Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Peluso proclama que vida de ministro do Supremo não pode ser objeto de cogitação, de investigação ou de violação de sigilo fiscal e bancário

ALERTA TOTAL
QUINTA-FEIRA, 22 DE DEZEMBRO DE 2011

Edição do Alerta Total – http://www.alertatotal.net
Leia mais artigos no site Fique Alerta – www.fiquealerta.net
Por Jorge Serrão

O poder dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal é infinitamente superior ao poder de Deus. Não deixam dúvidas de que o STF é um poder absoluto, sem controle, as palavras do próprio presidente da Corte Suprema Tupiniquim. O ministro Cezar Peluso escreveu em uma nota oficial que “nos termos expressos da Constituição, a vida funcional dos ministros do Supremo Tribunal Federal não pode ser objeto de cogitação, de investigação ou de violação de sigilo fiscal e bancário por parte da Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça”.

Cezar Peluso foi obrigado a ser curto e grosso no assunto na defesa de um caso quase particular. O ministro apoiou a decisão de seu colega Ricardo Lewandowski, suspendendo a inspeção feita pelo CNJ na folha de pagamento do Tribunal de Justiça de São Paulo. A retórica suprema teria nada demais, não fossem Peluzo e Lewandowski beneficiários de pagamentos de um velho passivo trabalhista pago pelo TJ-SP onde os dois atuavam como magistrados. Em tese, não há nada de irregular no recebimento.

O caso se transformou em uma confusão institucional porque, em São Paulo, 17 desembargadores receberam pagamentos individuais de quase R$ 1 milhão de uma só vez, e na frente de outros juízes também com direito às mesmas diferenças salariais. O dinheiro faz parte de um “auxílio moradia” devido aos magistrados desde a década de 90. O benefício, que era pago apenas a deputados e senadores, acabou estendido a juízes de todo o País. O que os juízes receberam foi a retroatividade.

O grande medinho é que houvesse um cruzamento de dados da folha de pagamento do tribunal paulista com as declarações de renda dos juízes. A tese prévia era de que a evolução patrimonial de alguns deles seria incompatível com a renda dos magistrados. O caso ganhou tons escandalosos porque, pelo menos em São Paulo, só se falava em “devassa do CNJ nas contas do tribunal e seus juízes”. Se assumisse este tom, a investigação do CNJ seria ilegal e inconstitucional.

Dirigentes da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) denunciaram ontem que a corregedora-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Eliana Calmon, tenta promover uma devassa na vida de 231 mil pessoas, entre juízes, familiares e servidores de 22 tribunais.

O susto gerou a reação violenta da cúpula do Judiciário – que rapidamente acionou seus poderes divinos para mandar parar com tudo que estivesse rolando, de certo ou errado.

Movimentação estranha

A corregedora Eliana Calmon teria partido para cima dos tribunais depois que recebeu um dossiê do Conselho de Controle de Atividades Financeiras.

O Coaf detectou um volume de R$ 173,6 milhões em movimentações em espécie, sendo que 34,9% do total estavam concentrados na justiça paulista, no Tribunal de Justiça do DF e no TJ-BA.

Em 2008, três pessoas, duas do Tribunal Militar de São Paulo e uma do TJ-BA, apareceram na lista de comunicação de movimentação atípica de R$ 116,5 milhões em um ano.

Dura nota de Peluzo

O presidente do STF pegou pesado em sua nota oficial:

"O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, repudia insinuações irresponsáveis de que o ministro Ricardo Lewandowski teria beneficiado a si próprio ao conceder liminar que sustou investigação realizada pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra magistrados de 22 tribunais do país”.

“Em conduta que não surpreende a quem acompanha sua exemplar vida profissional, o ministro Lewandowski agiu no estrito cumprimento de seu dever legal e no exercício de suas competências constitucionais. Inexistia e inexiste, no caso concreto, condição que justifique suspeição ou impedimento da prestação jurisdicional por parte do ministro Lewandowski”.

“Nos termos expressos da Constituição, a vida funcional do ministro Lewandowski e a dos demais ministros do Supremo Tribunal Federal não podem ser objeto de cogitação, de investigação ou de violação de sigilo fiscal e bancário por parte da Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça”.

“Se o foi, como parecem indicar covardes e anônimos vazamentos veiculados pela imprensa, a questão pode assumir gravidade ainda maior por constituir flagrante abuso de poder em desrespeito a mandamentos constitucionais, passível de punição na forma da lei a título de crimes."

