Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Honduras: a verdade passo a passo

Aqui vocês poderão se informar sobre quem realmente queria dar o golpe em Honduras.

O governo Lula, juntamente com El Mico Mandante Chávez e Daniel Ortega orquestraram todo o retorno de Zelaya ao país, o que provocou o maior caos ao povo hondurenho que estava em paz com o governo de fato (Micheletti).

O governo Lula continua interferindo diretamente na constituição hondurenha. De forma ilegal, concedeu a nossa embaixada ao meliante Zelaya como refúgio, onde o mesmo usa e abusa ao se bel prazer fazendo dela uma plataforma política e chamando seus militantes revolucionários ao vandalismo.

Precisamos dar um basta nisso.

O POVO BRASILEIRO APÓIA O GOVERNO MICHELETTI E O POVO HONDURENHO.



Delinquência iberoamericana: O Novo Mundo Possível do Foro de São Paulo

Algumas PROVAS DE FONTE PRIMÁRIA, portanto ABSOLUTAMENTE IRREFUTÁVEIS, sobre o caso Honduras/Zé-laia:

1. Lula diz que não sabia de nada.

2. Chávez diz que sabia de tudo.

3. Zé-laia diz ao vivo que pediu a Lula e ao Celso Amorim para ir e ficar na embaixada sem embaixador brasileira.


Se as duas primeiras fossem verdades, então Chávez teria passado a perna no Lula.

Mas a última informação mostra que a primeira (não sei de nada) é falsa. Zé-laia não teria porque desmentir Lula e assim prejudicá-lo intencional e internacionalmente com uma mentira tão monstruosa ao afirmar como afirmou em entrevista por rádio que Lula e Amorim deixaram ele ir e ficar na embaixada brasileira, justo ele que está lá "protegido" das leis hondurenhas.

De tudo, então temos o seguinte:

Chávez diz que sabia de tudo, Lula SABIA de tudo e os três, Lula, Chávez e Zé-laia estão, como sempre soubemos, articulados para devolver o país para este sociopata hondurenho, o que levaria mais um país iberoamericano a intergrar-se ao Foro de São Paulo.

Pessoas assim, sociopatas, não podem comandar um país.

A marcha da insensatez e a estupidez protetora

Fonte: ESTADÃO
Quarta-Feira, 09 de Setembro de 2009

“Mas o psicopata não é um doente mental da forma como nós o entendemos. O doente mental é o psicótico, que sofre com delírios, alucinações e não tem ciência do que faz. Vive uma realidade paralela. Se matar, terá atenuantes. O psicopata sabe exatamente o que está fazendo. Ele tem um transtorno de personalidade. É um estado de ser no qual existe um excesso de razão e ausência de emoção. Ele sabe o que faz, com quem e por quê. Mas não tem empatia, a capacidade de se pôr no lugar do outro.”

Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva

Psiquiatra e escritora, diretora das clínicas Medicina do Comportamento, no Rio e em São Paulo, onde atende pacientes e supervisiona tratamentos.


Sandra Cavalcanti

No ano de 1984, Barbara W. Tuchman premiou o mundo com um livro que, além de surpreendente, é admiravelmente bem escrito: A Marcha da Insensatez. Obra para ser lida e relida, dedicada aos que se interessam pelos caminhos da humanidade e procuram explicações para a insensata adoção, por muitos governantes, de políticas contrárias aos seus próprios interesses.

A autora oferece quatro episódios da História mundial como exemplo de momentos muito emblemáticos:

Os troianos puxam o misterioso cavalo de madeira para dentro dos muros de Troia;

os papas da Renascença não captam a importância das vozes reformistas e não impedem a cisão protestante;

a arrogância dos lordes ingleses detona o processo de libertação da América do Norte;

os americanos se atolam no Vietnã.

Como entender que, com poder de decisão política, alguns ajam tão frequentemente de forma contrária à apontada pela razão e pelos próprios interesses em jogo? Por que o processo mental dessas inteligências, também tão frequentemente, parece não funcionar?

O último capítulo do livro, Uma Lanterna de Popa, oferece ao leitor conclusões bastante melancólicas sobre os relatos e feitos analisados. Uma dessas conclusões sustenta a tese de que, entre as causas que mais contribuem para a insensatez política, a principal é a ambição do poder.

A ambição do poder é definida por Tácito como "a mais flagrante de todas as paixões". Ela só se satisfaz quando exerce o poder sobre os demais seres humanos. Governar acaba sendo a melhor forma de exercer o poder sobre as pessoas.

Ganhar muito dinheiro ou conseguir muita fama também oferecem satisfação de poder. Mas isso só aos muito bem-sucedidos. Nos casos comuns, embora o dinheiro propicie alta posição social e luzes de fama, fica faltando o domínio sobre os demais. O real domínio só o ato de governar oferece! O domínio sobre os outros significa, para os governantes, o verdadeiro poder que ambicionavam. Por isso o desejam ardentemente e o conquistam a duras penas. Mas depois, lamentavelmente, revelam-se incapazes de exercê-lo sobre si mesmos.

Nenhuma alma, segundo Platão, consegue resistir ao excesso de poder. Para livrá-la da insensatez, só a garantia das leis. Sem essas garantias o excesso de poder conduz à desordem e à injustiça. Toda insensatez começa assim.

Maquiavel, que sabia das coisas, dizia que todo governante "deve ser um grande perguntador, escutar pacientemente a resposta sobre o que perguntou e manifestar sua ira ao verificar que lhe ocultaram a verdade".

No mundo de hoje, qualquer titular de governo enfrenta muitíssimos problemas. Às vezes fica difícil a compreensão clara e sólida de muitos deles. Não sobra tempo para pensar e refletir. Além disso, o grupo que cerca o chefe só age em função de decisões que possam garantir-lhe prestígio político e força eleitoral. E, dizia Maquiavel, "se ele fica à mercê do grupo que o cerca, abre caminho para uma situação que alguns estudiosos definem como estupidez protetora". A estupidez protetora é a responsável pelo fato de o presidente não fazer muitas perguntas, não escutar pacientemente as respostas e não ficar irado quando verifica que lhe ocultaram a verdade.

A nossa marcha da insensatez vem sendo liderada, lá do Planalto, por um grupo assim, todos movidos exclusivamente pelo objetivo de permanecer no poder. Põem em prática, como nunca antes, todos os famosos Princípios da Dominação pela Propaganda, seguidos por Goebbels, Stalin, Mao, Fidel e tantos outros.

Não se pode negar que, à custa de bilhões de reais, os efeitos dessa propaganda estão sendo alcançados. Lula nunca sabe de nada. E quando sabe passa a mão pela cabeça dos culpados e, irado, atreve-se a querer calar o Estadão, o mais corajoso e livre órgão de imprensa do Brasil!

O mais triste ainda é que, apesar de todos os escândalos, da mais deslavada corrupção, da mais desavergonhada compra de consciências, da mais cínica postura em relação às leis, o brasileiro continua calado e anestesiado. A voz do País ainda não se fez ouvir. Misteriosas e oportunas pesquisas de opinião dão a entender que o povo está feliz, achando que tudo vai bem. Mesmo com os problemas da assistência à saúde. Mesmo com os níveis desastrosos da educação. Mesmo com a vergonha da infraestrutura dos transportes. Mesmo com o aumento apavorante da violência. Mesmo com os portos ainda travados. Mesmo com as dívidas públicas não pagas. De onde vem, então, essa apregoada visão positiva de um governo tão vulnerável?

Vem da força terrível da propaganda. Da prática imoral da dominação de um povo pelas artimanhas, pelas armadilhas e pelos artifícios da mais poderosa e cara máquina estatal de propaganda governamental jamais montada antes no Brasil! Nem na ditadura de Vargas, nem no período militar. O grupo de Lula só tem um objetivo: continuar no poder. Como? Essa ambição é que leva à insensatez.

Sabendo que seria perigoso prorrogar o seu mandato, trilhando, desde logo, o mesmo caminho de Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa e outros do mesmo time, o presidente não hesitou, ditatorialmente, em afrontar a sua própria gente! Impôs uma candidatura ao PT. Derrubou os procedimentos democráticos usados pelo partido. Quem xingava tanto as oligarquias conservadoras cometeu a insensatez de imitar os troianos, os papas da Renascença, os lordes ingleses e o atoleiro do Vietnã! Mas a História é implacável. Sempre há um cavalo de pau. Um Lutero. Um Washington. Um drama em Saigon. Sempre há!

