Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Como o caso do Femen em aliança com os neo ateus comprova que o neo ateísmo é igual ao anti-semitismo nazista (ou até pior)

 

LUCIANO AYAN

 

Segundo o Paulopes, as ativistas do Femen utilizaram uma motoserra para derrubar um crucifixo, em um protesto contra a prisão das punk rockers do Pussy Riot.

Em resumo, um segundo ato de vandalismo em apoio ao ato de vandalismo do Pussy Riot, na transmissão de uma mensagem perigosíssima e devastadora: contra os cristãos qualquer ato vil que for feito está a priori correto, pois (na ótica esquerdista) estes são cidadãos de segunda classe.

Isso, obviamente, é uma cópia do que vimos nos primórdios do nazismo, onde todo o discurso era feito para relegar os judeus a cidadãos de segunda classe, e isso só foi possível pelo fato de que foi possível, através da propaganda, qualificá-los como bodes expiatórios de todos os males.

Com truques retóricos afirmando “intolerância contra os gays” (nem de longe praticada pela Igreja atual) e “opressão das mulheres” (novamente, uma acusação injusta) os neo ateus, aliados aos demais humanistas e esquerdistas, conseguiram criar tal campanha de ódio que hoje em dia supera o ódio que foi inserido na sociedade alemã, antes da Segunda Guerra Mundial, contra os judeus.

Uma evidência de que os cristãos já estão destinados a serem tratados como cidadãos de segunda classe, é que, na ótica militante anti-cristã, eles não possuem direitos básicos como o direito a propriedade ou o direito de não terem suas cerimônias invadidas por puro vandalismo. Esse direito cabe ao cidadão “normal”, que na visão deles é todo aquele que não pertence à religião majoritária.

Alguns poderão protestar, dizendo que eu exagerei. É por isso que este é um blog de ceticismo político, que tem especial apreço por apresentar evidências de suas alegações.

Abaixo, portanto, o discurso de vários neo ateus da ATEA, em relação ao protesto. Observem a forma empolgada com que tratam um crime contra o patrimônio de cristãos:

Poucas evidências? Capaz. Por isso, segue também a manifestação dos comentaristas do blog Paulopes:

Preciso de mais evidências? Claro que não.

As declarações acima mostram o APOIO INCONDICIONAL a atos criminosos DESDE QUE estes atos sejam cometidos contra cristãos.

A mensagem é clara e cristalina, e, enfim, já temos motivos para qualificar o neo ateísmo como uma postura criminosa de ódio, tão perigosa quanto o anti-semitismo nazista.

Resta aos religiosos entenderem que eles são muito mais perigosos do que parecem.

Enquanto alguns achavam que os neo ateus eram “tolos praticando escárnio”, na verdade são pessoas que estão aguardando ansiosamente pelo primeiro momento onde ocorrer uma crise econômica em larga escala para realizarem um “expurgo”. O discurso de retirada de direitos e qualificação de religiosos como cidadãos de segunda classe não só está pronto como está plenamente assimilado por toda a patuléia que frequenta a Internet, em uma guerra de posição conforme previa Gramsci.

A conscientização agora não deve mais ser focada somente em refutá-los, mas em demonstrar aos demais conservadores (cristãos ou não, religiosos ou não) de que o ato formal de apoio à violências contra cristãos está não só nos planos, mas em curso.

A partir de agora, a tendência é que usem a técnica do “teste de limite”, ou seja, se hoje apóiam o vandalismo em Igrejas, futuramente apoiarão o estupro de freiras, por exemplo. Quando lançarem mensagens de apoio na Internet (como fizeram agora), e notarem que não haverá resposta ao ato de apoio ao estupro de freiras, daí aguardarão uma chacina de cristãos (igual o que já ocorre em países islâmicos) no Ocidente. Em seguida, lançarão mensagens de apoio às matanças, e, se notarem que não haverá resposta, daí pedirão que o genocídio seja implementado de vez. Isso, em resumo, é o “teste de limite”.

A pergunta é: quais são os limites dos cristãos? O quanto de vileza vocês tolerarão sem responder? O que é preciso que eles façam para que vocês reajam? E, se houver reação, ela será um chororô ou o lançamento de processos contra todos os apoiadores do crime do lado neo ateísta, incluindo comentaristas do Paulopes e da ATEA, assim como os líderes destas entidades?

Enfim, mais do que nunca o destino dos cristãos está nas mãos dos cristãos. Ignorem o “teste de limite” que os neo ateus estão fazendo, endossando uma campanha de ódio (cada vez mais forte), e aguardem pelas consequências.

Mas não digam que eu não avisei.

P.S.: Antes que venha o chororô dos neo ateus, a garota do vídeo é até gostosinha e eu até fiquei com pena dela quando pegaram ela e suas amigas e lhes bateram e lhes tiraram a roupa. Isso mostra que, mesmo em tempos de guerra cultural, existem limites do lado de cá. A crítica aqui é quanto ao fato da ausência de limites do lado de lá (esquerda). E o foco desta crítica não apenas é a gostosinha que serve apenas como idiota útil, mas sim os militantes que apóiam e glorificam os atos de vandalismo contra os adversários políticos.

Um comentário:

Denner Coutinho disse...

Você não exagerou, colega. É isso mesmo. Sou ateu (não militante) e sei o que são essa gente. Se der moral e se pudéssem eles levariam a cabo a destruição do cristianismo. A imensa maioria são gays sob a capa de ateus para canalizarem seu ódio contra o cristianismo porque este diz algo que a própria natureza determinou, a saber que seu vício é aberrante. Dê-lhes o poder e teremos algo muito pior que o Nazismo e o Fascismo somados.

"...na ótica militante anti-cristã, eles não possuem direitos básicos como o direito a propriedade ou o direito de não terem suas cerimônias invadidas por puro vandalismo"

Eu vou mais além ainda. Eles querem também retirar os direitos políticos dos cristãos, sob o disfarce de "laicidade do Estado".

Ótima postagem!

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".