Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Alvaro Dias: Estratégia para eleger Dilma levou a queda no crescimento econômico

 

AGÊNCIA SENADO

03/09/2012 - 16h58 Plenário - Pronunciamentos - Atualizado em 03/09/2012 - 17h20


Da Redação

“Há dois anos o Brasil patina sem sair do lugar”, disse em pronunciamento nesta segunda-feira (3) o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), ao lamentar o baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2012. O país registrou avanço de apenas 0,4%, na comparação com os três primeiros meses do ano, quando o crescimento, agora revisto, fora de apenas 0,1%, de acordo com dados recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

- O país continua crescendo pouco. Pior que isso, não exibe perspectiva confiável de que irá recuperar o ímpeto mais á frente. São anos de desacertos que cobram agora o seu preço. Vão desde opções equivocadas de política econômica à irresponsabilidade exigida pela gestão petista para eleger Dilma Rousseff – afirmou.

A taxa de crescimento acumulada nos últimos doze meses foi de 1,2%, o que indica, para todos os efeitos, que essa é a velocidade com que a economia brasileira roda hoje, disse Alvaro Dias.

- Seu ápice coincide justamente com o período da eleição da presidente Dilma. No terceiro trimestre de 2010, o país acumulava 7,6% de crescimento em doze meses. Desde então, sistematicamente o indicador desceu ladeira abaixo, até chegar a 1,2%. Há apenas um ano estava em 4,9% – afirmou.

No entender de Alvaro Dias, esses números significam “muito claramente o quanto a gestão petista acelerou artificialmente o país para criar um clima de euforia e eleger a presidente”. O senador afirmou ainda que “a exaustão cobrou seu preço e o motor fundiu” e que “o paradeiro atual é, evidentemente, fruto da irresponsabilidade eleitoreira”.

- A presidente [Dilma Rousseff] coleciona uma série nada invejável de recordes. O PIB teve o pior semestre desde 2009, com alta de apenas 0,6%.
São quatro trimestres crescendo abaixo de 1%, patamar considerado mínimo para o país decolar. Trata-se do mais longo ciclo de baixo crescimento desde o Plano Real. Se o passado não brilha, o futuro apresenta-se igualmente opaco – afirmou.

Para Alvaro Dias, parte importante deste “mau resultado” também deve-se ao “frustrante” desempenho das empresas estatais, que não conseguem executar o que o Orçamento da União prevê. Um dos componentes mais fracos da economia hoje é a indústria, que caiu 2,5% no trimestre em relação aos três primeiros meses de 2012, afirmou.

- O setor que já respondeu por cerca de um terço da nossa economia, hoje se encolheu à dimensão que tinha antes da era JK. A participação da indústria da transformação no PIB retrocedeu a 12,8%, menor índice já registrado pelo IBGE – afirmou.

O senador disse ainda que o “setor externo é outra decepção”. Ele explicou que, como a demanda ainda está aquecida, à base de estímulos oficiais ao consumo, e a indústria fraqueja, o mercado é atendido por importações, que cresceram 1,9% no trimestre. Ao mesmo tempo, as exportações brasileiras não conseguem abrir espaço no mercado internacional, enquanto produtos em que o país se saía bem, como minério de ferro, açúcar e café, vêem seus preços cair.

Alvaro Dias lembrou ainda que, em audiência pública recente no Senado, questionou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que prevê crescimento de 4% do PIB brasileiro em 2012, contra previsões do mercado que apontam alta de apenas 1,64%.

- Como se vê, mais uma vez, as previsões do ministro não se confirmam.
Creio que o ministro precisa rever o seu conceito em relação a crescimento econômico ou deixar de fazer previsões otimistas, como vem fazendo, e colocar os pés no chão da realidade econômica do nosso país. Há alguns meses, já havia previsão no exterior sobre o crescimento pífio da economia brasileira. O ministro deve agora estar rezando – concluiu.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".