Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Católicos brasileiros respondem com um 'tuitaço' para o novo ataque contra o Papa

SENTIR COM A IGREJA
quinta-feira, 19 de janeiro de 2012


Será uma grande resposta nas redes sociais ao congressista gay Jean Wyllys (PSOL) que, usando das mentiras da Reuters atribuindo declarações falsas ao Pontífice, desqualifica-o chamando-o de "nazista" e "genocida em potencial."




Charge A Família Wyllys em 2031, com Luiz Mott, defensor da pedofilia, esbravejando à porta.

EDITORIAL HO / CNA.- Tomando como fonte a agência de notícias da Reuters sobre uma declaração de que o Papa nunca falou sobre o 'casamento gay', um congressista gay no Brasil atacou o pontífice chamando-o de "nazista" e "genocida em potencial."

Jean Wyllys, do PSOL, escreveu em 12 janeiro passado um artigo intitulado Bento XVI e as ameaças à humanidade publicado no semanário Carta Capitalno qual afirma que o Papa "acusado de ver com simpatia ao nazismo, disse que o casamento igual civil (gay) é uma ameaça para a humanidade" e escreveu em seu twitter que o Santo Padre "é um genocida em potencial".

As reclamações de Wyllys têm sua origem em uma nota escrita pelo correspondente da Reuters no Vaticano, Philip Pullellaem que o jornalista disse que "o Papa Bento XVI disse hoje que o casamento gay é uma das várias ameaças à família tradicional que ameaçam 'o próprio futuro da humanidade'" atribuindo-lhe uma frase que ele não proferiu.


Reação cívica
Os católicos brasileiros decidiram convocar uma "tuitaço" (protesto na rede social Twitter) para protestar contra os ataques de Willys, sob o lema "Onde se viu um deputado caluniar um chefe de Estado?". O tuitaço está agendada para 19 de janeiro às 18h (Brasil). Os católicos também estão promovendo a recolha de assinaturas para exigir uma retratação de Willys.
Sobre os ataques de Willys ao Santo Padre, o Bispo de Aracaju (Nordeste do Brasil), Dom Henrique Soares, denunciou a "sujeira e má fé da imprensa em geral, quando se trata de a Igreja e o Papa Bento XVI."


O prelado criticou a "desonestidade da imprensa, que sempre busca, de modo tão falso, distorcer as palavras do Papa para torná-lo desagradável e detestável à opinião pública." "Eu não me importo sobre se o Papa agrada ou não os meios de comunicação ou aos 'papas'da cultura atual secular, mas irrita-me a sordidez da imprensa que quer se passar por justa e honesta", disse ele.

Um blog católico no Brasil também questionou o deputado homossexual. Dele escreveu que "Jean Wyllys, que afirma lutar contra o preconceito, espalha através de redes sociais uma série de comentários irresponsáveis ​​e venenosos com o objetivo de ir contra o Papa Bento XVI, a Igreja Católica e qualquer um que ouse discordar opinião que anseia para implementar a cultura gay. Estes são então rotulados de homofóbicos".

Manipulação absoluta e desconhecimento
A este respeito, outro jornalista, o britânico Andrew Brown do The Guardian disse que, depois de ler o discurso completo do Santo Padre ao Corpo Diplomático na segunda-feira em 9 de Janeiro, o papa nunca mencionou o "casamento gay".


"Sim, o Papa é católico. Mas ele não disse que o casamento gay é uma ameaça para a humanidade. O Papa Bento XVI disse muito sobre a ecologia e economia em seu discurso. Então, por que inventar outra história?" Brown escreveu em seu artigo também reproduzido em italiano pelo jornal do Vaticano L'Osservatore Romano.

O deputado homosexual Jean Wyllis também ignora os ataques que o Papa Bento XVI sempre fez ao nazismo e não negou ter feito parte da Juventude Hitlerista como, "recusar-se a pertencer a eles era ser condenado a ser enviado para um campo de reeducação, algo como um campo de concentração", disse Volker Dahm, diretor de pesquisa sobre a era nazista do Instituto de História Contemporânea de Munique.

Além disso, e entre os muitos fatos que mostram a força moral de Ratzinger, em dezembro de 1932, devido às críticas abertas do pai aos nazistas, a família foi forçada a se mudar para Auschau am Inn, ao pé dos Alpes.

Talvez um dos momentos em que o Papa falou mais claramente sobre o tema do Holocausto - tema que sempre acolheu e recebeu a rejeição do Santo Padre - foi em Auschwitz, Polônia, onde em maio 2006 disse que "falar neste lugar de horror, neste lugar onde os crimes em massa sem precedentes foram cometidos contra Deus e o homem, é quase impossível e é particularmente difícil e perturbador para um cristão, para um papa da Alemanha."

"Em um lugar como este faltam as palavras, no final, só pode haver um seco silêncio, um silêncio que por si só é um grito do coração a Deus: Por que, Senhor, permanecestes em silêncio? Como poderias tolerar isso?"

"Em silêncio, então, nós inclinamos nossas cabeças antes da fila interminável de pessoas que sofreram e foram mortas; que o nosso silêncio torna-se uma oração de perdão e reconciliação, de oração para o Deus vivo para que não deixe isso acontecer de novo", disse então o Papa.

Tradução: Emerson de Oliveira

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".