Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Pequeno Dicionário Mídia@Mais de Termos e Expressões Esquerdistas (Ampliado)

MÍDIA A MAIS
por Redação Mídia@Mais em 19 de novembro de 2010


Ferramenta indispensável para decifrar os esquerdistas
OMídia@Mais tem o imenso prazer de lançar, com muito bom humor, a segunda versão do novíssimo  Pequeno Dicionário Mídia@Mais de Termos e Expressões Esquerdistas. É um trabalho em andamento, uma tarefa ao mesmo tempo nobre e divertida: é preciso entender o que eles falam; é preciso rir do que eles falam.
***
ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA: expressão vaga referente efetivamente a alguma “abertura de arquivo da ditadura”, excetuando-se qualquer um que contenha informações sobre Dilma Rousseff.
 
ABORTOmétodo contraceptivo comum na Vila Madalena.
 
ANISTIA: o mesmo que crédito ou título resgatável em longo prazo; bolada; mamata; tetinha; carne assada.
 
ANISTIADO POLÍTICO: completo desconhecido a quem todo brasileiro deve alguma coisa mesmo sem saber por quê.
 
AQUECIMENTO GLOBAL: o mesmo que “resfriamento global”; designa todo e qualquer estado natural, com ou sem alteração de temperatura, de importância real ou imaginária; no jargão científico, “balaio de gato”. Publicidade: oportunidade; dinheiro fácil. "Vamos ter um verdadeiro aquecimento global no setor de eletrônicos este ano": o mesmo que “Vamos ganhar muito dinheiro sem fazer nada”.
 
ARTE: o mesmo que religião, em jargão típico de faculdades de humanidades.
 
AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA: desculpa usualmente utilizada pela classe acadêmica brasileira para evitar flagrantes de posse de entorpecentes em instituições públicas de ensino superior.
 
BENICIO DEL TORO: célebre intelectual de esquerda, conhecido também por ter inspirado o personagem Forrest Gump de filme homônimo.
 
BERLUSCONI: diz-se do político que diz tudo que vem à cabeça, em sentido pejorativo. Pop.: “Precisamos apagar esse cara, ele tá muito berlusconi pro meu gosto”.
 
BOLCHEVIQUE: em russo, “mendigo nervosinho com algum poder”.
 
BOLINHA DE PAPEL: gíria para pedregulho, trolha, bloco de cimento. Pop.: “jogar uma bolinha de papel em alguém”: destruir a reputação de alguém usando órgãos de imprensa.
 
BOM SENSO: detalhe burguês inútil e necessariamente ausente de qualquer consenso (ver).
 
BURGUÊS: empreendedor que não faz negócios com a esquerda. Ver EMPRRENDEDOR
 
BUSH: Pop.: o mesmo que “pai do capeta”.
 
CENSURA: quando você (tu) não permite(s) que eu passe a mão na sua (tua) mulher na sua (tua) casa.
 
COMUNISMO: (1) etapa final da transubstanciação dos seres humanos à imagem e semelhança de Che Guevara. "Seremos como o Che" (2) superação hegeliana (aufhebung) do reino da necessidade e ingresso no reino da necessidade absoluta.
 
CONSENSO: o desfecho natural de toda discussão empreendida pela KKK, Hamas, KGB, MST, Gestapo, Stasi, Guarda Revolucionária do Irã, defensores da tese do AGA, etc.
 
CONSERVADORISMO: ideologia agregadora de valores tradicionalistas, incluindo-se o patriotismo de direita, religiosidade anti-progressista, anti-abortismo totalitário, combate virtual às conspirações do anti-Cristo e ao controle homossexual dos meios de comunicação.
 
CONTRIBUIÇÃO SINDICAL: mecanismo beneficente visando a impedir que profissionais despreparados e com propensão reduzida à atividade laboral morram de fome.
 
CONTROLE SOCIAL DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO: quando eu uso a polícia para demonstrar que o seu ponto de vista está errado em algum assunto.
 
CORRUPÇÃO: tudo aquilo que o adversário político de um esquerdista faz para ganhar dinheiro sem convidá-lo.

CULTURA: (1) toda expressão popular e democrática dos intelectuais da sociedade civil organizada com patrocínio da Petrobras, da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil ou combinações destes, em nome da soberania nacional; (2) o corpo de signos, significados, índices e ícones estabelecidos em determinada  sociedade que avance as conquistas do partido; (3) locus da propagação de conteúdo popular e democrático, gabinete, órgão, secretaria.
   
DEBATE DESONESTO: quando você discorda de algo que digo.
 
DEBATE HONESTO: quando você concorda com tudo que digo.
 
DEMOCRACIA: conceito ingênuo criado pelas superestruturas (classes dominantes), mas que deve ser utilizado e enaltecido para que, através dele, a esquerda radical totalitária tome o poder. Para isso é necessário restringir a ideia de DEMOCRACIA às eleições, com vistas à democracia popular plebiscitária, i.e., a adesão compulsória ao partido ou...o paredón, o gulag (VER), etc.
 
DEMOCRATIZAÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO: ato ou efeito de eliminar a concorrência entre empresas privadas no setor de telecomunicações, e impor rígido controle estatal através de um colegiado mínimo de burocratas.
 
