Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Povos Geraizeiro, Caatingueiro, Vazanteiro, Veredeiro, Xacriabá - é a REVOLUÇÃO EM MARCHA

PAZ NO CAMPO
Boletim Eletrônico de Atualidades - N° 76 - #3

Desde a aprovação da Convenção 169 da OIT- Organização Internacional do Trabalho que versa sobre os pretensos direitos dos povos indígenas ou tribais, ONGs, Pastorais,Sindicatos de trabalhadores rurais, Universidades e o Estado estão descobrindo novas “comunidades”, todas à procura de um “resgate histórico”, que nada mais é  do que a pretensão de “retomarem `seus´ territórios”. 

A reconstrução do Brasil primitivo

A Pastoral da Terra da CNBB, que é porta-voz da Teologia da Libertação, inspira e aglutina todo tipo de população dita  “marginalizada” , para atuar em comum. Esta, por sua vez, tem a seu dispor para formação  e orientação milhares  de intelectuais de extrema esquerda e ativistas de todo tipo, que organizam conferências, Congressos, debates, eventos, exposições, manifestações etc., mantendo mobilizados esses  incautos  “povos”. Prometem propriedade, mas só concedem o uso. Coletivizam a terra. Contam com o auxílio  inclusive financeiro de ONGs. Na região do Cerrado em Minas Gerais estão se formando os assim chamados povos Geraizeiro, Caatingueiro, Vazanteiro, Veredeiro, Xacriabá (indígena) e Quilombola (afro-descendentes).

Segundo o Boletim Famaliá “a denominação de povo Geraizeiro (localizado no Norte de Minas) está relacionada com as comunidades que vivem em ambientes de cerrados e que desenvolveram ao longo dos séculos, um modo de vida muito singular associando à produção de alimentos e a criação de animais com o extrativismo, com o aproveitamento das frutas nativas, plantas medicinais, madeira lenha e forragem (solta dos animais) em áreas comunais”. Com essas características pleiteiam a condição de povo tribal, sob a proteção da Convenção 169 da OIT.

O contexto é a “luta das populações tradicionais do norte de Minas Gerais, pela retomada de seu território”, para nele reconstituir o Brasil de 1.500.

É a mesma utopia: reconstruir o Brasil de 1.500 com as etnias tribais

Com os povos indígenas essas novas tribos poderiam dizer: “ Nós, povos marginalizados, passaremos mais 500 anos, se preciso for, dizendo a todos os excluídos essa verdade, e quando todos nós estivermos unidos em torno dessa causa, os governantes não serão mais ninguém, apenas uma névoa que um dia manchou a história desta terra e o horizonte desta gente” . Este texto foi tirado do livro Outros 500 – Construindo uma nova história, publicado pelo CIMI – Conselho Indigenista Missionário.

É uma nova vertente do mesmo comunismo e do mesmo anarquismo do século passado, que quer para nosso País uma nova civilização. O que está em jogo é a civilização brasileira: ou ela segue seu caminho trilhando os rumos benditos da civilização cristã ou será entregue à barbárie.

Os geraizeiros

No final do ano passado foi realizada em Vereda Funda, Rio Pardo de Minas a 3ª. Conferência Geraizera, com participação de mais de 100 comunidades, de mais de 30 municípios. Participaram também diversas ONGs, Pastorais, sindicatos de trabalhadores rurais, Universidades e o Estado de Minas Gerais.

Trata-se de uma “nova modalidade” de articulação, em tudo semelhante às das tribos indígenas e aos quilombolas.

Vejamos o que dizem os geraizeiros: “As comunidades geraizeiras do Norte de Minas tiveram seu território expropriado na onda desenvolvimentista da década de  1970/1980, que destruiu o cerrado para implantação de “monoculturas”. A expansão grandes empreendimentos resultou em sérios desequilíbrios ambientais: assoreamento de rios, secamento de nascentes, degradação dos solos e da rica diversidade de plantas e animais do cerrado, desestruturando assim o sistema de produção e o modo de  vida geraizero, modo este intimamente vinculado ao ambiente natural”. Todas essas catástrofes estão afirmada, mas nada provado.

A verdade é outra. O que foi feito foi uma verdadeira colonização, com agricultores sobretudo do sul do País,que recuperaram uma terra pobre com a parceria da iniciativa privada.  Mas essa verdade é inadmissível para o miserabilismo de certa “esquerda católica” que só admite que é bom o tribalismo e a reconversão do país a cinco séculos atrás.

Para onde caminham os geraizeiros? 

Segundo eles próprios, desde 2000 as comunidades geraizeiras vêm desenvolvendo propostas para a retomada de seus territórios”... já apresentaram ao governo do Estado de Minas Gerais e ao Governo Federal um programa  de Reconversão extrativista das áreas de “monocultura” do eucalipto e a constituição do RESEX – Reservas Extrativistas Geraizeiras. Essas comunidades encontram-se articuladas com o MASTRO – Movimento Articulado dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais da Região do Alto Rio Pardo, com a FETAEMG, com a REDE DESERTO VERDE, com a VIA CAMPESINA, com a REDE CERRADO, com a Asa (Articulação do Semi-Árido) e com a ANA (Articulação Nacional de Agroecologia (sobre agroecologia vide página específica em www.paznocampo.org.br).

Nota: A 3ª. Conferência Geraizeira realizou-se na “comunidade” Vereda Funda  que é  considerada  um marco da luta geraizeira pela “reapropriação” de seu território. Dizem que o município em que se encontra foi um dos mais devastados para a plantação de eucaliptos. Faz parte do complexo de mais de 1 milhão de hectares desta cultura que atinge a região norte-nordeste de Minas, uma das maiores áreas contínuas de eucalipto do planeta.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".