Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Meio milhão de mortos no Brasil e um milhão de vozes na Colômbia

Eliana Cardoso
Valor Econômico, 7/01/2008

O número de brasileiros assassinados entre 1996 e 2006 chega a quase meio milhão. O "Mapa da Violência", divulgado e discutido na imprensa na semana passada, revela uma escalada do crime nas cidades do Brasil onde a violência era relativamente baixa antes de meados de 1990 (Florianópolis, por exemplo). Onde era mais alta, houve uma pequena redução da taxa de homicídios depois de 1999.

Mesmo em São Paulo, onde a redução do crime foi mais acentuada, há pouco a comemorar. Sua taxa de 31 homicídios em 100 mil habitantes ainda é maior do que a de Bogotá – cidade que se tornou notória pela violência gerada pelo tráfico de drogas e alimentada pela guerrilha que a cocaína financia. A taxa de homicídios em Bogotá chegou a 80 em 100 mil habitantes em 1993, mas já em 2004 havia caído para 21. Hoje se caminha nas ruas de Bogotá com mais segurança do que em São Paulo.

As taxas de Recife e Vitória – 90 e 87 homicídios em 100 mil habitantes, respectivamente – estão entre as mais altas do mundo e se comparam às de países devastados por guerras civis. Além das vidas desperdiçadas e da insegurança da população, a criminalidade tem um custo econômico que é um múltiplo do que se gasta com agentes de segurança e muros em volta das fábricas, lojas e condomínios.

O custo da segurança se multiplica, porque o desvio do investimento em estradas e tratores para o investimento em prisões e carros blindados transfere a atividade econômica de obras produtivas para outras não produtivas. Em conseqüência, a produtividade e o crescimento sustentado despencam. Essa história está documentada no trabalho de Maurício Cárdenas e Sandra Rozo sobre o crime na Colômbia (http://www.fedesarrollo.org.co/).

Entre 1950 e 1980, a Colômbia (como o Brasil) gozou de altas taxas de crescimento. Nas décadas de 80 e 90, o crescimento desapareceu. O aumento da violência, ligada à expansão do tráfico de drogas, explica o colapso do crescimento da produtividade. A evidência coletada por Cárdenas e Rozo mostra a precedência do aumento da violência sobre a queda da produtividade. Em seguida, a redução do crescimento acarreta mais um aumento da violência. O país entra no círculo vicioso da violência com baixo crescimento.

Criam-se descontentamento e pressão social.

A resposta na Colômbia (como no Brasil) foi uma nova Constituição, que amarrou receitas a despesas e tornou a política fiscal rígida e procíclica. Criaram-se impostos ineficientes, enquanto o desaparecimento do investimento em infra-estrutura ajudava a solapar a base do crescimento sustentado.

Na Colômbia (ao contrário do Brasil), a sociedade deu um basta à escalada da violência. O estudo de Cárdenas e Rozo indica que a recuperação econômica e a redução da violência vêm caminhando juntas desde 2002. Na segunda-feira, o lema "um milhão de vozes contra as Farc" levou os colombianos à rua para exigir a libertação dos reféns da guerrilha. Suas camisetas brancas traziam os dizeres: "A Colômbia sou eu" no peito e nas costas: "Chega de seqüestros. Chega de mentiras. Chega de mortes. Chega de Farc".

O Brasil voltou a crescer a partir de 2004 graças a um contexto internacional favorável. Mas a rigidez orçamentária e os interesses políticos impediram que se tirasse partido dessa circunstância para reduzir a violência, que continua a prejudicar o crescimento potencial. O que fazer?

Se o tráfico está por trás da violência urbana, o Brasil terá de discutir a legalização das drogas no âmbito internacional. Mas esse é um remédio que pode demorar 20 anos para ficar pronto. Antes disso é possível continuar o trabalho feito em São Paulo: melhorar a urbanização das favelas e fortalecer o Estatuto do Desarmamento. Mas sem a moralização da polícia, seria simplista reivindicar mais prisões, com base no discurso que nos chega de Chicago em "Freakonomics".

É melhor criar incentivos fiscais para que empresas montem suas fábricas nas áreas mais pobres. Tal medida, aliada a programas municipais de recuperação dos espaços públicos, à legalização do aborto e ao planejamento familiar, traria benefícios imediatos às regiões mais violentas.

Como financiar esse programa? O governo federal tem 53 mil órgãos cadastrados com quase 50 mil titulares (incluindo 23 ministros e quatro secretários especiais, além do chefe da Sealopra e outros 23 conselhos). Elimine-se metade dos ministérios, dos secretários especiais e dos conselhos para reduzir gastos e liberar recursos.

A política de redução da violência terá sucesso se seu foco for a juventude. A evidência empírica sugere que a criminalidade está ligada à desigualdade de renda e que a educação ainda é a variável de maior poder explicativo para a desigualdade no Brasil. Se o país quiser reduzi- la, precisa manter o jovem na escola.

Em tese apresentada na PUC-Rio, Yvo Chermont de Vasconcellos enfatiza uma espécie de efeito manada no tocante à freqüência escolar. Com base na “Pesquisa socioeconômica das comunidades de baixa renda” (realizada em 51 comunidades carentes e cobrindo 68.500 domicílios do Rio de Janeiro entre 1998 e 2000), Yvo mostra a influência dos amigos na decisão de um jovem de freqüentar ou não a escola. O aluno que abandona os estudos ou cabula as aulas acarreta um efeito multiplicador entre os companheiros do bairro. Por isso, ONGs e líderes comunitários capazes de afastar os jovens de situações de risco e mantê- los na escola têm um papel central na redução da criminalidade.

Chega de mentiras. Chega de mortes. Em 2008, ao escolher o prefeito da cidade, será preciso perguntar qual dos candidatos tem de fato um plano para reduzir a violência e como pretende financiá- lo.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".