Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 2 de março de 2012

4º Podcast Mises Brasil - Ubiratan Jorge Iorio

MISES BRASIL


logo_baixa.jpg
4- Entrevista com Ubiratan Jorge Iorio
 Doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), diretor acadêmico do Instituto Ludwig von Mises Brasil e professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ubiratan Jorge Iorio fala sobre sua experiência no universo acadêmico e sobre a posição de parte do corpo docente em relação à Escola Austríaca, comenta o curso de extensão de Escola Austríaca realizado na UERJ pelo Mises Brasil, e contou como foi o primeiro contato com as ideias da liberdade e por qual razão tornou-se um economista Austríaco. Iorio também analisou  função empresarial e o empreendedorismo sob a perspectiva da Escola Austríaca, a crise na Europa e elencou os principais desafios da economia e da política brasileira.







Opinião do Tenente-General Silvestre dos Santos

 

CLUBE DE JORNALISTAS

15 DE FEBRUARY DE 2012

Ex.º Sr. General Chefe do Gabinete de S. Ex.ª o Ministro da Defesa Nacional, Caro camarada:

Apresento a V. Ex.ª os meus cumprimentos.

Tomo a liberdade de me dirigir a V. Ex.ª para lhe solicitar que transmita a S. Ex.ª o Sr. Ministro a minha indignação relativamente à forma pouco respeitosa e mesmo insultuosa como se referiu às Forças Armadas, aos militares e às suas Associações representativas, no passado dia 1 de Fevereiro. De todos os governantes, o Ministro da tutela era o último que deveria proferir palavras dessa estirpe.

Sou Tenente-General Piloto-Aviador na situação de Reforma, cumpri 41 anos de serviço efectivo e possuo três medalhas de Serviços Distintos (uma delas com palma), duas medalhas de Mérito Militar (1.ª e 2.ª classe) e a medalha de ouro de Comportamento Exemplar. Servi o meu País o melhor que pude e soube, com lealdade e com vocação, sentimentos que S. Ex.ª não hesita em por levianamente em causa. Presentemente, faço parte com muito orgulho, do Conselho Deontológico da Associação de Oficiais das Forças Armadas.

Diz o Sr. Ministro que “a solução está em todos nós. Em cada um de nós”. Não é verdade! A solução está única e exclusivamente na substituição da classe política incompetente que nos tem governado (?) nos últimos 25 anos, e que nos tem levado, de vitória em vitória, até à derrota final! Os comuns cidadãos deste País, nomeadamente os militares, não têm qualquer responsabilidade neste descalabro. Como disse o Sr. Coronel Vasco Lourenço no seu livro, “os militares de Abril fizeram uma coisa muito bonita, mas os políticos encarregaram-se de a estragar…”

Diz também S. Ex.ª que as Forças Armadas estão a ser repensadas e reorganizadas. Ora, se existe algo que num País não pode ser repensado nem modificado quando dá jeito ou à mercê de conjunturas desfavoráveis, são as Forças Armadas, porque serão elas, as mesmas que a classe política vem sistematicamente vilipendiando e ultrajando, a única e última Instituição que defenderá o Estado da desintegração.

Fala o Sr. Ministro de algum descontentamento protagonizado por parte de alguns movimentos associativos. Se S. Ex.ª está convencido que o descontentamento de que fala se limita a “alguns movimentos associativos”, está a cometer um erro de análise muito sério e perigoso, e demonstra o desconhecimento completo do sentir dos homens e mulheres de que é o responsável político. Este descontentamento, que é geral, não tenha dúvida, tem vindo a ser gerado pela incompetência, sobranceria, despudor e, até, ilegalidade com que sucessivos governos têm vindo a tratar as Forças Armadas. É a reacção mais que natural de décadas de desconsiderações e de desprezo por quem (é importante relembrar isto) vos deu de mão beijada a possibilidade de governar este País democraticamente!

As Forças Armadas não querem fazer política! Não queiram os políticos, principalmente os mais responsáveis, “ensinar” aos militares o que é vocação, lealdade, verticalidade e sentido do dever. Mesmo que queiram, não podem fazê-lo, porque não possuem, nem a estatura nem o exemplo necessários para tal.

Quem tem vindo a tentar sistematicamente destruir a vocação e os pilares das Forças Armadas, como o Regulamento de Disciplina Militar, destroçado e adulterado pelo governo anterior? Quem elaborou as leis do Associativismo Militar, para depois não hesitar em ir contra o que lá se estabelece? Quem tem vindo a fazer o “impossível” para transformar os militares em meros funcionários do Estado? Apesar disso, tem alguma missão, qualquer que ela seja, ficado por cumprir? Fala S. Ex.ª de falta de vocação baseado em que factos? Não aceita S. Ex.ª o “delito de opinião”?

Não são seguramente os militares que estão no sítio errado!

Por tudo o que atrás deixei escrito, sinto-me profundamente ofendido pelas palavras do Sr. Ministro.

Com respeitosos cumprimentos de camaradagem

EDUARDO EUGÉNIO SILVESTRE DOS SANTOS

Tenente-General Piloto-Aviador (Ref.) 000229-B

P.S. – Informo V. Ex.ª que tenho a intenção de tornar público este texto.

EUA Dizem Para América do Sul Calar Sobre A Legalização das Drogas

 

PLANETA PRISÃO

Por Scott Morgan, 28 de Fevereiro de 2012, 09:58

A secretária da Segurança Interna, Janet Napolitano tem uma mensagem para todos os que pensam que a guerra às drogas é ruim: você está errado, ela é incrível.

(Reuters) – A secretária da Segurança Interna, Janet Napolitano, defendeu a estratégia de Washington de guerra às drogas na Segunda-Feira, apesar dosapelos de alguns líderes latino-americanos para considerar a descriminalização dos narcóticos.

Eu não concordo com a premissa de que a guerra às drogas é um fracasso ”, disse Napolitano. “ É um esforço permanente para proteger nossa gente de tornar-se viciada em drogas perigosas ”. [ Reuters ]

Ok, mas o que essas duas frases tem a ver uma com a outra? Sim, nós sabemos que a guerra às drogas é “ um esforço permanente para proteger nossa gente de tornar-se viciada em drogas perigosas [e maconha], ” mas eu não entendo o que isso tem a ver com ser ou não um fracasso. Isto é como dizer: “ Eu não concordo com a premissa de que o amianto é tóxico. Ele é um material usado para isolar edifícios. ”

Então, em um sentido metafórico, você poderia dizer que a política de drogas americana é feita de amianto, e Janet Napolitano recebeu a divertida tarefa de convencer um punhado de frustrados líderes estrangeiros de que a doença e a morte que os rodeia atualmente foram causadas por algo diferente daquilo que está evidentemente causando isso.

É uma situação ridícula aceitar alguns argumentos realmente ridículos, como Napolitano absurdamente compar o chefão mexicano das drogas Joaquin “ Shorty ” Guzman a Osama Bin Laden:

Levamos 10 anos para encontrar (o chefe da Al Qaeda) Osama bin Laden e nós o encontramos, e vocês sabem o que aconteceu lá, ” disse Napolitano.

Sim, mas o fato de que esses barões da droga são tão escorregadios como Osama f#$king Bin Laden não deveria inspirar confiança. Falando sério, eu nem mesmo sei qual o suposto argumento dela, porque deve ser muito mais do que óbvio para os líderes latino-americanos de que nós não temos equipes SEAL suficientes para rastrear e matar cada aspirante a chefe do tráfico por todo o globo. Seus serviços, ao contrário de Bin Laden, são verdadeiramente populares com grande parte do público americano.

Apelos pela legalização na América Latina vão ficar mais fortesquanto mais tempo essa idiotice continuar, e não deve surpreender ninguém que os últimos esforços do governo dos EUA para esconder isso são absolutamente previsíveis e desprovido de conteúdo, como sempre.

AGORA: Mini-Simpósio Preparatório para o Congresso "Vendo o que não se vê"

Streaming video by Ustream

Senha: NECteofilo

Venha participar do Mini-Simpósio Preparatório para o Congresso Internacional de Ciência, Ética e Educação Integrada (Vendo o que não se vê), que ocorrerá no dia 02 de março de 2012, sexta-feira, à partir das 17h, nas dependências do NEC - Núcleo de Estudos Cristãos, localizado à Av. Afonso Pena, 314, cj. 72, Boqueirão, Santos/SP.

Haverá palestras de diversos nomes do cenário cristão-conservador brasileiro, que trarão reflexões sobre assuntos atuais de nossa sociedade.

