Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Bahia, Luiz Mott, Movimento Gay Brasileiro, Chatice, Burrice, Idiotização e o Caralho de Asa

 

GAYS DE DIREITA

TERÇA-FEIRA, 31 DE JANEIRO DE 2012

Por João, travesti

ENTÃO, o cidadão chega à delegacia e é 'obrigado' a declarar de público se é viado ou heterossexual: o cigarro do delegado é um falo! O delegado o olha dos pés a cabeça e já tem o diagnóstico, a burocracia sacraliza a VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL: manter em silêncio o seu desejo é uma violência contra o Estado diz o delegado: "Assuma que é viado".

Na Bahia ninguém mais poderá se furtar aos escaninhos da BOA VIGILÂNCIA. Quem se dirigir à delegacia terá de dizer se é bicha ou heterossexual. Pergunta-me aí o sábio leitor: "Mas, João, por que disto? ". Simples, querido: o xamã gay da Bahia que responde pelo nome de Luiz Mott quer rastrear os crimes de HOMOFOBIA CULTURAL (rsrsrs). Sim, mais uma modalidade de homofobia.

TODO mundo sabe que se uma bicha, um viado, uma sapatão morrer, for assassinado, logo sua morte é, imediatamente, atribuída a um crime de homofobia. Fosse qualquer outro cidadão, as causas poderiam ser aventadas de modo diferente. Morreu um gay, chega algum agente no cio do movimento gay brasileiro para discursar: "Veja o que os heterossexuais fizeram com este pobre rapaz só por ele ser gay". Chega a dar sono.

Luiz Mott, em sua poderosa eloquência nos admoesta: "A declaração de que os 'HOMICÍDIOS' tem (sic) como causa não homofobia, mas drogas, não resiste à crítica, pois é a HOMOFOBIA CULTURAL que empurra tantos LGBT's para as margens sociais, inclusive à prostituição nas pistas. TODOS os seis crimes registrados na Bahia em janeiro 2011 (na verdade são sete, um só agora confirmado), as vítimas eram reconhecidamente homossexuais".

OU cremos que o Estado da Bahia é um dizimador de bicha, OU cremos que Luiz Mott e o GGB - Grupo Gay da Bahia - são uns neuróticos, senão, vejamos. Ainda é possível sustentar um discurso de que a homofobia "empurra para as margens sociais" os homossexuais? Será? Desconfio muito, duvido até.

O que percebo, e não é nenhum exagero, os homossexuais é que estão empurrando os heterossexuais para as margens senão institucionais, ao menos, da mentalidade cultural.

É odioso ser macho, o ideal é que o homem seja viado, de preferência, delicado, cheio de paetês nas camisas e blush nas faces e batom vermelhíssimo nos lábios: viva os queers! Um viado maconheiro que comprou e não pagou que destino tem? Evidente, o tráfico manda-o apagar. Nas estatísticas de Luiz Mott o viado foi morto pelo tráfico: o tráfico é homofóbico.

Risível, pois não? O que é preciso fazer, a meu ver, não é começar uma busca idiota para saber com quem o criminoso se deitou na noite anterior ao crime, mas em que condições o crime ocorreu, quem é seu mandante, por quê? Entendemos a visão limitadíssima de Luiz Mott e o que ele deseja com isto, isto é, em saber a sexualidade dos prováveis criminosos ou vítimas de crime. Ele quer inventariar tudo e criar um manual sexual do crime. É preciso encontrar novos caminhos...

O GGB ainda mantém aquela velha estratégia que as bichas usavam na década de setenta para combater o preconceito. Viremos o disco, ninguém mais quer ser viado.

Tenho dito!!!

Texto publicado originalmente em: http://politicandus.blogspot.com/2012/01/bahia-luiz-mott-movimento-gay.html

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".