Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Comissão Interamericana de Direitos Humanos Quer Pressões em Prol de Direitos Especiais LGBT

 

C-FAM

Aug 10, 2012

Stefano Gennarini, J.D.

WASHINGTON, DC, 10 de agosto (C-FAM) No período curto de um mês, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos divulgou onze comunicados à imprensa condenando episódios de violência contra indivíduos gays, lésbicos e transexuais no continente americano. A Comissão Interamericana culpa os países em que esses ataques ocorreram por não agirem para investigar e processar crimes de ódio e pede que esses países forneçam proteções especiais para indivíduos na base de sua orientação e identidade sexual.

Essa recente chuvarada de preocupações no site da Comissão Interamericana indica que uma nova divisão especializada de Direitos de Indivíduos Lésbicos, Gays, Transexuais, Bissexuais e Intersexuais (LGTBI) estabelecido em novembro de 2011 começou a funcionar. A divisão especializada tem a incumbência de rastrear questões LGTBI dentro da Comissão Interamericana.

Os episódios de violência ocorreram no México, Estados Unidos, Guatemala, Brasil e Jamaica. Os comunicados à imprensa, publicados entre 18 de junho e 16 de julho, contêm a seguinte linguagem estereotipada dirigida a esses governos:

“A CIDH recorda ao Estado sua obrigação de investigar tais atos em sua própria iniciativa e punir os responsáveis. A Comissão Interamericana exorta o Estado a conduzir uma investigação que leve em consideração se esse assassinato foi cometido por causa da identidade de gênero ou orientação sexual da vítima”.

A Comissão Interamericana afirma que esses países estão negligenciando investigar e processar de modo adequado tais crimes, e que “a ineficiência da resposta estatal fomenta elevados índices de impunidade, que por sua vez levam à repetição crônica de tais crimes, deixando as vítimas e suas famílias sem defesa”. A Comissão também recomenda a “adoção de políticas e campanhas públicas e as emendas necessárias para alinhar as leis com os instrumentos jurídicos interamericanos de direitos humanos”.

A linguagem estereotipada não se dirige aos diferentes níveis de competência nas investigações e processos de crimes no continente, e parece convidar os países a tratar crimes pretensamente como crimes de ódio, a menos que se prove o contrário. Por exemplo, o comunicado à imprensa da Comissão trata o assassinato de Mollie Judith Olgin como crime de ódio, mas os policiais que investigaram o crime não encontraram nenhum indício disso, apesar de esforços para seguir essa teoria.

A divisão especializada LGTBI se inspira em parte nos Princípios de Yogyakarta, um documento radical preparado por especialistas da ONU e ativistas de direitos humanos para abrir o caminho para o reconhecimento universal de novos direitos especiais para homossexuais e outras pessoas com base em sua preferência e identidade sexual. O documento tem sido usado para promover novos direitos na ONU e na Europa, e dá destaque ao site da Comissão Interamericana, onde a Comissão explica que adota “a noção da autoidentificação [sexual e de gênero] de cada pessoa”.

Reportagens dos meios de comunicação sobre violência contra indivíduos na base de sua orientação sexual e identidade de gênero estão estimulando os ativistas homossexuais na América Latina, que conseguiram apoio político suficiente para decretar leis contra crimes de ódio em vários países. Em julho, o Chile se tornou o último país a decretar tal lei, depois do assassinato de um jovem homossexual por neonazistas em março.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos é parte da Organização dos Estados Americanos (OEA). No ano passado, uma resolução da Assembleia Geral da OEA chegou muito perto de pedir aos países membros que decretem leis contra ódio.

Tradução: Julio Severo

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".