Loja OLAVETTES: produtos Olavo de Carvalho

Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concede Medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. Aqui.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

"Mantenham-se famintos. Mantenham-se tolos." Steve Jobs e seu discurso em Stanford completo e com legendas

CT: creio que encontrei uma boa, mas não a única (claro), explicação para o final da palestra do gênio assombroso Steven Jobs que, por conta da sociopatia de Lula, foi reduzido à comparação com o molusco e ainda por cima negativamente*.

A explicação encontra-se aqui, lá vai um trecho:

"Steve Jobs, o lendário fundador da Apple, terminou sua famosa palestra para estudantes de uma universidade americana com a seguinte frase “Stay Hungry, Stay Foolish”. O que ele quis dizer com isso é que nunca podemos perder uma “fome” por conhecimentos (Stay Hungry) e também não devemos nos levar tão á sério (Stay Foolish)."





* ESTADÃO

Lula, o sociopata boçal:

- "Quando peguei esse País, só tinha miserável. E eu, operário sem um dedo, fiz mais que o Bill Gates, Steve Jobs e esses aí".

CT: O sociopata demente, criminoso, satanista e maldito esqueceu da palavra "MERDA" em sua fala. O certo seria assim:

- "Quando peguei esse País, só tinha miserável. E eu, operário sem um dedo, fiz mais MERDA que o Bill Gates, Steve Jobs e esses aí".

Ou ainda melhor:

- "Quando peguei esse País, só tinha miserável. E eu, operário sem um dedo, COMETI CRIMES ABERRANTES QUE o Bill Gates, Steve Jobs e esses aí JAMAIS SERIAM CAPAZES DE IMAGINAR."

CT: esta é a diferença entre um sociopata e um gênio. Lula acredita ser um gênio maior que Steven Jobs. Por isto é infinitamente menor, aberrantemente insignificante. E isto mais suas "obras" são prova de sua psicopatologia demencial satânica.

Nenhum comentário:

wibiya widget

A teoria marxista da “ideologia de classe” não tem pé nem cabeça. Ou a ideologia do sujeito traduz necessariamente os interesses da classe a que ele pertence, ou ele está livre para tornar-se advogado de alguma outra classe. Na primeira hipótese, jamais surgiria um comunista entre os burgueses e Karl Marx jamais teria sido Karl Marx. Na segunda, não há vínculo entre a ideologia e a condição social do indivíduo e não há portanto ideologia de classe: há apenas a ideologia pessoal que cada um atribui à classe com que simpatiza, construindo depois, por mera inversão dessa fantasia, a suposta ideologia da classe adversária. Uma teoria que pode ser demolida em sete linhas não vale cinco, mas com base nela já se matou tanta gente, já se destruiu tanto patrimônio da humanidade e sobretudo já se gastou tanto dinheiro em subsídios universitários, que é preciso continuar a fingir que se acredita nela, para não admitir o vexame. Olavo de Carvalho, íntegra aqui.
"Para conseguir sua maturidade o homem necessita de um certo equilíbrio entre estas três coisas: talento, educação e experiência." (De civ Dei 11,25)
Cuidado com seus pensamentos: eles se transformam em palavras. Cuidado com suas palavras: elas se transformam em ação. Cuidado com suas ações: elas se transformam em hábitos. Cuidado com seus atos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino.
A perversão da retórica, que falseia a lógica e os fatos para vencer o adversário em luta desleal, denomina-se erística. Se a retórica apenas simplifica e embeleza os argumentos para torná-los atraentes, a erística vai além: embeleza com falsos atrativos a falta de argumentos.
‎"O que me leva ao conservadorismo é a pesquisa e a investigação da realidade. Como eu não gosto de futebol, não gosto de pagode, não gosto de axé music, não gosto de carnaval, não fumo maconha e considero o PT ilegal, posso dizer que não me considero brasileiro - ao contrário da maioria desses estúpidos que conheço, que afirma ter orgulho disso". (José Octavio Dettmann)
" Platão já observava que a degradação moral da sociedade não chega ao seu ponto mais abjeto quando as virtudes desapareceram do cenário público, mas quando a própria capacidade de concebê-las se extinguiu nas almas da geração mais nova. " Citação de Olavo de Carvalho em "Virtudes nacionais".