Sandra Cavalcanti, professora, jornalista, foi deputada federal constituinte, secretária de Serviços Sociais no governo Carlos Lacerda, fundou e presidiu o BNH no governo Castelo Branco E-mail: sandra_c@ig.com.br

Lula tem MESMO o que explicar

Volto a um dos artigos do post anterior pois agora é o próprio Zé-laia quem desmente Lula, vejam no vídeo abaixo. O artigo da BBC com a entrevista do Beato Lulinha diz assim (trecho):

"...O presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que o Brasil tenha tido qualquer envolvimento no regresso do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, a seu país ou em abrigá-lo na Embaixada do Brasil na capital hondurenha, Tegucigalpa.

Vocês vão ter que acreditar num golpista (Cavaleiro do Templo: este golpista deve ser o Zé-laia, entendem? Pois é o próprio Zé-laia afirmando agora que falou com São Lulinha e com Celso Amorim para pedir pousada na embaixada sem embaixador.) ou em mim”, disse o presidente Lula, em Pittsburgh, pouco antes de partir rumo ao jantar oferecido pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para os chefes de Estado e de governo que participam da reunião do G20, que está sendo realizada na cidade americana.

A declaração é uma resposta ao comunicado emitido nesta quinta-feira pelo ministério das Relações Exteriores do governo interino de Honduras no qual afirma que houve “uma evidente intromissão do governo do senhor Lula da Silva nos assuntos internos de Honduras ao acolher Zelaya”.

O documento afirma ainda que declarações feitas pelo próprio Zelaya colocam em xeque os comentários do chanceler Celso Amorim de que o Brasil não teve qualquer conhecimento prévio da intenção de Zelaya...".

Vamos ouvir Zé-laia desmentindo o quase santo "Luys Hinássio Lula da Çilva":

Chávez declara que sabia de tudo. Vamos ver Lula se explicando agora.

Começa mais uma sessão no hospício ao sul das Américas...

Quer dizer que Chávez "sabia de tudo" e "nóçu presidênti" não sabia de nada, como sempre acontece? Então Chávez está "de sacanagem" com o pobrezinho do Lula, este menino inocente que nunca é avisado por ninguém?

Você acredita nisto???

Vamos ver as explicações de Lula para o mundo depois desta declaração do suíno venezuelano.


Chávez diz que 'despistou' autoridades sobre retorno de Zelaya
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/09/090923_chavez_zelaya_viagem_cj_np.shtml

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez

Chávez disse que 'sabia de tudo' sobre o retorno de Zelaya

Leiam esta matéria acima. Veja Chávez RINDO de tudo que está acontecendo. Assim são SOCIOPATAS/PSICOPATAS. Estão sempre em busca da tríplice coroa, PODER, STATUS E DIVERSÃO, custe o que custar. Não são seres humanos, vão atrás de seus desejos sem pensar em nada nem em ninguém.


'Vocês vão ter que acreditar num golpista ou em mim', diz Lula
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/09/090924_lula_brasil_honduras_bg_np.shtml

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Lula negou o envolvimento do Brasil no regresso de Zelaya



Beato Lula, como acreditar em você se Chávez declara que foi tudo planejado e ele sabia de tudo? Se assim fosse, você estaria nos dizendo que é empregadinho de Hugo Chávez, o que é exatamente o contrário:
Chávez é o quebra-gelo da operação Foro de São Paulo e por isto descartável. Não é Chávez o cabeça deste projeto continental, o Foro de São Paulo.

Comunista mente desde o começo, mente para si mesmo desde que nasceu para o comunismo ou antes. Eu fico com o que a Graça Salgueiro disse: Chávez foi deixado de fora desta empreitada de levar Zé-laia para Honduras mas como não quer ficar fora desta canalhice, mente. E teria complicado Lula internacionalmente se tivéssemos um "mundo sadio", sem outros tantos sociopatas/psicopatas no poder em diversos países e na ONU, OEA e outras porcarias do tipo.

Últimas notícias de Honduras


Blog NOTALATINA da Graça Salgueiro

Clique AQUI para ler notícias fresquinhas da tentativa de impor a Honduras uma outra Constituição, as leis do Foro de São Paulo.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Conversa fiada - Paulo Henrique Amorim diz: "Bandeirantes prega o Golpe contra Lula". Leiam, vão morrer de rir...

Paulo Henrique Amorim diz...

A propósito da decisão do Governo Lula de alterar os índices de produtividade das terras para efeito da Reforma Agrária – clique aqui para ler entrevista com José Batista de Oliveira, membro da coordenação nacional do MST, e aqui para a entrevista com João Pedro Stédile – o Grupo Bandeirantes de Radio e TV fez alguém ler o seguinte editorial Golpista, como nos avisou o amigo navegante Francisco Mogadouro da Cunha:

> From: Francisco Mogadouro da Cunha
> Date: 26 de agosto de 2009 1h4min43s GMT-03:00
> To: Paulo Henrique Amorim
> Subject: O PiG sai do armário!
>
> Caro PHA,
>
> Foi difícil acreditar quando ouvi esse editorial do Grupo Bandeirantes na BandNews FM… Fui procurar na Internet e achei ele no YouTube, sem muito alarde:
>
>
> Além do habitual tom golpista, no final o locutor quase incita literalmente um golpe de estado! É o PiG saindo do armário??
>
> “(…) e quem sabe chegando até o gabinete de onde despacha um presidente que os abandonou completamente…”
>
> Um abraço e até mais!


Vejam bem quem ele "chama para depor": A GANGUE DO MST.

Que coisa, não?
Vamos ver um pedacinho da vida do sr. Paulo Henrique Amorim???



PAULO HENRIQUE AMORIM PERDE NOVA AÇÃO CONTRA MAINARDI
Fonte: CONJUR
quarta, dia 16 abril de 2008

POR MÁRCIO CHAER

Acusado de fabricar notícias para favorecer quem paga por isso e prejudicar os concorrentes de seus patrocinadores, o blogueiro Paulo Henrique Amorim não gostou de se ver na posição de vidraça. Processou o jornalista Diogo Mainardi, da revista Veja, nas esferas cível e criminal. No primeiro caso, perdeu. No segundo, também. E ainda foi condenado, esta semana, a pagar as custas judiciais e os honorários dos advogados de Mainardi — que foi representado por Lourival J. Santos e Alexandre Fidalgo.

Os advogados de Amorim já recorreram. "Esperamos que o Tribunal de Justiça possa prover o recurso", afirmou José Rubens Machado de Campos.

A iniciativa de Paulo Henrique Amorim chamou a atenção. Afinal, ele ganhou fama pela virulência de seus ataques pela imprensa. Em entrevista à Folha de S.Paulo ele já definiu sua atividade como “um exercício de pancadaria verbal” e as teclas de seu computador como “aqueles botões que disparam mísseis”. Segundo Mainardi, Amorim cobrava pelo bombardeio R$ 80 mil por mês. O colunista de Veja afirma que o blogueiro “retomou as práticas mais imundas do jornalismo, como a chantagem, a mentira, a propaganda do poder e a matéria paga”.

O portal Observatório da Imprensa já descreveu Amorim como “um protótipo do linchador. Paradigma do empastelador. Agente provocador de quebra-quebras”. Mas foi outra atitude que causou mais estranhamento nos processos: ele pediu, e obteve, o manto protetor do segredo de justiça para que as informações a respeito da disputa não fossem divulgadas. Afinal, se o jornalismo se sustenta sobre o princípio da exposição pública é de se imaginar que jornalistas sejam defensores da publicidade e não do segredo.

A juíza Angélica Nagao, do Fórum de Pinheiros, que recusou o pedido de Amorim para punir Mainardi, parece ter entendido que quem gosta de atirar pedras no telhado alheio não deve estranhar goteiras em sua cozinha. E mais: que entreveros entre jornalistas, em geral, são saudáveis. Rompe-se cumplicidades e são raras essas oportunidades em que a imprensa exerce consigo própria o rigor que costuma aplicar aos outros.

Transações nebulosas

No episódio que envolve Paulo Henrique Amorim, por exemplo, vieram à tona acusações relevantes no momento em que se discute a conveniência de uma nova lei de imprensa. Para proteger o livre exercício do jornalismo é preciso deslegitimar o uso da atividade como balcão de negócios. Emprestar as garantias da liberdade de expressão para essa modalidade de crime organizado fere a credibilidade do conjunto dos jornalistas. Se a imprensa não reage, respondem todos como litisconsortes.

