Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Habla Peña Esclusa desde los sótanos de la Policía Política

UNOAMERICA
Viernes, 23 de Julio de 2010
Dice que los funcionarios allanaron su vivienda “robaron dinero y prendas. Quien es capaz de robar también es capaz de sembrar”




Alejandro Peña Esclusa



Entrevista publicada en el semanario Quinto Día de Caracas - Venezuela

Sebastiana Barráez Pérez


Sebastianabarraez@yahoo .com

Es un hombre pragmático. Casi no hay en él ninguna ironía. Tampoco es amplio de sonrisas. Voces a nivel del continente se han levantado para defenderlo, entre ellos Fernando Londoño Loyos. Y en los sótanos de la policía política que antes era la DISIP y ahora Sebin, permanece encerrado Alejandro Peña Esclusa, quien en entrevista exclusiva para Quinto Día confesó que quien lo quería preso era el presidente Chávez.
“La opinión publica conoce solamente mi faceta como luchador o mi labor de denuncia; pero hay otra mucho más relevante, que tiene que ver con mis propuestas. Durante años he estudiado cómo naciones subdesarrolladas se han convertido en potencias industriales, particularmente los casos de Estados Unidos, Japón y Alemania”.
“Estoy convencido que puedo contribuir al futuro desarrollo de Venezuela. Muchas de esas propuestas las he plasmado por escrito desde el nuevo lugar que Dios me ha deparado: la cárcel”.
-¿Qué cree usted que hay detrás de toda esta declaración de Chávez Abarca y su detención?
- Se trata de un montaje para tratar de neutralizar mi labor opositora.
- Pareciera absurda esta pregunta, pero ¿puede probar que no tenia explosivos en su vivienda?
- Nunca he manipulado explosivos en toda mi vida. Seria una locura tenerlos en mi casa, y mucho menos en el escritorio de mi hija de ocho años.
- ¿Es cierto que tenia cámaras en su casa que grabaron la supuesta siembra de pruebas por arte del Sebin?
- No tengo cámaras en mi casa.
- ¿Cuál fue o es su relación con Chávez Abarca?
- Ninguna. La primera vez que supe de él, fue cuando leí su nombre en los medios.
- ¿Chávez Abarca tiene algún motivo o razón para involucrarlo en actos terroristas contra el presidente Hugo Chávez?
- Quien tiene interés en involucrarme es el propio Hugo Chávez. El salvadoreño es solo un instrumento como lo fue el “testigo estrella” Giovanny Vázquez”.
- Reláteme en detalle como fue su captura.
- Aproximadamente 20 funcionarios del SEBIN entraron en mi casa. El fiscal no permitió la presencia de mi abogado. Estuvieron en todos los ambientes a la vez, sin supervisión alguna. Por lo que les fue muy fácil “sembrar” los explosivos. Además, robaron dinero y prendas. Quien es capaz de robar, también es capaz de sembrar.
- ¿Llegó a pensar que su detención pudiera sucederle luego de la deportación de Chávez Abarca?
- Si. Lo advertí en un video grabado dos días antes del allanamiento, colgado en www.fuerzasolidaria.org. Además, un diario dominical lo había advertido.
- ¿Diría que sus acciones contra Chávez y el gobierno son del tipo terrorista o golpista?
- Todo lo contrario. Siempre he condenado públicamente el terrorismo. He criticado la alianza de Hugo Chávez con las FARC, justamente por ser un grupo terrorista.
- ¿Trabaja por el derrocamiento de presidente Chávez?
- Trabajo para crear un gran movimiento nacional que logre, la renuncia o la destitución de Chávez por vías pacificas, democráticas y constitucionales. Chávez no esta apto para gobernar, y además viola la Constitución todos los días.
- ¿Con que personas tiene usted relación en la oposición venezolana?
