Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

DINHEIRO

Estado de S.Paulo, 13/10/2008


Herança, tino comercial e ganância deram a Félix Grandet a fortuna que poupa com desvelo. Todos os anos, no aniversário da filha, ele lhe dá uma moeda de ouro. Mais tarde, Eugénie as usa para salvar o primo por quem se apaixonara. Abandonada pelo primo, casa-se com outro pretendente. Enviúva. Fica mais rica do que nunca. E durante o resto de sua vida, repete a existência mesquinha e miserável que aprendera do pai.

Eugénie Grandet, um romance de Balzac, tem como cenário a França napoleônica e investidores espertos. Descreve oportunismo e falta de escrúpulos. Mostra a cupidez como um defeito moral que cega gerações. Idéias e sentimentos têm conseqüências: o pai fixado em dinheiro rouba da filha a personalidade que lhe daria a oportunidade de experimentar a vida. Longe de mim fazer pouco caso de dinheiro. Bernard Shaw me ensinou que a falta dele é a raiz do mal. E Somerset Maugham que ele é o sexto sentido sem o qual não fazemos bom uso dos outros cinco.

Mas Félix e Eugénie Grandet erraram ao esquecer que o lugar do dinheiro é na cabeça e nunca no coração. Em outubro de 2008, vale a pena colocá-lo de volta no seu devido lugar, deixar de lado a ansiedade com as perdas financeiras e ganhar perspectiva sobre o momento que vivemos.

Isso é mais fácil de dizer do que de fazer, porque a tomada de decisões, ao contrário do que afirmam os partidários da racionalidade econômica, é um processo emocional. A prova é que os investidores compram com entusiasmo na alta das bolsas e vendem em pânico durante a baixa.

O mundo é uma festa durante o boom e o dinheiro fácil separa decisões de conseqüências. O líder nacional acredita que pode gastar sem limites. Os bancos julgam que podem inventar derivativos e oferecer opções cambiais às empresas, que não medem o custo de uma virada. Torna-se difícil vender uma estratégia conservadora para acionistas e investidores, pois tomar emprestado a baixas taxas de juros, enquanto residências e outros ativos estão subindo de valor, permite grandes lucros. A instituição financeira, que se recusa a entrar no cordão da alegria, tem dificuldade de convencer seus acionistas de que os lucros mais altos das outras companhias são insustentáveis. Além disso, na incerteza nunca se sabe se uma bolha é mesmo uma bolha e cada um espera pular fora do perigo antes dos outros. Quando o mercado vira, o pânico se espalha. O operador entra em depressão. O crédito seca. A máquina econômica pára.

Crise nunca tem uma única causa. Muitos fatores se combinaram para originar a bolha que antecedeu o desastre de 2008. Capital global abundante e barato encorajou a tomada excessiva de empréstimos. As baixas taxas de juros e o marketing agressivo de hipotecas se combinaram para criar uma bolha imobiliária. Novos instrumentos financeiros criaram a fé na redução dos riscos dos empréstimos e no crescimento da alavancagem ótima dos bancos. Faltou
supervisão adequada (do governo e do corpo de conselheiros dos bancos) sobre as decisões dos gerentes.
 
A bolha estourou. Os bancos de investimento americanos tornaram-se insolventes. O contágio espalhou-se para a Europa, Ásia e Bahia. As decisões das autoridades ainda não foram suficientes para acalmar os mercados. A taxa Libor subiu às alturas, refletindo a relutância dos bancos de emprestarem uns aos outros. No mundo inteiro, ficou impossível conseguir um empréstimo. Enquanto os investidores em desespero procurarem um cofre onde guardar seu
dinheiro, as taxas de retorno dos títulos do Tesouro americano e do governo japonês continuarão negativas.

A crise coincide com um momento político delicado. As eleições nos EUA estão
próximas, mas ainda faltam três meses para que o novo presidente tome posse. Períodos de transição política não ajudam a construir confiança em medidas adotadas por um governo que se despede do poder. Três meses é uma eternidade no mercado financeiro conturbado.


Até duas semanas atrás, era possível argumentar que outras crises bancárias foram ainda mais severas, embora menos transparentes. No final de 1981, se os bancos americanos tivessem os valores em seus balanços declarados com base em valores de mercado (e não com base em valores históricos), teriam sido considerados insolventes todos eles. Hoje, a contabilidade com base no valor de mercado permite o reconhecimento mais rápido das perdas. Até uma semana atrás, as perdas bancárias ainda não justificavam as referências à Grande Depressão. Hoje, a fraqueza das economias avançadas ameaça multiplicar as perdas que se espalham para o resto do mundo.

A pergunta de muitos trilhões de dólares é se os governos podem torná-las menos
dolorosas. O FED parece acreditar que sim. No Brasil, o ministro da Fazenda e o banqueiro central afirmam que a situação está sob controle e repetem a cantilena que celebra a proteção do colchão de reservas e do câmbio flutuante. Mas tudo não passa de teatro. No mundo do contágio global, onde a crise começa no centro do império, ninguém sabe muito bem o que pode ocorrer.

A verdade que valia ontem e continua válida hoje é que quando rico não banqueteia, pobre morre de fome.

Entre meados de 2003 e meados de 2008, o Brasil gozou do impacto benéfico do aumento do preço das exportações e da abundância de crédito. Foi fácil para o BC administrar o período de bonança, em que a redução do risco-país permitia a apreciação cambial e a queda simultânea da taxa de juros. Agora o ciclo se inverteu. Com a queda dos preços das commodities, déficit em conta corrente e restrição de crédito externo contribuindo para o aumento do risco-país, a desvalorização cambial empurra a inflação para cima num mundo dominado por incerteza e pânico. Não se deixe abater. Leia Emily Dickinson: “Sem saber quando virá o amanhecer, eu abro todas as portas”.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".