Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Carta aberta ao embaixador cubano na Venezuela

MÍDIA SEM MÁSCARA

A sociedade cubana é uma sociedade triste onde se fala baixinho para não ser ouvido pelo Estado policial.
A avançada medicina que ostentam está apoiada em uma engenhosa propaganda, porém na realidade é uma triste fachada.


Excelentíssimo senhor Embaixador,
O senhor deveria saber bem, que é de ética elementar que um embaixador não se imiscua nos assuntos internos do país que o acolhe como hóspede.
Suas insolentes declarações sobre os médicos venezuelanos me obrigam moralmente a corrigi-lo. O “sistema de valores” que o senhor nos empurra goela abaixo, segundo o qual nossa intenção ao estudar medicina é obter um título e ações em uma clínica privada, além de insultar nossa dignidade, com avessa intenção nos expõe ao desprezo público e nos desacredita ante nossos pacientes, depois de tudo, somos seus médicos e com suas misérias tudo quanto possuem.
O senhor emprega a linguagem atrevida do presidente daqui, para nos dividir em oligarcas e proletários, epítetos estes ditos para nos agravar e que nunca antes ninguém utilizou. Sendo antipático falar na primeira pessoa, devo expressar-lhe que, como muitos de meus colegas e embora lhe doa, recebi, EM LIBERDADE, uma excelente formação moral, ética e acadêmica que coloca o paciente como princípio e fim do ato médico, paradigma que cuidei de inculcar em meus inumeráveis alunos.
Eu, como tantos, por cerca de 40 anos e por um magro salário, trabalhei com firmeza a metade do tempo em um hospital público, a custo subsidiado com nosso serviço privado. Este último exercemos como profissão liberal em clínicas privadas, EM LIBERDADE, com honestidade, mística e orgulho.
Porém, além disso o senhor deve saber que visitei Cuba pessoalmente em três ocasiões. Não o fiz por curiosidade ou turismo, e confesso-lhe que não conheço Varadero. Fui e continuo sendo um convidado de seus médicos e, com relação a eles, nunca me utilizei do quanto vi e ouvi em seu país.
Sua irritante intromissão me indica que é tempo de fazê-lo. Em maio de 1993, quando seu governo finalmente deu a conhecer ao mundo a epidemia que, apesar de suas conseqüências adversas, havia mantido em segredo desde 1991 e ameaçava deixar na sombra visual mais de 40 mil sofredores, tomei parte de uma missão humanitária que visitou a ilha. Em companhia de colegas cubanos e de diversas procedências, examinei pessoas afetadas, ajudei a definir o paciente-padrão e a esclarecer as causas do que chamou-se Neuropatia Óptica Cubana e que, em resumo - a despeito de que se tenha invocado um fator multi-fatorial - foi o pano de fundo da miséria e da fome. Em cinco ocasiões me reuni com seu Comandante para discutir estratégias diagnósticas da epidemia. Em uma destas reuniões, e embora pareça uma pretensão dizê-lo, uma de minhas colegas cubanas disse publicamente que a neuro-oftalmologia cubana dividia-se em dois períodos: antes e depois das visitas docentes do doutor Muci.
A pedido de seu senhor, fiz minha última viagem a Cuba. Comuniquei-lhes tudo quanto sabia e guiados pela minha mão aprenderam novas técnicas, meus diapositivos foram copiados e minhas entrevistas em vídeo, gravadas. Não pedi nada em troca. Muito me foi oferecido, mas o esquecimento é traiçoeiro. Um simples bilhete de agradecimento me foi regateado. Voltei com a satisfação do dever cumprido e um rictus de dor ao lembrar o olhar famélico dos meus colegas, cópia de fome de LIBERDADE, fome biológica mas também fome intelectual, ao carecer dos instrumentos básicos para adquirir conhecimentos: livros e revistas científicas.
Enquanto isso, Cuba exportava sua revolução com o dinheiro de um povo miserável. Pude apreciar lá duas categorias de médicos: uns, os esquecidos ao pior, distanciados do Partido Comunista, que ocupam as cadeiras mais baixas da pirâmide médica sem esperanças de ascender. Esses não assistiram minhas palestras. Na minha universidade assistem a meus cursos, em LIBERDADE e por livre arbítrio, os que assim o desejam, sejam médicos, estudantes e mesmo membros de outras profissões. A outra categoria, que chamarei a nomenklatura, os localizados no vértice, tinham acesso à escassa tecnologia e eram zelosos guardiães dos livros, depositários do poder que o conhecimento dá. Esses, privilegiados do sistema, tinham acesso aos banquetes e viajam ao exterior com dólares, esquecendo daqueles pobres colegas que ficaram em casa. A sociedade cubana é uma sociedade triste onde se fala baixinho para não ser ouvido pelo Estado policial, onde se ascende sendo fiel e denunciando; enfim, subindo por sobre as cabeças dos outros. A avançada medicina que ostentam está apoiada em uma engenhosa propaganda, porém na realidade é uma triste fachada.
Os delineamentos de seu mar da felicidade encontraram eco em um governo anti-nacionalista, formado por uma chusma precária de talentos.
Por isso, com a criatividade castrada e a um custo de 1,3 milhões de dólares por dia, preferem buscar assessorias e enviar doentes à ilha. Sua nulidade e estultícia os impede de tomar medidas de contingência para ajudar tantos necessitados que clamam em nossos hospitais pela resolução de seus problemas. Como o senhor declara, trazer 1.500 profissionais de suas fábricas de médicos é outro inaudito exemplo de traição à Pátria, desnudamento neuronal, um intolerável insulto, uma incompreensível medida se leva-se em conta, por uma parte, o desemprego local e, por outra, que são necessários apenas menos de 59 médicos para encher as vagas médicas para as quais, tenho certeza, há voluntários. As políticas de saúde erradas não são culpa dos médicos. São exclusiva competência do Estado venezuelano.
Faço meu o eco lastimoso de meus pacientes e reclamo para eles o dinheiro que injustamente se presenteia aos senhores. Esses pobres seres viram piorar suas doenças ao longo de quarenta anos de apatia, porém, por não duvidar, agora encontram-se pior desde que o processo trata de nos igualar com os senhores, mas por baixo. Há na ilha de Cuba demasiados aspectos que motivam a vergonha e a dor, demasiados para que o senhor cinicamente nos censure.
Pode-se enganar alguém uma vez, mas não a todos o tempo todo.

Rafael Muci-Mendoza, é médico venezuelano da Escola de Medicina da Universidade Central da Venezuela (UCV).
Tradução: Graça Salgueiro

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".