Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 20 de março de 2010

Olavo de Carvalho on Communism in Latin America

NEW AMERICAN


WRITTEN BY ALEX NEWMAN
MONDAY, 15 MARCH 2010 01:00


Olavo de Carvalho
Olavo de Carvalho, an author and philosopher, is renowned as one of Brazil’s preeminent thinkers. He played a leading role in exposing subversive leftist organizations like the Foro de São Paulo in his work as a writer for some of Brazil’s most influential publications. In the course of writing an article about the socialist resurgence in Latin America, I interviewed Carvalho for The New American magazine.



The New American: Could you please tell me a little bit about yourself, your background, your work, your philosophy, and what motivated you to become involved in exposing the Foro de São Paulo?

Olavo de Carvalho:
 Notwithstanding having been a leftist militant as a teenager, I lost any interest in politics after severing my ties with the Left when I was 20 years old in 1969. From that time on, until I was 38, I worked as a text editor for newspapers and magazines and dedicated my free time to the study of philosophy, literature, cultural history, ancient esoteric traditions, and comparative religion. Though I delivered an occasional lecture here and there, I was happy to live as an anonymous scholar, perfectly unknown to public opinion and academic circles. It was only in the late ’80s that my attention was drawn to the ongoing destruction of high culture in Brazil, and I started to take notes on the alarming stupidities that were published in ever growing quantities by very influential Brazilian opinion makers, both academic and journalistic. Bit by bit I grasped the political factors that had generated that state of affairs, and in 1993 I wrote a book, The New Age and the Cultural Revolution, about the overtaking of higher education by the communist militancy, which was not at all interested in high culture, but only in gaining political power and profiting from the general dumbing down of Brazilian students. In 1995 I wrote The Garden of Afflictions, a study on the evolution of the idea of “Empire” in the West, since the times of Julius Caesar to the advent of the New World Order.... The following year I collected my notes about Brazilian cultural decay and published them under the title of The Collective Imbecile, ... leading some big newspapers to hire me as a weekly political columnist.... Meanwhile, I had founded an electronic newspaper, Mídia Sem Máscara (“Unmasked Media”), that intended to correct the most flagrant distortions of the news published by the big media.... In 2005, as I was getting tired of receiving weekly death threats from leftist maniacs, I found it was a good idea to accept a job as a Washington foreign correspondent that was offered to me by a traditional Brazilian business newspaper, the Diário do Comércio (“Business Daily”), and here I am living in Virginia with my family. I love to be here, because Americans, though already infected by the neo-communist virus, are not yet so stupid as Brazilians have become.

TNA: To what extent has the leftist movement gained power in Latin America? What factors led to this resurgence and how was it possible? 

Carvalho: Communist and pro-communist parties rule about a dozen Latin American countries today. This fact, by itself, is enough to prove that the “end of communism,” proclaimed by the Right soon after the fall of the Soviet Union, is a myth. World communism was never only an appendix of the USSR. It actually created the USSR, not the other way around. It existed a century before the Russian Revolution and continued to exist after the nominal extinction of Soviet power. What made the resurgence of communism easier — not only in Latin America, but around the world — was the cowardly timidity of Western right-wingers who, instead of taking the opportunity of the fall of the USSR to punish the communists for their crimes, chose instead a policy of “extending them a hand,” as if asking for their pardon for having defeated them, and offering them all sorts of aid, enabling them to reappear with a new or attenuated identity, even protecting them from being called “communists” (the fashionable euphemism is now “populism”). I believe that this absurd surrender of the winners was also stimulated by powerful globalist circles, whose interest in establishing worldwide bureaucratic controls converges with the objectives of the communists. The number of billionaire companies which came to openly contribute to leftist parties is enormous. I call “meta-capitalists” the individuals and groups which grew so wealthy with the market economy that they can’t stand anymore being at the mercy of the free market and seek, instead, to control everything, supporting bureaucracy instead of capitalism. Meta-capitalists are natural allies of the communists.

An event that clearly symbolizes this union of apparent adversaries was the tributes paid to Lula, the Brazilian President, who in the same week was honored by the World Economic Forum in Davos, for his conversion to capitalism, and by the São Paulo Forum, for his allegiance to communism. The contradiction is only apparent. At the World Social Forum in Porto Alegre, which for public opinion embodies the opposite of the Davos Forum, the main demand was for a greater control over the world economy by big international organizations. Nobody there asked for shutting down the IMF or the World Bank, what they wanted was the integration of “civil society” — i.e., the World Social Forum — into those organizations. Many European NGOs [non-governmental organizations] which participate in the World Social Forum have a seat at the meetings of the World Bank and other international organizations. The “ideological” contrast serves only as propaganda. What we have is a gigantic symbiosis of all globalist and statist forces around the world.

