Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Como pensa um louco e como argumentar com ele

 

SENTIR COM A IGREJA

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012


Chesterton responde o que se deve fazer quando se discute com um louco. O louco aqui não é apenas uma pessoa com problemas mentais, mas alguém muito comum em nossas universidades. Aquele que chega no dia de discutir um livro na sala sem ler o livro, mas quer ter uma opinião brilhante sobre o assunto. Ele geralmente começa dizendo: "não li, mas eu acho...". São aqueles que têm uma simples explicação para tudo. Por exemplo, eles dizem que os capitalistas são ladrões ou que os judeus são cruéis ou que a religião é o ópio do povo. Este louco pode até ser uma pessoa inteligente e seus argumentos podem apresentar lógica, mas não explicam nada.

Também já fiquei chateado no Youtube por certos ateístas militantes no Brasil que nem sabiam que existia o termo neoateu para se referir ao ateísta militante antireligioso e por isso até me tacharam de preconceituoso e intolerante para com ateus (!!!)
Realmente, eu gostaria de saber onde estavam esses indivíduos que distorceram o que falei em meus vídeos, explicando que critico o neoateísmo e não o ateísmo. Será que eles estavam ouvindo Michel Teló enquanto a revista Wired e outros meios ateus no mundo (além de Dawkins, Hitchens & Friends) já espalhava para o mundo o termo novo-ateísmo? Será que fui eu que inventei isso? Imaginem a confusão que causaram por este simples mal entendido.

Na internet o que mais se vê são argumentos fracos e muito mal escritos. Mas muitas vezes aparecem argumentos desses loucos. O cara começa com uma frase forte, atacando alguém, e quando vai justificar seu argumento, usa frases curtas, desconexas e ainda usa reticências e coloca interjeições do tipo, ha ha, he he e símbolos mostrando rostos zangados ou tristes.
Chesterton ensina no livro Ortodoxia o que se deve fazer se for obrigatório discutir com este tipo. Este livro mudou meu modo de pensar. Eu não conseguiria dizer o quanto recomendo este livro. Agradeço ao blog Canterbury Tales por selecionar as partes sobre os loucos. Vamos ao que diz Chesterton (em azul):

Se você for discutir com um louco, é extremamente provável que você leve a pior, pois em muitos aspectos a mente do louco se move mais rápido porque não é atrasada por as coisas que são do bom senso. Ele não é prejudicado por um senso de humor ou pela caridade, ou pelas certezas da experiência da vida. Ele é mais lógico pois não tem apego a sanidade. O louco não é o homem que perdeu a razão. O louco é o homem que perdeu tudo exceto a razão.  
Explicação do louco de uma coisa é sempre completa, e muitas vezes num sentido puramente racional, satisfatórias. Ou, para falar de forma mais rigorosa, a explicação insana, se não for conclusiva, é pelo menos incontestável, o que pode ser observado especialmente nos dois ou três tipos mais comuns de loucura.
    Se um homem diz (por exemplo) que os homens têm uma conspiração contra ele, você não pode contestá-la, exceto por dizer que todos os homens negam que são conspiradores, que é exatamente o que os conspiradores fariam. A explicação do louco abrange os fatos, tanto quanto a sua. Ou se um homem diz que ele é o legítimo Rei de Inglaterra, não há nenhuma resposta completa para dizer que as autoridades existentes o chamam de louco, pois se ele fosse o rei da Inglaterra esta seria a coisa mais sábia que as autoridades existentes poderiam dizer. Ou se um homem diz que ele é Jesus Cristo, não é resposta para lhe dizer que o mundo nega a sua divindade, pois o mundo negou Cristo...
    ... A mente de um louco se move em um círculo perfeito, mas estreito. Um pequeno círculo é tão infinito como um grande círculo, mas, embora seja tão infinito, não é tão grande ... A teoria do lunático explica um grande número de coisas, mas não as explica de uma forma geral...
... Se pudéssemos expressar nossos mais profundos sentimentos de protesto e apelo contra a obsessão do louco, suponho que deveríamos dizer algo como isto: "Oh, eu admito que você tem o seu caso e tê-lo de cor, e que muitas coisas se encaixam outras coisas como você diz. Admito que a sua explicação explica muita coisa, mas deixa uma grande quantidade de coisa fora! Você acha que não há outras histórias no mundo, exceto a sua, e são todos homens ocupados com a sua lógica? Suponha que nós concedessemos os detalhes, talvez quando o homem da rua não parecia vê-lo foi apenas a sua astúcia, talvez quando o policial lhe perguntou o seu nome foi apenas porque ele já sabia. Mas quanto mais feliz você seria se você soubesse que essas pessoas não se importavam nada com você! Quanto maior a sua vida seria se você pudesse realmente olhar para outros homens com curiosidade e prazer comum, se você pudesse vê-los andando como estão no seu egoísmo e sua indiferença! Você poderia começar a se interessar por eles, porque eles não estavam interessados em você. Você iria sair desse teatro pequeno e de mau gosto em que o seu enredo próprio pequeno está sempre sendo jogado e você iria encontrar-se sob um céu mais livre, em uma rua cheia de estranhos esplêndidos. "
Curar um louco não é discutir com um filósofo, mas expulsar um demônio.

Isto é apenas uma palhinha do livro Ortodoxia. Leiam. 

Em suma, com o louco, você não pode convencê-lo a entrar no mundo real. Você deve entrar em seu universo e expô-lo como uma fraude. É muito perigoso, mas assim são os exorcismos. Orar, jejuar, e proceder com cautela com os malucos da Internet. Eu simplesmente tento evitá-los.

Escrito por mim com partes condensadas de http://pedrodaveiga.blogspot.com/

_______________________

Quem foi Chesterton?
Chesterton nasceu em Londres no dia 29 de maio de 1874. Chesterton tinha 1,93 metros e pesava 135 quilos e nunca fez faculdade. Ele escreveu mais de cem livros sobre os mais diversos assuntos, incluindo poemas, peças de teatro, romances e uma série de detetives (Padre Brown), que inclusive gerou um filme chamado The Detective.

Gilbert Keith Chesterton (1874-1936) é um dos maiores pensadores católicos do século XX e, infelizmente, por diversos motivos, desconhecido  no Brasil.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".