Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

ESPÍRITO SANTO: O verdadeiro crime organizado

 

SÉCULO DIÁRIO


Mais do que papel de ofício, a investigação é um compromisso com a história do ES

 

Nerter Samora

24/08/2012 18:01 - Atualizado em 25/08/2012 09:58

“Quem está no topo da pirâmide do crime organizado?”. A questão lançada pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), desembargador Pedro Valls FeuRosa, expôs que o verdadeiro núcleo do crime organizado no Estado não foi atingido graças ao “alto poder de corrupção e intimidação”. Com essas palavras, o chefe do Judiciário capixaba fez história, pela segunda vez, nos desdobramentos da “OperaçãoLee Oswald”, que desarticulou uma quadrilha especializada em lesar os cofres públicos no Espírito Santo. 

Assim como na primeira decisão, em abril deste ano, quando expôs a transcrição de denúncias de corrupção no governo Paulo Hartung (PMDB), Pedro Valls colocou o dedo na ferida ao devolver a denúncia feita pelo Ministério Público Estadual (MPES) que, na interpretação do magistrado, não avançou nas investigações das peças de informações constantes nos autos do processo.

Mais do que isso, o presidente do TJES fez questão de pontuar, no voto proferido esta semana, que o escândalo em Presidente Kennedy (litoral sul do Estado) não poderia se resumir apenas ao pequeno, mas milionário município no litoral sul do Estado. As investigações feitas pela Polícia Federal deram conta da existência de uma complexa rede de tráfico de influência que ignora as divisas de municípios e chega até mesmo ao Executivo estadual.

Relações de poder tão promíscuas que o próprio Ministério Público se manifestou quanto à existência de uma “estrutura piramidal” do crime, mas este não fez questão de apresentar os nomes. Motivando a queixa não só do desembargador, mas como de toda sociedade capixaba, que ouve há quase uma década de que uma tal “onça não estaria morta, mas adormecida”. Será que ela chegou a ser abatida? Pelo visto, não.

Nesse sentido, a decisão de Pedro Valls também é repleta de simbolismo. Talvez o maior deles seja a confirmação da procedência de algumas das denúncias lançadas por ele contra o governo passado, como a deflagração da “Operação Pixote”, que prendeu acusados de fraudes no sistema prisional capixaba. Se a Polícia Civil desenvolveu as investigações e confirmou os ilícitos, qual a razão do MPES não ter avançado nas demais denúncias de corrupção?

Enquanto questões como essas permanecerem em aberto, as palavras de Pedro Valls vão continuar ecoando – mesmo que parte da chamada imprensa corporativa tente minimizar este fato. Afinal, estamos falando de talvez o “maior escândalo de corrupção na história do Estado”, como bem resumiu o desembargador.

Desta forma, a investigação sobre toda essa pirâmide se torna mais que uma função de ofício, mas um compromisso histórico. A história deste novo Espírito Santo.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".