Lamentar é preciso...

A senadora Ana Amélia (PP-RS) lamentou o fato de a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) não ter analisado, ontem de manhã, a Proposta de Emenda à Constituição 97/2011:

Seria uma forma de recuperar e fortalecer o CNJ e mostrar que nenhum poder está livre de fiscalização”.

Proposta pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO), a PEC pretende tornar mais claras as competências do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Corregedoria Nacional de Justiça – agora alvos dos ataques corporativos dentro do Judiciário.

Leia o artigo de José Roberto Romeu Roque e Luiz Eduardo Díaz: Não se pode admitir Poder sem controle externo. 

Posse confirmada

Católico ultrafervoroso, o desembargador Ivan Sartori assume a presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) no próximo dia 2 de janeiro, às 16 horas, no Palácio da Justiça.

Sua posse tinha sido questionada, no CNJ, pelo vice-presidente Antonio Augusto Corrêa Viana.

Desembargadores mais antigos reclamaram da pouca idade de Sartori (54 anos) que será o mais novo presidente da história da Corte paulista, quebrando um esquema de poder que há anos dominava o tribunal.

Deu zebra...

Pegou todos os desembargadores de surpresa a vitória de Ivan Sartori por 164 votos, na eleição para o biênio 2012-2013 do TJ paulista.

O atual presidente, José Roberto Bedran, já dava a reeleição como certa, mas recebeu apenas 147 votos dos colegas.

Como os desembargadores mais antigos se recusaram a participar do pleito, deu zebra na eleição, com a vitória do candidato que tinha o apoio de gente de pesodivino no mundo jurídico, como o advogado Ives Gandra...

Empreiteiros felizes

O vice-presidente Michel Temer e o ministro de Assuntos Estratégicos Wellington Moreira Franco são os grandes articuladores do Plano de Articulação e Equipamentos de Defesa.

O PAED deverá analisar pesquisa, desenvolvimento, manutenção operativa, recuperação da capacidade operacional, harmonização de projetos, preferência de aquisição de produtos de defesa no Brasil e transferência de tecnologia, quando a aquisição ocorrer no exterior.

Agora os militares estão até esperançosos de que o reequipamento saia do papel, porque as grandes empreiteiras – interessadas no negócio – sempre fazem tudo que Moreira e o PMDB pedem...

É brinquedo ou não é?

O desembargador Paulo Rangel, do plantão judiciário do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, mandou soltar o coronel Djalma Beltrami, comandante do 7º BPM (São Gonçalo), a quem a Polícia Civil acusou de levar grana do tráfico para aliviar as atividades criminosas.

Rangel afirmou que o juiz da 2ª Vara Criminal de São Pedro da Aldeia, que expediu o mandado de prisão contra Beltrami, deixou-se levar "pela maldade da autoridade policial, que entendeu que ‘zero um’ só podia ser o comandante”:

“A versão da autoridade policial colocou, até então, um inocente na cadeia. Investigação policial não é brinquedo de polícia".

O habeas corpus em favor do militar foi impetrado pela defensora Cláudia Valéria Taranto.

Cobrança indevida

No fim de ano, o consumidor deve ficar atento no instante em que receber sua fatura de cartão de crédito para não correr o risco de pagar por compras não realizadas.

Ao receber uma cobrança indevida, a primeira coisa a se fazer é entrar em contato com a administradora do cartão e informar o problema, pedindo um formulário de contestação para estorno.

Vale ressaltar que, se a quantia indevida não for paga, o nome do consumidor não pode ser inscrito em cadastros de proteção ao crédito, como o Serasa.

Cuidados

O cliente deve explicar que não reconhece a dívida e a partir deste momento a cobrança já deve ser suspensa.

É importante solicitar o número do protocolo do atendimento e anotar a hora da ligação e nome de quem o tenha atendido.

Caso o estorno não seja realizado, pode-se recorrer aos órgãos de defesa do consumidor e exigir a devolução dos valores em dobro.

Os conselhos úteis são da Associação de Magistrados do Rio de Janeiro.

Mudança na Peugeot

Frédéric Drouin assume a presidência da Peugeot no Brasil a partir de 1º de janeiro de 2012.

O executivo franco-suíço, de 46 anos, já atuou como Diretor de Marketing da Peugeot no Brasil entre 1997 e 2000.

Ao assumir a nova função, o executivo irá suceder a Guillaume Couzy, que ocupará o cargo estratégico de Diretor de Marketing e Comunicação global da Marca Peugeot.

