Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Fundação que premia Lula vendeu R$ 115 milhões ao governo em 2008

COTURNO NOTURNO
SEGUNDA-FEIRA, OUTUBRO 13, 2008

O Grupo Prisa, promotor do Prêmio Internacional Don Quixote, é dono da Fundación Santillana, que é dono das editoras Objetiva e Moderna no Brasil, constituindo-se em um dos mais poderosos grupos editoriais da Espanha.

Por trás do prêmio que Lula recebe hoje, na Espanha, existem imensos interesses comerciais. O prêmio é pelo fato do nosso presidente ter instituído a língua espanhola nos currículos brasileiros, o que abre um mercado promissor para a venda de publicações em espanhol que, casualmente, são uma das especialidades da promotora do mesmo. Além do Prêmio Internacional Dom Quixote de La Mancha, instituído pela Fundación Santillana e pela Junta de Castilla-La Mancha, Lula vai receber E$ 25,000 e mais uma escultura de Manolo Valdés. Até agora Lula não disse para quem vai doar o prêmio em dinheiro. A cerimônia será presidida pelo Rei Juan Carlos e terá a presença do Presidente José Luis Rodríguez Zapatero. Por ética e transparência, as editoras Objetiva e Moderna, que pertencem ao Grupo PRISA, deveriam ser proibidas de fazer negócios com o governo Lula. Não é o que ocorre: a Editora Objetiva já vendeu R$ R$ 775.628,63 e a Editora Moderna muito mais: R$ 115.254.122,78. Somente em 2008.
..................................................................................
Os negócios da Editora Moderna deram um salto com o governo Lula. As vendas que eram de R$ 39 milhões anuais em 2005 passaram para R$ 82 milhões em 2006 e para R$ 177 milhões em 2007. A lei de Lula, que instituiu o espanhol nos currículos do ensino fundamental, é de agosto de 2005.
.................................................................................
O programa de distribuição de livros didáticos para alunos de escolas públicas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da educação (FNDE), mantido pelo governo federal, fechou negociação com 16 editoras para a aquisição de 103 milhões de livros escolares, O valor total negociado é de R$ 719,5 milhões. As editoras que venderam seus livros para o FNDE foram Moderna, FTD, Ática, Saraiva, Positivo, Scipione, Escala, do Brasil, Ibep, Base, Sarandi, Dimensão, Nova Geração, Casa Publicadora, Educarte e Cia da Escola. Como ocorreu no programa anterior, a Moderna liderou novamente o ranking de vendas de livros, com um contrato de R$ 150 milhões, seguida pela editora Saraiva, que fechou compras de R$ 140 milhões.Pertencente ao grupo espanhol Santillana desde 2001, a Moderna detém atualmente cerca de 30% do mercado de livros didáticos.(Valor On Line, 14 de agosto de 2008)
.................................................................................
A Editora Moderna, com sede em São Paulo, pertence ao grupo espanhol Santillana – o principal grupo editorial da lingua espanhola no mundo, com presença em 22 países. Por sua vez, o Santillana é o braço da PRISA, sigla de “Promotora de Informaciones, Sociedad Anónima”. Na Espanha, a PRISA detém o controle de mais de 15 jornais, entre outros, o El País, Diario As, Cinco Días etc. É ainda acionista, com 80%, da Unión Radio (que é proprietária das radios SER, Los 40 Principales, M80 Radio, Cadena Dial, Máxima FM, Radio Olé, etc. Na área televisiva dirige a televisión Sogecable que inclui o canal aberto Cuatro e a televisão digital, via satélite, Digital+, com canais temáticos como Canal+ , CNN+ (notícias), Cuatro (aberto), Sportmanía (esportes), Cinemanía (cine), Documanía (documentáriosl). Na Europa, detém 15% de editora do diário francês Le Monde, cerca de 11% da Presse Europe Regions .

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".