TNA: How have the Foro de São Paulo and its members managed to become so influential? How can they be stopped?

Carvalho: The São Paulo Forum, created by Luis Inacio Lula da Silva and Fidel Castro in 1990 with the goal of regaining in Latin America what had been lost in Eastern Europe, is the strategic command of the communist and pro-communist movement in the continent. Its membership includes over 100 legal political parties as well as criminal organizations of drug traffickers and kidnappers, such as the FARC (“Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia”) and the Chilean MIR (“Movimiento de Izquierda Revolucionaria”). Legal parties cover up the activities of criminal groups, and these provide undercover financial resources to legal parties.... During 16 years big media and the establishment, in Latin America and in the United States, refused to touch upon the subject, handing to the strategists of the communist revolution the protection of silence. Some of them, such as the expert in Brazilian affairs at the Council on Foreign Relations, Kenneth Maxwell, even openly denied the existence of the Forum, though by that time I had already published, in my electronic newspaperMídia Sem Máscara, the complete official proceedings of its annual meetings, which revealed with total clarity the scope of its ambitions and goals.

The Forum can only be stopped if the legal political parties in its membership are taken to court for the criminal activities covered up and protected by the organization. Brazilian President Lula, who chaired the Forum for 12 years, signed in 2001 an agreement of full support to the FARC, the same organization which provides training and military assistance to criminal gangs in Rio de Janeiro and São Paulo, such as the PCC (“First Command of the Capital”) and the “Red Command,” which kill tens of thousands of Brazilian citizens every year. When FARC or MIR agents are arrested in Brazil, immediately Lula’s [Workers’] Party, the PT [Portuguese: Portido dos Trabalhadores], acts to free them. What is this if not complicity in crime? ... Meanwhile, communist militants keep securing positions in the judiciary, so that as time goes by any lawsuit brought against this alliance of leftists and criminals becomes ever more unlikely to succeed.

TNA: What role have the Brazilian government and Lula in particular played in expanding the leftist movement’s power in Latin America? Is Lula a radical leftist, a moderate, or somewhere in between? What do his policies -indicate?
Carvalho: Lula’s ideological convictions don’t really matter, because they don’t even seem to exist. What exists is his loyalty to his cohorts in the militancy and to the commitments he made to the entities of the São Paulo Forum, which, if unfulfilled, would bring against him all the Latin American Left, leaving him without any support, not even from the Right, which is by now so weak that its support is worthless. A mediocre man doesn’t act out of convictions, but according to the objective pressures of his group of reference. It’s a waste of time to ask whether he “is” a true communist within himself or not. Within Lula there is only emptiness and meanness, but around him there is a well-organized structure of revolutionary power which he serves well and will never stop serving.

Foreign observers let themselves be impressed (or pretended to do so) by Lula’s “orthodox” economic policy and therefore concluded that he had changed his ideology. This is total nonsense. Lula only adopted these policies so that he would not have to fight two fronts simultaneously. Following the example of Lenin’s “New Economic Policy,” he sought to appease foreign investors while consolidating the power of leftist organizations in internal politics (using copious amounts of public money to finance them), and boycotting the Right in such a way that it is not able, as he himself recently declared, even to present its own candidate in the upcoming presidential elections [in October]. This will be the third presidential election without any right-wing candidate. As soon as it felt that the control of the Left over the country had been consolidated, the ruling party threw off its mask of moderation and began to propose radical measures such as state control over the media, the right of leftist organizations to invade and take rural properties as they see fit, etc.

TNA: Do you see the leftist resurgence as a monolithic threat under central control or rather as a splintered movement with various factions? Why? Assuming they exist, who are the leaders?

