Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Israel acredita que guerra com o Irã duraria 30 dias e mataria 500 israelenses

 

GOSPEL

Documentos defenderiam que tudo começará com um ciberataque

por Jarbas Aragão

Israel acredita que guerra com o Irã duraria 30 dias e mataria 500 israelenses

Israel acredita que guerra com o Irã duraria 30 dias e mataria 500 israelenses

O ministro da Defesa Civil israelense, Matan Vilnai, está deixando a pasta para se tornar embaixador em Pequim. Ele será substituído por Avi Dichter. Mas, em sua despedida, surpreendeu o mundo ao dizer que uma possível guerra com o Irã não duraria mais de um mês e custaria a vida de, no máximo, 500 civis israelenses.

“Pode ser que haja menos mortes, mas poderia ser mais. Esse é o cenário para o qual estamos nos preparando, de acordo com os melhores especialistas”, disse ele ao jornal israelense Maariv.

Durante a entrevista, Vilnai disse que as batalhas ocorreriam em várias frentes, com mísseis iranianos atingindo poucas cidades e povoados de Israel. Acredita na possibilidade de ataques simultâneos ocorrerem por parte do movimento xiita islâmico, Hezbollah e militantes islâmicos palestinos na Faixa de Gaza.

Mesmo assim, defende que o país nunca esteve tão preparado para o conflito, mas precisaria do apoio americano. Um possível ataque israelense contra Irã teria como motivação impedir o país de construir armas nucleares, embora Teerã insista que seu programa tem fins pacíficos.

Vilnai é um general aposentado, que foi vice-chefe militar de Israel e passou os últimos cinco anos supervisionando as atualizações de sistemas civis de defesa do país, incluindo sirenes de alerta, abrigos subterrâneos e um sistema público de segurança.

“Assim como os cidadãos do Japão têm de saber que os terremotos podem ocorrer, os cidadãos de Israel tem de perceber que se vivem aqui, precisam estar preparados para ver mísseis caindo na frente de suas casas”, disse Vilnai. “Não é agradável, mas as decisões precisam ser tomadas e nós temos de estar preparados.”

Embora não tenha dado detalhes sobre como ele chegou a essa avaliação, recentemente o ministro da Defesa Ehud Barak também afirmou que o número de mortos estaria na faixa de 500, se o conflito ocorrer.

Em uma coletiva de imprensa em Washington, o Secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta reafirmou que a avaliação norte-americana é que Israel não deve iniciar os ataques. Mas o chefe militar dos EUA, general Martin Dempsey, acredita que uma operação israelense iria retardar, e não destruir o projeto nuclear iraniano.

Enquanto isso, Richard Silverstein, um blogueiro americano especializado no conflito, divulgou em seu site os supostos planos de ataque de Israel.

Ele disse que teve acesso a um memorando interno do gabinete de segurança de Israel, formado por oito membros. Esse documento supostamente sugere que a operação militar começaria com um enorme ciberataque contra a infra-estrutura do Irã, seguido por uma chuva de mísseis lançados em suas instalações nucleares, controle de sistemas, instalações de pesquisa e desenvolvimento, e casas de figuras importantes no desenvolvimento nuclear.

Traduzido de Washington Post e BBC

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".