Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

ENTREVISTA CENSURADA DE OLAVO DE CARVALHO FORNECE ALGUNS INSIGHTS PARA COMPREENDER A DELETÉRIA AÇÃO DA "ELITE GLOBALISTA"

ALUIZIO AMORIM
Domingo, Novembro 27, 2011



O jornalista, escritor e filósofo Olavo de Carvalho, que vive nos Estados Unidos, concedeu entrevista pelo telefone à jornalista Raquel Costa, da revista IstoÉ no dia 9 deste mês de novembro. No entanto,segundo revela Olavo de Carvalho, a entrevista foi censurada. Olavo gravou em vídeo a entrevista completa que reproduzo acima. Vale a pena ver. Mesmo para aqueles que por qualquer razão não gostem de Olavo, encareço que vejam e ouçam com atenção.

Farei, como segue, algumas digressões em torno desta entrevista que suponho contribui para oferecer parâmetros capazes de dar maior consistência à análise de conjuntura política. Verão que certos conceitos da teoria política tradicional não oferecem mais operacionalidade analítica, conforme aponta Olavo de Carvalho com absoluta precisão.
A entrevista começa com a pergunta da jornalista Raquel Costa sobre o movimento Ocupe Wall Street. Olavo de Carvalho afirma que o movimento é financiado justamente pelo maior player de Wall Street, que é o financista George Soros que, por sua vez, é apoiador de Barack Obama. Segundo Olavo, o movimento não contesta coisa nenhuma, já que é financiado pelos próprios beneficiários do mercado financeiro, suposto alvo do pseudo-protesto. Trata-se portanto de um embuste. Não é o povão que participa do movimento Ocupe Wall Street, mas os próprios filhos daqueles que ganham dinheiro em operações de mercado, além de diletantes esquerdistas, ongueiros e similares.
O argumento de Olavo é que esses movimentos custam muito dinheiro e que portanto tem de fazer o rastreamento para saber quem os financia. Ao fazê-lo chega-se a George Soros e seus homólogos e, como não poderia deixar de ser, ao governo de Barack Obama.
Segundo Olavo de Carvalho, não há nenhuma revolução social nesses movimentos de ocupação. São massas de manobra dos articuladores daquilo de Olavo conceitua como "elite globalista", ou seja, a associação entre os grandes capitalistas do planeta com os governos. É essa elite globalista, portanto, que estimula esses movimentos e os apóia financeiramente.
A entrevista de Olavo de Carvalho está ótima, já que mete o dedo na ferida. Fornece os elementos que permitem compreender o viés esquisito dessa movimentação tipicamente embasada no pensamento politicamente correto. Olavo desnuda a farsa com uma simples indagação: quem fornece os meios de ação?, já que essa montagem custa muito dinheiro!
De outro lado, mostra que, finalmente, por trás de tudo está o governo de Barack Obama que pretende se reeleger, de acordo com os interesses da elite globalista da qual é o principal sócio.
O conceito de "elite globalista" formulado por Olavo de Carvalho permite também entender de forma clara por que ocorre a associação entre o grande capital brasileiro e o lulopetismo que acomoda gente como Eike Batista, por exemplo, os velhos capitães de indústria e banqueiros num mesmo esquema de poder e que pagam fortunas por uma palestra de Lula e o afagam docemente.
O epílogo dessa história ainda está para acontecer. Mas com certeza será funesto, pois a narrativa discorrerá sobre o fim da liberdade individual. O que está acontecendo é mais ou menos uma espécie deglobalização da dominação patrimonialista. Um arremedo moderno das monarquias absolutistas. Os Georges Soros são os cortesãos que gravitam em torno desse incomensurável poder que pode tudo na manipulação das massas. O exercício da política já está completamente alterado e não obedece mais aos paradigmas da filosofia política clássica. Certos tiranos ancorados na dominação tradicional não interessam mais para a elite globalista. Vide os países arábes e suas estranhas revoluções... Isto também não quer dizer que se terá mais democracia por lá. Já não está mais havendo a alternância do poder dentro do jogo político eminentemente democrático que caracterizou as grandes democracias do Ocidente no século XX. Lembram-se do recente quebra-quebra na Inglaterra e da leniência do governo inglês que relutou em defender seus cidadãos dos vândalos assassinos? Na França a mesma coisa.