Carvalho:
 Throughout history the revolutionary movement has never depended on monolithic control to be able to grow and prosper. Even during the period of Soviet hegemony, the expansion of communism coexisted perfectly well with the deep internal dissent that separated the Soviets from the Chinese and from the radicalism of Latin America guerrillas. In the last dec-ades, the communist movement has perfected even more its capacity to deal with a variety of internal dissidences, using them as camouflage and as instruments to adapt itself to local situations. The linear party hierarchy, which had always been more an appearance than a reality, has been totally replaced by a flexible organization of “networks” connected via the Internet.... In Latin America, the leadership of the revolutionary movement still belongs to the founders of the São Paulo Forum: Lula, Marco Aurélio Garcia, Ricardo Kotscho, and others. 

TNA:
 What role have Hugo Chavez and Venezuelan Petrodollars played in this resurgence? Is the Cuban government an important player? 

Carvalho: Hugo Chavez is only a scarecrow that the Latin American Left waves before the world to distract the attention away from the São Paulo Forum, which is the true strategic command of the Latin American revolution. Cuba and Venezuela are important as shelters for terrorists and drug traffickers. In Venezuela and other Spanish-speaking countries ruled by the São Paulo Forum, there is strong and organized opposition, while in Brazil all that is left is the Left itself, which controls the scene absolutely. 

TNA: How significant and deep are the ties of leftist leaders and political parties to terrorism and crime?

Carvalho: In Brazil, federal judge Odilon de Oliveira gathered proofs showing that FARC’s narco-guerrillas ... control a large chunk of local criminality. As a result, he became the most persecuted man in Latin America and now has to live as a prisoner in his own office, not being able even to go out to visit his family.... The FARC also provide guerrilla training for the militants of the “Landless Movement” (MST), an ironic name because that entity is one of the biggest landowners in Brazil today. The MST invades farms, destroys produce and equipment, sends away the (true) workers, and is invariably rewarded for its actions, receiving enormous sums of federal monies and the property of the invaded farms. Even more ironically, the main factor for Brazil’s economic success is the productivity of its big farms.... As for the Cuban government, its connections to drug trafficking have been proved several years ago in the book The Mafia from Havana: The Cuban Cosa Nostra.... The same connections exist with the Venezuelan government, as demonstrated by a report of the U.S. Congress from July 2009.... In Brazil, the alliance between the FARC and local criminal gangs has made it absolutely impossible to control crime activity. Nowadays, some 50,000 Brazilians are murdered every year. Instead of repressing the gangs that produce this insanity, the government grants them territorial autonomy and is even cynical enough to propose, as a remedy, disarming the honest population.

TNA: To what extent and in what way is the U.S. government involved in the region?

Carvalho: For several decades now, the attitude of the American government in the area has been ambiguous, to say the least. Bill Clinton’s Plan Colombia only offered economic and military aid to the Colombian government on the explicit condition that ... criminal organizations of a political nature be preserved [from] any damage. The result was that the old cartels were destroyed and the FARC became the absolute rulers of drug trafficking in the continent. In reality this kind of “war on drugs” is a war that favors the Left against Latin America. The Department of State is well informed about the São Paulo forum and its Brazilian leadership. When it supports Lula under the pretext that he is “a moderate,” in contrast with the “radical” Hugo Chavez, it is actually camouflaging the real danger so that it may grow sheltered from the sight of any intruder. 

TNA:
 What role are multilateral and supranational institutions like ALBA, MERCOSUR, the Andean Community, and UNASUR playing in all of this? Could the integration process be used to eventually absorb all of Latin America under authoritarian control?

Carvalho: All these organizations were created under the inspiration of the idea of free trade, and there were even some people who saw in them a sign of formidable capitalist progress. However, we now understand that free trade is a double-edged sword, which can also be used to dissolve national sovereignties and to build upon their rubble a new structure of supranational power. Many political analysts who only look at things from an economic point of view fail to notice such danger. They imagine that the expansion of commercial ties is by itself a vaccine against communism.... Well, in today’s Latin America, the Left practically has the monopoly of political action in its hands, and indeed this is so much so that all those organizations you have mentioned — all of them — are being used for the creation of a kind of Union of Latin American Socialist Republics.

