Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Quando os “Excluídos” excluem.

 

SENTINELA CATÓLICO

Postado em August 14, 2012 por Sentinela Católico

Propaganda nazista dos anos 30

A questão aqui, queridos compatriotas, não é o fato da cor da pele, local de nascença ou ainda preferências politicas.[…] A questão aqui transcende em muito tais temas. O que estamos vendo é a estratégia de implantação do socialismo mais elaborada e bem calculada de todos os tempos. Convido aos senhores a acompanharem meu raciocínio, com base em algumas experiências infelizes que tivemos no passado, de maneira a interpretar tais ações a luz desta medida e das declarações constantes de incitação ao ódio racial no Brasil.

Existem coisas que por mais que você saiba que podem vir a acontecer. Normalmente são catástrofes monumentais, como a queda de um avião, um furacão de classe cinco atingir sua casa, um terremoto, etc. O assunto que iremos tratar nesse artigo corresponde exatamente a uma dessas tragédias que você precisa viver para que “caia a ficha.”

No dia 07 de agosto de 2012, o Partido dos Trabalhadores mais uma vez entra para a história deste país da maneira mais negativa e temerária possível. Pela primeira vez em 123 anos de história republicana temos uma lei que regulamenta a segregação racial e social, ao menos no que diz respeito ao ingresso à universidade.

De acordo com a nova lei, pendente apenas a sanção da presidente Dilma Rousseff, prevê que 50% das vagas para todas as universidades e escolas técnicas públicas federais sejam reservadas para alunos oriundos da rede pública de ensino. Nesta seleção, também será levada em conta os candidatos que se autodeclararem negros, pardos e indígenas, proporcionalmente ao número desses grupos em cada região e estado. Só para exemplificar, o Estado da Bahia possui 70% de negros, pardos ou indígenas. Sendo assim, cerca 35% das vagas universitárias daquele estado estará destinada exclusivamente a estas etnias que estudaram em escola pública, 15% para todos os demais estudantes de escolas públicas que não estejam nestes grupos raciais outros 50% para os demais estudantes, tantos de escolas particulares, de qualquer etnia, quanto para estudantes de escolas públicas também de qualquer etnia que não queiram entrar no programa de cotas.

Quem acha que esta medida nada mais faz que “democratizar o acesso a universidade” ou ainda “promover a justiça social”, está redondamente enganado. E quem fala isso não sou eu, mas o próprio senador Paulo Paim (PT-RS). Reparem na seguinte declaração:

“É uma reparação de anos e anos de exclusão racial e social. Não é justo que o preto e pobre trabalhe de dia para pagar a universidade e estudar à noite enquanto o branco descansa o dia todo.

A declaração do senador em momento nenhum me escandalizou. Afinal, não podemos esperar de ratos petistas nada além do que a disseminação de doenças e da morte. O que me chamou atenção nesta declaração foi exatamente o recado claríssimo a toda nação de que esta medida em nada tem de “reparação de anos e anos de exclusão racial e social”, mas da demonstração cara clara de que esta medida na verdade quer fomentar o racismo e a exclusão social para com os brancos. Para o senhor Paulo Paim, todas as pessoas cuja cor da pele é branca são perfeitos vagabundos que só saem de suas caminhas a noite. Nenhum branco estuda o dia todo, nenhum branco trabalha, nenhum branco é estivador, agricultor, pedreiro ou profissional em qualquer segmento braçal que seja. Para este senhor, todo o branco é um senhor de escravo com o chicote na mão, pronto para “explorar e oprimir” o pobre negro, este sim um verdadeiro herói.

A questão aqui, queridos compatriotas, não é o fato da cor da pele, local de nascença ou ainda preferências politicas. Não acredito nesta divisão de raças, pois entendo que somos todos homo sapiens, igualmente dotados de alma e cuja natureza em sua plenitude reside em Deus. A questão aqui transcende em muito tais temas. O que estamos vendo é a estratégia de implantação do socialismo mais elaborada e bem calculada de todos os tempos. Convido aos senhores a acompanharem meu raciocínio, com base em algumas experiências infelizes que tivemos no passado, de maneira a interpretar tais ações a luz desta medida e das declarações constantes de incitação ao ódio racial no Brasil.

É claro que o acesso por cotas não garante que o aluno com deficiências oriundas do ensino estatal de péssima qualidade, independente de raça ou condição social, o sucesso e a conclusão do curso universitário. Neste caso, teremos então duas alternativas que no fim das contas proporcionarão o mesmo resultado. Ou a qualidade do ensino universitário irá cair traumaticamente, com o intuito de abarcar as deficiências destes alunos. Ou então, e esta é a opção que provavelmente mais agradaria a Nomenklatura, serão criadas cotas para aprovação de alunos por raça e condição social.

Não se espantem se daqui alguns anos vocês começarem a ler nos jornais e assistirem nos telejornais pesquisas que mostram que um percentual baixíssimo de negros, pardos e índios que conseguem concluir o ensino superior nas universidades. Não se espantem também se após 5 ou 10 anos da criação das cotas de diplomas universitários eles também começarem a divulgar pesquisas que mostrarão o baixo índice de aproveitamento de negros, pardos e indígenas no mercado de trabalho, o que obrigará a criação de cotas também para a empresa privada admitir obrigatoriamente em seus quadros negros, pardos e indígenas. Voilà! Socialismo implantado no Brasil sem sequer uma gota de sangue derramada ou um grama de pólvora queimada.

Resta-nos saber qual linha de socialismo será. Porem, esta resposta já foi dada pelo senador Paulo Paim através da sua declaração. Quanto mais leis segregacionistas, mais e mais ódio racial será fomentado. Também não será de se espantar o surgimento de movimentos semelhantes aos Black Panters, Neo-Nazistas e demais grupos supremacistas raciais.

Não estou aqui pregando o racismo, pois na condição de cristão isto é algo impensável e abominável. Todavia não podemos fechar nossos olhos para os fatos, ainda mais quando tal análise é respaldada por acontecimentos idênticos ocorridos nas primeiras décadas do século XX na Alemanha e logo no começo da segunda metade deste mesmo século na China. O terceiro reich só floresceu porque antes houve uma imensa propaganda contra os judeus, acusados de serem usurpadores, sovinas, ladrões e opressores do povo alemão. Para quem quiser mais informações, procurem os livros de Joachim Fest, em especial as biografias de Hitler, que mostram que seu pensamento psicótico teve grande influência da propaganda antissemita que já circulava antes mesmo de seu nascimento. (O partido Nacional-Socialista austríaco foi formado em 1903).

Diante de nossos olhos, uma névoa densa dos grupos de pressão e ativistas revolucionários cobre os olhos dos brasileiros para a verdadeira e clara intenção destes ditadores fanáticos e loucos. Eles querem institucionalizar o racismo e a segregação social. Eles querem que os brasileiros se odeiem mutuamente por causa da cor da pele ou condição social, tirando assim da fonte do verdadeiro câncer que é o socialismo petista.

Num país aonde você vai a estádio de futebol, sem se importar se a pessoa que está ao seu lado é um favelado ou um milionário quando sai um gol e você o abraça, o mito do racismo passa da mera propaganda a uma realidade legal. Deixamos de ter “excluídos” para legalmente termos excluídos. Qual o resultado disso no médio e longo prazo? Assistam quaisquer vídeos sobre os campos de concentração do terceiro reich, os gulags ou ainda o extermínio ucraniano de 1936 e 1937 que vocês saberão.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,senado-aprova-cota-de-50-em-universidades-e-escolas-tecnicas-federais,912890,0.htm

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".