Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

ATAQUE TERRORISTA INDÍGENA A HIDRELÉTRICA EM MATO GROSSO

MOVIMENTO ORDEM VIGÍLIA CONTRA A CORRUPÇÃO - MOVCC

O material abaixo foi encaminhado pela Joana, nossa moderadora do MOVCC. Esse crime aconteceu faz alguns dias, e a imprensa pouco comentou sobre o assunto. As imagens do ataque dispensam maiores comentários. Esses índios criminosos só podem ser cria do MST/FARC. PorGaúcho/Gabriela


'O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.'- Martin Luther King


Por Marcelo Prudente
Já que os jornais não informam ao público, o público informa pelo menos aos jornalistas. Sabe-se que a CENSURA do poder impede aos profissionais do ramo a exercerem sua profissão em IMPRENSA LIVRE.

Daqui a pouco, quando estiver como na Colômbia, onde se sequestram Senadores da República, quem sabe os nossos políticos resolvam tomar uma providência - até lá, só funciona a operação abafa, para não publicar nos jornais. Cada dia que passa, a internet se transforma no real veículo de comunicação democrático.




ÍNDIOS INVADEM E INCEDEIAM OBRAS

Cerca de 120 índios da etnia enawenê nawê invadiram e incendiaram na manhã de sábado o canteiro de obras da PCH (Pequena Central Hidrelétrica) Telegráfica, na cidade de Sapezal (430 km de Cuiabá).

Pelo menos 12 caminhões foram destruídos, além dos alojamentos e do escritório avançado da Juruena Participações Ltda. --consórcio de empresas que constrói a usina. Equipamentos de informática e utensílios de cozinha do refeitório foram saqueados, diz a empresa. Os índios abandonaram o local em seguida.

"Eles chegaram armados com machados e pedaços de pau, expulsaram os funcionários e depois colocaram fogo em tudo", disse o coordenador-técnico ambiental da empresa, Frederico Müller. Por Rodrigo Vargas da Agência Folha, em Cuiabá Leia matéria completa aqui

Leia também:
Índios cobram pedágio ilegal em reservas de MT


COLONOS BRASILEIROS NO PARAGUAI PEDEM AJUDA DE LULA

Cerca de 40 colonos brasileiros dedicados à plantação de soja no Paraguai pediram nesta quarta-feira (15) a atuação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva como mediador de uma crise na qual camponeses sem-terra impedem o plantio e a colheita. Paulo Schuster, proprietário de uma fazenda em Santa Rosa del Monday, no Estado paraguaio de Alto Paraná, 400 quilômetros ao leste de Assunção, disse a uma rádio local que os colonos acreditam que devem ser "socorridos" pelo governo brasileiro.

Schuster, porta-voz de um grupo de algumas dezenas de colonos, disse que o pedido de mediação a Lula foi entregue ao prefeito de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, que faz divisa com Alto Paraná. Nenhum porta-voz do governo paraguaio se manifestou sobre o assunto. Por sua vez, Ernesto Benítez, um dos líderes do movimento de esquerda Produtores de São Pedro-Norte, disse ontem, durante um painel organização pela Universidade Católica de Assunção, que o grupo vai "recuperar a soberania paraguaio, expulsando os invasores brasileiros" fonte:
Agência Estado


MAIS FOTOS SOBRE O ATAQUE TERRORISTA DOS ÍNDIOS




















2 comentários:

João Adauto disse...

Estes indios estäo passando dos limites.TEmos que divulgar estes desmandos ocorridos em nome dos falsos interesses indígenas. Ja está passando da hora do governo tomar providencias sérias a respeito desses atos de vandalismo e de desrespeito a cidadäos brasileiros, pois indios, brancos ou pretos, primeiro, somos brasileiros.

Cavaleiro do Templo disse...

Olá João

Os "movimentos sociais" brasileiros são todos armados, preparados e amparados pelo Governo para um único objetivo: criar os soldados da Revolução VERMELHA, a mudança completa do sistema de poder que conhecemos neste país com a instalação de um monstro chamado COMUNISMO.

Portanto, não espere que o Governo faça nada contra estas gangues.

Cavaleiro do Templo

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".