Você pode participar comparecendo pessoalmente ou assistindo a transmissão on line que será feita por meio do site http://www.necfabioblanco.com.br.

As inscrições para assistir as palestras no NEC devem ser feitas pelo email nec@fabioblanco.com.br.

Esta será uma boa oportunidade para reunirmos pessoas que realmente acreditam que podem colaborar com a defesa de uma visão judaico-cristã em diversas áreas da ciência, da política e do pensamento.

Você é nosso convidado especial.



Atenciosamente.



Organizadores do Mini-Simpósio



Programação

17:00h Abertura por Fabio Blanco

17:15h Apresentação do Congresso, pela Dra. Graça Melo Araújo

17:30h A Mídia e suas omissões e tendências, por Edson Camargo

18:00h A ausência de oposição no Brasil, por Fernando Antoniazzi

18:30h A homocracia totalitária, por Eguinaldo Hélio

19:00h As mentiras sobre o aborto, por Nivaldo Cordeiro

19:30h INTERVALO

20:00h O movimento conservador no Brasil, por César D'avilla

20:30h A doutrinação nas escolas, por Miguel Nagib

21:00 A perseguição a cristãos no mundo, por Fernando Bonfim

Encerramento: A necessidade da unidade cristã, por Fabio Blanco

Diretor de grupo anticonservador sofre extorsão de amante gay traído Ativista gay trai parceiro, trazendo risco de escândalo para sua entidade inimiga de conservadores

 

JULIO SEVERO

2 de março de 2012

Julio Severo

David Brock, fundador e diretor Media Matters, teve de pagar aproximadamente 1 milhão e meio de reais para seu ex-parceiro gay William Grey. Mas isso não foi o suficiente, e o caso está agora na polícia e nos tribunais.

David Brock, fundador e diretor Media Matters, organização ultra-esquerdista

Media Matters é uma organização ultra-esquerdista dos Estados Unidos dedicada a atacar organizações conservadoras, inclusive o WorldNetDaily, ou WND, cujos artigos sempre divulgo no meu blog.

A missão de Media Matters é levantar suspeitas, promover difamações muito bem orquestradas e lambuzar ao máximo a reputação de organizações conservadoras. É um comportamento tipicamente esquerdista ou homossexualista, conforme você preferir.

Agora, o diretor do Media Matters está envolvido num escândalo — que deveria deixá-lo ocupado demais para prosseguir seus chiliques e ataques aos conservadores. David Brock descartou seu antigo amante e arrumou um novo parceiro gay, James Alefantis, um empresário do setor de restaurantes em Washington.

O ex-amante William Grey, que viveu com o dono do Media Matters durante mais de 10 anos, foi tomado por uma incontrolável fúria gay.

Grey teria primeiro avisado Brock para atender às suas exigências num email de 2008. “Por favor, termine isso hoje mesmo, de modo que eu não desperdice meu tempo mandando um email a alguém — Biden, Coulter, Carlson, Huffington, Drudge, Ingraham,” Grey escreveu.

Num email de 2010, Grey ameaçou delatar o que ele presumivelmente viu como problemas financeiros do Media Matters dignos da atenção da Receita Federal e dos que faziam generosas doações para Brock.

“Esse negócio vai feder para você se você não resolver isso agora”, escreveu Grey.

A pior coisa entre gays é briga por causa de um novo namorado. Por que acha que a violência doméstica gay leva a tantos assassinatos — inchando a imaginação maldosa dos que querem atirar o rótulo de “crime homofóbico” ao primeiro sinal de gay assassinado?

Se a briga resultar em assassinato, aí a imprensa esquerdista atacará WND e outros conservadores com suas habituais acusações de incitação de “homofobia” como motivação para um assassinato cometido por outro gay.

Contudo, até o momento Grey apelou apenas para a extorsão.

Outros recorrem ao assassinato mesmo. E poderia chegar a isso, porque a segunda coisa pior é um gay cujas reivindicações não são atendidas.

Para evitar maiores dores de cabeça com o ex-parceiro, Brock lhe deu quase 1 milhão e meio de reais, extraídos da venda de sua casa de praia no valor de quase 3 milhões de reais. Mas o ex-amante quis mais, muito mais, provando conclusivamente que um gay reivindicante ou traído é insaciável, birrento, chiliquento, intolerável e intolerante.

Por causa das reivindicações insaciáveis do amante traído, o caso agora está na polícia e nos tribunais. Enquanto estão brigando, Media Matters presumivelmente ficará ocupada demais para atacar os conservadores e o meu site favorito: WND!

Fonte: www.juliosevero.com

A ousadia dos bonofóbicos e o silêncio dos malofóbicos

Adolescente tenta deixar de ser gay e é morto por ex-companheiro gay

Dá para acreditar que existe algum genocídio contra homossexuais?

Eles estão entre nós: ativistas gays “cristãos”

Dupla homossexual de pais-de-santo estupra criança e Globo, novamente, omite os nomes dos criminosos

Música italiana oferece esperança para os homossexuais

Homolatria: As vítimas VIP da violência no Brasil

Reinos 5 e 7 da Nova Ordem Mundial



Enviado por  em 01/03/2012
http://www.facebook.com/CasandoOVerbo

Links de notícias:
http://port.pravda.ru/russa/21-02-2012/32969-putinmilitar-0/
http://port.pravda.ru/mundo/27-02-2012/32997-siria_verdades_mentiras-0/

Países componente do reino 5 EuroAsiático:
Alemanha Oriental, Polônia, Czechoslovakia (que são a República Theca e a Eslocava), Hungria, Romênia, Burlgária, Albânia, e os antigos países membros da extinta União Soviética (Moldávia, Ucrânia, Bielo-Rússia (Russia branca), Lituânia, Letônia(Latvija), Estônia, Geórgia, Azerbaijão, Armênia, Turcomenistão, Usbequistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Casaquistão, e Rússia,) incluindo a Mongólia que sofreu forte influência Russa após 1924, sofrendo uma revolução democrática em 1990 com a queda do regime soviético em 1989

Países componentes do reino 7:
Marrocos, Argélia, Líbia, Egito, Jordania, Síria, Líbano, a ilha de Chipre que hoje é considerada um país europeu mas geograficamente fica ao sul da Turquia, Arábia Saudita, Aden que hoje é parte do Yemen e o próprio Yemen, Omã, Bahrein, Dubai, Qatar, Kuwait, Iraque, Irã, Emirados Árabes com Abu Dhabi sua atual capital, Tunísia.

ELES CHEGARAM LÁ: DUPLA DE ESPECIALISTAS DEFENDE O DIREITO DE ASSASSINAR TAMBÉM OS RECÉM-NASCIDOS

 

REINALDO AZEVEDO

02/03/2012 às 5:41

 

Os neonazistas da “bioética” já não se contentam em defender o aborto; agora também querem a legalização do infanticídio! Eu juro! E ainda atacam os seus críticos, acusando-os de “fanáticos”. Vamos ver. Os acadêmicos Alberto Giublini e Francesca Minerva publicaram um artigo no, ATENÇÃO!, “Journal of Medical Ethics” intitulado “After-birth abortion: why should the baby live? - literalmente: “Aborto pós-nascimento: por que o bebê deveria viver?” No texto, a dupla sustenta algo que, em parte, vejam bem!, faz sentido: não há grande diferença entre o recém-nascido e o feto. Alguém poderia afirmar: “Mas é o que também sustentamos, nós, que somos contrários à legalização do aborto”. Calma! Minerva e Giublini acham que é lícito e moralmente correto matar tanto fetos como recém-nascidos. Acreditam que a decisão sobre se a criança deve ou não ser morta cabe aos pais e até, pasmem!, aos médicos.

Para esses dois grandes humanistas, NOTEM BEM!, AS MESMAS CIRCUNSTÂNCIAS QUE JUSTIFICAM O ABORTO JUSTIFICAM O INFANTICÍDIO, cujo nome eles recusam — daí o “aborto pós-nascimento”. Para eles, “nem os fetos nem os recém-nascidos podem ser considerados pessoas no sentido de que têm um direito moral à vida”. Não abrem exceção: o “aborto pós-nacimento” deveria ser permitido em qualquer caso, citando explicitamente as crianças com deficiência. Mas não têm preconceito: quando o “recém nascido tem potencial para uma vida saudável, mas põe em risco o bem-estar da família”, deve ser eliminado.

