Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

domingo, 12 de outubro de 2008

Bolívia manda prender jornalista brasileiro

AGÊNCIA AMAZÔNIA DE NOTÍCIAS

sábado, 11 de outubro de 2008

Jornalista Alexandre Lima, dono do jornal eletrônico O Alto Acre, teve prisão expedida por autoridades bolivianas.

alexandrelima11008_cap.jpg
Jornalista Alexandre Lima, diretor de O Alto Acre: caçado pelo Exército boliviano /DIVULGAÇÃO
CHICO ARAÚJO
chicoaraujo@agenciaamazonia.com.br

 

BRASÍLIA — A instabilidade política que impera no Departamento (estado) de Pando, na Bolívia, região fronteiriça com o Acre, começa a ter reflexos do lado brasileiro.  Depois de prender o governador de Pando, Leopoldo Fernández, sob a acusação de genocídio, o Exército da Bolívia — que administra a cidade desde o dia 17 de setembro — agora também iniciou uma caçada a jornalistas brasileiros. Pando está sob estado de sítio desde o dia 12 de setembro.

Desta vez, o alvo do Exército boliviano é o jornalista Alexandre Lima, dono do jornal eletrônico  O Alto Acre. Lima mora na cidade de Brasiléia (AC), localizada na fronteira com a cidade de Pando, e separada da Bolívia pelo Rio Acre.   Desde o início desta semana, o jornalista começou a ser caçado por agentes da polícia militar do Exército do vizinho país.

“Após a decretação do estado de sitio, comecei a me precaver”, conta Lima, que já comunicou o fato ao Exército brasileiro, à Polícia Federal e à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). Lima ficou sabendo que estava sendo procurado na manhã deste sábado, 11, ao telefonar para um colega jornalista em Cobija.  Lima procurava saber se, de fato, o presidente Bolívia, Evo Morales, faria uma visita à Província de Porto Rico (distante 80 km de Brasiléia) para inaugurar uma escola.

Ordem de prisão expedida

Durante o telefonema, Alexandre Lima manifestou ao colega boliviano o interesse de cobrir a visita de Morales e cruzar a fronteira, indo até a cidade de Pando. O colega, então, o aconselhou a não cruzar a fronteira.  Devido à ameaça, Lima diz estar temeroso pela sua segurança pessoal e da sua família. O jornalista é pai de dois filhos e tem negócios na fronteira com a Bolívia. As autoridades bolivianas silenciaram após o caso vir a público.

alexandrelima11008_2.jpg
Landelino Rafael Bandeira Arze (C), contra-almirante da Bolívia, é o interventor de Pando /DIVULGAÇÃO

O jornalista boliviano contou a Alexandre Lima ter informações precisas de que as autoridades bolivianas haviam emitido um mandado de prisão contra ele. Ainda avisou que, se fosse preso, Lima seria levado para La Paz, onde seria julgado conforme as leis bolivianas, a exemplo do que ocorreu com o governador deposto Leopoldo Fernández.


Assustado com a notícia, Alexandre Lima quis saber os motivos da decretação de sua prisão pelo governo boliviano.  O motivo seria, confirme o colega, um contrato de publicidade que Lima tentou firmar com o governo de Pando, o que não se concretizou devido empecilhos da legislação boliviana.

Fernández foi deposto e, no dia 17 de setembro, preso a mando de Evo Morales. A partir da prisão do governador, Alexandre Lima também passou a ser alvo dos militares bolivianos pelo fato de ter boa relação com ele. “Fui informado, por exemplo, que os soldados têm em mãos minha foto para facilitar minha prisão”, contou Lima, via MSN, à Agência Amazônia.

Jornalistas bolivianos na mira

Alexandre Lima conta que, além dele, outros jornalistas — todos eles vivem em Cobija, capital de Pando — passaram também a ser procurados nos últimos dias pelo Exército boliviano. A caçada teve início, segundo ele, depois que o ministro da Presidência da Bolívia, Juan Ramón Quintana, mostrou em rede nacional uma lista de veículos de comunicação que, supostamente, estariam apoiando as ações de Leopoldo Fernández contra o cumprimento do estado de sítio em Pando. A lista inclui o jornal O Alto Acre.

No contato com a Agência Amazônia, o jornalista Alexandre Lima contou que passou a ser considerada “persona non grata” pelas autoridades da Bolívia a partir do instante que começou a divulgar os conflitos na cidade de Cobija, que começaram a pipocar há cerca de dois anos.  Os confrontos entre oposicionistas e grupo pró-Evo Morales acontecem desde 2006, ou seja, bem antes de Leopoldo Fernández ser eleito governador de Pando.

A irritação de Ramón e das autoridades pró-Evo Morales para com o jornalista Alexandre Lima chegou ao ápice quando ele, juntamente com o jornalista boliviano Carlos Valverde, da Rede PAT, denunciou os planos do ministro de tomada do chamado Oriente — a parte do território da Bolívia onde se concentram os governadores oposicionistas.  As denúncias abalaram seriamente a credibilidade do ministro.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".