Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Apostulado dos palavrões

JOSEMARIA ESCRIVÁ


Página das obras do fundador da Opus Dei



831És, entre os teus, alma de apóstolo, a pedra caída no lago. - Produz, com o teu exemplo e a tua palavra, um primeiro círculo...; e este, outro... e outro, e outro... Cada vez mais largo.

Compreendes agora a grandeza da tua missão?


832Que preocupação há no mundo por mudar de lugar! - Que aconteceria se cada osso, se cada músculo do corpo humano quisesse ocupar um posto diferente do que lhe compete?

Não é outra a razão do mal-estar do mundo.

- Persevera no teu lugar, meu filho; daí, quanto não poderás trabalhar pelo reinado efectivo de Nosso Senhor!


833Chefes!... Viriliza a tua vontade, para que Deus te torne chefe. Não vês como procedem as malditas sociedades secretas? Nunca conquistam as massas. - Nos seus antros, formam uns tantos homens-demónios que se agitam e movimentam as multidões, tresloucando-as, para fazê-las ir atrás deles, ao precipício de todas as desordens... e ao inferno. - Eles levam uma semente amaldiçoada.

Se tu quiseres..., levarás a palavra de Deus, mil e mil vezes bendita, que não pode falhar. Se fores generoso..., se corresponderes com a tua santificação pessoal, obterás a dos outros: o reinado de Cristo - "omnes cum Petro ad Jesum per Mariam"*.

* N. do T.: Todos, com Pedro, a Jesus por Maria.


834Há maior loucura do que lançar aos punhados o trigo dourado na terra, para que apodreça?

- Sem essa generosa loucura não haveria colheita.

Filho: como andamos de generosidade?


835Brilhar como uma estrela?... Ânsia de altura e de ser luz acesa no Céu?

Melhor: queimar com uma tocha, escondido, pegando o teu fogo a tudo aquilo em que tocas. - Este é o teu apostolado; para isso estás na Terra.


836Servir de altifalante ao inimigo é uma soberana idiotice; e, se o inimigo é inimigo de Deus, é um grande pecado. - Por isso, no terreno profissional, nunca louvarei a ciência de quem se serve dela como cátedra para atacar a Igreja.

837Galopar, galopar!... Fazer, fazer!... Febre, loucura de mexer-se... Maravilhosos edifícios materiais...

Espiritualmente: tábuas de caixote, percalinas, cartões pintalgados... galopar!, fazer! - E muita gente a correr; ir e vir.

É que trabalham para o momento que passa: "estão" sempre "no presente". - Tu... hás-de ver as coisas com os olhos de eternidade, "tendo no presente" o fim e o passado...

Quietude. - Paz. - Vida intensa dentro de ti. Sem galopar, sem a loucura de mudar de sítio, no lugar que na vida te corresponde, como um poderoso gerador de electricidade espiritual, a quantos não darás luz e energia!... Sem perderes o teu vigor e a tua luz.


838Não tenhas inimigos. - Tem apenas amigos... da direita - se te fizeram ou quiseram fazer-te bem - e... da esquerda - se te prejudicaram ou tentaram prejudicar-te.

839Não contes episódios do "teu" apostolado, a não ser para proveito do próximo.

840Que passe inadvertida a vossa condição como passou a de Jesus durante trinta anos.

841José de Arimateia e Nicodemos visitam Jesus ocultamente, em tempo normal e na hora do triunfo.

Mas são valentes declarando, perante a autoridade, o seu amor a Cristo - "audacter" - com audácia, na hora da cobardia. - Aprende.


842Não vos preocupeis se pelas vossas obras "vos conhecem". - É o bom odor de Cristo. - Além disso, já que trabalhais sempre e exclusivamente por Ele, alegrai-vos de que se cumpram aquelas palavras da Escritura: "Que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus".

843"Non manifeste, sed quasi in occulto" - não com publicidade, mas ocultamente. Assim vai Jesus à festa dos Tabernáculos.

Assim irá, a caminho de Emaús, com Cleofas e o seu companheiro. - Assim O vê, ressuscitado, Maria de Magdala.

E assim - "non tamen cognoverunt discipuli quia Jesus est", os discípulos não conheceram que era Ele - foi à pesca milagrosa que nos conta São João.

E mais oculto ainda, por amor dos homens, está na Hóstia.


844Erguer magníficos edifícios?... Construir palácios sumptuosos?... Que os ergam... Que os construam...

Almas! - Vivificar almas..., para aqueles edifícios... e para estes palácios!

Que bonitas casas nos preparam!


845Como me fizeste rir e como me fizeste pensar ao dizeres-me esta verdade de senso comum: Eu... espeto sempre os pregos pela ponta.

846De acordo: fazes melhor trabalho com essa conversa familiar ou com aquela confidência isolada, do que perorando - espectáculo, espectáculo! - em lugar público, perante milhares de pessoas.

Contudo, quando houver que discursar, discursa.


847O esforço de cada um de vós, isolado, é ineficaz. - Se vos unir a caridade de Cristo, ficareis maravilhados com a eficácia.

848Queres ser mártir. - Eu te indicarei um martírio ao alcance da mão: ser apóstolo e não te chamares apóstolo; ser missionário - com missão - e não te chamares missionário; ser homem de Deus e pareceres homem do mundo. Passar inadvertido!

849Mete-o a ridículo, homem! - Diz-lhe que está fora de moda; parece mentira que ainda haja gente obstinada em crer que é bom meio de locomoção a diligência... - Isto, para os que renovam voltairianismos de cabeleira empoada, ou liberalismos desacreditados do século XIX.

850Que conversas! Que baixeza e que... nojo! - E tens de conviver com eles, no escritório, na universidade, no consultório..., no mundo.

Se pedes por favor que se calem, troçam de ti. - Se fazes má cara, insistem. - Se te vais embora, continuam.

A solução é esta: primeiro, pedir a Deus por eles e desagravar; depois..., enfrentá-los, varonilmente, e empregar o "apostolado dos palavrões". - Quando te vir, hei-de dizer-te ao ouvido um bom repertório.


851Orientemos as "providenciais imprudências" da juventude.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".