DIREITA: reunião de grupos de interesse político e econômico-financeiro com o objetivo de impedir a representação popular, garantindo seu enriquecimento e a manutenção da injustiça social, exceto em se tratando de Fernando Collor e José Sarney. (Ver CONSERVADORISMO, FASCISMO, NAZISMO, HOLOCAUSTO).
 
DIREITO: conjunto de leis. (Ver LEI)  
 
DITADURA MILITAR: regime de exceção quando de direita, regime soberano quando de esquerda.
 
ELITE: grupo social composto por todo e qualquer cidadão estranho ao esquerdista ou ao partido, definido por renda ou patrimônio considerado elevado para os padrões nacionais.
 
EMPREENDEDOR: burguês que faz negócios com a esquerda. (Ver BURGUÊS)
 
ENEM: o mesmo que pororoca humana; movimento caótico desenvolvido por milhões de estudantes, todos os anos, em direção a locais públicos onde não se sabe direito o que acontecerá, sob o pretexto de que tal evento estará de alguma forma relacionado ao “futuro acadêmico” dos referidos estudantes.
 
ENGELS: fiador de Karl Marx. Se você procurou este verbete porque tem alguma promissoria em nome de Karl Marx, por favor entre em contato com os herdeiros de Friedrich Engels. Gratos.
 
EQUILÍBRIO NA IMPRENSA: expressão usada pelo aparato de comunicação da revolução socialista para designar toda e qualquer ação ou contexto onde uma denúncia imaginária contra um adversário político deve ser contraposta a uma denúncia fundamentada contra um membro do partido.
 
ESQUERDA: reunião de coletividades, movimentos sociais e representantes da sociedade civil organizada, de interesse popular, social e democrático com o objetivo de garantir a representação das camadas mais necessitadas e carentes da população e sua melhoria de vida, impedindo seu desenvolvimento em todos os aspectos ( Ver COMUNISMO, PAZ MUNDIAL).
 
ESTADO: o mesmo que deus, em algumas culturas. Zeus.
 
FACTÓIDE: denúncia amplamente amparada em indícios contra qualquer amigo meu.
 
FASCISMO: (1) apelo ao nacionalismo exacerbado com referência às riquezas do solo e da raça sofrida, ao personalismo do líder, à luta política de rua no corpo a corpo, ao tratamento do adversário político como inimigo a ser eliminado e ao patrulhamento da sociedade, exceto em se tratando de Luís Inácio Lula da Silva e quem ele bem escolher. (2) movimento de alunos e professores impedidos pelo sindicato de realizar suas atividades normais, bloqueando o avanço das conquistas.
 
FATO: denúncia irresponsável, infundada e caricata difundida por meios de comunicação alimentados por verba publicitária estatal.
 
FIDEL CASTRO: atual presidente da Juventude Socialista de Havana.
 
FRANCÊS: o mesmo que funcionário público; bolsista; grevista. Pop.: cunhado encostado.
 
FRANCÓFILO: diz-se do esteta que enxerga beleza em greves e paralisações de serviços essenciais em geral.
 
GANÂNCIA: recusa genérica, tácita ou expressa, de alguém que trabalha, em ceder parte de seus ganhos a um esquerdista que esteja sem fazer nada nas proximidades.
 
GEORGE W. BUSH: o mesmo que Moloch; gênio do mal; idiota inacreditável; ser desprezível de quem pouco se sabe; dito-cujocarcará. Gíria: "A culpa é do Bush": responsabilizar determinado sujeito por qualquer problema ou situação desfavorável que não lhe diga respeito diretamente. Ex.: “Quebrei um copo, vou colocar a culpa no Bush”.
 
GULAG: antiga colônia de férias localizada na extinta União Soviética, célebre pelo fato de que seus frequentadores não eram obrigados a adquirir o título patrimonial, tendo apenas de pagar a manutenção para continuar usufruindo de seus incontáveis benefícios e atrações.
 
HOLOCAUSTO: (1) ação da polícia em greve dos professores da rede pública ou invasão de reitorias de universidades.
 
HOMOAFETIVIDADE: expressão de afetividade pública entre dois ou mais seres do mesmo tipo, categoria, gosto musical ou estilo.
 
IMPOSTO: o mesmo que faturamento; lucro. Pop.: pega-trouxa. Econ.: o chamado “ponto ótimo da produção”, onde não se produz nada e se fatura indefinidamente.
 
INTELECTUAL: termo aplicável a qualquer indivíduo que, com ou sem o uso de suas capacidades, avance as conquistas do partido por meio de expressões no âmbito da CULTURA (ver).
 
INTELECTUAL ORGÂNICO: intelectual (ver) lotado em órgão (daí orgânico) do governo. 
 
INTERNACIONAL SOCIALISTA: o grande rival do Grêmio Capitalista. Equipe de história gloriosa, mas sem nenhum título. Sua torcida hoje é composta por imberbes e decrépitos.
 
KHMER VERMELHO: grupo pop cambojano dos anos 1970, conhecido pelo sucesso dos singles "Já matei seu pai, sua mãe, sua mulher e seu vizinho" e "Eu ainda vou matar seu filho", duas das canções mais tocadas no grêmio da FFLCH-USP em todos os tempos.