- Luego de 26 años de vida política ininterrumpida, conozco prácticamente a todos los dirigentes opositores, aunque me relaciono mejor con la sociedad civil (ONGs). He sido muy critico de la Mesa de la Unidad porque participa en elecciones sin decir la verdad sobre el fraude que comete el Consejo Nacional Electoral. Estoy seguro que la oposición obtendrá dos terceras partes de  los curules en las elecciones parlamentarias del 26S, pero el gobierno solo reconocerá unos cuantos diputados.
- ¿Qué alcance tienen esos trabajos que usted dijo venia realizando contra el presidente Chávez y el Foro de Sao Paulo?
- Mi labor contra Hugo Chávez y El Foro de Sao Paulo es muy amplia y bien documentada. Fui el primero en denunciar los nexos de Chávez con Fidel Castro y con las FARC (1995). En el año 2000 lo acusé ante la fiscalía por Traición a la Patria, debido a sus vínculos con la FARC. Yo fui quien organizó las primeras marchas en contra de Chávez (2001), exigiéndoles la renuncia. El año pasado viajé a La Haya e inicié los primeros trámites para acusarlo por delitos de lesa humanidad ante la Corte Penal Internacional. Luego viajé a Washington y lo acusé ante la Comisión Interamericana de Derechos Humanos por promover la violencia y la guerra en América Latina. He viajado por todo el continente e incluso por Europa denunciando las características totalitarias del modelo chavista. Mi labor opositora ha sido tan efectiva, que por eso Chávez necesitaba neutralizarme poniéndome preso.
- ¿Y lo del Foro de Sao Paulo?
- He sido su principal detractor, haciendo gravísimas denuncias en su contra en las principales ciudades del mundo. Mis libros contra el Foro de Sao Paolo circulan en español, ingles y portugués.
- ¿Qué relación tiene o tuvo con Francisco Chávez Abarca?
- Absolutamente ninguna. No tengo la menor idea de quien es el, excepto por lo que he leído en los medios. Sospecho que trabaja para el G2 cubano y que su misión era perjudicar a quienes nos oponemos al régimen.
- ¿Es usted cabecilla o pertenece a la secta Tradición, Familia y Propiedad, que en 1984 pretendió asesinar al Papa Juan Pablo II?
- Jamás he pertenecido a Tradición, Familia y Propiedad. Esa es una de las calumnias más difundidas por el gobierno. En cuanto al intento de asesinato del Papa, ¿quién va a creer semejante estupidez? Buena parte de lo que yo he escrito,  como el libro El Continente de la Esperanza, está inspirado en Juan Pablo II. El Cardenal Rosalio Castillo Lara era mi buen amigo y mentor. A él le dediqué otro de mis libros, Arte Clásico y el Buen Gobierno.
- ¿Qué tipo de identificación o acercamiento tuvo con Lyndon La Rouche?
- Cuando era joven, entre en contacto con la ideas de La Rouche, las cuales debido a mi inexperiencia, me parecieron interesantes, pero luego fui detectando sus errores e inconvenientes y rompí definitivamente con él. Hace muchos años que nada tengo que ver con La Rouche.
- Usted preside la Unión de Organizaciones Democráticas de América. ¿Qué fin persigue UnoAmerica?
- UnoAmerica es una de las iniciativas más valiosas y esperanzadoras de la historia reciente. Se trata de una plataforma que por lo pronto ya cuenta con 200 ONG’s y que lucha para defender la democracia y la libertad en toda la región. En mi opinión UnoAmerica es la semilla de la verdadera integración iberoamericana. Además, es la antítesis ideológica y programática del Foro de Sao Paolo.
- ¿Tiene usted relación como dijo Nicolás Maduro el año pasado, con el terrorista Posada Carriles?
- Jamás he tenido que ver con Posada Carriles, ni siquiera lo he visto personalmente. El gobierno se ve obligado a calumniarme porque no tiene nada concreto en mi contra. Nunca he cometido ningún crimen. No tengo antecedentes penales. Estoy orgulloso de afirmar que, durante mis 56 años de vida, nunca he ensuciado mi nombre o el de mi familia.

