Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sábado, 18 de agosto de 2012

André Barcinski é um campeão da intolerância

 

LUCIANO AYAN


Recentemente, vi o texto “Brasil é ouro em intolerância”, uma das mais arrojadas e insanas tentativas de controlar o frame por parte de André Barcinski, usando um discurso claramente neo ateísta.

Vejam abaixo e depois comento:

Já virou hábito: toda vez que um time ou uma seleção do Brasil ganha um título, os atletas interrompem a comemoração para abrir um círculo e rezar. Sempre diante das câmeras, claro.

O mesmo aconteceu sábado passado, quando a seleção feminina de vôlei conquistou espetacularmente o bicampeonato olímpico em cima da seleção norte-americana, que era favorita.

O Brasil é oficialmente laico desde 1891 e a Constituição prevê a liberdade de religião.

Será mesmo?

O que aconteceria se alguma jogadora da seleção de vôlei fosse budista? Ou mórmon? Ou umbandista? Ou agnóstica? Ou islâmica?

Alguém perguntou a todas as atletas e aos membros da comissão técnica se gostariam de rezar o “Pai Nosso”?

Ou será que alguns se sentiram compelidos a participar para não destoar da festa?

Será que essas manifestações públicas e encenadas, em vez de propagar o caráter multirreligioso do país, não o estão atrapalhando?

Claro que ninguém questiona a boa intenção das atletas. Mas o gesto da reza coletiva está tão arraigado, que ninguém pensa em seu real simbolismo e significado.

A questão não é opção religiosa, mas a liberdade de escolha. Qualquer pessoa pode acreditar no que quiser, contanto que deixe a outra livre para fazer o mesmo. Sem constrangimentos. E não é o que está acontecendo.

Liberdade religiosa só existe quando não se mistura religião a nada. Nem à política, nem à educação, nem à ciência e nem ao esporte.

Em 2010, a Fifa acertou ao proibir manifestações religiosas na Copa da África do Sul. A decisão foi tomada depois de a seleção brasileira ter rezado fervorosamente em campo depois da vitória na Copa das Confederações, um ano antes, o que provocou protestos de países como a Dinamarca.

Em 2014 e 2016, o Brasil vai sediar a Copa do Mundo e as Olimpíadas. A CBF e o COL precisam tomar providências para que os eventos não se tornem festivais públicos de intolerância.

Atletas precisam entender que estão representando um país de religiosidade livre. Eles têm todo o direito de manifestar sua crença, mas não enquanto vestem uma camisa laica.

Claro que atitudes assim serão impopulares e gerarão protestos. Muita gente confunde a garantia da liberdade de opção religiosa com censura.

Quem disse que é fácil viver numa democracia?

O sujeito (provavelmente neo ateu, ou ao menos humanista) usa o manjadíssimo truque do “defensor do estado laico” para defender a imposição de sua doutrina humanista. Ou seja, enquanto ele viola os princípios do estado laico, finge defendê-lo.

O fato do Brasil ser oficialmente laico não significa que cristãos tenham que ser PROIBIDOS de manifestar sua fé. Na verdade, é exatamente o oposto. Pelo fato do Brasil ser oficialmente laico, aí sim é que os cristãos tem o direito de manifestar sua fé, desde que não sejam ofensivos aos outros. Por exemplo, se alguém chegasse com uma placa dizendo “Deus odeia gays” ou “Cristãos devem morrer”, poderia até ser acusado de intolerância, ao contrário de alguém que somente está rezando.

Por este mero truque de inversão do sentido da expressão estado laico para implementar sua agenda anti-religiosa, Barcinski por si só já pode ser qualificado como um picareta intelectual do pior naipe.

Segundo Barcinski, a reza pública das atletas implica na “liberdade de escolha”, mas novamente ele distorce toda a situação para fazer sua propaganda. O fato é que é até possível que um atleta ateu se sinta constrangido em participar de uma oração pública, mas ele nem de longe sabe se isso aconteceu. Suponha que um ateu se recusasse a participar da roda de oração e fosse insultado ou agredido. Aí sim ele teria um “caso” a favor de ter ocorrido um ato intolerante. Mas ele não sabe absolutamente nada a respeito do ocorrido. E se todas as atletas fossem de fato religiosas? Que ato de intolerância existe ao ocorrer uma reza neste caso? Aliás, mesmo se nem todas fossem cristãs, nem assim ele teria um “caso” a favor de que lá tenha ocorrido um ato de intolerância.

Em resumo, baseado em alguma suposição, não provada (de que uma suposta atleta atéista ficaria tristinha ao ver todas as atletas rezando, e daí não participando) Barcinski acusa os oponentes de intolerantes, quando na verdade o intolerante é ele. Ele é um intolerante em relação a atletas cristãs que resolveram rezar.

