Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Um homem com coragem para salvar 40.000 Ele desafiou a cadeia, a morte e a temível polícia chinesa para fazer uma diferença imensurável

 

JULIO SEVERO

11 de abril de 2012

 

Drew Zahn

O Dr. Jim Garrow estava disposto a ser chamado de “contrabandista” e um “traficante de crianças”, arriscando sua vida se a polícia chinesa descobrisse o que estava fazendo. Mas para esse canadense vivendo na terra da política do filho único, salvar meninas recém-nascidas da morte certa valia o risco.

Jim Garrow

“Aquele rio estava repleto de correntes perigosas”, explica Garrow. “Principalmente por eu ser estrangeiro, se fosse pego ‘roubando bebês’, como as autoridades chinesas teriam entendido minhas ações, estaria morto. Pura e simplesmente... O fracasso estava fora de cogitação”.

Essa impressionante história de como um homem começou uma jornada que literalmente salvou as vidas de mais de 40.000 crianças (e continua salvando) começou em 2000, quando Garrow, um diretor incrivelmente bem sucedido das escolas populares do Instituto Bethune na China, um dia encontrou sua assistente chorando.

A mulher lhe explicou que o marido de sua irmã estava insistindo que a filha recém-nascida do casal fosse “deixada de lado” (ou seja, morta), para possibilitar que tivessem um menino, conforme a política chinesa do filho único.

Garrow prometeu ajudar, e conseguiu realocá-la junto a um casal adotivo. Mas esse único ato de bondade e coragem logo o levou à história de outra menininha em risco, e outra, e mais outra.

“Eu não tracei um plano para salvar as vidas de meninas em risco. Expressão engraçada: em risco. Geralmente está associada a focas ou golfinhos”, explica Garrow em seu novo livro The Pink Pagoda: One Man’s Quest to End Gendercide in China (O Pagode Rosa: A Jornada de Um Homem para Acabar com O Genocídio das Meninas na China), publicado pela editora do WND. “Minha paixão, minha missão, não começou com uma grande visão de mundo. Tudo começou com uma criança, cujos pais depararam com a realidade de 'deixá-la de lado’".

Não demorou até que seu trabalho de salvar vidas se tornasse conhecido, e Garrow chegou a gastar cerca de US$ 31 milhões do próprio bolso para desviar o caminho da morte que a China cria com os limites ao número de filhos.

Mas como explica Garrow em The Pink Pagoda, nem mesmo seu dinheiro e suas conexões (seu guanxi, como dizem os chineses), poderiam protegê-lo do perigo que estava prestes a enfrentar quando começou a salvar vidas.

“Nossos preparativos iniciais não indicaram problema algum”, relata Garrow, em uma das angustiantes histórias dos seus primeiros dias resgatando crianças. “Chegamos à casa da criança, a pegamos e voltamos para o carro. Éramos três, duas mulheres e eu, e tudo parecia ter saído bem até que partimos pela estrada. Rapidamente percebemos que estávamos sendo seguidos, e tivemos que mudar nossa estratégia”.

“Decidimos pegar o metrô e rapidamente planejamos uma tática de isca falsa", prosseguiu. “Uma das mulheres ficaria segurando o bebê, e a outra um ‘embrulho’ que simulava um bebê. Dentro do metrô, as duas mulheres iriam se separar, e nossos perseguidores não teriam como saber qual das mulheres estaria de fato com a criança. A mulher com o bebê verdadeiro desceu no lugar designado e se juntou a nós mais uma vez para a jornada de volta a Chongqing. Foi o mais próximo do perigo que estivemos até agora, mas infelizmente não foi o último nem o pior”.

“Aquele perigo estava nos cercando, mas assim como a estória budista do peixe que não sabia que estava na água, eu não sabia que estava me afundando” escreve.

Pouco tempo depois, Garrow recebeu a visita de um membro da polícia secreta chinesa, dando início a uma perseguição dissimulada com o serviço de inteligência, com a diferença de que não eram segredos sendo contrabandeados, mas crianças.

“As pessoas frequentemente perguntavam como eu lidava com esse tipo de pressão”, explica Garrow. “Simples: Eu não lidava. Se eu focasse minha atenção em eventualidades, todos os meus esforços seriam prejudicados. Tudo o que eu fiz foi seguir em frente. Lembrei-me também da promessa que havia feito a Deus muitos anos atrás. Estava conectado a um tipo de certeza divina, e adotei o que para muitos é nada mais do que um clichê evangélico: 'Deixar tudo nas mãos de Deus’. Para mim isso não era um clichê, mas um decreto”.

Utilizando os mesmos dons empreendedores que levaram ao sucesso de suas escolas Pink Pagoda, de imersão linguística em inglês (mais de 160 delas), Garrow se lançou em uma carreira para salvar filhas indesejadas.

Arriscando sua família, seus funcionários, informantes chineses valiosos e sua própria segurança para salvar meninas, uma de cada vez, das garras da morte, Garrow ilustra o poder de Deus para moldar vidas e influenciar pessoas a lutar contra as injustiças do mundo.

Seu trabalho envolve espalhar entre as famílias chinesas a informação de que há casais pelo mundo interessados nas suas filhas.

Por seus esforços de “tráfico humano”, Garrow foi indicado para o Prêmio Nobel da Paz de 2009, que acabou sendo entregue a Barack Obama.

O livro de Garrow leva o leitor a um mundo que continua sendo coberto de mistério e sombras. O propósito do livro não é o de denegrir o governo ou a população chinesa. Em vez disso, a história do genocídio de meninas e dos esforços de Garrow em por um fim nele representam uma tragédia terrível para a China, cuja população é forçada a tomar escolhas dolorosas por causa de uma lei mal concebida criada em 1979.

É uma história de coragem, perigo e ousadia, mas Garrow não se vê como um homem de coragem extraordinária, mas de simples convicção.

“Sou um homem comum”, escreve Garrow, “que se viu pego em circunstâncias extraordinárias e que respondeu com uma palavra: Sim”.

Traduzido por Luis Gustavo Gentil do artigo do WND: “1 man with the courage to save 40,000'

Fonte: www.juliosevero.com

“Rambo” polonês resgata menino de casa de crianças adotivas

Detetive particular resgata crianças em missões noturnas

Pesadelo estatal para crianças

Horror numa rua chinesa: uma nação desperta para sua crescente desumanidade

Horror: Chinês descreve autoridades do governo forçando sua esposa a abortar bebê

35 mil abortos forçados feitos na China diariamente

Horror na China: Bebê abortado por médicos sobrevive, mas é enviado para ser cremado

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".