Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Os brados retumbantes dos abortistas

 

MÍDIA SEM MÁSCARA

ESCRITO POR HEITOR DE PAOLA | 05 MARÇO 2012
ARTIGOS - ABORTO

Ah! Que espetáculo, (…) que trágicos, inesquecíveis dias acabamos de atravessar! Não conheço outros que me tenham suscitado mais sentimentos de humanidade, angústia, cólera generosa. Vivi exasperado, no ódio à estupidez e à má-fé (...). É que, na verdade, o ignóbil espetáculo foi inaudito, ultrapassando em brutalidade, em impudência tudo o que a besta humana jamais confessou de mais instintivo e de mais baixo. É raro um tal exemplo de perversão, de demência, de uma turba.
Émile Zola, J’Accuse...!

Na tarde de 24 de fevereiro ocorreu a audiência pública para debater o anteprojeto da reforma do Código Penal, que o relator, ministro Gilson Dipp, entregará ao Senado Federal em 31 de maio próximo. O relatório desta reunião foi publicado por Hermes Rodrigues Nery, coordenador do Movimento Legislação e Vida e da Comissão Diocesana em Defesa da Vida da Diocese de Taubaté, diretor-executivo do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida - Brasil Sem Aborto, e especialista em Bioética, pós-graduado pela PUC-RJ.

Quando perguntou “Quem defenderá o indefeso?", emergiu então por todo o salão uma imensa vaia, algumas feministas, em estado de histeria, pediam: “Abaixo o feto!”, e “houve um início de tumulto porque elas queriam nos impedir de entregar a pequena imagem em gesso de um feto de 10 semanas ao relator do anteprojeto do Código Penal”. “Chega de Deus!”, vociferou uma das abortistas, com os punhos erguidos e os olhos esbugalhados.

Estas senhoras (sic) que defendem “o direito das mulheres ao próprio corpo” e a matança irrestrita de seres humanos ainda não nascidos, devem se achar muito moderninhas, revolucionárias, contra os “reacionários” e conservadores que defendem a vida. Pois seu exemplo nada mais é que uma versão atual de algo que já foi dito por um dos generais franquistas mais radicais, José de Millán Astray, na Universidade de Salamanca em 12 de outubro de 1936 quando se comemorava o Dia de La Raza, aniversário da descoberta da América por Cristóvão Colombo.

O professor Francisco Maldonado, perante a esposa de Francisco Franco, Carmen Polo Martínez-Valdés e outros líderes falangistas, denunciou a Catalunha e o Pais Basco como “cânceres no corpo na nação espanhola” acrescentando que o fascismo, “que curará a Espanha, saberá como exterminá-los, cortando a própria pele, como um cirurgião livre de qualquer falso sentimentalismo”. Alguém do auditório gritou “Viva La Muerte!” sendo respondido por Millán Astray com o grito: "¡España!” várias vezes, de cada uma delas arrancando da platéia os slogans franquistas: "¡Una! "¡Grande! "¡Libre!

O Presidente da Universidade, Miguel de Unamuno, que até então apenas tomava notas, levantou-se e se dirigiu à turba:

“Vocês esperam por minhas palavras. Vocês me conhecem e sabem que eu não posso ficar em silêncio mais tempo. Às vezes, permanecer em silêncio é mentir, já que o silêncio pode ser entendido como consentimento. Quero comentar o assim chamado ‘discurso’ do professor Maldonado, que está aqui hoje. Ignorarei sua ofensa pessoal aos bascos e catalães. Eu mesmo, como sabem, nasci em Bilbao (cidade Basca). O bispo de Salamanca, aqui presente, gostem ou não, é catalão, nascido em Barcelona. Mas agora eu ouvi a afirmação insensível e necrófila, "¡Viva la Muerte!", que me soa igual a que "¡Muera la vida!". E eu, que passei minha vida escrevendo paradoxos que provocaram a ira dos que não me entendiam, sendo, portanto, um especialista na matéria, acho este ridículo paradoxo repelente. O general Millán Astray é um inválido de guerra. Também o era Cervantes. Mas, infelizmente, a Espanha hoje tem muitos inválidos. E se Deus não nos ajudar, brevemente teremos muitos mais. Me atormenta pensar que o general Millán Astray pode ditar as normas da psicologia das massas. Um inválido que não tem a grandeza espiritual de Cervantes, tenta encontrar alívio aumentando o número de inválidos que o cercam”.

Millán Astray interrompeu: "¡Muera la inteligencia! ¡Viva la Muerte!". Unamuno continuou: “Estamos no templo da inteligência e eu sou seu sumo sacerdote. Vocês estão profanando este domínio sagrado. Vencereis porque tendes enorme força bruta. Mas não convencereis. Para convencer é necessário persuadir, e para persuadir é necessário algo que vocês não têm: razão e direito, e o ódio que não deixa lugar para a compaixão não pode convencer. É inútil perguntar o que pensam da Espanha. Falei!”

E eu também! Depois de Zola e Unamuno, nada há a acrescentar quanto aos fatídicos, raivosos e psicóticos brados de Abaixo o Feto! Chega de Deus!

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".