Bandidos e poltrões

MÍDIA SEM MÁSCARA

lula-foro-de-sao-paulo-2005Se o PT insistir em querer processar o candidato vice-presidencial Índio da Costa, o que este e José Serra têm a fazer para desmoralizar por completo a fanfarronada petista é muito simples.
Os termos em que o sr. Presidente da República apelou a José Serra, pedindo-lhe que pare de tocar na ferida das ligações PT-Farc, são uma obra-prima de tartufismo como raramente se viu na história do teatro universal.
Em vez de negar peremptoriamente que aquelas ligações existem -- o que seria muito temerário, dada a abundância de provas --, ele tentou sensibilizar o coração do candidato, exigindo dele a omissão cúmplice que, na iminência da revelação de crimes escabrosos, se esperaria de um velho companheiro de militância para quem a solidariedade mafiosa deve estar, segundo os cânones da moral presidencial, acima da verdade, acima do respeito aos eleitores, acima dos interesses da pátria, acima do bem e do mal.
A chantagem emocional é o mais velho recurso dos patifes apanhados de calças na mão, mas o sr. Presidente da República, mesmo sendo incapaz de abster-se desse golpe baixo, poderia ao menos ter tido a decência de usá-lo em privado, em vez de mostrar em público, uma vez mais, que não tem o menor senso de moralidade.
O autor desse apelo abjeto assinou, em 2001, como presidente do Foro de São Paulo, um voto de solidariedade integral às Farc e outras organizações criminosas, e deu provas em cima de provas de que seu governo e seu partido vêm cumprindo o compromisso à risca. Recusar-se a qualificar essas organizações como terroristas e narcotraficantes, que é o que elas são com toda a evidência, já é prova de solidariedade. Somem a isto as mobilizações políticas montadas instantaneamente pelo PT e outras agremiações de esquerda para libertar qualquer membro daquelas quadrilhas que seja preso no território nacional; a participação de ministros do governo Lula na propaganda das Farc através da revista América Libre; a contínua colaboração entre Farc e PT na formulação da estratégia esquerdista continental através das assembléias e grupos de trabalho do Foro de São Paulo; a recusa obstinada de levar em consideração as descobertas do juiz federal Odilon de Oliveira, que apresentou provas cabais da parceria entre as Farc e quadrilhas locais de assassinos e seqüestradores (tornando-se por isso virtualmente um prisioneiro, enquanto os acusados continuam à solta); somem tudo isso e me digam se existe, além do instinto de autodefesa dos envolvidos na tramóia, alguma razão para não falar de ligações entre PT e Farc, entre PT e MIR, entre PT e ELN ou entre o PT e qualquer outra organização pertencente ao Foro de São Paulo.
Quanto ao próprio Foro, que, sob as bênçãos do nosso partido governante, continua todo mês gastando quantias consideráveis em viagens de centenas de seus membros entre as várias capitais latino-americanas, o sr. Lula seria, mesmo quando ainda candidato, o primeiro a ter a obrigação de esclarecer qual o estatuto legal da entidade e de onde vem o dinheiro que a sustenta.
Como ninguém teve a coragem de lhe perguntar isso em 2002 nem em 2006, ele se sentiu livre para não dizer nada. Com o tempo, a licença para silenciar, que então lhe foi concedida como um favor pela polidez covarde dos seus adversários, da mídia, das classes empresariais, dos militares e de tutti quanti, tornou-se, na cabeça dele, um direito adquirido. É em nome desse direito imaginário que ele agora exige dos candidatos oposicionistas a gentileza da omissão cúmplice, mesmo quando essa gentileza arrisque, uma vez mais, tirar das mãos deles a arma da verdade e da justiça, a mais poderosa em qualquer eleição presidencial.
Está na hora de mostrar que esse direito nunca existiu, exceto como conjunção momentânea de interesses vis entre bandidos e poltrões.
Se o PT insistir em querer processar o candidato vice-presidencial Índio da Costa, o que este e José Serra têm a fazer para desmoralizar por completo a fanfarronada petista é muito simples:
1. Inserir no processo as atas completas das assembléias do Foro de São Paulo, a lista dos membros da entidade e a coleção das revistas America Libre. Isso já basta para comprovar a ligação que o PT desmente.
2. Inserir nos autos os dois discursos em que o sr. Lula reconhece, até com orgulho, o caráter secreto e clandestino das atividades do Foro de São Paulo.
3. Convocar o testemunho do juiz Federal Odilon de Oliveira, provando que o PT continuou a relacionar-se em bons termos com as Farc enquanto a Justiça Federal já tinha provas suficientes de que essa organização criminosa colaborava com quadrilhas locais empenhadas em matar cidadãos brasileiros a granel.
Façam isso e não apenas vencerão o processo e as eleições: conquistarão a gratidão de todos os brasileiros honrados.

