Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Meus caros críticos

 

MÍDIA SEM MÁSCARA

ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO | 01 FEVEREIRO 2012
ARTIGOS - CULTURA

olavo msm 2

Dois exemplos de como se faz, no Brasil, o sério e aprofundado exame crítico das obras do Olavo de Carvalho. Primeiro: o economista Cláudio de Moura Castro disse certa vez na sua coluna da revista Veja que os brasileiros não leem o que um autor escreve: leem o que imaginam que ele pensou.

Nada mais certo. Resta acrescentar que, não sendo eles próprios capazes de pensar senão segundo as correntes de opinião padronizadas que correspondem aos rótulos de partidos políticos, o que entendem por "interpretar" o pensamento de um autor consiste em inscrevê-lo, malgré lui, no partido que ele vagamente parece apoiar. 

Não raro essa genial proeza hermenêutica vem acompanhada da mimosa sugestão de que o infeliz recebe subsídios, modestos ou polpudos, do grupo político para o qual "trabalha".

Da minha parte, já esclareci mil vezes que trabalho para o Diário do Comércio e que o faço com inteira liberdade, jamais tendo recebido da sua diretoria a menor insinuação quanto ao que devo louvar ou esculhambar nos meus artigos. Em vão. Meus dedicados intérpretes continuam tentando revelar meu empregador secreto, cada um deles repassando a informação com aquela piscadela de olho que, no seu entender, o identifica perante o mundo como detentor de valiosíssima inside information.

A hipótese  mais recente, posta em circulação por alguns libertarians, é  aquela que faz de mim um porta-voz dos neocons –não se sabe se pago a peso de ouro ou a preço de banana. 

O que me perguntei, ao ler isso, foi por que, com tanto amor aos neocons no meu coração, não convidei um só deles para membro do Inter-American Institute, preferindo, em vez disso, o mais feroz dos seus críticos, o prof. Paul Gottfried. Deve ter sido por esperteza, para camuflar minha filiação partidária. 

Baseados nessa minha identidade ideológica, porém, os distintos não tiveram a menor dificuldade em interpretar à luz dela cada palavra que eu dissesse a respeito do que quer que fosse, confirmando circularmente a exatidão certeira do diagnóstico inicial. 

Assim, do fato de que eu defendesse o então presidente George W. Bush contra invencionices macabras postas em circulação no tempo do furacão Katrina, concluíram que, neocon como ninguém, eu também havia me tornado, coerentemente, "mais bushista que o próprio Bush". Deve, portanto, ter sido também para fins de camuflagem que, ante a derrota republicana nas eleições de 2006, escrevi (verhttp://www.olavodecarvalho.org/semana/061113dc.html): "Ninguém duvida de que o Partido Republicano pagou pelos pecados de George W. Bush, mas a rejeição nacional ao presidente tem muito menos a ver com a guerra do que com as atitudes dele com relação a gastos públicos, imigração e legislação eleitoral – e, nessas três áreas, ele não errou contra os democratas, e sim com o apoio entusiástico deles(...). Mais motivo ainda para revolta o presidente deu quando violou ao mesmo tempo duas leis sagradas do conservadorismo, gastando um dinheirão do governo para aumentar a interferência estatal na educação infantil...”

É ou não uma prova cabal da minha paixão mórbida por George W. Bush? 

Segundo: você sabia que escrevo artigos para a Veja sob o pseudônimo de Ethan Edwards, o personagem de John Wayne no filme The Searchers (Rastros de Ódio)? Você sabia que sou o líder de um grupo trotsquista? Você sabia que sou correspondente da Folha de S. Paulo em Washington, e que resido nos EUA com visto de jornalista concedido graças aos favores do sr. Frias?   
Você sabia que, além dos meus próprios sites (www.olavodecarvalho.org, www.midiasemmascara.com.br,www.seminariodefilosofia.org e www.theinteramerican.org), dirijo em segredo uma rede de sites-fantasmas, simulando variedade de fontes para ocultar que tudo vem do meu cérebro maligno? Você sabia que para produzir essa gigantesca empulhação faço uso de um software multiplicador que copiei da Atlas Foundation?

Você sabia que entre os falsos sites que criei e dos quais sou o mentor secreto estão a Folha de S. Paulo, a Veja, Instituto Millenium, De Olho na Mídia, Visão Judaica, Denni Marquesani, Luiz Gonzaga de Carvalho Neto, Instituto Olavo de Carvalho, Livraria Cultura, TFP, Padre Paulo Ricardo, José Carlos Zamboni, É Realizações, Ordem Livre, Ternuma, Unoamerica e Fuerza Solidaria? 
Se não sabia de nada disso, não se sinta humilhado. Eu também não sabia. Fiquei sabendo graças ao tirocínio jornalístico do sr. Colin Brayton, um americano doido de pedra que mora em São Paulo (v.http://tupiwire.wordpress.com/2011/01/10/democracy-exportation-crosshairs-over-america-do-sul/). Ele não apenas fornece essas informações de primeira mão, como as fundamenta em vários diagramas, complicados e muito bem feitinhos, do tipo daquele que publiquei sobre o Observatório de Imprensa da USP (http://www.olavodecarvalho.org/semana/040929msm.html), com uma diferença: as parcerias que apontei não foram inventadas por mim, mas extraídas de dados do próprio site do Observatório. Infelizmente a criatividade diagramática do sr. Brayton veio tarde demais para ser consagrada nas exposições da falecida Dra. Nise da Silveira.

O sr. Brayton também jura que nunca falei para as platéias do Hudson Institute e da America’s Future Foundation e de outras entidades americanas, embora as fotos e documentos comprobatórios dessa minha atividade constem do currículo extensivo publicado no meu site (http://www.olavodecarvalho.org/english/life-and-works.html). Ele afirma ainda que meu livro Como Vencer um Debate sem Precisar Ter Razão foi plagiado de Schopenhauer, sem explicar o que poderia haver de plágio numa tradução comentada, com clara distinção entre os trechos do autor e os do comentarista.                                       

Publicado no Diário do Comércio.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".