Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

ESPÍRITO SANTO: Quanto vale a cabeça de Roncalli?

 

SÉCULO DIÁRIO

Casagrande procura tratar a questão com o máximo de cautela para não se indispor com Hartung

Editorial

21/08/2012 18:37 - Atualizado em 21/08/2012 18:38

As denúncias de corrupção no Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) começam a provocar um turbilhão que pode ser capaz de arrastar pessoas de peso do governo, a maioria, remanescentes do governo Paulo Hartung. É o caso do secretário de Justiça Ângelo Roncalli, que começa sentir a pressão, uma vez que o escândalo aconteceu, como se diz popularmente, na barba dele.

Nessa segunda-feira (20), houve uma movimentação na Assembleia Legislativa, que já não anda com uma relação muito boa com o Palácio Anchieta, cobrando uma posição do governador Renato Casagrande em relação ao secretário. O deputado José Esmeraldo (PR) subiu à tribuna para exigir a saída do secretário e o cancelamento dos contratos com a Acadis, do colombiano Gerardo Mondragón, um dos pivôs do esquema.

Na tentativa de apaziguar o ânimo dos insatisfeitos, o governador convidou os deputados para um almoço-reunião nesta terça (21). Casagrande falou sobre a importância de manter a governabilidade. Lembrou aos parlamentares que o biênio 2013/2014 deve ser duro para o Estado e municípios. Ele listou o fim do Fundap e a iminente perda de receitas com as novas regras de partilha dos royalties do petróleo, além da crise financeira internacional, como componentes que podem comprometer o poder de investimento do Estado. 

Em contrapartida, diante do quadro pouco otimista, ele apresentou o programa de sustentabilidade aos parlamentares, mostrando que o governo já tem um plano “B” na manga para enfrentar a crise que se avizinha. 

Se o almoço foi bem digerido pelos deputados, a sobremesa, que só foi servida para alguns, foi mais indigesta. Houve uma conversa reservada com os deputados que querem a cabeça do secretário de Justiça Ângelo Roncalli. Diante da demanda dos parlamentares, o governador não disse nem sim nem não. Preferiu ficar em cima do muro. Em tom contemporizador, para não estremecer ainda mais a relação que já não é das melhores, o governador disse que prefere aguardar o andamento das investigações. 

Está claro que Casagrande não pode, pelo menos ainda, entregar a cabeça de Roncalli de bandeja aos deputados, que usariam Roncalli para lavar a alma da Assembleia. Em tempos eleitorais, a Assembleia daria tudo para sair exibindo à população a cabeça de Roncalli como um prêmio. 

O problema é que o acordo de Casagrande com o ex-governador Paulo Hartung o impede de mexer com os seus aliados. Casagrande não pode adiantar o passo, pois Hartung consideraria a manobra como quebra de acordo. 

Apesar do aumento da pressão por parte da opinião pública e da Assembleia, Casagrande procura tratar a questão com o máximo de cautela para não se indispor com o seu antecessor. 

Parece que a estratégia do governador e dar tranquilidade para as investigações avançarem. Mais à frente, quando as denúncias arrastarem Roncalli para a mesma vala que já sorveu Silvana Gallina e companhia, ele dirá que foi o andamento natural das investigações que envolveram o secretário. Isso o isentaria perante Hartung. 

Agora, se a sociedade civil espera que haja uma pressão para que as investigações apurem com isenção e seriedade o suposto envolvimento de Roncalli no escândalo, é mais provável que ela venha do Tribunal de Justiça, que hoje é a única instituição capaz de fazer as coisas andarem no Estado. 

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".