LEI: regra, norma ou trecho de programa político, música com uso de instrumento ou o próprio corpo (voz, assobio, batuque, sovaco, etc.), pichação de muro, recadinho de post-it ou guardanapo de papel, ou qualquer expressão do Grande Líder Popular e Democrático. Seu conteúdo e significado são flexíveis e atualizáveis conforme o avanço das necessidades da sociedade civil organizada.
 
MAO TSÉ TUNG: agitador cultural e autor do best-seller “Se safando das provas finais detonando seu professor”; o mesmo que “coveiro divertido”, em chinês; estilista mais conhecido no Brasil por ser o responsável pelo visual pop de Dilma Rousseff.
 
MARGEM DE ERRO: o mesmo que margem de manobra; comissão; bola. Imperícia estatística retoricamente defensável.
 
MARILENA CHAUÍ: o mesmo que mulher garbosa; Pop.: tesão. Mulher bonita.
 
MARXISTA: um sujeito que tem explicação pronta e simples para tudo, exceto para a realidade, que afinal e segundo ele, é apenas uma invenção das classes dominantes.
 
MENCHEVIQUE: do russo, “tucano”.
 
MÍDIA GOLPISTA: o mesmo que PIG (Ver PIG).
 
MOVIMENTO ESTUDANTIL: movimentação geográfica de estudantes de humanidades em direção ao bar do grêmio da faculdade.
 
NAZISMO: (1) movimento nacional e socialista de intelectuais bastante convictos de suas ideias políticas de hegemonia, asseio e progresso da humanidade e das conquistas sociais e econômicas. (2) ideologia útil para se esquecer de qualquer outra ideologia, tão ou mais progressista (ver COMUNISMO).
 
NOAM CHOMSKY: desocupado, empresta seu nome à “síndrome de Chomsky”, observada quando determinado indivíduo constrói em décadas a própria reputação dizendo somente abobrinhas e apoiando publicamente regimes genocidas.
 
O PRÍNCIPE: biografia do filho de Lula, Ronaldinho Gaúcho.
 
PAZ MUNDIAL: (1) resultado inevitável e científico da batalha pelo COMUNISMO (ver). (2)Resultado da derrota final, inevitável e científica do imperialismo estadunidense.
 
PIG: designa o grupo genérico de empresas de comunicação a qual não se destinam verbas de publicidade estatal.
 
PLEBISCITO: exercício imaginativo de natureza eleitoral, cujo resultado só deve ser levado em conta quando de acordo com o previamente estabelecido pela direção do partido.
 
PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO: diz-se do político esquerdista que fala tudo que vem à cabeça. Ao contrário da correspondente expressão “Berlusconi”, não tem qualquer sentido pejorativo. Ex.: “Me sinto mais mulher quando você fica assim, todo Plínio de Arruda Sampaio”.
 
PRÊMIO JABUTI: gincana literária mais conhecida por sua exótica fórmula de disputa, onde o concorrente semifinalista derrotado automaticamente habilita-se a disputar a final.
 
PRIMAVERA DE PRAGA: célebre grupo de transformistas tchecos.
 
PROPRIEDADE COLETIVA: posse de muitos por uns poucos.
 
PROPRIEDADE PRIVADA: forma de exclusão e exploração da condição humana quando o dono não é o partido.
 
RELIGIÃO: Cf. marxistas da antiguidade “a religião é o ópio do povo”. O filósofo Andrés Ollero  diz que os discípulos moderninhos do barbudão agora falam que areligião é o tabaco do povo: ”fume usted poco, sin molestar y, desde luego, fuera de los espacios públicos...”.
 
REVOLUÇÃO FRANCESA: a maior greve de todos os tempos. A paralisação mobilizou milhões de franceses, que pararam de trabalhar entre 1789 e 1940, quando o país foi invadido pela Alemanha.
 
REVOLUÇÃO: expressão que genericamente designa todo e qualquer movimento social, ideologicamente orquestrado, cuja finalidade seja substituir uma classe dirigente eventualmente corrupta e inapta por outra classe dirigente obrigatoriamente corrupta e inapta, de modo a aumentar exponencialmente o poder sobre todo e qualquer cidadão não contido nessa mesma classe.
 
SAIR À FRANCESA: gíria para entrar em greve; atrapalhar o trabalho dos outros. O mesmo que “enforcar feriado”. “Vou sair à francesa amanhã”: o mesmo que “Vou faltar ao trabalho amanhã e ficar tomando café numa mesa na calçada”.
 
SEUS MERDAS: Adj. Expletivo composto usado por aqueles que, frustrados, não encontram no que leem aquilo que já decidiram “democraticamente” ser a única opinião aceitável.
 
SEXUALIDADE: toda expressão de afetividade entre dois ou mais seres, garantido pela Secretaria de Diversidade Sexual.
 
SÍNDROME DE EIKE BATISTA: Doença fictícia que acomete herdeiros socialmente sensíveis que passam a ter ilusões enxergando-se no espelho como empreendedores socialmente responsáveis após receberem injeções cavalares de empréstimos governamentais sem risco algum e sem contra-indicações.
 
SÍNDROME DE SILVIO SANTOS: diz-se da enfermidade crônica onde o paciente consegue exercer o poder permitido apenas aos megamilionários, ao mesmo tempo em que demonstra ou faz crer estar absolutamente alheio a qualquer acontecimento, circunstância ou informação, real ou inventada, a respeito de qualquer contexto ou componente da realidade que o cerca, especialmente aqueles referentes a demonstrações contábeis de instituições financeiras.
 
