Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 13 de março de 2012

Um flagrante da criminosa atuação política do CFP

 

LUCIANO AYAN

 

Fonte: Libertatum (por Klauber Cristofen Pires)

Eis abaixo (mais) uma prova do incontestável e criminoso protagonismo político exercido pelo CFP – Conselho Federal de Psicologia, ao apoiar publicamente a Criação do Conselho de Comunicação Social do Estado do Ceará – o órgão segue as diretrizes do famigerado PNDH-3 e foi criado para implantar a censura naquele estado. Vejam como o texto demonstra sua oposição ostensiva aos “setores conservadores da sociedade”. O documento está em formato PDF (com link no título) e foi transcrito em forma de texto logo abaixo. Como precaução contra futuros e “misteriosos” sumiços, gravei o texto e a página da internet com o recurso de “print screen”. Atentem para quem subscreve o manifesto, especialmente o último.

Manifesto em defesa do Conselho de Comunicação Social e da democracia

As entidades abaixo assinadas manifestam publicamente seu total apoio à criação do Conselho de Comunicação Social do Estado do Ceará e repudiam, de forma veemente, as tentativas de setores conservadores da sociedade de desqualificar a decisão da Assembleia Legislativa do Estado de propor ao governador Cid Gomes (PSB) a criação de um órgão que possibilitará a efetiva participação da sociedade cearense na criação de políticas públicas em comunicação do Estado.

Um Conselho tem como finalidade principal servir de instrumento para garantir a participação popular, o controle social e a gestão democrática das políticas e dos serviços públicos, envolvendo o planejamento e o acompanhamento da execução destas políticas e serviços públicos. Atualmente, existem conselhos municipais, estaduais e nacionais, nas mais diversas áreas, seja na Educação, na Saúde, na Assistência Social, entre outros. Um Conselho de Comunicação Social é, assim como os demais Conselhos, um espaço para que a sociedade civil, em conjunto com o poder público, tenha o direito a participar ativamente na formulação de políticas públicas e a repensar os modelos que estão instituídos.

Longe de ser uma tentativa de censura ou de cerceamento à liberdade de imprensa, como tenta fazer crer a grande mídia (nada mais que uma dúzia de famílias) e seus prepostos, o Conselho é uma reivindicação histórica dos movimentos sociais, organizações da sociedade civil, jornalistas brasileiros e setores progressistas do empresariado que atuam pela democratização da comunicação no Brasil e não uma construção de partido político A ou B. E mais, falta com a verdade quem diz ser inconstitucional o Conselho de Comunicação, pois este está previsto na Constituição, no Artigo 224, que diz “Para os efeitos do disposto neste capítulo, o Congresso Nacional instituirá, como seu órgão auxiliar, o Conselho de Comunicação Social, na forma da lei”, com direito a criação de órgãos correlatos nos estados, a exemplo dos demais conselhos nacionais.

Uma das 672 propostas democraticamente aprovadas pelos milhares de delegados e delegadas da sociedade civil empresarial, não-empresarial e do poder público, participantes da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), os Conselhos de Comunicação Social são a possibilidade concreta de a sociedade se manifestar contra arbitrariedades e abusos cometidos pelos veículos, cuja programação é contaminada por interesses comerciais, que muitas vezes violam a legislação vigente e desrespeitam os direitos e a dignidade da pessoa humana. A desfaçatez com que o baronato da mídia e seus asseclas manipulam a opinião pública, na tentativa de camuflar a defesa de interesses econômicos e políticos que contrariam a responsabilidade social dos meios de comunicação e o interesse público, merece o mais amplo repúdio do povo brasileiro.

Eles desrespeitam um princípio básico do jornalismo, que é ouvir diferentes versões dos acontecimentos, além de fugir do debate factual, plantando informação. É chegada a hora de a sociedade dar um basta à manipulação da informação, unindo-se aos trabalhadores, consumidores, produtores e difusores progressistas na defesa da criação, pelo poder público, dos Conselhos de Comunicação Social. Somente assim, o povo cearense evitará que o Governo do Estado sucumba à covarde pressão de radiodifusores e proprietários de veículos impressos que ainda acreditam na chantagem e na distorção da verdade como instrumento de barganha política.

Que venham os Conselhos de Comunicação Social, para garantir à sociedade brasileira o direito à informação plural, a liberdade de manifestação de pensamento, criação, e a consolidação da democracia nos meios de comunicação.