“O Paulo Henrique Amorim poderia explicar, por exemplo, as suas nebulosas transações imobiliárias”, sugere Alberico Souza Cruz, diretor de jornalismo da TV Globo quando Amorim ainda lá trabalhava. Alberico recorda-se da preocupação manifestada por Roberto Marinho quando soube que um empregado da emissora adquirira um apartamento em Nova York. “Senhor Alberico, com o que pagamos aqui é possível comprar um imóvel ao lado do Central Park?” — perguntou o dono da Rede Globo pouco tempo antes de Amorim ser demitido, e passar a atacar a emissora, o que fez também depois de ser demitido da TV Bandeirantes e do iG.

“Precisamos definir se nosso compromisso é com o leitor ou se estamos todos à venda”, já disse, tempos atrás, em depoimento, o publisher Roberto Civita, da Abril, ao criticar a corrupção na imprensa.

O jeito Amorim de fazer jornalismo é contagioso. Na semana passada, contratado por uma das partes do litígio que envolve a VarigLog, o jornalista Cláudio Magnavita, do Jornal do Brasil, com uma prova ilícita nas mãos (correspondência interceptada), convenceu um juiz não muito perspicaz a punir o concorrente do seu patrocinador. Magnavita fez o que o ministro Gilmar Mendes, do STF, descreve como “o truque do mau policial que coloca cocaína no carro da sua vítima e a prende em seguida por porte de cocaína”. A manobra de Magnavita, que também é presidente da Associação Nacional dos Jornalistas de Turismo, turbinou o juiz e o noticiário.

Tráfico de influência

O negócio que alavancou a carreira de Paulo Henrique Amorim nos últimos anos foi a guerra comercial das concessionárias de telefonia. O entendimento entre as empresas esvaziou o seu papel e ele foi afastado do portal iG, da Brasil Telecom. Em um processo que corre em Milão, seu nome apareceu no depoimento de uma intérprete e tradutora brasileira que trabalhava para a Italia Telecom. A incumbência de Amorim, disse ela, seria a de produzir notícias contra Daniel Dantas. Quem o colocou na missão foi o empresário Luís Roberto Demarco, que se apresentava aos italianos como elo de conexão com o governo Lula e gabava-se de grande influência junto à Polícia Federal, ao Ministério Público, ao Congresso e a jornalistas. Demarco foi pago por isso. Essas informações constam dos autos de processo judicial em diferentes depoimentos.

Supõe-se que seja a gravidade dessas imputações que levaram Paulo Henrique Amorim a pedir segredo de justiça para seus processos. Não enaltecem a pessoa, certamente.

O empresário Luís Roberto Demarco, que hoje é sócio de Amorim, gaba-se de já ter faturado pelo menos US$ 6 milhões de dólares com a atividade de agir nas dobras dos negócios bilionários das telecomunicações. Demarco e Amorim tentaram conseguir, cada um, mais US$ 100 milhões do Citibank, outro conglomerado que ficou na berlinda nessa história. “Se Dantas invadir o inferno, me alio ao Demônio para derrotá-lo”, gaba-se ele em um de seus arrojados textos recentes.

Notícias Agrícolas 24/08/09 - Vídeo Editorial do Grupo Bandeirantes de Comunicação



Vídeo Editorial do Grupo Bandeirantes de Comunicação.

Irrespeto de Brasil Hacia Honduras Daños Vandalicos 22 Septiembre Regreso Zelaya



Indignacion Irrespeto de Brasil Hacia Honduras Daños Vandalicos 22 Septiembre al Regreso de Mel a Honduras

Vecina de la residencia de la embajada de Brasil expresa su indignación por los daños emocionales, psicológicos y materiales causados por los revoltosos manifestantes que fueron llamados por Manuel Mel Zelaya Rosales para que se hicieran presente frente a la embajada de Brasil en Tegucigalpa.

Culpa directamente de los daños a Manuel Mel Zelaya, al embajador de Brasil y al presidente Lula da Silva por permitir a Mel Zelaya hacer llamadas a la violencia desde la misma embajada, violando los tratados de diplomacia internacional.

Manuel Mel Zelaya llamo ayer 21 de Septiembre desde la embajada de Brasil a la violencia. Incito a los manifestantes que se presentaron diciéndoles que el único camino era "Patria, Restitución o Muerte".

Y uds hondureños, cual opcion seleccionan?

Band quase chama Lula OFICIALMENTE do que ele é...

Procurem no link abaixo o vídeo com o nome (Lula comenta os novos índices de produtividade rural). A BAND está, ao que parece (tomara que seja de verdade) começando a tomar posição no jogo da comunização "dêsti paíz".

Lula comenta os novos índices de produtividade rural

Estratégia da trama sobre o crime de mando teve reunião no Anchieta (sede do Governo do Estado do Espírito Santo)


Fonte: SÉCULO DIÁRIO

Da Redação
Foto capa: Arquivo SD

Governador PAULO HARTUNG/PMDB-ES 

A denúncia ao CNJ destaca o fato de os implicados na manobra terem se reunido com o governador antes de assumir as investigações sobre a morte de Alexandre Martins de Castro Filho.

Fica claro no texto dos denunciantes – os advogados Último de Carvalho e Leonardo Picoli Gagno – que houve ingerência indevida do chefe do Executivo em assunto da exclusiva alçada do Judiciário. E mais ainda: que Hartung teria dado sinal verde para que fossem atropelados e desrespeitados deveres e direitos constitucionais na condução das investigações policiais e na montagem do processo judicial que tenta caracterizar como crime de mando um caso claro e cristalino de latrocínio.

A base desse raciocínio dos advogados denunciantes é a declaração do juiz Carlos Eduardo Lemos ao sair do encontro com o governador no palácio Anchieta, destacando “o total empenho do governador Paulo Hartung (PMDB-ES, sétimo mais rico governador do país) na elucidação do crime que vitimou o magistrado Alexandre Martins de Castro Filho”. A esse encontro também compareceu um representante do então presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), Alemer Moulin. Presença que confirma ter sido a trama do crime de mando, de autoria de Carlos Eduardo Lemos, armada com o conhecimento e o apoio do presidente do TJES.

Os denunciantes se reportam ao depoimento de Alemer Moulin, no inquérito judicial que acatou pedido do juiz Carlos Eduardo para que outro magistrado se retirasse da delegacia onde acompanhava as apurações da morte de Alexandre, zelando por sua lisura. O texto deles diz:

“... O que estarrece mesmo (no depoimento de Alemer) é o fato de o presidente do Tribunal noticiar reunião do Judiciário com Paulo Hartung, na casa deste – o Palácio Anchieta é a sede do Governo Estadual – para tratar das apurações do assassinato do Dr. Alexandre, sendo certo que o delatado Paulo Hartung sequer foi ouvido.”

Em seguida, os advogados transcrevem o seguinte trecho do depoimento de Alemer Moulin:

“era Presidente do Tribunal de Justiça quando do assassinato do juiz Alexandre Martins; que tomou conhecimento de que, após o assassinato, o juiz PINHEIRO apareceu na delegacia de polícia, ...que procurasse PINHEIRO e solicitasse que o mesmo se retirasse da delegacia; que tomou conhecimento de que haveria UMA REUNIÃO NO PALÁCIO ANCHIETA, COM O GOVERNADOR E OUTRAS AUTORIDADES, PARA TRATAR DAS APURAÇÕES DO ASSASSINATO.” (As maiúsculas estão no texto dos denunciantes, respeitada a grafia deles).

É nesta parte da denúncia que os advogados tratam do envolvimento do governador nos fatos relacionados ao assassinato do juiz Alexandre. Dizem eles: “Uma semana antes de morrer, o Dr. Alexandre, juntamente com o Dr. Carlos Eduardo, gravaram em fitas e reduziram a termo declarações que incriminavam o Governador Paulo Hartung, o Vice-Governador Lelo Coimbra e o irmão deste, o Vereador José Coimbra, e outros envolvidos em corrupção na Prefeitura de Vitória e homicídios para garantir impunidade e as vantagens de crime, sentiu a sua vida em risco pela gravidade dos fatos cuja apuração iniciava, foi à Presidência do TJES, onde externou sua preocupação ao MM Dr. Juiz Assessor da Presidência Carlos Moulin.”

