Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

REALISMO SOCIALISTA / REALIDADE SOCIALISTA - por Cavaleiro Conde


Neste impressionate trabalho feito pelo Cavaleiro Conde podemos entender porque é necessário para os sistemas esquerdopatas a cortina de ferro. É preciso esconder dos olhos do mundo o verdadeiro objetivo destes sistemas socialistas/comunistas, que é a tomada do poder total e a eliminação sumária dos opositores e dos "outros", aqueles que não coadunam com a doença mental/espeiritual de um esquerdista. A cortina de ferro separa os fatos da eterna propaganda socialista/comunista, sem a qual este sistema jamais poderia vir a acontecer na prática.

Nenhum ser humano tem direito de, em nome de uma forma de ver/pensar o mundo, matar seu semelhante. Talvez se possa discutir a matança em guerras, conflitos, mas nunca entre a população e entre aqueles dentre a população que não vêem o mundo como os que comandam vêem.

Cada parte do artigo será precedido pelo link do mesmo e o trabalho completo encontra-se no blog REALIDADE SOCIALISTA. Se quiser baixar o arquivo em formato .PDF do trabalho completo, clique aqui.



Realismo socialista - Parte I

Eis aqui as imagens chocantes da mais absurda tirania da história humana! Não é o "realismo socialista" da propaganda mentirosa dos comunistas! É o realismo nu e cru do comunismo, quando ele é impostos na prática. Meias palavras bastam para desprezar tamanha tirania e ódio ao ser humano! No entanto, os crimes comunistas foram ignorados, sem nunca terem sido recordados.
1.O início do pesadelo: revolução russa de 1917.


A cena ao lado é a tomada do Palácio do Inverno, pelos bolchevistas, em 1917, ocasião em que se iniciou uma das mais sanguinárias ditaduras que se há notícia na história humana. Na verdade, essa foto não é real: é uma montagem dapropaganda comunista, no sentido de exaltar o golpe de Estado de outubro que derrubou a Duma, o parlamento russo e instaurou o regime totalitário. Nove décadas depois, este sistema deixou um rastro de mortes e destruição sem precedentes na memória da humanidade. E ainda é vangloriada como um modelo a ser seguido. Mas este é o problema: a humanidade não tem idéia da memória das atrocidades comunistas. É dever de todo homem de bem combater o comunismo!
2.O regime mostra sua face: começam os assassinatos em massa.

A assustadora cena foi tirada em Kiev, na Ucrânia, em 1919, quando cadáveres foram "desovados", depois que a Tcheka, a polícia política soviética, massacrou centenas de cidadãos inocentes e abandonou seus corpos. Era o início do Terror Vermelho. Categorias inteiras consideradas "reacionárias", "burguesas", "contra-revolucionárias", foram dizimadas pelos bolcheviques: comerciantes, profissionais liberais, intelectuais, empresários, estudantes, camponeses, oficiais do exército, nobres e mesmo qualquer um que se opusesse ao frenesi de violência ilimitada do regime. A única culpa desses cidadãos, na consciência perversa de Lênin e seus asseclas, era a de pertencerem a uma "classe inimiga".
2.1.Os bolchevistas atacam a Estônia - 1919


Em Walk, na Estônia, bolcheviques executam centenas de reféns entre as "elites" da cidade, para intimidar, saquear e aterrorizar a população civil. Posteriormente, a Estônia, junto com outras repúblicas bálticas, será vítima de grandes deportações em massa e extermínio de sua população civil, pelo regime de Stalin, quando da invasão do país, em 1940, pouco antes do pacto de aliança da União Soviética com Hitler.
2.3 O bolchevismo aterroriza a Polônia e a Hungria.

Como o apoio de Lênin, em 1919, os comunistas húngaros tomam o poder, e, seguindo a lógica criminosa dos bolcheviques, impõem o terror em massa. Na foto mais acima, o líder comunista húngaro Bela Kun, junto com seus camaradas, segura uma vítima torturada como troféu, a título de exposição. Décadas depois, Bela Kun será assassinado por Stalin, vítima do Grande Terror, nos expurgos do Partido Comunista de 1936 a 1938. Em outra foto, abaixo, militantes comunistas húngaros vangloriando-se com sua vítima torturada e morta.
Carteira de identidade de um agente da "Tcheka", abreviação de Vetcheka, antiga polícia política soviética, na época da revolução russa. A Tcheka foi responsável por centenas de milhares de mortes sumárias na guerra civil de 1917-1921. Durante toda sua história, seu nome foi modificado para GPU, NKVD e mais recentemente, KGB. Ela foi precursora dos assassinatos em massa e deportações de populações inteiras na época de Stálin e uma das organizadoras do sistema de campos soviéticos, o chamado Arquipélago Gulag.

Orcha, Rússia, 1918. Depois de inúmeras torturas, um oficial do exército polonês é pendurado em uma árvore e empalado vivo por soldados do exército vermelho. Vê-se na foto, uma estaca introduzida no ânus da vítima. Dois anos depois, Lênin envia tropas soviéticas para invadir a Polônia, sofrendo uma flagorosa derrota do patriótico exército polonês. A propaganda comunista não surtiu efeito entre os poloneses, que viam na expansão do bolchevismo, não somente como o terror em massa, como também a perda da soberania tão buscada contra o domínio do Império Russo. Em 1939, a Polônia seria o palco das piores atrocidades totalitárias: esmagada pelos nazistas a oeste, e pelos russos, a leste, sentirá o extermínio de uma boa parte de sua população civil e, depois da guerra, as amarras da tirania soviética, só desbaratada, a partir dos anos 80.







2.4. De pé, ó vítimas da fome. . .a Grande Fome de 1921-1922.

Lênin, a partir de 1919, iniciara uma política de confisco de grãos dos camponeses, que gradualmente levaria uma crise de fome em massa na população. A tentativa de planificar a economia, através do controle de distribuição de alimentos, mediante apropriação forçada dos grãos dos camponeses, a fim de abastecer as cidades, gerou não somente revolta e uma feroz guerra civil no campo, como uma diminuição gradual da produção de cereais na Rússia. Os camponeses foram proibidos de vender livremente seus excedentes e os bolchevistas, exigindo cotas de produção acima das possibilidades do campo, empobreceu-os radicalmente, gerando escassez de alimentos. Os bolchevistas, através de uma incrível violência, torturando, matando e saqueando os agricultores, não somente confiscavam tudo que o camponês tinha, como não poupavam nem os grãos guardados para a o replantio de novas safras agrícolas. As regiões mais ricas da Rússia, como Tambov e outros arredores de Moscou, outrora grandes exportadores de cereais, por volta de 1920, ameaçava perecer pela fome. Os comissários da Tcheka, em memorandos direcionados a Lênin e Molotov, relatavam a incapacidade dos camponeses de oferecer seus grãos, já que não somente o campo tinha se desestabilizado, como simplesmente a produção agrícola decaído. No entanto, sabendo dessas informações, Lênin radicalizou o processo, obrigando cada vez mais os camponeses a darem suas cotas de produção onde eles não existiam mais. Antonov-Ovsenko, em uma carta sincera a um correligionário do partido, dizia que as exigências bolcheviques para a agricultura, em milhões de puds de cereais, eram tão além das expectativas da população, que ela simplesmente morreria de fome. E, de fato, foi o que ocorreu. Por volta de 1921 e 1922, 30 milhões de russos foram atingidos por uma crise de fome monstruosa, prontos a perecerem. O país caiu num caos completo. Rebeliões explodiam por todo a Rússia e arredores. Os marinheiros de Kronstadt se amotinaram e fizeram alianças com os camponeses insurretos e esfomeados. E a fúria da população era tanta, que os "comissários do povo" perdiam o controle de várias cidades russas, já que eram massacrados pela turba enraivecida. Numa dessas cidades, os grãos de alimentos confiscados apodreciam na estação ferroviária, enquanto a população morrendo de fome, enfrentando os tiros dados pelos soldados do exército vermelho, saqueavam tudo quanto viam. Enquanto isso, nas florestas da Rússia e Ucrânia, exércitos inteiros de camponeses atacavam os bolchevistas por arapucas.

Alguns intelectuais russos, com grande notoriedade mundial, reuniram-se numa comissão, para pedir a Lênin, que pressionasse, no sentido de ajuda internacional às vítimas da fome. Á primeira vista, o regime bolchevista não ficou interessado na história, porém, com a pressão da opinião pública internacional assistindo a tragédia do país, eles foram obrigados a conceder. Em parte por pressão internacional e, em parte, para pacificar o país esfomeado. Lênin fez concessões com relação ao confisco de alimentos. Todavia, reprimiu implacavelmente as revoltas camponesas. Fuzilamentos sumários de centenas de milhares de pessoas, assassinatos de famílias inteiras, deportações para os recém-construídos campos de concentração, e mesmo o uso de gás venenoso contra os agricultores rebelados, foram as variadas formas com que os bolcheviques esmagaram a resistência no campo. Quando a Cruz Vermelha e a ARA, Association Relief Association, norte-americana, trouxeram mantimentos, alimentando 11 milhões de pessoas por dia, já era um pouco tarde: cinco milhões já tinham perecido pela fome. Se não fosse a ajuda internacional e, em particular, a ajuda americana, com o apoio logístico do exército dos Eua, mais pessoas morreriam. Quanto a situação se pacificou, os bolchevistas prenderam os intelectuais russos que pediram a ajuda internacional, com a desculpa de que o regime soviético não queria concorrentes. Só não foram fuzilados, por causa, mais uma vez, da pressão pública internacional, e o regime soviético os expulsou do país com a roupa do corpo. A fome russa foi uma das maiores tragédias da história do século XX. Uma parte da população esformeada simplesmente foi reduzida ao canibalismo. Dizia-se que os camponeses famélicos arrancavam o fígado dos cadáveres para fazer patês e vender no mercado. Relatórios da Tcheka, a polícia política soviética, como algumas fotos, retratam esse estado de penúria, sem contar as famílias deportadas para a Sibéria, que definhavam pelo frio. Viam-se milhões de cadáveres espalhados pelo país, uma boa parte, de crianças. Algumas delas são retratadas em várias fotos chocantes, raquíticas, nuas, sujas, abandonadas.



Ucrânia, 1920: os bolchevistas exigem mais cotas de cereais aos camponeses, impagáveis para a safra insuficiente de grãos, e causam uma rebelião em massa e uma nova guerra civil. Kharkov, uma das cidades outrora mais ricas da Ucrânia, é subjugada pelo terror vermelho. Cadáveres abandonados de civis fuzilados pelos comunistas.


Esta foto foi tirada nos arredores de São Peterburgo, um pouco antes da Grande Fome de 1921, denunciando as condições monstruosas de vida do povo russo. O casal de camponeses simplesmente se alimentara dos dejetos do cadáver, incluindo, a cabeça do morto. Ademais, no auge da grande fome, canibalismo foi relativamente comum como meio de sobrevivência da população. Isso precederia os anos sombrios de Stalin, quando a coletivização forçada na agricultura, entre 1929 e 1932, gerou uma nova onda de fom e repressão política, matando outros milhões de civis soviéticos.




Crianças camponesas famintas, Rússia, 1921.


Os reflexos da Grande Fome do Volga, 1921: cadáveres das vítimas da fome, abandonados ao ar livre.


Cadáveres de crianças russas, vítimas da fome - 1921-1922.

Realismo Socialista - Parte II




3. Holodomor, ou a Grande Fome na Ucrânia de 1929 a 1932. 

O povo ucraniano foi vítima de uma das maiores atrocidades do século XX: o extermínio pela fome, deportações em massa e terror, de 4 a 6 milhões de ucranianos, sem contar algumas outras nacionalidades soviéticas. Se os judeus tiveram o "holocausto" ou o Shoah, os ucranianos e outros demais povos soviéticos tiveram o holodomor, ou a "morte pela fome", em língua ucraniana. Ao coletivizar a terra dos camponeses, Stalin deportou, pela força, milhões de cidadãos para as fazendas coletivas do Estado, ou os kholkozes. No entanto, devido aos maus tratos e ao tratamento análogo de escravos com que eram tratados, os camponeses se rebelaram e fugiam das fazendas, além de esconder os grãos dos alimentos, para sua própria sobrevivência, uma vez que o Estado confiscava a maior parte dos cereais. A mesma crise que matou milhões na Rússia, em 1921, ameaçava se repetir de novo, na coletivização. Todavia, Stalin não estava preocupado com isso. Como os agricultores resistiam ao confisco de seus bens e propriedades rurais, ele simplesmente usou a "arma da fome" para subjugar o campesinato soviético. Grandes extensões da Ucrânia tiveram seus grãos confiscados, e como uma massa de esfomeados fugia para as cidades, o regime comunista fechou as fronteiras das cidades, deixando a população morrer à mingua de fome. A polícia política soviética, para controlar os passos dos fugitivos da fome no meio rural, impôs um sistema de passaportes, para fiscalizar o direito de ir e vir dos cidadãos. Quem fosse pego sem passaportes, poderia ser deportado para seu local de origem, para os campos de concentração ou então seria fuzilado. Muitas crianças esfomeadas fugiam pra Moscou e eram mandadas de volta para a Ucrânia, para morrerem lá. Stalin ainda decretou uma perversa lei, chamada pelo povo como "lei das espigas": bastava o roubo de alguns grãos de alimentos, para imputar anos de cadeia ao infrator. Ou quando não iam para seu país de origem, alguns camponeses eram mandados para o "gulag" ou como"colono especial" na Sibéria, em condições de vida desumanas. Eram usados como mão de obra da GPU, a então polícia política da época, em regime de trabalhos forçados, onde uma boa parte morria de maus tratos e exaustão. A foto acima é uma pilha de cadáveres abandonadas num cemitério, causada pela fome.

