Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

O AQUECIMENTO GLOBAL JÁ ERA !!! A FARSA ACABOU !!!

 

TERRORISMO CLIMÁTICO

DOMINGO, 29 DE JANEIRO DE 2012

O TÃMISA CONGELADO EM 1684  / PINTURA ABRAHAM HONDIUS

David Rose,
28 de janeiro de 2012
(Tradução Maurício Porto)


Esqueçam o aquecimento global -  É com o Ciclo 25 que nós precisamos nos preocupar (e se os cientistas da NASA estiverem certos, o Tâmisa congelará de novo)

Met Office libera novos dados que mostram que não houve aquecimento global nos últimos 15 anos

O suposto "consenso" sobre o aquecimento global produzido pelo homem está enfrentando um desafio inconveniente após o lançamento de novos dados de temperatura que mostram que o planeta não se aqueceu nos últimos 15 anos.

Os gráficos sugerem que poderíamos até estar caminhando para uma mini era do gelo para rivalizar com a queda de temperatura que durou 70 anos e que viu feiras realizadas no rio Tâmisa congelado no século 17.

Com base em leituras de mais de 30.000 estações de medição, os dados foram divulgados na semana passada, sem alarde pelo Met Office e a Universidade de East Anglia Climatic Research Unit. Eles confirmam que a tendência de subida das temperaturas no mundo acabou em 1997.

Enquanto isso, os principais cientistas do clima ontem disseram ao jornal The Mail on Sunday que, depois de emitir níveis anormalmente elevados de energia ao longo do século 20, o sol agora está caminhando para um "grande mínimo", ameaçando verões frios, invernos rigorosos e um encurtamento de estações disponíveis para cultivo de alimentos.

A atividade solar passa por ciclos de 11 anos, com elevado número de manchas solares visto em seu pico.

Estamos agora no que deveria ser o pico do que os cientistas chamam de "Ciclo 24" - motivo pelo qual a tempestade solar da semana passada resultou em avistamentos da aurora boreal mais ao sul do que o habitual. Mas os números de manchas solares estão funcionando a menos da metade do que as observadas durante os picos dos ciclos no século 20.

A análise feita por especialistas da NASA e da Universidade de Arizona - derivada de medições de campo magnético 120 mil milhas abaixo da superfície do sol - sugerem que o ciclo 25, cujo pico é esperado em 2022, será muito mais fraco ainda.

De acordo com um estudo divulgado na semana passada pelo Met Office, há uma chance de 92 por cento que o Ciclo 25 e os que se realizam nas décadas seguintes serão tão fracos quanto, ou mais fraco do que o "mínimo de Dalton" de 1790 -1830 . Neste período, em homenagem ao meteorologista John Dalton, as temperaturas médias em partes da Europa caíram 2ºC.

No entanto, também é possível que a nova queda de energia solar possa ser tão profunda como o "mínimo de Maunder" (astrônomo Edward Maunder), entre 1645 e 1715 na parte mais fria da "Pequena Idade do Gelo", quando eram comuns as feiras no Tâmisa congelado. Os canais da Holanda também congelaram.



No entanto, no seu documento, o Met Office afirmou que agora as conseqüências seriam negligenciáveis ​​- porque o impacto do sol sobre o clima é muito menos do que o do dióxido de carbono emitido pelo homem. Embora a saída do sol é susceptível de diminuir até 2100, "Isto só causaria uma redução nas temperaturas globais de 0.08C." Peter Stott, um dos autores, disse: "Nossos resultados sugerem uma redução da atividade solar para níveis não vistos em centenas de anos, mas seria insuficiente para compensar a influência dominante de gases de efeito estufa."

Essas descobertas são ferozmente contestadas por outros cientistas especialistas no sol.
"As temperaturas mundiais podem acabar se tornando muito mais frias do que agora por 50 anos ou mais", disse Henrik Svensmark, diretor do Center for Sun-Climate  Research at Denmark’s National Space Institute. "Vai ser uma longa batalha para convencer alguns cientistas do clima que o sol é importante. Pode bem ser que o sol vá demonstrar isso por conta própria, sem a necessidade de da ajuda deles."