Na sequência, a denúncia transcreve trecho do depoimento de Carlos Moulin a respeito:

“à época dos fatos era Assessor da Presidência; que uma semana aproximadamente antes do homicídio esteve com Alexandre Martins, que de forma irônica declarou: “DESTA VEZ EU VOU MORRER; que, preocupado com a declaração, perguntou o que estava ocorrendo, tendo Alexandre dito que posteriormente conversaria com o depoente.”

E a denúncia prossegue:
“Uma semana depois disso, Júlia Eugênia Fontoura, professora de ginástica, confidente e, talvez, conamorada da vítima, prestou depoimento logo em seguida ao crime, às 10h50min, em termo apartado que muito tardou a vir aos autos, deles constando apenas as duas declarações no auto de prisão em flagrante lavrado também naquele dia 24/03/2003, estranhamente omisso quanto ao alto escalão do Goverrno e às fitas gravadas pelos Drs. Carlos Eduardo e Alexandre.”

No depoimento à polícia – informa a denúncia –, Júlia conta que Alexandre comentara com ela ter sido chamado pelo governador a este lhe oferecido segurança. O governador havia oferecido ao juiz dois policiais. Alexandre disse que aceitava a oferta, mas escolheria, ele próprio, os policiais. E que, ao narrar esse fato para a depoente, disse que, no momento em que o governador lhe ofereceu segurança, já sabia que queriam matá-lo. Júlia reproduziu, então, os termos usados por Alexandre sobre o fato: “QUANDO ELE ME OFERECEU SEGURANÇA, JÁ SABIA QUE A INTENÇÃO DELE ERA ME MATAR E POR ISSO ACEITEI, SE RECUSASSE TIRARIA A RESPONSABILIDADE DELE E SE ALGO ACONTECESSE COMIGO, ELES FICARIAM LIVRES, PODERIAM DIZER, EU OFERECI A SEGURANÇA, ELE QUE NÃO ACEITOU...”

Além de Júlia, prestou depoimento à polícia a namorada oficial de Alexandre, Lúcia Rangel Serrão. Trecho que a denúncia destaca no depoimento dela: “Que a vítima evitava ao máximo comentar assuntos relacionados ao trabalho, principalmente as que envolviam ameaças, com a depoente; que a declarante, mesmo antes do homicídio praticado contra a vítima, OUVIU A VÍTIMA COMENTAR QUE ELE TINHA ALGUMAS FITAS QUE INCRIMINAVAM PESSOAS DO ALTO ESCALÃO; QUE NÃO SABE INFORMAR SE AS FITAS SE REFERIAM AO ALTO ESCALÃO DO GOVERNO ESTADUAL.”

Júlia ratificou integralmente essas declarações em produção antecipada de prova perante o juiz natural do feito, Vladson Bittencourt (logo afastado pela designação de Carlos Eduardo Lemos como juiz de exceção da 4ª Vara Criminal de Vila Velha), estranhando a falta dessas declarações nos autos. Estes são os termos do depoimento retirado dos autos: “que NA QUINTA FEIRA QUE ANTECEDEU OS FATOS, A VÍTIMA DISSE À DEPOENTE QUE TINHA CERTEZA QUE SERIA MORTO; QUE NESSE MESMO DIA A VÍTIMA DISSE PARA A DEPOENTE QUE POSSUÍA UMA FITA CONTENDO GRAVAÇÕES QUE COMPROMETIAM A PESSOA DO ATUAL GOVERNADOR PAULO HARTUNG NA ÉPOCA EM QUE O MESMO ERA PREFEITO DE VITÓRIA, LIGANDO-O A ATOS DE CORRUPÇÃO COM O GOVERNADOR JOSÉ IGNÁCIO FERREIRA...”

O juiz José Rodrigues Pinheiro (o “juiz PINHEIRO” do depoimento de Alemer Moulin) foi um dentre os presentes na delegacia que se preocupou com a segurança de Júlia e com a possibilidade de a palavra/delação da própria vítima, revelada por ela, não ser documentada nos autos em face do poder dos delatados. Palavras dele constantes na denúncia encaminhada ao CNJ: “Sabe que a polícia é bandida e fabrica testemunhas... que recorda-se de ter falado com a testemunha Júlia Fontoura as seguintes palavras: ‘você não deixe de fazer com que o delegado registre no depoimento a história das fitas contra Paulo Hartung e o prefeito de Vitória que Alexandre teria distribuído a dez pessoas.”

Os denunciantes não levantam qualquer suspeita de que o governador Paulo Hartung tenha tido envolvimento direto no assassinato do juiz Alexandre. Apenas relatam os fatos confidenciados por ele a Júlia e à namorada, envolvendo Paulo Hartung, como parte das manobras de Carlos Eduardo Lemos para vender a idéia do crime de mando, com o fim de manter investigações policiais e andamento processual sob seu controle.

Pela legislação e de acordo com a própria Constituição da República, crimes que envolvem chefes de Executivo devem ser julgados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). E, quando envolvem magistrados – como ocorre também neste caso –, o foro adequado é o Tribunal de Justiça. Assim, ficou evidente – conforme a denúncia – que Carlos Eduardo, com o respaldo da presidência do TJES, usurpou, primeiramente, funções do juiz natural (assumindo o feito processual como juiz de exceção), e, na sequência, subverteu a ordem jurídica ao criar a farsa do crime de mando.

Na próxima edição: As diatribes de um superjuiz fabricado no TJES

Leia mais:

A grande farsa do Caso Alexandre - I
Carlos Eduardo Lemos montou na Justiça e Rodney Miranda executou na polícia

Ditador líbio quer Obama no poder para sempre

Fonte: BLOG REINALDO AZEVEDO
quarta-feira, 23 de setembro de 2009 | 20:20

Não se pode negar que o ditador líbio entendeu, digamos, o espírito destes tempos. Leiam o que vai na Folha Online. Faço ao fim um pequeno comentário. O resto fica com vocês.


*


O ditador líbio, Muammar Gaddafi, fez a sua estreia na Assembleia Geral da ONU com um longo discurso no qual disse que seria feliz se “[Barack] Obama pudesse ficar para sempre como presidente de EUA” e comparou o regime do grupo fundamentalista islâmico Taleban no Afeganistão ao Vaticano.


O líbio discursou durante 1h35m na assembleia, apesar de o tempo de palavra concedido a cada chefe de Estado e de governo ser de apenas 15 minutos. Obama também ultrapassou seu tempo de palavra, ao pronunciar um discurso de 40 minutos. O recorde absoluto é do ex-ditador cubano Fidel Castro, que falou durante 4h30m em 1960.


Gaddafi, que está no poder há 40 anos, elogiou Obama, que o precedeu na tribuna da ONU, e no qual o presidente americano prometeu um compromisso renovado com a comunidade internacional, ao contrário das tensas relações nesse sentido de seu antecessor, George W. Bush (2001-2009). “Foi completamente diferente, para um presidente americano”, assinalou Gaddafi a respeito do discurso de Obama. “Você o começo de uma mudança”.


Depois, Gaddafi saiu em defesa dos talebans afegãos. “Por que somos contra os talebans? Por que somos contra o Afeganistão? Se os talebans querem criar um Estado religioso como o Vaticano, tudo bem. Por acaso o Vaticano constitui um perigo para nós? Não. Se o Taleban quiser criar um emirado islâmico, quem disse que é inimigo?”


Gaddafi também disse que a África deveria receber US$ 7,77 bilhões (mais de R$ 13 bilhões) de seus ex-colonizadores como compensação. “É a indenização que merece a África”, disse, sem explicar a origem do valor. “Os africanos vão cobrar isso, e se vocês não derem a eles esta soma de 7,77 bilhões, os africanos irão para onde vocês levaram estes bilhões. Eles têm direito de recuperar este dinheiro, e é isso que vão fazer.”


Em seu discurso, o coronel Gaddafi criticou com veemência os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU –Reino Unido, França, Estados Unidos, China e Rússia– a quem acusou de trair os preceitos da ONU. “O preâmbulo afirma que todas as nações são iguais, sejam pequenas ou grandes”, disse Gaddafi, que recebeu tímidos aplausos.


Comento

Qualquer ditador em qualquer lugar do mundo deseja o mesmo. Kadhafi (ou “Gaddafi”, no texto acima) é um demente sanguinário, mas capta, à sua maneira, o espírito do tempo. Ah, sim: não faz tempo, em visita à Líbia, Lula o chamou de “irmão”.

