Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Encaremos os Fatos: Dawkins é um Frouxo

 

MIKEMOOREAC

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

 

 

Autor: Rabino Moshe Averick
Fonte: algemeiner.com
Tradução: MikeMooreAC


Encaremos os Fatos: Dawkins é um Frouxo


Richard Dawkins, o mais alto clérigo na classificação na hierarquia do Ateísmo da Nova Era, recentemente, informou-nos da razão "real" porque ele se recusa a aceitar o convite da Universidade de Oxford para o debate com o renomado teólogo cristão, Dr. William Lane Craig. Dawkins hipocritamente declarou que desde que Craig é um "apologista do genocídio", ele está "orgulhoso de deixar a cadeira vazia em Oxford." O "genocídio" em questão é a guerra dos israelitas contra os cananeus moralmente devassos que ocorreu 33 séculos no passado (Para aqueles que acham a matemática difícil, isto é 3.300 anos atrás.). Concordar ou não com a análise das passagens feita pelo Dr. Craig é realmente irrelevante. Nem mesmo um hater da religião como Christopher Hitchens (que debateu com Craig) jamais sonhou de acusar Craig de defender o genocídio e a violência gratuita contra os não-crentes.

O que faz todo esse episódio melodramático ainda mais curioso são as posturas morais bastante questionáveis do próprio Richard Dawkins. Considere o seguinte: Em um artigo na Scientific American (Novembro, 1995) Dawkins nos informou numa linguagem crua e direta sua visão existencial da realidade, "O universo que observamos tem precisamente as propriedades que deveríamos esperar se não há, no fundo, nenhum projeto, nenhum propósito, nenhum mal, nenhum bem, somente a indiferença impiedosa." Isto, obviamente, é uma expressão honesta e sincera da cosmovisão ateísta. Em um universo puramente materialista, não há espaço para realidades metafísicas como o bem e o mal. Como filósofo ateu Joel Marks apontou, "Os fundamentalistas religiosos estão corretos, sem Deus não há moralidade ... o ateísmo implica amoralidade, e desde que eu sou ateu, eu devo, pois, subscrever a amoralidade." Isto ecoa a observação perturbadora de outro ateu famoso , Sigmund Freud: "No momento em que as perguntas de um homem se voltem para o sentido e o valor da vida, ele está doente, já que objetivamente ambos não tem qualquer existência."

Em um artigo escrito para Edge em 2006, Dawkins explicou que em um universo materialista e determinista, "culpa e responsabilidade" [grifo meu], "na verdade o bem eo mal" nada mais são do que construções mentais e "ficções úteis", que são " embutido em nossos cérebros por ... Evolução Darwiniana "O Filósofo ateu Michael Ruse concorda inteiramente: ".. A moralidade é uma ilusão postas em prática por seus genes para torná-lo um cooperador social." Se o bem e o mal não forem realidades metafísicas, se o ateísmo implica amoralidade, se a moralidade é uma ficção útil e uma ilusão, se na realidade objetiva a vida não tem sentido nem valor; por que exatamente Dawkins está tão moralmente indignado sobre uma guerra que teve lugar 3.300 anos atrás, e com um teólogo cristão moderno que tenta entender o sentido daquela guerra de maneira bastante imparcial e bastante reflexiva? Dawkins também ignora convenientemente que os maiores assassinos na história da humanidade foram todos ateus; Josef Stalin: 20-30.000.000 Mao Tse Tung: 50-70.000.000 Pol Pot: cerca de 2.000.000. É importante notar que estes homens cometeram suas atrocidades, não foi há 3.300 anos atrás, mas em meados do século 20!Não estou sugerindo, nem mesmo remotamente, que Dawkins seja capaz de assassinato em massa, mas alguém poderia pensar que este simples fato histórico pode temperar a sua indignação um pouco.

Tudo isso nos leva à conclusão de que a acusação que Dawkins tem lançado contra Craig não é o motivo de sua recusa em se engajar no debate, é uma desculpa. A verdadeira razão pela qual Dawkins não debate Craig é a mesma razão pela qual ele se recusa a debater com Dr. Stephen Meyer, do Instituto Discovery, sobre a Origem da Vida. Ele está com medo. Ele tem medo de debater com adversários do calibre de William Lane Craig e Stephen Meyer. O autor ateu Sam Harris observou que Craig é "o apologista cristão que parece ter colocado o temor de Deus em meus companheiros ateus." Mesmo um blogger não-crente como  o The Guardian, Daniel Came ("Como um cético, eu tendo a concordar ... sobre a falsidade do teísmo. "), escreve que," Por isso, é bastante óbvio que Dawkins está usando estas afirmações de maneira oportunista, como uma cortina de fumaça para esconder os verdadeiros motivos para sua recusa em debater com Craig." Vamos lá, Professor Dawkins, você não está enganando ninguém, é hora de sair do galinheiro e lutar como um homem.

Rabino Moshe Averick é um rabino ortodoxo e autor do Nonsense of a High Order: The Confused and Illusory World of the Atheist. O livro está disponível na Amazon.com e Kindle.Averick rabino pode ser contactado pelo seu website.


Meus Comentários (MikeMooreAC)

Dawkins parece estar em uma sinuca de bico criada por ele mesmo. Me parece claro que ele já percebeu que não pode mais sustentar seu argumento "Boing 171" contra a existência de Deus depois que o Dr Craig fez uma refutação simplesmente arrasadora.

Sendo soberbo demais para admitir que errou não em algo perifério em Deus um Delirio, sua "obra prima", mas bem no coração dela, ele parte agora para todo tipo de ataque e truque fajuto contra Craig para justificar o injustificável.

Que ele vá voltar atrás me parece muito improvável. O mais certo é que ele e suas tietes irão cada vez mais se fechar em sua seita revolucionária neoateísta, totalmente alheios as críticas que vem de todos os lados do mundo real: ateus, cristãos, judeus etc.

 

Postado por MikeMooreAC

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".