TNA:
 How serious is the threat of this resurgence? What do you see happening in both the near future and the long run? 
Carvalho: There is no unified answer that applies to all Latin America. The situation is different in each country. For example, however unbelievable it may seem, there is a strong and organized resistance against the rise of neo-communism in Venezuela. Colombia, likewise, is a remarkable center of resistance. On the other hand, nowhere else has the Right been so utterly destroyed as it has been in Brazil, which is, for this very reason, the headquarters of Latin American revolution. When former Venezuelan presidential candidate Alejandro Peña set up UnoAmerica (Association of Democratic Organizations of the Americas), the only international organization devoted to fighting communism, he found no difficulty in obtaining effective support in most of the Spanish-speaking countries, but he has always had great difficulties finding support in Brazil.... In other countries, however, the Left is not so culturally hegemonic, which has made possible the organization of an effective and strong anti-communist action. From this point of view, then, Venezuela is in a better situation than Brazil, for if in the former country, the Right has been oppressed, in the latter it has already died, being now necessary to create a new Right out of nothing. In this sense, American political analysts are always getting it all backwards: They are alarmed at Venezuela and do not understand that the headquarters of the revolution is in Brazil.

Photo: Olavo de Carvalho

sexta-feira, 19 de março de 2010

Mario Oliveira é destaque em matéria no UOL

SITE DO MARIO OLIVEIRA
18 março 2010

A matéria publicada no portal UOL, na quarta-feira, 17, na coluna do jornalista Fernando Rodrigues, destaca a importância dos pré-candidatos a Presidência da República pelos pequenos partidos, entre eles Mario Oliveira.


Mario de Oliveira, conhecido como o "Obama brasileiro"


 O currículo do candidato do
 PT do B à Presidência é extenso. Mario de Oliveira Filho, 57 anos, é graduado em engenharia mecânica pela Unesp, bacharel em Direito pela PUC-SP e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP.
Foi engenheiro da Petrobras. Atuou como executivo no Grupo Odebrecht, desenvolvendo projetos em vários países como Portugal, Inglaterra, Rússia, Estados Unidos, Argentina, Colômbia e Venezuela. Foi presidente da multinacional Degremont e vice-presidente do Conselho de Administração da Vega Ambiental, ambas pertencentes ao grupo francês Suez. Hoje, é advogado e professor universitário em São Paulo.


 Extrovertido, escolheu um título pitoresco para um livro que escreveu: “O entulho oculto dos privilégios oligárquicos”. A obra trata dos problemas do país e suas possíveis soluções.


Negro, advogado, passou a ser conhecido na internet como o “Obama brasileiro”. “As semelhanças param por aí”, diz Mario. “Sou mais parecido com o Lula por conta da origem humilde e da sensibilidade social e, ao mesmo tempo, parecido com o FHC, por conta da intelectualidade”, diz o candidato.
 Aqui, programa partidário do PT do B.

Em entrevista ao blog, Mario disse considerar praticamente certo que sua candidatura vá para o segundo turno com a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff.
 Qual o cenário que o fará ir para o segundo turno?

Os dois principais candidatos, Serra e Dilma, terão, juntos uns 55% do eleitorado. Sobram aí, uns 45% a definir. Nós vamos ganhar esse eleitorado. Teremos no mínimo 30% e vamos para o segundo turno.

E qual será a estratégia para obter uma votação tão expressiva?

Eu sou um homem de centro. Somos a terceira via, e diferentemente deles [Serra e Dilma], já temos um projeto montado. Nesse projeto, o Estado é um regulador e indutor de desenvolvimento, que dará condições para que a iniciativa privada ajude o pais a crescer a taxas chinesas.

Mas e as estratégias?

Vamos trabalhar com mídias sociais, internet. Tenho ficha limpa, nunca me envolvi em escândalos e temos milhões de apoiadores em uma lista de emails. Tenho certeza que cada um deles vai doar pelo menos R$ 20 e teremos recursos.

Vocês tem um sistema específico para captar essas doações?

A doação será pela internet, através de transferência ou cartão de crédito. Temos 5 milhões de emails cadastrados em nossa lista e fizemos uma pesquisa que aponta que pelo menos 2 milhões irão doar. Vai depender das regras que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) apresentar.

Fonte: 
http://uolpolitica.blog.uol.com.br/arch2010-03-14_2010-03-20.html

SEM LEI, SEM PÁTRIA, SEM NAÇÃO! ou COMO CRIAR O "NOVO HOMEM" PARA O "NOVO MUNDO POSSÍVEL", OS CLONES DE lula e dilma

SEXTA-FEIRA, 19 DE MARÇO DE 2010

Por Arlindo Montenegro


Depois da história do Professor Pedro, proibido de ganhar salário praticando a profissão de toda sua vida, mas "podendo trabalhar de graça, como voluntário", retomo esta conversa com a greve de professores do estado de São Paulo, que já vai pra duas semanas. No mais rico estado da suposta "federação", as crianças estão sem aulas. A greve é por aumento salarial. E no comando estão os petistas.