O Padre Pio e eu

Fonte: DIMITRI MARTINS
QUARTA-FEIRA, 23 DE SETEMBRO DE 2009


Padre Pio

A minha amizade com o Padre Pio começou no ano passado quando um amigo meu, André, disse que fez novena para vários santos, e não teve seu pedido atendido, até que fez... para o Padre Pio. Pensei comigo mesmo "este Padre Pio deve ser poderoso mesmo". Comecei a rezar, e vendo que fui atendido, continuei. Depois de "fazer uma aposta", resolvi continuar com o que estava dando certo.

O Padre Pio entrou com mais força em minha vida quando descobri que um dos meus grandes amigos e hoje afilhado de crisma, Ramon, nasceu no dia dedicado ao santo Padre Pio: 23 de setembro.

Desde então, a minha proximidade com o santo de Pietrelcina só tem aumentado. Eu e outra grande amiga, Milena, rezamos para o Padre Pio, pedimos pela cura e recuperação do pai de outra grande amiga nossa, Francesca.

Quando fui visitar o filósofo Olavo de Carvalho, na Virgínia (EUA), lá estava o bendito padre representado em uma imagem, e eu soube que a conversão de Olavo ao catolicismo se deveu muito à intercessão do santo de Pietrelcina, tanto é que o filósofo sempre invoca o santo Padre Pio antes de começar os seus programas.

Durante todo este ano tenho invocado o Padre Pio, por várias coisas, inclusive pedindo pelo pai de outro grande amigo, que teve câncer na próstata. Para completar o quadro, ainda soube que a mãe de outro grande amigo, o padre Ignazio, se confessou com o Padre Pio: está explicada a alegria deste cara! A mãe dele recebeu uma graça especial! O Padre Pio tem sido uma presença constante nestes últimos meses e eu espero que continue assim por toda a minha vida!

Padre Pio e Nossa Senhora de Fátima

A graça que eu peço ao Padre Pio é a graça de que o meu amor à Nossa Senhora se eleve ao infinito. Porque ela é que vai salvar o mundo! Como diz Julián Carrón: "Aconteça o que acontecer, Nossa Senhora existe! É um fato!" Por isso se opõe, ainda hoje, com a sua simples presença a qualquer espécie de niilismo! O Padre Pio, que morreu chamando o nome de Maria é a prova viva disso!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O Marxismo como ideologia do poder

Quarta-feira, 24 de Junho de 2009



O Marxismo como ideologia do poder.

Ernst Topitsch

Revista de Estudios Políticos - Número 199. Enero - Febrero. 1975

http://www.cepc.es/rap/Frames.aspx?IDS=fkcdcdj2enonxk552v5dxe45_809080&ART=2,9381,REP_199_245.pdf


Traduzido por: Aline Goldoni / Revisão: Leandro Diniz




“Parece como se no futuro teria de se aplicar em maior medida a teoria do inconsciente aos grupos revolucionários. O fenômeno da inversão de fins e meios desperta a suspeita de que sob os fins conscientes se encontravam desde o princípio fins inconscientes de outra índole. Os fins conscientes, cuja figura representa a sociedade sem classes e sem Estado, servem em tais casos a ocultação do desejo subconsciente de ‘absolutização’ própria do poder.”


Assim escreveu o marxista iugoslavo Svetozar Stojanovicem seu livro de 1970, “Crítica e futuro do socialismo”. Com ele, o autor comunista reiterou uma conclusão que Sigmund Freud já havia formulado em 1932 em uma carta dirigida a Albert Einstein: “Quando ouvimos das crueldades da história, temos as vezes a impressão de que os motivos ideológicos só teriam servido de pretexto aos apetites destrutivos, e outras vezes, por exemplo, nas crueldades da sagrada Inquisição, cremos que os motivos ideológicos teriam passado a primeiro plano na consciência, e que os motivos destrutivos lhes teriam proporcionado um apoio inconsciente. Ambas as coisas são possíveis.”

A possibilidade posterior de que crueldades poderiam ser cometidas tão somente com bons fins e sem outros motivos, nem sequer foi tomada em consideração por este profundo conhecedor da alma humana. Assim, ele já se referiu ao fato fundamental de que ideais ou utopias altamente morais – como também “humanísticos, emancipatórios ou progressivos – poderiam servir de modo inconsciente ou até consciente, de disfarce e arma a ânsia de poder, ao desejo de destruição, ao ódio, a inveja e ao ressentimento.

Neste sentido, foi realizada, desde a década de 1960, no campo do pensamento ilustrativo, psicoanalítico e também marxista uma “desmistificação da revolução” que nem sequer se deteve frente a seus profetas e os Santos Padres. Entre os pesquisadores que serão citados aqui, em primeiro lugar se encontra o austríaco Robert Waelder, um discípulo de Freud, que teve que emigrar em 1938 e ocupou cargos acadêmicos elevados como psicanalista na América do Norte. Sua obra póstuma, escrita em alemão. “Progresso e Revolução” (1970), oferece uma excelente análise das brilhantes fachadas, da nobre ilusão e dos efetivos motivos e estratégias, muito menos brilhantes e nobres, dos movimentos revolucionários e dos seus redentores até mesmo o “Che” Guevara. Referem-se, em especial, ao pai do materialismo histórico as obras de Arnold Künzli, Karl Marx. Uma psicografia(1966); Ernest Kux, Karl Marx. A declaração revolucionária (1967), e a biografia de Marx de Robert Payne (1968), que até agora só existe em inglês. Infelizmente, estas obras importantes não tem tido até agora a atenção correspondente ao seu valor. Para muitos leitores, se tem aprofundado na correnteza inapreciável da literatura do marxismo, e nos setores de esquerda se tem vislumbrado sua eminente periculosidade e a silenciado cuidadosamente. Em último lugar, também me esforcei em compilar as idéias desses autores em meu livro Deificação e Revolução (Munique, Pullach, 1973), e em classificá-las em relações mais amplas.

O caso é que se as teses bem fundamentadas desses trabalhos estão certas, terá de ser revisada totalmente ou até eliminada uma lenda que tem exercido e ainda hoje exerce uma considerável influência político-cultural. Trata-se da fé no pensamento humanístico-revolucionário que, segundo se diz, teria inspirado o jovem Marx, mas que no Marx posterior teria sido reprimido por um modo de ver mais estreitamente econômico e teria sido substituído finalmente no marxismo soviético por uma ideologia do poder “bizantinicamente” estagnada. Esta concepção teve uma divulgação extraordinariamente ampla na época do pós-guerra, pois correspondia aos interesses mais variados.

Os intelectuais do Oriente que queriam humanizar o sistema de seu mundo, acreditavam encontrar a legitimação marxista deste nas primeiras obras do pensador, de certo modo no evangelho ainda puro. Muitos representantes das Igrejas que desde o final dos anos de 1950 desenvolveram um crescente prazer pelo “diálogo”, queriam ver na fase prematura “antropológica” um esforço pelo homem que pode constituir uma base comum para um humanismo cristão e marxista. Não poucos amigos ocidentais do marxismo que detestavam e depreciavam sua simplificação e petrificação stalinista, consideravam aqueles primeiros textos como fundamento para uma nova iniciativa emancipatória que devia evitar o “beco sem saída” da ortodoxia de Moscou.

Parece que tudo isso se põem agora radicalmente em dúvida. Argumentos importantes falam em favor da tese contrária, ou seja, de que Marx havia desenvolvido desde o princípio sua concepção da historia e da sociedade, pelo menos subconscien-temente, como glorificação e justificação ideológica de suas próprias aspirações de poder e domínio relacionado com a fé em seu apostolado messiânico e com tendências até ao auto-endeusamento. O caso é que as investigações mais recentes confirmam e ampliam uma das características mais agudas que possuímos da personalidade e dos fins do revolucionário, ou seja, a carta do tenente Techow, na qual este oficial informa a um amigo na Suíça acerca de uma conversa com Marx em 21 de agosto de 1850. Techow teria tido que fugir da Alemanha devido a sua participação na revolução de 1848-49, e encontrou em Londres com Marx que queria ganhá-lo como seguidor. Esta informação é conhecida há muito tempo, mas é citada na literatura quase sempre como um trecho somente, omitindo-se em tal caso as partes mais importantes do mesmo. Está escrito com serenidade e sem animosidade; em alguns pontos revela uma admiração aberta, e em outros há no fundo um tom de sentimento.