ATUALIZANDO: Chávez e Raúl Reyes afirmam que conheceram Lula em encontro do FORO DE SÃO PAULO.




videoscanalverdades | 20 de maio de 2010
Neste vídeo Hugo Chávez diz como conheceu Lula - atual presidente do Brasil - e Raúl Reyes, segundo maior terrorista, narcoguerrilheiro e traficante das FARC, procurado e morto pelo excelente governo Uribe.

O grande encontro deu-se em 1995, em El Salvador, no "Foro de São Paulo", fundado por Luis Inácio Lula da Silva, atual presidente do Brasil. A prova está aqui e saiu da boca do mesmo: http://www.info.planalto.gov.br/download/discursos/pr812a.doc. Notem o endereço. É o site do PALÁCIO DO PLANALTO.

A revista Cambio publicou o Dossiê Brasileiro (http://cavaleirodotemplo.blogspot.com/2010/07/o-dossie-brasileiro-o-midia-sem-mascara.html), onde é relatado parte do conteúdo encontrado no computador do narcoguerrilheiro morto. Neste conteúdo, há trocas de emails entre os acessores e pessoas de confiança diretamente ligados à Lula, dentro do palácio do Planalto.

Paralelo a isto, temos também a confissão feita por Raúl Reyes em entrevista dada para a FOLHA DE SÃO PAULO em 2003 (http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u62119.shtml):

"Folha de S.Paulo - O sr. conheceu Lula?

Reyes - Sim, não me recordo exatamente em que ano, foi em San Salvador, em um dos Foros de São Paulo."


ENTÃO, HUGO CHÁVEZ E RAÚL REYES CONFIRMAM: CONHECERAM LULA EM UM DOS ENCONTROS DO FORO DE SÃO PAULO, ESTE QUE SE DEU EM SAN SALVADOR.

É claro, Lula vai dizer que não sabe de nada disto.

Com tudo isto, temos provas de fontes primárias. Nos dois casos a confissão dos dois sociopatas e, portanto, a delinquência do PT e do FORO DE SÃO PAULO.

E não é sempre assim no Socialismo? Vejam que os EEUU não aparecem nesta análise. Nem o Japão, Alemanha, Suiça, Canadá... Por que será?

GAZETA DO POVO

Cavaleiro do Templo: A riqueza gerada por este país não vai direto para o desgoverno na forma de uma montanha "inescalável" de impostos, que não voltam em benefícios?  Os imbecis de sempre vão dizer que a culpa é dos "burgueses" usando e abusando dos pobres "proletários", eu sei.


IDH-D é o Índice de Desenvolvimento Humano ajustado pela desigualdade. Neste índice, Brasil perde 19% e estaria na faixa de desenvolvimento médio
23/07/2010 | 16:34 | G1/GLOBO.COM


