcorrem antes que suas verbas de pesquisa sequem ou seu emprego vá diretamente para o beleléu.


Isso não significa, é claro, que sempre a força repressiva se esteie na opinião da maioria. Um grupo relativamente pequeno pode controlar facilmente os mecanismos de publicação e, justamente através da peer-review, impor ou vetar o que bem entenda. Recentemente, um grupo de 52 cientistas subscreveu um apelo urgente da ONU em favor de medidas drásticas para controlar o “aquecimento global”. O documento foi contestado por nada menos de 650 cientistas, para os quais o aquecimento global é apenas uma farsa montada para juntar dinheiro e poder político. Adivinhem qual das duas correntes tem mais fácil acesso às publicações acadêmicas. A ex-pesquisadora da Nasa, dra. Dr. Joanne Simpson, signatária do manifesto dos 650, até explicou que agora podia falar a verdade porque já não estava ligada a nenhuma organização científica nem dependia de verbas de pesquisa (v.http://epw.senate.gov/public/index.cfm?FuseAction=Minority.Blogs&ContentRecord_id=2158072e-802a-23ad-45f0-274616db87e6).

MAIS UM PASSO RUMO AO SUICÍDIO DA ÁGUIA: AS ESCOLHAS DE OBAMA PARA A ÁREA “SOCIAL”

HEITOR DE PAOLA
28/12/2008


Em Anestesia Obâmica, de 26 de novembro, eu advertia que a verdadeira Change, Yes We Can, de Obama nada tinha a ver com economia, mas com a revolução cultural que foi desencadeada desde os tempos em que Obama exercia a única atividade “profissional” que jamais exerceu: ‘organizador comunitário’, isto é,agitador social, sob o comando do agitador comunista Bill Ayers, Mark Rudd, Jeff Jones da organização terrorista Weather Underground. O esforço da Mídia para ocultar as verdadeiras raízes de Obama e suas ligações com Bill Ayers pode ser visto neste artigo.


Um artigo publicado por Publicola em 20/12 p.p. no Republican Liberty Caucus of Illinois, Obama’s social policy appointees reveal his radical agendavai mais a fundo. Obama tem conseguido enganar com sua política econômica e militar até mesmo Karl Rove  e o Vice-Presidente Dick Cheney, mas a explicação é simples: Obama sabe que será totalmente englobado pelas estruturas burocráticas de Washington, D.C. e não terá como avançar a sua ‘utopia’ socialista e suas fantasias militares durante seus parcos quatro anos de mandato. Portanto, ele está nomeando vários membros do establishment para estes postos mais evidentes.


Mas ele sabe muito bem que ‘implementar as idéias de seus ídolos da Escola de Frankfurt, com sua mistura tóxica de comunismo e freudismo’ levará muito tempo e só será conseguida através da política social. E seus assessores nesta área são líderes da campanha abortista e chefetes do lobby homossexual e, através deles‘refazer os EUA à sua própria imagem. Se forem bem sucedidos os EUA parecerão Greenwich Village durante as paradas de Haloween, incluindo todos os acessórios gays como coleiras, correntes e roupas justas’.


Além dos já citados por mim num artigo anterior seguem-se outros nomes em cargos importantes:


 


Ellen Moran escalada para assumir a Diretoria de Comunicações da Casa Branca é ex-executiva da Emily’s Listum dos mais importantes comitês de ação pró-aborto.


Dawn Johnsen , ex Diretora legal da NARAL Pro-Choice America, será nomeada para a Equipe de Revisão do Departamento de Justiça e certamente será nomeadaassociate attorney general, (uma assessora do Ministro da Justiça, entre nós).