SOCIALIZAR: em economia, denomina toda operação em que os créditos de terceiros são direta ou indiretamente apropriados, em operação casada à distribuição de débitos próprios entre esses mesmos terceiros. Pop.: Mão grandemãozinhacorreria. “Vou socializar com aquele maluco ali”: o mesmo que “Vou roubar a carteira daquele cidadão”.
 
SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA: a meia dúzia de vagabundos que esteve ontem em minha casa e com a qual decidi o futuro do país.
 
STALIN: eleito “funcionário público de todos os meses” entre os anos de 1922 e 1953, na URSS. É também o irmão caçula do famoso arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer.
 
SUSTENTABILIDADE: “Em anos recentes, o conceito tornou-se um princípio, segundo o qual o uso dos recursos naturais para a satisfação de necessidades presentes não pode comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras, o que requereu a vinculação da sustentabilidade no longo prazo, um "longo prazo" de termo indefinido, em princípio.” Tradução: as necessidades presentes de políticos e ONGs farão com que você pague mais agora por produtos e serviços, com mais impostos, sob o pretexto de que esse dinheiro será usado para proteger o futuro de seus filhos e netos (os deles, claro).
 
TROTSKY: cheerleader do time de hóquei “Bolcheviques de San Petersburgo”, que arrebentou a concorrência enquanto pôde, até se transferir para a Liga Mexicana de Esportes Sobre o Gelo.
VOU COLOCAR NA REDE BRASIL: gíria para "vou desligar a TV". Na balada, significa ir embora de algum lugar. Mat.: o mesmo que zerar uma operação. Med.: designa morte de paciente.
 
Nota Legal:
O M@M adverte: o copyright é nosso. O copyleft é deles. Ria sem moderação.

Sem votos, esquerda do PSOL espanca estudantes na UFRGS.

POLÍBIO BRAGA
SEXTA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2010

Inconformados com a ampliação do colégio eleitoral por força da votação eletrônica, duas dezenas de militantes do PSOL agrediram fisicamente os membros da Comissão Eleitoral que coordena as eleições para o DCE da Ufrgs.

. Estão registradas quatro chapas: uma do PSOL, uma do PT e duas independentes.

. A atual direção, que derrotou pela primeira vez em 40 anos as esquerdas, tentou votação pela Internet, o PSOL queria manter a votação em urnas de lona, mas a reitoria acabou impondo urnas eletrônicas. A atual direção aceitou a solução.

. O presidente da Comissão Eleitoral, Adrio de Oliveira Dias, foi espancado pelos militantes do PSOL e foi a exame no IML. O incidente ocorreu na saída da Reitoria.

Justiça Federal afasta amigo de Lula da Anatel

FOLHA
19/11/2010 - 04h20

DE BRASÍLIA


A Justiça Federal determinou à Anatel o afastamento imediato do sindicalista José Zunga Alves de Lima do conselho consultivo da agência.



Zunga fora indicado ao cargo em março de 2008 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem é amigo pessoal, como representante da "sociedade civil" mesmo sendo funcionário da Oi, informa a reportagem de Andreza Matais e José Ernesto Credendiopublicada na edição desta sexta-feira da Folha e disponível na íntegra para assinantes do jornal e do UOL.

Segundo a ação do Ministério Público Federal, houve irregularidade na nomeação de Zunga, uma vez que a agência tem como atribuição administrar conflitos de interesse entre empresas e usuários, tarefa que exige autonomia e independência em relação ao mercado.
Como houve recurso da Anatel e do sindicalista, Zunga continua no cargo até a decisão final da Justiça.

Segundo a Folha apurou, apesar da decisão ter saido no último dia 6 de outubro, a agência tratou o assunto como sigiloso e só decidiu ingressar contra a decisão na semana passada para evitar desgaste a Dilma Rousseff.

OUTRO LADO

Zunga disse nunca ter defendido interesses de empresas na agência. Já a Anatel e o Planalto não se pronunciaram.

Leia a reportagem completa na Folha, que já está nas bancas.

Dinheiro de Santo André abasteceu campanha da 1ª. eleição de Lula, diz Cembranelli

ESTADÃO
18 de novembro de 2010 | 10h 49

Para promotor, Celso Daniel foi torturado no cativeiro para revelar onde estava guardado um dossiê com informações contra integrantes do PT 

SÃO PAULO - O promotor de Justiça Francisco Cembranelli, responsável pela acusação de Marcos Roberto Bispo dos Santos, acusado de ter participado do sequestro e assassinato do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, disse nesta quinta-feira, 18, que o crime ocorrido em janeiro de 2002 foi executado por um grupo criminosos que agiu "por encomenda" de corruptos que desviavam recursos da prefeitura.

Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE
Cembranelli (esq.): administração de Santo André era 'uma verdadeira máfia'
Pouco antes do julgamento ter início, Cembranelli afirmou que o dinheiro de corrupção se destinava a contas pessoais de políticos e também para abastecer campanhas eleitorais do PT, até mesmo a da primeira eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva naquele ano. Ele também disse que o petista foi torturado no cativeiro para revelar onde estava guardado um dossiê com informações contra integrantes do PT que estariam envolvidos no esquema de propinas da cidade
O promotor passou mais de uma hora expondo a acusação aos sete jurados que compõem o júri. Segundo ele, Daniel foi vítima de "um plano macabro, promovido por uma verdadeira corja de malfeitores que lesava o patrimônio público e desviava recursos para campanhas eleitorais e contas pessoais". O julgamento ocorre no Fórum de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. Para Cembranelli, a administração do PT em Santo André era "uma verdadeira máfia e o chefe da organização era o empresário Sérgio Sombra, amigo de Celso Daniel".
Ao fim de sua exposição no início do julgamento de Marcos Roberto Bispo dos Santos, acusado de ter participado do sequestro e assassinato do prefeito de Santo André, no Grande ABC (SP), Celso Daniel, o promotor Francisco Cembranelli disse hoje que o petista foi torturado no cativeiro para revelar onde estava guardado um dossiê com informações contra integrantes do PT que estariam envolvidos no esquema de propinas da cidade.
O documento estaria guardado na residência de Daniel. "Celso Daniel era um homem cuidadoso, meticuloso", disse. De acordo com Cembranelli, no dia seguinte ao sequestro do prefeito, o atual chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Gilberto Carvalho, - na ocasião secretário da Administração da prefeitura na gestão Daniel -, teria entrado no apartamento do petista. Com ele, estaria Klinger Souza, secretário de Serviços Municipais na mesma gestão. O promotor disse que Carvalho e Klinger saíram do apartamento levando documentos. Cembranelli citou o resultado de perícia no corpo de Celso Daniel que apontou marcas de tortura. Neste momento, a defesa apresentar os argumentos aos sete jurados.
O banco dos réus está vazio, pois Santos está foragido. Ele está com a prisão preventiva decretada desde sexta-feira, 12, porque não foi localizado em seu endereço para receber a intimação do júri. O corpo de sentença é formado por cinco mulheres e dois homens, sorteados no início dos trabalhos. Também não há testemunhas, nem de acusação, nem de defesa. O julgamento de Santos é o primeiro do caso Celso Daniel.
Outros seis acusados deverão ser julgados, mas ainda não há data marcada porque todos recorreram ao Tribunal de Justiça (TJ-SP). Cembranelli pede pena mínima de 12 anos e máxima de 30 de prisão para o réu, denunciado por homicídio triplamente qualificado. A defesa, a cargo do advogado Adriano Marreiro dos Santos, nega a participação de Bispo dos Santos no crime.
Interesse. O promotor acentuou que não tem nenhum interesse político no caso. "Se tivesse já em agosto, quando estava em curso a campanha presidencial, eu teria realizado o júri. Não estou interessado em favorecer qualquer partido, nem prejudicar, desejo que o PT faça um bom governo. Mas não vamos negar as evidências, petistas desviavam dinheiro público para o caixa do partido", disse o promotor.
Ainda segundo ele, Celso Daniel tinha conhecimento do esquema de corrupção e "o PT nele depositava todas as fichas na campanha de 2002 porque o candidato (Lula) já havia sido derrotado três vezes". "Dizem que o PT não queria mais uma campanha amadora, com recursos doados por simpatizantes e venda de camisetas e bonés. Então, resolveu mudar."
De acordo com o promotor, Celso Daniel se insurgiu contra o esquema quando percebeu que o grupo que o cercava não tinha "qualquer ideologia partidária, quando percebeu que os recursos desviados iam para os bolsos daquelas pessoas capitaneadas por Sergio Sombra, o mandante da morte do prefeito". "Por isso, porque resolveu se tornar um obstáculo às pretensões da máfia, Celso Daniel foi varrido, vítima de uma trama macabra." Para o promotor, o prefeito se tornou "um estorvo para a quadrilha".
Texto atualizado às 14h24 para o acréscimo de informações.

Obama ainda não entendeu

MÍDIA A MAIS
por Victor Davis Hanson em 16 de novembro de 2010


Segundo Obama, a culpa pelo fracasso eleitoral do seu partido seria dos ingratos que não entendem seus objetivos, e não uma repulsa a sua agenda esquerdista autoritária
OPresidente Obama chegou perto, mas ainda não foi capaz de admitir que suas políticas radicais e os efeitos destas sobre a economia foram a causa da devastadora repreensão política que recebeu nas eleições do dia 02/11. Durante a maior parte da coletiva de imprensa, um Obama deprimido, coisa rara, se absteve de assumir responsabilidades, chegando perto de dizer que os problemas são, em sua maior parte, nossos e não dele — ou pelo menos não de sua agenda política; no máximo um problema ocasional de comunicação inadequada.
 
Parecendo alguém incapaz de largar um velho hábito, ele mais uma vez foi condescendente, explicando que nósconfundimos suas soluções necessárias com um monstro imaginário do big government em expansão, e então, tal com é típico de nós, medrosos e ignorantes, demos uma surra em seu partido. Obama afirma que o ultraje brotou do mesmo tipo de frustração que o elegeu em vez de surgir precisamente em função dele e de sua agenda política. Em resumo, estamos furiosos porque a sua agenda socialista ao estilo União Européia está avançando de modo lento demais e ainda não entregou o prometido — mas com o tempo, entregará. Talvez então nós agradeçamos a ele por sua solução de altos gastos e governo hipertrofiado.
 