3.1 Cenas do Holodomor.


Camponesas ucranias maltrapilhas. 


Corpos abandonados em um cemitério ucraniano.
Os transeuntes indiferentes, enquanto outros agonizam pela fome. . .
Nem os animais são poupados da penúria. . .





A morte como espetáculo cotidiano. . .
Um corpo abandonado em uma carroça.

















Crianças ucranianas famintas. . .



Cadáveres de camponesas ucranianas. . .
4. Campos de concentração soviéticos.




Atmosfera do gulag soviético, Kolyma, Sibéria.




Escravidão moderna: prisioneiros de um campo de concentração soviético.
Famílias polonesas, de vagões, deportadas para a Sibéria, 1941.

Crianças polonesas recém-chegadas em um campo de concentração soviético. Por volta de 1941.





1945: Crianças polonesas esqueléticas em um campo de concentração soviético, Buzuluk, no Casaquistão.


Realismo Socialista - Parte III

5-O comunismo pelo mundo afora: terror e violência em escala mundial!
5.1.Os crimes de Katyn, Polônia, 1940.


Em 1940, cerca de 20 mil oficiais do exército polonês foram chacinados pela polícia política soviética, num dos crimes mais covardes da segunda guerra mundial. Capturados pelo exército vermelho, sob a batuta de Lavrenti Beria, chefe da NKVD, os poloneses foram liquidados em nome da luta de classes: os oficiais eram "reacionários" e deviam ser executados. Em 1943, o exército alemão encontrou os corpos em uma vala comum na floresta de Katyn e chamou a Cruz Vermelha para averiguar a tragédia. Apesar dos indícios envolverem os comunistas no episódio, tanto o governo de Moscou, como o governo polonês pró-comunista, atribuíram aos homicídios em massa aos nazistas. Somente em 1990, para vergonha e mentira histórica geral, o governo russo reconheceu o envolvimento soviético nos assasssinatos.
5.2. Assassinatos de civis.
Civis lituanos assassinados pela polícia política soviética, 1941.

Civis assassinados pela NKVD, Riga, Letônia, 1941.

Corpos de civis letões encontrados em um prédio usado pela NKVD, 1941.


Vítimas lituanas e letãs de deportações e massacres patrocinados pela polícia política soviética, 1941.Uma nacionalista estoniana fichada pela NKVD, 1946.

Vinitsa, Ucrânia, 1937-1939: cadáveres de prisioneiros políticos ucranianos, assassinados pela NKVD.


Praga, 1945: estupro e assassinato de duas mulheres, pelo exército vermelho. Um senhor, sentando ao lado dos cadáveres, chora pelas moças. . .



Alemanha, 1945: cadáveres de mulheres alemães, estupradas e mortas pelo exército vermelho.




Execução sumária de prisioneiros soviéticos. . .



1945: Prisioneiro de guerra italiano num campo de concentração ioguslavo, do ditador Tito.


Realismo Socialista - Parte IV

6. A Espanha sob a bolchevização comunista: ensaio de uma loucura coletiva.
A queda da monarquia espanhola, em 1931, e a proclamação da segunda república abriu portas para o totalitarismo comunista, que mais dia, menos dia, ameaçou destruir o povo espanhol. A Espanha foi testemunha de atos de vandalismo, terror, assassinatos e crueldade ilimitada, nas mãos dos comunistas espanhóis. A instituição mais vítima deste terror foi a Igreja Católica. Milhares de templos de valor histórico inestimável, bibliotecas, obras de artes, foram destruídos. O anticlericalismo, tão violento quanto na Rússia soviética, foi sentido à flor da pele:milhares de padres, freiras e bispos assassinados, túmulos de eclesiásticos violados e as propriedades, inclusive as igrejas, confiscadas pelo Estado. Era apenas um ensaio da loucura coletiva e da guerra civil.






Cenas alusivas das atrocidades comunistas na guerra civil espanhola. No primeiro vídeo, a música tocada é "a las barricadas", cantadas pelos comunistas e anarquistas nos campos de batalha. E a segunda música é o Requiem de Mozart. Imperdíveis!



Vídeo alusivo aos assassinatos em massa de católicos, praticados pelos comunistas na Espanha.





Incêndio criminoso de um colégio católico, praticado por radicais de extrema-esquerda, 1931.



Uma religiosa ferida sendo socorrida por populares, 1931.


Vandalismo comunista na Capela de São José, Madrid, 1931.

Vandalismo no Colégio Chamartín, praticado por radicais de extrema-esquerda, 1931.



Um soldado da Guarda Civil assassinado por extremistas de esquerda, 1931.






Rebelião comunista nas Astúrias, 1934: a extrema-esquerda tenta derrubar a república pelas armas, mas é derrotada e seus correligionários são presos pelas tropas do exército.São ouvidos vários casos de execuções sumárias, estupros, prisões arbitrárias e vandalismo em igrejas feitas pelos revolucionários. É o prenúncio para a radicalização ideológica e a guerra civil.


A esquerda espanhola entrega a Espanha para os soviéticos: Jdanov, Stalin e Voroshilov, no portal de Alcalá, 1936.

Stalin, o novo ditador da Espanha, 1937.





Fotos de Calvo Sotelo, líder conservador espanhol de oposição no parlamento, assassinado pelos comunistas, no dia 13 de julho de 1936, dias antes da sublevação do exército espanhol no Marrocos e do ínicio da guerra civil.


Bandos armados milicianos saqueiam objetos da Igreja. . .


Uma igreja destruída pelos comunistas, Espanha, 1936.
Túmulos de eclesiásticos profanados em uma Igreja espanhola, 1936: detalhe para o assoalho da igreja destruído.




Profanação de túmulos: Cadáveres de padres e freitas expostos à execração pública, pelos comunistas, Espanha, 1936.

Espanha. 1936: O sujeito parece debochar do cadáver da freira. . .


Padres salesianos assassinados pelos comunistas, 1936.


Um eclesiástico, executado em 1º de setembro de 1936.


Grupos paramilitares comunistas fazem tiro ao alvo na estátua do Sagrado Coração de Jesus, 1936.



Grupos paramilitares comunistas dominando as ruas da Espanha, 1936.



Cemitério de Paracuellos de Jarama: neste local jazem mais de 2 mil pessoas fuziladas pelos comunistas espanhóis, em agosto e setembro de 1936.



Um cadáver de uma vítima em Paracuellos de Jarama, examinado para investigação forense.



Execuções sumárias: cadáveres descobertos pelos nacionalistas revoltosos. As mulheres não foram poupadas de violência sexual.





Tem que ser muito Franco pra combater o comunismo!

Realismo Socialista - Parte V

7. Comunismo na Ásia: um totalitarismo quase perfeito.
Se o totalitarismo na Rússia e na Europa em geral, adquiriu as dimensões violentas e trágicas, na figura da revolução russa e, posteriormente de Stalin, o totalitarismo asiático alargou na estratosfera a violência e o terror político. Em parte, pela concepção particular do totalitarismo na Ásia: ou seja, uma visão holística total da sociedade, cujas distinções entre governo e sociedade civil são completamente inexistentes. A própria tradição política asiática, pautada no despotismo autocrático, as noções entre o público e o privado, tão arraigadas no mundo ocidental, eram precárias. Na cultura política oriental existe uma concepção arraigada de que a vontade do governante deve se fundir com a vontade do cidadão particular. Daí o processo revolucionário ter sido muito mais violento e mais sanguinário. Se os soviéticos criaram mecanismos de burocratização da vida civil, os comunistas asiáticos não se contentavam apenas com o domínio total da sociedade: queriam controlar também a consciência do povo. Neste aspecto, são conhecidos os métodos de lavagem cerebral e os chamados "campos de reeducação ideológica", desenvolvidos pelos chineses, norte-coreanos e vietnamitas. Aplicando mecanismos de tortura física e psicológica das mais brutais, os comunistas asiáticos desenvolveram técnicas de destruição da consciência individual. Ainda que as ditaduras comunistas do Leste Europeu e mesmo na Rússia considerassem esse expediente, com histórias de internação psiquiátrica de dissidentes políticos e as sessões de "auto-crítica" e "purificação partidária", no geral, elas não estavam preocupadas com o que o povo pensava: bastava a adesão pública forçada ao regime e o partido comunista estava satisfeito. O regime chinês, norte-coreano e vietnamita elevou a "purificação ideológica" na loucura total: o controle ideológico era tão rígido, tão severo, que não admitia a "dupla moral" tolerada pelos comunistas europeus: ou era a adesão total e irrestrita ao partido, ou era a morte.
7.1. Coréia do Norte: a tribo militarizada.
A característica mais identificável da ditadura norte-coreana é o total fechamento das relações do país com o exterior. Salvo a aliança tradicional com a China, os cidadãos deste país são proibidos de entrar e sair de suas fronteiras, sob pena de serem fuzilados. A reclusão total na nação se coaduna com uma propaganda ideológica nauseante, que implica não somente a doutrinação em massa de crianças, como no culto à personalidade do ditador Kim Il song e sua família. As Tv´s locais e as rádios são usadas para divinizar o ditador. E como não devia deixar de ser, a brutalidade do regime é fartamente conhecida: execuções sumárias em praça pública, torturas, campos de concentração para "reeducação ideológica" e a fome, muita fome. De 1995 a 1997, a população norte-coreana decresceu em dois milhões de pessoas, que pereceram pela fome. Quando o regime norte-coreano recebeu alimentos, petróleo e ajuda dos Eua, para se desfazer de seu projeto nuclear, e salvar o povo faminto da carestia, a ditadura comunista desviou os recursos para alimentar seu exército e criar sua primeira bomba atômica. Quando os americanos descobriram a farsa, já era tarde demais: a Coréia do Norte já tinha sua arma nuclear.
7.2. Por trás da cortina de ferro da Coréia do Norte.

O militarismo e a violência: marcas do regime norte-coreano.



"O Grande Irmão vela por ti".

A Coréia do Norte invade a Coréia do Sul em 1950.












Taejon, guerra da Coréia, 1950: execução sumária de milhares de civis sul-coreanos, pelas tropas da Coréia do Norte.






Fome entre as crianças: relatos de fugitivos registram casos de canibalismo. . .


Yodok: campo de concentração na Coréia do Norte.

Fuzilamento, em praça pública, de um cidadão que tentou fugir do país.



7.3. China comunista: campeã mundial de violação dos direitos humanos.




O regime instaurado por Mao Tse Tung, em 1949, foi causador da morte de 70 milhões de pessoas na China, entre os quais, 30 milhões pereceram pela fome, nos anos de 1959 a 1962, com a política de coletivização forçada na agricultura, o chamado Grande Salto para Frente. Sem contar os outros milhões chacinados pela "revolução cultural proletária", em 1968, quando militantes fanatizados, os "guardas vermelhos", depredavam todo e qualquer vestígio de cultura intelectual que não fosse a literatura do "livro vermelho" do ditador chinês. Obras de artes milenares, esculturas, livros, instrumentos musicais, prédios históricos, quase tudo fora destruído. Na verdade, a política maoísta visava fazer uma gigantesca lavagem cerebral no povo chinês, em nome da "pureza ideológica". Na crença de que a consciência do povo era uma "tabula rasa" a ser moldada pelo Partido, Mao insuflou o ódio ideológico e o terror contra população civil. A cultura chinesa foi quase toda perdida com essa tragédia. . .

