Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Notas sobre o Estado e a liberdade


REVISTA VILA NOVA
11 jan 2012, às 12:20

Postado por Taiguara Fernandes de Sousa

Por RAFAEL VITOLA BRODBECK.

A finalidade do homem é a contemplação e a posse do bem. É para isto que ele está ordenado. A ordem, portanto, no homem, é o caminhar para esse bem, contemplando-o e, enfim, o possuindo.

E para que atinja essa sublime finalidade, conta o homem, ser social que é, com a ajuda do próximo, mormente da família em que está naturalmente inserido, bem como de estruturas também naturalmente escalonadas, de modo hierárquico e orgânico: a comunidade em que se insere, sua cidade, o Estado. Reside aí também o que se chamou princípio da subsidiariedade. A sociedade em que o homem se insere está disposta para que o ajude na contemplação e na posse do bem, e tanto mais o auxiliará quanto mais próxima dele estiver, de modo que os corpos sociais intermédios, por conta disso, lhe prestarão a ajuda necessária, e, não o podendo, vindo o Estado em seu socorro.

O homem, para atingir a finalidade para a qual existe, deve continuamente fazer opções, deve eleger, com isso usando sua liberdade. A liberdade lhe é ontológica. Não se pode pensar o homem, naturalmente disposto à contemplação e à posse do bem, se lhe reconhecer que, para isso, deva trilhar caminhos que não estão dispostos de modo fatalista. Todavia, nem sempre o homem opta corretamente, nem sempre faz bom uso de sua liberdade, e isso porque se encontra em seu próprio interior uma tendência ao mal. Não é o homem absolutamente mau, como sustentava Calvino e lhe seguiram os puritanos. Sem embargo, não o é total e absolutamente bom, como na teoria de Rousseau. Não é a sociedade que lhe pressiona ao mal, sendo ele, em si e somente, bom. A sociedade não pode ser abstratamente considerada, pois é formada não por etéreos corpos voadores, e sim por pessoas concretas, as quais, se fossem total e absolutamente boas, sem nenhuma maldade ou tendência ao mal, não poderiam gerar uma sociedade, do contrário, má e influenciadora do mal no homem. Se há maldade na sociedade, como pretendia Rousseau, então é porque reside o mal ou uma tendência a ele no próprio homem, o que põe por terra a filosofia do francês.

Uma das formas dos entes sociais – família, comunidade, Estado – ajudarem o homem a atingir sua finalidade, qual seja, a contemplação e a posse do bem, é justamente lhe fornecendo instrumentos para que o descubra e o deseje. Não podem esses entes, por um lado, se substituírem uns aos outros, o maior absorvendo o menor, nem, por outro, obrigarem o homem ao bem. Se a sua finalidade só se atinge pelo uso da liberdade, o Estado, ao minar a mesma pela coerção ao bem, não atinge o resultado esperado. Poderá o homem, nessas condições, obrigado pela força social, dar uma adesão exterior ao bem, porém não de modo livre, o que, em última instância, não será a contemplação e a posse do bem.

Os corpos sociais devem fazer reinar a ordem, mas esta se coaduna com a liberdade ontológica do ser humano, a fim de que este atinja sua finalidade. A ordem sem liberdade não é verdadeira ordem, assim como a liberdade sem ordem não é legítima liberdade.

Auxiliando o homem para que alcance, com o reto uso de sua liberdade, a contemplação e a posse do bem, vigiarão o próximo, sua família, sua comunidade, o Estado, para que outro homem, no mau uso da mesma liberdade, não lhe ponha óbice. Noutros termos, a função judicial dos corpos sociais, mormente daqueles com condições de resolver as situações, o que, em muitos casos é o Estado, está em defender o homem para que este cumpra sua vocação em direção ao bem a ser contemplado e possuído, defesa essa diante de outro homem que, sem deixar de tender ao bem, elege mal, faz uso distorcido de sua liberdade e, com isso, impede ou obstrui o primeiro. A justiça, gerando a paz, e sendo esta a tranqüilidade na ordem, está em auxiliar o homem obstruído em sua vocação à contemplação e posse do bem, fazendo cessar, pela coerção moderada, a ação injusta daquele que lhe obstrui, e também em fornecer ao primeiro, pelo malefício sofrido, instrumentos compensatórios.

Quando, todavia, a obstrução de um homem sobre outro é tal que a realização de sua finalidade ontológica fica seriamente perturbada, entra em cena a justiça eminentemente penal. A essa obstrução mais gravosa corresponde o crime, o delito, a qual espera reprimenda mais dura da parte da sociedade. Não apenas uma coerção moderada ou instrumentos compensatórios para fazer cessar o óbice, e sim uma admoestação proporcional, que tire o poder, mormente de locomoção, do injusto agressor. O Estado, assim, protege o homem agredido, moral ou fisicamente, para que este cumpra com sua vocação primeva e possa continuar apto a eleições livres rumo à contemplação e posse do bem.

Mas não tira o Estado a liberdade do homem que pune? Não. A liberdade cerceada é apenas aparente. Atrás das grades ou sentenciado à morte, continua o homem punido com capacidade de fazer escolhas, boas e más, e, tendo feito mau uso da liberdade para prejudicar o próximo, sempre pode tornar a fazer um uso desta vez benéfico daquela.

Aliás, é para proteger a própria liberdade, inclusive do injusto agressor, que, por vezes, a sociedade o defende de si próprio. Não cabe, já o dissemos, ao Estado substituir-se ao indivíduo e escolher por ele, nem forçá-lo a eleições que lhe são pessoais. Se o homem faz mau uso de sua liberdade, o Estado e os corpos intermédios só teriam legitimidade de aplicar sua sanção – criminal ou não – quando essa corrupção da liberdade atingir a do próximo, i.e., quando a escolha de um indivíduo rumo à sua finalidade perturbar o caminho do próximo na realização de sua vocação.

O Estado, como dissemos na primeira linha do parágrafo acima, todavia, não se substitui ao homem quando o defende de si próprio. Em situações ordinárias, deve a sociedade defender um homem de outro. Há, porém, circunstâncias em que o homem, no mau uso de sua liberdade, deve ser protegido de si mesmo, e também aqui age o Direito.

Não em todas as situações, é forçoso dizer, mas naquelas, excepcionalíssimas, em que a corrupção da liberdade é tal que atinge sua própria noção. Ou seja, quando o mau uso da liberdade é justamente a tentativa de abdicar da mesma pelo amortecimento da sua consciência ou pela renúncia absoluta à busca pelo bem – ainda que não corresponda a idéia que tem de bem à realidade dos fatos.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".