O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou nesta sexta-feira (23) oIDH-D, que mede o Índice de Desenvolvimento Humano corrigido pela desigualdade. Por esse parâmetro, o Brasil perde 19% no IDH e deixaria de ser considerado um país de alto desenvolvimento humano.
"As estimativas deste relatório mostram que a desigualdade afasta o Brasil do alto desenvolvimento humano em uma magnitude de 19%", explicou Flávio Comim, economista do PNUD no Brasil.
O IDH é uma medida comparativa que engloba três dimensões: riqueza, educação e expectativa de vida ao nascer. É uma maneira padronizada de avaliação e medida do bem-estar de uma população.
O índice varia de zero - nenhum desenvolvimento humano - até 1 - desenvolvimento humano total. Entre 0,5 e 0,8, um país é considerado de desenvolvimento médio. Acima de 0,8, é considerado país de alto desenvolvimento humano. O IDH do Brasil é de 0,813. Porém, no IDH-D, o Brasil tem 0,629. Como o IDH é uma média, o PNUD decidiu criar um novo parâmetro destacando a desigualdade.
De acordo com Flávio Comim, levando-se em conta o IDH-D, o Brasil não apresentaria um alto índice de desenvolvimento humano. “Quando você leva em conta a desigualdade, o Brasil cai 19% no IDH”, explicou o economista. Segundo ele, para diminuir a desigualdade é preciso que os países tenham políticas públicas que promovam educação de qualidade e igualdade de oportunidades.
América Latina
O cálculo do indicador de desigualdade varia de acordo com o autor e as fontes e a base de dados utilizados, mas em geral o Brasil só fica em melhor posição do que o Haiti e a Bolívia na América Latina - o continente mais desigual do planeta, segundo o Pnud. No mundo, a base de dados do Pnud mostra que o país é o décimo no ranking da desigualdade. Mas os dados levam em conta apenas 126 dos 195 países membros da ONU, e em alguns casos, especialmente na África subsaariana, a comparação é prejudicada por uma defasagem de quase 20 anos de diferença.
"Dez dos quinze países mais desiguais do mundo estão na América Latina e em função disso você tem uma medida de desigualdade 65% superior a medida de desigualdade dos países mais ricos", explicou Comim.
Na América Latina, o IDH diminui em média 19% se corrigido pelo grau de desigualdade (IDH-D). A Nicaragua, por exemplo, perde 47%. A Bolivia perde 42% e Honduras, 38%. Chile, Argentina e Uruguai apresentaram as menores perdas.

Stalinismo: fossa comum com os restos de 495 pessoas

INSTITUTO PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA
22, julho, 2010


Quando será estabelecida uma Nurenberg para julgar os casos das vítimas do comunismo?
Quando será estabelecida uma Nurenberg para julgar os casos das vítimas do comunismo? – Eis uma nova e estarrecedora descoberta.
Giovanni Bensi, “Avvenire”.
MOSCOU – Os ossos descobertos na periferia de Vladivostok, no Pacífico sul, pertencem a centenas de vítimas do terror staliniano, mortos pela NKVD, a polícia política “precursora” da KGB. As autoridades locais o confirmaram com base nos resultados reunidos pelos especialistas de medicina legal.
A macabra descoberta ocorreu no corrente mês, mas sua confirmação só chegou agora: trata-se de esqueletos de nada menos 495 pessoas, a maioria com sinais de disparo na nuca, e de umas 3,5 toneladas de outros ossos, trazidos à luz numa fossa comum por operários empenhados em trabalhos na estrada.
O prefeito de Vladivostok emitiu um comunicado, no qual afirma que “a hipótese de que os restos pertencem a vítimas da repressão está confirmada
As vítimas, segunda conclusão da perícia, foram mortas presumivelmente durante o “grande terror” dos anos 30 do século passado, quando milhões de cidadãos soviéticos foram fuzilados ou eliminados nos campos de trabalhos forçados siberanianos do Gulag, do qual Vladivostok era um centro de desova. Agora os restos serão sepultados num memorial.

CHAVEZ ROMPE RELACIONES CON COLOMBIA

Muitíssimo bem observado pela Maria Elvira:


CHÁVEZ NÃO NEGOU A EXISTÊNCIA DOS ACAMPAMENTOS DAS FARC (OS AMIGOS DO PT) NA VENEZUELA.






mariaelviratv | 23 de julho de 2010
EN LA OEA COLOMBIA PRESENTA PRUEBAS CONTUNDENTES SOBRE LA PRESENCIA DEL ELN Y LAS FARC EN VENEZUELA, Y CHAVEZ RESPONDE ROMPIENDO RELACIONES CON COLOMBIA. "MARIA ELVIRA LIVE" 07.22.2010.

Everardo, já te falei: VOCÊ FOI BLOQUEADO, RAPAZ...

... mas pode vir aqui escrever, isto faz o blog ter mais tempo de visitação, o que vai para os relatório$ do me$mo.

O sociopata delirante abre a bocona de novo. Momento cômico: Chaveropapismo.