Num dos momentos mais abjetos do texto, a dupla lembra que uma pesquisa num grupo de países europeus indicou que só 64% dos casos de Síndrome de Down foram detectados nos exames pré-natais. Informam então que, naquele universo pesquisado, nasceram 1.700 bebês com Down, sem que os pais soubessem previamente. O sentido moral do que diz a dupla é claro: soubesse antes, poderia ter feito o aborto; com essa nova leitura, estão a sugerir que essas crianças poderiam ser mortas logo ao nascer. Não! Minerva e Giublini ainda não haviam chegado ao extremo. Vão chegar agora.

Francesca Minerva; o riso mais franco da morte

Francesca Minerva; o riso mais franco da morte

Por que não a adoção?
Esses dois monstros morais se dão conta de que o homem comum, que não é, como eles, especialista em “bioética”, faz-se uma pergunta óbvia: por que não, então, entregar a criança à adoção? Vocês têm estômago forte?. Traduzo trechos da resposta:

“Um objeção possível ao nosso argumento é que o aborto pós-nascimento deveria ser praticado apenas em pessoas (sic) que não têm potencial para uma vida saudável. Conseqüentemente, as pessoas potencialmente saudáveis e felizes deveriam ser entregues à adoção se a família não puder sustentá-las. Por que havemos de matar um recém-nascido saudável quando entregá-lo à adoção não violaria o direito de ninguém e ainda faria a felicidade das pessoas envolvidas, os adotantes e o adotado?
(…)
Precisamos considerar os interesses da mãe, que pode sofrer angústia psicológica ao ter de dar seu filho para a adoção. Há graves notificações sobre as dificuldades das mães de elaborar suas perdas. Sim, é verdade: esse sentimento de dor e perda podem acompanhar a mulher tanto no caso do aborto, do aborto pós-nascimento e da adoção, mas isso NÃO SIGNIFICA que a última alternativa seja a menos traumática.”

A dupla cita trecho de um estudo sobre mães que entregam filhos para adoção:“A mãe que sofre pela morte da criança deve aceitar a irreversibilidade da perda, mas a mãe natural [que entrega filho para adoção] sonha que seu filho vai voltar. Isso torna difícil aceitar a realidade da perda porque não se sabe se ela é definitiva“.

Voltei
É isso mesmo! Para a dupla, do ponto de vista da mulher, matar um filho recém-nascido é “psicologicamente mais seguro” do que entregá-lo à adoção. Minerva e Giublini acabaram com a máxima de Salomão. No lugar do rei, esses dois potenciais assassinos de bebês teriam mesmo dividido aquela criança ao meio.

Querem saber? Essa dupla de celerados põe a nu alguns dos argumentos centrais dos abortistas. Em muitos aspectos, eles têm mesmo razão: qual é a grande diferença entre um feto e um recém-nascido? Ao levar seu argumento ao extremo, deixam a nu aqueles que nunca quiseram definir, afinal de contas, o que era e o que não era vida. Estes dois não estão nem aí: reconhecem, sim, como vida, tanto o feto como o recém-nascido. Apenas dizem que não são ainda pessoas no sentido que chamam “moral”.

Notem que eles também suprematizam, se me permitem a palavra, o direito de a mulher decidir, a exemplo do que fazem alguns dos nossos progressistas, e levam ao extremo a idéia do “potencial de felicidade”, o que os faz defender, sem meios-tons, o assassinato de crianças deficientes — citando explicitamente os casos de Down.

O Supremo e os anencéfalos
O Supremo Tribunal Federal vai liberar, daqui a algum tempo, os abortos de anencéfalos. Como já afirmei aqui, abre-se uma vereda para a terra dos mortos, citando o poeta. Se essa má-formação vai justificar a intervenção, por que não outras? A dupla que escreveu o artigo não tem dúvida: moralmente falando, diz, não há diferença entre o anencéfalo e o recém-nascido saudável. São apenas pessoas potenciais. Afinal, para essa turma, quem ainda não tem história não tem direito à existência.

Um outro delinqüente intelectual chamado Julian Savulescu
A reação à publicação do artigo foi explosiva. Os dois autores chegaram a ser ameaçados de morte, o que é, evidentemente, um absurdo, ainda que tenham tentado dar alcance científico, moral e filosófico ao infanticídio. No mínimo a gente é obrigado a considerar que os dois têm mais condições de se defender do que as crianças que eles defendem que sejam mortas. A resposta que dão à hipótese de adoção diz bem com quem estamos lidando.

Savalescu: o prosélito da morte de bebês agora acusa a perseguição dos fanáticos

Savulescu: o prosélito da morte de bebês agora acusa a perseguição dos fanáticos

Julian Savulescu é o editor da publicação. Também é diretor do The Oxford Centre for Neuroethics. Este rematado imbecil escreve um texto iradodefendendo a publicação daquela estupidez e acusa de fundamentalistas e fanáticos aqueles que atacam os dois “especialistas em ética”. E ainda tem o topete de apontar a “desordem” do nosso tempo, que estaria marcado pela intolerância. Não me diga!!!

O que mais resta defender? Aqueles dois potenciais assassinos de crianças deveriam dizer por que, então, não devemos começar a produzir bebês para fazer, por exemplo, transplante de órgãos. Se admitem que são pessoas, mas ainda não moralmente relevantes, por que entregar aos bichos ou à incineração córneas, fígados, corações?

Tudo isso é profundamente asqueroso, mas não duvidem de que Minerva, Giublini e Savulescu fizeram um retrato pertinente de uma boa parcela dos abortistas. Se a vida humana é “só uma coisa” e se os homens são “humanos” apenas quando têm história e consciência, por que não matar os recém-nascidos e os incapazes?

Estes são os neonazistas das luzes. Mas não se esqueçam, hein? Reacionários somos nós, os que consideramos que a vida humana é inviolável em qualquer tempo.

Texto publicado originalmente às 21h03 desta quinta

Por Reinaldo Azevedo

Did The Obama Crime Machine Kill Breitbart?

 

Enviado por TheAlexJonesChannel em 01/03/2012

It took LA a week to declare the cause of death for Whitney Houston but they knew 2 hours after Andrew Breitbart's death that it was natural and they told the world as fast as they could. Andrew said he would release film that would hurt Obama and now he is dead. It goes on and on and if that film dose not get released in full I call shenanigans.

http://www.infowars.com/
http://www.prisonplanet.tv/
http://twitter.com/#!/RealAlexJones

Após 'bronca' de Dilma, militares endurecem reação ao governo

 

ESTADÃO

Número de assinaturas em manifesto militar com críticas a ministras da presidente saltou de 98 para 235; Planalto decidiu punir quem aderiu ao documento

02 de março de 2012 | 10h 02

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Não será fácil para os comandantes militares resolverem o imbróglio criado pela presidente Dilma Rousseff que decidiu punir todos os militares que assinaram o manifesto "Alerta à Nação - eles que venham, por aqui não passarão", que endossa as críticas a ela por não ter censurado suas ministras que pediram a revogação da lei de anistia. No novo documento os militares dizem ainda que não reconhecem a autoridade do ministro da Defesa, Celso Amorim. Inicialmente, o manifesto tinha 98 assinaturas e na quinta-feira, após terem tomando conhecimento da decisão de puni-los, o número de seguidores subiu para 235. Agora são três os generais de exército da reserva que assinam o manifesto e um deles é o ex-ministro do Superior Tribunal Militar (STM), Valdésio Guilherme de Figueiredo, adicionando um ingrediente político à lista, não só pelo posto que ocupou,mas também como antigo integrante da Corte Militar, tem pleno conhecimento de como seus pares julgam neste caso.

Veja também:
link General da reserva diz que recorrerá se for punido por manifesto contra ministras
link RELEMBRE: Militares criticam opiniões de ministras e omissão de Dilma
link RELEMBRE: Dilma intervém em crítica de militares

Nessa quinta-feira, 1º, o Ministério da Defesa passou o dia discutindo com que base legal os militares podem ser punidos. Nova reunião foi convocada pelo ministro Celso Amorim e os comandantes militares. Mas há divergências de como aplicar as punições. A Defesa entende que houve "ofensa à autoridade da cadeia de comando", incluindo aí a presidente Dilma e o ministro da Defesa. Amorim tem endossado esta tese e alimentado a presidente com estas informações. O ministro entende que os militares não estão emitindo opiniões na nota, mas sim atacando e criticando seus superiores hierárquicos, o que é crime, de acordo com o Estatuto dos Militares.

Só que, nos comandos, há diferentes pontos de vista sobre a lei 7.524, de 17 de julho de 1986, assinada pelo ex-presidente José Sarney, que diz que os militares da reserva podem se manifestar politicamente e não estão sujeitos a reprimendas. No artigo primeiro da lei está escrito que "respeitados os limites estabelecidos na lei civil, é facultado ao militar inativo, independentemente das disposições constantes dos Regulamentos Disciplinares das Forças Armadas, opinar livremente sobre assunto político, e externar pensamento e conceito ideológico, filosófico ou relativo à matéria pertinente ao interesse público".