Melody Barnes, nomeada como Assessora Política para Assuntos Domésticos (Assuntos Interiores, uma espécie de assessora do Ministro do Interior) é uma radical ex apparatchik de Ted Kennedy, ex membro do Conselho da Emily’s List e Vice Presidente Executiva para Assuntos Políticos do Center for American Progress, uma organização política radical fundada por George Soros. Neste cargo Melody terá acesso direto e diário a Obama, coordenando e liderando os gabinetes de Serviços Humanos, Justiça, Trabalho, Educação, Moradia e Desenvolvimento Urbano.


Arne Duncan será o chefe do Departamento de Educação. Duncan inovou em Chicago criando a primeira escola de segundo grau para ‘gays, lésbicas e transgênicos’.


Tom Daschle, que está metido num escândalo  que será Secretário de Saúde e Serviços Humanos é um ex Senador de South Dakota e líder democrata no Senado é um amigo da comunidade LGBT e o jornal Bay Windowso maior jornal GLBT da Nova Inglaterra assegura que sete dos integrantes desta comunidade fazem parte da sua equipe de transição. Como disse Lisa Keen, do Bay Windows: “... até o momento a maioria das escolhas de Obama são ótimas notícias para a comunidade GLBT”.


 


Prossegue Publicola: ‘Como outros marxistas culturais, Marcusianos e Gramscistas, Obama sabe que a maneira de destruir o Ocidente e o capitalismo é desde dentro através do lento colapso cultural e moral. Institucionalizar o relativismo moral é o primeiro objetivo de Obama e suas escolhas são as melhores para a próxima batalha contra a sobrevivência da civilização americana.’


Gary Bauer, ex assessor de Política Doméstica de Ronald Reagan e Presidente daCampaign for Working Familiesescreveu em Human EventsObama: no Closet Centrist: ‘As escolhas de Obama deixaram o lobby homossexual feliz (….) Tim Carpenter , Diretor Nacional do Progressive Democrats of América  diz que Obama confirmou nossas suspeitas de que estaria se cercando de pessoas da centro-direita. Mas esperamos que isto seja tudo e possamos ter nomeações progressivistas autênticas’.


 


Bauer acrescenta alguns nomes à lista:


Dr. Steven Chu, a escolha de Obama para Secretário de Energia, laureado pelo Nobel, tem dito que  o carvão é um pesadelo e apóia o aumento dos impostos aos nívesi europeus. Neste caso não posição moderada pois o carvão é a maior fonte de energia dos EUA e os preços do gás nos EUA são duas a três vozes maiores do que na Europa.


Alexander Aleinikoff, escolhido para a política de imigração e Homeland Securityda equipe de transição, foi alto funcionários do governo Clinton onde dirigiu um programa chamado Citizenship USA destinado a acelerar o programa de legalização de um milhão de pedidos de imigração, um verdadeiro desastre burocrático que permitiu a entrada de milhares de criminosos através de fraude.


Cecile Richards, Diretora Executiva da Planned Parenthood&nbspdeclarou que a Secretária de Estado Hillary e a Embaixadora na ONU, Susan Rice, constituirão‘uma equipe forte que defenderá, com a seriedade que merecem, os direitos e a saúde das mulheres e o planejamento familiar’.


 


Quatro anos é realmente muito pouco tempo para destruir completamente uma tradição de mais de dois séculos, mas é muito para causar estragos irreversíveis. Mormente com uma maioria expressiva de anti-americanistas Democratas nas duas casas os quais, há décadas – desde o governo socialista de Roosevelt – tenta virar de cabeça para baixo a tradição dos Founding Fathers. Assume importância fundamental a  exigência do casal Clinton em abocanhar o segundo cargo mais importante da Nação e exatamente o que lhe dá poderes extraordinários de levar adiante a agenda da ‘comunidade internacional’ de submeter os EUA aos desmandos da maioria de ditaduras e teocracias que domina a ONU. Em tudo e por tudo parece que o fim dos Estados Unidos tal como os conhecemos hoje – o campeão das liberdades individuais e do liberalismo – está próximo. É, Como venho advertindo, o SUICÍDIO DA ÁGUIA!

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".