Durante esta conversa, Marx havia tomado, provavelmente animado por seu parceiro, grande quantidade de vinhos fortes e estava ao final “totalmente bêbado. Isto – escreve Tchecow – correspondia plenamente aos meus desejos, pois Marx foi sendo cada vez mais sincero do que provavelmente teria sido em outra ocasião. Obtive certeza a respeito de muitas coisas que em outro caso teriam seguido sendo suspeitas para mim. Apesar de seu estado dominou até o fim a conversa.

“Deu-me a impressão não só de uma superioridade intelectual pouco freqüente, como também de uma personalidade importante. Se tivesse tanto coração como cérebro, tanto amor como ódio, eu passaria pelo fogo por ele, apesar de que em particular havia insinuado em várias ocasiões seu menosprezo total, até que ao final o havia expressado abertamente. Ele é o primeiro e o único entre nós a que atribuo a força de governar, a força de não se perder no pequeno até sobre importantes circunstancias.

“Lamento por nosso objetivo que este homem não possa oferecer junto ao seu eminente espírito um coração nobre. Mas tenho a convicção que a ambição pessoal mais perigosa tenha destruído tudo de bom nele. Se ri dos estúpidos que rezam com ele seu catecismo do proletariado..., o mesmo que dos burgueses. Os únicos a quem respeita são os aristocratas, os puros e os que são conscientes. Afim de eliminá-los do poder necessitava de sua força que encontrou unicamente nos proletários, e por isto havia adaptado seu sistema a estes.

“Apesar de todas suas afirmações contrárias, talvez precisamente da raiz delas se obtém a impressão de que seu poder pessoal é o propósito de toda sua atividade. Engels e todos seus antigos sócios, apesar de seus bonitos talentos, se encontram muito por baixo e atrás dele, e se alguma vez o omitem, os faz retroceder a sua primitiva relação com uma insolência digna de um Napoleão.”

O próprio Marx confirmou indiretamente essa caracterização como certa: quando o documento desmascarador chegou a conhecimento público, uns nove anos mais tarde, devido a uma imprudência, sua ira beirou a loucura. Mas a informação deTechow, cuja importância sublinhou sobretudo Robert Payne, é confirmada, ampliada e aprofundada por uma grande quantidade de dados biográficos anteriores, assim como pela análise crítica da estrutura e da exigência de verdade da doutrina de Marx.

Ernes Kux e, em especial, Arnold Künzli, demonstraram convincentemente, a raiz de uma valoração minuciosa precisamente dos primeiros documentos - e também dos intentos poéticos que neste aspecto são muito reveladores – que Marx já estava dominado em seu tempo de estudante por uma consciência de apostolado messiânico, por pretensões cesarianas de poder e por incontroláveis desejos de destruição. Sempre reencontramos nesses poemas uma ânsia de destruição deste mundo acompanhada de trapaça e sentimentos de vingança, como, por exemplo:


Dann werf ich den Handschuh hóhnend
Einer Welt ins breite Angesicht,
Und die Riesenzwer'gin stürze dróhnend,
Meine G!ut erdrückt ihr Trümmer nicht.


Então, eu atirei as luvas zombando
Um mundo de vasta extensão,
E o de Riesenzwergin caiu ecoando
Minha fartura não sobrepujou sua destruição.


A destruição total do mundo ao jovem de dezenove anos como base e confirmação da sua divindade:



Gotterahnlich darf ich wandeln,
Siegreich ziehn durch ihr Ruingnreiche.


Como um deus posso me parecer,
Triunfo conquistado através da derrocada de seu poder.


A esta tendência até o endeusamento também correspondia o comportamento autoritário que já mostrava o jovem Marx, e que exigia a submissão e não permitia contradição alguma. Sua filha, Eleonor Marx-Aveling, já assinala, inclusive, Marx “como uma criança era um horrível tirano”. Uma descrição do ano de 1846 fala deste revolucionário como se segue: “seu jeito... era arrogante, com um indício de desprezo, e sua voz, metálica, estava em estranha concordância com os julgamentos radicais que expressava a respeito das pessoas e coisas. Não se manifestava de outra maneira do que em julgamentos que não admitiam contradição... Esta característica expressava a firme convicção de que sua missão era a de dominar os espíritos, de impor-lhes sua vontade...; tinha ante a mim a encanação do ditador democrático”. Mas também, em geral, surpreende sempre novamente a atitude totalmente intolerante e orientada até o domínio absoluto que Marx adotava inclusive e precisamente em frente de seus amigos e correligionários. Não exigia somente reconhecimento, respeito e apoio, mas sim submissão incondicional. Comunistas e anarquistas como Moses Hess e Michael Bakunin teriam lamentado amargamente dele, e de certo modo do outro final do espectro político procede a confirmação disso através da informação de um agente de polícia do ano de 1853, que diz: “M. não admite rivalidade a respeito da sua autoridade como chefe do partido, e é vingativo e implacável contra seus rivais e inimigos políticos; não pára até tê-los aniquilado; sua condição predominante é uma ambição e uma ânsia de poder sem limites. Apesar da unidade comunista que é seu propósito, ele é o dominador absoluto do seu partido; é certo que ele mesmo faz tudo, mas também só ele mesmo dá as ordens, e nesse aspecto não admite oposição”.

Só um discípulo da natureza de Engels podia submeter-se a ele, e também não podia fazer sempre. As demais amizades se quebraram devido àquela exigência absoluta. Michael Bakunin, que como personalidade dinâmica e prometéica mostrava certas semelhanças com o criador do materialismo histórico, não só pressentiu as conseqüências totalitárias de sua doutrina, como também foi mais fundo quando enfatiza que Marx era tão intolerante e autocrático como Jeová, e até mesmo tão vingativo quanto este.

Também Heine, quem – segundo expôs Dolf Sternberger em seu livro publicado recentemente Heinrich Heine e a abolição do pecado - compartilhou durante algum tempo, sob a influência de Hegel e do saint-simonismo francês, a idéia de auto-endeusamento comentada em suas Confissões, de 1854, dos jovens hegelianos e de “seu amigo muito mais obstinado Marx” como de “auto-divindades atéias”.

Com base nisto, sem dúvida, pode demonstrar-se, até em detalhes, que Marx não aplicou sua pretensiosa construção do processo histórico e social somente ao proletariado, mas também primeiramente a ele próprio, como Techow havia analisado de maneira correta. O destino geral da humanidade é exposto aqui, de certo modo, como show gigantesco ao redor da figura do Deus-redentor procedente de Trier. O esquema fundamental para isso Marx desenvolveu da raiz de uma tradição neoplatonica-gnóstica e cabalística que foi facilitada sobretudo por Schelling e Hegel. No escopo deste trabalho não é possível aprofundar mais no que se refere à natureza daquela mística de auto-endeusamento, na qual o “Deus futuro” só se converte realmente em Deus através do homem que se auto-endeusa. Marx, desde cedo, modificou consideravelmente, o motivo do “endeusamento de Deus pelo endeusamento do homem” que encontramos em Hegel. No caso mundial, interpretado por ele como um processo universal de salvação, não é Deus que se exterioriza até o mundo para alcançar através do ser humano sua própria consciência e com isto chegar a sua própria perfeição e divindade consciente de si mesmo, mas sim a humanidade trabalhadora que está submetida à alienação e escravização, e que alcança seu ponto culminante ou seu ponto mais baixo no proletariado convertido pelo capitalismo em mercadoria e totalmente desumanizado.

Entretanto, esse ponto mais baixo é ao mesmo tempo o começo de uma nova fase, porque aqui aparece Marx, quem mostra ao proletariado e com isso a humanidade o caminho predestinado da desumanização até a obtenção da recuperação de sua verdadeira humanidade, revelando o sentido objetivo da história que até então estava ocultado por uma “falsa consciência”. O mesmo que o deus do idealismo absoluto só chega a ser consciente em Hegel, através de Hegel e graças a Hegel, do processo universal como caminho necessário até uma verdadeira divindade, a alcançando deste modo, o “deus da humanidade” do ateísta judeu somente chega a ser consciente em Marx, através de Marx e graças a Marx, do processo histórico como caminho necessário até sua verdadeira perfeição, a qual, desde cedo, não pode ser alcançada mediante mera contemplação filosófica, mas sim por meio de ações revolucionárias. Enquanto o filósofo que especulativamente se transformava em Deus pode realizar seu trabalho na tranqüilidade escritório, o desejo de poder do transformador do mundo, levado até o exterior, precisava dos meios necessários exteriores de poder, e estes Marx acreditava ter encontrado no proletariado.