INSTITUTO PLINIO CORRÊA DE OLIVEIRA
 23, julho, 2010



Declarações de Chaves: " Não reconheço o Papa como embaixador de Jesus Cristo..." e "Mandei dizer ao Papa que eu tinha meu candidato..."
Se o leitor estiver tendo a paciência de ler este artigo no dia 23 de julho de 2010, não deixe de rezar uma jaculatória pelo cardeal-arcebispo de Caracas, D. Jorge Urosa Savino, que talvez nesse mesmo momento esteja tendo que dar explicações à Assembléia Nacional de seu país sobre “por que condena o socialismo do século XXI” de Hugo Chávez.
Sua convocação partiu do majoritário Partido Socialista Unido da Venezuela. Mas o jornal espanhol “El País” (20/6/2010) informa que o governo venezuelano não estaria contente com o comparecimento do prelado apenas ao Congresso; Hugo Chávez o exortou a dar explicações também ao Tribunal Supremo de Justiça.
Quais são os “crimes” imputados ao cardeal?
Ter declarado em Roma que o presidente Chávez “passa por cima da Constituição” e pretende conduzir o país “pelo caminho do socialismo marxista, que é totalitário e conduz a uma ditadura”.
Ele também é acusado de participação no golpe que derrubou Chávez durante 48 horas em 2002 (desse tipo de golpe que não dá em nada e que a gente fica com séria desconfiança de ter sido promovido pelo próprio governo para depois este sentir-se livre para incriminar quem quer se lhe oponha).
No dia 5 de julho, durante a cerimônia de comemoração dos 199 anos da Independência, Hugo Chávez – na presença do Núncio Apostólico, Mons. Pietro Parolini –, após referir-se ao Arcebispo de Caracas dizendo que “este senhor Urosa é indigno de chamar-se cardeal”, repetiu várias vezes que ele era um “troglodita”.
Dirigindo-se depois ao Núncio, vociferou: “Mande uma mensagem a Sua Santidade: enquanto mandarem estes bispos aqui, lamentavelmente nos sentiremos bem afastados da hierarquia da Igreja católica”.
Chávez – que declarou recentemente não reconhecer o Papa como embaixador de Jesus Cristo, pois, segundo ele, tal embaixador é o povo – num delírio chaveropapista queixou-se ainda do fato de o Sumo Pontífice não tomar em consideração sua opinião sobre quem nomear para cardeal e para bispo: “Mandei dizer ao Papa que eu tinha meu candidato, que é um senhor que deveria ser supercardeal porque o merece”, referindo-se a D. Mario Moronta, bispo de San Cristóbal. Este último, entretanto, apesar de suas posições progressistas, repreendeu o presidente pelas suas palavras e se solidarizou com o Arcebispo de Caracas.

Ativistas tentam perturbar caravana contra o PNDH-3 em Ribeirão Preto

O QUE ESTÁ ACONTECENDO NA AMÉRICA LATINA
quinta-feira, 22 de julho de 2010

A Caravana Terra de Santa Cruz, do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, foi alvo de um intento de atrapalhação pelo movimento homossexual em Ribeirão Preto – SP.

O Programa Nacional de Direitos Humanos poderá generalizar esse tipo de hostilização religiosa e à liberdade de expressão no Brasil. Participe dessa campanha para evitar que isso aconteça.

A Caravana não ligou para as provocações e prossegue sua destemida denúncia.

Hugo Chávez recebeu apoio de Lula para implantar regime progressista na Venezuela

VANGUARDA POPULAR
ESCRITO POR EMMANUEL GOLDSTEIN   

Mico Mandante Chávez
Camaradas, nos últimos dias o Partido da Imprensa Golpista (PIG) lançou uma ampla campanha contra o regime popular, progressista e democrático da Venezuela.

A direita troglodita afirma que o camarada Hugo Chávez é um ditador só porque ele tirou do AR o canal anti-Povo, fascista e reacionário Radio Caracas Televisión Internacional (RCTV).

É evidente que os protestos dos reacionários conservadores não tem fundamento. Qualquer estudante da faculdade de filosofia da USP sabe que o AR pertence ao Estado e, portanto, o Mico Mandante Chávez, que é o líder do Partido e supremo Führer do Estado, pode tirar do AR o que ele bem entender.