Tibet, 1950: monges budistas assassinados pelo exército chinês. A anexação do Tibet custou a vida de mais de um milhão de pessoas. A colonização maciça da população chinesa tornou os tibetanos minoritários em seu próprio país, acabando, para sempre com a sua autonomia política.





Propaganda: Um guarda vermelho com o livro de Mao na mão. Estupidez apaixonada.









Civis humilhados pelos fanáticos vermelhos. . .

Anos 50: Fuzilamento de um "inimigo do povo".

Prisão arbitrária de uma vítima: um povo à margem da lei, aos caprichos da tirania do Estado.



Laogai: o campo de concentração chinês, para presos políticos.



Ausência de contraditório, ampla defesa: julgamentos-farsa e execuções sumárias. O único direito que assiste à vítima é pedir clemência ao Estado.


Praça da Paz Celestial, 1989: protesto de jovens na Praça da Paz Celestial, contra as arbitrariedades do regime.


1989: Manifestantes violentamente reprimidos na Praça da Paz Celestial. Na foto abaixo, um corpo esmagado por um tanque do exército chinês.

David contra Golias: a liberdade solitária contra a tirania dos blindados. . .







As democracias esqueceram do Tibet!


Realismo Socialista - Parte VI

8. Camboja: um país reduzido a um gigantesco cemitério.



O tirânico ditador Pol Pot, que governou o Camboja entre 1975 a 1979, na verdade se chamava Saloth Sar, e nasceu membro de uma família rica na Indochina, realizando seus estudos na França. Militante do Partido Comunista Francês, absorveu várias ideologias revolucionárias, entre os quais Lênin e Frantz Fanon, cuja pregação racista e terceiro-mundista contra os europeus e contra as cidades, influenciou muito sua visão política. Sem contar o próprio Jean Paul Sarte, que exaltava a violência anticolonial como forma de redenção e justiça social. Em 1960, fundado o Partido dos Trabalhadores khmer, torna-se seu militante e, posteriormente, seu líder. Em 1966, aproxima-se da linha maoísta de exaltação dos camponeses como classe revolucionária e, com o apoio logístico e militar chinês, arma camponeses analfabetos fanatizados, treinados para obedecer ao chefe e matar sem questionar. A guerra civil explode no país, em 1970, e com o vácuo do poder no país, os comunistas khmers aproveitam da situação para usar sua força militar, ocasião em que a capital do país, Phnom Pem, é tomada em 1975. Ao pregar a visão idealizada de um comunismo rural primitivo e a hostilidade doentia às cidades, Pol Pot manda evacuar toda a capital do país, na época, com 2,5 milhões de pessoas, para os campos e aí que começa a tragédia e o terror. Durante 44 meses, o regime totalitário do Camboja eliminou 2 milhões de pessoas, cerca de 25% da população do país. A população, que em 1975, era de 7,3 milhões de pessoas, foi reduzida, em 1979, a 5,8 milhões. As classes superiores do país são as primeiras a serem chacinadas. Médicos, advogados, profissionais liberais, juízes, tradutores, universitários, escritores, comerciantes, considerados"corrompidos" pela cultural ocidental e inadequados a sociedade do "novo homem" puro socialista, são virtualmente exterminados, junto com suas famílias. A população civil é reduzida à escravidão nos campos da agricultura: escolas e hospitais são fechados e suas salas transformadas em fábricas de tortura e assassinato em massa. O país se torna um gigantesco campo de concentração e extermínio. A coletivização forçada e o controle estatal sobre a remessa de alimentos prejudicaram a produção de comida, levando a população à fome maciça. Somando ao desprezo ideológico a tudo que parecesse diferente, os khmers nutriam um ódio violento dos vietnamitas. Na fronteira do Vietnam, chacinas patrocinadas pelo khmer contra o país vizinho são registradas. Mulheres vietnamitas foram estupradas e tiveram suas vaginas cravadas com baionetas de fuzil. Gestantes tinham suas barrigas abertas e os fetos eram arrancados de seus ventres. Houve casos de mulheres com seios amputados e demais outras atrocidades.
O mundo ocidental tinha esquecido o Camboja e, inclusive, alguns intelectuais apoiavam o regime criminoso de Pol Pot, vide Noam Chomsky, o "maior intelectual do mundo", na visão da esquerda atual. A esquerda ocidental dizia que as denúncias de violações de direitos humanos naquele país era invenção da propaganda norte-americana. Foi preciso que o Vietnã invadisse o país, em 1979, para acabar com a orgias de violência e derrubar o regime de Pol Pot. Foi preciso que um país comunista totalitário acabasse com as os crimes de outro país totalitário. As barbaridades do khmer vermelho foram retratadas em um famoso filme, "Os Gritos do Silêncio".
8.1.Retratos de um pesadelo alucinante.



Soldados do khmer rouge: crianças de 13, 14 e 15 anos de idade, prontas para matar.

1975: Phnom Pem, uma cidade de mais de 2 milhões de pessoas, evacuada pelo khmer rouge.










Vítimas do khmer vermelho: as pessoas eram fotografadas antes de serem torturadas e executadas.



Esta menina provavalmente não sobreviveu. . .

Mutilações.

Vítimas assassinadas com requintes de crueldade. . .

Um prédio, provavelmente um hospital ou uma escola, transformado em câmara de tortura.



Uma vítima carbonizada.

Torturado e Crucificado.


Punição para as crianças.











Milhares de valas comuns no Camboja, em 1979: um país reduzido a ossários. . .
9. Um, dos, três, mil Vietnans. . .

Ho Chi min, ou "tio Ho", como boa parte dos mitos do século XX, é um ícone da esquerda mundial. Todavia, o seu legado, como de muitos ídolos, não pode ser comemorado. Pelo contrário, merece o repúdio de toda a humanidade esclarecida. Che Guevara, o arauto do totalitarismo latino-americano e notório assassino e psicopata, exaltava o exemplo do Vietnã para ser seguido por toda a América Latina: "um, dois, três, mil Vietnãs". Mas que exemplo seria esse? A guerra do Vietnã produziu uma jogada assimétrica midiática na imprensa ocidental: revelavam-se à exaustão os crimes de soldados norte-americanos, muitas vezes ocasionais, enquanto os crimes, bem piores e premeditados dos comunistas, eram minuciosamente suprimidos. A esquerda chique de Paris e Inglaterra, entre os quais, Bertrand Russel e Jean Paul Sartre, criavam fraudulentos tribunais de crimes de guerra dos Eua, enquanto sabiam precisamente que o preço da derrota americana na Indochina seria a expansão soviética e chinesa. Para Ho Chi Min, notório agente do Comintern, a Internacional Comunista patrocinada por Stálin, os pseudo-nacionalismos são meros joguetes da dominação comunista em escala mundial. Nunca houve a chamada "Guerra de libertação nacional" e sim a expansão do imperialismo soviético e chinês pela Ásia e demais outros países do terceiro-mundo. Quando os americanos abandonaram o Vietnã aos caprichos dos comunistas, em 1975, o povo vietnamita foi submetido a uma monstruosa servidão totalitária. O preço da tragédia ultrapassa as estatísticas da guerra:mais de um milhão de vietnamitas mortos. Há quem especule que seja o dobro disso. Os khmers rouges cambojanos não têm nada a dever ao governo da República Popular do Vietnã. Campos de concentração, torturas em massa, métodos de lavagem cerebral (os monges budistas, dissidentes e os cristãos são as vítimas mais visadas), execuções sumárias, e mesmo expurgos internos dentro do Partido, eis a história do movimento comunista no Vietnã. Há casos, inclusive, de lavagem cerebral mediante tortura, aplicados em soldados franceses e norte-americanos na Indochina, levando-os à demência. A propaganda antiamericana no Vietnã ocultou um dos maiores crimes do século XX.

Execuções sumárias de sul-vietnamitas pelos exércitos do Vietnã do Norte. . .




O massacre de Hue, 1968: Os comunistas, na ofensiva do Tet, deixam uma pilha de cadáveres. Em um mês, três mil civis assassinados.







Campo de concentração no Vietnã: os maus tratos e torturas são os métodos para que os prisioneiros aceitem a ideologia dos seus opressores.


Cidadãos vietnamitas arriscam suas vidas para fugir do inferno: tal como os "balseros" cubanos, é a liberdade ou a morte.

Realismo Socialista - Parte VII


9. O realismo socialista contado por eles mesmos. . .

Na época de Stalin, o chamado "realismo socialista" foi a arte oficial soviética do regime até os idos dos anos 60."Arte" seria caridade, já que tal moda não passava de propaganda ideológica soviética disfarçada. O mais característico nas pinturas, esculturas e retratos do "realismo socialista" é o total irrealismo das cenas. Enquanto milhões de cidadãos soviéticos estavam sendo dizimados pela fome, pelos expurgos, pela repressão politica em massa, as pinturas e esculturas stalinistas retratavam camponeses e operários felizes, risonhos, com faces coradas, bajulando a imagem de Stalin e do Politburo soviético. As pinturas são tão ruins, que mais lembram algo kitsch. Nesta mesma época, grandes artistas, escritores, poetas e teatrólogos soviéticos estavam sendo deportados para os campos de concentração ou fuzilados. Nem o cineasta Serguei Eisenstein, o queridinho da alta burocracia soviética, foi poupado da censura, já que fugia à linha ideológica do Partido. Se existiu algum tipo de arte genuína na época de Stalin, foi simplesmente a arte da dissidência, dos perseguidos do regime. Todavia, o irrealismo do regime não se limitava somente à propaganda e às artes: a história mesma era falsificada. Até a ciência e o conhecimento não fugiam à regra. A insólita história do charlatão Lissenko, elevado a diretor da Academia de Ciências da Rússia, que rejeitava a teoria mendeliana da genética, por ser uma "ciência burguesa" e "boukarinista-trotskista", mostra a loucura da ideologização comunista na vida social. Nesta mesma época, os verdadeiros biólogos e cientistas que não concordavam com a loucura de Lissenko eram deportados para a Sibéria ou mortos. Por outro lado, a criminalidade do regime soviético não foi denunciada em sua época, porque houve uma sólida e perversa solidariedade dos intelectuais. Nos anos 30, Moscou comprou a peso de ouro muitas consciências, ao ponto de criar quadros intelectuais de peso que mentissem à vontade, em favor de Stalin e da União Soviética. Daí a entender o porquê dos crimes da Grande Fome na Ucrânia, as atrocidades do Comintern da guerra civil espanhola, os julgamentos-farsa de Moscou e mesmo as deportações em massa de populações inteiras do Leste Europeu terem sido silenciadas no mundo ocidental. É a traição dos intelectuais, que venderam a sua alma ao regime comunista.
91. O realismo socialista "trash".








A arte soviética: irrealismo socialista e culto à personalidade.
9.2. Iejovshna e os processo de Moscou:a farsa oficializada.
Os anos de 1936 a 1938 foram um dos mais violentos da história soviética. Tal época foi também conhecida como Iejovshna, por causa do terrível e implacável chefe da polícia política soviética, Nikolai Iejov, que coordenou todos os mecanismos de repressão política e matanças do chamado "Grande Terror". O pretexto para a tamanha criminalidade foi o assassinato de um dos líderes do Partido Comunista, Serguei Kirov, ocasião em que Stálin encontrou um pretexto para o expurgo em massa. Até hoje suspeita-se que o próprio Stalin tenha mandado matar Kirov, embora nunca foi compravada tal hipótese. Seja o que for, Stalin soube aproveitar o crime, para criar uma nova onda de repressão política. Em dois anos, cerca de um milhão e duzentas mil pessoas foram presas, entre as quais, setecentas mil foram executadas. Os expurgos não somente atingiram toda a sociedade civil constituída, como esmagou vários quadros do Partido Comunista e do exército vermelho. Antigos líderes, como Kamenev, Zinoviev, Bukharin e o marechal Tukachevski, foram "julgados" e executados. Coloca-se entre aspas, porque os julgamentos já tinham a sentença de morte decretada antes dos processos.
Nikolai Iejov: o arauto do Grande Terror, chefe da polícia política soviética, época também chamada Iejovshna, em sua homenagem. Baixinho (1,54 m), devasso, promíscuo e bissexual, Stalin livrou-se dele, mandando executá-lo em 1940



Lublianka: um antigo prédio de uma companhia de seguros, na época do czar, transformado em sede da temível NKVD. Em seus porões, milhares de soviéticos foram executados.

A massa, organizada pelos comunistas, é forçada a participar da farsa e da violência do "Grande Terror"!


Tempos difíceis: cenas de um crime esquecido. . .
Nikolai Bukharin, ideólogo e político soviético, preso, torturado e assassinado a mando de Stalin, em 15 de março de 1938.