A dramatização da própria pessoa endeusada até o ponto crucial em que se revela ao deus da humanidade o segredo de sua redenção, e a realização prática das exigências de poder relacionadas com isso são a priori a partir de que Marx projetou sua construção da história. Este esquema fundamental já está completo e disposto muito antes do Manifesto Comunista. Com isso não nos propomos afirmar que Marx estivera claramente consciente deste seu modo de proceder; mas também, ao menos a princípio, os elementos tradicionais do messianismo judaico e as especulações gnóstico-idealistas de auto-endeusamento formaram nele um sistema que deveria considerar como descobrimento genial sem apreciar os mecanismos psíquicos que, ocultados, exerciam sua influência. Entretanto, da conversa com Techow se percebe evidentemente que o profeta revolucionário já se aproximava às vezes, pouco depois de alcançar os trinta anos de idade, da visão do que verdadeiramente significava sua doutrina sobre a missão do proletariado como redentor da humanidade. A informação do tenente inclusive faz pensar que não se pode excluir totalmente a possibilidade de que Marx então já tinha se servido daquilo muito conscientemente, e quem sabe com certo cinismo, do mito do proletariado como um instrumento de política de poder pessoal. No entanto, mais provável é que o pensador revolucionário sempre tenha suprimido as dúvidas que lhe surgiam e havia conservado assim a fé em sua doutrina ao menos como uma forma de mentira vital.

Também poderia ser um meio para essa opressão a exigência que Marx sempre formulava de novo com a insistência patética no que se refere à cientificidade de sua doutrina. Desde cedo, Marx realizou indubitavelmente obras científicas importantes e deu sugestões de valor para a pesquisa posterior. Entretanto, justamente no lugar realmente decisivo do seu sistema não correspondeu a um dos princípios fundamentais de toda a cientificidade ao privar sua doutrina, talvez conscientemente, de toda possibilidade de revisão: quase não falamos nas indicações específicas, algumas a cerca do estado futuro de salvação da humanidade já não alienada e acerca do caminho que leva até esse ponto. Künzli assinala nesta relação que Marx não indicou, com toda intenção, nada específico nesse ponto “porque temia comprometer-se demasiadamente com isto, por em perigo sua grande concepção histórica da salvação ao descrever e discutir detalhes que se poderiam analisar, confrontar com a realidade, criticar ou contradizer em parte ou totalmente. Mas com isso colocaria em duvida toda a concepção histórica da salvação”.

Apesar de todas as manifestações contrárias, não se trata, pois, nos pontos decisivos da construção da história realizada por Marx, de uma revelação científica, nem tão pouco de um melhor futuro para a humanidade. O pensador não oferece nenhuma antecipação controlável nem uma planificação daquele estado futuro de salvação baseada em fundamentos razoáveis da intuição. Este estado de salvação permanece, porém, em uma incerteza sublime e há de servir, em sua magnitude que não pode submeter-se a controle e crítica, às exigências de poder e as necessidades de destruição do revolucionário.

Assim, a doutrina de Marx demonstra ser em grande medida um instrumento político-psicológico. A profecia da vitória necessária da revolução proletária há de encher os seguidores de inquebrantável confiança, incitar aos que ainda vacilam a aderir à causa que amanhã terá êxito e, se é possível, há de desmoralizar os adversários. Além disso, a doutrina da revolução como verdadeira “humanização da humanidade” devia prover a própria luta da mais elevada aureola moral, e deveria formar um juízo moral, mais destruidor sobre a classe combatida, mas também sobre os rivais democráticos e socialistas.

A burguesia que se opõe ao processo universal de salvação não só é barrada finalmente por isto, como se faz culpada ao mesmo tempo de crime contra a humanidade ao mantê-la em estado de não-humanidade e se propor a impedir sua libertação universal e humanização. Assim, o burguês se estigmatiza (apesar de inconscientemente, uma vez que está dotado de uma “falsa consciência”) como não humano. Desde cedo, Marx não atribui esta culpa somente ao capitalista individual, mas também ao sistema capitalista como tal, o aeon da abjeção, contra o que o proletariado expressa julgamento com inevitável necessidade.

No entanto Marx submete a um veredicto ao menos igualmente duro aos seus rivais comunistas, cujos sistemas pretendiam ter superado por seu próprio “socialismo científico” e contra os que formulavam, além disso, a suspeita de que tiveram motivos moralmente condenáveis. A “inveja geral que se constitui como poder em tal ‘comunismo tosco’ só é a forma oculta pela qual surge a cobiça, que unicamente se satisfaz de outro modo. A idéia da propriedade privada como tal, ao menos quando está dirigida contra a propriedade privada mais rica, está dominada pela inveja e a ânsia de nivelação...; o comunismo tosco só é o complemento desta inveja e desta nivelação a partir de um mínimo imaginado...”.

O pensador revolucionário estava, então, muito consciente dos motivos que freqüentemente respaldam as doutrinas e movimentos comunistas, e nesta relação também deveria ter refletido acerca de seus próprios motivos. Mas ao que parece, aqui retornam a atuar os mecanismos de supressão: seu próprio comunismo não só está, como “ciência”, muito acima daquelas formas “toscas”, mas também como “abolição positiva da propriedade privada como auto-alienação humana” e, por isso, como “apropriação verdadeira da essência humana por e para o homem”, segundo o que se queira compreender com base nessas formulações.

Assim, Marx ocultou a problemática dos motivos e metas do comunismo, que conjecturava com claridade em seus rivais, em seu próprio caso diante de si mesmo e de outros atrás de uma construção mais exigente da história, cujas elevadas pretensões científicas e morais, sem dúvida, demonstraram ser irrealizáveis.

Enquanto permanece certa indecisão a questão de se e até que ponto Marx chegou a estar consciente da verdadeira motivação e função de sua doutrina histórico-filosófica da salvação, em Lenin estão muito mais claras as coisas. É quase certo que o pai do poder soviético acreditou até sua idade madura na verdade do marxismo, pois podemos seguir exatamente como se transformou no vitorioso revolucionário nos últimos anos da sua vida, por causa de experiências decepcionantes, um evidente processo de desilusão. Mas Marx não retirou disso conseqüências fundamentais contra a doutrina marxista, mas sim tratou de salva-la transladando a um futuro indeterminado o advento do estado de salvação no sentido de um adiamento da parusía. Mas também para Lênin, ao menos inconscientemente, a doutrina do futuro império da paz, da não-violência, da liberdade e da plenitude teria desta maneira o fim de prover de uma aureola a satisfação de exigências de poder de crueldades e de desejo de destruição, assim como de dissipar as objeções morais que se puseram contra. Tais tendências se revelam bastantes claras nos próprios escritos de Lênin. A este respeito é especialmente impressionante uma passagem da revista Espada Vermelha, órgão oficial da Tchecoslováquia, de 18 de agosto de 1919: “O nosso é um novo código de moral. Nossa humanidade é absoluta, pois se baseia sobre o ideal glorioso da eliminação da tirania e da submissão. Tudo nos é permitido, pois somos os primeiros no mundo que fazem uso da espada não só para escravizar e submeter, mas sim em nome da liberdade e da libertação da escravidão”.

Talvez possa se atribuir boa fé a Lênin e sua bainha. Mas quase seis décadas depois podemos apreciar claramente, a luz das comoventes experiências, mas também com ajuda da crítica mais desenvolvida da ideologia, quão facilmente pode servir uma suposta humanidade e emancipação absoluta como disfarce e arma do poder absoluto e do terror absoluto.

Ernst Topitsch

Caserna do saber

Fonte: ZOEIRA

ESPECIAL (21/9/2009)



Cavaleiro do Templo: como digo quase sempre, "simples assim". Escola que dá certo é a antiga, antes da "sociedade sociopatoplástica", da sociedade criada e regida por sociopatas, para sociopatas e pelos sociopatas. Regras não matam ninguém, regras rígidas criam seres humanos dignos, que entendem que seu semelhante é seu semelhante de fato, que antes de direitos existem deveres. Mas sociopatas não querem regras, sociopatas querem "liberou geral", é esta a sua natureza. Uma sociedade monstruosa para que ele "nade de braçada". E não precisam de escolas também. Para que perder tempo com isto se nascem predadores do ser humano "normal"? Leiam abaixo.


