Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Tropa de Linguística?

 

TUDO NÃO É RELATIVO

sábado, 19 de junho de 2010

Vamos falar um pouco de lingüística, a minha verdadeira profissão, para variar?

Uma amiga minha (de formação sociolingüística assim como eu) comentou sobre o vídeo abaixo e eu tive que conferir. É uma versão dublada da cena famosa do filme Tropa de Elite, com os alunos passando a discutir norma e diversidade lingüística ao invés de repressão policial e Foucault, como no original. O vídeo até é interessante para se usar como material didático, etc, para alunos que chegam ao primeiro semestre de Letras ainda com uma visão invertida de que, primeiro, Deus criou a linguagem escrita, e só depois é que houve o pecado e os pobres começaram a falar “pobrema”.

 

Fonte: TerritorioScuola

Mas há algo que me incomoda profundamente nesse vídeo. Trata-se da imensa distorção de papéis que ele apresenta e que me parece um grande equívoco. E digo equívocojustamente porque não parece sequer ter sido proposital e subversivo, mas fruto de uma patente incompreensão da cena original.

No filme, a fala de Matias é apresentada como a voz do bom senso (questionando o senso comum) contra a voz da maioria, legitimada pela intelectualidade, mas profundamente equivocada sobre a realidade. Dado esse confronto entre um “bem” e um “mal”, os responsáveis pela dublagem automaticamente transpuseram essa relação para o tema que queriam discutir, colocando, na boca de Matias, a posição que eles consideram certa(“não existe certo e errado”) e, na boca dos demais alunos, a posição que consideramerrada (“existe sim certo e errado”).

Mas essa é uma transposição não só simplista, mas contraditória. Quem acha que Matias é o pobre, com “consciência social”, que luta contra os “burguesinhos preconceituosos” e “racistas”, simplesmente não assistiu Tropa de Elite, o filme mais reaça que o Brasil já viu (e, por isso, adorou).

No filme, quem representa a voz da “consciência social”, do apoio à “diversidade”, da defesa aos “pobres, vítimas do poder” são justamente os alunos, e não Matias. Eles é que são a voz do politicamente correto, contra um autoritário, reacionário Matias, que reage contra um discurso intelectualizado que considera uma grande bobabem, uma forma de um bando de meninos mimados expiarem suas culpas burguesas.

O personagem Matias não é o progressista que está ensinando aos ignorantes os benefícios do relativismo moral. Pelo contrário, ele é o reacionário que choca os progressistas com a realidade e as conseqüências de seus próprios atos. Os alunos não são os burguesinhos elitistas que odeiam pobres e defendem que a polícia lhes meta a porrada. Ao contrário, eles são justamente os que denunciam a “repressão social que discrimina pobres e negros”, eles são os burguesinhos elitistas que gostam de fazer turismo em favela para entrar em contato com a metafísica do pobrismo.

 

Matias no original

No campo lingüístico, Matias não é o intelectual que condena os “playboys preconceituosos” por não reconhecerem a (sua) língua de negro. Ele é o pobre trabalhador que quer conseguir coisas melhores através da formação intelectual e que despreza profundamente os “playboys liberais”, que cultuam a pobreza justamente por não precisarem conviver com ela.

Se a discussão naquela sala de aula fosse sobre linguagem e lingüística, Matias nunca seria o anarco-lingüista, aplicando relativismo cultural em doses de simplismo marcos-bagniano. Ele seria o reacionário que tenta fazer os pretensos sociolingüistas de um livro só entenderem a diferença fundamental entre diversidade lingüística (que deve ser respeitada) e analfabetismo funcional (que deve ser combatido com doses cavalais de literatura e gramática normativa).

No filme, não é Matias, mas sim os alunos que expressam posições como as de Foucault e de Althusser (o pai da Análise do Discurso) contra os “aparelhos de repressão do estado” (i.e., a família, a religião, o sistema jurídico, a polícia, a língua...). Em Tropa de Elite, são os alunos (brancos) que acusam (o negro) Matias e a sua polícia de serem racistas por prenderem traficantes baianos, nordestinos. E que também acusariam Matias de racista se ele defendesse o ensino da norma padrão nas escolas das favelas. Inverter essa relação, na versão Tropa de Lingüística, poderia ser mais produtiva e até desafiadora, se feita com consciência e propósito subversivo, mas nem isso vemos nos diálogos (que têm outro propósito). Os autores dessa versão parecem é não ter percebido que adoraram um filme que simplesmente destroça com a suas visões de mundo.

Nós, lingüistas, temos que perceber que nem sempre somos a voz da vanguarda, combatendo uma hegemonia repressora da gramática normativa. Muitas vezes, acabamos, involutariamente, representando nós mesmos uma nova hegemonia cultural/intelectual, que se coloca como a única visão legítima sobre a linguagem, substituindo um policiamento lingüístico por um policiamento meta-lingüístico e confundindo qualquer tentativa de alfabetização com preconceito social e lingüístico.

Da série “Pronto, falei”.

Linguiça não, lingüística! Lingüística!

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".