Lev Kamenev, político da velha cúpula bolchevique, executado, junto com sua família, em 25 de agosto de 1936.



Grigory Zinoviev, velho partidário da cúpula bolchevique e opositor de Stalin, executado no mesmo dia que Kamenev, 25 de agosto de 1936.

O marechal Tukhachevski, líder do exército vermelho, julgado e executado a mando de Stalin em 12 de junho de 1937. Em sua declaração de "confissão", encontrou-se respingos de sangue. Com ele, cerca de 50 mil oficiais soviéticos foram presos e a maioria executados. A destruição da elite militar soviética alijou o exército vermelho de seus melhores quadros, pesando no desastre da guerra contra a Finlândia, em 1939, e em enormes baixas contra a invasão nazista, em 1941. Junto com o Tukhachevski, há uma lista do Estado-Maior assassinado por Stalin:
I. mais 02 dos 05 marechais;
II.13 dos 15 generais cinco estrelas;
III. 08 dos 09 almirantes;
IV. 50 dos 57 generais de divisão quatro estrelas;
V. 154 dos 186 generais de divisão;
VI.Todos os 16 comissários do exército;
VII. 25 dos 28 comissários de divisão do exército.


Nikolay Krilenko, promotor público dos julgamentos-farsa de Moscou. Responsável pela condenação à morte de milhares de pessoas, acabou sendo triturado pela máquina de matar de Stalin, acusado de traição e executado em 1938.
9.1. O expurgo da verdade e da história: quem acredita nos comunistas?
O regime comunista soviético aplicou a falsificação deliberada da história em grande escala. Os livros, as fotos, as idéias, eram todos reescritos em vistas à conveniência do Partido Comunista. Isso já começa com Lênin, quando a Vetcheka monitorava tudo o que era escrito a respeito da União Soviética fora de suas fronteiras. Jornalistas e escritores eram obrigados a escrever aquilo que o Partido determinava e qualquer tipo de crítica que pudesse sair do país, aos olhos da opinião pública internacional, era censurado. Na época de Stálin, a falsificação tomou proporções sofisticadas e absurdas, sendo que toda memória histórica da Rússia foi reescrita várias vezes, aos caprichos do ditador. Não somente a memória histórica foi expurgada e deturpada, como a verdade foi uma das maiores vítimas na Rússia. É perfeitamente compreensível entender o porquê do povo russo ter uma certa amnésia de seu passado. A falsificação criminosa da memória histórica é uma das coisas mais surrealistas noticiadas no século XX.



Os soviéticos já usavam photoshop: o chefe da NKVD, Iejov, expurgado em vida, não é poupado nas fotos. Desaparece nos arquivos históricos oficiais.
Serguei Kirov, assassinado em 1934, e demais companheiros do Partido, "somem" das fotos de Stálin. Todos eles, gradualmente, foram mortos e retirados da história.




Stálin nunca esteve aí: essa foto é falsa. Lênin era o espantalho do Partido para tudo e Stálin precisava se legitimar neste símbolo. Ainda que falsificasse a história.
Tio Koba, o amigo das crianças: enquanto o ditador soviético batia essa foto com a criança acima, seus pais foram executados pela polícia política, durante o Grande Terror.








Trotsky já tinha sido apagado do Partido e da memória histórica soviética nas fotos, antes de ser assassinado por Ramon Mercader, com uma picaretada na cabeça, em 1940, no México. Ele foi uma dos últimos velhos quadros do Partido Bolchevique, exterminados pelo Grande Terror.


Ramon Mercader: espanhol, agente do Comintern, assassino de Trotsky, em 1940. Condecorado pelo regime soviético, morreu em Cuba, na ilha de Fidel Castro, em 1978.
9.3. As mil e uma faces de Pavlik Morozov.



Músicas, poesias, corais, teatros eram incentivados para as crianças soviéticas louvarem o " glorioso mártir" soviético, menino Pavlik Morozov, com exemplo de virtudes. O motivo? Ele delatou o pai para a NKVD. O caso Morozov é dos mais monstruosos relatos de uma educação utilizada pelo controle estatal. As crianças, fanatizadas pela propaganda soviética, induzidas a traírem os pais ao Partido. As crianças, inavertidamente, foram usadas como a extensão da própria polícia política. O mito em torno de Morozov nasceu em 1932, época da coletivização forçada, quando Morozov, aos doze anos, pertencente a um grupo escolar de militantes comunistas mirins, denunciou o pai, que vendia alimentos para os "inimigos do Estado Soviético". O defecho foi trágico: o pai de Morozov foi deportado para um campo de concentração soviético e os avós, tios e primos desesperados do garoto, acabam matando-o, para evitar a delação. Milhares de telegramas de populares, enviados à polícia política, pediam "justiça" contra o crime. A polícia política não perdoôu: prendeu e deportou toda a família do rapazinho. Estátuas, escolas, monumentos e mesmo grupos de escoteiros foram batizados para homenagear o garoto que traía sua família pela revolução. O grande paradoxo é que a história, provavelmente, não existiu: é fruto da propaganda de mentiras e desinformação soviéticas, criada para induzir a delação em massa de filhos contra os pais. Até hoje os historiadores têm dificuldades de provar a existência da versão martirológica de Pavlik, precisamente porque, durante gerações, ela foi totalmente reescrita. Mesmo as fotos de Morozov foram modificadas, de acordo com as conveniências da propaganda. A farsa durou até o fim dos anos 80. A família, na União Soviética, foi criminalizada pelo Estado.






Quem é Pavlik Morozov?
9.4. A traição dos intelectuais: as mentiras que eles contam. . .
Depois de tantas atrocidades feitas pela União Soviética, por que o mundo dos anos 30 silenciou a respeito dos crimes de Stálin e seus congêneres? Moscou comprou, induziu e manipulou muitos intelectuais que, cooperando com o regime, mentiram ou falsificaram os acontecimentos que ocorriam em território soviético. A grande fome na Rússia da Ucrânia, durante muitos anos, foi virtualmente negada pelo governo comunista, seus militantes e simpatizantes. E da mesma forma que a União Soviética fabricou uma campanha de desinformação a respeito de sua realidade, induziu os Partidos Comunistas a mentirem, ou, na melhor das hipóteses, a caluniar, difamar e desmoralizar os dissidentes e homens de bem que revelavam os crimes do regime. Essa propaganda de desinformação e mentiras existe até hoje, quando são denunciadas as condições sub-humanas de alguns países comunistas, como Cuba, Coréia do Norte, China e Vietnã, ou quando são revelados crimes contra os direitos humanos. Uma legião de intelectuais ainda é leal ao mal.


John Reed, jornalista comunista norte-americano, escreveu um famoso best-seller a respeito da União Soviética: Os Dez dias que abalaram o mundo. Na verdade, devia ser batizado "Os dez dias que enganaram o mundo", pois seu livro é pura propaganda soviética. Antes de ser publicada no ocidente, por volta de 1918, seu livro passou pelo crivo da Tcheka, a polícia política, na época da Revolução Russa.
Harold Laski, intelectual marxista do Partido Trabalhista Britânico: ele elogiava as cadeias soviéticas, por levarem os condenados à uma "vida plena de dignidade".


Emil Ludwig, historiador alemão, dizia que Stálin era um homem "aos cuidados de quem eu confiaria, sem hesitação, a educação dos meus filhos".


Bernard Shaw, teatrólogo inglês, sobre a União Soviética: ele dizia que enquanto na Grã-Bretanha, um homem entrava na prisão um ser humano e saía criminoso, na Rússia, um homem entrava"como um tipo criminoso e sairia como um ser humano, não fosse a grande dificuldade de convencê-los a sair da prisão. Pelo que eu depreendi, os criminosos poderiam permanecer na prisão tanto tempo quanto desejassem".


O casal de intelectuais socialistas fabianos ingleses Sidney e Beatrice Webb: eles escreveram um livro, "Soviet communism, a new civilisation?" (Comunismo soviético, uma nova civilização?), em que negavam que Stálin fosse ditador e que tinha menos poderes do que o presidente do Estados Unidos. O casal ainda falava: "É agradável pensar que as manifestações de apreço calorosas foram expressas oficialmente sobre o sucesso do feito da OGPU, não apenas pelo desempenho de um grande feito de engenharia, mas pela conquista de um triunfo de regeneração humana". Beatrice referindo-se à Constituição Soviética de 1936, descrevia a URSS, como a"democracia mais inclusiva e igualitária do mundo".



Bertrand Russell, inicialmente, foi simpatizante da União Soviética. Todavia, em 1920, criticou abertamente o fanatismo dos bolcheviques e achava que o socialismo não vingaria na Rússia, por causa da pobreza de seu povo. No entanto, isso não o impediu de participar de manifestações contra a guerra do Vietnã e fechar os olhos para as atrocidades feitas por comunistas na Indochina. Sem contar que, junto com Sartre, participou do fraudulento Tribunal de Crimes de Guerra norte-americanos, sobre a guerra do Vietnã.
Lion Feuchtwrang, romancista de dramaturgo alemão, sobre os julgamentos-farsa de Moscou, na época do Grande Terror, 1936- 1938: "um debate conduzido (...) por pessoas bem educadas, interessadas em estabelecer a verdade". 

H.G. Wells, romancista e escritor inglês, a respeito de Stálin:"nunca havia encontrado homem mais cândido, justo e honesto". . .



Julian Huxley, a respeito da saúde dos russos, na época da Grande Fome de 1929 a 1932: para ele, a população vivia num"nível de saúde geral muito acima daquele que se podia encontrar na Inglaterra".



Bertold Brecht, teatrólogo alemão, notório entusiasta de Stalin. Apoiou publicamente o Grande Terror e os processos stalinistas de Moscou, e, quando a Alemanha Oriental comunista se estabeleceu, a partir 1945, virou seu diretor de teatro, como uma espécie de ditador das artes do país. Eis suas palavras, que retratam o seu caráter:"Para um comunista a verdade e a mentira são apenas instrumentos, ambos igualmente úteis à prática da única virtude que conta, que é a de lutar pelo comunismo."



Jean Paul Sartre, o intelectual das causas imbecis: defendeu Stálin e mentiu sobre os campos de concentração soviéticos, negando-os, antes de renegar o Partido Comunista, para não atingir sua imagem. Apoiou a Coréia do Norte, na guerra da Coréia, dizendo que os norte-coreanos estavam sendo agredidos pelos norte-americanos. Defendeu laboriosamente o terrorismo árabe na Argélia e a violência comunista no Vietnã contra os franceses e os próprios vietnamitas: "Derrubar um europeu é suprimir, ao mesmo tempo, o opressor e o oprimido". E nos anos 60, aderiu alegremente ao banho de sangue e violência do ditador chinês Mao Tse Tung, na China e tinha deslumbramentos com relação a Che Guevara, o sanguinário guerrilheiro argentino. Suas palavras sobre Che: "o mais completo ser humano de nossa era!".Sartre pode ser considerado o intelectual completamente mais estúpido de nossa era!



Noam Chomsky, o "maior intelectual do mundo", na visão da esquerda festiva: ele defendeu o ditador Pol Pot contra as denúncias de genocídio no Camboja, acusando os norte-americanos de fazer propaganda contra o regime comunista. Com sua notoriedade, acobertou um dos maiores genocídios do século. Atualmente, apóia tudo quanto é tipo de modelos totalitários terceiro-mundistas: as Farcs na Colômbia, a proto-ditadura de Hugo Chavez, na Venezuela, Fidel Castro, o terrorismo árabe, além de sentar na mesa com os fanáticos comunistas do Fórum Social Mundial.

Realismo Socialista - Parte VIII

10. O espectro do comunismo ronda a Europa do Leste: a cortina de ferro!

Stálin morto em 1953: responsável por 20 milhões de mortes, seus herdeiros fizeram questão de esquecê-lo.

1945-1953: Berlim sucumbe à derrota. Stálin expande o domínio comunista sobre todo o Leste Europeu e metade da Alemanha, através da ocupação do exército vermelho. Por intermédio de eleições fraudulentas, num simulacro de democracia, ele consegue legitimar o Partido Comunista e implantar ditaduras por quase toda região, inaugurando a "cortina de ferro" do totalitarismo. As oposições políticas são esmagadas. Milhares de poloneses, tchecos, eslovacos, húngaros, romenos, búlgaros, alemães são presos, deportados ou assassinados. Até antigos membros da resistência antinazista, em alguns países, são dizimados. Muitos, sobreviventes das prisões e campos de concentração nazistas, sentirão o tacão dos tanques e das cadeias e campos soviéticos. O Pacto de Varsóvia, a "aliança" militar entre países comunistas, não passa de um tratado de governos fantoches, satélites da União Soviética. As autonomias nacionais do Leste são esmagadas pelo bolchevismo!



