Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Ativistas do Controle Populacional e Direitos Reprodutivos Marginalizados no Debate Rio+

 

JULIO SEVERO

13 de abril de 2012

Timothy Herrmann

Nova Iorque, EUA, 3 de fevereiro (C-FAM) Em preparação para o que discutivelmente é a conferência intergovernamental mais influente sobre desenvolvimento sustentável internacionalmente, representantes de estados membros, agências da ONU e sociedade civil concluíram três dias de debate acalorado sobre a mais recente versão preliminar de um documento que servirá como guia para as iniciativas de desenvolvimento sustentável no mundo inteiro. Do jeito que está, o documento não faz nenhuma referência ao controle populacional ou a direitos reprodutivos como componentes necessários do desenvolvimento sustentável no mundo todo. O documento será finalizado na conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável que se realizará no Rio de Janeiro, Brasil, em junho (Rio +20).

A ausência de referências a controle populacional e direitos reprodutivos levou órgãos da ONU como o Fundo de População da ONU (FNUAP) e organizações ativistas como a Coalizão Internacional de Saúde das Mulheres (CISM) a fazer fortes intervenções propondo sua inclusão na futura elaboração de documentos. Embora essas organizações tivessem mostrado voz ativa durante as consultas, a tribuna da ONU deixou claro que essas referências não foram incluídas na versão preliminar por causa da falta de consenso entre os países e a sociedade civil sobre o relacionamento entre desenvolvimento e crescimento populacional.

Buscando outros fóruns para expressar sua polêmica agenda fora do Rio +20, o FNUPA foi convidado durante a mesma semana para estar presente no Fórum Econômico Mundial (FEM) em Davos, um cúpula anual exclusiva frequentada por alguns dos mais influentes políticos, organizações e especialistas do mundo. Enquanto estava no FEM, o Dr. Babatunde Osotimehin, presidente do FNUAP, falou num painel com o título “7 Bilhões e Contando: Dividendo ou Desastre”. Embora a discussão tivesse sido conduzida em particular, tanto o FNUAP quanto o FEM lançaram relatórios e declarações oficiais que descrevem o crescimento populacional como insustentável e uma ameaça ao desenvolvimento.

Para muitos países que receberam grandes investimentos para a conferência que está para ocorrer, como o Brasil, o perigo de rotular o crescimento populacional como uma ameaça ao desenvolvimento coloca o mundo numa encruzilhada. Numa declaração oficial, o Brasil afirmou que na conferência que ocorrerá os países “poderão escolher repetir argumentos neomalthusianos ou decidir restabelecer a necessidade de solidariedade, e os padrões sustentáveis de produção e consumo com os países desenvolvidos assumindo a liderança”.

Em contraste, a declaração oficial do FNUPA com relação à versão preliminar do documento sobre desenvolvimento sustentável coloca o crescimento populacional numa perspectiva negativa e recomendou que os governos garantissem “que todas as mulheres, homens e jovens tenham informações sobre, acesso à e escolha da variedade mais ampla possível de métodos eficazes, econômicos e aceitáveis de planejamento familiar” que na prática inclua os serviços de aborto e métodos abortivos. Embora o FNUAP afirme em seu documento que apoia o princípio de que “os seres humanos estão no centro das preocupações do desenvolvimento sustentável”, suas políticas de controle populacional rotulam a pessoa humana como o principal problema, em vez de solução, que está se defrontando com o desenvolvimento sustentável.

Uma recente declaração da Santa Sé sobre a conferência vindoura frisou não só que o documento final inclua uma “abordagem centrada nos seres humanos”, mas que a fim de que tal abordagem seja realmente humana, tem de “evitar uma abordagem reducionista que vê o ser humano como um obstáculo ao desenvolvimento”.

Tradução: Julio Severo

Fonte: Friday Fax

Salve o planeta rechaçando bebês?

Rios de sangue: A cultura contraceptiva e as profecias do Apocalipse

Anthony Comstock: o primeiro ativista pró-vida da história moderna. Ele era evangélico e lutava contra a pornografia e a propaganda de controle da natalidade

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".