GALERIA

Clique para Ampliar

Orgulho da farda. Rafael, Roberta, Eugênio, Agda, Piero e Eline estão no último ano escolar e já começam a sentir aquele aperto no peito só de pensar na saudade que sentirão do Colégio Militar.

Clique para Ampliar

Na sala, prevalecem a concentração e o respeito ao professor. Nos intervalos a descontração toma conta (Foto: Marília Camelo)

Clique para Ampliar

Os alunos não perdem a chance de declarar a paixão pela escola e dizem que já começaram a sentir saudades

Clique para Ampliar

Para sair os adolescentes capricham no visual! Nada de boinas ou cabelo amarrado

Adolescência e cumprimento de regras? A combinação parece não dar muito certo. Mas, nas escolas regidas pelo sistema militar de ensino, é um sucesso. As exigências dentro do colégio não incomodam e até vão deixar saudades para quem está cursando o último ano


INCORPORANDO-ME AO COLÉGIO MILITAR E PERANTE SEU NOBRE ESTANDARTE, ASSUMO O COMPROMISSO DE CUMPRIR COM HONESTIDADE MEUS DEVERES DE ESTUDANTE, DE SER BOM FILHO E LEAL COMPANHEIRO, DE RESPEITAR OS SUPERIORES, DE SER DISCIPLINADO E DE CULTIVAR AS VIRTUDES MORAIS, PARA TORNAR-ME DIGNO HERDEIRO DE SUAS GLORIOSAS TRADIÇÕES E HONRADO CIDADÃO DA MINHA PÁTRIA". SOB ESTE JURAMENTO, NOVOS ALUNOS DO COLÉGIO MILITAR INICIAM O ANO LETIVO EM MOMENTO SOLENE E ATÉ EMOCIONANTE.


EMBORA A LIBERDADE, O DESEJO POR ´TRANSGREDIR´ ALGUMAS REGRAS SEJAM ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ADOLESCÊNCIA, TEM UMA GALERA QUE VAI NA CONTRAMÃO E ASSUME A PAIXÃO POR ESTUDAR NUMA ESCOLA, MARCADA POR REGRAS RÍGIDAS, SOLENIDADES SEMANAIS E ATÉ HIERARQUIA ENTRE OS ALUNOS.


PARA CONHECER MELHOR ESSA TURMA, O ZOEIRA BATEU UM PAPO NO SALÃO NOBRE DO COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA COM SEIS ESTUDANTES QUE ESTÃO NO ÚLTIMO ANO: AGDA BONFIM, 18, QUE VAI FAZER VESTIBULAR PARA SERVIÇO SOCIAL; ELINE SAHADE, 18, PUBLICIDADE E PROPAGANDA; ROBERTA MONALIZA, 17, QUE PRETENDE SEGUIR CARREIRA MILITAR E DEPOIS FAZER MEDICINA VETERINÁRIA; PIERO OLIVEIRA, 17, QUE DESEJAVA ENTRAR PARA A AERONÁUTICA, MAS POR QUESTÕES DE SAÚDE (DIABETES), FARÁ CONCURSO PARA DIPLOMACIA; RAFAEL ROCHA, 18, QUE FARÁ CIÊNCIAS CONTÁBEIS E EUGÊNIO VASCONCELOS, 16, PARA MEDICINA (DEPOIS PRETENDE UNIR A PROFISSÃO COM A CARREIRA MILITAR).


As regras


"No início, achava até divertido. Mas, com a rotina a gente vai ser acostumando e se apaixona pelos eventos, como a comemoração de 7 de Setembro, jogos interescolares, entre outros", diz Eline.


"Num colégio civil há mais liberdade. Aqui, temos que seguir um padrão diferente. O cabelo deve estar sempre preso e arrumado, os brincos devem ser discretos, as unhas não podem ser pintadas de cor escura, a maquiagem deve ser a mais básica", conta Agda, que sentiu dificuldade para seguir estas e outras regras, quando entrou na escola, na 7ª série.


Mas, nem por isso, as meninas reclamam de seguir este padrão distante das últimas tendências da moda. "Nós aprendemos a ser disciplinados e quando vamos em outras escolas participar de eventos, vemos muitas pessoas mal educadas", comenta Roberta. "A gente passa uma imagem de aluno padrão e sentimos a diferença", completa Agda.


Eugênio comenta que seguir regras não tira pedaço de ninguém, porém as pessoas chegam a ter uma imagem deturpada.


Roberta ressalta que, apesar da rigidez, é possível manter um relacionamento de amizade com os professores, monitores, sem perder o respeito pela autoridade.


A professora Tenente Margareth Corchs comenta que o respeito que os alunos têm pelo professor em sala de aula é muito grande. "Isso é muito bom para nós como profissionais, ficamos mais motivados", afirma.


Mas, nada melhor do que um fim de semana para relaxar. "A gente brinca que é uma ´libertação´", diz Rafael, que, como os outros alunos, deve estar sempre com a barba bem feita, cabelo cortado e nada de piercings ou brincos. E, nas férias, então! "A gente relaxa completamente", completa Piero.


Punições


E claro que se as regras não são cumpridas, alguma punição está por vir. Os estudantes entram na escola com nota 8 no grau de comportamento e a partir daí, podem receber pontos positivos ou negativos, de acordo com as atitudes. "Se chegar a ter menos que três, o aluno pode ser ´convidado´ a se desligar da instituição", diz Eugênio.


Piero, por exemplo, já recebeu punições por comer em sala. "Sou muito esfomeado e ele só me deu punição porque não era a primeira vez que estava pedindo", comenta. Rafael também já recebeu advertências por conversar, brincar durante a aula e também por chegar atrasado. Mas, nada que os colocassem em perigo.


Já Eugênio nunca recebeu uma punição, além de ter as melhores notas do colégio. Por isso recebeu o título de Coronel Aluno e, nos eventos especiais da escola, sempre apresenta os alunos aos superiores. "No último 7 de Setembro, comandei o batalhão militar e no final do ano, vou assinar o livro de ouro da escola", conta orgulhoso.


Além disso, os alunos destaques podem receber outras recompensas como integrar o Pantheon de ex-alunos, a Legião de Honra, ser "aluno-destaque", receber Diploma de Assiduidade, ser promovido no grupamento/batalhão escolar e receber prêmios e medalhas.


E não para por aí. Eugênio foi um dos vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa 2008 na categoria de texto opinativo.


"Escrevi sobre o problema dos vendedores ambulantes na Praça da Sé quando estava no auge, ressaltando que a Prefeitura precisava oferecer uma oportunidade melhor para eles e não apenas expulsá-los".


Além dos muros


Lições de convivência e consciência de grupo são algumas das questões destacadas por essa turma quando se fala de ir além do aprendizado. "No 3º ano, onde estamos agora, não há aquele espírito de concorrência. A gente se ajuda muito e isso serve para nossa vida lá fora também", conta Rafael.


O mais interessante é que atitudes como esta vão além. "O nosso comportamento dentro e fora da escola é o mesmo", assegura Eugênio.


"A gente adquire um amor por tudo que tem aqui. Bailes, eventos internos, esportivos, viagens e acaba criando laços fortes com outros colégios militares e com os amigos daqui também", comenta Rafael, que aproveita os momentos fora da escola para poder ir ao cinema com a namorada, ir para boates, sair com amigos para barzinhos e restaurantes.


Além disso, participar de comunidades virtuais, acessar blogs, fotologs e alimentar sites de relacionamentos também estão entre as atividades dessa galera quando não estão na escola. "A gente sai muito com os amigos daqui mesmo", conta Eline.


E para sair com a turma, haja tempo para se arrumar. As meninas aproveitam para soltar os cabelos, arrasam na maquiagem, as roupas seguem as últimas tendências. Os meninos também não querem fazer feio quando trocam a farda pela roupa de civil e capricham no visual.


Fazer a diferença


Como todos os pré-vestibulandos, essa galera, no momento, só quer saber de passar no vestibular. Piero, que fará concurso para diplomacia, também sonha ser jogador de futebol e poder viajar pelo mundo defendendo o Brasil de duas formas bem peculiares.


Já Eugênio pretende fazer a diferença como médico. "Quero realmente me preocupar com meus pacientes, diferente de muitos médicos que estão por aí hoje", ressalta.


Agda quer atuar também como voluntária em projetos sociais que atendem crianças carentes.


Izakeline Ribeiro
Repórter

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".