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ
Sindicato dos Jornalistas do Estado de Alagoas
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amapá
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará – Sindjorce
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Piauí
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul
Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Sergipe
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC
Sindicato dos Gráficos do Estado do Ceará – Sintigrace
Instituto de Juventude Contemporânea – IJC
Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé (SP)
Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária no Ceará – Abraço/CE
Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária de São Paulo – Abraço/SP
Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social
Associação Cearense de Emissoras de Rádio e TV Comunitária – AcertCom
Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social (Enecos)
TV UMLAW
Sindicato dos Vigilantes do Estado do Ceará – SindVigilante
Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Valores do Ceará – SindValores
Centro de Defesa da Criança e do Adolescente do Ceará – Cedeca/CE
Associação União dos Moradores de Luta do Álvaro Weyne
União da Juventude Socialista – UJS
Grupo de Resistência Asa Branca – GRAB
Associação Comunitária do Bairro Ellery
Movimento Pró-Parque Raquel de Queiroz
Associação Comunitária do Bairro Monte Castelo
União Brasileira de Mulheres – UBM
Agência de Informação Frei Tito para América Latina – Adital
Fábrica de Imagens – ações educativas em cidadania e gênero
Catavento Comunicação e Educação
Rede de Adolescentes e Jovens Comunicadores e Comunicadoras do Brasil
Sindicato dos Operadores de Turismo do Ceará
Rede de Jovens do Nordeste
Cia. de Teatro Arte Amiga
Cia Tesouro Nordestino
Pastoral da Juventude do Canindezinho – PJ
Grupo Vida e Arte
Centro Cultural de Arte Capoeira na veia
Associação Zumbi Capoeira
Grupo Pensar Lutar
Cia. de Teatro Arte Amiga
Tesouro Nordestino
Futsal Caça e Pesca
Associação Zumbi Capoeira do Pirambu
Pastoral da juventude (Canindezinho)
Grupo Pensar Lutar e Vencer (Pastoral da Juventude Maraponga)
Grupo Tapa (Temos amor pela arte)
Espaço Solidário (ESSO)
Juventude Negra Kalunga
Terreiro Capoeira
Grêmio estudantil Juventude Ativa
Vidas e Vozes da Juventude
Juventude Atitude (CDI)
Cine Rua
Centro de Apoio a Vida
Grupo Aprendizes de Papel
Grupo Budega Chic
Centro Popular de Cultura e Ecocidadania – CENAPOP
Grupo Cultural Entreface – Identidade Juvenil, Comunicação e Cidadania/MG
Coletivo de Jovens Feministas de PE
Associação Comunitária Portal do Benfica
Cipó Comunicação Interativa (Salvador-BA)
União Nacional dos Estudantes – UNE
Frente Cearense Por Uma Nova Cultura da Água e Contra a Transposição das Águas do Rio São
Francisco
Instituto Jera – Feira de Santana/BA
Setorial de Comunicação e Cultura PSOL
Conselho Federal de Psicologia – CFP (Grifos meus)

MEUS COMENTÁRIOS

Agora, a regra é clara para o Conselho Federal de Psicologia. Apoiar qualquer tipo de religião (como fez a Marisa Lobo) pode gerar a cassação do registro de um psicólogo. Mas apoiar a religião política, mesmo em um ação para implementação da censura no estado do Ceará,  não só é permitido, como também motivo de orgulho para eles.

É evidente que o Conselho Federal de Psicologia já não tem mais legitimidade alguma.

Eu continuo achando que o caso da Marisa Lobo tem que ser estudado em maiores detalhes. O meu argumento é o seguinte: caso exista algum psicólogo que cite idéias humanistas e/ou de outras religiões, e NÃO TENHA SIDO AMEAÇADO NOS MESMOS MOLDES que a Marisa Lobo, está configurado o ato de preconceito, e portanto ela já poderia entrar com ação judicial nesse sentido. Mas se o CFP tiver agido da mesma forma em outros casos, ela não teria muito do que reclamar.

Se eu ainda tenho dúvidas em relação ao caso de Marisa Lobo, em relação ao CFP não há mais dúvida alguma: é uma instituição que precisa ser questionada do início ao fim, em todas as suas manifestações públicas.

Se não é função de psicólogo mencionar uma religião (segundo o CFP), muito menos é a de orientar os outros no sentido de estabelecer uma censura na mídia, que beneficiaria neste caso, como não poderia deixar de ser, a esquerda.

Tradução: na linguagem da CFP, falar para alguém ir na Igreja, não pode, mas falar para estabelecer a censura na mídia, pode. Esse pessoal devia estar sob tratamento mental, e não liderando um “conselho” de psicologia.

Um comentário:

gutenberg disse...

Pois é, Cavaleiro, não à toa instrumentalizaram o CFP.
Psicólogos e psiquiatras prestaram um bom serviço à União Soviética mandando opositores para hospícios.
O CFP estar na lista até que não me surpreende tanto, o espanto são os vários sindicatos de Jornalistas!
Nunca vi uma categoria tão ligada à censura. E ainda têm coragem de criticar a censura dos anos 60/70.
Creio que o que eles criticam é o fato de não terem sido eles a censurar.
Cambada de totalitários!

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".