Esta zona cinzenta entre as legislações, de acordo com informações obtidas junto a militares, poderá levar os comandantes a serem processados até mesmo por "danos morais", quando aplicarem a punição de repreensão, determinada por Dilma. Nos comandos, há a preocupação, ainda, com o fato de que a lista de adeptos do manifesto só cresce, o que faria com que este tema virasse uma bola da neve. Há quem acredite que o assunto deva ser resolvido de uma outra forma, a partir de uma conversa da presidente  com os comandante militares, diretamente, para que fosse costurada uma saída política para este imbróglio que, na avaliação da caserna, parece não ter fim, já que a determinação do Planalto é de que todos que já assinaram e que venham ainda a aderir ao manifesto sejam punidos.

DILMA FAZ CLIP

QUE FETOS HUMANOS SEJAM CONSIDERADOS OVOS DE TARTARUGA! QUE SEJAM PROTEGIDOS PELO IBAMA!

REINALDO AZEVEDO
07/02/2012 às 19:33


Tartarugas são animais protegidos, como sabemos. Eu aposto que há mais ONGs empenhadas em salvá-las do que entidades dedicadas ao combate ao aborto. Mas não são apenas as tartarugas nascidas que estão sob tutela. Não! Não só é proibido comer a carne do bicho como também é proibido se alimentar de seus ovos, hábitos de várias comunidades no Brasil que foram postos na ilegalidade.

Se alguém argumentar que um ovo de tartaruga ainda não é uma tartaruga, será tomado por idiota ou cínico. Porque é certo, salvo algum evento da natureza, que, lá vem um quase-poema concreto, no ovo está o novo que renova o velho.

Por alguma estranha razão que ainda não foi suficientemente explicada — e não há um só abortista que tenha conseguido fazê-lo — há quem considere que o “ovo” humano não contém o humano.

Dona Eleonora comparou um aborto a uma infecção, ao vírus da AIDS, ao crack. A imoralidade dessa gente me obriga a animalizar o humano para protegê-lo de certos humanos. Que o feto da nossa espécie ganhe o status de um ovo de tartaruga!

Que o Ibama cuide dos fetos do Homem, já que os humanistas de Dilma o consideram um vírus a ser combatido por políticas públicas!

Por Reinaldo Azevedo

Dilma Rousseff quer punir ILEGALMENTE militares. Alerta a Nação

quinta-feira, 1 de março de 2012

PIB dos EUA é revisto para cima e sobe 3% no 4º trimestre Primeira estimativa era de crescimento de 2,8% no período; revisão de 0,2 ponto percentual não altera o resultado de 2011, alta de 1,7% da economia americana

 

VEJA

29/02/2012 - 11:10

O crescimento econômico nos Estados Unidos foi revisado para cima no último trimestre de 2011 em comparação com o mesmo período do ano anterior, para 3%, segundo números oficiais divulgados nesta quarta-feira. A estimativa inicial era de alta de 2,8%, mas os investimentos foram melhores que o previsto. Apesar da revisão, o crescimento de 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado não sofreu alteração.

"A revisão em alta da evolução em porcentagem do PIB real reflete principalmente uma revisão em alta dos investimentos fixos não residenciais, uma revisão em queda das importações e uma revisão em alta dos gastos de consumo dos lares", indicou o Departamento de Comércio dos EUA em comunicado. O consumo dos lares cresceu 2,1% ante o trimestre anterior, mas foi limitado por uma alta muito lenta das receitas.

(com Agence France Presse)

Estados Unidos: entre a Gaylândia e a Maomelândia

 

JULIO SEVERO

1 de março de 2012

Julio Severo

Maior nação evangélica do mundo não sabe se vira Sodoma ou Arábia Saudita

Em escolas americanas, o islamismo está se tornando matéria obrigatória em muitos lugares. Em certa escola do Colorado, os estudantes foram obrigados a cantar a música “Zikr”, escrita por A. R. Rahman, onde um trecho diz: “Não há nenhuma outra verdade senão Alá”.

Em 1963, o Supremo Tribunal dos EUA determinou que a leitura da Bíblia nas escolas americanas era inconstitucional, proibindo o livro sagrado cristão em salas de aula em que a maioria absoluta dos alunos vinha de famílias cristãs. E hoje alunos americanos são obrigados a cantar que Alá é a única verdade, sob risco de serem acusados de “islamofóbicos”. O que virá em seguida? Leitura obrigatória do Corão nas salas de aula?

Quanta confusão, não? Concordo, mas a confusão não para por aí. Na Pensilvânia, Ernest Perce estava vestido, na data do Halloween, de Maomé zumbi. Eu, como cristão, não gosto do Halloween, porém os cristãos não saem batendo em ninguém por causa de fantasias de horror.

Mas tente dizer isso a um muçulmano. Talaag Elbayomy, um muçulmano de 46 anos, atacou fisicamente Ernest. O sargento Bryan Curtis, o policial que foi acionado para deter a agressão do muçulmano, deu testemunho no tribunal de que logo após a violência, Talaag ainda tentou sufocar Ernest.

Na Arábia Saudita ou outro país islâmico, o juiz inocentaria o muçulmano.

E nos EUA, o que aconteceria? Aliás, o que aconteceu?

O juiz Mark Martin inocentou Talaag de todas as acusações de violência, agressão e tentativa de assassinato.

Em seguida, o juiz e toda a sua equipe tiveram de se mudar para um local com segurança reforçada, alegando que receberam 200 ligações telefônicas e e-mails negativos.

Numa entrevista ao Daily Caller, Ernest Perce disse que recebeu umas 500 ameaças desde que seu agressor muçulmano foi inocentado.

“Indivíduos disseram que me matariam, arrancariam meus olhos, me atropelariam, atirariam em mim e então dariam risadas, pois cometi blasfêmia contra Maomé”, disse ele. “Estão ameaçando que serei descoberto e enforcado na frente da minha família”.

Ao contrário do juiz e sua equipe, Ernest não conta com nenhum aparato especial de segurança.

Não sei se o juiz é muçulmano, mas ele deve estar pulando de alegria com o que o governo dos EUA fez na ONU. Há um projeto de lei na ONU patrocinado pelos países islâmicos, de proibir “difamação” ao islamismo, embora esteja mascarado como proibição de difamação a todas as religiões. Nesse caso, se um cristão pregar algo que ofenda os muçulmanos (por exemplo, dizer que “Jesus Cristo é Deus”, algo que é altamente ofensivo para a lei islâmica) e muçulmanos agredirem esse cristão e matarem outros, pela lei da ONU o culpado de tudo será o cristão, que incitou o crime! (A questão é: será que os muçulmanos aprenderam essa estratégia com os ativistas gays ou será que os militantes gays ainda vão fazer uso dessa estratégia islâmica?) A lei estava para fracassar, mas Obama a salvou, tendo a intenção determinada de aprová-la na ONU.

Ei, mas como é que Barack Hussein Obama conseguiu se tornar presidente da maior nação evangélica do mundo e ainda por cima trabalhar para expandir proteção ao islamismo na ONU com uma lei anti-“islamofobia” que promoverá a “religião da paz” no mundo inteiro?

As raízes ancestrais de Obama são, do lado paterno, inteiramente islâmicas. Do lado materno, ele tem raízes evangélicas progressistas. Quer saber o que dá muçulmano com evangélico progressista? Olhe para Obama, um homem que promove a ideologia muçulmana e a ideologia homossexual ao mesmo tempo! É algo tão confuso que os próprios americanos não sabem dizer se seu próprio presidente é cristão ou muçulmano.

O governo de Obama se tornou essencialmente o gênio da lâmpada mágica para militantes gays e muçulmanos nos EUA e no mundo, pronto para lhes atender nos pedidos e exigências mais excêntricos, fortalecendo-os em todos os seus ódios aos cristãos.

Essa convivência de duas ideologias tirânicas aparentemente antagônicas e irreconciliáveis — e igualmente e ardorosamente anticristãs — nas políticas da maior nação evangélica do mundo representa a própria essência da “Babilônia”, palavra que no hebraico antigo significa “confusão”.

Se por um lado o governo americano está trabalhando para que a ONU aprove uma lei internacional para punir críticas ao islamismo, por outro os EUA não fazem segredo de se tornarem um órgão policial internacional para punir a “homofobia”, colocando a mim e outros cristãos em riscos diretos.

