Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

A quadrilha do mensalão, em quatro atos

 

VEJA

06/04/2012 - 16:42

VEJA.com revisa as questões centrais do maior escândalo de corrupção do país, cujos personagens devem ser julgados este ano pelo STF

A quadrilha do mensalão, em quatro cenas. <a href=http://veja.abril.com.br/o-julgamento-do-mensalao/a-quadrilha/>Clique para conhecer o papel de cada integrante do esquema</a>

A quadrilha do mensalão, em quatro cenas. Clique para conhecer o papel de cada integrante do esquema (Arte/VEJA)

Passaram-se seis anos desde que a Procuradoria-Geral da República apontou o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu como o chefe da quadrilha do mensalão. Seu operador, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, tentou reduzir o maior escândalo de corrupção da história do país à prática de caixa 2 - saiu-se com o eufemismo "recursos não contabilizados". Mas nada na denúncia aceita pelo Supremo Tribunal Federal autoriza esta versão. É o que mostra infográfico de VEJA.com sobre o funcionamento do esquema e o papel de cada integrante da quadrilha, agora prestes a ser julgada pelo STF.

Sete anos de escândalo

Para entender o mensalão
Série de ferramentas e infográficos de VEJA.com recapitula questões centrais do mensalão, o maior escândalo político da história do país. 'A hora da sentença', que abriu a série, revisa o desenrolar do caso no Supremo. Outros destrincharão a denúncia, o papel de cada mensaleiro na quadrilha, os saques do valerioduto, as provas apontadas pela Procuradoria-Geral da República, a defesa dos réus e o esquema do julgamento.

Resumidamente, o mensalão consistiu em esquema bastante fácil de entender: consistia em desviar recursos para a compra de apoio político e o pagamento de dívidas partidárias. Segundo o Ministério Público, a quadrilha liderada por Dirceu, à época homem-forte de Lula, operou ininterruptamente entre janeiro de 2003 e junho de 2005. Era organizada em três núcleos: o político, de Dirceu e dirigentes petistas de sua confiança; o operacional, de Marcos Valério e sócios; e o financeiro, composto pela cúpula do Banco Rural.

Funcionava assim: o núcleo político fazia os acertos com parlamentares - em troca de apoio aos projetos do governo; o núcleo operacional oferecia a estrutura empresarial necessária para desviar, lavar e redistribuir os recursos - em troca de contratos vantajosos com o poder público; e o núcleo financeiro cuidava para que os pagamentos fossem feitos em segurança, longe da vista dos órgãos de controle - em troca de benefícios concedidos pelo Planalto; com o dinheiro em caixa, os parlamentares corrompidos apoiavam os projetos do governo.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".