Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

domingo, 12 de outubro de 2008

Marolas ou tempos difíceis?

12 de outubro de 2008

Produzido pelo TERNUMA Regional Brasília
Por Paulo Carvalho Espíndola, Cel Reformado

O dia de hoje, 10 Out 08, iniciou-se sombrio por tudo o que me cerca e, acredito, pelas crescentes preocupações dos propalados 80% dos brasileiros que os "institutos de pesquisa" aferem como satisfeitos com o governo do "noço" guia.

Logo cedo, ao ver e ler os noticiários, deparei-me com a histeria que assola o mundo por causa da quebradeira do mercado financeiro. Leigo no assunto, embora tranqüilizado pelo amanteigado ministro das finanças e pela sábia e profética palavra de Lula, segundo a qual tudo não passa de "marolas", passei a ler as páginas esportivas: mais marolas fazem as "zelites" dos jornalistas acerca de Vasco e Fluminense, agourando os dois e condenando-os a disputar a segunda divisão no ano que vem. Menos mal, pois que me restou esperança de ver o meu Flamengo campeão, a despeito das estatísticas e profecias dessa gente entendida em futebol, como o são os economistas oficiais.

O dia, certamente, não foi dos melhores.

Por volta das dez horas da manhã, fui ao cemitério para velar um grande homem, que deixou entre nós uma infinidade de amigos e admiradores. Foi-se o nosso Machadinho, o nosso general Edson Machado, expoente do Exército Brasileiro e do TERNUMA, que se juntou à nossa causa pelo seu idealismo e amor ao Brasil, mesmo sem nunca ter sido convocado, nos "anos de chumbo", para combater a insânia comunista. Foi-se um homem sem mácula, honrado, militar dos melhores, cavalariano de Osório e exemplo de esposo, pai e companheiro, no melhor sentido deste último adjetivo. A sua fisionomia de morto, muito antes de levar-nos às lágrimas, pareceu-nos um incentivo a motivar-nos a prosseguir combatendo o que aí está. Capela repleta, curiosamente, não havia tristeza, pois que velávamos um combatente do bom combate. A postura valente da viúva, a incansável Dª Ilka, mesmo que silente, só nos confortava a sublimar as tristezas e o desencanto dessa grande perda.

Certamente o dia não foi bom. Ainda estávamos a digerir as más notícias da véspera, alardeadas por toda a imprensa, sobre uma decisão "política e moral" do Tribunal de Justiça de São Paulo, condenando um combatente da Democracia, o Cel Reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, à pecha de torturador, baseando-se em provas meramente testemunhais de supostos torturados, que se embaíram por causas imorais e fratricidas. Julgamento político? Desde quando a Justiça é política? Desde quando a moral é o apanágio de criminosos políticos? Desde quando criminosos políticos não são criminosos? Matar, roubar, mutilar inocentes, seqüestrar não são crimes se cometidos por motivações políticas? A aceitação disso é condenar toda a sociedade brasileira ao proxenetismo da criminalidade.

Dias melhores virão, sem dúvida, embora o turbilhão da economia venha varrer o mundo globalizado. Somente ela, todavia, será capaz de abrir os olhos dos 80% da sociedade brasileira para essa enganação toda.

O sorriso do Machadinho agora passa a iluminar os caminhos do Grupo Terrorismo Nunca Mais.

Parece de propósito, mas a indignação não me trouxe maiores mossas à minha gastrite, ao ver no Jornal Nacional as figuras de José Dirceu e Franklin Martins na inauguração de um infame memorial a criminosos promovido pela UNE. Lá estavam fotografias e testemunhos dessa gente que intentou contra o Brasil e continua intentando, ricos de muitos dinheiros e de poder, mas esmoleiros de dignidade. O sorriso do Machadinho sobrepôs-se a essas cenas dantescas.

Finda-se o dia. Renascem esperanças.

Certa vez, disse-me um grande chefe que uma grande nação renasce de grandes catástrofes. Se não existem as naturais, só há as provocadas.

Tudo indica que é o nosso caso.

A Economia será o grande coveiro dessa escumalha que está no poder no Brasil.

Os sucessores quais serão? Não sei, mas o sorriso do Machadinho há de nos orientar na busca.



Visite o nosso site: www.ternuma.com.br

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".