Tradicionalmente, os comunistas botavam seus cachorros loucos para cima dos cristãos. Com a poderosa máquina do império americano tomado por loucuras politicamente corretas, Obama quer botar islâmicos e ativistas gays raivosos para cima de nós!

Desgraçadamente, a decadência evangélica de Obama também é refletida pela decadência evangélica na nação americana inteira. As maiores denominações evangélicas — presbiteriana, luterana e anglicana — dos EUA já estão ordenando pastores homossexuais.

O número de evangélicos e igrejas evangélicas nos EUA está despencando. O que está aumentando são as mesquitas. Desde os ataques terroristas islâmicos aos EUA em 2001, o número de mesquitas dobrou, passando de 1,209 para 2,106 em 2010.

Culpa do Obama, não? Na verdade, esse é um problema que antecede Obama. Desde os ataques terroristas há dez anos, George Bush, um estranho evangélico conservador, não fez outra coisa a não ser proclamar o islamismo como “religião de paz”. Além disso, o governo americano começou a dar preferência para os islâmicos imigrarem para os EUA, numa atitude genuinamente maluca.

Os muçulmanos sempre identificaram os EUA como país cristão. Daí, quando o governo dos EUA intervém militarmente numa nação islâmica, os muçulmanos descontam sua raiva destruindo igrejas e matando pastores e cristãos.

Os cristãos, então, pagam um preço alto pelas políticas intervencionistas dos EUA. E se esses coitados tentam pedir asilo, ou mesmo um visto para imigrar para os EUA, são imediatamente rejeitados. Mas seus opressores islâmicos podem sempre contar com os benefícios de asilo ou visto, com a cortesia paranoica do governo dos EUA, desde o governo de Bush.

A única coisa que Obama fez de diferente foi estender essa cortesia aos ativistas gays do mundo inteiro, que agora têm preferência para imigrar para os EUA, logo após os islâmicos.

O resultado não poderia ser diferente. A loucura islâmica está invadindo os EUA. Igrejas evangélicas tradicionais dos EUA já estão sendotransformadas em mesquitas. E se escaparem desse destino islâmico cruel, podem acabar virando saunas gays!

Se a decadência das igrejas americanas não parar e se o governo americano continuar seu namoro apaixonado com a ideologia islâmica, num futuro não muito distante o turista brasileiro que chegar a Nova Iorque contemplará não mais edifícios altos, mas elevados minaretes.

E nas livrarias cristãs, você poderá encontrar o futuro best-seller, “Uma Mesquita Com Propósito”, talvez de Rick Warren, se ele não parar seu namoro ecumênico com líderes islâmicos.

Fonte: www.juliosevero.com

Governo americano negligencia perseguição a cristãos e apoia o islã

Obama quer EUA como agência policial mundial a favor do homossexualismo

Afinal, Um Presidente Muçulmano nos EUA

Muçulmanos são os líderes mundiais em perseguição aos cristãos

Sob Obama, EUA importarão gays

Denominação esquerdista dos EUA entrega igreja evangélica para revolução islâmica

A chocante diminuição dos cristãos nos Estados Unidos

Obama é, com certeza, maior do que Jesus

Obama declara: Os EUA não são uma nação cristã, mas foram moldados pelo islamismo para melhor

Governo de Obama humilha americanos

Política de segurança nacional de Obama: Vamos esperar que as bombas deles não funcionem

“Primavera Árabe” trazendo horror para cristãos em países muçulmanos

A “Primavera Árabe” e os cristãos esquecidos do Oriente Médio

Como as potências ocidentais ajudam na perseguição aos cristãos

Não brincar com coisa séria!



Enviado por  em 01/03/2012

Circula pela internet e-mails comparando indevidamente as mortes, consequência de erros médicos, com as mortes provocadas por acidentes com armas. O aspecto jocoso pode nos ser desfavorãvel.

Pr. Silas fará programa com graves denúncias e esclarecimentos

 

VERDADE GOSPEL

29/02/12 - 04:08

- Por Marcos Melo -

No programa Vitória em Cristo do 1º sábado de abril (7), o pastor Silas Malafaia fará um programa especial sobre evangélicos e a questão política e trará à tona denúncias graves da ditadura gay que, segundo ele, “é pior do que a ditadura militar e que querem implantar no Brasil”.

O pastor pede aos internautas que utilizem as redes sociais para divulgar o “programa imperdível”. “Será um programa esclarecedor tanto para os evangélicos como para os católicos praticantes. Querem a todo custo calar a voz do povo de Deus”, adiantou Malafaia.

Você não pode perder!

Sábado, dia 7 de abril, às 9h na “Rede TV!” e às 12h na “Band”.

Justiça proíbe PSOL de participar de manifestação contra as Barcas SA no Rio

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Leis antifumo: banindo a liberdade



Enviado por  em 27/02/2012

De acordo com o professor Aeon Skoble, leis antifumo estão em alta na America. Em primeiro lugar, essa tendência parece se basear em uma batalha pro direitos. Os fumantes vindicam o direito de fumar, enquanto os não fumantes vindicam o direito ao ar limpo em espaços "públicos" como restaurantes e bares. Mas de uma forma honesta, entretante, restaurantes e bares são espaços privados. Eles tem donos, como as casas. Skoble argumenta que donos de restaurantes e bares devem poder definir suas regras sobre o fumo para seus estabelecimentos, da mesmo forma que o fazem em suas casas. Ninguém obriga um cliente a entrar em um restaurante ou bar particular; eles são livres para escolher entre as alternativas disponíveis, cada uma com um único ambiente, incluindo regras sobre fumo. Discussões sobre direitos dos fumantes versus direitos dos não fumantes perdem de rumo a questão fundamental: os direitos de propriedade dos donos de bares e restaurantes.

Transcrição, tradução e legendas de Felipe Alessandro André.
Revisão de Juliano Torres.

Portal Libertarianismo: "Evoluindo Ideias e Indivíduos."
www.libertarianismo.org

Is Obama Organizing Chaos For This Election?

 

TEA PARTY

 

 

February 27, 2012 By Suzanne Eovaldi

2007 sds j27 02 450 300x225 Is Obama Organizing Chaos For This Election?

Are massive Leftist protests planned for Chicago’s G8-NATO summit this May, the RNC Convention in August and a rumored time line for Israel’s “Sweet Spot” early this fall to attack Iran all being orchestrated by the Obama campaign in an unparalleled get out the vote push that is an October surprise to sweep him back into office?

“The Republican National Convention brings together some of the worst politicians that this country has to offer,” organizers say as they are calling on national and international protestors to converge to “Say NO to the Republican Agenda!”

The Fight Back News flier says the Republicans “are spearheading attacks on immigrants and promoting an agenda of racism and hatred.” Union busting, wars overseas and corporate greed are popular talking points of contention for the Democrats looking to gin up their base to be there in November.

Former Black Panther and Leftist activist Brandon Darby told last year’s packed East Orlando Tea Party he left the Black Panthers because he just couldn’t take it anymore. He recoiled when saw a video training session by anarchist leaders showing young men how to make Molotov cocktails to be used at the GOP convention in Minneapolis in 2008. Darby said a definite structure of planners had set up a three part division of responsibilities in the Leftist camp, namely: “The Reds, the hardcore anarchists dressed in black whose sole aim was to fight the police; The Yellows, who were tasked with blocking roads to the Xcel site; The Greens, a loosely knit collection of about 10,000 routine protestors.”

Endorsing organizations already include SDS chapters in Tampa Bay, Gainesville, Chicago, Wisconsin, and Minnesota colleges and universities. The Student-Farm Worker Alliance along with PROYECTO DIGNIDAD will be marching for immigrant rights along with certain women’s groups. The Alliance for Global Justice, the International Action Center and the South Bay (San Jose, CA) Committee Against Political Repression and the Anti-War Committee of MN show the national and international scope of this widespread movement against the RNC Convention in Tampa this August.

CIA and FBI policies upset the Committee to Stop FBI Repression which is endorsing the Tampa march. “For too long, too many politicians in both political parties have ignored our needs, while serving the interests of the rich and powerful. We need to take things into our own hands and make them understand the consequences of their actions.

Monday, August 27 is the time to advance the cause of justice and make our voices heard,” states the protest march flier which you can read at.

The Free Ricardo Palmero Movement (his war name is simon trinidad with no capitalization) also are opposing Republicans in Tampa. The son of a law professor Palmero-trinidad, who is in a U.S. federal prison serving out a 60 year no parole sentence, is the icon of activists who see him as “a prisoner in an American prison as part of the war against the poor.” His supporters fear he’s being used as a pawn in the colonialist (their word) war because he is or was a member of FARC, the Revolutionary Armed Forces of Colombia. He was captured in Ecuador and extradited to the U.S. for drug trafficking, terrorism and hostage taking.