1956: Krushev, no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, "denuncia" os crimes de Stálin. Lenta e gradualmente inicia-se o processo de "desestalinização" da Rússia e países do Leste Europeu. Na verdade, a nomenklatura, cansada da repressão incontrolável e dos expurgos em massa no próprio Partido, queria garantir seus privilégios, sem cair na instabilidade política do regime stalinista. Desse modo, ela queria se livrar do pesado legado de Stálin, para redimir os crimes do regime sovietico. Só faltava dizer, no discurso, que o próprio Krushev e seus herdeiros também participaram dos crimes em massa.
10.1 Os ventos da liberdade fazem tremer a Cortina de Ferro.
Em 1956 explodem as primeiras revoltas contra as ditaduras comunistas do Leste Europeu. Reflexo dos protestos de Berlim Oriental, em 1953, a população, cansada de repressões políticas e condições miseráveis de carestia e desabastecimento, sai às ruas para protestar e, mesmo, pegar em armas com os regimes totalitários. Essas rebeliões são sentidas na Polônia e na Hungria, onde o sentimento de liberdade se mistura com reivindicações nacionalistas contra os seus governos fantoches de Moscou. Anos depois, a Tchecoslováquia, em 1968, rebela-se contra o poder soviético. É a "Primaveras de "Praga". São amostras de amor pela liberdade e patriotismo pelos seus países. E também a demonstração de intenso sacríficio e sofrimento daqueles povos, cujas liberdades foram usurpadas.
10.1. Berlim Oriental, 17 de junho de 1953: Os alemães orientais enfrentam os tanques comunistas.



Operários alemães orientais fazem greve contra a redução de seus salários e enfrentam os tanques do exército alemão. 16 pessoas são mortas, centenas são feridas e cerca de 12 mil pessoas são condenadas a duras penas de prisão.
10.2 .Poznan, 28 de junho de 1956. Grita a Polônia católica: Deus, Pão e liberdade!


Milhares deo perários poloneses saem às ruas, protestando contra a carestia e a repressão política, gritando "Deus, pão e liberdade". O regime manda tanques e soldados para reprimir a pacífica manifestação. A soldadesca dispara seus fuzis. Dezenas de manifestantes são mortos. Poznan inspira nos húngaros a sede de rebelião.



Cidadãos poloneses protestam contra a brutalidade do exército e da polícia polonesa em Poznan. Uma bandeira polonesa manchada de sangue é brandida pelos manifestantes.
10.3. A revolução húngara de outubro de 1956: a luta pela liberdade!





Budapeste, 23 de outubro de 1956: Milhares de manifestantes húngaros saem às ruas para protestar contra o governo comunista. Exigem liberdades civis e políticas e o fim do monopólio do Partido Comunista. Abordados pelas forças de repressão, são metralhados pela tropas soviéticas e pelos tanques.
Manifestantes húngaros derrubam a estátua de Stálin em Budapeste.


Em resposta aos massacres da polícia política e do exército vermelho, milicianos se armam contra o regime e revidam contra os ataques da repressão política. Ferozes combates são travados e o governo comunista de Budapeste é destituído. Nagy, o líder comunista mais liberal, forçado pela população, declara romper com o Pacto de Varsóvia, instituir eleições livres, o pluripartidarismo e as liberdades civis e políticas.



Um miliciana é observada pelos jornalistas, enquanto um agente da polícia política húngara jaz morto no chão pelos revoltosos.
Um soldado húngaro contempla um tanque soviético destruído.


A população comemora a queda efêmera do regime comunista, nas ruas de Budapeste.


4 de novembro de 1956: tropas soviéticas tomam violentamente a capital, em meio a violentos combates. Depois de seis dias de lutas, no dia 10 de outubro, o país é totalmente subjugado. Mais de 3 mil mortos; dezenas de milhares de pessoas feridas; 25 mil pessoas presas; 200 mil pessoas no exílio.


Os dissidentes não são poupados das execuções sumárias. . .


2006. Comemorações dos 50 anos da revolução húngara: símbolos comunistas, nas repartições públicas e mesmo na bandeira húngara, são arrancados e as bandeiras vermelhas soviéticas são queimadas.


Vídeo do hino da Hungria: os patriotas mortos em 1956 são homenageados em 2006.

10.4. 1968, a revolta de Praga: a Primavera subjugada pelos tanques!
A população tcheca se revolta contra o sistema opressivo do Partido Comunista. Exigências de liberdade de imprensa, liberdade política, liberdade de ir e vir, plurapartidarismo e liberalização econômica são discursos comuns em 1968. Além do que, a ruptura com o Pacto de Varsóvia. Curiosamente, a contra-cultura ocidental caminhava no sentido contrário: enquanto os tchecos reivindicavam democracia e valores liberais individualistas, ausentes na ditadura pró-soviética, os franceses e demais estudantes de todo o mundo cultuavam Mao Tse Tung, Che Guevara e demais regimes totalitários. Hippies protestavam pela"paz" na guerra do Vietnã, ainda que isso representasse abandonar a Indochina nas mãos dos comunistas e dos engenheiros sociais. No entanto, dentro da mentalidade tcheca, há um paradoxo discursivo: exigem todas as liberdades civis da democracia liberal, mas, ao mesmo tempo, acreditam no"socialismo com rosto humano" de Alexander Dubcek, líder moderado do Partido. Na verdade, o tal "socialismo com rosto humano" era uma espécie de adesão tímida e envergonhada aos conceitos liberais-democráticos, com pitadas sociais democratas. A influência do dramaturgo Vaclav Ravel nos ocorridos foi de grande valia para os acontecimentos. Em 5 de janeiro de 1968 o governo de Dubcek anuncia as reformas liberalizantes que incomodam o governo de Moscou. Brejnev, o premiê soviético, não gostou da graça. Meses depois, no dia 20 de agosto de 1968, a União Soviética invade a Tchecoslováquia, em duas divisões militares, com mais de 10 mil tanques, 800 aviões e cerca de 500 mil soldados do Pacto de Varsóvia, em sua maioria, russos, e tropas de mais outros países do Bloco. Alexander Dubcek foi seqüestrado, levado pra Moscou e obrigado a renegar suas idéias e, de forma humilhante, pediu, em rádio, para que a população tcheca não resistisse a invasão. Na ação morreram 90 pessoas e cerca de 500 pessoas ficaram feridas. 300 mil pessoas foram embora do país, no exílio e outras quase duas mil foram presas.








Alexander Dubcek, no auge de sua popularidade: forçado a trair seus próprios compatriotas.










Praga, 20 de agosto de 1968: os tchecos comparavam a invasão soviética com a ocupação alemã, em 1939. Cumprimentavam os soldados invasores, levantando a mão, fazendo a saudação nazista. Uma artista judia, que viveu naquele trágico momento, quando ouviu na rádio as notícias da invasão soviética, ficou tão apavorada que pensou em fugir do país. Milhares de cidadãos tomam as ruas da capital e enfrentam os tanques e mais de meio milhão de soldados com bandeiras e pedras.


Jan Palach, estudante tcheco, que no dia 16 de janeiro de 1969, cometeu suicídio público, tocando fogo no seu corpo, na frente da Praça Wenceslaw, no centro de Praga, em protesto contra a invasão de seu país pelos soviéticos. Ele contava apenas 20 anos. Seu enterro deixou o país de luto e mobilizou vários protestos nas ruas de Praga, com quase um milhão de pessoas. Mais outros cidadãos o imitam, cometendo o mesmo ato público. Nelson Rodrigues, em uma notável crônica, fala sobre o suicídio do jovem tcheco: "A Cortina de Ferro degradou a morte. Se não há vida eterna, que importa o suicídio, o fogo, a navalha ou o tiro?(...) Por sua vez, o Partido Comunista Italiano declarou que a reação soviética é um 'erro político'. Não'moral', 'ético', 'imoral', 'desumano', mas simplesmente'político'. O homem deixou de ser um homem, é um fato 'político'. Tudo isso aconteceu num passado recente. Todavia, aprendemos que nem sempre todos são escravos nos países comunistas. Há sim, na cortina de ferro, um homem livre - o suicida!".


Um vídeo excelente, ridicularizando os soviéticos. A música de fundo é o hino da Internacional Comunista.
10.5. Berlim e o Muro de Vergonha: o totalitarismo divide uma cidade entre a servidão e a liberdade.
Duas Alemanhas nasciam em 1945. A Alemanha Ocidental livre, capitalista, criada em sólidas bases democrático-cristãs, em particular, na figura do estadista Konrad Adenauer. E havia a outra Alemanha, a do Oriente, que demasiado sofrida com os horrores da guerra e do totalitarismo nazista, agora sofria uma nova forma de totalitarismo, com o Partido Comunista Alemão e sua versão importada de polícia política soviética, a STASI, no poder. E esta divisão cortava ao meio uma só cidade, Berlim. Duas realidades, duas potências, dois modelos que encarnavam a guerra fria. E, no entanto milhares de cidadãos da Alemanha Oriental fugiam para o lado oeste, para o lado da liberdade. O êxodo alemão do leste para o oeste chegava na cifra de mais de três milhões de pessoas! Temendo nisso uma fuga em massa de cidadãos alemães do regime comunista, o governo da Alemanha Oriental resolveu construir o muro, revogando a liberdade de ir e vir de seus cidadãos. Na verdade, essa proibição já existia em quase toda a Alemanha Oriental. Porém, como o povo não obedecia às ordens e o regime só era popular entre os comunistas, estes resolveram agir. Se não agissem, só sobraria o Partido Comunista no país e a população ameaçaria deixar Berlim Oriental deserta. O governo comunista alemão acordou seus concidadãos, na manhã do dia 13 de agosto de 1961, com barulhos de trabalhadores construindo um gigantesco muro, separando-os de outra parte de alemães. Soldados fortemente armados fechavam as fronteiras orientais de Berlim, junto com cercas e arames farpados. Mais de 150 quilômetros de concreto separavam uma mesma cidade. Amigos, namorados, noivos e famílias inteiras foram separados por anos, pelo muro da vergonha. Até casas e cemitérios foram separados. Centenas de torres, arames farpados eletrificados, cães de guarda raivosos e soldados, prontos para atirar, vigiavam os passos de milhões de alemães orientais que tentavam pular para o outro lado do muro. Quem via o muro, percebia a diferença de caráter dos dois regimes: na parte ocidental, um país sorridente, espontâneo, alegre, dono de si, redimido pela liberdade e pela democracia, depois de anos de nazismo; e do outro lado, a Berlim Oriental taciturna, cheia de guardas, militarista, escurecida, cinzenta, e um povo oprimido, vivendo numa eterno estado de sítio e toque de recolher.


A cidade dividida em mapa.

Berlim, 13 de agosto de 1961: os berlinenses orientais são acordados com essa cena. Agora eles estarão presos em sua própria cidade.
Os berlinenses ocidentais, atônicos, assistem impassíveis, a construção do muro de Berlim. Do outro lado, soldados alemães orientais.
Alemães fugindo, desesperados, para o lado ocidental de Berlim.


Essa aqui não conseguiu fugir. . .


um homem livre rondando as muralhas da prisão. . .


Ordenados para atirar e matar: no dia 17 de agosto de 1962, Peter Fechter e Helmut Kulbeik tentam pular o muro e fugir para Berlim Ocidental. Helmut consegue fugir, mas Fechter é abatido a tiros pelos guardas da fronteira e é carregado pelos seus algozes. Não há idéia de quantas pessoas morreram pulando o muro. Estima-se que quase 200 pessoas morreriam passando o muro e milhares foram presas e, por toda a fronteira alemã, os números ultrapassam a mais de mil vítimas. Somente durante os anos de 1945 a 1950, a Alemanha Oriental aprisionou 122 mil de seus cidadãos, entre os quais, mais da metade morreu. Centenas de milhares de alemães morreram nas mãos da violenta ditadura comunista alemã.



A liberdade acima da autoridade fardada: até o guarda da fronteira é um ser oprimido. Conrad Schuman não resiste e foge no dia 15 de agosto de 1961, pulando a cerca divisória da cidade. Encontra a liberdade.




O lado ocidental do Muro da Vergonha, antes de sua queda: pinturas e sinais coloridos de protesto, enquanto do outro lado, a paisagem é sombria e inóspita.