Um cidadão de Juquitiba, município próximo da capital, fala do ginásio local dizendo: "No 'Juquitibão' (1.000 alunos) a educação clássica perdeu o rumo há muitos anos. Nas últimas eleições os alunos foram mobilizados para atuar como “cabos eleitorais” para eleger uma professora do PT à Prefeitura. Os bons professores afastaram-se aos poucos e a qualidade do ensino está prejudicada. Faltam professores. Utilizam "professores substitutos" que não são qualificados. Os alunos são aprovados no escuro, sem saber."

Uma Diretora de escola me diz: "a culpa é atribuída ao professor, porque os governantes não admitem as falhas nas condições de trabalho além da politicagem... na faixa de educação infantil a qualidade é melhor, há mais boa vontade dos professores. Mas com os maiores, a coisa é feia."

O real é que as crianças chegam ao ensino médio com muitas dificuldades, melhor dizendo, sem sem saber desenhar um "o" com auxílio de um copo. "Há muito professor competente que se retrai e proliferam os professores com formação de cabresto, deficiente. Assim os alunos ficam perdidos, contaminados pela ideologia imposta dentro do sistema e pela mídia, sem ajuda e sem espaço para aprender a pensar e desenvolver o senso crítico."

"Os professores percebem que as políticas oficiais parecem desvalorizá-lo, talvez para justificar os baixos salários. Nas regiões mais "populares" (o termo "carente" é proibido) as dificuldades são dobradas e muitos desistem. Isto tudo entristece e deprime quem se dedica ao magistério".

Tudo isto, colhido da realidade, resulta em analfabetismo funcional. Resulta em privar os jovens do pleno exercício das faculdades mentais. Naturalmente o espírito juvenil perde o interesse na doutrinação que desmonta a educação doméstica. As referências e a autoridade familiar passam a ser contestadas. Os grupos se formam sem a informação clássica. As tendências vocacionais são sepultadas. Instala-se a cultura videota. E a instabilidade emocional que leva às drogas e ao alcoolismo. Instála-se a percepção do mundo como um espaço onde se desenvolve uma abominável luta entre classes sociais. Um mundo à beira do abismo? Sem solução? Então vamos "viver a vida", sem compromissos.

A juventude que persegue a capacitação para um posto de trabalho, chega à escola superior sem saber ler e interpretar. Recebe a ração de informação confusa e no fim do curso é incapaz de elaborar o exigido “Trabalho de Conclusão de Curso”. Fazem uma vaquinha e compram de "professores" especializados em montar os TCC. Estão disponíveis na internet. Os trabalhos custam em média 800 Reais. É pouco para garantir o "canudo" que facilita o primeiro emprego.

Tudo isto comprova, que os insólitos propósitos da engenharia social proposta por Rockfeller, para "formar trabalhadores" e não gente capaz de pensar, estão sendo aplicadas aqui. Os professores são formados por acadêmicos que também elaboram os curriculos do Ministério da Educação para todos os níveis. Estes senhores, como nos advertem analistas de educação, ocupam as cátedras universitárias viciados na metodologia marxista, que exclui o indivíduo e escarnece o mérito.

Fazem doutorados sobre temas controlados e financiados por institutos como Tavistock, Ford, Rockfeller e outros, todos envolvidos no desenvolvimento da engenharia social para a globalização, para o governo mundial. Formam-se gerações inteiras para aceitar sem censura a nova ordem mundial: sem pátria, sem lei, sem nação e submetidos aos interesses das grandes corporações. Sem acesso à informação, sem vontade, sem escolhas.

Vale ressaltar a advertência de Olavo de Carvalho, em artigo publicado no Diário do Comercio, 15 de Março de 2010: “Ou o empresariado se dispõe a combater em todos os fronts, inclusive os mais remotos do seu interesse imediato, ou para logo com essa farsa suicida de defender no varejo aquilo que já cedeu no atacado.”

Mario Oliveira em entrevista no Programa "Fala Sério" no canal ALLTV

MARIO OLIVEIRA

Entrevista com o pré-candidato à Presidência da República MARIO OLIVEIRA.


fala sério - 03/2 from Karine Bueno on Vimeo.