Leftist street theatre plus antiwar marches make up a mask or skein for the political base of the community organizer needing their mobilization edge. Don’t fall into their trap.

To contact your Congressional Representative use this link: http://www.contactingthecongress.org/

To read more use these links:

1)http://www.fightbacknews.org/2011/11/13/march-republican-national-c...

2,3)http://www.coachisright.com/once-a-black-panther-now-he-hopes-to-wa...

(4) flier being passed out to protestors: see (1), cliq on left side to read endorsing organizations

(5) http://www.nightslantern.ca/prison/prisoners.htm

(6) go to their official website at http://marchonthernc.com

Golpistas vão tentar adiar de novo eleição na USP porque sabem que vão perder; cadê o Ministério Público? Hora de ter vergonha na cara!

 

REINALDO AZEVEDO

28/02/2012 às 18:29

 

Os extremistas de esquerda, que formam a extrema minoria da USP, teriam perdido as eleições para a chapa não-esquerdista Reação se a disputa tivesse se realizado na data prevista. Então deram um golpe e formaram a Junta Paramilitar que usurpa o poder no DCE.

Para todos os efeitos, os estudantes da universidade estão em greve. É mentira! Não estão! As eleições deveriam ter sido realizadas entre os dias 22 a 24 de novembro. Foram adiadas. A data prevista agora é de 27 a 29 de março. Ocorre que a Reação continua a ser a favorita.

Os golpistas já inventaram de tudo e, fiéis à tradição esquerdista, tentaram difamar e desmoralizar seus adversários de todas as maneiras. Em vão! Boa parte dos mais de 80 mil estudantes da USP acordou para a rotina de desmandos, de violência e de autoritarismo desses caras e os quer fora dos postos de comando da entidade estudantil. E o que eles pretendem fazer? Leiam o que informa Cedê Silva no Estadão:
*
O grupo Território Livre, que apóia a chapa 27 de Outubro, pode propor novo adiamento das eleições para o DCE da USP. Segundo Murilo de Souza, estudante de Geografia de 22 anos, como as eleições foram adiadas por causa da greve de alunos, deverão ser postergadas mais uma vez caso a próxima assembléia geral decida pela continuidade da greve. A reunião acontecerá em 8 de março  (quinta-feira), na FAU.

“Não dá para achar que vivemos uma normalidade do funcionamento das eleições diante do tamanho das assembléias que tivemos no ano passado”, diz Murilo, ele mesmo membro do comando de greve. “Caso a greve continue, não há necessidade nenhuma de eleições, porque a gestão é substituída pelo comando de greve e pelas assembleias”. Murilo ressalta, porém, que os delegados que compõem o comando são eleitos por assembleias de seus respectivos cursos.

Voltei
“Tamanho das assembléias”? É uma piada”! Nunca reuniram mais de 3% dos estudantes da USP! Pior! Há naquele meio muita gente que não tem qualquer vínculo com a universidade. Percebam a natureza do golpe:
a) Uma minoria declara greve;
b) a greve não existe;
c) forma-se o comando da greve inexistente;
d) o comando da greve que não existe assume também o controle da Junta Provisória Paramilitar que toma o DCE.

Atenção! A universidade é autônoma, mas não é soberana. A USP é uma instituição pública, e a representação estudantil tem uma dimensão também pública porque de caráter sindical. Lida, aliás, com recursos e aparelhos que pertencem à comundiade uspiana. Hora de o Ministério Público ter vergonha na cara e agir para resguardar direitos coletivos que estão sendo agravados.

Por Reinaldo Azevedo

Site neo ateu elege os “ateus famosos”: o resultado é uma compilação de figuras trash da esquerda

 

LUCIANO AYAN

 

O site neo ateu Paulopes começou a criar uma série de posts com o subtítulo “ateu famoso”. A idéia é aquele mesmo trololó de sempre: citar pessoas que tenham sido atéias, e famosas, e usar isso como propaganda. (Como se os religiosos também não pudessem citar milhões de religiosos famosos também…)

O curioso é que as escolhas para início da propaganda foram risíveis: Herbert de Souza (Betinho) e Ferreira Gullar (foto).

No post sobre Betinho, a justificativa para o ateísmo foi de causar vergonha alheia. Segue: “[...] houve um momento em minha vida em que a estrutura religiosa foi minada por um psiquiatra louco. Eu estava fazendo um tratamento e ele virou para mim, interpretando um sonho, e disse: ‘Você tem uma fixação com Cristo’. Eu falei: ‘Claro, eu sou da Ação Católica, toda pessoa da Ação Católica está fixada em Cristo’. E ele falou assim: ‘É, mas o Cristo é uma figura ambígua, ele é homem, mas se veste de mulher. Ele é homem, mas tem cabelos compridos’. E eu falei: ‘Ih, danou tudo’”.

Patético, no mínimo.

Ferreira Gullar disse que “o homem inventou Deus para que Deus o criasse”, em uma repetição da ladainha de Feuerbach, já demolida aqui.

Gullar segue dizendo que esse foi o jeito que o homem encontrou para se distinguir dos outros animais: “Porque, como disse Valdick Soriano, ‘eu não sou cachorro, não’. Ninguém quer ser cachorro e todos querem ser filho de Deus.”

Como se nota, os tais “ateus famosos” só servem como comédia involuntária.

Não, minto. Servem para algo a mais, pois AMBOS os ateus citados pelo Paulopes são de esquerda, e ambos são marxistas. Portanto, eles servem para reforçar minha tese de que o ser humano tende à religião, se não uma religião tradicional, uma religião política. (Chesterton já afirmou algo parecido, diga-se)

Se bem explorada, a tal “campanha dos ateus famosos” irá identificar muitos esquerdistas, e agir como um tiro no pé neo ateísta.

E agora, Daniel Fraga, o que me diz?

Vamos ver se DANIEL FRAGA responde...



Interpol prende 25 membros do Anonymous

 

OLHAR DIGITAL

 

Sites colombianos e chilenos foram invadidos; presos têm idades entre 17 e 25 anos

29 de Fevereiro de 2012 | 14:47h

digital weeks

Anonymous

Segundo informações da Interpol, 25 hackers, supostamente membros da célula hacktivista Anonymous, foram presos sob acusação de invasão a sites chilenos e colombianos. As prisões se estendem por quatro países, sendo três na América Latina. Autoridades da Argentina, Chile, Colômbia e Espanha apreenderam itens diversos em equipamentos de TI, incluindo computadores, laptops e smartphones. O total de itens confiscados chega a 250.

Os sites atacados foram o do Ministério da Defesa e Presidência (Colômbia), a Biblioteca Nacional, além da concessionária de energia elétrica Endesa (Chile). Na Espanha, quatro hackers foram presos, mas dois já foram liberados mediante fiança - incluindo um menor de idade.

Retaliação?

O site da Interpol foi atacado nesta madrugada, ficando fora do ar durante horas. O grupo Anonymous assumiu a autoria do golpe, feito sob a forma de DDoS (sigla em inglês para "Negação Distribuída de Serviço"), através de mensagem em seu perfil oficial no Twitter. Um ataque DDoS consiste em elaborar milhões de requisições simultâneas a um servidor, fazendo com que o site hospedado deixe de operar.


Com informações da BBC e CNN.

Ethicists justify infanticide in major medical journal

 

LIFE SITE NEWS

BY PETER BAKLINSKI

MELBOURNE, Australia, February 28, 2012 (LifeSiteNews.com) – Taking the logic of abortion to its ultimate consequence, two ethicists have argued that “killing a newborn could be ethically permissible in all the circumstances where abortion would be.”

Alberto Giubilin, a philosopher from the University of Milan, and Francesca Minerva, an ethicist from the University of Melbourne, have made the case that since both the unborn baby and the newborn do not have the moral status of actual persons and are consequently morally irrelevant,  what they call “after-birth abortion” should be permissible in all the cases where abortion is, including cases where the newborn is perfectly healthy.

“We claim that killing a newborn could be ethically permissible in all the circumstances where abortion would be. Such circumstances include cases where the newborn has the potential to have an (at least) acceptable life, but the well-being of the family is at risk.”

The article titled, “After-birth abortion: why should the baby live?” appeared online in the Journal Of Medical Ethics last Thursday.

The authors highlight that the justification for “after-birth abortion” is based on the interests of the people involved, not those of the baby.