Realismo Socialista - Parte IX


11. Comunismo e terrorismo na América Latina: o espírito de Netchiaev tropical.



O Catecismo Revolucionário, escrito por Netchiaev, pode ser considerado o protótipo do terrorismo moderno. Para um revolucionário, nas idéias do anarquista fanático, não existe família, não existe Deus, não existe pátria, não existe amor, não existe amizade; tudo deve ser sacrificado pela causa revolucionária. Ele acabou fundando um grupelho de fanáticos, chamado “Narodnaye Volia”, “A Vontade do Povo”, cuja temática era a lealdade grupal sectária, no sentido de controlar os passos de cada militante. Curioso é pensar que um grupo de fanáticos se auto-afirmem a vontade popular, ainda que o povo não fosse consultado para isso. Cada discípulo, em nome do grupo, era obrigado a obedecer e delatar qualquer desvio contrário às idéias desse movimento. E a causa primeira de tudo era a revolução. Pela revolução era permitido trair, matar, aterrorizar, roubar e fazer qualquer coisa pela causa. Enfim, a mesma coesão obrigava o militante a se desumanizar e despersonalizar completamente, através de uma obediência cega e irrefletida ao grupo, tal como uma seita iniciática. Essa despersonalização era a destruição da consciência moral. E como o conceito “moral”, por assim dizer, era fazer tudo pela “revolução”, logo, matar, roubar, destruir era válido, contanto que favorecesse a causa. Essa era a “moralidade” da causa. Netchiaev ficou famoso quando um dissidente de seu grupo quis sair do movimento e, como prova de lealdade, obrigou um de seus discípulos para que matasse o recalcitrante. Estrangulado, o rapaz ainda levou um tiro na cabeça do próprio Netchiaev. Entre seus correligionários, havia a adesão cega e o terror. Quem não obedecesse seria morto.


O crime chocou a sociedade russa do século XIX e serviu de inspiração a um dos maiores romances de todos os tempos: “Os Demônios”, de Dostoievski. Décadas mais tarde, a Rússia foi dominada pelos discípulos de Netchiaev: a revolução russa de 1917, quando os bolcheviques tomam o poder e iniciam o terror em massa contra a população civil. Lênin era o mais notório discípulo de Netchiaev, já que sua militância já provinha, de longa data, das atividades terroristas do populismo russo. Um exemplo claro de sua psicologia já se revela exposta em 1891: quando houve a grande crise de fome na Rússia, a grande maioria da população, incluindo os nobres e a família do czar, mediu esforços para salvar os camponeses da fome. Toneladas de alimentos e recursos foram doados para combater a miséria. Lênin foi um dos poucos russos que condenaram as doações de alimentos. Nas palavras dele, as doações de alimentos evitariam o processo revolucionário e, em suas conclusões, os camponeses deviam ser deixados morrer de fome, para explodir a revolução. Na prática, isso custou caro à Rússia: em 1921, Lênin, como ditador, causou a segunda maior fome da história russa, matando cinco milhões de seus concidadãos de fome. A dimensão da tragédia da fome na época de Lênin só foi superada pelo seu substituto Stalin, com a fome ucraniana de 1929 a 1932.


De fato, se o terrorismo moderno ganhou várias vertentes, o comunismo foi um dos movimentos que mais contribuíram para a disseminação do terror. Em particular, na América Latina, esse convite ao crime teve várias manifestações em grupos terroristas violentos, de inspiração comunista, financiados pela própria União Soviética e, posteriormente, por Cuba: a expansão de focos de guerrilha, no intento de destruir as democracias e implantar regimes totalitários no continente. As cenas que veremos agora demonstram claramente como o espírito de Netchiaev e de Lênin dominaram os trópicos no século XX e ainda ameaçam a América Latina, com a ascensão das esquerdas na Venezuela, Bolívia, Argentina e Brasil. O comunismo revolucionário na América Latina é parte do mesmo processo que assolou o século XX: violência e terror de forma indiscriminada.




11.1.Mitos da revolução cubana: o invólucro das mentiras.




A revolução cubana inventou vários mitos a respeito de seu próprio país. A propaganda comunista apregoa que Cuba era uma nação agrária, pobre, com uma população majoritariamente analfabeta e um governo corrupto e que a revolução modificou totalmente esse quadro de miséria do país. A mentira sobre Cuba lembra muito bem a caricatura soviética do czarismo: a de um país “semi-feudal” que foi industrializado por Stalin. Ao contrário do que se apregoa, Cuba era um país altamente desenvolvido e com uma qualidade de vida equiparado a vários países europeus, em 1959. Tinha a segunda melhor qualidade de vida na América Latina e sua população era majoritariamente alfabetizada, (80% da população). Sua renda per capita era semelhante a da Itália e proporcionalmente tinha mais médicos do que a Finlândia. A maior parte de sua população vivia nas cidades e, embora o açúcar fosse o principal produto de exportação, no entanto, ele correspondia a apenas um terço da economia do país. Dois terços da economia cubana dependiam de outras atividades comerciais e prestação de serviços urbanos.


Outro mito apregoado pela fábrica de desinformação castrista é a de que a economia cubana era dominada pelos empresários americanos. Pelo contrário, a influência americana tinha vertiginosamente diminuído na economia do país. Para se ter uma idéia dessa “nacionalização” privada da economia cubana, em 1935, das 161 centrais açucareiras cubanas, apenas 50 eram cubanas. Em 1959, 121 propriedades açucareiras já estavam em mãos nacionais. Em 1939, os bancos cubanos manejavam 23% dos negócios privados. Em 1958, essa estatística já chegava a mais de 60% dos bancos privados em mãos de nacionais. Isso porque o capital norte-americano preconizava, em 1958, apenas 14% do capital investido em Cuba, com tendência a decrescer mais ainda. Outra bobagem repetida a exaustão pela propaganda comunista é a estória de que Havana era um gigantesco prostíbulo urbano. A prostituição em Cuba era tão parecida como qualquer cidade de grande porte e zona portuária. Isso porque a maior parte dos clientes era feito de cubanos natos. A maior parte dos turistas do país provinha de famílias norte-americanas e, por mais que houvesse o crime organizado e a máfia dos cassinos, nada que a lei e a ordem num país democrático não combatessem o crime comum.


O único grande problema no país era político, em particular, a corrupta ditadura de Fulgêncio Batista, que desagradava, quase que por unanimidade, os grupos sociais do país. Quando Fidel Castro chegou à Havana, em 1º de janeiro de 1959, teve um sólido apoio popular, precisamente porque a guerrilha de Serra Maestra prometia acabar com a ditadura e instaurar a democracia. A maioria da população não queria um regime comunista. As classes médias cubanas foram bastante entusiastas da queda de Batista e sonhavam com a restauração da Constituição de 1940 e eleições livres, prometidas por Castro. Bispos católicos, indignados com a corrupção e a violência de Batista, participaram da oposição ao regime. Até os Eua apoiaram Fidel Castro. A recusa dos americanos de armarem o exército de Batista foi muito mais devastadora à ditadura do que a guerrilha. Comenta-se que a própria CIA deu apoio logístico a Fidel Castro. Todavia, a promessa de ser a restauração da democracia, começou a ser um novo pesadelo: os cubanos caíram na armadilha de trocar uma ditadura autoritária, por outra pior, totalitária. Lenta e gradualmente, Castro mostrou suas verdadeiras intenções políticas: primeiro, começou a perseguir e fuzilar opositores políticos. Essas perseguições não pouparam nem mesmo os antigos companheiros de guerrilha, sinceros democratas, quase todos eles presos, exilados ou mortos. Fechou os jornais de oposição, confiscou as propriedades do país, coletivizou a agricultura e instaurou uma ditadura socialista de partido único. Concomitante a isso, criou um Estado policial e uma polícia política, o Mint, junto com os chamados Comitês de Defesa da Revolução, cujo artifício era o de espionar cada bairro do país. A classe média, que outrora apoiou o novo regime, foi embora do país. E o padrão de vida da nação caiu vertiginosamente.





11.2.Che Guevara: uma máquina fria de matar.



Mesquinho, rancoroso, arrogante, tirânico, vingativo, ardiloso, maquiavélico, violento, fanático, sanguinário. Estas são as lembranças de alguns dos companheiros mais próximos de guerrilha atribuídos a Che Guevara e que foram traídos por ele. Che é outro mito criado pela revolução cubana e que é propaganda de grife dos comunistas latino-americanos e do mundo em geral. É uma espécie de culto religioso. O retrato de Korda, quase o idolatrando como uma espécie de Cristo revolucionário não combina com a realidade do que foi Che Guevara: um paladino da violência ilimitada, do radicalismo primário, do terror em massa da população. Nas palavras de Régis Debray, “partidário de um autoritarismo implacável”, era notório admirador de Lênin, Stálin e, posteriormente, Mao Tse Tung. Em uma carta de 1957 a um amigo, dizia: “Pertenço, pela minha formação ideológica, àqueles que acreditam que a solução dos problemas desse mundo se encontra por detrás da cortina de ferro”(...). Ou seja, Che Guevara era apologético do regime soviético, que esmagava os ventos de liberdade política com os tanques soviéticos na Hungria e em outros lugares do Leste Europeu.





A fama de assassino de Che não começa em La Cabana: inicia-se na Sierra Maestra, onde ele fuzilou dezenas de cidadãos, considerados desafetos dele. Um caso em particular até hoje é controverso: um camponês chamado Eumidio Guerra, que lutava com os guerrilheiros em Sierra Maestra, tornou-se suspeito de ser espião de Batista. Todavia, uma boa parte dos companheiros de guerrilha não tinha certeza do caso e achavam que o indivíduo era inocente. Discordando de todo o resto, Che executou sumariamente o camponês. E ainda disse: “em caso de dúvida, matem”. Outros crimes também são atribuídos a Che: o de que ele também teria matado pessoalmente um de seus comandados que havia roubado um prato de comida. A maneira como Che tratava tanto seus subordinados, como seus inimigos era mal vista por muitos guerrilheiros da campanha, entre os quais, Jesus Carreras e Huber Matos. Quando ele tomou a cidade de Santa Clara, abriu novos pelotões de fuzilamentos sumários de soldados e oficiais capturados na cidade.


Em janeiro de 1959, Che Guevara foi escolhido como promotor geral da“comissão depuradora” de crimes do regime de Batista, na fortaleza de La Cabaña. Na prática, porém, o que se viu foi um verdadeiro expurgo do exército e da guarda de Cuba, prendendo e fuzilando aleatoriamente por vingança supostos desafetos. Entre a maioria dos indivíduos fuzilados em La Cabana não havia nenhuma prova de que fossem torturadores ou assassinos do exército de Batista. Na verdade, o critério de julgamento sumário de Che e mesmo a avaliação dos réus tinham como única culpa o simples fato de alguém ter pertencido ao exército cubano antes de 1959 ou, no mínimo, mostrar qualquer sinal de dissidência ao processo revolucionário em pauta. Essa sina de assassino não poupou posteriormente, nem mesmo os antigos amigos de farda que discordavam da revolução comunista que grassava em Cuba. Dois casos são escandalosos, dentre muitos: o primeiro, foi a execução do tenente Castaño, membro do serviço de inteligência do exército cubano. Preso, o oficial foi executado sem ter cometido crime algum. Outro caso foi de um jovem adolescente que pichou um muro com críticas a Fidel Castro. Uma mulher procurou Guevara pedindo que libertasse o rapaz, porque em alguns dias, ele seria executado. O guerrilheiro simplesmente abreviou a situação: mandou executar sumariamente o rapaz e ainda disse que queria poupar a mulher da espera de tanto sofrimento. Essa sina de assassino não poupou posteriormente, nem mesmo os antigos amigos de farda que discordavam da revolução comunista que grassava em Cuba. Os expurgos contra o exército e a sociedade civil, atingiram até os velhos camaradas de Sierra Maestra, a maioria presa, exilada ou fuzilada. Atribui-se a Che a criação de campos de concentração de prisioneiros políticos, imitação típica dos campos de reeducação ideológicos chineses e vietnamitas. Milhares de pessoas foram presas e torturadas nestes campos. Como ministro da economia de Cuba, mostrou-se inepto: subjugando a economia às suas utopias desastrosas, conseguiu arruinar as finanças do país e quebrar o Banco Nacional de Cuba. Para buscar eficiência, impôs à população um regime de trabalhos compulsórios, inclusive, abolindo o domingo para descanso. Qualquer negativa a esse tipo de ação arbitrária poderia causar a infeliz a pecha de contra-revolucionário e ser preso ou morto. Sedento de violência, vai para a África e apóia Laurent Kabila, um homem que anos depois, causou verdadeiros massacres no Zaire e rebatizou o pobre país como República Democrática do Congo, sem antes impor uma sanguinária ditadura. Ao arriscar um foco de guerrilha na Bolívia, é capturado pelo exército boliviano e assassinado, em 1967.
La Cabaña, local onde Che Guevara mandou executar sumariamente centenas de cubanos.