Verdade Irrefutável: OMS mudou o critério de declaração do nível 6 de pandemia para corresponder a qualquer vírus

A NOVA ORDEM MUNDIAL
THURSDAY, 18 MARCH 2010


Eu postei esta notícia a algum tempo atrás, após algumas pesquisas que eu fiz. Vejo como necessário postá-la separadamente (estava em um update deste post).

Basicamente é a prova de que a OMS mudou o critério para declaracão de uma epidemia nível 6, de forma que qualquer gripe se encaixaria no critério.

Após algumas pessoas duvidarem do epidemiologista e pedirem provas desta mudança, eu fiz uma pesquisa e encontrei provas irrefutáveis de que realmente mudaram a definição.

Encontrei em 
diversos lugares a definição anterior, inclusive no próprio site da OMS:

"An influenza pandemic occurs when a new influenza virus appears against which the human population has no immunity, resulting in several simultaneous epidemics worldwide with enormous numbers of deaths and illness."

Ou em português:
"Uma gripe pandemica ocorre quando um novo vírus de gripe surge para o qual a população não tem nenhuma imunidade, resultando em diversas epidemias simultâneas ao redor do mundo, com enormes quantidades de mortes e doentes."

A descrição corrente, na 
página da OMS que descreve uma pandemia, diz:

"An influenza pandemic may occur when a new influenza virus appears against which the human population has no immunity. Pandemics can be either mild or severe in the illness and death they cause, and the severity of a pandemic can change over the course of that pandemic"

Em português:
"Uma gripe pandemica ocorre quando um novo vírus de gripe surge para o qual a população não tem nenhuma imunidade.Pandemias podem ser tanto brandas como severas na doença e nas mortes que elas causam, e a severidade de uma pandemia pode mudar durante o curso da pandemia."


Em resumo, removeram a parte que diz: "resultando em diversas epidemias simultâneas ao redor do mundo, com enormes quantidades de mortes e doentes." E acrescentaram uma parte que diz que a pandemia pode ser tanto branda quanto severa, quer maior prova que querem confundir o povo?

Notícias relacionadas :


Gripe suina

Os três dias de Audiência Pública no STF sobre as cotas raciais

Cavaleiro do Templo: a grande maioria dentre a turma das COTAS RACIAIS faz a "defesa" através da emoção. Como faz o torcedor do Flamengo na final da Libertadores. São "reações emocionais diretas sem a mínima intermediação dos objetos reais que designam" como diz Olavo de Carvalho neste artigo. A objetividade então vai-se para as picas, em bom português. Tudo é emocional. Como fazem as crianças ou os idiotizados. Estes no Brasil o foram em sua totalidade pela "hegemonia do pensamento marxista, onde a distinção entre o agir e o conhecer é considerada ilegítima e o que se busca não é analisar o mundo, mas transformá-lo, sobretudo por meio da confusão deliberada entre teoria e praxis". Assim nos fala o professor Olavo no mesmo artigo. Existem ainda os de extrema má fé que usam esta técnica, gente de baixa qualidade humana apenas. O Brasil é uma salada formada por todos estes tipos desde que o mérito foi jogado no lixo, trocado pelo compadrio. Ou melhor, faço antes uma pergunta: o Brasil alguma vez foi um país meritocrático?


Mais uma pergunta: se todo este esfoço miliante fosse investido em se FAZER CUMPRIR A CONSTIUIÇÃO em seus capítulos "educação" para que TODOS a tivesem de fato não seria removido definitivamente o impedimento real ao ingresso nas escolas superiores para toda e qualquer cor E situação social? Um movimento como este não teria o apoio de TODOS? 


Vejam mais uma sessão da tragédia brasileira, que nos levará, em breve, ao caos. 





Por la libertad de los presos políticos cubanos

ORLANDO ZAPATA TAMAYO




Escolha o idioma para ler e assinar a carta.



Por la libertad de los presos políticos cubanos


Por la excarcelación inmediata e incondicional de todos los presos políticos en las cárceles cubanas; por el respeto al ejercicio, la promoción y la defensa de los derechos humanos en cualquier parte del mundo; por el decoro y el valor de Orlando Zapata Tamayo, injustamente encarcelado y brutalmente torturado en las prisiones castristas, muerto en huelga de hambre denunciando estos crímenes y la falta de derechos y democracia en su país; por el respeto a la vida de quienes corren el riesgo de morir como él para impedir que el gobierno de Fidel y Raúl Castro continúe eliminando físicamente a sus críticos y opositores pacíficos, condenándolos a penas de hasta 28 años de cárcel por "delitos" de opinión; por el respeto a la integridad física y moral de cada persona; firmamos esta carta, y exhortamos a firmarla a todos los que han elegido defender su libertad y la libertad de los otros.