Ele parece perplexo (pela primeira vez?) com o fato de que sua popularidade como orador de campanha não durou até que se tornasse responsável por governar de verdade. Durante a maior parte da coletiva, um Obama deprimido, quase indiferente, mas aparentemente acuado, argumentou que o ultraje com raízes populares contra o seu endividamento maciço, contra o enorme governo perdulário e contra o elitismo, na verdade, era um descontentamento contra o estado da economia que ele herdou, um descontentamento do qual ele compartilha. Nós não sabemos disso, insinua o presidente, mas ainda estamos furiosos com os anos Bush, e no dia 02.11.2010, erroneamente atiramos nossa ira sobre os metódicos, ainda que muito lentos, esforços de Obama para a recuperação. Ou seja, quase nenhuma admissão de que a mensagem de Obama, e a maneira pela qual esta foi transmitida, alienou milhões de americanos — tampouco houve um Clinton arrependido no outono de 1994, mas agora Obama parece magoado por que não estamos gratos a ele.

Eu não acho que o povo americano — que há apenas uma semana ouviu seu presidente gabar-se de que os Republicanos tinham de se contentar em ficar no banco traseiro [i.e., sem poder] e que os latinos deveriam punir seus “inimigos” Republicanos, e que agora lhe infligiu a maior humilhação de meio de mandato em mais de meio século — subitamente irá dar ouvidos às suas conclamações por um fim à antiga tendência à discórdia.
 
De qualquer forma, eu tenho duas reações a esta eleição — uma diante da cena nacional e a outra aqui no meu estado, a Califórnia.
 
Se alguns fanáticos não tivessem falado de um ganho de 90-100 cadeiras no Congresso, os Democratas estariam sofrendo de um choque ainda maior diante daquase histórica perda de mais de 60 cadeiras na Câmara, e também de um estonteante arrastão pró-Republicano em legislaturas e governos estaduais, sem esquecer os consideráveis ganhos dos Republicanos e independentes no Senado — e tudo isso depois de meros 21 meses desde o início das políticas de “esperança e mudança”. A idéia de que copiaremos o socialismo da União Européia está morta, bem como o maciço endividamento nos moldes keynesianos. Morreu também a prometida segunda onda do obamismo, tais como o cap&trade e a anistia geral aos imigrantes ilegais. Os partidários de Obama podem se jactar que os outrora intocáveis veteranos senadores Democratas Barbara Boxer e Harry Reid conseguiram se reeleger, mas eles precisam entender que a visão de Obama e seu método de colocá-la em prática simplesmente fizeram com que a vasta maioria dos eleitores do país não mais acreditasse em suas promessas.
 
No lado dos conservadores, algumas coisas também precisam mudar. O Congresso não pode permanecer refém de deputados e senadores de estados agrícolas, para quem os enormes subsídios para determinados produtos são sacrossantos; há uma década, nós desistimos da “eliminação” de tais programas, via lei da “Liberdade para Produzir e Cultivar” para logo chamar a criação de porcos uma questão de segurança nacional no pós-11 de setembro. No front orçamentário, duvido que ouçamos alguém falar de, ao menos no curto prazo, cortes maciços nos impostos que resultariam num crescimento da economia de oferta e, consequentemente, num aumento da receita. Em vez disso, suponho que qualquer tentativa Republicana de cortar impostos deverá ser acompanhada, na prática realista, de um comensurável corte nos gastos, dólar por dólar. Eu também penso que ainda veremos deputados vangloriando-se dos novos centros comunitários que levarão aos seus distritos eleitorais, no velho etilo clientelista [pork-barrel politics], com direito a batizar com seus nomes essas “benesses” financiadas com o dinheiro dos contribuintes — ao menos por um tempo.

Na Califórnia, há alguma ironia. A filosofia que levou o estado a ter as mais altas taxas de impostos nos EUA, bem como às quase piores escolas, aos maiores déficits e a uma infra-estrutura em desmoronamento, foi reafirmada. Agora o governo do estado da Califórnia terá de lidar com a realidade da escolha: se aumentar ainda mais os impostos mais altos do país perderá moradores de renda maior em ritmo mais acelerado do que os já três mil contribuintes que deixam o estado a cada semana. Um Congresso Republicano pouco provavelmente irá resgatar uma Califórnia insolvente. O mais provável é que vejamos mais do atual governo-por-eufemismo, com ações ad hoc. Veremos mais concessões de “licenças” não-remuneradas em vez de cortes na folha dos funcionários públicos sindicalizados, classes com número de alunos “temporariamente” maior, mais “taxas de usuário” impostas por ordem executiva em vez de tentar aprovar novas taxas pela via legislativa.
 
O estado da Califórnia continuará a decair numa sociedade piramidal. No topo está a elite esquerdista costeira, do Napa Valley até Hollywood, que parece imune aos efeitos dos altos imposto e regulamentações (e ainda quer mais leis ambientais, casamento gay, aborto e conversa mole terapêutica). Ironicamente, o topo da pirâmide está unido a uma crescente classe baixa em parte dependente de uma enorme indústria de direitos e benefícios governamentais; tal coalizão favorece mais impostos, direitos, sindicatos de funcionários públicos, fronteiras abertas, etc.
 