Pesquisa acadêmica

O jornalista Fred Ghedini faz uma pesquisa sobre a relação dos jornalistas com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo,que ele presidiu nos anos de 2000 e 2006.

O levantamento faz parte da tese de doutorado que Ghedini prepara junto ao Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da USP.

Quem for jornalista em algum dos 645 municípios do Estado de São Paulo pode, em poucos minutos, responder o questionário no endereço: www.eca.usp.br/cje/pesquisajornalista

Perigo do pensamento único

Pesquisar o "Trabalho do Professor nas Federais - Significado e Estranhamento" é o estudo mais recente do professor João dos Reis Silva Júnior, do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

A pesquisa buscou tratar da mudança do trabalho do professor na universidade pública brasileira nas últimas duas décadas:

"A conclusão aponta, simultaneamente, para a perda da cultura do debate e da dúvida na universidade e a tendência da produção de concepção de ciência aplicada e de um pensamento único na instituição".

Vamos tomar todas

A Kaiser firma parceria com a tradicional Pizza Patroni e abre ao público logo mais, em São Paulo, seu primeiro bar.

O Senhor K Butiquin materializa o novo conceito da “Cerveja Bem Cervejada”, cuidadosamente supervisionada pela Cervejaria Heineken, e com o acompanhamento perfeito para os diversos pratos e petiscos, ícones da gastronomia de boteco.

O novo bar funcionará na Avenida Santa Catarina, 1991, Santa Catarina, São Paulo, de segunda à domingo, das 11h da manhã até o último cliente.

Bem vendido

A estatueta do Oscar de Melhor Roteiro Original que Orson Welles ganhou por “Cidadão Kane” - considerado um dos melhores filmes de todos os tempos - foi vendida em um leilão por US$ 861.542.

Welles perdeu a estatueta, mas ela reapareceu após sua morte, em 1985, ao ser colocada à venda em um leilão em 1994 por um cinematógrafo.

O vendedor alegou ter recebido a estatueta de Welles como forma de pagamento de uma dívida.

Buraco do Eduardo

Prefeito carioca Eduardo Paes, na visão dos piadistas, tem tudo para entrar no Livro dos Recordes.

Tudo por causa do túnel que ele pretende construir na Zona Portuária, em substituição ao viaduto da Perimetral, que a Prefeitura do Rio promete botar abaixo.

Além da caríssima obra, especialistas advertem que o buraco do Eduardo só vai promover um super engarrafamento subterrâneo, substituindo o que hoje ocorre no alto do viaduto.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.



O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva.


A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 22 de Dezembro de 2011.

Um comentário:

gutenberg disse...

Olá Cavaleiro!

No caso do atrito do STF, das associações de juízes e da corregedora do CNJ, acabei me lembrando de Galileu Galilei. Acho que está havendo unanimidade demais, por parte da imprensa, contra os magistrados.
Nada tenho com eles, nem a favor e nem contra, nem com relação à corregedora Calmon.
Apenas fui verificar no estatuto do CNJ e creio que a corregedoria foi além do que podia.
Claro que os ministros do STF podem ser processados, se praticarem crimes. Não estão acima da Lei.
Mas creio que a preocupação dos magistrados com a quebra de sigilo é válida. Calmon e o corregedor anterior, Dipp, podem ter ido além de suas competências.
O CNJ é órgão normativo, fiscalizador, não judicante.
Ela não poderia, se o fez, mandar quebrar sigilo, porque não se trata de processo.
Creio que a opinião pública, como sempre há suspeita sobre juízes (e políticos, e jornalistas, e ministros, etc) já logo acha culpados.
Penso que para o bem do Estado de Direito e da Democracia deveríamos ter mais cuidado.
Basta lembrar no caso de Francenildo e do banqueiro Dantas com relação às escutas ilegais que acabaram anulando as legais feitas à margem do processo.
O ceto não pode ser feito a partir do errado.

Os fins não justificam os meios, não é mesmo?

Acho que há superconcentração de poderes no CNJ e isso pode favorecer outros interesses em ano eleitoral e em fase de julgamento do Mensalão, por exemplo.

Punir juízes corruptos, mas avacalhar com o Judiciário,nunca. O Executivo já é, por demais, poderoso no Brasil. Basta lhar o que ocorre na Argentina, na Bolívia e na Venezuea.
Acho que não precisamos de uma Santa Guerreira contra os Dragões da Maldade.
Ab.
Gutenberg. J.
Laudaamassada

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".