“If criteria such as the costs (social, psychological, economic) for the potential parents are good enough reasons for having an abortion even when the fetus is healthy, if the moral status of the newborn is the same as that of the infant and if neither has any moral value by virtue of being a potential person, then the same reasons which justify abortion should also justify the killing of the potential person when it is at the stage of a newborn.”

The authors do not say at what stage of development it become morally repugnant to kill a newborn baby but leave the question of when a baby moves from being a potential person to being an actual person to be settled by neurologists and psychologists.

Click “like” if you want to end abortion!

Virginia Senate approves bill requiring ultrasound before abortion

 

CHICAGO TRIBUNE

By Kim Geiger

4:36 p.m. CST, February 28, 2012

Reporting from Washington—

The Virginia Senate on Tuesday approved a watered-down version of a bill to require women to undergo an ultrasound before having an abortion.

The measure passed largely on party lines by a vote of 21-19. It now heads to the House, where it must be approved before it can be signed into law by Republican Gov. Bob McDonnell.

Virginia governor backs off requiring ultrasound before abortion

Virginia State Senate backs away from 'personhood' bill

Virginia State Senate backs away from 'personhood' bill

Virginia lawmakers set to approve watered-down abortion law

Virginia lawmakers set to approve watered-down abortion law

The proposal sparked intense controversy earlier this month because the initial bill required trans-vaginal ultrasounds before an abortion could be performed. Critics sharply condemned the requirement as invasive and the legislation was mocked on television shows such as “The Daily Show” and “Saturday Night Live.”

At McDonnell’s urging, the Republican-controlled General Assembly amended the bill last week to strike the requirement for trans-vaginal ultrasounds.

Before agreeing to the change, the Senate amended the bill again to exempt victims of rape and incest if they have reported the attacks to the police, according to the Associated Press. Because of the new amendment, the House must again approve the measure before it can go to McDonnell’s desk.

The Virginia Senate is divided evenly betweenRepublicans and Democrats. Two Democrats joined with Republicans to pass the measure, while one Republican opposed it.

kim.geiger@latimes.com

Nobres e Escravos: é tudo uma 'kêstaun çôssiáu'?

Bispo diocesano de Assis publica artigo contra a “cultura da morte”

 

IPCO

28, fevereiro, 2012

D. Simão, bispo de Assis (SP), escreveu um artigo que combate as ONGs financiadas pelas Fundações Ford, McArthur, Rockfeller, e denuncia organizações como as auto-intituladas “Católicas pelo Direito de Decidir, a CFêmea, etc. Segue abaixo a transcrição do texto na íntegra para conhecimento de nossos leitores.

***

MENSAGEM AO POVO DE DEUS NA DIOCESE DE ASSIS-SP
REFLEXÃO SOBRE A VIDA

“Eu vim para que todos tenham vida,
e a tenham em abundância” (Jo 10, 10).

Na condição de bispo da Igreja de Jesus Cristo, fui enviado por essa mesma Igreja a essa Igreja particular da Diocese de Assis, a fim de prestar os devidos serviços em favor da obra evangelizadora para o bem dessa porção do povo de Deus, segundo as orientações da sã doutrina e do direito eclesial constituído da referida Igreja. Por isso, escrevo aos cristãos católicos autênticos e também aos pseudos católicos que utilizam a Igreja como instrumento de oportunidades. À todos tenho algo muito importante a dizer a respeito da doutrina eclesial sobre a base da vida. Como é de praxe, aos católicos mais interessados, recomendo uma leitura básica, porém atenta, do Catecismo da Igreja Católica. É necessário que os cristãos católicos conheçam melhor a sua Igreja. O grande problema atualmente, é que muitos católicos ou que se dizem católicos, não conhecem a Igreja, quando não a manipulam para extrair vantagens próprias.

Diante da constatação dos não poucos ataques à vida que constantemente vem à tona por parte de pessoas e entidades de todos os gêneros, em nível nacional e internacional, através dos recursos das diversas modalidades de comunicação empregadas na defesa da cultura de morte, como bispo dessa Diocese, confesso que ultimamente estou muito preocupado diante das atitudes de grupos e pessoas que revelam-se católicos, mas que demonstram pouco ou nenhum conhecimento da doutrina que dizem pertencer, assim como quanto a participação de vida eclesial, quando não existe, pouco deixa a desejar. A partir dessa preocupação, em resposta aos tantos ataques aos direitos à vida humana que ultimamente têm chegado ao meu conhecimento, venho a público em defesa da pessoa do inocente indefeso, ainda na condição de zigoto, embrião e feto. Dirijo-me ao Povo de Deus da Diocese de Assis com essa reflexão sobre a vida, que apesar de sua brevidade, a mesma encontra-se totalmente fundamentada nas fontes da fé e na razão humana. O que lhes escrevo, mais do que eu, é o que a Igreja pensa e reconhece como verdade.

1. A história da vida.

O aparecimento do ser humano na obra da criação constitui um ponto de chegada. Nesse momento porém, inicia-se a história propriamente dita, que é, em última análise, a história da vida, de seu desenvolvimento, de sua vitória sobre os obstáculos. A vida tende para a plenitude.
Também a vida de cada ser humano é um percurso desde o seu início com a “semente da vida”. O óvulo fecundado já possui identidade. Já é uma pessoa portadora de direitos, porém não de deveres. Já é totalmente um ser humano, pois, ele não virá jamais a tornar-se humano, se não o for desde então. (cf. AAS 66 (1974) p. 738, nn. 12 e 13). Do ponto de vista físico e do ponto de vista espiritual, contém toda a potencialidade para o seu desenvolvimento. É a maravilha do código genético.
O embrião não é parte integrante do corpo materno, mas membro da espécie humana. Não é um simples organismo biológico, mas um novo sujeito de direitos. É uma vida em evolução. É um fim e não um meio. Possui dignidade. A diferença entre o embrião e a pessoa já nascida, situando-se no mundo como criança, adolescente, jovem, adulto e ancião, deve-se a nutrição e ao tempo.
A vida constitui o fundamento mais profundo da ética. O ser humano, ao tomar consciência de sua presença no mundo, se percebe como alguém responsável por um dom recebido, isto é, responsável pela sua vida e pela vida de outros seres, sobretudo, do ser humano.

2. A vida é um dom sagrado.

Deus é o Ser Vivo por excelência. Não só possui a vida em plenitude, mas é a própria fonte da vida. Ele vive pelos séculos dos séculos (cf. Ap 10,6; 15,7). No areópago de Atenas, Paulo ao anunciar o Deus verdadeiro aos pagãos, afirma: “N`Ele vivemos, nos movemos e existimos” (At 17, 28). Jesus afirmou que “o Pai possui a vida em si mesmo” (Jo 5,26). A história da vida começou com um sopro divino sobre a matéria (cf. Gen 2,7). A vida é pois o primeiro dom de Deus. Toda vida é participação na vida divina. Nós vivemos porque um sopro divino nos tornou vivos. Deus, que é a fonte da vida, gravou no coração humano e confirmou com sua revelação este mandamento: “Não matarás!”(Ex 20,13). Trata-se do dever de respeitar e promover a vida, ainda que incômoda, frágil ou deficiente.

3. Atitudes paradoxais diante do dom da vida.

A existência humana está cheia de contradições sobretudo diante do dom da vida. De um lado, temos o exemplo de mulheres que exultam de encanto e alegria quando percebem que receberam o dom da maternidade. Exultam de encanto e alegria quando tomam em seus braços a criança recém-nascida. Temos o exemplo de pessoas que, cada dia, se consomem para salvar vidas em perigo. Exemplos de pais que acolhem com carinho a vida que nasce com deficiências graves e vai durar poucas horas ou semanas. A mídia anuncia nomes de pessoas que se sacrificam, dia e noite, para salvar vítimas de tragédias de toda a espécie. Anuncia também descobertas da ciência genética destinadas a melhorar a qualidade da vida e a prolongá-la. De outro lado, existe também a postura daqueles que abandonam os filhos recém-nascidos ou destroem a vida antes do nascimento. Aqueles que destroem a vida através da violência, injustiça e guerras.Aqueles que fazem campanhas em favor do aborto e de outras formas de atentados contra a vida. Tudo isso é conseqüência da grande desorientação no campo da moral. Existem ameaças hediondas, que exigem uma tomada de posição em favor do direito à vida de nossos nascituros.