Cenas internas da prisão de La Cabaña.




O paredão onde Che Guevara executou suas vítimas.







11.3. A desconhecida ilha-prisão do Caribe.





Coronel Cornélio Rojas, chefe de polícia de Santa Clara, fuzilado a mando de Che Guevara, em 8 de janeiro de 1959.




"Fusilamientos, sí. Hemos fusilado. Fusilamos y seguiremos fusilando mientras sea necesario." Discurso de Che guevara na Organização das Nações Unidas.



"O ódio eficaz que faz do homem uma eficaz, violenta, seletiva e fria máquina de matar".
(Che Guevara).

Huber Matos, um dos homens que apoiara a guerrilha e se tornou governador de Camangüey, criticou duramente a “comunização” do país e renunciou ao cargo, em protesto contra os métodos ditatoriais do novo regime. Fidel Castro mandou prendê-lo, acusando-o falsamente de “conspiração” e Mattos pegou 20 anos de cadeia. Até seus familiares foram presos junto com ele.





A imprensa não é poupada. Antigos opositores de Batista no jornalismo são perseguidos pelo novo regime e jornais, mesmo os que foram solidários a Fidel, na guerrilha, são fechados. A revista Bohemia, de Miguel Angel Quevedo, que reproduziu o discurso de Castro, é uma dessas vítimas. Deprimido, o dono do jornal acabou se matando, no exílio.



Expurgos no movimento revolucionário: Willian Morgan, guerrilheiro norte-americano e companheiro de Fidel Castro em Sierra Maestra. Rebelando-se contra as diretrizes ditatoriais e comunistas de Castro, foi preso, acusado de traição e fuzilado, em 1961.
Jesús Carreras, comandante de uma das tropas de Fidel Castro e desafeto de Che Guevara. Rejeitando a proposta castrista de uma ditadura, ele foi outro guerrilheiro de Serra Maestra preso, acusado de traição e executado, junto com Willian Morgan, em 1961.


A Igreja Católica recompensada: o arcebispo de Santiago de Cuba, Monsenhor Perez Serantes, salvou Castro de uma execução sumária do exército, quando este foi preso ao atacar o Quartel de la Moncada, em 1953. Em agradecimento, Fidel Castro expulsou os padres e confiscou as escolas católicas do país, além de criminalizar a fé religiosa do povo. " Que os padres falangistas se preparem pra fazer as malas!", disse o ditador.



"Gracias Fidel, por todo que los das". . .



Vivendo em abundância: libreta de racionamento de comida.




Cuba tem igualdade social: quase todo mundo é igualmente miserável, salvo Fidel, é claro!



Carros de última geração. . .
Transporte coletivo de primeiro mundo. . .

Cuba: um gigantesco favelão. Mais um sucesso da esquerda!




"Considero Cuba um avanço, comparada com o resto da América Latina, pelos simples fato de os índices sociais serem muito melhores"(Frei Betto).

Prisões cubanas: 1% da população na cadeia e denúncias graves de torturas, maus tratos e promiscuidade entre prisioneiros políticos e criminosos comuns. As duas últimas fotos são as chamadas "gavetas", solitárias cujo tamanho é menor do que o corpo do prisioneiro.



A doutrinação ideológica da juventude: o regime possui dôssies das atividades de suas crianças e são fiscalizadas deste o ínicio de suas vidas. Assim, se elas cooperarem com a ideologia do governo, o Partido Comunista define se elas podem ou não entrar em uma universidade.



Espancamento e prisão de dissidentes políticos pela polícia cubana.







Abril de 1980: um grupo de cidadãos cubanos rouba um ônibus e invade a Embaixada do Peru, em Havana. 10 mil cubanos aproveitam a falta de vigilância e pedem asilo político do país.













"Cuba libre sim". . .em Miami, perto do Bush "fascista".




Atualmente, estima-se que em Cuba, 20 mil pessoas foram fuziladas, 80 mil morreram afogadas ou metralhadas pela polícia de Fidel Castro no Golfo da Flórida e cerca de 1% da população, ou seja, mais de 100 mil presos, em um país de 11 milhões. Isso corresponde a quase metade da população carcerária brasileira, com quase 300 mil presos e, proporcionalmente menor do que o número de presos nos Eua, que corresponde a 0,5% da população americana. Contam-se quase 20% da população fora do país, ou seja, 2 milhões de cubanos.
12. Mao Tse Tung no Peru: o Sendero Luminoso abre uma ladrilha de cadáveres.
Interessante perceber que uma boa parte dos movimentos revolucionários mais criminosos do século XX surgiu nas universidades, em particular, na cabeça de intelectuais fanáticos. Tal como na Rússia do século XIX, os movimentos revolucionários, adotando a linhagem das utopias e engenharias sociais, idealizavam uma sociedade hipotética, ao preço de sacrifício da realidade e mesmo das vidas humana. Outra questão a ser notada é a auto-nomeação de legitimidade desses movimentos. Eles são iniciáticos, crêem-se partidários de algum tipo de iluminação, dizem-se representar o “povo”, ainda que o povo os trate com indiferença, salvo quando agem com violência contra esse mesmo povo que dizem representar. Desde o “Narodnaye Volia” de Netchiaev, grande parte dos movimentos terroristas elevam o culto do povo para declararem algum tipo de plausibilidade a sua selvageria e violência. E o comunismo, com suas premissas escatalógicas de destruição da velha sociedade pela nova, não foge a regra. Na verdade, são grupos que aspiram a um regime totalitário, na intenção de destruir a liberdade e impor o terror generalizado sobre a sociedade civil. E a universidade, antes um centro de saber, tornou-se uma fábrica de psicopatas, prontos para matar, destruir e desumanizar a sociedade, em favor de suas crenças.

O Sendero Luminoso nasceu da cabeça de um professor de filosofia de idéias radicais, Abimael Guzmán, a partir dos anos 60. Deslumbrado com a linha maoísta, Abimael Guzmán conseguiu adeptos estudantes e conquistou espaços, primeiramente, na Universidade Nacional de San Cristobal de Huamanga, orientando na disputa de cargos estudantis. No entanto, como não possuíam popularidade, a partir dos anos 80, descambaram para a violência. O sinal do Sendero Luminoso, um cachorro morto pendurado numa corda, era o inicio do terror. O Peru sentiu mais de dez anos de criminalidade ilimitada com o movimento terrorista. O grupo lembrava o Catecismo Revolucionário de Netchiaev, em sua versão moderna, uma espécie de seita iniciática fanatizada e rigidamente militarizada, cujos intentos ideológicos estavam acima dos próprios discípulos e mesmo de suas vítimas. O Sendero Luminoso (ou “caminho luminoso”) de Abimael Guzmán, ou “Presidente Gonzalez”, deixou um saldo cruel de mais de 50 mil mortes no país e outras dezenas de milhares de feridos. No auge do seu fanatismo, o líder afirmava que se fosse necessário matar milhões de peruanos, ele o faria em nome do socialismo. Em 1985, o terrorismo senderista ataca a capital Lima, e causa centenas de vítimas. Muitos camponeses que se recusavam a aderir ao movimento foram massacrados. Há histórias de crianças que foram raptadas, para servir como soldados para o grupo terrorista e, mesmo, filhos que mataram irmãos e pais, a mando do movimento. Outros povoados eram chantageados a dar abrigo ou logística ao grupo, sob pena de serem mortos. O Sendero Luminoso só foi esmagado quando o presidente Alberto Fujimori prendeu o líder Abimael Guzmán, em 1992. No entanto, recentemente, o Sendero acabou voltando no Peru, fazendo novos atos terroristas. Comenta-se que o narcotráfico seja um dos financiamentos do futuro Sendero Luminoso. Suspeita-se, inclusive, que o presidente Hugo Chavez, da Venezuela, no intento de espalhar movimentos revolucionários no continente, esteja também financiando seu ressurgimento.


Vídeo em alusão aos crimes do Sendero Luminoso.



O símbolo do terror: cães enforcados pelos terroristas do Sendero Luminoso. Os fanáticos diziam que era assim que os "inimigos do povo" deviam ser tratados.
O caráter paramilitar e sectário do movimento terrorista: millitantes do Sendero Luminoso na prisão prestam culto à personalidade a Abimael Guzmán.



Civis assassinados pelo Sendero Luminoso.
Um cidadão chora a morte de um policial, vítima do Sendero Luminoso.


Cadáveres abandonados. . .



Camponeses indígenas resgatados pelo exército peruano: eles tinham sido seqüestrados pelo Sendero Luminoso.

13. Farcs: assassinatos, terrorismo, narcotráfico e seqüestros.


A Farc (Fuerzas Armadas Revolucionárias de Colômbia) é outro movimento comunista terrorista que tem as credenciais do espírito de Netchiaev: uma organização com idéias sectárias e obedientes ao espírito grupal e a criminalidade ilimitada como meta política e o uso do terror para conquistar o poder. O movimento terrorista surgiu em 1964, com o famoso líder Tijofiro, e veio das entranhas do Partido Comunista Colombiano e aterroriza com uma guerra civil, que até hoje dura mais de 40 anos no país. Ele compreende um exército de quase 20 mil soldados, e vive da prática de seqüestros, tráfico de armas e drogas. Inclusive, financia e orienta o crime organizado no Brasil, vide o PCC, que em 2006 atacou a cidade de São Paulo, matando dezenas de pessoas. Autoridades policiais creditam às Farcs aos métodos de treinamento de ataque às cidades, tal como o movimento fazia em muitas cidades da Colômbia. O grupo chegou a dominar 40% do território colombiano, espalhando o medo e terror sobre a população, cobrando taxas e confiscando propriedades, sob pena de execuções sumárias. As esquerdas latino-americanas, entre os quais, o PT (Partido dos Trabalhadores) no Brasil, apóiam francamente às Farcs, como “movimento revolucionário”, escamoteando os crimes e arbitrariedades dessa facção, que já matou 40 mil pessoas na Colômbia. Cerca de quase mil pessoas estão seqüestradas sob o jugo das Farcs. Na data da sua fundação, tinha o apoio de Fidel Castro e, recentemente, tem sólida adesão da Venezuela, em particular, Hugo Chavez, já que o movimento narcotraficante e terrorista se declara “boliviariano”.
Uma igreja destruída pelas Farcs.





Terrorismo: os civis são as maiores vítimas.
Assassinatos.



Ingrid Betancourt, senadora e candidata a presidência da Colômbia, seqüestrada pelas Farcs, em 23 de fevereiro de 2002.


Quase mil pessoas estão seqüestradas e estão em cativeiro na Colômbia, pelas Farcs.

19 comentários:

RÔ-LITORAL disse...

Caro Cavaleiro, conheci o blog do Cavaleiro Conde a partir de um link de seu blog. Este trabalho sobre o comunismo é fundamental. Tinha lido uma parte, mas parece que agora ele completou, inclusive incluindo as Farc. Vou ler com calma. Muito importante, mesmo, fazer a divulgação dessa desumanidade, para ver se os cidadãos acordam.

Hellder disse...

Uma coisa posso dizer :
A esquerda comunista não mata pessoas ;
Pessoas matam pessoas .....o comunismo nunca foi praticado realmente , teve apenas seu nome usado por ditadores da pior espécie ......que se aproveitaram da miséria de seus povos..

Cavaleiro do Templo disse...

Caro Hellder

Acho lícito re-afirmar aqui que o SOCIALISMO matou todas aquelas pessoas visto que a esquerda não se cansa de dizer que o CAPITALISMO "matou" muito mais gente. Portanto, estamos apenas usando a "mesma linguagem".

Sobre comunismo, concordo em gênero, número e grau.

Abração
Cavaleiro do Templo

filoxera disse...

Cavaleiro do Templo

Fiquei impressionado com este texto e suas fotos. Ao longo da minha humilde existência, fui tomando conhecimento das atrocidades dos bolcheviques, por vezes via fotos. Mas tudo resumido num só lugar como o senhor colocou, foi fabuloso.

Já o indiquei no Blog em que escrevo, o http://coturnonoturno.blogspot.com/, mais conhecido pelo Blog do Coronel, indicando a referência.

Os meu parabéns pelo artigo. Louvável a sua iniciativa para quem julga os atuais comunistas como sendo gente boa. Esquecem-se que continuam sendo bolcheviques.