Ainda a liberdade e a ordem

Ainda a liberdade e a ordem
Olavo de Carvalho

Diário do Comércio
, 18 de março de 2010
http://www.olavodecarvalho.org/semana/100318dc.html





Meu artigo “Liberdade e ordem” suscitou na internet um vendaval de discussões que, se revelam uma saudável agitação de idéias, demonstram, na mesma medida, que muita confusão ainda prevalece entre os liberais e conservadores brasileiros quando tratam de acertar suas diferenças e buscar, ao menos em hipótese, uma estratégia comum.

As palavras “liberdade” e “ordem” são com freqüência usadas comoslogans, denotando o apego dos grupos políticos aos valores que lhes são caros. Mas, como já ensinava Aristóteles, a ciência política começa com a distinção entre o discurso do agente que expressa uma vontade política e o do estudioso que descreve ou analisa um dado da realidade. No Brasil, quem quer que diga alguma coisa sobre a política é interpretado automaticamente como um agente e respondido na clave dos valores e preferências, por mais frio e objetivo que tenha tentado ser. 

Esse fenômeno reflete, de um lado, o clássico verbalismo nacional, onde as palavras despertam reações emocionais diretas sem a mínima intermediação dos objetos reais que designam, e, de outro lado, a hegemonia do pensamento marxista, onde a distinção entre o agir e o conhecer é considerada ilegítima e o que se busca não é analisar o mundo, mas transformá-lo, sobretudo por meio da confusão deliberada entre teoria e praxis(falei disso no meu livro de 1996, O Jardim das Aflições). Se a primeira dessas doenças é endêmica no Brasil, a segunda não seleciona suas vítimas por ideologia, afetando até mesmo os cérebros mais hostis ao marxismo. Foi assim que a minha afirmação de uma hierarquia lógica entre dois conceitos – e entre as realidades histórico-sociais que lhes correspondem – acabou sendo interpretada como expressão de uma preferência pela ordem em detrimento da liberdade.

Ora, só tomadas como palavras-de-ordem partidárias podem a ordem e a liberdade ser ocasião de preferência e escolha. Usadas como sinais descritivos de realidades objetivas, não há entre elas nem oposição nem confluência, mas uma relação de conjunto e subconjunto: a liberdade é um elemento da ordem, não havendo portanto escolha entre “mais liberdade” e “mais ordem”, mas sim apenas entre ordens que fomentam a liberdade e ordens que a estrangulam.

Em todo sistema político, a liberdade é sempre e exclusivamente a margem de manobra repartida entre os vários agentes dentro da ordem jurídica existente; que a ordem é a condição possibilitadora da liberdade, e não esta daquela, como se vê pelo simples fato de que pode existir uma ordem sem muita liberdade, mas nenhuma liberdade fora da ordem, exceto num hipotético e aliás autocontraditório “estado de natureza”. A ordem pode inspirar-se no desejo de ampliar a margem de liberdade até o máximo possível, mas não há por que confundir entre o ideal inspirador de uma construção e os elementos substantivos que a compõem. Por definição, a ordem, qualquer ordem, da mais libertária à mais autoritária, não é um sistema de franquias e sim de obrigações, restrições e controles. Simone Weil já observava, com razão, que cada direito assegurado a um cidadão nada mais é do que uma obrigação imposta a outros e fora disso é apenas um flatus vocis. Uma ordem liberal, ou mais ainda libertária, só pode ser concebida como um sistema complexo de controles idealmente recíprocos (checks and balances) destinado a limitar a liberdade de todos de modo que a de um não se sobreponha à dos outros: a liberdade do agente individual é a margem que sobra no fim de todas as subtrações de parte a parte. Que a noção é problemática e um tanto paradoxal, revela-o o fato de que o mesmo processo legisferante necessário à preservação das liberdades pode se tornar opressivo quando os direitos proclamados são muitos e os controles criados para a sua manutenção geram o crescimento ilimitado da burocracia judicial, policial e administrativa. Mas, afinal, nenhuma ordem é perfeita nos seus próprios termos. A ordem totalitária, oprimindo os de baixo, concede aos de cima uma liberdade ilimitada que desemboca no caos e na destruição mútua dos potentados.
MÍDIA SEM MÁSCARA


No coletivo nacional já ficou o convencimento de que, do mesmo modo que em 19 de abril de 1970, teceu-se um asqueroso conchavo na soma de votos. Seja certo ou não, isso é o que a maioria dos colombianos deduz de semelhante aberração administrativa.