• Há um programa internacional, que se encontra elaborado no “Relatório Kissinger”, preparado pelo Conselho de Segurança dos Estados Unidos da América em 1974 e mantido secreto até 1989. Neste relatório, que trata de política demográfica, planeja-se que para manter a dominação econômica do primeiro mundo sobre os paises do terceiro mundo seria indispensável limitar o crescimento demográfico de 13 paises-chaves, entre os quais é citado o Brasil, e como meio mais eficaz para este controle demográfico é indicada a legalização do Aborto. Tudo isto é claramente uma ameaça e uma afronta à nossa soberania nacional. Nos últimos vinte anos, algumas fundações norte –americanas como a Ford, McArthur e Rockfeller têm financiado uma forte campanha contra a vida. Tal promoção, efetiva-se através de parcerias estabelecidas com diversas ONG’s espalhadas por todo o Brasil, que investem na proliferação de idéias e programas favoráveis ao aborto na sociedade. Calcula-se que devem entrar anualmente no Brasil, cerca de US$ 20.000.000 (vinte milhões de dólares), para o sustento do trabalho destas ONG’s. Dentre estas, destacamos as seguintes:

- CFÊMEA (Centro Feminista de Estudos e Assessoria)
Entidade que monitora e acompanha todos os Projetos de Lei que tramitam no Congresso a favor do aborto, esterilização, anticoncepção e os assim chamados “direitos sexuais e reprodutivos” e “questões de gênero”;

- ANIS (Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero)
Entidade que planejou e acompanhou todo o processo da Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 54) para que o Supremo Tribunal Federal (STF) libere o aborto em caso de anencefalia;

- CDD (Católicas pelo Direito de Decidir)
Entidade oportunista, que de católica só usurpam o nome, conforme Declaração da Conferência Episcopal dos Estados Unidos da América. O propósito da atuação destas “falsas católicas” é confundir a opinião pública e a mídia, ao investir na difusão da notícia de que existem setores da Igreja favoráveis ao aborto. Calcula-se que elas recebam cerca de US$ 600.000 (seiscentos mil dólares) por ano para as suas atividades.

• As ameaças contra a vida nascente demonstram intensificar-se para os próximos anos. É sintomática a vontade política dos governantes mundial que respondem por certas corporações e fundações multinacionais, quanto ao seu investimento em convencer a opinião pública que o aborto é uma questão de saúde pública, que legalização do aborto é útil e necessária para a nação brasileira, sobretudo em favorecimento dos mais pobres. Comprovadamente, a visão funcionalista da Organização das Nações Unidas = ONU (visão que compreende e procura resolver os problemas sociais sempre a partir dos efeitos de nunca das causas) também trilha neste caminho em relação à questão demográfica do mundo, querendo impor-se ideologicamente à todas as nações. A questão da pobreza se resolve com uma política concretamente voltada à distribuição justa e solidária dos bens de produção em favor dos mais desfavorecidos, e não com a implantação do aborto legal. A descriminalização do aborto corresponde à discriminação dos pobres, legalização do homicídio decretado aos inocentes indefesos, uma espécie de “nascituricídio”, é o inicio para descriminalização da eutanásia e de tantos outros atentados à vida humana, que em outras palavras, significa legalização do assassinato às diversas situações e condições da vida humana.

4. A defesa e a promoção da vida são valores suprapartidários e suprareligiosos.

Como a vida é dom fundamental e sagrado, cada pessoa deve ser um servidor da vida, da vida sua e da vida de qualquer ser humano. Servidor da vida que apenas está se iniciando e também da vida em desenvolvimento. Servidor da vida que nasce plena e forte, mas também servidor da vida que nasce frágil e com defeito. Servidor da vida em seu início, mas também servidor da vida que está se aproximando de seu fim natural. Servidor e defensor da vida devem ser os agentes do Estado de direito, pois a essência do Estado é a defesa e a promoção da vida. A defesa da vida é um valor suprapartidário, no sentido de que deve inspirar qualquer política que esteja a serviço da pessoa humana e da sociedade. É também um valor suprareligioso. A inviolabilidade da vida humana, desde o seu início até o seu fim natural, é uma questão de direito natural. Os cristãos encontram em sua fé um motivo a mais para defender esse direito natural. Não se trata pois de impor à sociedade ou a Estado laico uma convicção religiosa, mas de levá-lo respeitar um direito do ser humano. A Igreja, enquanto instituição da sociedade civil, não só pode mas tem também o dever de assim crer e agir.

5. A Igreja, Povo da Vida e pela Vida.

A Igreja faz parte da novidade que a ressurreição de Cristo provocou na história. Ela é o povo da vida e pela vida. O Ressuscitado é o Vivente. Jesus morreu e ressuscitou para que todos tenham vida em abundância. Por isso, a Igreja jamais será contra a vida.Se o fizesse, seria infiel à sua origem, à sua natureza e missão. A sua doutrina contra a prática do aborto, inclusive dos anencéfalos, contra o uso de células embrionárias para a pesquisa científica, contra a eutanásia, além de ser a defesa de um direito natural é também a conseqüência daquilo que ela é: Povo da vida e pela vida. Chamar de fundamentalismo, de golpismo, de machismo, de atraso, de atitude anti-científica, a defesa corajosa que a Igreja faz da vida é inverter as coisas. É chamar o bem de mal e o mal de bem. Quando isso acontece, a sociedade entra em crise moral e começa a se destruir a partir de dentro.

Fiéis ao Evangelho da vida, exorto o povo de Deus em Assis que intensifique todo tipo de ação educativa em favor da vida e seu acolhimento nas várias pastorais, confrontando a mentalidade antinatalista infiltrada também em nossas comunidades e organismos, pois ela é a porta de entrada da mentalidade abortista, (Cf. EV 13). Várias nações, como Argentina, Costa Rica, Nicarágua, Filipinas, México etc. nos dão exemplo de posição pública antiabortista, apesar da pressão que também sofrem por parte das Organizações e Fundações multinacionais. Recentemente temos o exemplo da Hungria, nação que vem do sistema socialista científico, com base nos avanços das ciências sanitárias moderna, optou constitucionalmente em se opor ao aborto. Tudo isso nos mostra, que a questão do aborto, extrapola os níveis ideológico e religioso, não é uma questão de direita ou esquerda, conservadora ou progressista, capitalista ou socialista, é uma questão de reconhecimento do valor inegociável, indiscutível, sobre a vida humana. A vida da pessoa humana vale por si mesma, é um valor humano incondicional.

Às pessoas de boa vontade, especialmente aos cristãos de todas confissões e demais seguidores de outras confissões religiosas não cristãs, solicito que, em conjunto e não só isoladamente, que denunciemos o dinheiro estrangeiro que está financiando o trabalho das ONG’s favoráveis ao aborto. Que corajosamente se oponham aos projetos e às decisões que atentam contra a vida. Nesse sentido, no tempo presente em que a Campanha da Fraternidade de 2012 assume a saúde pública com o lema: “que a saúde se difunda sobre a terra”, apoiemos a votação de leis que proíbam a comercialização e o uso, no serviço público, de drogas abortivas, como a chamada “pílula do dia seguinte. Gravidez não é doença, é vida, é de interesse da saúde pública proteger a vida da mulher e de seu filho quanto ao atendimento ágil, acompanhamento de qualidade e medicamentos precisos às gestantes, sobretudo às mulheres pobres sujeitas à gravidez de risco. Por sua vez, aborto não é questão de saúde pública, aborto é morte e tal prática é irreversível.

Por intercessão de Nossa Senhora que, com seu “Sim”, colaborou na realização do plano de salvação, concebendo em seu puríssimo seio o Filho de Deus, pedimos a Deus, autor da Vida, que abençoe todos aqueles que acolhem, promovem e defendem a vida humana, sua inviolável dignidade. Amado povo diocesano de Assis, que o Bom Deus abençoe nossas famílias e proteja nossos nascituros e crianças da cultura da morte.

“A vida é um presente gratuito de Deus, dom e tarefa que devemos cuidar desde a concepção, em todas as suas etapas, até à morte natural, sem relativismos”. (DA 464).

Em Cristo Jesus,
Paz e Esperança!

Dom José Benedito Simão
Bispo diocesano de Assis-SP

Recado documentado com data. Banda/música: Freak Kitchen/Nobody´s Laughing

No vídeo abaixo seguem mensagens. Se alguma coisa me acontecer ou à minha família, muitas, muitas pessoas saberão quem procurar. Minha exigência única: silêncio total. Absoluto silêncio. Continue brincandinho de computador, apenas. Ganhe sua vida, fique rico, goze o casamento ao lado da esposa e família.



Enviado por  em 28/02/2012
After this, who´s laughing now? Many, many, many friends know ... Pray for my health, ok? And shut your foul mouth. FOREVER.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".