Cavaleiro do Templo disse...

Olá filoxera

Gostaria de frisar que meu trabalho sobre este artigo foi APENAS o de divulgação no meu blog, TODOS os méritos são do CAVALEIRO CONDE em http://cavaleiroconde.blogspot.com e no blog que ele criou especificamente para este artigo, o REALIDADE SOCIALISTA em http://realidadesocialista.blogspot.com/.

Abraços a todos, vamos em frente.

Cavaleiro do Templo

jorgius40 disse...

O cavaliero do templo, tenho acordo com as criticas a todos esses genocidas, mas tu é milico né?
Defender o franco, os eua no vietnã, a colonização terrorista francesa na Argélia e outras cositas mas, não da né?
Como tu é milico deve ter sido colaborador da última ditadura q assolou o Brasil né? Tu deve ser adimirador do medici, aquele canalha, do pinochet, outro canalha, tu é outro fascista q vale tanto ou menos q todos os genocidas que tu citou seu pilantra mau carater.
Como tu é um milico nogento e fascista duvido que tu publique o meu comentáio honesto!!!

Jorge Luiz Fernandes

Cavaleiro do Templo disse...

Caro Jorge Luiz Fernando

Não há motivo algum para não publicar o que você escreveu. Não vou chamar de comentário pois não é válido como comentário, é apenas o que esquerdistas sempre falam dos seus inimigos.

Sabe porque isto que escreveu não é nada além de uma tentativa (sempre mal sucedida) de defesa da sua ideologia? Porque por mais que vocês exponham os crimes da direita (ou suposta direita, como tentam fazer com o Nacional SOCIALISMO (NAZISMO) de Hitler) NADA NO MUNDO SE COMPRARA AOS HORRORES PROMIVIDOS PELOS GOVERNOS DE PAÍSES QUE SOFRERAM DURANTE AS DITADURAS SOCIALISTAS/COMUNISTAS. Leiam isto: http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2008/04/o-livro-negro-do-comunismo-ou-como.html.

Portanto, aí está o que você escreveu e o meu COMENTÁRIO para você ler.

Mandem mais, rebaterei todos.

Cavaleiro do Templo.

Anônimo disse...

Meu caro Cavaleiro do Templo. Você diz ser de direita e não revolucionário. Pois bem, a direita surgiu através de revoluções tão sangrentas quanto a esquerda. Enquanto tivermos pessoas iguais a você (estudado e inteligente) que defendem algum ponto de vista dessa forma, nada vai mudar. Seu texto é um prato cheio para os comunistas mostrarem o ponto de vista deles e imporem tal ponto de vista para outros.
O que cria essas revoluções que você se diz ser contra, é exatamente a falta de companheirismo pelo simples fato de divergir intelectualmente. Seu texto apenas trás desgosto aos esquerdistas e não constroi um mundo melhor.
Acho que defender uma corrente e renegar outra é o início das revoluções; o ideal seria buscar o que cada uma (direitistas, esquerdistas, centrais, ou o nome que cada um quiser dar as suas loucuras filosóficas)para podermos conviver em harmonia uns com outros. Então meu caro, antes de atacar o lado que você julga errado, leia mais e tente enxergar quantos lados for possíveis, pois aí sim, você estará contribuindo para melhorar algo.

Obs: Não sou esquerdista, se seu trabalho estivesse atacando a direita, meu comentário seria o mesmo.

Um abraço a todos.

Frederico Nunes

Anônimo disse...

Caro Cavaleiro do Templo. Acabei de postar um comentário e me esqueci da parte final.

Não podemos deixar de falar do maior terrorista de todos. A nação norte americana, que hoje já contabiliza 1 milhão e meio de mortos apenas no iraque.

Um abraço.

Frederico Nunes

Anônimo disse...

Como pode dizer que Marx é um satanista? Você já leu algum livro de Marx? Acho que não, pois se tivesse lido veria que marx não é comunista, ele apenas chega a conclusão, depois de anos de estudo, que as sociedades industriais caminhavam para o comunismo. Se você ler Marx, verá que ele é ECONOMISTA, e suas obras são de grande contribuição para a humanidade. Ele foi o primeiro a entender o capitalismo em toda sua complexidade.

Então um cara que se diz ser CAVALEIRO DO TEMPLO, posta na internet um "texto" (que na verdade são mais imagens e vídeos) e a explicação deles, dizendo que Marx é satanista, que todo movimento de esquerda é terrorista, dizendo que não é revolucionário mas é filho das revoluções burguesas. Tenha paciência. Você tem toda razão em tudo que escreveu eu que sou ignorante de ter perdido o meu tempo para ler suas explicações sobre fotos relacionadas a esquerda. Me desculpe, mas precisa seguir seu próprio conselho e estudar, antes de sair falando bobagens.

Onde já se viu?? Karl Marx era ECONOMISTA, ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA,ECONOMISTA.



Sei que não vai postar meu comentário, pois não aceita o diverso. Mas foi bom para mim descarregar, apesar de não ter sido muito difícil a julgar pelo seu "texto" (fotos, vídeos e comentários sobre eles).

Obrigado e vai estudar. ECONOMISTA, ECONOMISTA. Ignorância.

Cavaleiro do Templo disse...

Caro Frederico

Meu blog é um museu dos horrores que a esquerdopatia mostrou ser sua obra magnânima neste planeta.

Dizer que eu não estudo os dois lados é jogo de palavras apenas. Se eu, não sendo da esquerda, publico torrencialmente material CONTRA a mesma, o que acha que seria isto? Digo, achas que pego material por aí simplesmente?

Revolução é um lixo, um câncer, nisto eu concordo contigo. As de direita são, se pudermos usar esta palavra, menos indigestas, como foi o Movimento Patriótico de 1964 e a Americana, se é que se pode chamar o que houve nestes dois momentos de revolução.

Este blog é para expor o que falta na mídia: a ralé humana, a esquerdopatia. Pessoas de esquerda que têm atitudes que prestam existem sim, são as exceções. O esquerdopata é o cara do "novo homem" do "novo mundo possível". Para destruir como este não inventaram nada mais eficiente.

Cavaleiro do Templo

Cavaleiro do Templo disse...

Frederico

Todos os artigos que publico possuem a fonte. Um milhão e meio de mortos no Iraque? De onde tens este material? Pois olhe o que nos mostra a AFP: http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jFO6f11Se10zj7OWllydQ7LG5KIg.

E olha também o que acontece no Espírito Santo: http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2009/08/estado-do-espirito-santo-onde-se-mata.html.

Tem mesmo certeza que são os americanos os maiores terroristas? Outra coisa, você sabe o que a população do Iraque diz da presença dos americanos lá?

A populaçção de Bagdá gira em torno de 6 milhões de pessoas. Será que os EEUU conseguiram matar mais de 1/6 disto?

Faça-me o favor...

Neste artigo NADA FAVORÁVEL aos EEUU os caras falam em 100 mil mortos entre os civis: http://www.mundoeducacao.com.br/historiageral/guerra-iraque.htm

Você pode ser o que quiser, da direita, esquerda, centro, liberal, conservador. Mas é contra muito coisa, principalmente contra a lógica, os números e as fontes de informação.

Cavaleiro do Templo

Cavaleiro do Templo disse...

Karl Marx, o satannista: http://martirescristaos.blogspot.com/2008/09/livro-em-promoo.html

Cavaleiro do Templo

Anônimo disse...

MUY BUENA WEB!!!!!!
QUE TERRIBLE Y PENSAR QUE LOS MARXISTAS ESTAN MAS FIRMES QUE ANTES Y YA CON EL CASI PODER MUNDIAL TOTAL.
SEREMOS NOSOTROS HOY Y MAÑANA LOS MARTIRES.
QUE DIOS NOS DE FUERZA!!!!!
Walter Foral Liebsch
Chileno en Austria desde 1995

Bruno disse...

Cavaleiro do Templo

Apesar do Comunismo ter executado, humilhado e torturado toda aquela gente, o Capitalismo, principalmente durante a Ditadura Militar no Brasil, também realizou torturas, humilhações e execuções. Nenhuma das duas sociedades é perfeita.
Veja bem, o Capitalismo, em geral, permite a liberdade de expressão ( não durante a Ditadura Militar), a oportunidade de enriquecer e uma boa economia. Porém, assim como a riqeza, também existe a pobreza, o desemprego e a corrupção.
O Comunismo mata muitos, não permite liberdade de expressão e a pobreza também é existente. Atualmente, países como a Venezuela e a Coréia do Norte estão afundando. Porém, no Comunismo todos possuem empregos, salário, comida (mesmo que pouca seja melhor que nada) e moradia.
Como pode ver, nenhuma das duas sociedade é perfeita, apesar de eu ser capitalista, acho que o Capitalismo também tem seus erros. O que precisa, é de mais classe media e menos pobreza ( obviamente).
Outra coisa, nem todas revoluções falharam, a Revolução Inglesa, por exemplo, mudou a Inglaterra para melhor. Porém a Revolução Russa mergulhou a Rússia em uma época terrível.
Gostei muito de seu blog e da oportunidade de comentar.

Abraço Cvaleiro do Templo.

Cavaleiro do Templo disse...

Bruno, sim, não existe NADA perfeito.

Mas como citou a "ditadura de 1964", te digo que a SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA "REPÚBLICA" DO LULA lançou o livro "DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE" de 2007, que diz, entre outros coisas (link: http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2010/01/livro-dreito-memoria-e-verdade-lancado.html):

"A Comissão encerrou, no final de 2006, uma longa primeira etapa de suas atividades. Concluída a fase de análise, investigação e julgamento dos processos relativos aos 339 casos de mortos e desaparecidos apresentados para sua soberana decisão, que se somam a outros 136 nomes já reconhecidos no próprio Anexo da Lei nº 9.140/95, vem se concentrando, agora, em dois outros procedimentos."

A desproporção entre regimes ditatoriais "esquerdistas" e "direitistas" é tão grande, tão avassaladora, que não é possível colocá-los no mesmo nível.

A esquerda promove, em suas revoluções, o assassinato em massa. A direita, quando muito, o desaparecimento de MENOS DE 500 PESSOAS EM 27 ANOS como comprova o livro, fruto de pesquisa dos que estão no poder, a esquerda SOCIALISTA/COMUNISTA do PT.

Como você mesmo cita, a Revolução Inglesa FEZ a Inglaterra que conhecemos hoje.

Por fim, uma observação acerca do Capitalismo: miséria e pobreza não interessam ao Capitalismo. Digo, nenhum empresário gosta que a sociedade não tenha dinheiro para comprar seus produtos/serviços, concorda? Já visões de mundo onde a produção em larga escala e a meritocracia sejam inimigos podem prescindir tranquilamente de uma sociedade onde os cidadãos possam comprar bens, produtos e serviços.

A única ferramenta que torna possível a eliminação da pobreza chama-se CAPITALISMO. Claro, desde que "capitaneado" por pessoas de moral elevada. O que não é o caso do Brasil, com certeza. E acho que nunca foi, de fato. No Brasil, a pobreza é artificial. Mas é só minha opinião. Leia o que escrevi sobre aqui: http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2010/03/igualdade-isto-e-argumento-para-que.html.

Abraços

Cavaleiro do Templo

Anônimo disse...

O Salomão...o capitalismo não é uma ferramenta para eliminar a pobreza, só os capitalistas querem ser ricos...queremos é eliminar a concentração da riqueza, ou seja...burgueses baba ovos de europeus e suas sociedadezinhas hierarquistas e filantrópicas que outorgaram a si mesmos a posição de porta vozes da humanidade!

Cavaleiro do Templo disse...

Não, imbecil, vocês querem a CONCENTRAÇÃO DO PODER EM SUAS MÃOS para que a concentração do dinheiro, por consequência, caia nas mesmas mãos, a de vocês mesmos. Sempre foi assim pois é este o objetivo do socialismo/comunismo. A eliminação de todas as classes sociais, exceto duas, quais sejam a dos miseráveis e a do Partido.

Qualquer coisa diferente disto é discurso para enganar outros mais imbecis do que vocês.

keila disse...

O comunismo não é bom e nunca vai ser!Pq o comunismo é sujo,é cruel,podre...
Cabe a nós,brasileiros não deixar essa praga maldita instalar em nossa querida Pátria,como vem acontecendo...fica visivel da forma que professores mals instruidos nos ensina quem foi Che Guevara,fazendo acreditarmos que ele foi um herói...chega até ser ridiculo.


E para quem não sabe MST é o grupo terrorista patrocinado pelo PT,ou seja,Comunismo=Miséria=PT=MST=Lula=Dilma=Corjaa

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".