Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Um capelão da Força Aérea dos EUA e a promessa de Deus

 

JULIO SEVERO

11 de julho de 2012

“Honra teu pai e tua mãe, a fim de que venhas a ter vida longa na terra que Yahweh, o teu Deus, te dá”. (Êxodo 20:12 KJA)

Julio Severo

Em 1987, o Dr. Arthur Vincent, pastor luterano e professor de teologia, visitou o Brasil para um encontro de pastores. Mesmo com sua idade avançada, ele viajava o mundo inteiro, desde a Nigéria até as Filipinas, para encorajar e edificar o povo de Deus na importante missão de levar o Evangelho a um mundo perdido. Ele chegou até a participar do Congresso Lausanne para a Evangelização Mundial. Sua paixão é o evangelismo.

Sua visita ao Brasil não foi diferente: Ele queria encorajar os pastores. E eu, que não era pastor, estava lá entre os pastores porque, conforme me disse o Dr. Arthur, Deus me queria lá.

O Dr. Arthur tinha longa experiência de vida, tendo sido, durante a 2ª Guerra Mundial, capelão da Força Aérea dos EUA. Mais dessa experiência foi revelada quando, num grupo muito pequeno de pastores que estava orando, o Espírito Santo falou profeticamente mediante outro pastor americano, dizendo ao Dr. Arthur, bem na minha frente, que “porque você honrou seu pai, aumentarei os seus anos de vida nesta terra”.

Era uma promessa interessante, em vista da avançada idade do capelão americano: 69 anos. Derramando lágrimas de gratidão a Deus, ele contou como em 1930, na maior crise financeira dos EUA, ele trabalhava para sustentar a família, enquanto seu pai se entregava à bebida. Ele tinha apenas 12 anos, e já levava, como se diz, a família nas costas.

Contudo, ele não xingava o pai. Ele não menosprezava o pai. Ele sempre o respeitava.

E há promessa na Palavra de Deus para quem honra os pais: “Honra teu pai e tua mãe, a fim de que venhas a ter vida longa na terra que Yahweh, o teu Deus, te dá”. (Êxodo 20:12 KJA)

Com o tempo, perdi todo contato com o Dr. Arthur. Foram quase 20 anos sem correspondência. Mas na semana passada, senti um desejo de me comunicar com ele. Pesquisei o Google, pelo nome Arthur Vincent, e apareceram alguns nomes em obituário. Pensei: “Nessa altura, ele já partiu…”

Entretanto, persistindo na pesquisa, encontrei um Arthur que não estava em obituários. Telefonei e ouvi uma voz clara, e eu disse que queria falar com o Dr. Arthur Vincent. Ele me respondeu, com uma voz que não parecia um homem idoso, que era ele mesmo. Eu pensei: Deve ser o filho dele!

Mas fazendo algumas perguntas, especialmente sobre a visita dele ao Brasil 25 anos atrás, ele começou a recordar. E eu lhe disse: “Naquela data, Deus falou que você teria mais anos de vida, e hoje, aqui falando com você, vejo como Deus é fiel e está cumprindo a promessa dEle na sua vida”. Nesse ponto, ele se alegrou.

O Dr. Arthur Vincent está hoje com 94 anos, e servindo a Deus!

Dr. Arthur Vincent: pregando e ministrando o Evangelho do Reino de Deus

A visita dele ao Brasil foi uma bênção de Deus para ele. Eu sou testemunha viva do que Deus falou e cumpriu na vida dele. E essa visita foi uma bênção para mim também. Na época, ele havia trazido uma grande Bíblia de estudo de capa de couro. Era uma Bíblia muito especial, e a intenção do Dr. Arthur era dar a um pastor na conferência de pastores. Mas eis que ele chega até mim, diante dos pastores, e diz: “Deus me disse que entregasse esta Bíblia a você”.

Tenho até hoje minha Bíblia autografada por um idoso capelão da Força Aérea dos EUA, um homem que desde criança honrava Aquele que honra — e ele foi honrado.

Com o estímulo desse grande testemunho, proclamo: “Deus honra aqueles que O honram!”

Fonte: www.juliosevero.com

Como escapei de um escândalo político no Rio

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".