Ele ressaltou que, ao afirmar que o efeito do mínimo solar seria pequeno, o Met Office estava confiando nos modelos de mesmo computador que estão sendo desmoralizados pela atual pausa no aquecimento global.

Os níveis de CO2 continuam aumentando sem interrupção e, em 2007, o Met Office afirmou que o aquecimento global estava prestes a "voltar com tudo '. Ele disse que entre 2004 e 2014 haveria um aumento global de 0.3C. Em 2009, ele previu que pelo menos três dos anos de 2009 a 2014 iriam quebrar o recorde de temperatura anterior estabelecido em 1998.



Até agora não há nenhum sinal de isso vai acontecer. Mas ontem um porta-voz do Met Office insistiu que seus modelos ainda eram válidos.

"A projeção de dez anos continua sendo a ciência inovadora. O prazo para a projeção original ainda não acabou", disse ele.

O Dr. Nicola Scafetta, da Universidade Duke, na Carolina do Norte, é o autor de vários artigos que discutem os modelos climáticos do Met Office e mostram que segundo esses modelos deveria ter havido um "aquecimento constante de 2000 até agora".

"Se as temperaturas continuarem a ficar estáveis ou começar a esfriar novamente, a divergência entre os modelos e os dados gravados acabará por se tornar tão grande que toda a comunidade científica vai questionar as teorias atuais", disse ele.

Ele acredita que como o modelo do Met Office atribui uma importância muito maior para CO2 do que para o sol, e por isso eles foram obrigados a concluir que não haveria resfriamento. "A questão real é se o modelo em si é preciso", disse o Dr. Scafetta. Enquanto isso, um dos especialistas do clima mais eminentes da América, a Professora Judith Curry, do Georgia Institute of Technology, disse que achou a confiante previsão do Met Office de um impacto "insignificante" difícil de entender.

"A coisa responsável a fazer seria a de aceitar o fato de que os modelos podem ter graves deficiências no que se refere à influência do sol," disse a Professora Curry. Como do aquecimento anterior para a pausa atual, ela disse que muitos cientistas não ficaram surpresos ".


Ela argumentou que está se tornando evidente que outros fatores, mais do que o CO2 desempenham um papel importante no aumento ou diminuição do calor, como os ciclos de 60 anos na temperatura da água nos oceanos Pacífico e Atlântico.

"Eles têm sido insuficientemente apreciados em termos de clima global," disse a Prof. Curry. Quando ambos os oceanos eram frios no passado, como entre 1940 e 1970, o clima esfriou. O Ciclo do Pacífico "capotou" de volta para o modo de quente para frio em 2008 e o do Atlântico também, acredita-se que, vai virar provávelmente nos próximos anos.

Pal Brekke, conselheiro sênior do Centro Espacial Norueguês, disse que alguns cientistas acharam a importância dos ciclos da água difícil de aceitar, porque isso significa admitir que os oceanos - e não CO2 - causaram grande parte do aquecimento global entre 1970 e 1997.

O mesmo vale para o impacto do sol - que foi altamente ativo durante a maior parte do século 20.
"A natureza está prestes a realizar uma experiência muito interessante", disse ele. "Dentro de 10 ou 15 anos a partir de agora, seremos capazes de determinar muito melhor se o aquecimento do final do século 20 realmente foi causado pelo CO2 lançado pelo homem, ou pela variabilidade natural."
Enquanto isso, desde o final do ano passado, as temperaturas globais caíram mais de meio grau, porque o efeito do frio do 'La Nina' ressurgiu no sul do Pacífico.

"Agora estamos bem na segunda década da pausa", disse Benny Peiser, diretor da Fundação Global Warming Policy. "Se nós não encontrarmos evidências convincentes do aquecimento global até 2015, começará a ficar claro que os modelos são um desastre. E, se forem, as implicações para alguns cientistas poderão ser muito graves."

Read more: http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2093264/Forget-global-warming--Cycle-25-need-worry-NASA-scientists-right-Thames-freezing-again.html#ixzz1koYLBOY3

Fonte: Climate Realists
Fonte: Dailymail.Co.Uk

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".