Ademais, camaradas, o presidente venezuelano conta com o apoio irrestrito do Grupo de Amigos da Venezuela e do maior estadista de todos os tempos: Luis Inácio Lula da Silva.

Camarada Hugo Chávez e Stalinácio da Silva
“Foi assim que nós, em janeiro de 2003, propusemos ao nosso companheiro, presidente Chávez, a criação do Grupo de Amigos para encontrar uma solução tranqüila que, graças a Deus, aconteceu na Venezuela. E só foi possível graças a uma ação política de companheiros. Não era uma ação política de um Estado com outro Estado, ou de um presidente com outro presidente”, disse o camarada Stalinácio da Silva.

“Quem está lembrado, o Chávez participou de um dos Foros [de são Paulo] que fizemos em Havana [Cuba]. E graças a essa relação foi possível construirmos, com muitas divergências políticas, a consolidação do que aconteceu na Venezuela, com o referendo que consagrou o Chávez como presidente da Venezuela. Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política”, completou. (Conferir no site oficial do governo: http://www.info.planalto.gov.br/download/discursos/pr812a.doc )

Viram só? Não há o que temer camaradas! Chávez possui todo o apoio e todo armamento que necessita para implantar o socialismo, que é o único caminho que garante a paz, a justiça e a sobrevivência da raça humana.

“Se a burguesia reagir nós teremos uma batalha de aniquilação e terrorismo cruel - não nos interesses da Venezuela ou do Brasil, mas nos interesses da Revolução! Nós já compramos 100 mil fuzis Kalashnikov e a munição nós  fabricamos", declarou Chávez ementrevista exclusiva ao Partido Vanguarda Popular ©.

Leia também: Lula, réu confesso

Obama e a patente da maconha

LOST IN THE E-JUNGLE


Obama, ajudando
a acabar com o PT


Acreditem se quiserem, o governo americano acaba de patentear a maconha para uso medicinal (veja o artigo completo aqui).
Acontece que, nos EUA, vender maconha é um crime federal… A partir de agora a maconha do governo poderá ser vendida sob a desculpa de “uso medicinal”. Lindo, não?
Com a patente, os maconheiros agora provavelmente terão que pagar impostos para o Tio Sam… ao invés de pagar para as FARC. Excelente! O PT que se cuide!

O último a entrar apague a luz

MÍDIA SEM MÁSCARA

O que ocorre nos EUA e nos países europeus é, na verdade, um fenômeno bem curioso, na qual a elite (classe política e ricaços) une-se às subclasses (pobres, minorias, imigrantes ilegais e welfare queens) para se perpetuar no poder.
Devem os países ricos acolher refugiados de países pobres, vítimas de violência, guerra, genocídio ou mera pobreza?
A caridade cristã indicaria que sim. Quem tem deve ajudar quem não tem. Mas, na prática, a situação é um pouco mais complicada.
Por exemplo, recentemente uma corte americana deu o direito às mulheres guatemaltecas vítimas de violência doméstica de entrarem nos EUA como refugiadas. Aparentemente, tem muita mulher que apanha na Guatemala. Imagine o fluxo de guatemaltecas que não vai desejar viajar, alegando maus tratos, reais ou imaginários.

Outro problema, a questão da mutilação genital, comum nas culturas árabes e africanas. Todos as pessoas de bem são naturalmente contrárias a essa prática hedionda. Quem poderia negar asilo às pobres mulheres que querem escapar dessa injustiça?

O problema é que, na verdade, quem realiza a mutilação na tribo são as próprias mulheres. Quando chegaram aos países ditos civilizados, continuaram com o costume. A prática hoje é extremamente comum em vários países europeus e nos EUA também. As autoridades, em nome do politicamente correto, viram o olho, ou em certos casosaté ajudam

Na era pós-moderna, é o país hóspede que se ajusta aos costumes do imigrante, e não o contrário. 

O fato é que os imigrantes de terceiro mundo não mudam magicamente ao cruzar as fronteiras, mas trazem consigo os seus costumes e cultura. Sim, há muitos que se integram bem e trabalham duro, talvez até a maioria. Mas o que fazer com aqueles que não?

