Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

MÉDICO AFIRMA QUE CÂNCER DE CHÁVEZ É INCURÁVEL E QUE POSTERIOR RECAÍDA É INVEVITÁVEL. ESTERÓIDES APENAS MASCARAM ESTADO DE SAÚDE DO CAUDILHO.

 

BLOG DO ALUIZIO AMORIM

Quinta-feira, Julho 12, 2012

Chávez com a irmã do falecido presidente argentino Nestor Kirchner, Alícia Kirchner (Foto do jornal ABC Espanha)

O médico venezuelano radicado nos Estados Unidos, José Rafael Marquina, explica em entrevista ao jornal espanhol ABC que o câncer que acomete Hugo Chávez é incurável e que o caudilho se esforçará para chegar em boas condições físicas às eleições de 7 de outubro. Todavia, o médico adverte que a recuperação de Chávez é apenas aparente e sua posterior recaída é inevitável.

Marquina, médico venezuelano especializado em cuidados ingtendsivods e medicina pulmonar, profedssor da Nova Univeersity en Naples, Florida (EUA), denuncia que sua família está sendo perseguida pela polícia política de Chávez, pelo fato de informar sobre o câncer do caudilho. Marquina é um dos poucos especialistas que recebe informação confidencial sobre a situação da saúde de Chávez.

Transcrevo no original em espanhol, parte inicial da entrevista de Marquina com link ao final para leitura completa. Leiam:

O médico José Rafael Marquina

El médico José Rafael Marquina, a quien el secretismo que rodea al estado de salud de Chávez ha convertido en oráculo sobre su enfermedad, explica a ABC que el presidente de Venezuela hará un esfuerzo para llegará en buenas condiciones físicas a las elecciones del 7 de octubre, pero que su recuperación sólo es aparente y su posterior recaída, inevitable. Médico venezolano especializado en cuidados intensivos y medicina pulmonar, profesor de la Nova University en Naples, Florida, Marquina denuncia que su familia y sus contactos han sufrido el acoso de la policía política venezolana por informar sobre el cáncer de Chávez. Marquina es uno de los pocos especialistas que recibe información confidencial del presidente venezolano.

—Chávez se ha mostrado estos días en buena forma física. ¿Podemos decir que se ha recuperado?

—No, su cáncer es incurable. Pero ha entrado en remisión.

—Chávez se burla de esos «famosos médicos» que le dan por muerto.

—El cáncer de Chávez es incurable. El tumor está en remisión, es decir, disminuye en tamaño, pero las células cancerosas están ahí, no han sido eliminadas tras las intervenciones. La tercera operación no le pudo eliminar el tumor a pesar de la quimioterapia.

—¿Qué pasó entonces?

—A Chávez le dan quimio durante varios días. Y tras esa intervención, por supuesto va a tener una respuesta positiva por muy agresivo que sea el tumor.

—¿En qué estado se encuentra entonces el tumor tras la quimio?

—Según el último examen que se le hizo, el tumor no ha disminuido ni aumentado de tamaño.

—¿Cuándo se hizo la ultima tomografía?

—Se la hizo el 9 de junio en el caraqueño Hospital Militar, hace tres semanas, y los resultados mostraban que no tenía mejoría, no había cambios en el tumor.

—¿Pero cómo puede ser entonces esa mejoría física que muestra en público?

—El problema es que la gente piensa que los pacientes de cáncer muestran los síntomas de su enfermedad, y no es así. Los enfermos de cáncer muestran su agonía al final del proceso.

—Pero no está en fase terminal en estos momentos.

—Lo que se comenta es que Chávez puede tener una recaída a partir de diciembre.

—Parece que usted se equivocó cuando dijo que a partir de julio o agosto de este año se evidenciaría el deterioro de su salud. Ahora dice que será en diciembre.

—No me he equivocado, físicamente ha mostrado cambios. Pero el deterioro puede ser más evidente a partir del próximo año.

—Ante las cámaras Chávez muestra un buen aspecto, aunque bastante hinchado.

—Los esteroides están enmascarando su enfermedad. Nadie pone en duda que esté usando esteroides. Hacer CLIC AQUI para leer la entrevista completa

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".