Enquanto isso, um espremido setor privado de classe média está sendo lentamente sufocado, levado a fechar as portas e a deixar a Califórnia.
 
O que nos resta? O fato de que o dinheiro público californiano está acabando é, de fato, uma solução de pouco valor.
 
Tradução: Henrique Dmyterko
 
Publicado originalmente na National Review Online em 05 de novembro de 2010.
 
Também disponível no site do autor.

CONHECIMENTO CONTIDO

VIVERDENOVO
QUINTA-FEIRA, 18 DE NOVEMBRO DE 2010


Por Arlindo Montenegro

A notícia do blog Alerta Total, na última Terça-feira e os comentários , aguçam a curiosidade.

O que se pesquisa sobre energia limpa, as experiências, o sucesso de estudiosos que dedicam suas vidas para "descobrir a verdade que libertará" é no mínimo estarrecedor!!!

Neste momento da evolução humana, com a ajuda da web, o acesso à informação sobre algumas poucas verdades fundamentais expõe o poço de ignorância, onde a humanidade tem sido retida por uns poucos conspiradores, que manipulam o conhecimento como arma de guerra, como instrumento de submissão e para amedrontar as gentes.

A escola que teria o dever de ensinar, desde a infância, tudo quanto se conhece sobre o cérebro e suas possibilidades de armazenar, associar e utilizar o conhecimento, parece dominada por robôs, que repetem meias verdades, derivativos, distrações que mantêm a gente atemorizada, na escuridão.

A evolução depende de conhecer as infinitas possibilidades do cérebro, alimentá-lo de modo saudável, programar conscientemente as linhas de trabalho e pesquisa, libertar e conduzir-nos em vez de deixar-nos conduzir por qualquer monte de músculos de predadores amorais e assassinos.

Por indicação de um comentarista, "Alfredo, físico", abriram-se as páginas da web sobre energia limpa. Alucinante é perceber o tanto quando somos manipulados como manés, o tanto quanto o conhecimento é escondido, escamoteado pelos mercadores das crenças, instaladas para manter a ignorância dos homens.

Em 2009, Mike Adams publicou "The Ten Most Important Emerging Technologies for Humanity" (As dez tecnologias emergentes mais importantes para a humanidade), incluindo a necessidade de qualidade dos mestres e do ensino. Entre outras coisas, o livrinho de Adams destaca:

"Uma Livraria Eletrônica Global, combinaria todo o conhecimento disponível no planeta – todos os periódicos, boletins, revistas, jornais, páginas da web, arquivos de voz e mais – num simples mecanismo de busca, disponível para todos os habitantes do planeta.(...) Através da mudança para uma economia do hidrogénio, vamos resolver uma longa listados problemas decorrentes da economia do petróleo, criando ao mesmo tempo uma sociedade mais limpa e produtiva."

As possibilidades de vivermos um "século de esclarecimento", superando de fato a poeira lançada nos olhos da humanidade durante o "século das luzes", são reais. Como verdadeiras são as forças que se opõem: os predadores unidos – kgb, cia, bilderbergers, onu, skull&bones, diversos clubes, fundações e institutos - que servem ao milenar propósito de controle totalitário.

Falando de energia limpa, as soluções já disponíveis e que os controladores do mundo buscam manter à distância do conhecimento, são contidas numa lista é imensa, em campos de aplicação diversos, que viriam a significar menor esforço para os músculos e mais espaço para o cérebro, aproximando o homem de sua dimensa real.

Transistores, energia do vácuo (vazio, nada...), eletromagnetismo possibilitando o movimento contínuo para mover motores gerando energia e muitas outras tecnologias que as pessoas comuns nem imaginam, são reais, são possíveis e se expostas, viriam consagrar a capacidade humana muito além do que hoje é "público e notório".

Viriam também facilitar a vida e o bem estar das pessoas, com custo aproximado de zero (um veículo movido sem os combustíveis sujos, a eletricidade em casa sem a conta de consumo mensal, as viagens facilitadas, o acesso à informação sem segredos...) tudo já é possível, e retido por um grupo de governantes e mega empresários, que desprezam as pessoas e a vida.

Apenas para exemplificar sobre fatos concretos, o Tenente-Coronel, Thomas E. Bearden é desacreditado por todos os organismos oficiais. Sua formação científica é contestada. No entanto é um dos co-inventores do Gerador Eletromagnético Imóvel, um dispositivo que dispensa energia elétrica e utiliza a energia do vácuo.

Bearden e sua equipe têm a patente e o protótipo do aparelho e afirma que existem muitas tecnologias livres, conhecidas e disponíveis há mais de um século. Mas todas são impedidas por interesses públicos e privados. Cita Nikola Tesla, que no final do século dezenove, registrou patentes que são utilizadas no mundo inteiro, até hoje. Os interesses de J.P.Morgan na exploração do petróleo, interferiram nas pesquisas de Tesla.

A genialidade de Tesla foi reconhecida, mas após a sua morte, na pobreza, suas anotações foram confiscadas pelo governo americano. A ele se devem as tecnologias dos satélites, controle remoto, corrente alternada, motores elétricos e outras linhas de estudo que continuam sendo estudadas, como a transmissão de eletricidade sem fio. Anotações não divulgadas e constantes de suas anotações, podem estar disponíveis na forma de armas secretas.