É por isso que ele entra em contradição consigo próprio ao escrever o trecho a seguir: “A questão não é opção religiosa, mas a liberdade de escolha. Qualquer pessoa pode acreditar no que quiser, contanto que deixe a outra livre para fazer o mesmo. Sem constrangimentos. E não é o que está acontecendo.”

Ora, se a questão é a liberdade de escolha, como pode Barcinski proibir alguém de executar sua opção em público? Um atleta ateu, inclusive, poderia ter a opção de pedir para sair antes da comemoração, indo para o vestiário, por exemplo.  Neste cenário, o ateu tem a liberdade de escolha, e os religiosos também.

Vamos a um outro exemplo. Suponha que seja feita uma confraternização de universitários, e eles resolvam fazer uma oração. Um neo ateu poderia ficar irritado, mas ele teria pleno direito de não participar. Alguns poderiam dizer? Mas e se ele for discriminado? Daí sim ele pode lançar uma acusação de intolerância contra o outro lado. Mas, ao tentar proibir o restante de fazer uma roda de oração, ele é que estaria sendo intolerante.

Quando ele diz “Liberdade religiosa só existe quando não se mistura religião a nada”, obviamente está delirando. Como sempre, a verdade é o oposto do que ele afirma:  liberdade religiosa só existe quando você pode misturar religião ao que quiser, desde que não ataque os direitos de outras pessoas que não compartilhem de sua fé. Novamente, Barcinski inverte os conceitos de forma bizarra.

Ao afirmar que no passado existiu proibição da Fifa em relação às orações, por causa de “protestos de países como a Dinamarca”, aí sim é que temos um caso de intolerância, pois pessoas foram proibidas de manifestar sua fé, em uma situação em que não iriam desrespeitar o direito de ninguém. Se na Dinamarca existe uma anti-religiosidade radical (de estilo neo ateísta), são eles que devem ser acusados de intolerantes.

Esta constatação dele, portanto, é um sinal de como Barcinski não passa de alguém que vive de truques linguísticos: “A CBF e o COL precisam tomar providências para que os eventos não se tornem festivais públicos de intolerância.”. O que ele quer é impor um festival público de intolerância humanista, contra as religiões tradicionais, mas chamar a livre manifestação de religião dos seus adversários de… intolerância. Justiça seja feita, esse tal de André Barcinski não é jornalista, mas um engenheiro comportamental especializado em manipulação linguística.

Outro truque divertido é quando ele diz que “eles têm todo o direito de manifestar sua crença, mas não enquanto vestem uma camisa laica”. Mas não existe isso de “camisa laica”, mas sim ESTADO LAICO. Notem que ele vai inventando conceitos novos não por seu grau de validade, mas de propaganda anti-religiosa.

Barcinski, no entanto, sabe que é um desonesto. Ele tem a plena noção disso ao final do texto, quando afirma que atitudes de proibição da manifestação religiosa em jogos “serão impopulares e gerarão protestos”. Ele diz que “muita gente confunde a garantia da liberdade de opção religiosa com censura”, entregando os pontos, pois na verdade ele descobriu que está defendendo a censura e tenta se antecipar as críticas dizendo que os outros vão reconhecer este fato.

Eu, como sou ateu, não sou lesado pelo texto de André Barcinski, mas qualquer religioso tradicional (especialmente cristão) poderia inclusive PROCESSAR o jornalista pelo ato de discriminação religiosa. O que ocorreu é que, enquanto fingia truques linguísticos para simular lutar pelo “estado laico”, “tolerância” e “liberdade de expressão”, ele de fato lutava pelo estado anti-religioso, de orientação neo ateísta, intolerância quanto aos cristãos e censura.

Por fim, vou dizer como eu resolveria a questão para eliminar qualquer tentativa de algum neo ateu dizer que Barcinski está correto (na verdade, ele errou em tudo). Se alguém fosse ateu, poderia participar da roda de oração, com a diferença que enquanto os outros estivessem dizendo “Jesus é meu senhor”, este poderia dizer “Eu sou meu senhor”, e coisas do tipo. Quer dizer, o mero ato de alguém participar de uma rodinha NÃO É imposição religiosa. Eu já fui a casamentos na Igreja, e no meu íntimo NUNCA fui forçado a dizer qualquer coisa contra minha consciência.

Os religiosos em geral entendem o fato de você não ter fé da religião tradicional. São os neo ateus que não entendem o fato de alguém ter fé da religião tradicional.

A luta contra o neo ateísmo é uma luta contra intolerantes e totalitários. E o texto de Barcinski é uma prova cabal desta intolerância dos discípulos de Richard Dawkins.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".