Setenta e duas horas depois de realizadas as eleições do domingo 14 de março passado, não cessam as aberrantes revelações em torno à forma pouco clara como se fez a contagem dos votos, e o subseqüente limbo em que estão os dois pré-candidatos mais preferidos pelo Partido Conservador.

À queixa do pré-candidato Felipe Arias acerca do misterioso aumento de votos à meia-noite, no estado de Caldas a favor de Noemí Sanín, soma-se a denúncia do canal RCN, segundo o qual apareceram umas caixas nesse mesmo estado com votos da consulta conservadora, porém com um aditamento grave: sem a segurança dos respectivos candidatos. Incrível que isto ocorra precisamente em meio à semelhante tormenta de dúvidas e suposições.

Além disso, a companhia de internet contratada pelo Registrador Nacional do Estado Civil reconhece que teve falhas graves de serviço. Porém, como se nada tivesse ocorrido, ninguém responde por tamanho erro de serviço.

Para completar, as revelações da Revista Semana indicam que, ao que parece, houve consumo de bebida alcoólica no posto de controle instalado em CORFERIAS, com a provável complacência do senhor Registrador Nacional que assegura ser abstêmio, porém não se mostra contundente para esclarecer se fez algo para impedir este fato, ou pelo menos se inteirou-se de que isto pode ter acontecido a escassos metros de seu local de trabalho nessa noite.

Sejam quais forem os resultados que o Conselho Nacional Eleitoral publique em torno à consulta conservadora, no coletivo nacional já ficou o convencimento de que, do mesmo modo que em 19 de abril de 1970, teceu-se um asqueroso conchavo na soma de votos. Seja certo ou não, isso é o que a maioria dos colombianos deduz de semelhante aberração administrativa.

Porém, a conduta do senhor registrador, apesar das graves irregularidades que, se forem certas, corroborariam pelo menos inaptidão por omissão, parece optar pelo estilo de comando do agora general aposentado do Exército, René Pedrazza, que quando era comandante de tropas substituía amiúde sua inaptidão profissional e sua falta de neurônios, com a argúcia de transferir a responsabilidade aos subalternos quando havia falhas, porém se apropriava dos êxitos quando tudo estava bem.

Ou, com a conduta do prefeito de Bogotá e sua Secretaria do IDU que, apesar do monumento à corrupção e ineficiência que resultou ser o contrato da Transmilênio na Rua 26, torceram os fatos e aparentam não ter nada a ver com este problema.

Frente aos constantes escândalos, aos quais soma-se a denúncia de Pardo Rueda por provável intromissão do auto-propagandista governador do Valle em assuntos eleitorais com a suposta indiferença do Registrador, já está na hora de os meios de comunicação, os partidos políticos, os centros de análise e os votantes reclamarem a renúncia imediata do registrador.

E claro, está na hora também, de que este senhor se dê por aludido e entenda que para o bem da democracia e para facilitar a ação da justiça, o melhor é que dê um passo ao lado.

Também está na hora de os demais candidatos à Presidência da República se beliscarem, pois se ficar confirmada a suspeita de que houve fraude na inusitada e intempestiva mudança de algarismos em favor de Noemí Sanín, isto indicaria que os resultados das eleições ao Congresso e a consulta Verde também estariam viciadas, que não haveria garantias nem seriedade nas próximas eleições presidenciais e, ademais, que o Registrador atual não seria idôneo, nem sua presença no cargo seria bem vista em nível nacional e internacional.

Por isso, senhor Registrador, o melhor seria dar um passo ao lado e permitir que um novo registrador fique encarregado, enquanto se nomeia um novo oficialmente. Seria o mais saudável para permitir que haja transparência.

* Analista de assuntos estratégicos - www.luisvillamarin.com
Tradução: Graça Salgueiro

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".