Como Tesla, Bearden sofre o ataque de grandes interesses governamentais e corporativos, que cairiam por terra. Naquilo que revela em seus livros e é tido como "teoria da conspiração", está a "máquina de fazer terremoto" que Tesla chegou a experimentar. Está a fusão a frio idealizada por Gene Mallove, cujo desenvolvimento é implacavelmente barrado por interesses poderosos das usinas nucleares.

Americanos, japoneses, russos e outros, estão envolvidos em pesquisas e experimentações "assombrosas" para os padrões atuais. Mais ainda por serem utilizadas, testadas e desenvolvidas como armas de destruição em massa. Para quem deseje saber mais, fica o vídeo em 6 segmentos sobre a vida e as invenções de Tesla. E links sobre Bearden e outros inventores.

KAMARADAS & COMPANHEIROS


HEITOR DE PAOLA

19/11/2010




As raposas devem estar se moendo de inveja dos políticos brasileiros. Estes conseguiram o que elas vêm tentando, sem sucesso, há milênios: convencer as galinhas de que devem se deixar depenar, serem comidas e ainda baterem palmas e continuarem elegendo as raposas para administrar o galinheiro.

É desolador o panorama eleitoral brasileiro nos últimos doze anos. Desde 1998 revezam-se no poder os Kamaradas petistas com os Companheiros de Viajem tucanalhas. Embalados por um surto de prosperidade com o barateamento das importações, FHC comprou o Congresso – num mensalão nunca denunciado - e se reelegeu triunfantemente e já em janeiro de 1999 acaba ‘a farra das importações’, como se fosse um pai dizendo para seus filhos: hora de naná, nenéns, acabou a farra, vão escovar os dentes e já pra caminha! Sejam Kamaradas marxistas-leninistas, sejam Companheiros de Viagem fabianos ou social-democratas, todos concordam que a população é constituída de um bando de crianças irresponsáveis que precisam de senhores oniscientes que lhes orientem para um mundo melhor e com mais ‘igualdade’.

Cidadãos livres decidindo seus destinos, onde investir seus recursos pessoais e financeiros? Que horror! Não, são mentecaptos incapazes que precisam ser levados pela mão pelos ‘mais iguais que os iguais’!

Já em 2002 eu denunciava esta farsa no texto Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse de onde tirei a epígrafe e acrescentei: Em quem pode votar um eleitor liberal? Não tem opção. Os quatro candidatos (Lula, Serra, Ciro Gomes e Garotinho) fazem questão de ser cada um mais socialista que os outros. Pois desde então se repete monotonamente o mesmo refrão. Nada mudou em 2006, quando os Companheiros brindaram os Kamaradas como um picolé de chuchu amorfo como se dissessem vão lá, ganhem o jogo logo que nós fingiremos ficar na oposição. Usando a linguagem futebolística que tanto agrada ‘U Ómi’: não se preocupem, ficaremos na retranca e mandaremos o goleiro para o vestiário. Venham com tudo!

Enquanto isto, Kamaradas e Companheiros planejavam a destruição do único partido que ainda tinha raízes liberais e algo de conservadora, o PFL. Não foi difícil, pois contavam com outro socialista marxista cujo caráter conheciam bem dos anos de exílio: César Maia. Este vivaldino travestido de pusilânime, que trafega muito bem do socialismo ‘moreno’ de Brizola a ‘líder da direita’ no Rio. Apesar de execrado por suas duas péssimas administrações na Prefeitura do Rio cuja grande obra foi uma ‘Cidade da Música Roberto Marinho’ de onde jamais se ouviu um acorde e que bem poderia ser transformada num hospital ou escola municipal, criou uma dinastia que inclui seu filho Rodrigo, Índio da Costa e outros. A lápide que selou o destino do PFL foi a troca de nome para DEM e a dos Estatutos para se adequar ao do socialista Partido Democrata Americano, deixando dignos representantes do velho partido, como Jorge Bornhausen, Kátia Abreu e poucos outros, pendurados no pincel. Mas o plano não se esgotava aí, ia e vai muito mais além: a extinção do Partido com a fusão aos kamaradas ou aos companheiros e aí estará completada a tarefa de acabar de vez com a direita no Brasil.

Porém, o mais desalentador foi observar, neste ano, a submissão revoltante e suicida dos liberais e conservadores mordendo a isca oferecida pelos kamaradas e companheiros e dedicando-se de corpo e alma – se é que já não a perderam – à campanha dos Companheiros de Viagem apresentando seu candidato como a salvação nacional!

Isto num país onde mais de 80% da população endossa a agenda conservadora e poderia votar numa candidatura que defendesse firmemente estes princípios – ou, na falta desta, numa campanha intensa a favor da abstenção! É desalentador! E não me venham com a palhaçada de que com os Companheiros seria mais fácil armarmos um esquema para a próxima eleição. Isto é balela que eu ouço há oito anos e suspeito que em 2014, já no auge da campanha dos Kamaradas, novamente dirão que as pesquisas mentem e se jogarão aos pés do Companheiro de plantão! Suicidas não se levantam de seus túmulos!



Artigo encaminhado para publicação no Jornal Inconfidência de Belo Horizonte, MG.

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".