Compreende-se também porque uma desconhecida Cristina Kirchner venceu de forma avassaladora as eleições presidenciais argentinas ou, ainda, Hugo Chávez, impere na Venezuela e o lulismo tenha cerca de 90% de apoio no Congresso Nacional e consiga fazer de Dilma Rousseff, que nunca se elegeu para nada, não fez carreira política, Presidente da República do Brasil! Ora, não se faz política de forma nenhuma com as mãos abanando e os bolsos vazios. Sempre foi o grande capital que influenciou de forma vigorosa as eleições em qualquer lugar do mundo. Mas o que soava estranho começa a ficar mais claro. É que os donos do poder econômico absorveram o discurso revolucionário-populista. Muitos milionários estão oferecendo sopa aos pobres nas ruas e praças das cidades americanas e européias e anunciam que desejam pagar mais impostos! Aqui no Brasil são 'companheiros' dos comunistas do PT. E não só isso, são objetivamente sócios desse projeto de poder do PT que reproduz exatamente os interesses da elite globalista. Isto não começou agora. Experimente a surfar no tempo e retroagir a 30, 40 ou 50 anos atrás na história! Fica fácil entender agora por quê milionários querem pagar mais impostos, porque na verdade estão pagando para si mesmos! já que são parceiros dos governos e vice-versa!
Ainda há alguma resistência a tudo isso. Mas quem acompanha a política nacional e internacional verifica que cada vez são mais minguadas as forças que se rebelam a esse igualitarismo de araque que faz tábula rasa de princípios éticos, morais, da liberdade civil e religiosa e por aí vai. Estas se encontram numa pequena parcela da tradicional classe média mormente ilustrada e que cultua os valores da civilização ocidental, que tanto me refiro aqui no blog. Trava-se portanto uma guerra de valores. Para a elite globalista os valores mais caros à civilização ocidental, com destaque para a liberdade individual, que teve seu apogeu no interregno que vai do final da Segunda Grande Guerra até os anos 80 do século passado, não faz mais sentido. Em troca desejam a estandardização de todos os aspectos da vida social, econômica e política em escala planetária, pois isto os favorece em termos de poder e dinheiro. E ninguém melhor do que os comunistas e seus sequazes para fazer o serviço! Não é à toa que revoltas como em Wall Street, ou na USP em São Paulo ou ainda nos países árabes tenham esse aspecto bizarro, já que não possuem qualquer sentido lógico. A tal primavera árabe troca uma ditadura de viés tradicional por outra de cunho islâmico. Em New York bobalhões a soldo de Soros e Obama fazem de conta que protestam e os jornalistas idiotas ou regiamente pagos pela elite globalista noticiam todo esse  bizarro simulacro de revolução como uma coisa autêntica!
Oxalá a análise social tivesse a objetividade das ciências da natureza! Mas isto não é possível. Os conceitos são apenas construtos mentais com os quais nomeamos a realidade e, portanto, não são a realidade! Todavia é com eles que podemos contar. Mas tudo fica pior se continuarmos a nos valer daqueles conceitos que perderam operacionalidade analítica e que tipifico como "conceitos zumbis". Falar em revolução social, marxismo, democracia participativa, luta de classes e bloco histório (Gramsci) é piada pura! Professores de universidades com título de mestre e doutor continuam a trombetear essas bobagens em sala de aula! Já disse aqui que maior número de idiotas que já encontrei na vida foi no curso de mestrado e em redações de jornais.
Encerro o post por aqui. Oportunamente voltarei ao tema. Recomendo que vejam esta entrevista de Olavo de Carvalho no vídeo acima. Está tão boa que por isso não foi publicada pela IstoEra. Infelizmente temos que ficar com os jornalões e o Fantástico da Rede Globo, ou seja, com o lixo. Ainda bem que por enquanto tem a internet...

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".