No outro dia, visitando um parque do centro da cidade freqüentado apenas por mexicanos e outros latinos, observei que a sujeira (papéis no chão, etc) era bem maior do que em outros parques públicos da cidade. Relaxamento da prefeitura em uma zona mais pobre, ou costumes latinos sendo importados aos USA? Difícil dizer.

Vejam aqui a lista dos "most wanted" em Toronto, Canadá. São todos estrangeiros ou de origem estrangeira, árabes, africanos, latinos ou paquistaneses. Tem até três brasileiros envolvidos numa maracutaia seguida de assassinato.

E por falar em Canadá, um último exemplo. Vejam o caso desta pobre chechena, que perdeu o marido e parte da perna durante a invasão russa. Admitida no Canadá como refugiada, revelou-se muçulmana fanática e estrangulou a própria filha de 14 anos com uma echarpe. (Não se sabe o motivo, só se sabe que o juiz decidiu que a assassinanão vai ser presa, afinal, teve uma vida complicada).

Repito que bem sei que muitos dos imigrantes e refugiados podem até ter histórias verdadeiras de sofrimento. Mesmo assim, mesmo que fossem santos, por mera questão demográfica tampouco é possível aceitar todos. Até a Confetti, única leitora de esquerda deste blog, confessou já estar de saco cheio das burkas em Paris.

Como equilibrar a ajuda aos refugiados com o bom senso?

Uma solução simples seria não dar nenhum tipo de assistência estatal aos recém-chegados. O refugiado teria a chance de recomeçar sua vida de novo em um país de primeiro mundo (o que não é pouco), mas teria que trabalhar e se virar. Em caso de escolher se virar com crimes, seria deportado imediatamente para o seu país de origem, juntamente com toda a sua família e o papagaio.

Outra solução seria só admitir imigrantes após um teste de QI, ou, se isso for muito politicamente incorreto, admitir apenas pessoas com certo nível de educação formal, o que já funciona como uma espécie de filtro. Na Austrália parece que estão realizando testes de cidadania e obrigando o cidadão a aprender inglês. A solução mais radical, é claro, seria simplesmente fechar as portas e expulsar todos os ilegais ou refugiados com mau comportamento.

Porém, não é esse o pensamento corrente entre os políticos, pois aos políticos interessam os votos, e essa massa de imigrantes recebidos com welfare é acima de tudo isso: votos. Muitos votos.

O que ocorre nos EUA e nos países europeus é, na verdade, um fenômeno bem curioso, na qual a elite (classe política e ricaços) une-se às subclasses (pobres, minorias, imigrantes ilegais e welfare queens) para se perpetuar no poder. Morando em suas mansões, estão longe da racaille que ajudaram a trazer. A classe média, que é quem paga a conta e sofre com o aumento do crime ou do desemprego, é a única que não fica satisfeita com o arranjo. Está tudo explicado neste post do críptico Mencius Moldbug, ou neste do Telegraph, ou, melhor ainda, neste longo mas importantíssimo artigo de Angelo Capovilla que revela as mudanças ocorridas nos EUA. (Links em inglês). Basicamente, são as elites políticas contra o povo, utilizando as minorias como massa de manobra. De fato, a diferença entre o ponto de vista dos políticos e do povo americano, medido por recentes pesquisas, é impactante.

Bem, isso, é claro, não explica tudo. Muito além dos supostos complôs políticos, a própria facilidade de transporte, globalização econômica e crescimento tecnológico facilita em muito a imigração massiva. É um fenômeno natural. Todos, afinal, querem melhorar suas condições de vida, e não há nada de errado nesse desejo. Além do cinismo dos políticos, há também um interesse genuíno em ajudar. Há muitas igrejas e americanos caridosos auxiliando refugiados sem obter nada em troca. Afinal, como eu disse no início, também faz parte da caridade. E a própria Estátua da Liberdade não conclama os pobres, injustiçados e desvalidos a mudar-se para os EUA?

O problema é que existem bilhões de desvalidos no planeta. Todos querem entrar, mas não tem lugar para tantos, e alguns terminam só terceiromundizando o lugar.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".