Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Barbaridade ! Para general, Complexo do Alemão é mais violento e complexo que Haiti em 2007

 

RICARDO GAMA

SEGUNDA-FEIRA, 9 DE ABRIL DE 2012

 

Rio - O general Tomás Miguel Miné Paiva Ribeiro, que deixa nesta segunda-feira a função de comandante da Força de Pacificação do Exército nos Complexos do Alemão e da Penha, afirmou ao iG que a missão no Rio é muito mais difícil e violenta que a que a Missão de Paz no Haiti em que atuou como subcomandante do Batalhão Brasileiro (Brabatt), em 2007.

Assume a função o general Carlos Sarmento, da 9ª Brigada de Infantaria Motorizada, no Rio, último contingente militar na área, antes de a Polícia Militar implantar as UPPs na região. Sarmento já comandou a Força de Pacificação, em 2011.

O general Tomás esteve no Haiti entre maio e outubro de 2007, período imediatamente posterior à “pacificação” real de Cité Soleil, a mais perigosa favela da capital Porto Príncipe, antes dominadas por gangues. A Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) começara lá em junho de 2004. A última ação de massa na região, em Bois Neuf, foi uma operação com 600 militares dos países da Minustah e ocorreu sem tiros, em 28 de fevereiro. General Tomás esteva lá ainda como coronel e observador, preparando-se para assumir o posto.

“Recebemos muito menos tiros lá no Haiti do que aqui (nos Complexos do Alemão e da Penha). Mudamos até a maneira de empunhar os fuzis: quando chegamos lá, era arma carregada, destravada e pronta para atirar. No meio da missão, já andávamos com armas abaixadas. Recebemos pouco tiro lá, muito menos que aqui. Aqui foram mais de 100 tiros contra a tropa nesses dois meses e meio”, afirmou o general Tomás.

Desde que assumiu o comando da Força de Pacificação, em 27 de janeiro, general Tomás implementou uma rotina mais reforçada de patrulhamento a pé e de moto de becos e vielas, priorizando essas áreas e “saturando” a área com os cerca de 1.600 homens operacionais distribuídos pelos complexos do Alemão e da Penha.

A reação dos traficantes foi clara. Dispararam as hostilidades em relação à tropa. Só em fevereiro, foram 102 “ações hostis”, na contabilidade da Força de Pacificação.

Até então, desde janeiro de 2011, o maior número tinha acontecido em maio de 2011, quando houve 34 ações, um terço do ocorrido em fevereiro – a média anterior mensal era de 16 casos.
Nesse período de cerca de dois meses e meio em que as tropas de Campinas (SP) e de Santa Maria (RS) ficaram na região, foram alvo de 22 tiros de fuzil, 114 tiros de pistola ou revólver, além de 37 bombas caseiras ou rojões, jogados em direção aos soldados. Houve ainda 70 casos de pedras, paus, garrafas e tijolos lançados contra os militares e 42 “formações de turba” – como no dia da visita do príncipe Harry.

Seguindo a orientação do CML (Comando Militar do Leste) – de “proteger a população” –, o contingente informou ter dado 42 tiros de advertência de fuzil, 16 tiros de pistola, como resposta. A arma mais usada pelo Exército entre o fim de janeiro e hoje foi a espingarda calibre 12 de munição de borracha, não-letal, com 400 disparos, associados às granadas de luz e som (32), e gás de pimenta.

“No Haiti, a tropa chegou pronta para combater, não para manutenção da paz, mas para imposição da paz. Tinha atirado muito em treino e estava segura. No Haiti a situação social é muito pior que aqui. Mas aqui há uma cultura do tráfico ainda muito forte”, disse.

No período, cresceram também as apreensões de drogas e armas. Em fevereiro e março, foram apreendidas 11 armas, sendo quatro réplicas de fuzis, maior média desde o início da Operação Arcanjo.

Os militares apreenderam 7208 papelotes de cocaína, 2896 sacolés de maconha, 2896, 300 comprimidos de ecstasy: 376 pedras de crack e 36 de haxixe.

Foram recolhidos pela tropa ainda um carregador de fuzil, 58 cartuchos de fuzil calibre 7.62mm, 29 cartuchos de pistola 9mm, 18 rádios portáteis, 30 celulares, um par de binóculos e 11 veículos roubados.

As ações de inteligência passaram a priorizar, pela ordem, armas, sistemas de informações das “forças adversas” – traficantes –, procurados, tráfico de drogas e crimes conexos.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".